realidade Étnica

Download Realidade Étnica

If you can't read please download the document

Post on 10-Aug-2015

1.719 views

Category:

Documents

37 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Realidade tnica, Social, Histrica, Geogrfica, Cultural, Poltica, e Econmica do Estado do Gois

Histria do Gois Arqueologia

A ocupao do territrio de Gois teve incio h milhares de anos com registros arqueolgicos mais antigos datados de 11 mil anos atrs. A regio de Serranpolis, Caiapnia e Bacia do Paran rene a maior parte dos stios arqueolgicos distribudos no Estado, abrigados em rochosos de arenito e quatzito e em grutas de macios calcrios. Tambm h indcios da ocupao pr-histrica nos municpios de Uruau, em um abrigo de micaxisto, e Niquelndia, cujo grande stio superficial descoberto por pesquisadores da Universidade Federal de Gois (UFG) guarda abundante material ltico do homem Paranaba.

O homem Paranaba, por sinal, o primeiro representante humano conhecido na rea, cujo grupo caador-coletor possua presena constante de artefatos plano-convexos, denominados lesmas, com poucas quantidades de pontas de projteis lticas. Outro grupo caador-coletor o da Fase Serranpolis que influenciado por mudanas climticas passou a se alimentar de moluscos terrestres e dulccolas e uma quantidade maior de frutos, alm da caa e da pesca.

Grupos Ceramistas

As populaes ceramistas passam a ocupar o territrio de Gois a cerca de dois mil anos, quando supostamente o clima e a vegetao eram semelhantes aos atuais. So classificados em quatro tradies: Una, Aratu, Uru e Tupi-Guarani.

Tradio Una

a tradio ceramista mais antiga do Estado. Habitavam abrigos e grutas naturais, cultivavam milho, cabaa, amendoim, abbora e algodo e desenvolveram a tecnologia da produo de vasilhames cermicos.

Tradio Aratu

So os primeiros aldees conhecidos. Habitavam grandes agrupamentos, em disposio circular ou elptica ao redor de um espao vazio, situados em ambientes abertos, geralmente matas, prximos a guas perenes. Cultivavam milho, feijo, algodo e tubrculos. Produziam vasilhames cermicos de diferentes tamanhos e, a partir da manipulao da argila, confeccionavam rodelas de fusos, utilizados na fiao do algodo, dentre outros artefatos.

Tradio Uru

A populao da Tradio Uru chegou um pouco mais tarde no territrio goiano. Os stios arqueolgicos datados do sculo XII esto localizados no vale do Rio Araguaia e seus afluentes.

Tradio Tupi-Guarani

a mais recente das populaes com aldeias, datada de 600 anos atrs. Habitavam aldeias dispersas na bacia do Alto Araguaia e na bacia do Tocantins. Conviviam, s vezes, na mesma aldeia com outros grupos horticultores, de outras tradies.

Colnia

Aps o descobrimento do Brasil pelos portugueses, durante os sculos XVI e XVII, o territrio goiano comeou a receber diversas expedies exploratrias. Vindas de So Paulo, as Bandeiras tinham como objetivo a captura de ndios para o uso como mo de obra escrava na agricultura e minas. Outras expedies saam do Par, nas chamadas Descidas com vistas catequese e ao aldeamento dos ndios da regio. Ambas passavam pelo territrio, mas no criavam vilas permanentes, nem mantinham uma populao em nmero estvel na regio.

A ocupao, propriamente dita, s se tornou mais efetiva com a descoberta de ouro nessas regies. Na poca, havia sido achado ouro em Minas Gerais, prximo a atual cidade de Ouro Preto (1698), e em Mato Grosso, prximo a Cuiab (1718). Como havia uma crena, vinda do perodo renascentista, que o ouro era mais abundante quanto mais prximo ao Equador e no sentido leste-oeste, a busca de ouro no territrio dos Goyazes, passou a ser foco de expedies pela regio.

Bandeiras

O territrio goiano recebeu bandeiras diversas, sendo que a de Francisco Bueno foi a primeira a achar ouro na regio (1682), mas em pequena quantidade. Essa expedio explorou at as margens do Rio Araguaia e junto com Francisco Bueno veio seu filho, Bartolomeu Bueno da Silva, conhecido por Anhanguera (Diabo velho). Segundo se registra, Bartolomeu Bueno da Silva teria se interessado sobre o ouro que adornava algumas ndias de uma tribo, mas no obteve xito em obter informaes sobre a procedncia desse ouro. Para conseguir a localizao, resolveu ento ameaar por fogo nas fontes e rios da regio, utilizando aguardente para convencer aos ndios de que poderia realmente executar o feito o que lhe conferiu o apelido.

Seu filho, tambm chamado de Bartolomeu Bueno da Silva, 40 anos depois, tambm tentou retornar aos locais onde seu pai havia passado, indo em busca do mito da Serra dos Martrios, um lugar fantstico onde grandes cristais aflorariam, tendo formas semelhantes a coroas, lanas e cravos, referentes Paixo de Cristo. Chegou, ento, as regies prximas ao rio Vermelho, onde achou ouro (1722) em maior quantidade do que noutros achados e acabou fixando na regio a Vila de Sant'Anna (1727), chamada depois Vila Boa de Goyaz.

Aps retornar para So Paulo para apresentar os achados, foi nomeado capito-mor das minas das terras do povo Goi. Entretanto, seu poder foi sendo diminudo medida que a administrao rgia se organizava na regio. Em 1733, perdeu direitos obtidos junto ao rei, sob a alegao de sonegao de rendas, vindo a falecer em 1740, pobre e praticamente sem poder.

Nessa poca, as principais regies ocupadas no perodo aurfero foram o Centro-Sul (prximo ao caminho para So Paulo), o Alto Tocantins e Norte da capitania, at prximo a cidade de Porto Nacional (hoje Estado do Tocantins). Grandes reas como o Sul, o Sudoeste, o Vale do Araguaia e as terras ao Norte de Porto Nacional s foram ocupadas mais intensamente no sculo XIX e XX, com a ampliao da pecuria e da agricultura.

O ouro goiano era principalmente de aluvio (retirado na superfcie dos rios, pela peneiragem do cascalho), e se tornou escasso depois de 1770. Com o enfraquecimento da extrao, a regio passou a viver principalmente da pequena agricultura de subsistncia e de alguma pecuria. As primeiras divises do Estado

Durante o perodo colonial e imperial, as divisas entre provncias eram difceis de serem definidas com exatido, muitas vezes sendo definidas de forma a serem coincidentes com os limites das parquias ou atravs de deliberaes polticas vindas do poder central. No entanto, no decorrer do processo de consolidao do Estado de Gois, o territrio sofreu diversas divises, com trs perdas significativas no perodo colonial.

Separao da Capitania de So Paulo

Durante parte do perodo colonial o territrio que hoje o Estado de Gois foi administrado pela Capitania de So Paulo, na poca a maior delas, estendendo-se do Uruguai at o atual estado de Rondnia. Seu poder no era to extenso, ficando distante das populaes e, tambm, dos rendimentos.

A medida que se achava ouro pelas terras do serto brasileiro, o governo portugus buscava aproximar-se da regio produtora. Isso aconteceu em Gois depois da descoberta de ouro em 1722. Como uma forma de controlar melhor a produo de ouro, evitando o contrabando, responder mais rapidamente aos ataques de ndios da regio e controlar revoltas entre os mineradores, foi criado atravs de alvar rgio a Capitania de Gois, desmembrada de So Paulo em 1744, com a diviso efetivada em 1748, pela chegada do primeiro governador a Vila Boa de Goyaz, Dom Marcos de Noronha.

Tringulo mineiro

A regio que hoje chamada de Tringulo Mineiro pertenceu capitania de Gois desde sua criao em 1744 at 1816. Sua incorporao provncia de Minas Gerais resultado de presses pessoais de integrantes de grupos dirigentes da regio, sendo que em 1861 a Assembleia Geral foi palco de discusses acaloradas entre parlamentares de Minas Gerais, que tentavam ampliar ainda mais a incorporao de territrios at o Rio So Marcos e de Gois.

Leste do Mato Grosso

Em 1753, comearam as discusses entre a administrao da Capitania de Mato Grosso e de Gois para a definio de divisas entre as duas. Nesse perodo, a divisa entre elas ficou definida a partir do Rio das Mortes at o Rio Pardo. Em 1838, o Mato Grosso reiniciou as movimentaes de contestao de divisa, criando a vila de Sant'Ana do Paranaba. Apenas em 1864, a Assembleia Geral cria legislao para tentar regular o caso.

Durante a repblica, com a criao do municpio de Araguaia (1913) por parte do Mato Grosso e de Mineiros por parte de Gois, o conflito se intensificou. A questo ficou em suspenso at 1975, quando uma nova demarcao foi efetuada. Por fim, em 2001, o STF definitivamente demarcou a nascente A do Rio Araguaia como ponto de partida das linhas demarcatrias entre os estados.

Imprio

A partir de 1780, com o esgotamento das jazidas aurferas, a Capitania de Gois iniciou um processo de ruralizao e regresso a uma economia de subsistncia, gerando graves problemas financeiros, pela ausncia de um produto bsico rentvel.

Para tentar reverter esta situao, o governo portugus passou a incentivar e promover a agricultura em Gois, sem grandes resultados, j que havia temor dos agricultores ao pagamento de dzimos; desprezo dos mineiros pelo trabalho agrcola, pouco rentvel; a ausncia de um mercado consumidor; e dificuldade de exportao, pela ausncia de um sistema virio.

Com a Independncia do Brasil, em 1822, a Capitania de Gois foi elevada categoria de provncia. Porm, essa mudana no alterou a realidade socioeconmica de Gois, que continuava vivendo um quadro de pobreza e isolamento. As pequenas mudanas que ocorreram foram apenas de ordem poltica e administrativa.

A expanso da pecuria em Gois, nas trs primeiras dcadas do sculo XIX, que alcanou relativo xito, trouxe como consequncia o aumento da populao. A Provncia de Gois recebeu correntes migratrias oriundas, principalmente, dos Estados do Par, Maranho, Bahia e Minas Gerais. Novas cidades surgiram: no sudoeste goiano, Rio Verde, Jata, Mineiros, Caiapnia (Rio Bonito), Quirinpolis (Capelinha), entre outras. No norte (hoje Estado do Tocantins), alm do surgimento de novas cidades, as que j existiam, como Imperatriz, Palma, So Jos do Duro, So Domingos, Carolina e Arraias, ganharam novo impulso.