condomínios e soluções - edição 5

Click here to load reader

Post on 28-Mar-2016

220 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Condominios e soluções - Edição 5

TRANSCRIPT

  • C O N D O M N I O & S O L U E S

    2 Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    a todos os tipos de condomnios

  • 3Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    C O N D O M N I O & S O L U E S

    a todos os tipos de condomnios

  • C O N D O M N I O & S O L U E S

    4 Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    N ossas F rutas T ox op lasmose

    M anuten o

    A P N RS E ntrevista

    H all

    Cidade, grande quintal Mitos e verdades

    Espao que valoriza unidadesCaminho da boa manuteno predial

    A famlia e a Poltica Nacional de Resduos Slidos

    N ossa C ap aAs orqudeas j fazem parte do dia a dia dos moradores das octogonais. Esta foto da nossa capa confirma.

    82 4

    4 82 0

    5 0 4 2

    F oto : A lu z io A lves

    Administrador de Braslia Messias de Souza

  • 5Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    C O N D O M N I O & S O L U E S

    Espao que valoriza unidades

    8

    4 8

    4 2

    E D I T O RI A LE D I T O RI A LE D I T O RI A LC arlos C aetano

    Este pas diferente mesmo. Comemoram-se coisas bobas, tolas, irrelevantes, com muito entusiasmo. Contudo, aes e programas impor- tantes so deixados de lado em suas datas.

    H dez anos (2003) se algum tivesse algum acidente automobilstico, por exemplo, um problema qualquer de sade no meio da rua, ou mesmo em casa, seria socorrido por algum inabilitado e bem intencionado, ou ficaria esperando a assistncia de uma ambulncia, ou ainda, seria levado de txi para os hospitais. Pois , tudo mudou e os dez anos do Servio de Atendimento Mvel de Urgncia (Samu) passaram em branco. Este sim, talvez seja um marco na sade brasileira. Parabns ao ex-ministro senador Humberto Costa PT (PE). So trs mil ambulncias, Brasil afora, em 2.660 municpios. So milhares de viaturas e milhares de equipes preparadas para o melhor atendimento emergencial nas ruas, avenidas e bairros das grandes e pequenas cidades.

    Chamou, chegou. E ningum fala disso. Viva o Samu!

    O Distrito Federal e no Braslia, como se diz por a, ter 600 quilmetros de ciclovias at o final de 2014. Esse tipo de mobilidade vem ao encontro da necessidade, do extraordinrio crescimento des-sa prtica esportiva e como alternativa viria por aqui. A Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e o Departamento de Estra-das de Rodagem do Distrito Federal (DER) so os rgos responsveis pela construo das ciclovias em todo o Distrito Federal. Esto em andamento 32 quilmetros nas L2 Norte e Sul, 12 na UnB e 7 no Guar. No Gama, Parano, Riacho Fundo II, Park Way, Santa Maria, Samambaia, Ceilndia, Re-canto das Emas e no Sudoeste, outros tantos qui-lmetros. O programa Acelera DF destinou em maro do ano passado 30 milhes de reais para a criao de ciclovias em outras regies: Lago Sul, Brazlndia, Planaltina, So Sebastio, Sobradi-nho e Setor Militar Urbano. H pelo menos quatro motivos para se comemorar o aumento dos quil-metros construdos das ciclovias, pois pedalar faz bem sade, contribui para a fluidez do trnsito, d segurana ao prprio ciclista e tambm contri-bui para a sustentabilidade ambiental, no emi-tindo gases que provocam o efeito estufa. o DF pedalando na frente.

    F oto : A lu z io A lves

    D ez anos de S amu

    S eiscentos q uil metros de ciclovias

    S A D E M O B I L I D A D E

  • C O N D O M N I O & S O L U E S

    6 Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    de ao, as telhas de fibrocimento so ideais para quem deseja investir em uma reforma. Em contra-partida necessrio muita cautela, pois o ambiente pode ficar pouco ventilado e as temperaturas inter-nas aumentarem demais. A preocupao crescente com o efeito das chuvas nas casas e, sobretudo com a integridade do imvel, impulsionam as lojas de materiais de construo.

    Vale ressaltar que a troca de telhas s precisa ser feita quando houver necessidade. Portanto, o cliente tem que estar atento limpeza do duto, no caso de condomnios; da calha e dos condutores; alm dos deslocamentos de telhas provocados pela ventania. Em geral, as goteiras anunciam telhas rachadas ou quebradas. Os pontos que merecem ateno so ancoragem da estrutura, o encaixe e alinhamento das telhas.

    Quatro dicas para que o problema no atinja o bolso:

    - Nesta poca do ano, vale ficar atento ao telhado aps as tempestades com ventos fortes;

    - aconselhvel limpar a calha a cada dois meses e a limpeza varia de acordo com a localizao de sua residncia;

    - para evitar escorreges e choques eltricos, no faa a limpeza em dias chuvosos;

    - a durabilidade da telha, se houver manuteno preventiva, varia de 15 a 40 anos.

    As fortes chuvas no Distrito Federal tm dei-xado a populao preocupada com os destelha-mentos. Em setembro, um restaurante na quadra 408 Sul teve o toldo arrancado em consequncia do temporal. Especialistas alertam: realizar a ma-nuteno preventiva das telhas a cada trs meses evita maiores prejuzos. Alm disso, a limpeza das calhas outra dica para no ser vtima das goteiras nesta poca do ano.

    O ideal que esse procedimento seja executa-do no perodo que antecede as chuvas. O estado das telhas que determina o tempo de durao do telhado. Temos exemplos de telhas galvanizadas, que o nosso ramo, em perfeito funcionamento h mais de 30 anos, conta Vanderlei Ribeiro, gerente de vendas da Ferragens Pinheiro. Para ele, a ma-nuteno preventiva deve estar em primeiro plano, afinal, pode acontecer de uma telha estar quebrada ou algum material ter estragado.

    Para quem est reformando o imvel ou preten-de apenas fazer um reparo no telhado, a opo escolher telhas mais resistentes: as metlicas e de fibrocimento mais indicadas para imveis que tm laje , que oferecem diversos tamanhos e es-pessuras, sendo resistentes a atmosferas agressi-vas, como os efeitos da corroso. Esses produtos atendem a todos os segmentos da construo civil.

    Encontradas em grandes projetos habitacionais devido a um custo unitrio baixo se comparada s

    MANUTENO MANUTENO MANUTENO PREVENTIVAPREVENTIVAPREVENTIVADO TELHADO EVITA GASTOS EXTRASDO TELHADO EVITA GASTOS EXTRASDO TELHADO EVITA GASTOS EXTRAS

    Fonte: Proativa

  • 7Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    C O N D O M N I O & S O L U E S

  • C O N D O M N I O & S O L U E S

    8 Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    A toxoplasmose tambm chamada pelo tris-te apelido de doena do gato um mal cercado por muitos mitos quanto sua infeco, principal-mente por se acreditar que a proximidade com fe-linos representa um alto risco para a contrao da doena.

    Essa informao equivocada, certamente umas das grandes causas de abandono, maus tratos e preconceito em relao aos felinos principalmente entre mulheres grvidas. Entretanto, o contato com os gatos, representa ameaa praticamente nula de transmisso da toxoplasmose.

    uma doena infecciosa causada pelo protozo-rio Toxoplasma gondii. Pode acometer tanto o ho-mem quanto animais de companhia, de produo e silvestres. O Toxoplasma gondii possui trs formas infectantes em seu ciclo de vida: oocisto, bradizoi-tos, contidos em cistos, e traquizoitos. na forma de oocistos que os felinos tm sua participao.

    Apesar de gatos e outros felinos serem hospe-deiros definitivos (somente h reproduo dos pa-rasitos neles), menos de um por cento da populao felina dissemina a doena. E essa transmisso s ocorre por meio das fezes dos felinos, por onde libe-

    ram os oocistos (ovos) da toxoplasmose.Mesmo assim, esses oocistos s podem infectar

    uma pessoa ou animal se eles estiverem esporula-dos. O processo de esporulao s possvel se o oocisto permanecer exposto a temperaturas acima de 36C por no mnimo dois dias. E o mais impor-tante: para transmitir a toxoplasmose esse oocisto deve ser ingerido.

    Sendo assim, o contato com animal, por meio de pelos e at fezes frescas so insuficientes para levar uma infeco por toxoplasmose.

    A via mais frequente da transmisso da toxo-plasmose ocorre por meio da ingesto de carnes cruas ou mal cozidas, ou verduras mal lavadas. As pessoas mais sensveis infeco por toxoplasma so crianas abaixo de trs anos e pessoas que no apresentam sorologia positiva para toxoplasmose, principalmente manipuladores de carnes e produ-tos crneos crus.

    A toxoplasmose pode ser transmitida de me para filho durante a gravidez trazendo srias im-plicaes para o feto, por isso a preocupao com mulheres grvidas no ingerirem alimentos crus ou

    T O X O P L A S M O S EM I T O S E V E RD A D E S

    P or B arbara L op es

  • 9Revista on-line : www.condominioesolucoes.com.br

    C O N D O M N I O & S O L U E S

    mal passados. Mas a doena no transmitida en-tre uma pessoa e outra.

    Para prevenir-se da infeco por toxoplasmose, so recomendadas aes simples, como:

    - Manter boa higiene e lavar as mos depois de manipular carnes cruas ou verduras;

    - utenslios e equipamentos que entram em con-tato com carne crua devem ser higienizados corre-tamente com gua e sabo;

    - medida preventiva mais importante consiste no cozimento adequado: os cistos morrem se a carne for inteiramente submetida a uma temperatura de 65C e mantida nessa temperatura durante quatro a cinco minutos;

    - lavar as mos antes de se alimentar e utilizar luvas ao lidar com terra ou areia, pois podem estar contaminadas com fezes de gatos;

    - fezes dos gatos e areia devem ser eliminadas diariamente, antes que os oocistos tenham tempo de esporular;

    - fazer limpeza peridica das caixas de areia dos gatos com gua fervente para destruir oocistos eventualmente existentes;

    - parques de areia de recreao para crianas

    devem ser cercados de forma a evitar o acesso de gatos;

    - combater vetores mecnicos (insetos, princi-palmente