refletindo sobre a interpreta†ƒo de ... refletindo sobre a interpreta†ƒo de...

Download REFLETINDO SOBRE A INTERPRETA‡ƒO DE ... REFLETINDO SOBRE A INTERPRETA‡ƒO DE GRFICOS ESTATSTICOS

Post on 20-Jan-2019

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

REFLETINDO SOBRE A INTERPRETAO DE GRFICOS

ESTATSTICOS EM PROJETOS DE MODELAGEM

MATEMTICA COM USO DAS TECNOLOGIAS DIGITAIS: A

PRESENA DE CONHECIMENTOS ETNOMATEMTICOS

Leandro do Nascimento Diniz1 Universidade Federal do Recncavo da Bahia

leandro@ufrb.edu.br

Jos Antnio Fernandes2

Universidade do Minho

jfernandes@ie.uminho.pt

Resumo: Esta comunicao cientfica tem por objetivo apresentar um recorte de um estudo, realizado pelo primeiro

autor sob orientao do segundo autor, em que se investigou a leitura, construo e interpretao de

grficos estatsticos em projetos de modelagem matemtica com uso das Tecnologias Digitais (TD). No

presente texto, o objetivo investigar a presena dos conhecimentos etnomatemticos no processo de

interpretao de grficos estatsticos em projetos de modelagem matemtica com uso das TD. A literatura

pontua que h poucos trabalhos que envolvem a temtica de construo e interpretao de grficos

estatsticos e lacunas presentes na literatura apontam a necessidade de mais estudos. A pesquisa, de

natureza qualitativa, foi desenvolvida num colgio pblico de ensino mdio tcnico no interior da Bahia,

Brasil, com alunos dos cursos de Agroindstria. Alm dos conhecimentos matemticos e socioculturais

(experincias pessoais, expresses afetivas e referncias contextuais), os dados apontam a presena de

conhecimentos etnomatemticos no processo de interpretao dos grficos estatsticos, que se constituem

em conhecimentos produzidos e resignificados para permitir a sobrevivncia, equidade e transcendncia

das pessoas.

Palavras-chave: Educao Estatstica. Feiras de Matemtica. Ensino Mdio. Educao

Profissional. Agricultura Familiar.

Consideraes iniciais

Esta comunicao cientfica tem por objetivo geral investigar a presena dos

conhecimentos etnomatemticos no processo de interpretao de grficos estatsticos

1 Professor doutor em Cincias da Educao, especialidade Educao Matemtica. Professor Assistente

do Centro de Formao de Professores da Universidade Federal do Recncavo da Bahia - UFRB, situado

em Amargosa, Bahia, Brasil. 2 Professor doutor em Educao, especialidade metodologia do ensino da Matemtica. Professor

Associado do Instituto de Educao da Universidade do Minho - UMinho, situado em Braga, Portugal.

X CNMEM Conferncia Nacional sobre Modelagem na Educao Matemtica Modelagem Matemtica na Educao Matemtica Brasileira: histria, atualidades e projees.

Maring PR, 23 a 25 de novembro de 2017. ISSN 2176-0489

em projetos de modelagem matemtica com uso das Tecnologias Digitais3. Ela um

recorte de uma tese de doutorado, desenvolvida pelo primeiro autor com orientao do

segundo autor, a qual teve por objetivo geral analisar a construo, leitura e

interpretao de grficos estatsticos em projetos de modelagem matemtica4 com uso

das Tecnologias Digitais (TD). Para tal, projetos de modelagem foram desenvolvidos

com alunos reunidos em grupos, tendo como tema central a Agricultura Familiar. Os

grupos que construram grficos estatsticos tiveram a necessidade de interpret-los e

parte deste processo ser refletido neste artigo.

O estudo se justifica por ser interesse dos pesquisadores em realizar esta

pesquisa e por ser continuidade de estudos desenvolvidos anteriormente, em que

investigou o papel das Tecnologias da Informao e Comunicao (TIC) nos projetos de

modelagem (DINIZ, 2007) e a leitura e interpretao de dados coletados e utilizados

pelos alunos em seus projetos de modelagem (como tabelas, frmulas e grficos), sem

informaes de como foram construdos (DINIZ; BORBA, 2012).

Especialmente quanto Educao Estatstica, percebemos que h poucas

pesquisas que a relacione com a modelagem e as TD, apesar de ser crescente o nmero

de estudos nesta subrea da Educao Matemtica (CARZOLA et al., 2010).

Particularmente quanto s questes relacionadas aos grficos estatsticos, Fernandes et

al. (2011) pontuam a necessidade de mais estudos, uma vez que destacam que alunos

possuem dificuldades em interpretar atividades relacionadas aos grficos estatsticos.

Quanto modelagem, Barbosa (2001) pontua a existncia de lacunas dos

processos relacionados sala de aula, uma vez que no identificamos pesquisas

profundas sobre a interpretao de grficos estatsticos em projetos de modelagem com

uso das TD, em contextos de alunos do ensino mdio tcnico.

Assim, pontuaremos a seguir a reviso de literatura sobre modelagem e TIC na

Educao Matemtica e interpretao de grficos estatsticos. Em seguida, abordaremos

a metodologia da pesquisa e o contexto investigado. Por ltimo, procederemos anlise

dos dados e faremos as consideraes finais.

3 Utilizaremos os termos Tecnologias Digitais (TD), Tecnologias da Informao e Comunicao (TIC) e

informtica como sinnimos para evitarmos repeties. 4 Utilizaremos o termo modelagem como sinnimo de modelagem matemtica.

X CNMEM Conferncia Nacional sobre Modelagem na Educao Matemtica Modelagem Matemtica na Educao Matemtica Brasileira: histria, atualidades e projees.

Maring PR, 23 a 25 de novembro de 2017. ISSN 2176-0489

Modelagem e as tecnologias digitais na Educao Matemtica

Podemos perceber a presena da modelagem em duas grandes reas: Matemtica

Aplicada e Educao Matemtica. Na Matemtica Aplicada, a modelagem identificada

com a construo de um modelo matemtico, o qual interpretado e validado a partir do

problema da realidade investigada. Assim, utiliza-se a Matemtica para resolver

problemas reais e no h, necessariamente, relao com contextos educacionais

(BIEMBENGUT, 1990; BASSANEZI, 2002).

De modo geral, o modelo matemtico se apresenta como uma representao

matemtica da realidade, recorrendo a smbolos matemticos, frmulas, figuras

geomtricas, tabelas, dentre outras possibilidades (BASSANEZI, 2002).

J na Educao Matemtica, a modelagem tambm conhecida como trabalho

de projeto e modelao matemtica (BORBA; VILLARREAL, 2005). Podemos

afirmar, de modo geral, que seu propsito a resoluo de problemas reais com uso da

Matemtica (ARAJO, 2008).

Segundo Arajo (2008), o perfil dos alunos e professores e o contexto

educacional so alguns dos fatores que podem influenciar as atividades de modelagem

em sala de aula. Alm disso, o currculo escolar tambm pode ser um fator importante

neste processo. Cinco argumentos so apresentados por Blum e Niss (1991) para

defender a incluso da modelagem no currculo:

1) argumento formativo: atitudes relacionadas heurstica, aes relacionadas s

tcnicas e estratgias so alguns dos elementos que os alunos podem

desenvolver para resolver e explorar problemas;

2) argumento da competncia crtica: habilidades relacionadas compreenso e

anlise de situaes da realidade que envolvem a Matemtica so

proporcionadas aos estudantes;

3) argumento da utilidade: o uso da Matemtica na realidade cria condies para

que os alunos a utilizem nos contextos reais;

4) argumento da viso integrada da Matemtica: alm de ser uma atividade

cientfica, os alunos percebem que a Matemtica tambm uma atividade

humana e cultural; e

5) argumento da aprendizagem da Matemtica: a aprendizagem atrelada aos

contedos da realidade.

X CNMEM Conferncia Nacional sobre Modelagem na Educao Matemtica Modelagem Matemtica na Educao Matemtica Brasileira: histria, atualidades e projees.

Maring PR, 23 a 25 de novembro de 2017. ISSN 2176-0489

Outro argumento acrescentado por Bassanezi (2002):

6) argumento da alternativa epistemolgica: os alunos percebem como a

Matemtica composta por elementos culturais.

Alguns autores destacam a importncia de alguns dos argumentos, como o

caso de Barbosa (2001) que destaca o 2 e 6. Percebemos que a etnomatemtica est

presente no ltimo argumento, a qual influenciou o trabalho desenvolvido pelo

professor Rodney Bassanezi, um dos lderes do incio do movimento da modelagem na

Educao Matemtica brasileira (BIEMBENGUT, 2014; BARBOSA, 2001). Ubiratan

DAmbrosio e Aristides Barreto tambm so destacados por suas contribuies iniciais

nesta tendncia da Educao Matemtica (BIEMBENGUT, 2014).

Etimologicamente, etnomatemtica significa a arte ou tcnica de lidar, conhecer,

explicar e entender as diferentes culturas e sociedades (DAMBROSIO, 2004).

DAmbrosio (2004) percebe que h diferentes formas de, por exemplo, medir,

comparar, classificar, inferir e representar e que podem ser identificadas diferentes

manifestaes matemticas, quando comparadas com a Matemtica formal. O autor

afirma que essas aes esto impregnadas de mitos, valores, normas de

comportamento, estilos de conhecimentos compartilhados por indivduos vivendo num

determinado tempo e espao (DAMBROSIO, 2004, p. 21), que o que concebemos

por cultura.

Podemos conceber que a etnomatemtica se inter-relaciona com a modelagem

uma vez que a matemtica est impregnada de elementos culturais que esto enraizados

em diferentes formas de pensamento humano.

Dentre as diferentes concepes de modelagem referidas na literatura, adotamos