especifica†•es t‰cnicas pavimenta†ƒo .pavimenta†ƒo 1 -...

Download ESPECIFICA‡•ES T‰CNICAS PAVIMENTA‡ƒO .PAVIMENTA‡ƒO 1 - PINTURA DE LIGA‡ƒO ... entretanto

Post on 10-Nov-2018

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 1Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 1

    ESPECIFICAES TCNICASPAVIMENTAO

    1 - PINTURA DE LIGAO

    De acordo com especificao DNIT 145/2012-ES

    1.1 - GENERALIDADES

    Consiste a pintura de ligao na aplicao de uma camada de materialbetuminoso sobre a superfcie de uma base ou de um pavimento, antes da execuo de umrevestimento betuminoso qualquer, objetivando promover a aderncia entre este revestimento ea camada subjacente.

    1.2 - MATERIAIS

    Todos os materiais devem satisfazer s especificaes aprovadas pelo DNIT podendo serempregados os materiais betuminosos seguintes :

    a) cimento asfltico de penetrao 150/200;

    b) asfaltos diludos, tipos CR-2 a CR-4 e CM-2 a CM-4;

    c) alcatro, tipos AP-4 a AP-12;

    d) emulses asflticas, tipos RR-1, RR-2, RR-1K e RR-2K

    A taxa de aplicao ser em funo do tipo de material betuminosoempregado, devendo-se situar-se em torno de 0,5 1/m2.

    1.3 - EQUIPAMENTO

    Todo equipamento, antes do incio da execuo da obra, dever serexaminado e aprovado pela equipe de fiscalizao de pavimentao, devendo estar de acordocom esta especificao. Tambm ser definido pela fiscalizao de pavimentao se osequipamentos fornecidos pela contratada so suficientes para garantir a qualidade necessriapara a execuo dos servios, sem o que no ser dada a ordem para o incio do servio.

    ~,Fr~o is~n;W.oc;.. ~c

    Per ~.~

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 2Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 2

    Para a varredura da superfcie da base, usam-se, de preferncia, vassourasmecnicas rotativas, entretanto pode ser manual esta operao. O jato de ar comprimido podertambm ser usado.

    A distribuio do ligante deve ser feita por carros equipados com bombareguladora de presso e sistema completo de aquecimento, que permitam a aplicao do materialbetuminoso em quantidade uniforme.

    O depsito de material betuminoso, quando necessrio, deve ser equipadocom dispositivo que permita o aquecimento adequado e uniforme do contedo do recipiente. Odepsito deve ter uma capacidade tal que possa armazenar a quantidade de material betuminosoa ser aplicado em, pelo menos, um dia de trabalho.

    1.4 - EXECUO

    Aps a perfeita conformao geomtrica da camada que ir receber apintura de ligao, procede-se varredura da sua superfcie, de modo a eliminar o p e omaterial solto existente.

    Aplica-se, a seguir, o material betuminoso adequado, na temperaturacompatvel com o seu tipo, na quantidade certa e de maneira mais uniforme. O materialbetuminoso no deve ser distribudo quando a temperatura ambiente estiver abaixo de 10C, ouem dias de chuva, ou, quando estiver iminente. A temperatura de aplicao do materialbetuminoso deve ser fixada para cada tipo de ligante, em funo da relao temperatura-viscosidade. Deve ser escolhida a temperatura que proporcione a melhor viscosidade paraespalhamento. As faixas de viscosidade recomendadas para espalhamento so as seguintes:

    Furol;a) para cimento asfltico e asfalto diludo: 20 a 60 segundos. Saybolt-

    b) para alcatro: 6 a 20 graus, Engler;

    c) para emulses asflticas: 25 a 100 segundos, Saybolt-Furol.

    Deve-se executar a pintura de ligao na pista inteira em um mesmo turnode trabalho e deix-la, sempre que possvel fechada ao trnsito. Quando isto no for possvel,trabalhar-se- em meia pista, fazendo a pintura de ligao da adjacente, logo que a pinturapermita sua abertura ao trnsito.

    A fim de evitar a superposio, ou excesso, nos ponto inicial e final dasaplicaes devem-se colocar faixas de papel transversalmente na pista, de modo que o incio e otiniino da aplicao do material betuminoso situem-se sobre essas faixas, as quais sero, aseguir, retiradas. Qualquer falha na aplicao do material betuminoso deve ser imediatamentecorrigida.

    Antes da aplicao do material betuminoso, no caso de bases de solo-cimento ou concreto magro, a superfcie da base deve ser irrigada, a fim de saturar os vaziosexistentes, no se admitindo excesso de gua sobre a superfcie. Essa operao no aplicvelquando se empregam materiais betuminosos, com temperaturas de aplicao superior a 100C.

    Uy`g,1.10 D'sg-(Ft,kODF;IIN(

    ~ tr.em,FV~'F.

    sVcl.lr ;JE-C ..

    PeroTr,~ 2

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 3Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 3

    1.5 - CONTROLE

    1.5.1 - QUALIDADE

    O material betuminoso fornecido pela contratada dever possuir garantiasde sua qualidade, obedecendo metodologia indicada pelo DNIT e de acordo com asespecificaes em vigor.

    1.5.2 - CONTROLE DE TEMPERATURA

    A temperatura de aplicao deve ser a estabelecida e verificada, pelaequipe de fiscalizao de pavimentao, devido ao tipo de material betuminoso em uso.

    1.5.3 - CONTROLE DE QUANTIDADE

    Ser feito mediante a pesagem do carro distribuidor, antes e depois daaplicao do material betuminoso. No sendo possvel a realizao do controle por esse mtodo,admite-se seja feito por um dos modos seguintes:

    a) coloca-se, na pista, uma bandeja de peso e rea conhecidos. Por umasimples pesada, aps a passagem do carro distribuidor, tem-se a quantidade do materialbetuminoso usado;

    b) utilizao de uma rgua de madeira, pintada e graduada, que possa dar,diretamente, pela diferena de altura do material betuminoso no tanque do carro distribuidor,antes e depois da operao, a quantidade de material consumido.

    Devem ser fornecidas amostras do material aplicado que sero devidamente colhidas pela equipede fiscalizao de pavimentao.

    1.6 - MEDIO

    quadrados.A pintura de ligao ser medida atravs da rea executada, em metros

    3

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 4Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 4

    2 s PR MISTURADO QUENTE

    De acordo com especificao DNIT 031/2006 -ES

    2.1 - GENERALIDADES

    Concreto betuminoso o revestimento flexvel, resultante da mistura a quente, em usinaapropriada, de agregado mineral graduado (brita n0 e n1), material de enchimento emagregado mineral mido (areia grossa - filler) e material betuminoso (cimento asfltico depetrleo - CAP), espalhada e comprimida a quente.

    Sobre a base imprimida, a mistura ser espalhada, de modo a apresentar, quando comprimida, aespessura do projeto.

    2.2 - MATERIAIS

    Todos os materiais devem satisfazer s especificaes aprovadas pelo DNIT.

    2.2.1 - MATERIAL BETUMINOSO

    O material betuminoso utilizado cimento asfltico de petrleo, de penetrao 50/70.

    2.2.2- AGREGADOS

    2.2.2.1 - AGREGADO GRADO

    O agregado grado deve ser pedra britada com dimenses maiores que 2mm, livres detorres de argila e substncias nocivas. O valor mximo tolerado, no ensaio de desgaste LosAngeles, de 50%. Deve apresentar boa adesividade. Submetido ao ensaio de durabilidade,com sulfato de sdio, no deve apresentar perda superior a 12%, em 5 ciclos. O ndice de formano deve ser inferior a 0,5.

    Opcionalmente, poder ser determinada a porcentagem de gros de forma defeituosa, que seenquadrem na expresso :

    onde :

    1 + g > 6 e

    1 - maior dimenso de gro;

    g - dimetro mnimo do anel, atravs do qual o gro pode passar;

    , FifJIE" dNTOV~l_ ~ ,Ily~ ~ irhtil

    4

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 5Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 5

    e - afastamento mnimo de dois planos paralelos, entre os quais pode ficarcontido o gro.

    No se dispondo de anis ou peneiras com crivos de abertura circular, o ensaio poder serrealizado utilizando-se peneiras de malha quadrada, adotando-se a frmula:

    1+ 1,25g>6e

    sendo, g, a medida das aberturas de duas peneiras, entre as quais fica retido o gro.

    A porcentagem de gros de forma defeituosa no pode ultrapassar 20%.

    No caso do emprego de escria, esta deve ter uma massa especfica aparente igual ou superior a1.100 kg/m3.

    2.2.2.2 - AGREGADO MIDO

    O agregado mido pode ser areia, pedra britada (p-de-pedra) ou mistura de ambos nasdimenses entre 0,075mm e 2mm. Suas partculas individuais devero ser resistentes,apresentar moderada angulosidade, livres de torres de argila e de substncias nocivas. Deverapresentar um equivalente de areia igual ou superior a 55%.

    2.2.2.3 - MATERIAL DE ENCHIMENTO (filler)

    Deve ser constitudo por materiais minerais finamente divididos, inertes em relao aos demaiscomponentes da mistura, no plsticos, tais como cimento Portland, cal extinta, ps calcriosetc., e que atendam seguinte granulometria

    PENEIRA POCENTAGEM MNIMAPASSANDO

    N2 40 100 -1

    NQ 80 95

    N~ 200 65

    Quando da aplicao, dever estar seco e isento de grumos.

    rvh:?n.,o 1\1Sc...._^'

    SA FrAF,"9,a^C

    5

  • Anexo IV - Especificaes Tcnicas Pavimentao (0264853) SEI 16.0.006529-2 / pg. 6Anexo Especificao Tcnica Pavimentao (0245074) SEI 15.0.015867-1 / pg. 6

    2.3 - COMPOSIES DA MISTURA

    A mistura do concreto betuminoso deve satisfazer os requisitos do quadro seguinte. A faixa a serusada deve ser aquela, cujo dimetro mximo seja igual ou inferior a 2/3 da espessura dacamada de revestimento.

    PENEIRA PORCENTAGEM PASSANDO EMPESO

    mm A 11 13 II e2"

    _50,8 100 II - II -

    1 1/2" 38,1 95 - 100 1001, 25,4 75 - 100 95 100 -

    3/4" 19,1 60 - 90 80 100 1001/2" 12,7 I -

    -I85 100

    3/8"_ 9,5 35-65 45-80 75-100

    No 4 4,8 25 - 50 28 60 50 85

    No 10 2,0 20 - 40 20 45 1130 75No 40 0,42 10-30 10-32 J 15--40No 80 0,18 5-20 3-8 8 -30No200 0,