EDUCAÇÃO POPULAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA Jaime José Zitkoski

Download EDUCAÇÃO POPULAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA Jaime José Zitkoski

Post on 26-Jul-2015

40 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

EDUCAO POPULAR E ECONOMIA SOLIDRIA: um dilogo possvel e necessrio

Autor: Jaime Jos Zitkoski Instituio: Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Resumo:

O presente trabalho se situa na discusso da temtica Educao Popular e Movimentos Sociais com enfoque nos processos pedaggicos vivenciados nas experincias da Economia Solidria, que se desenvolvem a partir de iniciativas da sociedade civil organizada no RS.O universo emprico da investigao est diretamente relacionado com projetos de Associaes, ONGS, Cooperativas e Movimentos Sociais que buscam construir alternativas scioeconmicas e de mudanas culturais na perspectiva da incluso social e de organizao da vida em sociedade a partir do desafio da emancipao social. O objetivo central da discusso e anlise de experincias de associativismo e Economia Solidria na regio metropolitana de Porto Alegre conhecer os processos pedaggicos que esto sendo construdos nas relaes entre diferentes saberes dos sujeitos envolvidos diretamente nos projetos associativos em relao aos processos sociais organizativos mais amplos e, igualmente, discutir os processos de elaborao e socializao dos conhecimentos voltados para o desafio de uma prxis de transformao social a partir do desafio de construirmos um novo ethos cultural. A obra de Freire a referncia central para debater os desafios da transformao cultural necessria para viabilizar um projeto de trabalho coletivo e solidrio. Palavras Chave: Educao Popular; Paulo Freire; Economia Solidria

1 - Educao Popular e Cultura da Solidariedade

A Educao popular constitui-se em uma diversidade de experincias pedaggicas e de formao humana que convergem para o desafio da emancipao social e da reinveno nas formas de produzir a vida em sociedade. O trabalho associativo, organizado de forma coletiva nas experincias de Economia solidria, desponta como uma perspectiva de

Educao Popular diretamente engajada na luta por um novo projeto de sociedade para alm da lgica capitalista e dos socialismos histricos. Nesse sentido, entende-se por educao os amplos processos scio-culturais inerentes s formas de organizao da vida comunitria e a construo de saberes que emergem da luta quotidiana para atingir uma vida mais digna nos grupos sociais diretamente envolvidos e a relao destes com o contexto scio-poltico mais amplo. Educao caracteriza-se, nessa perspectiva, como sinnimo de humanizao e de mudana da qualidade de vida a partir da1

organizao social e da efetivao concreta de projetos voltados para o processo de uma vida comunitria e social emancipatria. O desafio se coloca na produo de uma nova cultura, solidria, democrtica e libertria em relao aos aspectos econmicos, polticos, sociais e culturais da vida de cada pessoa, que participa diretamente das iniciativas e propostas de economia solidria. A

categoria trabalho - e a discusso da organizao coletiva do mesmo emerge como a categoria central nesse desafio de produzir uma nova cultura em sociedade. Dessa forma, despontam no cenrio atual da sociedade brasileira inmeras iniciativas de economia popular, no campo e na cidade, que demonstram um novo potencial para enfrentar as graves conseqncias do processo de excluso social que est em curso na lgica do mercado mundial sob a gide das polticas neoliberais. Mais do que completar o Estado Social, que no Brasil nunca chegou a existir de forma plena, a economia popular e solidria busca responder diretamente a crise do emprego assalariado, reinventando as formas de experienciar o trabalho via os processos de organizao da produo associativa e do consumo solidrio e justo em diversas modalidades de empreendimentos, que superam a lgica capitalista das relaes de trabalho, produo e acesso a renda. Ou seja, desempregados e subempregados juntam saberes e fora de trabalho e constituem pelo pas afora grupos ou associaes produtivas ou prestadoras de servios. Os ramos mais comuns de atividades so artesanato, confeco, reciclagem, alimentao, agro-ecologia e servios em gerais (PINTO, 2006, p. 33). Mas, no se trata apenas de se obter trabalho e renda, por meio de sadas cooperativas e/ou de economia solidria. O que nos interessa discutir se de fato emerge uma nova cultura nas relaes mediadas pelo trabalho associativo via economia solidria e se este produz novos significados, novas solidariedades, que re-qualifiquem o sentido do trabalho, da produo e do consumo. H fortes motivos que podemos destacar na atualidade como razes para a busca da discusso no campo da Educao Popular, bem como a reorganizao prtica dos Movimentos Sociais Progressistas para a construo da emancipao social. Dentre eles, impem-se a ns, hoje, a anlise mais detalhada da crise dos paradigmas tradicionais nas dimenses da economia, da poltica e da organizao social ,alm dos desafios da Educao Popular frente ao mundo cultural contemporneo e a necessidade da reinveno do poder enquanto projeto emancipatrio dos povos oprimidos a nvel mundial. A reflexo sobre os desafios futuros da Educao Popular precisa enfrentar o debate sobre a construo de um novo projeto de sociedade, para alm do socialismo autoritrio e do2

atual capitalismo global, altamente excludente em termos humanos e sociais e destrutivo em relao ao planeta e ao futuro da vida. Discutir um novo projeto social requer, sobretudo, ousadia, criatividade e esperana das classes populares na busca de reinventar o poder enquanto meta prtica das organizaes e atividades locais articuladas com movimentos de estratgias polticas mais amplas (SANTOS, 2002), inclusive de mbito internacional. Ou seja, os Novos Movimentos Sociais, que emergem no atual cenrio poltico-social cada vez mais mundializado, necessitam organizar-se luz de articulaes mais globais, como hoje pretende a organizao do Frum Social Mundial, para fazer frente globalizao neoliberal excludente e perversa para bilhes de pessoas no mudo todo, que ignora os problemas de ordem social, cultural, poltica e do cotidiano da populao, produzidos pela prpria lgica dos mercados controladores das sociedades em nvel mundial, que exclui milhes de pessoas de seus postos de trabalho e do acesso s condies sociais para uma vida digna. Eis o grande desafio e, ao mesmo tempo, potencial de resistncia e construo de alternativas, que as experincias de Economia Solidria nos colocam em relao a

necessidade de repensar as lgicas da produo da vida em sociedade. (SANTOS, 2003).

2- Educao Popular e Reinveno do Poder

A reinveno do poder , sem sombra de dvida, o desafio mais crtico e exigente no mbito dos Movimentos Sociais e da Educao Popular. No basta apenas lutar pela conquista do poder semelhana das estratgias tradicionais de um passado recente, que, na grande maioria de suas concretizaes prticas, resultou em amplas frustraes das expectativas sociais e da esperana das classes populares por transformaes substanciais da vida concreta. Para alm da estratgia de conquista do poder, faz-se necessrio organizar o embate poltico para a construo de novas relaes sociais, verdadeiramente democrticas, implicando, assim, outros valores culturais, que possam efetivamente construir a reinveno da democracia superando seu molde puramente representativo, hoje profundamente

desgastado e ineficiente frente s demandas sociais. Nessa direo, faz-se necessrio aos Movimentos Sociais (SANTOS, 1998), organizar embates prticos que ocupem espaos poltico-sociais desde o poder institudo para, de modo estratgico e gradativo, recriar as estruturas sociais e polticas. E, nessa direo, atravs de movimentos articulados em rede fortalecendo as experincias de solidariedade locais 3

construir a cidadania coletiva e

emancipatria em direo a um novo projeto de sociedade (SANTOS, 2003). Torna-se necessrio Educao Popular, que quer desenvolver alternativas de emancipao social, construir um horizonte novo de poder, que potencialize os espaos sociais quotidianamente vivenciados pelas classes populares como estratgia de unio entre diferentes setores sociais para cultivar, como bem coloca Freire(1993) a revoluo cultural. A revoluo cultural toma a sociedade em reconstruo em sua totalidade, nos mltiplos quefazeres dos homens, como campo de sua ao transformadora (...)A reconstruo da sociedade (...) tem na cultura, que culturalmente se refaz, o seu instrumento fundamental. Desta maneira, o poder revolucionrio (...) no apenas um poder, mas um novo poder (...).(pg. 156).

Nesse sentido, reinventar o poder exige, tambm, que j as formas de conquist-lo sejam essencialmente diferentes das prticas autoritrias sofridas historicamente pelos oprimidos. Um primeiro desafio construir novas relaes comeando pela organizao do trabalho a partir da perspectivas das classes operrias se organizando em autogesto dos processos produtivos. H, portanto, muitos caminhos j percorridos e outros tantos ainda para conquistar pela prtica efetiva do exerccio da cidadania coletiva atravs da organizao da sociedade civil na busca de uma nova cidadania. Esses espaos que podero constituir novos movimentos e formas de organizar a sociedade, que possam ser, desse modo, a esperana de grandes alteraes no cenrio poltico, econmico, cultural e social da atualidade. Pois a histria humana possibilidade, movimento e desafio de humanizao (FRIRE,1994) dos povos em seus processos scio-culturais concretos. 3- A esperana que desponta nos projetos do trabalho coletivo No atual contexto, construir novas possibilidades para viver em um mundo mais belo e feliz uma utopia que realimenta os sonhos do paradigma da Educao Popular, mesmo em tempos de incertezas como os que hoje experienciamos no Brasil e no mundo. E as experincias de economia solidria, que recentemente despontam no Brasil, demonstram um potencial emancipatrio e criativo em termos de construir um mundo mais humanizado e uma cultura da vida comunitria (GADOTTI e GUITREZ, 1993) e dos vnculos de solidariedade. Sem dvida a experincia pioneira remonta ao Programa de Economia Popular e Solidria do governo gacho (1999 2002). No Estado gacho, mais de 140 empreendimentos solidrios, envolvendo aproximadamente 10 mil trabalhadores diretos, foram alvo de aes de capacitao, apoio tcnico e jurdico, financiamento, comercializao

4

e estruturao de cadeias produtivas ( PINTO, 2006, p. 35). A prtica de parcerias entre grupos organizados em diferentes setores e formas organizativas , que emergem das classes populares, mostra que possvel avanar em termos de criar alternativas diante do paradigma capitalista do trabalho assalariado. As cooperativas de trabalhadores autnomos em reciclagem de lixo no meio urbano, ou no trabalho dos assentados do MST, que venho pesquisando h mais de dois anos na regio metropolitana de Porto Alegre, demonstram que possvel superar a estreita vinculao entre: trabalho salrio - consumo. Os vnculos de solidariedade fundamentando a organizao do trabalho coletivo produzem outra perspectiva para alm da lgica reducionista do paradigma do capital. Outro ponto de real importncia, para a Educao Popular, e que est diretamente ligado com uma concepo de histria como possibilidade, a viso de mundo relativa e no relativista frente verdade e/ou o sentido da histria humana e da vida em sociedade. Ou seja, no h apenas uma forma de luta em prol da transformao social, e o movimento operrio, por maior fora que teve e tem nos processos de transformao na histria da humanidade, no a nica fora histrica que desponta na contemporaneidade como perspectiva de libertao humana. Precisamos reinventar nossas formas de luta e unir os diferentes para lutar contra os antagnicos (FREIRE, 1994). Nessa perspectiva, a unidade na diversidade o caminho mais fecundo e criativo para que, mantendo a utopia e o projeto de transformao social, possamos impulsionar novas prticas libertrias capazes de romper com a inrcia das massas populacionais hoje anestesiadas pela cultura industrial, alienante e homogeneizadora das conscincias. A partir de cada realidade local, ou regional, possvel articular movimentos mais amplos de resistncia, lutas e caminhos alternativos rumo construo de um mundo mais livre, humano e solidrio. A luta pelos direitos humanos, por exemplo, uma expresso da prpria diversidade existente nas realidades especficas de uma sociedade hoje cada vez mais complexa e desafiadora. As demandas so especficas, em um primeiro momento, mas h tramas que constituem a unidade da luta pelo respeito dignidade das pessoas humanas. Essa unidade do movimento popular algo que se constri socialmente como uma tarefa que est na frente, pois nasce das diversidades existentes na realidade local, especfica. nesse sentido que,As mulheres, enquanto pessoas iguais aos homens, exigem que se respeite e no se discrimine sua diferena; os indivduos de diferentes etnias, enquanto cidados iguais aos outros, exigem a dignidade da sua diferena; as regies perifricas levantam-se num processo similar diante dos centros5

metropolitanos(PALMA, p. 36-37).

Portanto, os desafios colocados para a

Educao Popular na perspectiva

de

desenvolver projetos com potencial de emancipao social, apontam para a necessidade de dialogar com novas experincias de luta contra-hegemnica e de construo de uma cultura de resistncia diante dos processos de excluso social. Dentre o novo se colocam as

experirncias de economia solidria na busca de construir uma nova cultura do trabalho e do empoderamento dos oprimidos para lutarem por transformaes sociais em favor das classes populares. 6. BIBLIOGRAFIA

DUSSEL, Enrique. tica de la Liberacin. In tica do Discurso e Filosofia da Libertao Modelos Complementares. So Leopoldo : Unisinos, 1994. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. So Paulo : Paz e Terra, 1993. 22 ed. ______ Pedagogia da Esperana. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1994. 3 ed. ______ A Sombra Desta Mangueira. So Paulo : Olho Dgua, 1995. 1 ed. ______ Conscientizao. So Paulo. :. Ed. Moraes, 1980, 3 ed. ______ Extenso ou Comunicao? So Paulo. : Paz e Terra, 1992, 10 ed. ______ Pedagogia da Autonomia. So Paulo. : Paz e Terra, 1997. 1 ed. FREIRE, Paulo & GUIMARES, Srgio. Aprendendo com a Prpria Histria. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1987. GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: Uma Biobibliografia. So Paulo : Cortez, 1996. ______ & GUTIREZ, Francisco. Educao Comunitria e Economia Popular. So Paulo : Cortez, 1993. GOLSALVES. Elisa Pereira. Educao Popular: entre a modernidade e a Ps-modernidade. In: Educao Popular. So Paulo : Loyola, 1998. MCLAREN, Peter et all. (org). Paulo Freire: poder, desejo e Memria da Libertao. Porto Alegre : Artes Mdicas, 1998. PALMA, Diego. O clima da Ps-modernidade, a crise e a educao Popular. In O Pndulo das Ideologias. Rio de Janeiro. : Relume Dumar, 1994. PINTO, Joo Roberto L. Economia Solidria: de volta arte da associao. Porto Alegre : UFRGS, 2006. SANTOS, Boaventura de Souza. Um discurso sobre as Cincias. Porto : Ed. Afrontamento, 1993.6

_______ (org.) Produzir para viver: os caminhos da produo no capitalista. Rio de Janeiro: Civilizao Brasileira, 2003 _______ (org.) Democratizar...

Recommended

View more >