poemas nacio

Download Poemas Nacio

Post on 13-Mar-2016

219 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Poemas Nacio

TRANSCRIPT

  • POEMAS DE TOCAR ESTRADA

    NARCIO RODRIGUES

  • POEMAS DE TOCAR ESTRADA

  • 6 O Autor

    8 Introduo

    10 Quase Biogrfico 14 Galhos e Sombras

    18 Flertando com as coisas20 O Fruto e a Semente

    24 Palavras Irene

    28 Dia Claro para Lembrar da Lua Branca30 Parasos Recuperados32 De Como Chegamos At Aqui

    36 Um Pas a Plantar

    38 Prece de Um Filho de Jorge40 Planto de Deus

    42 Festa Caipira

    44 Do Ventre da Me

    46 Deserto da Alma

    POEMAS DE TOCAR ESTRADA

  • 6Narcio Rodrigues natural de Frutal, Minas Gerais. Jornalista de formao, ele trabalhou com jornalismo e publicidade no Tringulo Mineiro. Eleito deputado federal pela quinta vez em 2010, Narcio Rodrigues se licenciou do cargo para ocupar a Secretaria de Estado de Cincia, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), empossado em 3/1/2011 pelo governador Antonio Anastasia. membro efetivo do Conselho Integrado de Desenvolvimento (Coind).

    Na Cmara dos Deputados, Narcio Rodrigues ocupou diversos cargos, entre eles a primeira vice-presidncia e consequentemente a vice-presidncia do Congresso Nacional, onde por diversas vezes assumiu a presidncia. Tambm no parlamento, foi vice-lder do PSDB; presidente da Comisso de Cincia, Tecnologia e Informtica; e por mais de um mandato foi coordenador da bancada mineira no Congresso Nacional. Estabeleceu parcerias estratgicas com os ministrios da Educao; Cultura; Cincia e Tecnologia; e Meio Ambiente. Liderou grande projetos como Acorda Baixo Vale; Rede Nacional de Paleontologia; Oficinas de Artes; Estradas Ecotursticas; Viva Neves; Rede de Centros Vocacionais Tecnolgicos; e outros.

    Tambm em sua trajetria demonstrou especial interesse pelas questes ambientais realizando parcerias com diversas instituies e entidades, entre elas a Unesco, Green Cross, Fundao Carrefour e Fundao Cousteau; idealizou a Cidade das guas e viabilizou junto aos governos estadual e federal, o Centro Internacional de Capacitao e Pesquisa Aplicada em guas (Unesco-Hidroex), que trabalha para ser referncia nacional e internacional na gesto de recursos hdricos e na capacitao de profissionais desse segmento.

    Foi mais alm, ao construir a Universidade Aberta e Integrada de Minas Gerais UAITEC, implantando revolucionrio projeto que assegura aos mineiros o acesso gratuito ao ensino superior de qualidade; propor a organizao de um Complexo Aeroespacial no Estado e a Cidade da Cincia e do Conhecimento em Belo Horizonte; alm de conduzir o processo de estadualizao de fundaes ligadas Universidade do Estado de Minas Gerais UEMG.

    No campo poltico, Narcio Rodrigues presidiu o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), em Minas Gerais, por trs mandatos consecutivos.

    Narcio casado com Thaize Amparado, pai de Caio Narcio e Luana e av de Ana Maria.

    O AUTOR

  • 7

  • O sentimento, como a poesia, so expresses e manifestaes da Alma. Percepes, sensaes, vises e aes so elementos que, silenciosamente, conspiram para construir a partir de sujeitos, verbos, predicados e adjetivos, a sublimao de nossas emoes. a vida no seu estado mais latente. a Poesia.

    No poderia deixar de pontuar o que acho sobre a poesia para falar deste meu companheiro e cmplice. Aprendi com Ele extrair da complexidade, a simplicidade da felicidade. As palavras ditas por Ele expressam as emoes e a verdade. E me conquista cada dia mais. Isto a eficincia da Poesia.

    No consigo conceber meu Amor Narcio sem a poesia. Foi ela que o acalentou no bero, ninou e o nutriu para enfrentar a vida com toda esta suavidade.

    PALMAS, PARA O MEU AMOR, MINHA VIDA...

    THAIZE AMPARADO

  • 10

    Dados biogrficos:

    Nasci fruto de uma me ampla,generosa em si, D. Slvia de tudo,com uma f que ainda hoje move montanhasFui criado margem de um pai - Sebastio -que me ensinou abrir estradas,e desbravar, com minhas prprias dvidas (que onde eu guardo minhas melhores certezas),as encruzilhadas que a caminhada apresenta.

    Anote a tambm:

    O Rio Grande nasceu minha margem,mas hoje corre dentro das minhas veias.Da, esse sentimento de gua que norteia meu destinoSou lquido nas minhas decises,Facilito em mim que as coisas aconteam( como gua escorrendo pelos dedos...)Basta abrir minha torneira de sonhose me ponho a correr enxurrada atrs do que quero.Minhas referncias histricas?Sou do tempo do boi de carro e do carro de boiE sei que, antes dos dois se juntarem,veio o homem com suas solues nem sempre mgicas,nem sempre as melhores

    Meu pai foi garimpeiro de diamantese tirador de leiteNo aprendi exatamente os seus ofciosMas vivo procurando diamantes em

    olhares turvos,Acendo clareiras dentro de mimpara acomodar meus melhores silncios.Silncios que eu rumino em exerccio de boicomo quem precisa se reconhecer nesse cenrioMinha alma pobre de matriaMas tambm me vago em pastos secos e ridose me guardo em currais de clusura..,

    Sei do amor o que o amor me ensinaMas essa sina de amar assassinaMe comea, me termina, e determinaque no falte grama ao Luarnem msica ao silncionem desculpas ao violoDo ofcio de amar, aprendido na estrada,e apreendido na batalha,o melhor que sei vem do garimpo:Amor no aquilo que se encontra quando voc procuraAmor pedra preciosa, diamante,que salta aos olhos do amante,mesmo quando a vida lhe parece escuraSou garimpeiro dessa estalagemGarimpo sonhos, diamantes e viagensMas o que quero mesmo poder parar.Voltar para casa e armar uma rede,descansar,matar a sede,criar paragemFazer da minha vida esse n para desatarem voz, em versos, em ternura,em rios e rimas, em LuarNo sorriso da amante (diamante) feito com o seu prprio olha

    QUASE BIOGRFICO

  • 11

  • 12

  • 13

  • 14

  • 15

    de manh, e o sol que hoje no virmanda lembranas de uma ternura de gavetaEst frio, muito frio, e h rvores que nem te olham,preocupadas em galhos com as sementesque ainda no germinaram por pura falta de um sinal.

    Sementes so como sonhos. preciso que o esterco das vontades se estabeleapara que brotem novas realidades sob o sol.Muitas vezes, a bosta-de-vaca da nossa frieza tem que apodrecerpara que as flores tempors tambm vicejementre homens,permitindo que as mulheres possam se perfumar do erropara inventar o acerto...

    Somos cheios de invernos sombrios e sem pressa...No nos importamos se as razes da almase expandam no pntano escuro da nossa solido...Quanto maior o abismo entre ns,mais a perspectiva do encontro,de ampliar horizontes em garimpos ntimosporque nos reviramos dentro dos escombros...E somos muito mais o que procuramos no escuro de nsdo que o tempo que nos devotamos s sombras...

    Teu olho, por exemplo, exerce esse fascnio de farol sobre mimE me recupera em noites em que entorno,

    GALHOS E SOMBRAS

    enquanto bebo o vinho do esprito,meu (desen)canto com a vida...

    No h salvao nem para os Judase nem para os anjos.O tempo no apenas para os bonse muito menos para os exclusivamente maus.

    H tempo hoje, e tempo farto, para os que erram na sua procura, e se orgulham dissoporque no pram de procurar...Eles sabem: a vida s procura!

    H tempo hoje, e tempo cego,para os que no vem, apesar da luz.H tempo hoje, e tempo vo, para os que carregam sementes do bem dentro de si

    Talvez seus sentimentos tenham que apodrecerna decomposio de uma quimera intil, para que o adubo forte de uma nova erafaa florescer novos homens novos.Forjados na dvida para carregar certezas,Ancorados no medo para inventar a coragem.Extrados de sua prpria podridopara escrever a Histria,Fincar razes,Ampliar a esperanaAprender e ensinar os frutosEspalhar as sombras para proteger o mundoe as crianas.

    Porque a vida vir da reinveno da mortee da recriao do homem,refeito em bem na solido do mal...

  • 16

  • 17

  • 18

    FLERTANDO COM AS COISAS

  • 19

    So de geografia torta as coisas do amorVoc inventa sua trama,passa noites e noites em claro, desenhando a arquitetura de desviospara escapar - na verdade para escapulir -desses sentimentos mais trridos,(A gente finge que no com a gente),Arranca o chip que vem por dentro das emoes,e tenta passar desapercebido pela fila de sofredores

    Mas tudo vo....

    Logo algum grita, apontando o dedo na sua direo:- Aquele um deles. Tenho certeza... Voc se sente o prprio Pedro negando Cristo na multido...E ainda ouve falarem sobre voc:- Eu o vi saindo do salo, altaneiro e serelepe,com chapu na mo e assoviando um tango, e era puro:El dia em que me quieras...

    No. No era eu - voc retruca.- Eu mal entendo alemo,sou sofrvel em japons e mandarin...Como daria conta de catar no ar um verso de Gardel?Hyra, hyra... hyra...A vida gira sobre seus sapatos...

    So de linhas retas as incompreenses humanas.Elas - as incompreenses - no se pautam nos fatos,Mas talvez nos artefatos de sentimentos que guardamosNo te acusam por que tm certeza de nada.Ao contrrio, os que lhe acusam vivem carregados de dvidas sobre si mesmosVoc culpado apenas porque ele ou ficou pior que voc.E s h um remdio: condenar, esquartejar, demolir, destruir.

    Na vida voc descontrola e descarrilha o destino,

    esse trem que anda de bonde ou de nibus,sempre na contramo da sua vontade.

    Ele te trai e voc finge que no com voc! como o celular tocando e voc nem a...Deixa morrer de tanto gritar...A indiferena no indelicadeza proposital fuga necessria, estratgica... substantiva

    Ah! Viver amores sem se planejar... como tentar conter uma hecatombe,Um tufo, uma tragdia, um terremoto...Voc no meio do furaco, e nenhum sinal para lhe obedecerO mundo desabando na sua frente... E voc sem saber o que fazer

    Ah! Viver amores com todo mtodo:Agenda, controle, emoes medidas,Beijos em doses homeopticas - tudo na Lua certa,no relgio exato...Isso, sim, uma catstrofe muito maior

    (Voc numa central de