saude dos bancarios

Download Saude dos Bancarios

Post on 08-Mar-2016

243 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Este livro resulta de um desafio proposto pelo Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região em trazer para o espaço público um debate que, muitas vezes, é exclusivo de círculos restritos: a saúde dos trabalhadores. Nos últimos 30 anos, o assunto tem sido uma preocupação de muitos atores sociais, como sindicalistas, profissionais da saúde e dos poderes públicos, pesquisadores de questões ligadas ao trabalho e gestores. Evidente que cada um deles discute o tema sob perspectivas diferentes.

TRANSCRIPT

  • Sade dos bancrios

    Sade dos bancriosorganizao Laerte Idal Sznelwarcoordenao Juvandia Moreira LeiteWalcir Previtale Bruno

    realizao e apoio

    autores

    organizao Laerte Idal Sznelwar

    Sindicato dos Bancrios e Financiriosde So Paulo, Osasco e Regio

    Antonio de Arruda RebouasChristian du TertreChristophe DejoursDuarte RoloEduardo KeeganElisabeth Zulmira RossiFranois HubaultGilbert Cardoso BouyerIsabelle GernetJulia Issy AbrahoJuvandia Moreira LeiteLaerte Idal SznelwarLis Andra SobollLuciano PereiraLuis Paulo Pasotti ValenteMaria Leonor Poo JakobsenMaria MaenoMario PoyPatricio NussholdRaimundo Simo de MeloRenata PaparelliRossana C. Floriano JostSeiji UchidaWalcir Previtale Bruno

    ISBN 978-85-85938-67-3

    Este livro, organizado pelo professor Laerte Idal Sznelwar e coordenado por mim e pelo secretrio de Sade do Sindicato, Walcir Previtale Bruno, tem por objetivo debater os problemas vivenciados pelos bancrios e que toda a categoria conhece muito bem. Mas, antes disso, tem como papel central o enfrentamento dessa situao com os bancos no campo cient co e conceitual para eliminar a presso no trabalho e os diferentes tipos de abusos.Ao mesmo tem-po, desejamos que o contedo desta publicao extra-pole a categoria e ganhe a sociedade. Ao discutir a sadedos bancrios, este livro se aprofunda no tema de como organizado nos dias atuais o sistema nan-ceiro no Brasil. E revela os impactos que essa organizao tem tanto para os trabalha-dores como para a sociedade.

    Juvandia Moreira LeitePresidenta do Sindicato dos Bancrios e

    Financirios de So Paulo, Osasco e Regio

    Este livro resulta de um desa o propos-

    to pelo Sindicato dos Bancrios e Financirios

    de So Paulo, Osasco e Re-gio em trazer para o espao

    pblico um debate que, muitas vezes, exclusivo de crculos restritos:

    a sade dos trabalhadores.Nos ltimos 30 anos, o assunto tem sido uma preocupao de muitos atores sociais, como sindicalistas, pro ssionais da sade e dos poderes pblicos, pesquisadores de questes ligadas ao trabalho e gestores. Evi-dente que cada um deles discute o tema sob perspectivas diferentes. Todavia, apesar de j se saber que h pro-blemas signi cativos com relao sade dos trabalhadores, as aes propostas pelos pro ssionais do setor de Sade, at o pre-sente, quando muito, ajudam a mitigar o sofrimento desses por meio de tratamen-tos clnicos, de processos de reabilitao e de reparao de seus prejuzos nanceiros. Resta a pergunta: por que o quadro no se alterou de modo signi cativo em direo a reais melhorias no que diz respeito sade? Nossa principal hiptese que no hou-ve alteraes de fato que signi cassem um combate efetivo s mais evidentes causas do problema. Por isso, atualmente o grande debate e o principal desa o so como trans-formar efetivamente o trabalho, em especial na categoria bancria.

    Laerte Idal Sznelwar

    SaudeDosBancarios_Capa_ok.indd 1 11/08/2011 20:59:26

  • Sade dos bancrios

    organizao

    Laerte Idal Sznelwar

    coordenao

    Juvandia Moreira LeiteWalcir Previtale Bruno

  • 1a edio

    So Paulo - 2011

    Sade dos bancrios

    organizao

    Laerte Idal Sznelwar

    coordenao

    Juvandia Moreira LeiteWalcir Previtale Bruno

  • Copyright 2011 Sindicato dos Bancrios de So Paulo

    So Paulo, 2011

    PuBliSher BraSilrua Senador Csar lacerda Vergueiro, 7305435-060 Vila Madalena So Paulo (SP)Tel/fax: 55 11 3813.1836livros@publisherbrasil.com.brwww.publisherbrasil.com.br

    editorrenato rovaiPreparao e edioadriana DelorenzoJoo Paulo SoaresCapa, projeto e editoraoCarmem MachadorevisoDenise Gomide e edma NeivaTraduoluiza ribas (francs)Flvia Cera (espanhol)

    eDiTOra GrFiCa aTiTuDe lTDarua So Bento, 365, 19 andar,01011-100 Centro So Paulo (SP)Tel: 55 11 3241-0008www.redebrasilatual.com.br

    Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP)(Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

    ndices para catlogo sistemtico: 1. Sade dos trabalhadores : Bancrios 614:336.71-0512. Proteo no trabalho : Segurana no trabalho : Bancos 331.453. Psicologia do trabalho 159.9:3314. Direito do trabalho 349.25. ergonomia 658.015.11(Bibliotecria responsvel: Sabrina leal araujo CrB 10/1507)

    S255 Sade dos bancrios / organizao laerte idal Sznelwar. 1. ed. So Paulo : Publisher Brasil : editora Grfica atitude ltda, 2011.

    360 p.

    iSBN 978-85-85938-67-3 1. Promoo da sade dos trabalhadores - Bancrios. 2. Bancos - Sistemas de produo.

    3. Bancos - Planejamento da produo. 4. Psicodinmica do trabalho. 5. Psicologia do trabalho. 6. ergonomia. 7. Trabalho - aspectos sociais. 8. Trabalho - aspectos psicolgi-cos. 9. Trabalho - aspectos econmicos. 10. Direito do trabalho - Bancrios. 11. Direitos sociais. 12. Sindicato dos Bancrios de So Paulo. i. Sznelwar, laerte idal.

    CDu 614:336.71-051 CDD 331.2550981 331.45

  • Apresentao 9Juvandia Moreira Leite

    Prefcio 13Laerte Idal Sznelwar

    Captulo 1 21Bancrios no so mquinasWalcir Previtale Bruno

    Captulo 2 33Trabalho, subjetividade e confianaChristophe Dejours | Isabelle Gernet

    Captulo 3 45Trajetrias de trabalhadores bancrios entre o sonho e o real do sofrimento patognicoLaerte Idal Sznelwar | Luciano Pereira

    Captulo 4 63Bancos e produtividade: entre dinmica industrial e dinmica servial? Christian du Tertre

    Captulo 5 83Novas perspectivas sobre sofrimento tico no trabalho: o caso da mentira como prescrioDuarte Rolo

    Captulo 6 105O trabalho bancrio e a distoro comunicacional: quando a mentira parte da tarefa Laerte Idal Sznelwar | Seiji Uchida

    Captulo 7 125Os desafios relacionados mobilizao da subjetividade na relao de servio Franois Hubault

    Captulo 8 151A cognio entre diferentes dimenses mobilizadas no trabalhar Julia Issy Abraho

    Sumrio

  • Captulo 9 169As atividades de servio e o setor bancrio argentino: uma interveno durante a crise do setor em 2002 Patricio Nusshold | Mario Poy | Eduardo Keegan

    Captulo 10 187Entre o nmero e a vivncia: qual ergonomia praticar?Gilbert Cardoso Bouyer

    Captulo 11 207LER e transtornos psquicos relacionados ao trabalho: faces de uma mesma moedaMaria Maeno

    Captulo 12 231Desgaste mental de bancrios no mundo das fusesRenata Paparelli

    Captulo 13 249Assdio Moral no trabalho: uma patologia da solido usada como estratgia de gesto organizacionalLis Andra Soboll | Rossana C. Floriano Jost

    Captulo 14 263As consequncias psquicas do adoecimento por LER/Dort: o fracasso do processo de reabilitao e a volta ao trabalhoElisabeth Zulmira Rossi

    Captulo 15 287A judicializao das demandas acidentrias indenizatrias na Justia do Trabalho: um artigo-dennciaLuis Paulo Pasotti Valente

    Captulo 16 295Direitos humanos nas relaes de trabalho no BrasilMaria Leonor Poo Jakobsen

    Captulo 17 313Bancrio: trabalho penoso, adicional devido e demais responsabilidades legais do empregador ou tomador de serviosRaimundo Simo de Melo

    Captulo 18 341Tpicos sobre a desconstruo dos direitos sociais Antonio de Arruda Rebouas

  • Agradecimentos

    A todos os bancrios que, na histria do Sindicato, lutam e lutaram pela melhoria das condies de trabalho e de sade.

    Aos bancrios e bancrias que participaram da pesquisa e das entrevistas deste projeto.

    executiva e a toda a diretoria do Sindicato.

    A todos os funcionrios do Sindicato que trabalharam para concretizar este projeto e que atuam no dia a dia na luta

    em defesa da sade dos bancrios.

    Aos autores e pesquisadores que colaboram com o livro.

    Ao Departamento de Engenharia de Produo da Escola Politcnica da Universidade de So Paulo.

    Juvandia Moreira Leite, Laerte Idal Sznelwar e Walcir Previtale Bruno

  • 11

    Apresentao

    Com o fim do processo inflacionrio, os bancos no Brasil mudaram o foco de atuao e passaram a priorizar a venda de servios para os clientes. O bancrio no responsvel apenas por prestar um bom atendimento, ele tem de vender: seguro, capitalizao, previdncia, carto de crdito. E precisa faz-lo cada vez mais e mais, para cumprir metas abusivas impostas de cima para baixo com base em um sistema de gesto de resultados. Sistema que faz com que atualmente todos os bancos ga-rantam, com sobras, o custo das folhas de pagamento com essa receita de servios.

    Essa mudana de foco das instituies financeiras alterou completamente a profisso e a rotina do trabalho bancrio, aumentando demais a presso por resulta-dos, a competio e o assdio moral. Atualmente, histrias de bancrios e bancrias que tomam remdios para controlar a ansiedade so cada vez mais comuns. Como tambm aumentaram consideravelmente os casos de pessoas afastadas do trabalho ou que procuram o Sindicato com estresse, depresso ou sndrome do pnico.

    Esse novo cenrio fez com que, nas ltimas campanhas salariais, aparecesse com maior relevncia o tema da sade e das condies de trabalho entre os pontos de pauta que a categoria quer discutir com a federao dos bancos. Principalmen-te no que diz respeito a debater o sistema de metas, considerado pelos bancrios como a principal razo que leva muitos a adoecer.

    Foi isso que fez com que diretoria do Sindicato realizasse uma pesquisa qua-litativa com a categoria sobre o tema1 e tambm pensasse em transformar essa pesquisa em base para um dilogo com pesquisadores e estudiosos do assunto, em nvel nacional e internacional. Este livro resultado dessa iniciativa e nos fortale-cer bastante no debate com os bancos na mesa de negociao.

    Se antes deste livro j tnhamos convico de que o formato atual de orga-nizao do trabalho no sistema financeiro que est adoecendo a categoria, hoje temos certeza cientfica desse fato. E tambm sabemos que, para modificar esse sistema, temos de apresentar prop