artigo plantas invasoras 17-11

Download Artigo plantas invasoras 17-11

Post on 01-Jul-2015

104 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Alternativas de Controle de Plantas Daninhas sem HerbicidasKliewer, I. (e-mail: ingo_kliewer@hotmail.com) Palavras chave: Cobertura do solo permanente, adubos verdes, rotao de culturas, alelopatia, prticas culturais. Introduo Os herbicidas e a preparao de solos no so as nicas formas de controlar plantas daninhas. Fazer plantio direto sem o uso de herbicidas um dos grandes desafios da atualidade para a pesquisa, assistncia tcnica e agricultores. Este um dos maiores questionamentos com relao sustentabilidade do sistema pois nele o uso de herbicidas uma caracterstica marcante. Faz alguns anos quando o sistema de plantio direto iniciou, era comum escutar que os herbicidas so um mal necessrio e que no possvel controlar plantas daninhas sem eles. Nas recomendaes para a implantao do cultivo, j se falava da utilizao da cobertura morta para o controle de invasoras, mas a recomendao da utilizao de herbicidas em geral ainda a predominante no sistema. Atualmente, com um maior conhecimento e compreenso sobre el sistema, j se est alcanando sucesso no seu controle em pequenas propriedades e se est chegando cada vez mais prximo de conseguir-lo em reas extensivas. Influncia da Fertilidade do solo sobre as plantas daninhas A terra, quanto mais degradada, mais imprpria fica para a produo de culturas e ocorre um maior aparecimento de invasoras. Quando uma parcela cultivada durante anos sob um sistema de manejo inadequado do solo no qual a cobertura do solo escassa (por longos perodos sem cobertura viva ou morta), so realizadas prticas de preparaes mecnicas do solo incorporando a resteva remanescente das colheitas (deixando o solo descoberto s intempries climticas), no h reposio adequada de nutrientes; as consequncias so: a matria orgnica vai desaparecendo, o solo desestruturado fisicamente e compactado, os nutrientes so fixados, lavados e volatilizados. O tempo que leva a degradao vai depender da intensidade do mal manejo, das condies iniciais de fertilidade e da susceptibilidade do solo degradao e das condies climticas reinantes. A parcerla, quanto mais pobre vai ficando, tanto mais difcil fica de produzir matria orgnica e proteger o solo dos agentes climticos erosivos (chuva e vento). Nesta situao a luz solar ficou prejudicial ao solo pois em vez de fazer a sntese de substncias orgnicas (matria orgnica), est produzindo degradao, pois a medida que o tempo passa e se segue neste sistema, o solo fica mais descoberto e desprotegido. Quanto mais inadecuada a condio para as culturas comerciais, mais propcia ser a condio para o aparecimento e o desenvolvimento de plantas daninhas. As invasoras que aparecem espontaneamente so plantas que se sentem bem no lugar pois encontram todas as condies que precisam para cescer e multiplicar. Aparecendo entre uma cultura comercial estas plantas so consideradas invasoras e esto neste lugar por existir algum desequilibrio no solo no para elas mas sim para um sistema de produo. Se sabe que a presena de grama-seda (Cynodon dactilon) ou guanxuma (Sida spp.) em uma rea indica terra dura, a presena de samambaia (Pteridium aquilinum) indica solo con alumnio txico elevado, capimcarrapicho (Cenchrus echinatus) indica solo com baixos nveis de matria orgnica e

deficiencia de nitrognio, amendoim-brabo (Euphorbia heterofylla) indica solo com deficiencia de molibdnio (ver quadro n 01). Se mudamos a condio especfica que favorece ao crecimento e desenvolvimento destas plantas, automaticamente vamos contribuir para eliminao das plantas daninhas e favorecer o desenvolvimento da cultura comercial e a sua competitividade em relao s invasoras. Assim, com os exemplos citados anteriormente: o amendoim-bravo combatido pela aplicao de molibdnio ao solo, a samambaia com aplicaes de calcrio, o nabo-brabo (Raphanus raphanistrum) quando por fertilizao de brax e sulfato de magnsio, a guanxuma ou a gramaseda desaparecem quando o solo descompactado por meios biolgicos semeando azevm que afrouxa o solo com suas razes, o capim-carrapicho quando se aumentam os nveis de nitrognio no solo atravs de um adubo verde como Crotalaria juncea, mucuna (Mucuna pruriens), tremoo (Lupinus albus) ou ervillaca (Vicia villosa). Muitas das propriedades que esto fazendo o plantio direto por vrios anos, j tem a fertilidade de seus solos bem recuperada e tem alcanado uma significativa reduo na incidncia de invasoras. Estas so propriedades possveis para uma produo de culturas sem herbicidas. Quanto mais equilibrada a adubao, mais amplo o espectro de plantas daninhas e tanto menor sua persistncia (Primavesi, 1992). Quadro 01: Plantas indicadoras de desequilibrios em solos de culturas ou pastagens Invasoras Indicam Azedinha (Oxalis oxyptera) solo argiloso, pH baixo, falta de clcio, falta de molibdnio Amendoim-brabo (Euphorbia deficincia de molibdnio heterophylla) Anarinha-branca (Chenopodium album) excesso de nitrognio, devido a muita matria orgnica Barba-de-bode (Aristida pallens) pastos queimados com frequncia, deficiencia de fsforo, clcio e umidade Capim-arroz (Echinochioa cruzgallii) terra anaerbia, com nutrientes "reduzidos" a substncias txicas Cabelo-de-porco (Carex spp) solo degradado, com nvel de clcio extremamente baixo Capim-favorito (Rhynchelytrum roseum) solos muito compactados e secas, a gua no penetra facilmente Capim-amoroso ou carrapicho (Cenchrus solo lavoura depauperada e muito dura, ciliatus) pobre em clcio Capim-marmelada ou capim-papu terra de lavoura, com laje superficial e (Brachiaria plantaginea) falta de zinco Capim-rabo-de-burro (Andropogon uma camada impermevel em 80 a 100 bicornis) cm de profundidade, que represa gua Cardo-santo (Argemone mexicana) excesso de clcio Carneirinho ou carrapicho-de-carneiro deficincia em clcio (Acanthospermum hispidum) Cravo-brabo (Tagetes minuta) infestao de nematides Fazendeiro ou pico-branco (Galinsoga nitrognio suficiente e falta de cobre parviflora) Grama-seda (Cynodon dactylon) solo muito compactado e pisoteado Gramo ou batatais ou grama-matoterra cansada, com baixa fertilidade

grosso (Paspaium notatum) Guanxuma ou malva (Sida spp) Lngua-de-boi (Rumex spp) Losna (Artemisia verlotorum) Maria-mole ou berneira (Senecio brasiliensis) Mamona (Ricinus communis) Nabisco ou nabo-brabo (Raphanus raphanistrum) Samambaia (Pteridium aquilinium) Sap Macho ou me de sap (Imperata brasiliensis) Papoula (Papaver somniferum) Urtiga (Urtica urens) Fonte: Adaptado de Primavesi, 1992.

terras muito compactadas e duras excesso de nitrognio (estrume), terra fresca solos alcalinos camada estagnante em 40 a 50 cm de profundidade, falta potssio terra arejada, deficiente em potssio terras carentes em boro e mangans aluminio txico elevado terra cida excesso de clcio excesso de nitrognio (matria orgnica), carncia em cobre

Influncia do Plantio Direto e da Cobertura Morta do Solo sobre as plantas daninhas Pela presena permanente de cobertura morta sobre o solo (Jansen, 1999; Kliewer et al, 1999) e a melhora na fertilidade do solo pelo aumento dos nveis de matria orgnica, o sistema de plantio direto reduz sensivelmente a infestao de plantas daninhas nas culturas (Derpsch, et al, 1991). Cobertura morta so resduos do cultivo anterior que permanecem sobre o terreno. Ela funciona como um elemento isolante que reduz a amplitude trmica do solo e filtra a luz solar. O processo de germinao de plantas daninhas est intimamente relacionado a estes fatores, reduzindo substncialmente sua emergncia em plantio direto com abundante quantidade de cobertura morta (Adegas, 1999). Quando se deixa de preparar o solo, grandes quantidades de sementes de invasoras se mantm a profundidades que impedem sua germinao e emergncia. A presena da cobertura morta altera as caractersticas fsicas, qumicas e biolgicas do solo e interfere no processo da quebra de dormncia das sementes (Almeida, 1991). O contedo de matria orgnica nas reas de plantio direto normalmente superior ao das reas de plantio convencional. Maior teor de matria orgnica est relacionado a maior atividade biolgica. Muitos microorganismos para sobreviver e reproduzir utilizam as sementes e plntulas das infestantes e por conseguinte diminuem o potencial de infestao nas reas de plantio (Adegas, 1999), sendo este efeito mais acentuado em plantio direto. O proceso de decomposio da cobertura morta na superfcie libera gradualmente uma srie de compostos orgnicos denominados alelequmicos, muitos deles interferem diretamente na germinao e emergncia das plantas indesejveis. A quantidade e a composio da cobertura morta responsvel pelo nvel de interferncia. Ao preparar o solo a palhada se decompe rapidamente e esta uma das razes porque o controle de infestantes obtido superior em plantio direto (Figura 01).

10 dias depois da colheita ou manejo 400 Quantidade de infestantes/m2 350 300 250 200 150 100 50 013 5 235 282 317 299

Plantio DiretoErvilhaca

Plantio convencionalTrigo

Aveia preta comum

Figura 01: Influncia do manejo do solo e da cobertura morta de inverno sobre a densidade de infestantes Fonte: Ruedell, 1998; citado por Bianchi, 1999. Em geral as sementes de plantas daninhas sofrem de dormncia. A dormncia pode ser explicada como sendo um estado passivo em que a semente no comea os procesos de germinao, ainda que se presentem condies favoraveis de luz, umidade e temperatura no solo. por isso que as sementes das plantas invasoras no germinam todas de uma vez. Uma certa quantidade germina antes da semeadura da cultura, outra durante seu desenvolvimento, outra na colheita e dependendo da espcie, at muitos anos despois. Muitas espcies de plantas necessitam que suas sementes fiquem no escuro e que depois sejam expostas luz para inciar os processos de germinao. A gua essencial para o processo da germinao. Este s se inicia quando a semente se umedece, o que depende da permeabilidade do tegumento. Em algumas espcies a permeabilidade s produzida depois de longo tempo de contato da semente com a gua, outras exigem a