aula 05 - portugu- ¦ês - aula 01

Download Aula 05 - Portugu- ¦ês - Aula 01

Post on 28-Oct-2015

54 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 1

    Contedo Apresentao ................................................................................... 1

    Questes comentadas ........................................................................ 2

    CESGRANRIO Eletronuclear Auxiliar tcnico 2010 (Mdio) ........ 2

    Gabarito ................................................................................... 14

    CESGRANRIO Eletrobrs Tcnico em arquivo 2010 (Mdio) ....... 14

    Gabarito ................................................................................... 27

    Questes de reviso ........................................................................ 27

    CESGRANRIO IBGE Agente censitrio 2010 (Mdio) .................. 27

    Gabarito ................................................................................... 30

    Aspectos tericos ............................................................................ 31

    Concluso ...................................................................................... 41

    ndice Remissivo ............................................................................. 41

    Apresentao

    Estamos iniciando o nosso primeiro mdulo de contedo, agora passamos a dar mais nfase aos comentrios e ampliamos os contedos tericos.

    Resolvam as questes com calma e confiram o progresso no desempenho de cada um. muito importante manter uma vigilncia sobre a forma como estamos desenvolvendo os estudos, pois quando temos controle da situao, no perdemos o foco.

    Como estas provas so de nvel mdio, o foco principal a interpretao de texto e a morfologia. Se observarem o nosso ndice remissivo, podero perceber a quantidade de questes de interpretao e vocabulrio (significao). Poucas so as questes diretamente relacionadas aos contedos gramaticais. Isto torna a prova mais simples, mas imprevisvel.

    No deixem de participar do frum. As questes de reviso tm a finalidade de promover a interatividade, pois cada um posta a sua dvida e com isto eu ganho espao para ampliar o nosso curso. A participao de todos fundamental.

    Vamos ao nosso contedo de hoje.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 2

    Questes comentadas

    CESGRANRIO Eletronuclear Auxiliar tcnico 2010 (Mdio)

    Coleo de extremos

    Catlogo dos mais curiosos feitos da humanidade ou 1 enciclopdia sem sentido? O Guinness World Records (Livro Guinness 2 de Recordes) se renova h 55 anos, em busca do extraordinrio. E 3 assim se tornou um dos livros mais vendidos da Histria. 4

    Pense duas vezes antes de fugir de uma discusso 5 aparentemente tola. Um dos livros mais vendidos de todos os tempos 6 surgiu a partir de um debate, digamos, pueril. Numa noite de 7 novembro de 1951, em County Wexford, na Irlanda, o ento diretor 8 industrial da cervejaria Guinness, Hugh Beaver, tomava uma com 9 seus chegados quando rolou a polmica: qual seria a ave de caa 10 mais veloz da Europa? A taramboladourada ou a tetraz? 11 Argumentaes apaixonadas foram feitas em defesa de cada uma, 12 mas ningum tinha como efetivamente provar qual era a mais ligeira. 13 E se fosse ainda uma terceira? Beaver, ento, se deu conta: um livro 14 que reunisse recordes seria muito til, tanto para matar dvidas 15 prosaicas como aquela quanto para satisfazer a insana curiosidade do 16 ser humano. E haja curiosidade. Nunca uma obra no autoral (ou 17 seja, de responsabilidade coletiva) vendeu tanto. So mais de 100 18 milhes de exemplares. A Bblia e o Alcoro no entram na parada 19 por serem textos de reproduo livre. (...) 20

    Lanada em 1955, a primeira edio teve mil exemplares de 21 tiragem, mas nem chegou s livrarias britnicas. O livro fez jus ao 22 nome de batismo e foi distribudo apenas nos pubs e botecos da 23 Inglaterra e Irlanda. Segundo sir Hugh relata em suas memrias, a 24 estreia funcionou a um s tempo como uma ao promocional da 25 cervejaria e um teste para medir a popularidade de um compndio 26 daquele tipo. brios e sbrios aprovaram: a segunda edio j foi o 27 livro mais comprado naquele Natal britnico. Um ano depois aportou 28 nos Estados Unidos e de cara bateu os 70 mil exemplares. As vendas 29 das edies seguintes aumentaram progressivamente, at atingir os 30 atuais 4 milhes de exemplares por ano. (...) 31

    Sem tdio 32

    Todos os dados publicados no nmero de estreia foram 33 conferidos e auditados por uma pequena empresa de banco de dados, 34 ento recm-inaugurada pelos irmos gmeos Norris e Ross 35 McWhirter. (...) 36

    Os irmos permaneceram como consultores pelas duas dcadas 37 seguintes, mas o progresso rpido da empreitada forou a cervejaria 38

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 3

    a procurar avaliadores com especialidade em outras reas, uma 39 turma com formaes e interesses to plurais quanto os variados 40 temas abordados no livro. Nascia assim o Time de Gerenciamento de 41 Recordes. Dividida em reas (esportes, artes, culinria, cincia, 42 videogames), a equipe hoje responsvel por avaliar 60 mil pedidos 43 de recordes todo ano. Cada um dos 14 profissionais julga uma mdia 44 de 71 recordes, ou melhor, tentativas de recordes por semana. Os 45 gerenciadores de recordes, como so chamados, passam por um 46 treinamento casca-grossa antes de definir quem pode figurar no livro, 47 que inclui gesto de banco de dados, aulas de histria e tcnicas para 48 reconhecer uma foto manipulada, entre outros requisitos. 49

    A combinao de habilidades se impe por causa da variedade 50 de recordes que os gerenciadores avaliam. Que o diga o espanhol 51 Carlos Martinez, responsvel pela validao das marcas nos pases de 52 lngua espanhola e portuguesa. Ele no sabe o que tdio no 53 trabalho. Num dia pode estar no Bahrein para medir a maior obra de 54 arte impressa nas areias do deserto. No outro, joga basquete com o 55 homem mais alto do mundo. Depois d um pulo em So Paulo para 56 conhecer o leiloeiro mais rpido do planeta e volta aos Estados 57 Unidos a fim de medir os 9,5 metros das unhas mais compridas. (...) 58

    FALCONE, Gabriel. In: Aventuras na Histria. Edio 82, maio 2010. (Adaptado)

    Questo - 1 - De acordo com o texto, deve-se pensar ... duas vezes antes de fugir

    de uma discusso aparentemente tola. (linhas 1-2) porque se pode

    (A) apresentar uma nova questo. (B) descobrir qual a ave de caa mais veloz. (C) ter uma ideia que leve ao sucesso. (D) matar qualquer dvida da discusso. (E) fazer uma argumentao apaixonada. Comentrio Interpretao de texto

    Os homens estavam conversando na cervejaria, havia um discusso, aparentemente tola, que resultou na publicao do livro dos recordes, um grande sucesso.

    A No o fato de uma nova questo, mas de manter o foco numa discusso, aparentemente tola, e chegar a um resultado importante. No serve como resposta correta.

    B A discusso inicial era sobre as aves, mas isto no o motivo para no fugirmos de uma discusso. No resposta adequada.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 4

    C A manuteno da discusso, mesmo sobre um fato trivial, pode levar a uma ideia de sucesso. O importante no o objeto da discusso, mas o foco dado ao tema. Esta a resposta correta.

    D No h registro de que a discusso tenha chegado a um acordo, mas levado os componentes a terem novas ideias. As dvidas persistem aps a discusso, mas a descoberta do interesse do pblico por recordes o fato relevante. No a resposta solicitada pela questo.

    E A discusso parece ter sido acalorada, mas no o fato principal. O importante o resultado: a descoberta da possibilidade de publicao deste gnero. No resposta correta.

    Questo - 2 - No trecho ... a insana curiosidade do ser humano. (linhas 16 e 17),

    a palavra em destaque tem o sentido de (A) inimitvel. (B) incontrolvel. (C) limitada. (D) apaixonada. (E) infantil. Comentrio Significao -

    Esta questo aborda o sentido de um termo (insana). O importante observar o sentido do texto na frase e no o seu significado isolado.

    A palavra insana formada pelo prefixo in (sentido contrrio) e sana, que significa sadio, saudvel, portanto insana tem o sentido de no saudvel, maluco, descontrolado.

    A inimitvel o oposto de imitvel, o que pode ser imitado, portanto no serve como resposta correta.

    B limitada o antnimo de insana, pois significa o quem tem limites. No resposta adequada.

    C infantil, neste contexto, poderia adquirir o sentido de brincalho, pueril, mas no o que o texto apresenta. No serve como resposta.

    D incontrolvel a nica opo que registra o sentido de algo que est fora do controle, meio maluco (insano). Esta a resposta adequada.

    E apaixonada tem sentido de sentimento muito forte, incontrolvel, mas neste contexto no poderamos considerar o sentido de insano como algo relacionado paixo. Embora seja uma opo possvel, devido ao trao semntico de no controlvel entre ambos, o uso de incontrolvel bem mais adequado. No serve como resposta adequada.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 5

    Questo - 3 - A afirmativa O livro fez jus ao nome de batismo... (linhas 22 e 23)

    verdadeira porque (A) a segunda edio j foi o livro mais comprado naquele Natal

    britnico. (B) foi lanado nos Estados Unidos, um ano depois. (C) testou a possibilidade de haver um livro daquele tipo. (D) a estreia funcionou com um teste para medir sua popularidade. (E) as vendas dos anos seguintes foram maiores do que as do

    primeiro ano. Comentrio Interpretao de texto

    O nome do livro Guinness Records, portanto uma aluso aos recordes e ele mesmo foi um no segundo ano de lanamento, quando bateu o nmero anterior.

    A A segunda edio por ter sido o livro mais comprado um recorde, portanto a prpria obra fez jus ao seu ttulo. Esta a resposta adequada.

    B Ser lanado nos Estados Unidos um crescimento da obra, mas no um recorde, no h referncia a um nmero (lanamento) anterior. No serve como resposta adequada.

    C O teste ocorreu na primeira edio e no na segunda. Resposta inadequada.

    D A estreia foi um teste mesmo, mas isto no um recorde como indica o ttulo do livro. No serve como resposta.

    E A expresso o livro fez jus ao nome de batismo tem referncia tambm no termo Guinness que uma cervejaria. A primeira edio ficou restrita a este ambiente. As edies seguintes foram mais abrangentes. Isto uma questo espacial, mas o sentido de recordes em relao ao nmero de exemplares aps o lanamento. Este resposta no serve porque a letra a mais adequada.

    Questo - 4 - O item em destaque nos trechos abaixo que NO se refere palavra

    ou expresso direita (A) ...com seus chegados... (linhas 9 e 10) de Hugh (B) ...em defesa de cada uma, (linha 12) ave (C) ...como aquela... (linha 16) dvida (D) que inclui gesto de banco de dados,(linha 48) livro (E) ...que os gerenciadores avaliam.(linha 51) variedade de

    recordes Comentrio Referenciao -

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 6

    Este tipo de questo muito frequente em concursos pblicos, pois testa a capacidade de perceber o relacionamento dos termos na frase. Nesta primeira questo deste tipo, vamos retomar toda a frase para exemplificarmos melhor as relaes. No mdulo 00 inclumos um estudo terico sobre o assunto.

    Tenham cuidado, pois o enunciado da questo exige a alternativa que no se refere.

    A Numa noite de novembro de 1951 (.....) Hugh Beaver tomava uma (cerveja) com seus chegados quando rolou a polmica... Podemos observar que seus chegados tem como referente Hugh Beaver, portanto correta a relao e no serve como resposta.

    B ...qual seria a ave de caa mais veloz da Europa? A taramboladourada ou a tetraz? Argumentaes apaixonadas foram feitas em defesa de cada uma O termo uma retoma a palavra ave, portanto a relao correta, no serve como resposta.

    C um livro que reunisse recordes seria muito til tanto para matar dvidas prosaicas, como aquela quanto para satisfazer a insana curiosidade do ser humano. O termo aquela retoma o sentido de dvida. Neste caso a referenciao no ocorre com o termo dvidas, mas com o sentido dvida. Tambm correta a referenciao, portanto no serve como resposta adequada.

    D Os gerenciadores de recordes (...) passam por um treinamento casca-grossa (....) que inclui gesto de banco de dados, aulas de histria e tcnicas para reconhecer uma foto manipulada, entre outros requisitos. A expresso que inclui... tem como referente o termo treinamento e no livro. A referenciao est errada nesta alternativa, por isso ela a resposta adequada para a questo.

    E A combinao de habilidades se impe por causa da variedade de recordes que os gerenciadores avaliam. Os gerenciadores avaliam a variedade, portanto a referenciao est correta e no pode ser resposta adequada.

    Questo - 5 - A sentena A Bblia e o Alcoro no entram na parada por serem

    textos de reproduo livre. (linhas 19 e 20) pode ser assim reescrita sem alterao do sentido:

    (A) Apesar de no entrarem na parada, a Bblia e o Alcoro so livros de reproduo livre.

    (B) Por no entrarem na parada, a Bblia e o Alcoro so livros de reproduo livre.

    (C) Mesmo que no entrem na parada, a Bblia e o Alcoro so livros de reproduo livre.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 7

    (D) J que so livros de reproduo livre, a Bblia e o Alcoro no entram na parada.

    (E) Ainda que sejam livros de reproduo livre, a Bblia e o Alcoro no entram na parada.

    O estudo da gramtica no em relao s regras, mas em funo dos usos da linguagem. Questes como esta so bem ilustrativas. O que a banca quer o sentido da expresso por serem textos..., ou seja o sentido de causa. Dentre as alternativas, devemos escolher a que melhor representa esta significao.

    A Apesar de tem sentido de embora e no expressa causa, mas concesso. No serve como resposta adequada.

    B Por no entrarem... tem o sentido de consequncia e muda totalmente o sentido da frase. No resposta adequada.

    C Mesmo que introduz sentido de incluso, ou seja, seriam livros de reproduo livre, mesmo no fazendo parte da lista. Isto totalmente fora do contexto. No resposta adequada.

    D J que... indica a causa de no pertencerem parada. Isto uma resposta adequada.

    E A lista no composta por livros de reproduo livre, por isso no podemos considerar o ainda que como introdutora do sentido da questo. inadequada.

    Questo - 6 - Carlos Martinez no sabe o que tdio no trabalho porque (A) viaja para inmeros pases latinos. (B) supervisiona uma equipe de gerenciadores. (C) est sempre avaliando recordes distintos em regies variadas. (D) mexe com medies que atingem seu mximo. (E) lida com duas lnguas: a espanhola e a portuguesa. Comentrio Interpretao de texto - A Viajar para pases latinos no motivo para a falta de tdio. No

    confunda o seu ponto de vista com o do texto. No serve como resposta adequada.

    B Ele o prprio avaliador, o texto no faz referncia ao fato de que ele gerencie equipes. No serve como resposta adequada.

    C Tdio tem relao com rotina, portanto o avaliador no tem tdio porque tem uma rotina de trabalho muito variada, viajando muito e avaliando produtos diferentes. Esta a resposta adequada.

    D A falta de rotina no implica medies que atingem seu mximo. O emprenho dele no parmetro para a falta de tdio. No serve como resposta.

    E Lidar com duas lnguas (portugus e espanhol) no segurana contra o tdio. No resposta correta.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 8

    Questo - 7 - O trecho ou melhor, tentativas de recordes... (linha 45) indica que (A) h uma enorme quantidade de pedidos de recordes. (B) nem todos os recordes apresentados so validados. (C) no h tempo suficiente para avaliar todos os recordes. (D) a mdia de avaliao de recordes pelos gerenciadores muito

    alta. (E) os 14 profissionais da equipe so responsveis por 71 pedidos de

    recorde. Comentrio Termos retificadores

    A expresso ou melhor estabelece uma relao nova de sentido no texto, estabelecendo uma retificao. Se retirarmos a expresso, a frase torna-se afirmativa, cabal. Este elemento retificador relativiza o sentido.

    No final deste mdulo inclumos um pequeno estudo terico a fim de ampliar este conceito.

    A H muitos pedidos de recordes, mas a frase do enunciado no est expressando este sentido, ela indica que muitos pedidos so sem fundamento, tornam-se tentativas de recordes. No a alternativa correta.

    B Agora sim, a alternativa indica que nem todos os pedidos tm fundamentos, portanto so tentativas apenas. Esta a alternativa correta.

    C No h no texto esta declarao de falta de tempo para avaliao, o texto expressa que h um acmulo de pedidos, mas no quer dizer que faltar tempo para a avaliao. No correta.

    D Esta uma verdade deduzida do texto, mas no o caso da frase do enunciado. A ordem da questo quer a significao do termo retificativo ou melhor. No serve como resposta correta.

    E Esta mais uma verdade do texto, mas no o solicitado pela ordem da questo. Devemos estar atentos para o enunciado, pois muitas vezes a banca confunde os mais apressados que no prestam a ateno devida e marcam alternativas que apenas tm relao com o texto, mas no servem como resposta para a questo. Todo cuidado pouco.

    Questo - 8 - O trecho que est escrito em linguagem formal (A) ...discusso aparentemente tola. (linhas 1 e 2) (B) ...rolou a polmica: (linha 10) (C) ...no entram na parada... (linha 19)

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 9

    (D) ...treinamento casca-grossa... (linha 47) (E) ...de cara bateu os 70 mil exemplares. (linha 29) Comentrio Nvel de linguagem

    Esta questo explora o nvel de linguagem, solicitando a distino entre nvel formal e coloquial.

    A Esta frase est construda dentro do padro culto da linguagem, portanto a solicitada pela ordem da questo. Correta.

    B O verbo rolar no sentido de desenvolver um emprego da linguagem coloquial e no formal. No serve como resposta adequada.

    C Entrar na parada uma expresso informal que significa fazer parte. No o nvel formal, por isso no serve como resposta adequada.

    D A expresso casca-grossa da linguagem informal e significa rude, tosca. No alternativa correta.

    E A expresso de cara parte da linguagem coloquial e tem equivalente no nvel culto termos como de pronto, imediato. No serve como resposta adequada.

    Questo - 9 - Faa a correspondncia entre os termos da 1a coluna e os da 2a

    coluna, de acordo com o significado das palavras no texto. I apaixonadas (linha 12) II prosaicas (linha 16) III plurais (linha 40) P diversificados(as) Q exticos(as) R entusiasmados(as) S triviais A correspondncia : (A) I Q, II S , III P (B) I R , II Q , III S (C) I R , II S , III P (D) I S , II P , III Q (E) I S , II P , III R Comentrio Significao -

    Esta questo simples, apenas solicita alguns sinnimos, mas a banca sofisticou o modo de elabor-la. Devemos ter cuidado, pois questes como esta, muitas vezes, podem nos confundir e acabamos marcando errado.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 10

    I apaixonadas tem o sentido de entusiasmadas, portanto letra R.

    II O termo prosaicas tem o sentido de comuns, simples, triviais, portanto corresponde letra S.

    III Plurais tem sentido de conjunto de elementos que podem ser de espcies diferentes, portanto diversas, diversificadas: letra P.

    Assim temos: I R; II S; III P que corresponde letra c. Esta a alternativa correta.

    Questo - 10 - O verbo tem a mesma regncia que forar, em ...forou a

    cervejaria a procurar... (linhas 38 e 39) na frase (A) A criana atravessou o imenso salo a rodopiar. (B) O elevador permitiu o acesso cobertura. (C) Ele pagou o apartamento a perder de vista. (D) O professor escreveu seus comentrios a caneta. (E) A curiosidade levou o menino a espiar pela porta. Comentrio Regncia verbal

    O verbo forar rege um objeto direto e um objeto indireto. No caso da frase, temos: ...forou a cervejaria a procurar.... A cervejaria funciona como objeto direto, enquanto a procurar objeto indireto expresso por uma orao reduzida de infinitivo, funcionando como orao subordinada substantiva objetiva indireta.

    A Nesta alternativa, o verbo atravessar tambm traz um objeto direto, mas no apresenta objeto indireto, pois a rodopiar o modo pelo qual a criana atravessou o salo, portanto um advrbio (adjunto adverbial) e no objeto indireto. No serve como resposta.

    B O verbo permitiu tem seu objeto que acesso, mas o elemento cobertura completa a palavra acesso portanto um complemento nominal. No serve como resposta correta.

    C Nesta alternativa temos um objeto direto: o apartamento, mas no temos objeto indireto, pois a perder de vista o modo pelo qual paga, portanto um complemento adverbial e no objeto indireto. No resposta adequada.

    D O verbo escrever tambm tem um objeto direto, mas caneta o modo da escrita, portanto adjunto adverbial. No serve como resposta.

    E O verbo levar tem dois complementos: um objeto direto o menino e um objeto indireto a espiar (a que espiasse pela porta), portanto a mesma construo da ordem da questo. a alternativa correta.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 11

    Questo - 11 - Considerando a conjugao verbal, o perodo escrito de acordo com o

    registro culto da lngua (A) Se o nadador treinasse mais, bater o recorde dos 100 m. (B) Se o nadador treinar mais, bateria o recorde dos 100 m. (C) Se o nadador tivesse treinado mais, bater o recorde dos 100 m. (D) Se o nadador tiver treinado mais, bateria o recorde dos 100 m. (E) Se o nadador treinar mais, bater o recorde dos 100 m. Comentrio Sequncia dos tempos A Se o nadador treinasse mais, bateria (ou teria batido) o recorde

    dos 100m. A primeira forma verbal pretrito imperfeito do subjuntivo, portanto a segunda s pode ser do pretrito mais que perfeito do indicativo. Errada a alternativa.

    B Se o nadador treinar mais, bater o recorde dos 100 m. A forma verbal da primeira frase futuro do subjuntivo, portanto a segunda forma verbal deve ser futura tambm. No resposta adequada.

    C Se o nadador tivesse treinado mais, bateria (ou teria batido) o recorde dos 100m. A diferena entre a letra a e c o uso de forma simples ou composta. O erro o mesmo, no pode ser resposta adequada.

    D Se o nadador tiver treinado mais, bate (ou bater) o recorde dos 100 m. A forma verbal inicial presente, portanto no pode ter continuidade com um forma do pretrito bateria. errada a alternativa.

    E Como vimos na correo da alternativa b, a forma bater adequada para dar continuidade construo: Se o treinador treinar mais, bater o recorde dos 100 m. Esta a correta.

    Questo - 12 - Observe os plurais propostos. I debate pueril debates pueris; II empresa recm-inaugurada empresas recns-inauguradas; III treinamento casca-grossa treinamentos casca-grossas. De acordo com o registro formal culto da lngua, est correto

    APENAS o plural em (A) I. (B) II. (C) III. (D) I e II. (E) II e III. Comentrio Plural dos nomes compostos

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 12

    I O plural de pueril pueris est correta. II O termo recm-inaugurada forma o plural em recm-

    inauguradas, pois o termo recm advrbio, portanto invarivel.

    III O plural de casca-grossa cascas-grossas, pois formada por um substantivo (casca) e um adjetivo (grossa), portanto devem concordar entre si. Errada.

    Como temos os itens II e III como errados, apenas o I correto e isto determina a alternativa a como a solicitada pela questo.

    Questo - 13 - A relao entre os significados das palavras brios (linha 27) e sbrios (linha 27) a mesma que se d entre (A) esperto / inteligente. (B) bonito / lindo. (C) ferido / machucado. (D) culto / ignorante. (E) eminente / iminente. Comentrio Significao -

    Na questo dois j tivemos a significao como objeto de estudo, l era a sinonmia, agora a antonmia. Os termos brio e sbrio so opostos entre si. Devemos encontrar a alternativa que forma outro par semelhante.

    A esperto e inteligente so sinnimos, dependendo do contexto. No resposta adequada.

    B bonito e lindo so sinnimos tambm. No serve como resposta. C ferido e machucado podem funcionar no mesmo contexto,

    portanto so sinnimos e por isso no podem formar a alternativa correta.

    D culto tem o sentido de inteligente, sabido, enquanto ignorante o seu contrrio, tosco, sem cultura. Os dois termos (culto/ignorante) formam uma antonmia, so opostos. Esta a resposta correta.

    E So dois termos distintos, mas no formam antnimos. Eminente tem o sentido de destacado, relevante. Iminente significa o que est no incio, na iminncia de ocorrer. No resposta adequada.

    Questo - 14 - Considere a forma verbal em destaque na sentena abaixo.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 13

    Todos os dados publicados no nmero de estreia foram conferidos e auditados por uma pequena empresa de banco de dados... (linhas 33 e 34)

    Qual das expresses verbais a seguir est no mesmo tempo e modo que a forma verbal em destaque?

    (A) O dono da cervejaria tinha pensado na publicao de um novo tipo de livro.

    (B) Os novos livros haviam feito muito sucesso por todo o mundo. (C) Os vencedores teriam recebido merecidos prmios pelos seus

    feitos especiais. (D) Uma longa viagem foi realizada pelo espanhol para a avaliao de

    novos recordes. (E) Tinha havido muitas discusses para a elaborao de um livro

    sobre os mais diferentes recordes. Comentrio Vozes verbais

    Os verbos podem estar na voz ativa, passiva ou reflexiva. A frase do modelo : Todos os dados (....) foram conferidos (...) por uma pequena empresa .... A frase est na voz passiva: os dados o sujeito da voz passiva; por uma pequena empresa o agente da passiva (quem executa a ao). Agora devemos buscar nas alternativas a que est construda com voz passiva.

    No final deste mdulo acrescentamos um pequeno estudo terico sobre assunto consulte.

    A tinha pensado no constitui voz passiva, apenas uma forma verbal composta equivalente a pensou, voz ativa. No serve como resposta.

    B O mesmo caso da anterior: uma voz ativa; haviam feito equivalente a fizeram e, portanto, no voz passiva. No resposta adequada.

    C teriam recebido no voz passiva, portanto no serve como resposta adequada.

    D Nesta alternativa temos: Uma longa viagem (sujeito da passiva) foi realizada (voz passiva) pelo espanhol (agente da passiva). uma voz passiva tanto quanto a frase da ordem da questo, por isso a alternativa correta.

    E uma forma verbal ativa: Tinha havido (houve) muitas discusses... No resposta adequada.

    Questo - 15 - Deve ser colocado o sinal indicativo de crase no a em (A) Diferentes recordes podem interessar a muitas pessoas. (B) Conversas entre amigos podem levar a novas invenes. (C) Fornecemos novas informaes a assessoria do Guinness. (D) No se deve desprezar a inteno das pessoas ao

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 14

    ajud-las. (E) Falou-se muito a respeito das unhas mais compridas do mundo. Comentrio Crase

    Surge aqui uma questo simples de crase, vamos examinar cada alternativa e reconhecer cada caso de uso.

    A No podemos ter crase diante do pronome muitas que acompanha o substantivo pessoas. O a que antecede muitas apenas uma preposio, no h artigo para formar crase. No serve como resposta.

    B No usamos crase diante de adjetivos, como novas. No o caso da utilizao da crase solicitada na ordem da questo.

    C fornecer informaes assessoria... Podemos facilmente reconhecer a necessidade da crase, neste caso, substituindo assessoria por um termo masculino: diretor. Podemos perceber que surge a necessidade da combinao a+o fornecer informaes ao diretor... Como devemos usar combinao no masculino deduz-se que no feminino devemos usar crase. Esta a resposta correta para a questo.

    D O verbo desprezar no exige preposio, transitivo direto, portanto no podemos ter crase. No resposta exigida.

    E A palavra respeito masculina, portanto impossvel haver crase. No a alternativa solicitada pela questo.

    Gabarito 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 C B A D D C B A C E E A D D C

    CESGRANRIO Eletrobrs Tcnico em arquivo 2010 (Mdio)

    A revoluo das figurinhas

    Imagine a cena: um homem entre 35 e 45 anos entra numa 1 banca, pede o jornal e mais 20 pacotes de figurinhas. Se essa cena 2 ocorresse em meados dos anos 60, muito provavelmente esse adulto 3 estaria levando as figurinhas para os filhos. Mas, em 2010, se o 4 lbum em questo for o da Copa do Mundo, a probabilidade de a 5 compra ser pessoal e intransfervel alta: produzidos pela Panini, os 6 cromos com fotos de jogadores, emblemas, mascotes, estdios, tm 7

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 15

    feito com que cada vez mais marmanjos despejem boa parte de seus 8 salrios nas contas dos jornaleiros. 9

    Lanado no dia 11 de abril, o lbum incitou tantas idas s 10 bancas que, em cinco dias, j no havia mais figurinhas venda. 11 Estima-se que, na primeira fase de transaes, a editora, s em So 12 Paulo, tenha posto em circulao mil figurinhas para cada uma das 13 cinco mil bancas da cidade, o que equivale a um total de cinco 14 milhes de cromos. (...) 15

    Se na Copa de 2006 as trocas e aquisies paralelas eram 16 todas feitas na rua, nesses tempos de amplificao ciberntica a 17 internet disputa com o espao pblico a primazia das negociaes. Os 18 sites de relacionamento refletem bem, alis, o poder de penetrao 19 da mania na cidade e pas afora, manifestando o descontentamento 20 de quem roda por vrias bancas e no encontra mais pacotinhos, ou 21 servindo como suporte para a organizao de grupos e redes sociais 22 que fazem trocas on-line. H pelo menos dez comunidades no Orkut 23 dedicadas apenas ao escambo de figurinhas! Os membros se 24 organizam por regies, cidades e at bairros para permitir que 25 completar pginas seja uma tarefa cada vez mais fcil. (...) 26

    De acordo com as reflexes do psicanalista Alexandre Mazi, 27 essa coqueluche que leva gente grande a cultuar figurinhas tem 28 origem no mito do super-heri, que, reverberado, aos poucos vai 29 moldando gostos pessoais especficos. 30

    Colecionar figurinhas remete a um histrico infantil que 31 permanece latente na vida adulta. A infncia, efetivamente, no se 32 repete, mas se atualiza. Alm disso, colees, em geral, so hbitos 33 mantidos por pessoas que tm uma certa dificuldade com perdas de 34 todo tipo. Para isso elas guardam as figurinhas e as colam no lbum. 35 Da o fato de, em perodos de grande comoo como os que 36 antecedem a Copa, tanto homens quanto mulheres lanarem-se a 37 esta busca acelerada de um resgate de algo que se perdeu e, ao 38 mesmo tempo, de uma aceitao, um pertencimento social. 39

    Dono da Gibimania loja que comercializa quadrinhos e lbuns 40 de figurinhas raros , Marcos de Moraes (ele mesmo proprietrio de 41 mais de mil volumes) recorda que colecionar cromos era uma prtica 42 comum das crianas entre os anos 40 e 80, mas caiu em desuso com 43 o advento da internet e dos videogames. (...) 44

    Para o lojista da Gibimania, so normais os booms de lbuns 45 em Copas do Mundo e, em menor escala, no comeo dos 46 campeonatos nacionais mas a procura pelas figurinhas dos craques 47 do mundial de 2010 ultrapassou todas as expectativas. 48

    S me lembro de algo parecido quando a Abril lanou o 49 Galeria Walt Disney (1976), em que a figurinha difcil de uma baleia 50 chegava a ser vendida a 100 cruzeiros da poca, tamanha a procura. 51

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 16

    A imprensa da poca noticiava constantemente as reunies que 52 dezenas de crianas e (muitos) adultos faziam em diversas cidades 53 brasileiras para a troca de cromos repetidos, na mesma proporo 54 em que pais mais rigorosos e mestres protestavam, dizendo que tal 55 hbito era deletrio educao e economia domstica. 56

    PITOMBO, Heitor. In: Logo A pgina Mvel - O Globo, 9 maio 2010.(com adaptaes)

    Questo - 16 - Que afirmao justifica o emprego da palavra revoluo no ttulo? (A) No passado, o consumo de figurinhas era realizado tanto por

    jovens quanto por adultos. (B) H, atualmente, uma transformao no perfil do consumidor de

    figurinhas. (C) As figurinhas para lbuns de futebol nunca venderam tanto

    quanto atualmente. (D) As figurinhas so muito mais variadas, pois trazem no s

    jogadores como smbolos. (E) As figurinhas foram o item mais vendido por todas as cinco mil

    bancas de So Paulo. Comentrio Interpretao de texto A O termo revoluo nos remete ao sentido de mudana. Nesta

    alternativa temos apenas a informao de que no passado o consumo de figurinhas era realizado tanto por jovens, quanto por adultos (o que falso, em relao ao texto). O erro consiste em no sugerir o sentido de revoluo. errada esta alternativa.

    B Agora temos uma correspondncia entre revoluo e transformao o que justifica esta alternativa como correta.

    C O fato de vender mais atualmente, no constitui uma revoluo, pois seria uma continuidade natural da divulgao do hbito de colecionar figurinhas. No resposta adequada.

    D Aqui tambm um fato mostrado no texto, mas no constitui uma revoluo, apenas mostra uma diversificao da produo dos cromos. No resposta correta.

    E O sucesso nas vendas no constitui uma revoluo, portanto no algo que justifique o ttulo. No resposta adequada.

    Questo - 17 - A probabilidade de a compra ser pessoal e intransfervel alta:

    (linhas 5 e 6) pois (A) muitos adultos adquirem figurinhas para si prprios.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 17

    (B) um grande nmero de pais compram cromos para levar para os filhos.

    (C) a editora produz uma grande quantidade de lbuns relacionados com a Copa.

    (D) a Copa do Mundo mobiliza as pessoas a comprar produtos a ela relacionados.

    (E) h cromos com uma srie de itens, como jogadores, estdios, emblemas e mascotes.

    Comentrio Interpretao de texto

    Enquanto os pais compraram figurinhas para os filhos, a compra foi transfervel, mas no momento em que passaram a adquirir figurinhas para consumo prprio, tornou-se intransfervel.

    A A compra torna-se pessoal e intransfervel porque os adultos compram para si. Esta a alternativa correta.

    B Pelo fato de comprarem para os filhos, indica que a compra transfervel, portanto no serve como resposta para a questo.

    C O fato da editora produzir lbuns para a copa no torna a compra pessoal e intransfervel. Errada esta alternativa.

    D No o que a alternativa solicita. O evento gera muitas compras, mas isto no obriga a ser pessoal e intransfervel. No resposta correta.

    E A variedade dos cromos no indicativo do tipo de compra, portanto no resposta adequada.

    Questo - 18 - Existe relao entre os sites e o sucesso das figurinhas porque (A) somente nos sites as pessoas tm possibilidade de se encontrar

    para discutir vrios assuntos. (B) os primeiros servem de espao para os colecionadores se

    expressarem e fazerem trocas de cromos. (C) os sites so os lugares determinados pelas editoras que

    promovem lbuns para as pessoas fazerem suas trocas. (D) os sites so a nica possibilidade de interao com outros

    colecionadores, j que as figurinhas so virtuais. (E) as trocas on-line so as nicas efetivas num mundo cada vez

    mais informatizado. Comentrio Interpretao de texto A Esta alternativa extrapola o fato. Nos sites as pessoas podem

    trocar figurinhas, mas no somente nos sites. Discutir vrios assuntos pode incluir trocar figurinhas mas muito genrico. No serve como resposta.

    B Os primeiros (sites) servem como local para trocar figurinhas e informaes. A relao que se estabelece de meio

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 18

    (instrumento) o site permite a interatividade dos aficionados por cromos. Esta a alternativa correta.

    C No h nenhuma relao entre os sites e as editoras. Esta uma alternativa totalmente incorreta.

    D Primeiro, as figurinhas no so virtuais, so fsicas, segundo este no a nica possibilidade de interao.... errada esta alternativa.

    E Novamente a banca insiste na restrio. A troca via internet no a nica forma efetiva de interao. Errada a alternativa.

    Questo - 19 - A palavra s est usada com o mesmo sentido que o do trecho s

    em So Paulo (linhas 12 e 13) em (A) Colecionar lbum de figurinha pode ser mania de pessoa s. (B) Soltar bales era a s atividade do meu amigo. (C) O menino ficou s, para colecionar soldadinhos. (D) S quando estava em casa, ele mostrava os brinquedos. (E) Quando faz suas escolhas, ele esperto que s o irmo. Comentrio Significao

    O termo s pode ter muitos significados, a banca exige a identificao do mesmo que aparece na frase: s em So Paulo. Neste caso a palavra s tem o sentido de somente, uma funo adverbial.

    A pessoa s tem o sentido de pessoa solitria, que vive sozinha. um adjetivo. No serve como resposta.

    B Nesta frase, a palavra s tem o sentido de nica; a s atividade = a nica atividade, a funo de adjetivo, pois qualifica a palavra atividade. No serve como resposta correta.

    C Nesta alternativa temos uma armadilha. Quem estiver com pressa, no perceber a vrgula aps a palavra s; isto faz toda diferena. Com a vrgula o s modifica o verbo, portanto funciona como advrbio: O menino ficou s (sozinho). Sem a vrgula, o s teria o sentido de apenas e poderia ser a correta, mas no assim. No serve como resposta correta.

    D Agora esta alternativa apresenta o mesmo sentido da frase original: S (apenas) quando estava em casa..... Esta a correta.

    E O s nesta frase exerce a funo de comparativo: ....ele esperto que s (tanto quanto) o irmo. No corresponde ao modelo utilizado no enunciado da questo. No resposta correta.

    Questo - 20 -

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 19

    Observe o seguinte trecho em que estabelecida uma noo de proporcionalidade:

    A imprensa da poca noticiava constantemente as reunies que dezenas de crianas e (muitos) adultos faziam em diversas cidades brasileiras para a troca de cromos repetidos, na mesma proporo em que pais mais rigorosos e mestres protestavam, (linhas 52 a 55)

    De acordo com as informaes contidas no texto, a expresso na mesma proporo est adequadamente usada em

    (A) As vendas de figurinhas em 2006 foram feitas na mesma proporo das de 2010.

    (B) As pessoas compram figurinhas na mesma proporo de seus salrios.

    (C) As pessoas compram figurinhas na mesma proporo que cultuam super-heris.

    (D) Os sucessos dos lbuns de figurinhas de futebol esto na mesma proporo que a importncia dos campeonatos desse esporte.

    (E) O dono da Gibimania vende quadrinhos na mesma proporo que vende figurinhas para lbuns.

    Comentrio Significao

    O sentido que expresso apresenta, nesta frase, de proporcionalidade, quanto mais trocam figurinhas mais os pais e mestres protestam. Na proporcionalidade dois elementos estabelecem uma relao que alterando um elemento, o outro altera tambm.

    A Neste caso h equivalncia e no proporcionalidade. Se aumentarmos as vendas de 2010 no haver aumento das de 2006. No h proporcionalidade. No serve como resposta.

    B A proporo est invertida, pois se comprarem mais figurinhas o salrio no aumentaria. A frase ambgua. No serve como resposta correta.

    C So duas aes que no mantm proporcionalidade, podemos comprar figurinhas, cultuando mais ou menos os heris. No serve como resposta adequada.

    D Os dois elementos mantm relao de dependncia. Se os campeonatos tiverem mais sucesso, os lbuns vendero mais. Pelo contrrio, se os campeonatos fracassarem os lbuns deixam de vender. a resposta correta.

    E No h relao entre as duas aes. O venda dos quadrinhos no tem dependncia com a venda de figurinhas de lbum. No a resposta correta.

    Questo - 21 -

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 20

    De acordo com o texto, a palavra ...algo... (linha 49) se refere (ao)

    (A) expectativa criada em torno das figurinhas relacionadas ao Mundial.

    (B) busca desmedida de figurinhas por parte de colecionadores. (C) interesse por lbuns de figurinhas no campeonato de 2010. (D) preo espantoso alcanado por figurinhas difceis de encontrar. (E) lanamento do lbum de figurinhas de Walt Disney na dcada de

    1970. Comentrio Referenciao

    Necessitamos retomar o texto para podermos identificar a referenciao do termo algo.

    Para o lojista da Gibimania, so normais os booms de lbuns (....) mas a procura pelas figurinhas dos craques do mundial de 2010 ultrapassou todas as expectativas. / S me lembro de algo parecido quando a Abril lanou o Galeria Walt Disney (1976), em que a figurinha difcil de uma baleia chegava a ser vendida a 100 cruzeiros da poca, tamanha a procura.

    A O termo algo refere-se ao sucesso da venda de figurinhas (em 2010) e no expectativa sobre o Mundial. No resposta correta.

    B Em 2010 o sucesso foi tanto que o entrevistado s lembra de algo parecido em 1976, com Walt Disney. Esta a resposta correta.

    C Esta alternativa tem parte de verdade, houve muito interesse em 2010, mas no evidencia a busca desmedida que est presente na alternativa anterior. No a resposta solicitada pela banca.

    D Nada indica a referncia de preo para o termo algo no enunciado da questo. No serve como resposta correta.

    E A alternativa inverte os elementos, o entrevistado refere-se ao que ocorre em 2010 que algo com paralelo apenas em 1976. No a resposta correta.

    Questo - 22 - No trecho ...tal hbito era deletrio educao e economia

    domstica. (linhas 55 e 56), a palavra em destaque tem o sentido de

    (A) desafiador. (B) importante. (C) indispensvel. (D) inovador. (E) prejudicial. Comentrio Significao

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 21

    Nova questo que trata de sinnimos. A palavra deletrio tem sentido de prejudicial, nefasto, portanto s pode ser a alternativa e como correta. As demais so erradas.

    Questo - 23 - O verbo chegar usado com o mesmo sentido com que ocorre em

    ...chegava a ser vendida... (linha 51) na sentena (A) Se ganhar a Copa, a seleo brasileira chegar a Braslia

    ovacionada. (B) Todos vieram para o evento de carro, mas ele chegou a p. (C) Seu salrio no chegava para todas as suas necessidades. (D) Novos lbuns de figurinhas chegaram s bancas de jornais

    ontem. (E) O jogador recm-contratado chegou a fazer quatro gols em uma

    s partida. Comentrio -

    A banca solicita, nesta questo, apenas o sentido do verbo chegar na frase do enunciado. O verbo chegar pode ter muitos sentidos, mas, no texto, est empregado como atingir uma meta, alcanar.

    A Nesta frase o verbo chegar est empregado no sentido de atingir o final de uma jornada. No o mesmo caso do enunciado, no serve como resposta correta.

    B Agora o verbo est sendo usado no sentido de indicar o modo de uma caminhada, ele chegou a p e no de carro, nibus ou qualquer outro modo de transporte. No serve como resposta.

    C Aqui o verbo chegar est sendo empregado no sentido de ser suficiente, bastar. Resposta errada.

    D Outro sentido para o mesmo verbo. Chegar banca significa abastecer, passar a fazer parte do estoque, disponibilizar. um sentido diferente do proposto no enunciado, no resposta correta.

    E ...chegou a fazer quatro gols...., ou seja, atingiu uma meta, alcanou um sucesso. Esta a resposta correta, pois o emprego o mesmo da frase do enunciado.

    Questo - 24 - Em Se essa cena ocorresse em meados dos anos 60 (linhas 2 e 3),

    temos uma ideia de (A) causa. (B) comparao. (C) condio. (D) explicao.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 22

    (E) oposio. Comentrio Conjunes

    Mais uma vez chamo a ateno para o fato de que a banca no exige classificaes gramaticais, mas muito detalhista no emprego dos termos. Numa questo como esta, ela no est preocupada em conferir se o candidato sabe a classificao das conjunes e suas particularidades. A banca est interessada em que voc perceba que o se, neste caso, inicia uma frase dando uma condio. Cada classe de conjunes tem uma como modelo. O se modelo de condicional.

    A No o fato de a cena ocorrer nos anos 60 que o adulto compraria as figurinhas. Modelo de causal: porque. Resposta errada.

    B No h nada que indique comparao, esta uma alternativa fora de contexto, pois no h dois elementos para estabelecer comparao. Modelo de comparativa: tanto.... quanto. No serve como resposta para a questo.

    C Agora sim, condio. Esta uma das principais funes do se, ser conjuno subordinativa adverbial condicional. A certeza da compra no ocorreria se no fosse nos anos 60. Esta correta.

    D No uma explicao que ocorre na frase, pois no h justificativa, mas condio. Errada.

    E Para haver oposio h necessidade de termos dois fatos contraditrios, opostos. Um ou outro. No resposta correta.

    Questo - 25 - Na sentena Estima-se que, na primeira fase...(linha 12), o verbo

    estimar pode ser substitudo, no mesmo tempo verbal, por (A) estimado. (B) foi estimado. (C) tem-se estimado. (D) tem sido estimado. (E) ser estimado. Comentrio Tempos verbais

    O verbo na frase: Estima-se que, na primeira fase... est no presente do indicativo e voz passiva.

    A Esta construo a mesma do enunciado estima-se a forma passiva sinttica, enquanto estimado a voz passiva analtica, ambas esto no presente do indicativo, portanto a alternativa correta.

    B a forma foi estimado passiva, mas est no pretrito perfeito do indicativo. No resposta correta.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 23

    C Aqui tambm ocorre uma forma presente, mas de uma maneira contnua e no simples como da frase modelo. No resposta adequada.

    D Agora temos uma forma no presente tem sido estimado, mas um presente contnuo e no voz passiva. No serve como resposta correta para a questo.

    E A construo ser estimado futuro do presente do indicativo e no serve como resposta.

    Questo - 26 - A substituio da expresso do texto pela forma que est entre

    parnteses correta em (A) Imagine a cena: (linha 1) ( imagine-na). (B) ...entra numa banca (linhas 2 e 3) ( entra-lhe). (C) pede o jornal... (linha 2) ( pede-lo). (D) ...guardam as figurinhas... (linha 35) ( guardam-nas). (E) ...procura pelas figurinhas... (linha 47) ( procura-lhes). Comentrio Emprego dos pronomes oblquos

    Aqui a banca no est preocupada com a colocao dos pronomes oblquos na frase (sintaxe de colocao), mas pretende avaliar as variaes que ele sofre para juntar-se ao verbo. Este um contedo simples, com regrinhas bsicas. No final do texto apresentamos alguns casos mais comuns.

    A O correto imagine-a, pois a forma verbal termina em vogal, no podemos acrescentar o n em imagine-na. No resposta correta.

    B Este verbo, quando empregado neste sentido, no admite a juno do pronome oblquo. A construo possvel entra numa banca; entra nela. No correta a alternativa.

    C J vimos que os verbos terminados em vogal no alteram o pronome oblquo, portanto: pede o jornal pede-o. No correta esta alternativa.

    D Agora est correta a construo. A forma guardam finda com nasal, por isso o pronome oblquo sofre alterao: guardam-na. Esta a alternativa correta.

    E O verbo procurar preferentemente transitivo direto procurar algo, por isso a construo seria procura as figurinhas que pode transformar-se em procura-as e no procura-lhes. O verbo procurar pode ser empregado como transitivo indireto no sentido de pesquisar, catar, mas neste caso no suporta o pronome oblquo, a frase deve permanecer: procura pelas figurinhas. No resposta correta.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 24

    Questo - 27 - Leia o trecho abaixo. Para bater bafo, sorteia-se a vez do participante que tem de bater

    nos cromos, preferencialmente com a mo em forma de concha. A sua reescritura para o plural que est de acordo com o registro

    culto e formal da lngua, sem alterao do sentido, (A) Para baterem bafos, sorteia-se as vezes do participante que tem

    de bater nos cromos, preferencialmente com a mo em forma de concha.

    (B) Para bater bafo, sorteiam-se a vez dos participantes que tm de bater nos cromos, preferencialmente com a mo em forma de concha.

    (C) Para bater bafo, sorteia-se a vez dos participantes que tem de bater nos cromos, preferencialmente com as mos em formas de concha.

    (D) Para bater bafo, sorteia-se a vez do participante que tem de bater nos cromos, preferencialmente com as mos em formas de conchas.

    (E) Para bater bafo, sorteiam-se as vezes dos participantes que tm de bater nos cromos, preferencialmente com as mos em forma de concha.

    Comentrio Reescritura

    Estas questes de reescritura so bem complexas, pois podem abranger qualquer contedo e, muitas vezes, exigem uma ateno muito grande do candidato. Vamos avaliar cada possibilidade.

    A As vezes (ocasies) dos participantes que so sorteadas, portanto a forma verbal, deve estar no plural: ...sorteiam-se..... Nesta alternativa no foi passado para o plural o termo participante. No serve como resposta correta.

    B Agora passaram a forma verbal para o plural (sorteiam-se, mas deixaram o sujeito (a vez do participante) no singular. A palavra mo no foi flexionada. No correta.

    C A palavra participantes o referente do que e funciona como sujeito do verbo ter, portanto deve ser a forma plural ... participantes que tm.... Errada a alternativa.

    D No foi feita a transformao para o plural da expresso vez do participante. No serve como resposta.

    E Esta a alternativa correta. Todas as palavras possveis foram passadas para o plural e a concordncia est correta.

    Questo - 28 - Est correta a pontuao em

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 25

    (A) Para incentivar as vendas, os jornaleiros, na dcada de 60, distribuam um brinde ao cliente que completasse um lbum de figurinhas.

    (B) Para incentivar as vendas, os jornaleiros na dcada de 60 distribuam um brinde ao cliente, que completasse, um lbum de figurinhas.

    (C) Para incentivar as vendas, os jornaleiros na dcada de 60, distribuam um brinde ao cliente que completasse um lbum de figurinhas.

    (D) Para incentivar as vendas os jornaleiros, na dcada de 60, distribuam um brinde ao cliente, que completasse um lbum de figurinhas.

    (E) Para incentivar, as vendas, os jornaleiros na dcada de 60 distribuam um brinde, ao cliente, que completasse um lbum de figurinhas.

    Comentrio Pontuao

    Estas questes sobre pontuao so simples, mas exigem uma ateno redobrada do candidato, pois apenas uma vrgula pode tornar uma frase errada.

    A Toda a pontuao est correta, portanto a alternativa solicitada pela banca.

    B A expresso na dcada de 60 uma locuo adverbial deslocada para entre o sujeito (jornaleiros) e o predicado (distribuam), por isso deve ficar entre vrgulas. No pode haver vrgula antes do que, pois ele introduz uma orao subordinada adjetiva restritiva. No pode ocorrer vrgula entre completasse e um lbum, para no separar o verbo de seu complemento. No resposta correta.

    C Falta a vrgula aps, jornaleiros.Observem que apenas a falta de uma vrgula torna esta alternativa incorreta. No resposta correta.

    D A expresso para incentivar as venda uma locuo adverbial final e est deslocada para o incio da frase, portanto deve estar isolada por vrgula. Deve ser retirada a vrgula antes do que, como vimos acima. No resposta adequada.

    E No h razo para a vrgula aps incentivar, pois no podemos separar o predicado de seu complemento.. A expresso na dcada de 60 no est isolada por vrgulas. Deve ser retirada a vrgula que isola a expresso ao cliente. No serve como resposta.

    Questo - 29 - A terminao de diminutivo tem o mesmo valor que apresenta em

    pacotinhos (linha 21) em

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 26

    (A) A menina olhou para o irmo com um risinho irnico. (B) Olhe o casaquinho que comprei para o meu filho de um ano. (C) Amanh vou chegar cedinho no trabalho para terminar os

    relatrios. (D) Cames escreveu um poeminha chamado Os Lusadas que ficou

    famoso. (E) Ganhou muito dinheiro e comprou uma casinha que ocupa um

    quarteiro. Comentrio Significao

    A banca no est interessada em discusses tericas sobre o grau do substantivo, mas exige que voc perceba que a palavra pacotinho est no diminutivo devido ao tamanho e no por outras razes como ironia ou afetividade.

    A Nesta construo o diminutivo est empregado com um sentido de ironia; risinho e no riso. No o caso do enunciado da questo.

    B Uma criana de um ano usa um casaco pequeno casaquinho. Este um emprego do diminutivo igual ao do modelo, portanto a alternativa correta.

    C O termo cedinho uma forma de dar nfase ao horrio, no serve como resposta correta.

    D Como sabemos que Os Lusadas uma epopeia, portanto um poema muito longo, o emprego do diminutivo tem funo de ironia, ou, talvez, de afetividade. De qualquer forma incorreta a alternativa.

    E Aqui o diminutivo claramente irnico, pois uma construo que ocupa um quarteiro, nunca poder ser chamada de casinha. No o solicitado pela questo.

    Questo - 30 - A frase em que todos os verbos esto corretamente conjugados (A) bom que os jornaleiros premeiem os compradores de

    figurinhas. (B) Se a editora provesse as bancas todo dia, no haveria falta de

    cromos na cidade. (C) O dono da editora interviu para que no faltassem mais figurinhas

    no mercado. (D) A falta de figurinhas nas bancas constitue um problema para os

    colecionadores. (E) Se os lbuns no caberem na estante, podemos guard-los

    dentro do armrio. Comentrio Conjugao verbal

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 27

    Esta a questo mais complexa da prova, pois exige conhecimento de verbos irregulares. Vamos detalhar cada um durante os comentrios.

    A O verbo premiar, portanto o presente do indicativo : eu premio; tu premias; ele premia; ns premiamos; vs premiais; eles premiam. Errada a forma premeiam.

    B O verbo prover no imperfeito do subjuntivo conjugado da seguinte forma: se eu provesse; se tu provesses, se ele provesse; se ns provssemos; se vs provsseis, se eles provessem (todos com timbre fechado ). Esta a alternativa correta.

    C O verbo intervir derivado do verbo vir, portanto: vim/intervim; vieste/intervieste; veio/interveio; viemos/interviemos; viestes/interviestes; vieram/intervieram. Portanto a forma correta O dono da editora interveio para que...... errada esta alternativa.

    D O verbo constituir conjugado no presente do indicativo da seguinte forma: constituo, constituis, constitui, constitumos, constituis, constituem. A forma grafada na questo (constitue) errada, no serve como resposta.

    Gabarito 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 B A B D D B E E C A D E A B B

    Questes de reviso

    Estas questes de reviso no so comentadas. O objetivo delas incentivar a interatividade atravs do frum, pois cada um expe suas dvidas l e, com isto, o nosso curso torna-se bem mais interessante e ajustado s necessidades de cada um. No final h o gabarito, basta conferir e as dvidas encaminha atravs do frum.

    CESGRANRIO IBGE Agente censitrio 2010 (Mdio)

    A aventura do cotidiano

    Parbola da falta dgua: 1

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 28

    Vivia faltando gua naquela fbrica. O dono da fbrica tinha de 2 se valer de um sujeito que lhe trazia uma pipa dgua regularmente, 3 ao preo de trs mil cruzeiros. 4

    Um dia o tal sujeito o abordou: 5

    O patro vai me desculpar, mas vamos ter de aumentar o 6 preo. De hoje em diante a pipa vai custar cinco mil cruzeiros. 7

    Cinco mil cruzeiros por uma pipa dgua? Voc est ficando 8 doido? 9

    No estou no senhor. Doido est o manobreiro, que 10 recebia dois e agora quer receber trs. 11

    E posso saber que manobreiro esse? 12

    Manobreiro desta zona, responsvel pelo controle da gua. 13 Eu vinha pagando dois mil a ele, mas agora ele quer trs. No 14 sobra quase nada pra mim, que que h? E est ameaando de abrir 15 o registro se eu no pagar. 16

    Abrir o registro? Que conversa essa? Me explique isso 17 melhor. 18

    Se o senhor no me pagar, eu no pago a ele. 19

    Ele deixa entrar a gua e l se vai por gua abaixo o nosso 20 negocinho. 21

    SABINO, Fernando. Obra reunida. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996. p. 740.

    Questo - 31 - Conforme o sentido do texto pode-se afirmar que o dono da fbrica (A) era um ambicioso, querendo ganhar sempre mais. (B) reconhecia a necessidade que levava o manobreiro ao pretendido

    aumento. (C) mostrava-se dependente do trabalho de apenas mais um: o

    manobreiro. (D) teria um possvel prejuzo na fbrica. (E) seria beneficiado com a abertura do registro, o que resolveria o

    seu problema. Questo - 32 - No trecho Vivia faltando gua naquela fbrica. (linha 2), a forma

    verbal em destaque nos sugere uma ao (A) habitual. (B) concluda. (C) duvidosa. (D) iniciante. (E) iminente.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 29

    Questo - 33 - No final do texto, a palavra negocinho (linha 21) est empregada

    com sentido depreciativo, irnico. Esse sentido irnico ocorre tambm na seguinte orao: (A) Jos, o precinho de suas frutas oportuno para todos. (B) O beb sorriu ao beijinho da me. (C) Com a plstica, o narizinho de Maria ficou timo. (D) Rabiscando a parede do quarto, o garoto fez uma gracinha

    imperdovel. (E) A parede pintada da sala ficou branquinha. Questo - 34 - Conforme o texto, a atitude de abrir o registro, para o sujeito da pipa

    dgua, representaria algo (A) contrrio e prejudicial. (B) inesperado e imprevisvel. (C) despretensioso e controlador. (D) absurdo e sem objetivo. (E) irritante e oportuno. Questo - 35 - O trecho ... e l vai por gua abaixo o nosso negocinho. (. 23-24)

    refere-se (ao) (A) possibilidade de resolver problemas do entregador. (B) necessidade de aumentar o preo da pipa ddua. (C) abertura do registro para resolver o problema do manobreiro. (D) problema que ocorria com o dono da fbrica por causa da

    carncia de gua na regio. (E) dano que seria causado ao sujeito da pipa dgua, pela ganncia

    do manobreiro. Questo - 36 - Tratando-se das funes sintticas dos termos destacados do texto,

    pode-se afirmar que (A) O dono da fbrica... (linha 2) objeto direto. (B) ...ter de aumentar o preo. (linhas 6 e 7) sujeito. (C) Voc est ficando doido? (linhas 8 e 9) adjunto adverbial de

    modo. (D) ...e agora quer receber trs. (linha 11) adjunto adverbial

    de lugar. (E) eu no pago a ele. (linha 19) objeto indireto.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 30

    Questo - 37 - Considerando as classes das palavras dos dois ltimos pargrafos do

    texto (linhas 17 a 21), est INCORRETO afirmar-se que ali se encontram

    (A) seis pronomes pessoais. (B) somente trs substantivos. (C) duas preposies. (D) oito formas verbais. (E) um pronome interrogativo e dois demonstrativos. Questo - 38 - Analise a frase: De hoje em diante a pipa vai custar cinco mil

    cruzeiros. (linha 7). Flexionando-se a locuo verbal destacada no futuro do pretrito do modo indicativo, na 3a pessoa do plural tem-se:

    (A) vo custar. (B) iriam custar. (C) fossem custar. (D) iro custar. (E) iam custar. Questo - 39 - O acento indicativo de crase est corretamente empregado em (A) Entregava a pipa dgua preo barato. (B) A pipa dgua supria carncia da regio. (C) Vnhamos pagando dois mil cruzeiros pipa dgua. (D) O preo era referente necessidade da fbrica. (E) O registro no deixa gua correr. Questo - 40 - Conforme a concordncia verbal, est correta a frase (A) O dono da fbrica tinha um sujeito que lhe traziam uma pipa

    dgua. (B) O entregador e o manobreiro tinha um plano ambicioso. (C) O pagamento aos gananciosos seria suficiente? (D) A conversa e a explicao no tinha muito fundamento. (E) Expliquem-me isso melhor, ordenou ele ao manobreiro.

    Gabarito 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 E A D A E E B B D C

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 31

    Aspectos tericos Ortografia oficial

    Algumas bancas no exigiro conhecimentos sobre a nova grafia, mas no devemos esquecer que a prova estar redigida de acordo com as novas regras. Isto exige certo cuidado, para no tomarmos por erro alguma grafia alterada pelo acordo.

    A grafia na Lngua Portuguesa segue a etimologia, ou seja, depende da origem da palavra. A grande dificuldade que nossos estudantes esto apresentando, quando grafia, deriva da falta de conhecimentos bsicos sobre a evoluo das palavras, desde a sua origem at a atualidade. Vejamos alguns exemplos simples:

    Por que escrevo pssego com dois ss e no com c? No haveria nenhum prejuzo fontico ao escrever com c. Voc sabe o pas de origem do pssego? Sabendo que da antiga Prsia, est resolvido o problema, pois a fruta era denominada persecum que significa originria da Prsia. Como o s assimila o r, surgem os dois ss, o c sonoriza em g e o final nasal um perde a nasalidade e passa para o. Revelada a palavra pssego!

    Com certeza voc est dizendo, isto um caminho muito longo, impossvel aprender diante de uma prova de concurso. Concordo plenamente, mas asseguro que, se ao longo do ensino mdio, voc tivesse adquirido algum conhecimento desta rea, hoje no diria que Lngua Portuguesa difcil, que cheia de excees e outras coisas deste teor.

    Paj ou pag? Imediatamente, voc opta por paj, mas qual a razo desta escolha? Simples, as palavras de origem indgena ou africana so grafadas com j e no com g. Agora voc no erra mais: canjica, jequitib, jerimum, jibia, jirau, jil. Cuidado! Voc escreve: Bag (RS), embora seja palavra de origem indgena. Esta anomalia grfica devemos ao bageense (ou bajeense) Emlio Garrastazu Mdici!

    Outra maneira importante de voc descobrir a grafia de uma palavra procurar pela famlia de palavras. Os termos derivados seguem a grafia da palavra originria. Cereja > cerejeira; rijo > rijeza; tbua > tabuada; oscilar > oscilante.

    Este um assunto muito longo, no cabe num curso rpido, vamos revisar muita coisa, mas durante a resoluo de questes, vamos aprofundar alguns casos, medida em que aparecerem.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 32

    Para encerrar o assunto de grafia, importante relembrar que a leitura a grande fonte de conhecimento em termos de vocabulrio. Quando lemos, ampliamos o vocabulrio e aprendemos muito sobre grafia.

    a. O fim do trema - O acordo aboliu o trema, permanecendo

    apenas nos nomes prprios registrados e em algumas palavras estrangeiras. Ex: tranquilo, lingustica, linguia. Permanece em nomes como Mller.

    b. O alfabeto recebe trs letras: k, w e y. Esta uma alterao que no tem grande efeito, pois so letras em desuso.

    c. As consoantes mudas. Neste aspecto o acordo causou problema, pois permite dupla grafia, caso a consoante seja pronunciada. Como h divergncia de pronncia entre Brasil e Portugal, surgem casos estranhos: fico e apto so pronunciados tanto no Brasil como em Portugal da mesma maneira, portanto permanecem o c e o p, nestes casos, pois no so mudos. Vejamos alguns casos de flutuao: Assumpo/assuno; sumptuoso/suntuoso; amgdala/amdala. A primeira forma usada em Portugal e a segunda no Brasil.

    d. O sufixo -iano e -iense provocou uma avalanche de protestos, pois exige que mesmo nas palavras terminadas por e, esta vogal seja retirada e o sufixo permanea com i. J estvamos acostumados com acreano e torrense, agora mudam para acriano e torriense.

    Acentuao grfica

    A acentuao, na Lngua Portuguesa, segue regras fixas. No tem sentido revermos regras e excees neste momento. As bancas no so to boazinhas para cobrar conhecimentos gerais sobre acentuao. O que elas preferem avaliar o conhecimento do candidato sobre alguns casos que so menos evidentes, mas que tm um uso intenso. Vejamos alguns casos:

    a) Distinguir a forma singular (tem) da plural (tm) no presente do indicativo do verbo ter um atrativo muito forte para as bancas de concurso.

    b) Verificar a acentuao do i quando forma slaba sozinho, (juzes) ou quando est apoiado na consoante seguinte (juiz).

    c) Outra situao interessante ocorre nas formas verbais, acompanhadas do pronome oblquo, como em compr-la, pois nem todos percebem que, independente do hfen, a forma verbal uma oxtona em a.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 33

    Algumas observaes sobre a reforma ortogrfica

    A ltima reforma ortogrfica est em vigor, desde janeiro deste ano (2009). No nosso objetivo discuti-la, pois isto um assunto acadmico. Para ns cabe examinar os pontos mais importantes e que tenham maiores probabilidades de causarem confuso na prova do concurso. No vamos tratar do acordo de uma s vez, pois isto tomaria muito tempo. Neste mdulo abordaremos alguns aspectos e retornaremos sempre que uma questo de prova exigir conhecimento de ortografia.

    Embora algumas divergncias ainda permaneam, manteremos o que est consagrado pelo VOLP da Academia Brasileira de Letras, e na obra O que muda com o novo acordo ortogrfico do professor Evanildo Bechara. Os casos que o novo acordo ortogrfico mantm a grafia anterior, no comentaremos, pois basta continuar redigindo da mesma forma.

    Vejamos as alteraes:

    Quanto acentuao houve algumas mudanas bem severas, mas a maioria das regras continuou sem alterao. As proparoxtonas continuam acentuadas da mesma maneira: mdico e lmpada.

    As oxtonas terminadas em a, e ou o permanecem com a mesma forma de acentuao: vatap, caf, palet. Os monosslabos tnicos seguem esta mesma regra: p, f, d. Vamos examinar alguns casos em que h mudana:

    O acordo abre possibilidade de dupla grafia quando houver divergncia de pronncia (aberta/fechada): beb/beb; Antnio/Antnio.

    Os ditongos abertos i u e i permanecem acentuados quando em palavras oxtonas: fiis; vu (s); heri (s). Mas cuidado! Nas palavras paroxtonas, estes ditongos perderam o acento: estreia, ideia, heroico.

    Os dois oo perdem o acento: voo, enjoo, assim como os dois ee nas formas verbais: veem, leem, creem. e deem.

    O i e o u tnicos, formando slaba sozinhos (quando no seguidos de l, r ou nasal) continuam recebendo acento: pas, sade. A alterao : se forem antecedidos por ditongo perdem o acento quando paroxtonas: feiura, baiuca, mas se forem oxtonas, mantm o acento: Piau.

    Importante salientar que a entrada em vigor do acordo ortogrfico foi mais uma vez adiado, agora para 2016. Isto uma vergonha nacional.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 34

    Pontuao

    A pontuao motivo de muitas questes em prova, principalmente quanto ao uso da vrgula e dois pontos. Para estudar a vrgula fundamental um conhecimento muito slido sobre estrutura da frase, pois a vrgula um marcador de desvios do padro sinttico. A orao tem como modelo a sequncia S-V-C (sujeito, verbo e complementos), sempre nesta ordem. Ao deslocar um elemento, a vrgula deve ser usada para marcar a alterao.

    A menina (S) comprou (V) um caderno (Cobj. dir.) na livraria da esquina (Cadv.).

    Na livraria da esquina (C ), a menina (S) comprou (V) um caderno (C).

    No exemplo acima, ocorre o descolamento de um elemento do final para o incio da frase. Neste caso, a vrgula simples (uma s). Ela se torna dupla quando os termos forem intercalados, como no caso do aposto e das oraes subordinadas adjetivas explicativas. No caso da intercalao, o que vem antes da vrgula tem continuao direta com o que segue depois dela. frequente, em provas, a banca omitir a segunda vrgula para produzir o erro. Este procedimento dificulta a identificao por parte do concurseiro. Cuidado, um pega rato que voc pode identificar com facilidade.

    No caso da vrgula, uma situao especial a distino entre as conjunes e as locues retificativas. Usamos a vrgula simples antes de mas, porm portanto e duplas para isolar s vezes, ou seja.

    Ele estudou pouco, mas foi aprovado. O menino estuda pela manh e, s vezes, pela tarde tambm.

    No to frequente quanto vrgula e dois pontos, surgem questes sobre travesso ou parntese. Estes casos so muito simples e abordaremos na prtica.

    Vejamos uma pequena reviso sobre pontuao. O ponto final

    Ponto-final (.) - usado no final de frases declarativas, de oraes ou de perodos. Marca pausas longas.

    Joana viajou ontem cedo para Curitiba. Levou consigo material para estudar.

    Vrgula

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 35

    Usada para marcar pausas de breve durao entre os termos de orao e entre oraes de um mesmo perodo. Nos casos mais comuns usamos a vrgula para separar:

    a) vocativo Paulo, como ests? b) aposto Jos, o mais novo aluno, saiu mais cedo da sala de aula. c) adjuntos adverbiais quando deslocado para o incio da frase, ou

    intercalado. No incio do ano, iremos viajar para o nordeste. A chuva, impiedosamente, cai sobre a cidade h duas semanas. d) termos de enumerao Comprei bananas, mas, peras e abacaxis. e) nomes de lugar nas datas e endereos - Canoas, 24 de maio de 1996. Rua Quinze de janeiro, 000. f) oraes intercaladas e em alguns casos de oraes coordenadas. No quero viajar, mas vou mesmo assim. Deus, que pai de todos, s quer nossa felicidade. g) palavras ou expresses explicativas ou conclusivas - Assim, estando tudo combinado, assinamos o contrato. Milton concordou comigo, ou seja, fez tudo que eu pedi. OBS.: usa-se tambm a vrgula para marcar a elipse, ou seja, a

    omisso de um termo da orao. Ex.: Em So Paulo mora meu pai; em Santos, minha me.

    CUIDADO No se deve usar a vrgula entre: a) o sujeito e o predicado b) o verbo e seus complementos c) o nome e o seu complemento d) a orao principal e a orao subordinada

    substantiva Ponto-e-vrgula

    usado para marcar pausa maior que a da vrgula e menor que a do ponto-final. Aparece mais para separar:

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 36

    a) oraes de perodos compostos muito longos - Se o homem peca nos maus passos, paguem os ps; se peca nas

    ms obras, paguem as mos; se peca nas ms palavras, pague a lngua...

    b) separar itens que constituem uma lei, um decreto, uma portaria,

    um relatrio, um regulamento, uma instruo normativa "O vocabulrio conter: - o formulrio ortogrfico; - o vocabulrio comum; - o registro de abreviaturas." Dois-pontos

    uma pausa maior que a da vrgula e serve para:

    a) Introduzir a fala do interlocutor (neste caso, usa-se tambm o

    travesso). Pedro disse: No deixarei de ler um bom romance para ir balada. b) Introduzir uma citao. Como diria meu pai :"Seja honesto e tudo sair sempre bem.". c) Introduzir uma enumerao. Para a viagem no podemos esquecer de levar: mapas, roteiros,

    tnis, bermuda e repelente. Ponto-de-interrogao

    usado nas frases interrogativas, indicando uma mudana na entonao.

    Voc votar em poltico de ficha suja ? Ponto-de-exclamao

    empregado nas frases exclamativas.

    U! Voc no sabia da ltima novidade? Todos para o cho! um assalto! Reticncias

    As reticncias indicam interrupo da fala. Empregam-se para:

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 37

    a) Indicar que o sentido vai alm do que j foi expresso. Se voc no estudar muito ... b) Indicar uma dvida ou hesitao. Ou o deputado compra mais meias ou ....torna-se honesto. c) Indicar que alguma supresso no texto. Nesse caso aparecem

    entre parnteses. Ex.: "Maria Rita voltou sala. Seu padrinho a esperava perto da

    porta. Sua me hesitou em entreg-la de imediato (...) e quando todos se despediram, ela foi a nica que conteve o choro."

    Travesso

    O travesso, assim como a vrgula pode ser simples ou duplo. Ser simples quando o elemento isolado no estiver intercalado e duplo no caso contrrio.

    a) O travesso de uso exclusivo quando indica a mudana de interlocutor, como no caso dos dilogos. Ex: Perguntei aos alunos: - Vocs estudam para qu? Eles responderam: - Estudamos para o concurso pblico.

    b) Usamos o travesso para isolar uma explicao dentro da frase, como ocorre no caso desta questo. A expresso geopark, uma regio de turismo cientfico e ecolgico que propicia o autocrescimento sustentado da populao explica o que seja um geopark.

    c) Tambm usamos o travesso para isolar uma palavra ou expresso que se quer realar dentro da frase. Neste caso pode ser substitudo por dupla vrgula.

    Ex: Estudar para concurso exige tempo muito tempo dos candidatos.

    d) Pode-se, tambm, usar o travesso no lugar da vrgula dupla para isolar oraes intercaladas.

    Ex: O vice-governador que tambm est envolvido no escndalo disse que renunciaria.

    Parnteses

    Os parnteses servem para isolar palavras ou trechos do texto.

    Explicao: Elis Regina, (a pimentinha) deixou um legado imortal de msicas

    clssicas

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 38

    Comentrio: A prova do TJ-SP (composta por trinta questes) est prevista para

    dois de dezembro. Reflexo: A prova de portugus ser fcil (acredito eu), pois o programa

    simples. Definio: Os fonemas (as menores unidades sonoras da fala) so objeto de

    estudo da fontica. O prefixo (elemento mrfico acrescentado no incio da palavra)

    contribui para a formao de significados novos para um mesmo radical.

    Travesso

    O travesso tem duas funes bsicas:

    Mudana de interlocutor Dilogo entre concurseiros. - J revisaste o contedo de pontuao? - Este um assunto que conheo bem, mas vou estud-lo com mais

    detalhes. - Ontem em reli o mdulo 01, l fala sobre vrgula. - Neste mdulo 03 h novas explicaes, agora sobre travesso. - timo, obrigado pela informao. Destacar explicaes, comentrios ou reflexo Elis Regina, - a pimentinha - deixou um legado imortal de msicas

    clssicas A prova do TJ-SP - composta por trinta questes - est prevista para

    dois de dezembro. A prova de portugus ser fcil - acredito eu - pois o programa

    simples. Nestes casos o travesso pode substituir os parnteses. Aspas

    Serve para destacar passagens do texto de outro autor.

    A amizade um amor que nunca morre. Mario Quintana Marcar palavras usadas com sentido especial

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 39

    O fiscal da sala o xerife que comanda tudo. Destacar uma palavra ou frase para chamar a ateno. O termo voluptuosa (4 pargrafo), pode ser substitudo, sem

    acarretar prejuzo de sentido ao texto, por: O destaque pode ser produzido por aspas (como usei aqui), por

    negrito (como a banca usou na prova, por itlico ou por sublinhado (como em outras passagens)

    Termos retificadores

    Certos termos ou expresses tm valor semntico, mas nem sempre correspondem a uma funo sinttica. Originariamente podem ser conjunes, advrbios ou mesmo uma orao que no texto adquirem significado prprio. O que caracteriza estes elementos que podem ser retirados da frase, sem prejuzo sinttico, alterando apenas algum trao semntico.

    Podemos indicar alguns: ainda, alm disso, alis, a meu ver, ao contrrio, a propsito, a saber, com efeito, ento, isto , ou ento, ou melhor, ou seja, por assim dizer, por exemplo, por outro lado, vale dizer, etc. Em atas so comuns algumas expresses: digo, onde se l, leia-se, em tempo que validam uma retificao.

    Um novo roteiro , a meu ver, indispensvel para desenvolver um bom texto.

    Ao contrrio da maioria, o concurseiro estuda nos domingos.

    Ns iremos livraria e, ento, compraremos uma nova gramtica.

    O primeiro exemplo expressa o ponto de vista do falante, ele fica comprometido com a indicao de fazer um novo roteiro. O segundo exemplo indica a oposio entre a maioria e o concurseiro. Por fim, o ltimo exemplo estabelece uma continuidade de ao, uma concordncia.

    Vozes verbais

    A relao que se estabelece entre o sujeito e a ao do verbo determina a voz do verbo. Trs maneiras so possveis:

    a) Voz ativa o sujeito pratica a ao expressa pelo verbo. Ex: O candidato estudou portugus para o concurso.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 40

    b) Voz passiva O sujeito sofre a ao expressa pelo verbo. Ex: O carto de respostas foi preenchido pelo candidato.

    c) Voz reflexiva Neste caso o sujeito pratica e sofre a ao. Ex: O candidato classificou-se entre os aprovados.

    A voz passiva pode ser classificada como sinttica ou analtica.

    a) Passiva analtica formada com os verbos auxiliares: ser, estar ou ficar.

    b) Passiva sinttica Ocorre com verbos transitivos diretos mais o pronome se. Sintaticamente, este pronome classificado como pronome apassivador.

    Neste caso devemos cuidar duas coisas:

    a) Que o verbo seja transitivo direto, pois somente os verbos transitivos diretos podem formar voz passiva.

    b) Manter o mesmo modo e tempo verbais, alterando a concordncia de nmero e pessoa quando necessrio. Ex: O poder econmico aboliu as manifestaes da cultura

    popular. Sujeito (poder econmico) objeto direto (manifestaes). Verbo abolir: pretrito perfeito do indicativo. Para transformar esta frase ativa em passiva devemos observar os dois quesitos acima.

    Ex: As manifestaes da cultura popular foram abolidas pelo poder econmico.

    Emprego dos pronomes oblquos

    Emprego de o, a, os, as 1) Em verbos terminados em vogal ou ditongo oral os pronomes

    o,a,os,as no se alteram. Ex.: Chame-o agora. Deixei-a mais tranquila.

    2) Em verbos terminados em r, s ou z, estas consoantes finais

    alteram-se para lo, la, los, las. Ex.: (Encontrar) Encontr-lo o meu maior sonho. (Fiz) Fi-lo porque no tinha alternativa.

    3) Em verbos terminados em ditongos nasais (am, em, o, e,

    e,), os pronomes o, a, os, as alteram-se para no, na, nos, nas. Ex.: Chamem-no agora. Pe-na sobre a mesa.

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 41

    Concluso

    Chegamos ao final de nosso primeiro mdulo, muito caminho h pela frente. No deixem de participar, comentar e apresentar sugestes, pois a contribuio de cada um o melhor caminho para produzirmos um curso bem adaptado s necessidades de vocs. Eu no escrevo um curso, eu o construo com a colaborao de vocs. Participem.

    Como podem observar, os nossos contedos tericos ultrapassam o programa inicial, pois as provas so determinantes para que acrescentemos novos tpicos exigidos. Ao fazer os comentrios das questes, tenho a oportunidade de descobrir contedos que so preciosos para a banca. Prestem bem ateno a cada questo e, permanecendo dvida, no deixem de solicitar explicaes complementares ou novos contedos tericos.

    Encerro este mdulo, aguardando vocs no frum.

    Um abrao,

    Odiombar

    ndice Remissivo Aspectos tericos

    Acentuao grfica ................................................................... 33

    Emprego dos pronomes oblquos ................................................ 41

    Ortografia oficial ....................................................................... 31

    Pontuao ............................................................................... 34

    Termos retificadores ................................................................. 40

    Vozes verbais ........................................................................... 40

    Contedo dos comentrios

    Conjugao verbal .................................................................... 27

    Conjunes .............................................................................. 22

    Crase ...................................................................................... 14

    Emprego dos pronomes oblquos ................................................ 23

    Interpretao de texto ........................................ 3, 5, 7, 16, 17, 18

    Nvel de linguagem ..................................................................... 9

    Plural dos nomes compostos ...................................................... 12

  • CURSO DE PORTUGUS BACEN- TCNICO Prof. Odiombar Rodrigues

    Odiombar Rodrigues www.pontodosconcursos.com.br 42

    Pontuao ............................................................................... 25

    Reescritura .............................................................................. 25

    Referenciao ...................................................................... 6, 20

    Regncia verbal ........................................................................ 10

    Sequncia dos tempos .............................................................. 11

    Significao .............................................. 4, 10, 12, 18, 19, 21, 26

    Tempos verbais ........................................................................ 23

    Termos retificadores ................................................................... 8

    Vozes verbais ........................................................................... 13

    Textos

    A aventura do cotidiano ............................................................. 28

    A revoluo das figurinhas ......................................................... 15

    Coleo de extremos ................................................................... 2