premissas para a implantação do sgq centro de ensino superior do amapÁ ceap curso de...

of 22 /22
Premissas para a Implantação do SGQ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROF: NAZARÉ FERRÃO Sistema De Gestão da Qualidade

Author: internet

Post on 22-Apr-2015

102 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Premissas para a Implantao do SGQ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAP CEAP CURSO DE ADMINISTRAO PROF: NAZAR FERRO
  • Slide 2
  • implementao de um Sistema da Gesto da Qualidade O As organizaes tm problemas e dificuldades para assegurar a satisfao dos clientes e de outras partes interessadas, evidenciando a necessidade da implementao de um Sistema da Gesto da Qualidade (SGQ). O Alguns sintomas que justificam a construo e a implementao de um sistema de gesto que considere: a necessidade de se ter foco no cliente; o imperativo da identificao e da anlise da interdependncia dos processo que agregam valor ao cliente; o asseguramento da qualidade dos produtos; e a adequada proviso e utilizao dos recursos necessrios para garantir que os objetivos da organizao sero atingidos. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 3
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: O s gestores no conhecem, no monitoram e no controlam seus processos, sejam eles da rea administrativa, comercial, produtiva, de manuteno, ou de materiais, convivendo com problemas relacionados qualidade dos produtos e produtividade dos processos; Os gestores limitam-se a atuar reativamente sobre as no- conformidades aparentes, fazendo com que as causas reais dos problemas existentes tornem-se crnicas por falta de ao corretiva ou preventiva; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 4
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: Os nveis praticados da qualidade e produtividade no so conhecidos pelos gerentes, pelos supervisores ou pelos operadores dos processos, que no esto habituados a estabelecer e gerenciar indicadores de desempenho; Os gestores em todos os nveis no se sentem comprometidos com a necessidade de atender aos requisitos dos clientes e aos requisito, regulamentares relacionados ao produto gerado; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 5
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: problemas da qualidade e da produtividade falta de treinamento e de habilitao para a tarefa baixo nvel tcnico dos executantes Muitos problemas da qualidade e da produtividade esto ligados tanto falta de treinamento e de habilitao para a tarefa quanto ao baixo nvel tcnico dos executantes que no possuem a competncia requerida; processos so executados sem rotinas padronizadas no so cumpridas ou questionadas, no assegurando, previsibilidade para seus resultados Os processos so executados sem rotinas padronizadas ou com obsoletas que no so cumpridas ou questionadas, no assegurando, previsibilidade para seus resultados ; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 6
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: preocupao com as informaes necessrias ao trabalhadordelegao autoridade para a execuo da tarefa No h preocupao com as informaes necessrias ao trabalhador, nem delegao clara de autoridade para a execuo da tarefa; equipamentos e as ferramentas utilizados calibrados ou em condies adequadas de uso Os equipamentos e as ferramentas utilizados, na maioria das vezes no esto calibrados ou em condies adequadas de uso; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 7
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: medio daquilo que se faz No h preocupao com a medio daquilo que se faz, e, portanto, no se sabe realmente o que feito; so questionados quanto sua real capacidade de produzir Os processos existentes no so questionados quanto sua real capacidade de produzir com a qualidade exigida pelo cliente, seja interno ou externo; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 8
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: nveis de desperdcios no so conhecidos Os nveis de desperdcios no so conhecidos, avaliados ou questionados pelos gestores, que no se sentem comprometidos com sua reduo; Os problemas so escondidosregistrados ou documentados para anlise crtica posteriorOs problemas so escondidos, deixando de ser registrados ou documentados para anlise crtica posterior, perdendo-se os dados histricos necessrios para sua soluo efetiva; Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 9
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: diferentes nveis de deciso organizaciona no tm claramente definidos seus nveis de autoridade e responsabilidade Os diferentes nveis de deciso organizacional, desde a Alta Administrao at o nvel operacional, no tm claramente definidos seus nveis de autoridade e responsabilidade, integrao dos esforos despendidos pelos diferentes processos da organizao,polticas, diretrizes objetivos comuns no resultam no desempenho global desejado. No existe integrao dos esforos despendidos pelos diferentes processos da organizao, nem alinhamento a polticas, a diretrizes e a objetivos comuns, acarretando o aparecimento de desempenhos que, apesar de serem considerados bons para os processos locais, no resultam no desempenho global desejado. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 10
  • O Dentre outros sintomas podem ocorrer nas organizaes: diferentes nveis de deciso organizaciona no tm claramente definidos seus nveis de autoridade e responsabilidade Os diferentes nveis de deciso organizacional, desde a Alta Administrao at o nvel operacional, no tm claramente definidos seus nveis de autoridade e responsabilidade, integrao dos esforos despendidos pelos diferentes processos da organizao,polticas, diretrizes objetivos comuns no resultam no desempenho global desejado. No existe integrao dos esforos despendidos pelos diferentes processos da organizao, nem alinhamento a polticas, a diretrizes e a objetivos comuns, acarretando o aparecimento de desempenhos que, apesar de serem considerados bons para os processos locais, no resultam no desempenho global desejado. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 11
  • Essas evidncias no devem nem podem ser analisadas isoladamente. Atacar apenas alguns desses problemas pode gerar resultados parciais num primeiro instante, e com certeza conduzir ao fracasso ou frustrao ao longo do tempo. H que se ter viso sistmica, do todo, e da interdependncia desses problemas. Eles no so mutuamente excludentes. Uns so efeitos, outros so causas. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 12
  • Sistema da Gesto da Qualidade comprometer as aes de gesto com polticas, objetivos e diretrizes preestabelecidos implantar rotinas e padres de gesto no-conformidades observadasaprendizado contnuo e ao aprimoramento A existncia dos problemas a comprovao de que as organizaes precisam de um Sistema da Gesto da Qualidade capaz de comprometer as aes de gesto com polticas, objetivos e diretrizes preestabelecidos, e de implantar rotinas e padres de gesto que levem ao tratamento das no-conformidades observadas, ao aprendizado contnuo e ao aprimoramento dos nveis de desempenho dos processos. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 13
  • Sistema da Gesto da Qualidade e seus princpios, requisitos e aplicaes Para melhor entendermos o Sistema da Gesto da Qualidade e seus princpios, requisitos e aplicaes, torna-se necessrio o alinhamento da linguagem por meio de conceitos preliminares. a estao de trabalho e seus requisitos; os conceitos de produto e cliente; os conceitos de eficincia e eficcia; as relaes de autoridade e responsabilidade; o ciclo PDCA e o desdobramento de diretrizes; os itens de controle e os itens de verificao; o conceito de variabilidade. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 14
  • Trilogia JURAN: A Gesto da Qualidade pode ser vista como um processo que se desdobra em trs aes bsicas, constituindo o que foi chamado de Trilogia JURAN: o planejamento da qualidade; o controle da qualidade; e a melhoria da qualidade Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 15
  • O Planejamento da Qualidade ; Nesta fase........... clientes necessidadesdesenvolvem-se os projetos dos produtos dos processos......... devem ser identificados os clientes e suas necessidades e, a partir da, desenvolvem-se os projetos dos produtos e dos processos capazes de atender a esses requisitos. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 16
  • O Planejamento da Qualidade ; Nesta fase........... itens de controle assegurar a eficcia desses processos..........so identificados os itens de controle necessrios para assegurar a eficcia desses processos. padresos procedimentos e as rotinas os processos, atividades e tarefas,.........devem ser estabelecidos os padres, os procedimentos e as rotinas para todos os processos, atividades e tarefas, desdobrando por delegao os itens de controle. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 17
  • O Controle da Qualidade ; manuteno do processo atendendo aos padres que foram planejados atender s necessidades e metas estabelecidas O objetivo desta fase manuteno do processo, atendendo aos padres que foram planejados, de modo que ele permanea continuamente capaz de atender s necessidades e metas estabelecidas durante a fase de planejamento da qualidade. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 18
  • O Controle da Qualidade ; O controle da qualidade avaliao monitoramento do desempenho O controle da qualidade inclui a avaliao e o monitoramento do desempenho real dos processos e dos produtos em relao aos itens de controle definidos, comparando-os com os limites de especificao considerados aceitveis. no-conformidades no produto quanto no processocorrigindo-os e restabelecendo a estabilidade Diante de no-conformidades, a gesto deve atuar tanto no produto quanto no processo, corrigindo-os e restabelecendo a estabilidade dentro das metas e dos nveis de controle preestabelecidos. visa a assegurar a eficcia planejada. O Controle da Qualidade visa a assegurar a eficcia planejada. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 19
  • O Controle da Qualidade ; O controle da qualidade avaliao monitoramento do desempenho O controle da qualidade inclui a avaliao e o monitoramento do desempenho real dos processos e dos produtos em relao aos itens de controle definidos, comparando-os com os limites de especificao considerados aceitveis. no-conformidades no produto quanto no processocorrigindo-os e restabelecendo a estabilidade Diante de no-conformidades, a gesto deve atuar tanto no produto quanto no processo, corrigindo-os e restabelecendo a estabilidade dentro das metas e dos nveis de controle preestabelecidos. visa a assegurar a eficcia planejada. O Controle da Qualidade visa a assegurar a eficcia planejada.
  • Slide 20
  • A melhoria da qualidade melhoria aprimoramento da qualidade processo esteja sendo mantido sob controle. A fase de melhoria ou de aprimoramento da qualidade tem como premissa que o processo esteja sendo mantido sob controle. melhorar os nveis de desempenho dos processos e dos produtos Nesta fase busca-se melhorar os nveis de desempenho dos processos e dos produtos, agindo corretivamente ou preventivamente para eliminar os, problemas ou desperdcios crnicos naturalmente ou acidentalmente embutidos nos mesmos, sejam eles reais ou potenciais. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 21
  • A melhoria da qualidade Conforme a ISO 9000:2005 - Sistemas de Gesto da Qualidade - Fundamento e Vocabulrio focada no aumento da capacidade de satisfazer os requisitos da qualidade Melhoria da qualidade a parte da gesto da qualidade focada no aumento da capacidade de satisfazer os requisitos da qualidade, requisitos esses que podem dizer respeito aos clientes e a outras partes interessadas, aos produtos, aos processos e s leis, s normas e aos regulamentos aplicveis aos produtos e aos processos. Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro
  • Slide 22
  • Trilogia JURAN O figura abaixo representa de forma esquemtica a Trilogia JURAN e as atividades da gesto qualidade. dois nveis de desempenho previamente planejados A melhoria consiste sempre na evoluo entre dois nveis de desempenho previamente planejados e mantidos sob controle. Pode-se ainda observar a ocorrncia de um problema ou falha contingencial, requerendo aes corretivas para retornar aos nveis de controle aceitveis. 1 2 PLANEJAMENTO Nvel de desempenho CONTROLE MELHORIA Tempo DESPERDCIOSCRNICOS CONTROLE PROBLEMA ACIDENTAL Prof a :Nazar da Silva Dias Ferro