fraturas: fratura aberta e relato de lesão exposta patelar

Click here to load reader

Download Fraturas: Fratura aberta e relato de lesão exposta patelar

Post on 24-Feb-2016

41 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Fraturas: Fratura aberta e relato de lesão exposta patelar. Unisc – Universidade de Santa Cruz do Sul Curso de Educação Física – Bacharelado Prescrição e Controle para Populações Especiais Acadêmicos: Joana, Vanessa, Jose, Diana, Sabine Professor: Leandro Burgos. 1. Índice . Sistema ósseo - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

Apresentao do PowerPoint

Fraturas:Fratura aberta e relato de leso exposta patelar

Unisc Universidade de Santa Cruz do SulCurso de Educao Fsica BachareladoPrescrio e Controle para Populaes EspeciaisAcadmicos: Joana, Vanessa, Jose, Diana, SabineProfessor: Leandro Burgos

11. ndice Sistema sseoFratura:2.1 Conceito e etiologia2.2 Tipos de Fratura e Classificao2.3 Mecanismo do Trauma2.4 Tipos de Trao, extenso, estabilidade, desvio, exposio2.5Complicaes das fraturas2.6 Investigao clnica adicional3. Fratura aberta (exposta)4. Relato sobre fratura de joelho22. Sistema sseoO osso um tecido vivo, complexo e dinmico. Uma forma slida de tecido conjuntivo, altamente especializado que forma a maior parte do esqueleto e o principal tecido de apoio do corpo. O tecido sseo participa de um contnuo processo de remodelamento dinmico, produzindo osso novo e degradando osso velho.

3O osso formado por vrios tecidos diferentes: tecido sseo, cartilaginoso, conjuntivo denso, epitelial, adiposo, nervoso e vrios tecidos formadores de sangue.

4Cabea = 22 Crnio = 08 Face = 14 Pescoo = 8 Trax = 37 24 costelas 12 vrtebras 1 esterno Abdmen = 7 5 vrtebras lombares 1 sacro 1 cccixMembro Superior = 32 Cintura Escapular = 2 Brao = 1 Antebrao = 2 Mo = 27 Membro Inferior = 31 Cintura Plvica = 1 Coxa = 1 Joelho = 1 Perna = 2 P = 26 Ossculos do Ouvido Mdio = 3 Nmero de Ossos do Corpo Humano: clssico admitir o nmero de 206 ossos. 5Classificao dos Ossos:

Os ossos so classificados de acordo com a sua forma em:

OSSOS LONGOS: Tem o comprimento maior que a largura e so constitudos por um corpo e duas extremidades. Eles so um pouco encurvados, o que lhes garante maior resistncia. O osso um pouco encurvado absorve o estresse mecnico do peso do corpo em vrios pontos, de tal forma que h melhor distribuio do mesmo. Os ossos longos tem suas difises formadas por tecido sseo compacto e apresentam grande quantidade de tecido sseo esponjoso em suas epfises.

Exemplo: Fmur.

6OSSOS CURTOS: So parecidos com um cubo, tendo seus comprimentos praticamente iguais s suas larguras. Eles so compostos por osso esponjoso, exceto na superfcie, onde h fina camada de tecido sseo compacto.

Exemplo:Ossos do Carpo.

7OSSOS LAMINARES (PLANOS): So ossos finos e compostos por duas lminas paralelas de tecido sseo compacto, com camada de osso esponjoso entre elas. Os ossos planos garantem considervel proteo e geram grandes reas para insero de msculos.

Exemplos:Frontal e Parietal.

Alm desses trs grupos bsicos bem definidos, h outros intermedirios, que podem ser distribudo em 5 grupos:

AlongadosPneumticosIrregularesSesamidesSuturais

8Estrutura dos Ossos Longos:

A disposio dos tecidos sseos compacto e esponjoso em um osso longo responsvel por sua resistncia. Os ossos longos contm locais de crescimento e remodelao, e estruturas associadas s articulaes. As partes de um osso longo so as seguintes:

Difise: a haste longa do osso. Ele constituda principalmente de tecido sseo compacto, proporcionando, considervel resistncia ao osso longo.

Epfise: as extremidades alargadas de um osso longo. A epfise de um osso o articula, ou une, a um segundo osso, em uma articulao. Cada epfise consiste de uma fina camada de osso compacto que reveste o osso esponjoso e recobertas por cartilagem.

Metfise: parte dilatada da difise mais prxima da epfise.

9

10CONFIGURAO INTERNA DOS OSSOS

As diferenas entre os dois tipos de osso, compacto e esponjoso ou reticular, dependem da quantidade relativa de substncias slidas e da quantidade e tamanho dos espaos que eles contm. Todos os ossos tem uma fina lmina superficial de osso compacto em torno de uma massa central de osso esponjoso, exceto onde o ltimo substitudo por uma cavidade medular. O osso compacto do corpo, ou difise, que envolve a cavidade medular a substncia cortical. A arquitetura do osso esponjoso e compacto varia de acordo com a funo. O osso compacto fornece fora para sustentar o peso.

Nos ossos longos planejados para rigidez e insero de msculos e ligamentos, a quantidade de osso compacto mxima, prximo do meio do corpo onde ele est sujeito a curvar-se. Os ossos possuem alguma elasticidade (flexibilidade) e grande rigidez.

11Peristeo e Endsteo:

O Peristeo uma membrana de tecido conjuntivo denso, muito fibroso, que reveste a superfcie externa da difise, fixando-se firmemente a toda a superfcie externa do osso, exceto cartilagem articular. Protege o osso e serve como ponto de fixao para os msculos e contm os vasos sangneos que nutrem o osso subjacente.

O Endsteo se encontra no interior da cavidade medular do osso, revestido por tecido conjuntivo.

12

13Tecido sseo compacto

Contm poucos espaos em seus componentes rgidos. D proteo e suporte e resiste s foras produzidas pelo peso e movimento. Encontrados geralmente nas difises.

Tecido sseo esponjosoConstitui a maior parte do tecido sseo dos ossos curtos, chatos e irregulares. A maior parte encontrada nas epifises.14FRATURAS15O que ? uma interrupo da continuidade do osso que leva incapacidade de transmisso de carga devido perda da sua integridade estrutural. A incidncia maior no sexo masculino, devido h uma exposio maior aos traumas, porm se inverte na idade avanada em virtude da osteoporose ps menopausa.

16Etiologia causada por uma fora aplicada ao tecido sseo com intensidade suficiente para vencer sua resistncia.

TraumticaEspontneaPatolgicaFadiga, sobrecarga, stress

17Mecanismo do TraumaDiretoIndiretoContrao muscularCompresso

18Tipos de FraturaQuanto a localizao:EpifisriaMetafisriaDiafisrisa

Ela pode ser classificada em :SimplesComplexaMultifragmentarSegmentar 19Trao da fratura: transversa, oblqua curta, oblqua longa, espiroide, cominutiva, segmentar.

Extenso: completa, incompleta (fissura, galho verde).

Estabilidade: estvel e instvel.

Desvios: sem desvios, desviados, impactados.

Exposiso ssea: fechada e aberta, ou expostas.20Consolidao ssea o processo de regenerao do tecido sseo ps-fratura que leva a formao de tecido idntico ao original.

Diferente da cicatrizao.Cura com formao de tecido idntico aooriginal.21Consolidao ssea:

A fraturaB - alinhamento

C - inflamatriaD - reparativa E - remodelamento

22

23

24

25Tipos

Primria- direta- sem formao de calo sseo- depende de estabilidade absoluta- osteossntese estvel

Secundria- indireta- formao de calo sseo- estabilidade relativa- pacientes no operados26Fratura ExpostaInterrupo da continuidade do osso na qual h comunicao entre o foco fraturrio e o meio externo. A exposio ssea pode no ser visvel, mas h comunicao entre o hematoma fraturrio e o meio externo contaminado.

Fratura + feridaGrave pelo risco de infeco ssea (osteomielite ps traumtica)27

28

29Fratura clnica

Histria clnica = trauma

Sintomas = dor, impotncia funcional

Sinais clnicos = aumento de volume, dor a palpao, equimose, deformidade, crepitao ssea, mobilidade anormal, impotncia funcional.30Fratura exames complementares

Estudo radiolgico.

Tomografia axial computadorizada.

Fraturas graves:

Articulares ;Fraturas da pelve;Fraturas da coluna.31Fratura calo sseo

Hematoma fraturrio;Hematoma se organiza:

Formao de tecido fibroso (calo fibroso);

Formao de tecido sseo (calo sseo primrio);

Remodelao do calo sseo (calo sseo definitivo).32Complicaes das fraturasImediatas Precoces:Exposio ssea;Leso vascular;Leso nervosa;Embolia gordurosa.Tardias na Evoluo:Retardo de consolidao;Consolidao viciosa;Pseudoartrose.33Retarde de consolidao

Atraso no processo de consolidao da fratura que no est acontecendo dentro do perodo de tempo esperado para o tipo de fratura e idade do paciente.34Pseudatrose

Interrupo do processo de consolidao dafratura que no ir consolidar sem interveno cirrgica.35Consolidao viciosa

Consolidao da fratura em uma posioinadequada de mal alinhamento e deformidade.36Causas da diminuio da resistncia sseaFisiolgicas: linha epifisria (jovens) Osteoporose.

Patolgicas: Tumores;Infeco ssea (osteomielite) ;Osteognesis imperfeita;Distrbio do metabolismo.37O tempo de consolidao vai depender de:Espessura do osso;Tipo de fratura;Aporte sanguneo;Idade do paciente;Forma de reduo;Meio de sntese.38Sinais e sintomas constantes em pacientes fraturados:Dor

Impotncia funcional; Espasmo Muscular reflexo;

Edema;

deformidade;.39Prognstico da fratura abertaQuantidade de partes moles desvitalizados;Intensidade do trauma;Grau de contaminao da ferida;Urgncia no incio do tratamento.40Classificao das leses das partes moles:Tipo I: leso menor que 1 cm ;

Tipo II: leso maior que 1 cm com leso de pele e lacerao;

Tipo III: leso extensa, maior que 10 centmetros. Grandes leses de partes moles: fscias, msculos e feixes vsculo nervosas:Tipo III A: possvel cobrir a fratura com partes moles.Tipo III B: no possvel cobrir o foco com pele.Tipo III C: est associada leso arterial. 41Relato de caso: fratura exposta de leso patelarPaciente: J. B.;

Idade: 23 anos;

Diagnstico: Fratura exposta de MIE, especificamente de patela. Fratura por trauma (acidente de moto);

Data do acidente: 19.12.2012

Procedimento cirrgico: Reconstruo patelar com pinos e fio;

42TRATAMENTO HOSPITALAR: cirrgico, medicamentoso e fisioterapia;

3 DIAS DE RECUPERAO DE PO NO HOSPITAL: fisioterapia 2x ao dia com exerccios isomtricos e metablicos (retorno venoso). Recebe alta no terceiro dia.

REABILITAO NO CONSULTRIO:fisioterapia 5x semana, durao de uma hora. Realiza TENS para reforo mus

View more