odonto 039

Download Odonto 039

Post on 23-May-2017

225 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    Manual Projeto Homem Virtual Articulao Tmporo-Mandibular

    Autoria: Profa. Dra. Simone Soares. Profa. Dra. Daniela Castilio. Coordenao: Profa. rika Sequeira. LEGENDAS:

    Figura 1 - A ATM faz parte do sistema estomatogntico, que pode ser definido como:

    Um conjunto heterogneo de rgos e tecidos, os quais devem atuar integrados e harmonicamente, de tal maneira que seus envolvimentos fisiolgicos e patolgicos so absolutamente interdependentes participando da mastigao, deglutio, respirao, fonao e postura. (Behsnilian, 1974)

    Outros componentes so:

    Ossos; Msculos; Dentes; Ligamentos; Periodonto; Lbios, lngua e bochecha; Sistema vsculo-nervoso.

    Figura 1

  • 2

    Figura 2 Figura 2 - Os principais ossos so:

    Maxila (A); Mandbula (B); Temporal (C).

    Figura 3

  • 3

    Figura 4 Figuras 3 e 4 Os quatro principais msculos da mastigao so:

    Masseter (A); Figura 3. Temporal (B); Figura 3. Pterigideo Medial (C); Figura 4. Pterigideo Lateral (D): Figura 4. Feixe superior (D1); Figura 4. Feixe inferior (D2); Figura 4.

    Funo dos msculos: Proporcionar fora a partir da qual se origina o movimento. A nica fora que um msculo pode proporcionar uma trao, contrao ou tenso.

  • 4

    Figura 5 Figura 5 - Mm. Masseter:

    Origem: arco zigomtico (A); Insero: ngulo da mandbula (B).

    Duas pores:

    Superficial: fibras que correm para baixo e ligeiramente para trs (C). Profunda: fibras que correm numa direo vertical. (D)

    Funo do Mm. Masseter: Elevao da mandbula e contato dentrio.

  • 5

    Figura 2 Figuras 2 e 3 - Mm. Temporal:

    Forma de leque; Origem: fossa do temporal e superfcie lateral do crnio; Insero: processo coronide e borda anterior do ramo ascendente da

    mandbula.

    Figura 3

  • 6

    O mm. temporal apresenta as seguintes pores:

    Anterior (1), Mdia (2), Posterior (3).

    Funo do mm. temporal: Elevao da mandbula e contato dentrio.

    Figura 6 Figura 6 - Mm pterigideo medial:

    Origem: asa interna do processo pterigideo.(A) Insero: ngulo interno da mandbula, medialmente insero do m. masseter.

    (B) Funo: fechamento, contato dentrio. ativo na protruso. Sua contrao

    unilateral proporciona um movimento mediotrusivo.

  • 7

    Figura 7 Figura 7 - Mm pterigideo lateral:

    Pterigideo lateral superior (C); Pterigideo lateral inferior (D).

    Pterigideo lateral superior:

    Origem: na apfise pterigide, na asa externa (1). Insero: disco articular (2). Funo: fechamento, contato dentrio.

    Pterigideo lateral inferior: Origem: asa externa do processo pterigideo (3). Insero: colo do cndilo mandibular (4). Funo: tracionar os cndilos para frente em direo ao tubrculo articular na

    contrao bilateral durante a protruso; contrao unilateral, do cndilo orbitante e movimento lateral da mandbula do lado para o qual a mesma se deslocou (lado de trabalho). Quando funciona com os depressores, a mandbula abaixada e os cndilos vm para baixo e para frente.

    Ao antagnica do pt. Lateral Durante o movimento de abertura o pt. lateral inferior esta ativo permanecendo o superior passivo. Porem, a situao se inverte durante o fechamento, ficando ento ativo o pt. lateral superior para que se evite que o disco articular ao voltar para a posio normal, no retorne bruscamente e lesione a zona bilaminar (rica em vasos, nervos e artrias).

  • 8

    Figura 8 Figuras 8, 9 e 10 - ATM: Componentes anatmicos:

    Cndilo; Figura 9 Fossa mandibular; Figura 9. Disco articular; Figuras 8 e 9. Ligamentos; Figura 8. Cpsula articular Figura 10.

    Tipo de articulao: Ginglimoartroidal A ATM executa movimentos de rotao e translao. No

    movimento de abertura a ATM rotaciona ate um limite de 25mm, a partir da inicia o movimento de translao ate o limite de abertura mxima.

    Articulao composta.

  • 9

    Figura 9 Figura 9 - Disco articular: Tecido conjuntivo fibroso, denso e/ou fibrocartilagem, avascular e livre de nervos tolera as foras de atrito. Compartimento ou cavidade articular superior translao movimento de deslizamento artroidal (1). Compartimento ou cavidade articular inferior rotao movimento de dobradia gnglimo (2). O disco articular est ligado ao cndilo em seus plos medial e lateral. Assim ele se move com o cndilo quando este se translada em relao eminncia articular, segundo OKESON. Figura 8.

  • 10

    Figura 10 Figura 10 - Cpsula articular:

    Limites anatmicos e funcionais da ATM. Fibrosa, bem fina e relativamente frouxa. Circunda a superfcie articular do cndilo, e combina com o peristeo do colo

    mandibular. Membrana sinovial: camada superficial de clulas apoiadas em uma camada de tecido conjuntivo frouxo muito vascularizado, que se apia sobre o tecido capsular.

    Funo: dialisar do plasma o lquido sinovial. Lquido sinovial: fluido tissular com alta concentrao de ac. hialurnico e

    poucas clulas que nutre as superfcies no vascularizadas. Lubrificante, das articulaes, reduzindo a eroso.

  • 11

    Figura 11 Figura 11 - Zona bilaminar ou coxim retrodiscal:

    Tecido conjuntivo frouxo, inervado e vascularizado. Funo: proporcionar suprimento sangneo para a produo do lquido

    sinovial. Duas lminas: superior e inferior. Lmina superior: vascularizada e inervada e formada essencialmente por fibras

    elsticas e algumas fibras colgenas, fundindo-se cpsula. Tambm apresenta tecido adiposo (A).

    Lmina inferior: rarssimas fibras elsticas e abundantes fibras colgenas que se unem a cpsula e se inserem no colo do cndilo (B).

  • 12

    Figura 10

    Figura 12 Figuras 10 e 12 - Ligamentos:

  • 13

    Protegem as estruturas. Tecido conjuntivo colagenoso, que no se estica. No atuam ativamente na funo da articulao, mas agem passivamente como

    agentes limitadores ou de restrio. Funcionais:

    colaterais, capsular, Figura 10. tmporo mandibular.

    Acessrios:

    estilomandibular, Figura 12. Esfenomandibular, Figura 12.

    Movimentos mandibulares: A articulao temporomandibular executa dois tipos de movimentos, rotao e translao. (Figura 13)

    Figura 13

    1.1: Movimento de rotao

    A rotao ocorre quando o cndilo se movimenta em torno de um eixo fixo, se articulando contra a superfcie inferior do disco articular, portanto, este movimento ocorre na cavidade ou compartimento articular inferior da articulao, Figura 9. O movimento de rotao da mandbula pode ocorrer nos planos horizontal, frontal (vertical) e sagital. O movimento mandibular em torno do eixo horizontal pode ocorrer na abertura e no fechamento da boca. chamado de movimento de dobradia, no qual se observa o

  • 14

    movimento de ambas as articulaes em volta de um nico eixo de rotao. Este movimento raramente ocorre durante o funcionamento normal. O movimento em volta do eixo frontal ocorre quando a mandbula se desloca lateralmente, assim, um cndilo de desloca em direo eminncia articular e o outro permanece no eixo de rotao frontal. Devido inclinao da eminncia articular, o movimento lateral da mandbula est associado ao movimento do cndilo orbitante para baixo (cndilo contrrio ao lado para o qual a mandbula se deslocou), gerando outro eixo terminal de rotao no plano sagital.

    1.2: Movimento de translao A translao pode ser definida como um movimento de um corpo em que todas as partes tm, em cada instante, a mesma velocidade e direo. A translao ocorre na cavidade ou compartimento articular superior (Figura 9), entre a superfcie superior do disco articular e a superfcie inferior da fossa articular. Durante os movimentos normais, a mandbula est rotacionando em torno de um ou mais eixos e cada um dos eixos esta transladando. Isso resulta em movimentos extremamente complexos nos quais ambas as articulaes sempre esto em atividade simultnea, porm raramente os movimentos so idnticos e conjuntos.

    So movimentos executados pela mandbula:

    2: Abertura (Figura 14)

    Figura 14

    O movimento de abertura se inicia com o relaxamento dos msculos elevadores: masseter, pterigideo medial e fibras anteriores e mdias dos temporais, seguido do relaxamento dos msculos retratores que so as fibras posteriores dos temporais. Ao mesmo tempo, ocorre contrao dos pterigideos laterais inferiores, seguida de uma ao forte dos msculos supra-hiideos, principalmente o digstrico, proporcionando uma trajetria condilar para frente e para baixo, at que se atinja a abertura mxima. Nesta fase, o osso hiideo estabilizado pela ao dos infra-hiideos.

  • 15

    3: Fechamento (Figura 14)

    O fechamento se inicia com o relaxamento dos msculos depressores, principalmente, o digstrico e os pterigideos, de forma sincrnica ocorrem contrao dos msculos elevadores: masseter, pterigideo medial, fibras anteriores e mdias dos temporais, determinando o fechamento inicial com o movimento ascendente da mandbula, levando o conjunto cndilo/disco a deslizar pela face articular em direo poro profunda da fossa mandibular, numa trajetria para cima e para trs. Enquanto o mento descreve uma trajetria para cima e para frente. Na fase final, as fibras posteriores do temporal se contraem provocando retrao final da mandbula.

    Durante o movimento de fechamento e abertura o msculo pterigideo lateral superior e inferior atuam antagonicamente. Na abertura o pt. lateral inferior est ativo e durante o fechamento o pt. lateral superior est ativo para evitar que o disco articular volte para sua posio repentinamente e lesione a zona bilaminar que rica em vasos, nervos e artrias.