indicadores secovi /fdc

of 72 /72
INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE NO DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO URBANO

Author: vivianblaso-blaso

Post on 18-Nov-2014

1.548 views

Category:

Real Estate


3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

INDICADORES DESUSTENTABILIDADE NODESENVOLVIMENTOIMOBILIÁRIO URBANO

TRANSCRIPT

  • 1. INDICADORES DESUSTENTABILIDADE NO DESENVOLVIMENTOIMOBILIRIO URBANO
  • 2. Sumrio1. Apresentao ..............................................................................................................................22. Introduo ..................................................................................................................................53. Desenvolvimento Sustentvel .....................................................................................................84. Sustentabilidade Urbana ...........................................................................................................165. Metodologia adotada no trabalho ............................................................................................236. Temas e Subtemas ....................................................................................................................27 CONSTRUO E INFRAESTRUTURA SUSTENTVEIS .................................................................28 GOVERNANA.........................................................................................................................30 MOBILIDADE ...........................................................................................................................31 MORADIA ................................................................................................................................32 OPORTUNIDADES....................................................................................................................33 PLANEJAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL ...................................................................34 QUESTES AMBIENTAIS ..........................................................................................................36 SEGURANA ............................................................................................................................38 SERVIOS E EQUIPAMENTOS ...................................................................................................397. Indicadores: conjunto geral: 174 INDICADORES .......................................................................418. Indicadores: conjunto-sntese: 62 INDICADORES ......................................................................569. Referncias ...............................................................................................................................6110. Ficha Tcnica ..........................................................................................................................67 1
  • 3. Apresentao
  • 4. 1. ApresentaoIndicadores de Sustentabilidade Urbana: Dvidas e respostaspara alm das edicaes Em face de tantas questes, o Secovi-SP, sindicato que representa as empresas do mercado imobilirioSustentabilidade palavra de ordem em mbito e os condomnios no estado de So Paulo, se uniumundial. No Brasil, e a exemplo de outros pases, Fundao Dom Cabral (FDC) para estudar comopoder pblico e setor privado se empenham na promover a sustentabilidade no desenvolvimentobusca de medidas efetivas, mas o que se v, at imobilirio urbano.ento, so resultados pontuais. Com esse objetivo, o primeiro movimento foiNo mbito do setor imobilirio, e j h alguns contratar com a FDC um estudo indito: aanos, empreendedores e prossionais se dedicam Pesquisa de Indicadores de Sustentabilidade no identicao e adoo das melhores solues, Desenvolvimento Imobilirio Urbano.inclusive em conjunto com o universo acadmico,onde estudos e pesquisas so constantemente Objetivos: elaborar a construo de conceitos,realizados com vistas construo sustentvel. temas e indicadores de sustentabilidade no desenvolvimento imobilirio urbano; apresentarSo desenvolvidos conceitos, mtodos, normas, recomendaes aos setores privado e pblico parasistemas e referncias para a construo sustentvel. a promoo de cidades mais sustentveis no Brasil.So pesquisados novos materiais, insumos etecnologias que propiciem adequado impacto O processo da pesquisa contou com a participaoem termos econmicos, sociais e ambientais, de representantes da rea imobiliria e outrosaspectos que constituem as trs vertentes bsicas segmentos, que participaram de dois workshopsda sustentabilidade. para levantamento de sugestes e denio dos principais quesitos.Em todas as atividades da cadeia do segmento,j existem algumas aes concretas, do projeto Para o Secovi-SP e a FDC, o setor imobilirio deve,administrao do condomnio, que a ponta nal institucionalmente, participar e pautar o debatedo processo. sobre os temas da cidade sustentvel, indicando pontos para a denio de polticas pblicas, noTodavia, sustentabilidade no fato isolado. No que o presente estudo contribui.adianta haver empreendimentos concebidos,produzidos e administrados de maneira sustentvel Alm disso, a pesquisa tambm traz recomendaes sse as cidades no forem igualmente sustentveis. empresas do segmento imobilirio, oferecendo diversos parmetros e indicadores que ajudam a promover oQuais so os quesitos para haver sustentabilidade no desenvolvimento sustentvel na escala urbana. So asdesenvolvimento urbano? Quais so os parmetros, aes que o setor pode promover diretamente, e quecomo identic-los e, principalmente, como mensur- aqui esto claramente apresentadas.los para que se possa ter a noo exata dos resultadosobtidos com procedimentos implantados? Comoo setor imobilirio pode contribuir para promovercidades mais sustentveis no Brasil? 3
  • 5. Um universo de indicadores pblicas, os prossionais e empresrios do segmento imobilirio e a sociedade.A pesquisa resultou na construo de um universode indicadores para avaliao e monitoramento Aqui esto apontados elementos indispensveis da sustentabilidade, considerando-se a funo dos promoo de cidades mais sustentveis no Brasil,empreendimentos imobilirios na reformulao das bem como indicada a necessidade da instituiocidades e nas expanses urbanas. de um Observatrio da Sustentabilidade Urbana que, responsvel pela avaliao e o monitoramentoForam levantados nove grandes temas: Construo dos indicadores, sinalizar se estamos progredindo,e Infraestrutura Sustentveis; Governana; quanto e a que tempo na inevitvel tarefa de garantirMobilidade; Moradia; Oportunidades; Planejamento s geraes futuras condies dignas de vida.e Ordenamento Territorial; Questes Ambientais;Segurana; Servios e Equipamentos.A cada um desses temas esto vinculados subtemas egrupos de indicadores. Com isso, no cmputo nal,o estudo contempla um conjunto completo de 174indicadores e uma sntese, com 62 indicadores. Fundao Secovi-SP Dom CabralBases para agir Carlos Leite Claudio BernardesO Secovi-SP e a FDC acreditam que os parmetros Claudio Boechat Ciro Scopele os indicadores que compem este estudose constituem em importante plataforma de Rafael Tello Hamilton de Frana L. Juniorconhecimento, capaz de orientar de formacompetente o universo acadmico, as autoridades4
  • 6. Introduo
  • 7. 2. IntroduoEste trabalho nasceu de um desejo por parte do que ajudem a promover o desenvolvimentoSecovi-SP de promover a pauta da sustentabilidade sustentvel na escala urbana, apontando quais sono desenvolvimento imobilirio urbano. Como o as aes que o setor pode promover diretamente.setor poderia contribuir para promovermos cidadesmais sustentveis no Brasil? Assim como o setor j tem desenvolvido nos ltimos anos parmetros, normas e referncias para aA concretizao desse anseio ocorre, num primeiro construo sustentvel, esta pesquisa busca construirmomento, com a contratao junto Fundao parmetros para a promoo de sustentabilidade noDom Cabral (FDC) da Pesquisa de Indicadores de desenvolvimento imobilirio urbano com foco em:Sustentabilidade no Desenvolvimento ImobilirioUrbano e dever, num momento seguinte, ter a. sustentabilidade no desenvolvimento decontinuidade com a construo do Observatrio da empreendimentos urbanos em geral;Sustentabilidade Urbana. b. sustentabilidade no desenvolvimento urbano de bairros e territrios existentes (renovao deOs objetivos da pesquisa so a construo de espaos urbanos) e loteamentos e expansesConceitos, Temas e Indicadores de sustentabilidade territoriais (espaos novos);no desenvolvimento imobilirio urbano,recomendaes para os setores privado e pblico c. integrao da sustentabilidade ao processo deno desejo de se promover cidades mais sustentveis planejamento urbano nas cidades brasileiras,no Brasil, a saber: somando esforos queles desenvolvidos pelo poder pblico em suas diversas esferas.a. O setor do desenvolvimento imobilirio urbano pode e deve, institucionalmente, participar e pautar o debate sobre os temas da cidade sustentvel: quais so as aes que o setor pode indicar para construir polticas pblicas.b. A pesquisa deve gerar recomendaes ao setor atravs de diversos parmetros e indicadores que ajudem a promover o desenvolvimento sustentvel na escala urbana: so as aes que o setor pode promover diretamente.Os objetivos da pesquisa so a construo deConceitos, Temas e Indicadores de sustentabilidade nodesenvolvimento imobilirio urbano, recomendaespara os setores privado e pblico no desejo de sepromover cidades mais sustentveis no Brasil. Figura 1. As fases do desenvolvimento imobilirio urbano e o desao da insero dos parmetros de sustentabilidade na faseNeste contexto, o setor do desenvolvimento inicial de denio do territrio e do modelo de desenvolvimento urbano do empreendimento.imobilirio urbano pode e deve, institucionalmente,participar e pautar o debate sobre os temas da Para que os objetivos propostos fossem alcanados,cidade sustentvel, ao se questionar quais so determinaram-se algumas premissas:as aes que o setor pode indicar para construirpolticas pblicas. 1. Desde 2007 que o mundo presencia uma realidade nova, historicamente radical: h maisA pesquisa busca ento gerar recomendaes ao gente nas cidades do que no campo. H cemsetor atravs de diversos parmetros e indicadores anos, apenas 10% da populao mundial vivia6
  • 8. em cidades. Atualmente, somos mais de 50%, complementem e atuem em consonncia com e at 2050 seremos mais de 75%. A cidade aqueles pautados pela atuao pblica. o lugar onde so feitas todas as trocas, dos 6. Qualquer transformao comea por um bom grandes e pequenos negcios interao diagnstico. No caso do sistema de indicadores social e cultural. Mas tambm o lugar onde de sustentabilidade urbana, signica uma h um crescimento desmedido das favelas e do importante mudana de patamar, um outro trabalho informal: estimativas da ONU indicam olhar que permite, inclusive, melhor estruturar que dois em cada trs habitantes esteja vivendo investimentos pblicos. em favelas ou sub-habitaes. E tambm o palco de transformaes dramticas que zeram 7. Algumas das cidades que mais se aproximam emergir as megacidades do Sculo 21: as cidades de nossa realidade tm conseguido, com aes com mais de 10 milhes de habitantes, que j determinantes a partir do setor privado, moldar concentram 10% da populao mundial. novos padres de desenvolvimento sustentvel, como Portland. A construo de um eciente2. O desenvolvimento sustentvel o maior desao sistema de indicadores de sustentabilidade do Sculo 21. A pauta da cidade , no planeta urbana vem sendo realizada em diversas urbano, da maior importncia para todos os cidades do planeta, em algumas a partir de pases, pois (a) dois teros do consumo mundial gestes pblicas e, em diversas outras, atravs de energia se d nas cidades, (b) 75% dos de organizaes do terceiro setor e da iniciativa resduos so gerados nas cidades e (c) vive-se um privada. processo dramtico de esgotamentos dos recursos hdricos e consumo exagerado de gua potvel. A agenda Cidades Sustentveis , assim, desao 8. Os novos formatos territoriais de nossas e oportunidade nicas no desenvolvimento das metrpoles e megarregies, alm dos naes. loteamentos urbanos e empreendimentos nas cidades em expanso por todo o pas num3. As metrpoles so o grande desao estratgico momento de rpido crescimento e pujana do planeta neste momento. Se elas adoecem, econmica, so os desaos e oportunidades o planeta ca insustentvel. No entanto, a para o desenvolvimento imobilirio do Sculo 21 experincia internacional de Barcelona, no Brasil e eles devem incorporar os desejveis Vancouver e Nova York, para citar algumas das indicadores de sustentabilidade urbana. cidades mais verdes mostra que as metrpoles se reinventam, se refazem. J existem diversos indicadores comparativos e rankings das cidades Dessa forma, a pesquisa estabelece uma desejvel mais verdes do planeta. Fora dos pases ricos, antecipao estratgica: o processo de migrao da Bogot e Curitiba tm-se colocado na linha de cidade atual para a cidade sustentvel, representado frente como cases a serem replicados. na FIG. 2.4. Uma cidade sustentvel muito mais do que um desejvel conjunto de construes sustentveis. Ela deve incorporar parmetros de sustentabilidade no desenvolvimento urbano pblico e privado.5. As grandes cidades brasileiras se desenvolveram historicamente baseadas em contnua presena do setor privado, alm do planejamento e polticas pblicas. H, portanto, no desao atual da construo de novos modelos de desenvolvimento com sustentabilidade, a necessidade de buscar, no setor privado Figura 2. O papel do setor numa desejvel antecipao estra tgica: migrarmos da cidade atual para a cidade sustentvel. do desenvolvimento imobilirio urbano, parmetros de sustentabilidade urbana que 7
  • 9. Desenvolvimento Sustentvel
  • 10. 3. Desenvolvimento SustentvelO conceito de desenvolvimento sustentvel mais No contexto da pesquisa, buscou-se realizar essedifundido pode ser denido como aquele satisfaz aprofundamento, avaliando ainda a situaoas necessidades presentes, sem comprometer atual sob a perspectiva das cidades, levantando aa capacidade das geraes futuras de suprir inuncia do setor da construo sobre elas, com osuas prprias necessidades. Ele foi cunhado no objetivo de observar como o setor poderia estimularrelatrio Nosso Futuro Comum de 1987, elaborado a promoo da sustentabilidade urbana e contribuirpela Comisso Mundial de Meio Ambiente e com o desenvolvimento sustentvel global.Desenvolvimento das Naes Unidas.1 Para avaliao do contexto global, buscou-seO imperativo da sustentabilidade surge da percepo observar os trs pilares da sustentabilidade de que o mundo possui recursos nitos que no esto ambientais, econmicos e sociais.sendo utilizados de maneira adequada, e que devehaver a descontinuidade desse comportamento. Cenrio Atual: Pilar SociedadeDito dessa maneira, contudo, o conceito da O primeiro pilar avaliado foi o da sociedade, uma vezsustentabilidade, por seu carter normativo, que a atuao humana apontada como uma dasalgo muito abstrato, o que gera a necessidade responsveis pelas alteraes percebidas no Planetade aprofundamento no conhecimento sobre os nas ltimas dcadas. Destaca-se como processoimpactos da atuao humana sobre os ambientes em curso e tendncia para o futuro a crescenteem que esto inseridos, com destaque para as urbanizao do Planeta.cadeias produtivas, as cidades e o meio natural, demodo a orientar como suas questes decorrentes O crescimento das cidades e da populao urbanadevem ser tratadas. j dura mais de dois sculos e deve seguir por todo este sculo. A TAB. 1 mostra como esse processo TABELA 1 Evoluo da Populao Mundial Populao Populao Populao Percentual Cidades com Perodo Total Urbana Rural da populao mais de 1 milho (bilhes) (bilhes) (bilhes) urbana de habitantes 1800 0,98 0,03 0,95 3 - 1900 1,65 0,23 1,42 14 12 1950 2,52 0,73 1,79 29 83 1975 4,07 1,52 2,56 37,2 195 2000 6,09 2,84 3,24 46,7 +354 2025 8,01 4,58 3,43 57,2 +564 2050 9,19 6,4 2,79 69,6 - 2100 9,46 7,57 1,89 80 - Fonte: ONU, 2005 e 2007; Brockerhof, 2000.1 O Relatrio Nosso Futuro Comum surgiu como resultado de um processo da ONU em integrar desenvolvimento econmicocom preservao ambiental, iniciado 15 anos antes na Conferncia das Naes Unidas sobre o Meio Ambiente Humano ocorridaem Estocolmo, com seu pice na Conferncia das Naes Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento ocorrida no Rio deJaneiro em 1992 - conhecida como Rio 92 ou Eco 92. 9
  • 11. se deu e as previses at o ano 2100. O ano de Os exemplos supracitados mostram como so2007 foi emblemtico como o momento em que a complexas as questes sociais, especialmente empopulao urbana se tornou maior que a rural.2 um novo, e indito, contexto de predominncia das cidades sobre o campo. Ainda apontam oMais do que a quantidade de pessoas que vivem nas tamanho do desao de tornar esses espaos decidades, o que caracteriza nossa sociedade como ocupao humana alinhados com o propsito dourbana a aplicao de sua lgica mesmo nas reas desenvolvimento sustentvel.rurais do Planeta. A agropecuria moderna possuiuma lgica industrial e est intimamente ligada Cenrio Atual: Pilar Ambientes instituies urbanas, que oferecem crdito,equipamentos e demandam seus produtos. A lgica O pilar ambiental um dos mais estudados, comurbana domina todas as cadeias de produo, e pesquisas desenvolvidas sobre gua, gases de efeitoestas, por sua vez, afetam o desenvolvimento das estufa, biodiversidade, preservao dos solos, etc.populaes urbanas. Dentre as diferentes abordagens existentes para a avaliao do estado do ambiente, a equipe deEm relao sustentabilidade, a sociedade urbana pesquisadores optou pela utilizao das Fronteirasest ligada a uma srie de impactos positivos e Planetrias, pois uma abordagem que buscanegativos para seus habitantes, ou de reas no denir um espao seguro de operao para aurbanas, mas tambm se relacionam com srias humanidade, respeitando a resilincia da Terra. 5questes ambientais e econmicas. As fronteiras (FIG. 3) representam pontos emAs questes urbanas so complexas. Uma nove reas que, se ultrapassados, podem causarimportante causa delas a forte correlao entre transformaes drsticas no Planeta, levando-o a umurbanizao e aumento de renda per capita. Essa novo estado de equilbrio, caracterizado como umauma razo para o habitante urbano consumir mais nova era geolgica, capaz de gerar necessidades dee gerar mais resduos que seu equivalente rural. grandes adaptaes da sociedade atual.Assim, o crescimento das cidades representa maiorpresso sobre recursos energticos e hdricos, maior Uma das grandes inovaes do estudo foi a denionecessidade de descarte e tratamento de resduos quantitativa de limites para a atuao da sociedade,slidos e lquidos, e maior poluio do ar. A alta pois isso ajuda governos, empresas e a sociedaderenda do cidado urbano gera ainda desaos da civil organizada a avaliar o impacto de sua atuaomobilidade, com seus mltiplos efeitos sade e denir uma agenda para melhor-la. So nove aspblica (obesidade, problemas respiratrios), fronteiras identicadas:qualidade de vida, ecincia, mudanas climticas. 1. mudana climtica,Apesar de o habitante urbano mdio ser mais rico que 2. esgotamento do oznio estratosfrico,o rural, a desigualdade grande no ambiente urbano, 3. mudana no uso da terra,com tendncias segregao social, desigualdadesno acesso aos servios urbanos e insegurana.3 Esse 4. uso global de gua doce, um dos graves problemas das cidades brasileiras.Uma das amostras do seu despreparo para atender 5. taxa de perda de biodiversidade,sua populao o dcit habitacional de 5,9 milhes 6. acidicao dos oceanos,de domiclios, concentrado nas famlias com rendade at seis salrios mnimos.4 7. ciclos biogeoqumicos (entradas de nitrognio e fsforo na biosfera e nos oceanos), 2 UNFPA, 2007; UN-HABITAT, 2007 3 UN-HABITAT, 2011. 4 ContruBusiness 2010: Brasil 2022: planejar, construir, crescer. 5 A capacidade de resilincia da terra advm do termo fsico de suportar determinadas quantidades de energia sem ruptura do material. O planeta pode ento suportar at certo ponto as aes humanas em sua superfcie, mas passado10 esse limite os efeitos podem ser catastrcos. (ROCKSTRM et al, 2009)
  • 12. Figura 3: Fronteiras planetrias com seu atual nvel (Fonte: ROCKSTRM et al, 2009 apud TELLO et al, 2010)8. carga de aerossol atmosfrico e para o futuro, decorrentes do aumento do nvel dos oceanos causado pelas mudanas climticas.9. poluio qumica. Se isso ocorrer, algumas cidades costeiras podero ser seriamente prejudicadas. Alm disso, os eventosAs fronteiras marcadas em azul ainda no tm extremos decorrentes da mudana climtica,quantidades mximas denidas. J as marcadas em como enchentes, secas e tempestades, tendem avermelho se encontram violadas, com valores atuais gerar maior presso por espao para moradias eacima do mximo denido pelos pesquisadores. infraestruturas, estimulando maior invaso de reas importantes ambientalmente.6Uma reexo aprofundada das fronteiras mostra asligaes existentes entre elas e a sociedade urbana. importante frisar que as fronteiras so inter-O cidado urbano apresenta grande demanda relacionadas, fazendo daquelas nas quais os limitespor alimentos, produtos, servios e energia. Essa j foram ultrapassados prioridades, porm nodemanda est intimamente ligada s emisses de diminuindo a importncia das outras questes, poisgases de efeito estufa que provocam mudanas devido s complexas conexes, quando um limiteclimticas e maior presso para a produo de ultrapassado, outros limites tambm esto emmaiores quantidades de alimentos e matrias-primas grande risco. promovendo mudana no uso dos terrenos, maiorconsumo de gua potvel e variaes nos ciclos A avaliao do pilar ambiental utilizando abiogeoqumicos. abordagem das Fronteiras Planetrias permite que se compreenda o espao de ao da sociedade ePor outra perspectiva, as cidades tambm sofrem suas organizaes pblicas e privadas, possibilitandoos efeitos das alteraes ambientais provocadas por a denio de prioridades no tratamento dossua ao, por exemplo, com o aumento da poluio temas indicados nas fronteiras, de acordo comdo ar, solo e guas. So ainda apontados riscos a relao destes com as atividades dos diferentes6 ECONOMIST INTELLIGENCE UNIT, 2009 11
  • 13. atores e a relao entre os nveis observados e os Muito se especula sobre os efeitos da economiarecomendados pelos pesquisadores. mundial no ambiente. Para torn-los mais concretos e dar para a sociedade global base para elaboraoCenrio Atual: Pilar Economia de planos para a mitigao dos impactos negativos , existem pesquisas elaboradas por diferentes equipes.A economia mundial se encontra em ummomento com tantas questes, que somente a A UNPRI (Princpios das Naes Unidas para opalavra incerteza pode caracteriz-la. Aps a crise Investimento Responsvel) tem foco na avaliao dasnanceira de 2008, mercados importantes, como aes humanas e os valores monetrios das perdasos Estados Unidos e a Unio Europeia, ainda no se por ela causadas e em como elas afetam a capacidaderecuperaram, voltando aos patamares pr-crise. Em futura de gerao de renda. Seu estudo mais atualum momento j difcil, surgiram ainda as crises por aponta que a atuao humana provoca perdas anuaisinsolvncia de alguns pases europeus, apelidados de US$ 6,6 trilhes, cerca de 11% do PIB global, epela mdia especializada internacional de PIIGS: compromete mais de 50% da capacidade futura dePortugal, Itlia, Irlanda, Grcia e Espanha (Spain, gerao de renda. Para o mundo empresarial destaca-em ingls), que criam novas diculdades para o se que apenas as 3.000 maiores empresas do mundomercado mundial. so responsveis por externalidades ambientais avaliadas em, pelo menos, 2,2 trilhes de dlaresFenmenos inesperados, como o terremoto e o por ano, sendo que aproximadamente 40% delestsunami observados no Japo no incio de 2011, concentrados em cinco setores: eletricidade, leo etambm tiveram efeitos inesperados na economia. gs, minerao e metais, produtores de alimentos,Isso se deu porque o pas membro importante construo e materiais. 7de cadeias produtivas de produtos, especialmenteeletroeletrnicos e automveis. Com as catstrofes Outra abordagem apresentada pelo TEEB (Anaturais a capacidade produtiva japonesa foi Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade siglaafetada, gerando repercusses em outros mercados em ingls). Em seus relatrios, os pesquisadoresno mundo. Outro movimento adverso, com efeitos mostram as relaes entre biodiversidade, serviosna economia mundial, ocorreu nos pases rabes, ecossistmicos e seus valores monetrios. 8com movimentos populares buscando derrubargovernos ditatoriais e implementar democracia Alguns valores levantados nos relatrios apontam que:em suas naes. Esses movimentos trouxeram a reduo em 50% das taxas de desmatamentoinsegurana para os mercados, especialmente os de orestas evita emisses de gases de efeitode petrleo, gerando aumento de seus preos, estufa no valor de US$ 3,7 trilhes;comprometendo a demanda mundial. o plantio de 400 mil rvores pelo governo daAlguns mercados emergentes, inclusive o brasileiro, cidade de Camberra, Austrlia, para aumentoenfrentam ainda presso inacionria, decorrente do da qualidade do ar urbano, reduo do gasto deaumento dos preos de combustveis e alimentos, energia com condicionamento de ar, sequestrocomprometendo o processo de recuperao ps-crise. e armazenamento de carbono deve gerar economias para a cidade de no mnimo US$ 20O cenrio acima j preocupante por si s. Mas ainda milhes, podendo atingir at US$ 67 milhes no incompleto, pois necessrio observar tambm perodo entre 2008 e 2012.9os efeitos da economia mundial nos ambientes O PNUMA (Programa das Naes Unidas para onatural e social. Dessa anlise ampla, percebe-se que Meio Ambiente) produziu o relatrio Rumo a umaexistem ainda outras srias questes que devem ser Economia Verde: caminhos para o desenvolvimentotratadas para melhorar o desempenho da economia e erradicao da pobreza (Towards a Green Economy:no apenas em termos econmicos. pathways to sustainable development and poverty eradication), cujo objetivo avaliar os impactos da 7 UNPRI, 2010. 8 TEEB 2010a; TEEB 2010b. 9 TEEB, 2010a12
  • 14. economia em diferentes aspectos ambientais e os Interaes entre os pilares e base para atuaoinvestimentos necessrios para alinh-la com os sustentvellimites do planeta.10 A anlise individual dos pilares da sustentabilidade Segundo o relatrio, um investimento anual de 2% importante, mas no suciente para a compreensodo PIB na promoo da economia verde promover de como a sociedade deve agir para buscar um estadoalteraes signicativas em setores-chave, como de sustentabilidade global. Atualmente observam-agricultura, edicaes, energia, pesca, silvicultura, se alguns movimentos em prol da sustentabilidade,indstria, turismo, transporte, gua e gesto de porm eles ainda no esto no nvel adequado pararesduos, reduzido razo entre pegada ecolgica e que os graves problemas enfrentados pelo planetabiocapacidade da Terra de 1,5 para menos de 1,2 em possam ser mitigados. Um dos possveis motivos2050 nmero bem inferior razo 2 esperada no para tal inrcia o processo que vai de identicaocenrio padro. O relatrio aponta que no intervalo dos problemas para a atuao prtica e coordenadaentre 5 e 10 anos do incio dos investimentos em dos agentes. Como visto, muitos dos problemasuma economia verde as taxas anuais de crescimento enfrentados so sintomticos, mas os caminhos paraseriam superiores ao cenrio esperado.11 resolv-los no so simples. Como interpretar as questes ambientais, econmicas e sociais de maneiraO relatrio do PNUMA aponta ainda os benefcios a facilitar a atuao sustentvel das organizaes?de uma economia verde para a sociedade pela Quem devem ser os agentes dessas mudanas?preservao dos servios ecossistmicos importantesespecialmente para as populaes dos pases de baixa Frente a esses questionamentos, a equipe doe mdia-baixa renda e pela criao de empregos Centro de Desenvolvimento da Sustentabilidadeverdes, isto , os empregos que iro surgir nas na Construo (CDSC), coordenado pelo Ncleoindstrias de energias renovveis, agricultura Petrobras de Sustentabilidade da Fundao Domorgnica, silvicultura, tratamento de resduos etc.12 Cabral, formulou um modelo para fundamentar suas atividades e apoiar as empresas associadasEspecialmente no que se refere s cidades, (do setor da construo e sua cadeia produtiva) anecessria uma ampla reestruturao da economia atuarem de forma mais alinhada com os princpiospara atender uma sociedade cada vez mais urbana. da sustentabilidade. O modelo, denominadoObservando-se que a populao urbana seguir Base Tripla para Ao Sustentvel (B3A), avalia oscrescendo e demandando infraestruturas, servios e elementos da sustentabilidade de um novo pontoedicaes residenciais e comerciais, percebe-se que de vista, incorporando aspectos importantes comoo desao das cadeias produtivas ainda maior, pois as relaes entre as questes envolvendo o meioessas demandas devem ser atendidas sem aumento natural, a cadeia produtiva do setor da construo edos impactos negativos socioambientais. a sociedade urbana.Todas as informaes apresentadas indicam que Na perspectiva do CDSC, correspondem a trsa economia global est dissociada do objetivo do grandes esferas:desenvolvimento sustentvel, uma vez que apresentaproblemas para as geraes atuais e futuras. Por Sociedade urbana: traduz as atuais tendnciasoutro lado, j existe uma base sobre a qual possvel de rpido crescimento da populao nas cidadesempresas e governos trabalharem, buscando reduzir e da ampla dominao da lgica urbana mesmoos impactos socioambientais negativos, estimulando sobre reas ainda rurais.o alinhamento entre economia e limites naturais Meio natural: representao de toda a natureza,do Planeta e a soluo de problemas sociais como provedora de recursos e servios naturaispobreza extrema e desigualdade social. para essenciais para as atividades do setor da construo.10 UNEP, 2011.11 Ibid.12 Ibid. 13
  • 15. Cadeias produtivas: responsveis por toda a Sociedade urbana Meio natural: envolve o estilo produo e comercializao de bens e servios e de vida e o engajamento poltico da sociedade consequentemente gerao de renda. urbana, de um lado, e a oferta de servios ambientais, ou ecossistmicos, de outro. O estilo de vida em algumas regies do globo muitoAs relaes entre as esferas devem ocorrer de superior biocapacidade do planeta. A utilizaomaneira harmnica. Entretanto, observa-se que a abusiva de gua, de energia e o consumosociedade urbana no estimula a competitividade exacerbado afetam o meio natural, e por maisdas cadeias produtivas inclusive do setor da que ainda exista o pensamento de que quantoconstruo baseada na responsabilidade de suas maior a demanda, melhor para o pas, o queempresas. Por outro lado, o excesso de demanda de percebemos que a situao se inverte ao longorecursos naturais e a grande produo de resduos do tempo, pois os recursos no so innitos.por parte das cadeias produtivas e da sociedade Por outro lado, para que as sociedades possamgeram problemas no meio natural, que afetam a construir arcabouos polticos, institucionais ebiocapacidade do Planeta, comprometendo sua legais que estimulem a atuao de indivduoscapacidade em ofertar recursos naturais e servios e organizaes em prol do desenvolvimentoecossistmicos nos nveis atualmente observados. sustentvel preciso um engajamento poltico forte, em todos os nveis e poderes.Veremos, a seguir, como o B3A enxerga as atividadesdas cadeias produtivas considerando sua relao Em seu estado de equilbrio, as relaes geramcom a meio natural e a sociedade urbana. mercados, naes e cadeias produtivas sustentveis. Todavia, enquanto a insustentabilidade das esferas Meio natural Cadeias produtivas: as cadeias pode facilmente ser observada, mesmo que de produtivas demandam recursos naturais do meio forma emprica, as solues para esse problema no natural para seus processos produtivos, que, so simples. Anal, quem deve atuar de maneira alm de produtos, geram resduos, muitas vezes sustentvel nas trs esferas para a resoluo dos dispostos de maneira incorreta, afetando os problemas que o mundo vem enfrentando? ecossistemas. A falta de imediatismo dos prejuzos Quando analisamos os atores envolvidos em causados por essas prticas especialmente todas as situaes, reconhecido um elemento em termos monetrios gera uma situao de comum entre elas: o indivduo. o indivduo que equilbrio supercial e insustentvel ao longo demanda e produz bens e servios, controla as do tempo, quando a oferta de recursos naturais empresas, vive nas cidades e possui um estilo de ameaada. Alm disso, os desequilbrios no vida e capacidade de agir politicamente. Dessa meio natural ameaam o equilbrio do planeta, forma, para mudar as relaes entre os pilares e como vimos. promover o desenvolvimento sustentvel torna-se imprescindvel trabalhar a mudana no indivduo. Cadeias produtivas Sociedade urbana: os habitantes das cidades demandam habitaes, A sustentabilidade, segundo o modelo, s ser infraestruturas e solues de engenharia, bens alcanada quando os indivduos estiverem e servios providos por diferentes cadeias conscientes da necessidade da atuao sustentvel. produtivas, com destaque para as do setor da A atuao do indivduo nas interaes entre as construo. Essas demandas tm sido maior do trs esferas central. Ao observarmos o modelo, que a capacidade das cadeias, especialmente perceptvel que o indivduo apresenta papis com o rpido crescimento dos pases em diversos nos diferentes espaos de interao. desenvolvimento e a consequente necessidade de ampliao de infraestruturas e construo de Consideramos que o indivduo , ao mesmo tempo, novas moradias. Com a necessidade latente por consumidor, cidado e prossional, e isso decorre esses produtos e servios, as empresas muitas do fato de que trabalhamos com a ideia de que o vezes passam por cima de legislaes ambientais ator social apresenta papis diferentes em arenas de e trabalhistas, com o objetivo de aumentar a atuao distintas. Essa situao muito sintomtica, produo o mais rpido possvel. pois basta olharmos para nosso cotidiano:14
  • 16. dicilmente uma pessoa age da mesma maneira em um comportamento sustentvel somente em casa,casa, no trabalho, com os amigos, etc.13 ou no trabalho, situao modicada somente quando a conscientizao passa a ser um valor individual.Para que um indivduo seja considerado Quando essa situao alcanada, teremos overdadeiramente consciente, e aja em prol cidado, o consumidor e prossional conscientes,da sustentabilidade, necessrio que ele seja papis de um mesmo ator: o indivduo consciente.consciente em todas as suas arenas de atuao, eno somente em situaes especcas. Assim, no O modelo B3A, apresentado na Figura 4, integra somente o consumidor que deve demandar das todos os pontos supracitados de forma integrada.empresas uma postura mais sustentvel, mas osprprios colaboradores e gestores das empresas Agora que sabemos quais so as questes ambientais,devem tomar atitudes que visem incorporao dasustentabilidade nos processos de suas empresas, e econmicas e sociais a serem enfrentadas, comotambm em suas atividades cotidianas. elas se relacionam e quem deve ser o responsvel pela mudana para a sustentabilidade, podemosA conscientizao deve ser realizada de maneira aprofundar no tema central da pesquisa: aa modicar os valores e ideias do indivduo para a sustentabilidade urbana.sustentabilidade. Dessa forma, o indivduo conscienteemerge de um processo gradual e contnuo deeducao e prtica e age de forma sustentvel emtodos os campos em que atua. Muitas vezes temos Figura 4: O modelo B3A (Fonte: Tello et al, 2011).13 GOFFMAN, 1985. 15
  • 17. Sustentabilidade Urbana
  • 18. 4. Sustentabilidade UrbanaEm uma perspectiva de um planeta com populao ainda tm altos custos, impedindo sua utilizao emcada vez mais urbana, com cidades cada vez muitas cidades, a alternativa passa a ser a realizaomaiores, dando origem a megacidades cidades de aes visando ecincia por reduo de consumocom populaes acima de 10 milhes de habitantes e desperdcio, apoio a servios com baixas emissese megarregies conurbao de diferentes cidades de carbono e revitalizao urbana promovendo aem uma regio muito mais ampla preciso compacidade do uso do solo, compartilhamento dedesenvolver modelos de sustentabilidade urbana equipamentos e valorizao do espao pblico.capazes de alinhar o desenvolvimento desses espaoscom o respeito aos princpios da sustentabilidade. As O segundo grupo tem foco em alta tecnologia cidades so elemento-chave para o desenvolvimento alinhado com o conceito de smart sustainable city.sustentvel global. Nele so usados equipamentos e sistemas modernos para que a cidade, especialmente os setores deExistem atualmente no mundo diversos exemplos energia, mobilidade e gesto de resduos, possade cidades autoproclamadas ou indicadas por alcanar altos ndices de desempenho em aspectosespecialistas como cidades sustentveis. A equipe de como emisses de gases de efeito estufa e destinaopesquisa coletou alguns dados para a avaliao dos de resduos.principais aspectos tratados e sua utilizao comoreferncias para o modelo desenvolvido. Como casos extremos se apresentam algumas cidades, atualmente sendo consideradas paradigmticas deAs aes que sustentam esses exemplos variam muito cada modelo:de acordo com as caractersticas das cidades e com ofoco dos responsveis pelas aes. Copenhague considerada uma das cidades mais sustentveis do mundo basicamente porCom relao s caractersticas das cidades, existem conta da ativa participao de toda a sociedade,dois aspectos fundamentais: seu tempo de existncia incluindo-se o fato de 37% da populao usare seu porte. No primeiro aspecto, percebe-se que, em a bicicleta e o transporte pblico usar bateria ecidades planejadas desde sua concepo, h grande no combustvel; 51% da comida consumidaliberdade para que os planejadores pensem em uma nos rgos pblicos municipais orgnica.cidade com alta performance em sustentabilidade. Portland, Curitiba e Bogot so frequentementeEm outras cidades, sem o planejamento inicial, colocadas entre as cidades mais sustentveisexistem muitas limitaes, pois o espao urbano j em termos de mudanas signicativas que aest construdo e as teias sociais esto organizadas. sociedade vem alavancando. Masdar (Emirados rabes Unidos), cidade novaNo segundo aspecto, deve ser ressaltado que, por que est sendo planejada no meio do deserto paraum lado, em cidades pequenas mais fcil realizar abrigar 45 mil moradores e 45 mil trabalhadores.mudanas que afetam todo o espao urbano, A cidade tem como meta emisso nula de gasesenquanto nas cidades grandes as aes visando de efeito estufa e reaproveitamento total dossustentabilidade podem alcanar a escala necessria resduos gerados. A base para o alcance dessespara sua viabilizao. objetivos o uso massivo de tecnologia de ponta no planejamento da cidade, na geraoCom relao ao foco dos executores dos projetos, dois de energia, mobilidade e construes. O altogrupos se destacam. No primeiro grupo, os executores desempenho da cidade contrabalanado pelatm foco em aspectos sociais para promoo da diculdade de replicao do modelo, pelos seussustentabilidade urbana, como governana local, custos e diculdade de encontro das condiesmudanas de comportamento e atitudes, reviso necessrias para sua realizao. A China tambmdos objetivos do planejamento do uso do solo, entre est desenvolvendo a sua cidade eco-friendly-outros. Uma vez que muitas tecnologias visando ao high-tech, Dongtan. 14alto desempenho em aspectos da sustentabilidade14 http://www.masdarcity.ae/en/index.aspx 17
  • 19. Por mais diferentes que os exemplos sejam, todos Da a necessidade de suas empresas se alinharemtm como objetivo organizar as cidades para que com os princpios da sustentabilidade.elas contribuam com o desenvolvimento sustentvel.Deste modo, possvel analisar seus pontos comuns A sustentabilidade corporativa liga a amplapara a construo de um conceito de cidade abordagem da sustentabilidade sua abordagemsustentvel.15 no nvel corporativo, buscando integrar a agenda do desenvolvimento sustentvel estruturaNa pesquisa, a denio de cidade sustentvel inclui organizacional das empresas e aos seus objetivosainda a viso do ciclo de vida de seus componentes, estratgicos.buscando eliminar desperdcios do bero aobero ou cradle-to-cradle garantindo que os Consequentemente, ocorre a ampliao da visorecursos disponveis sero utilizados de forma de gerao de valor, antes pensada unicamenteeciente para o alcance dos objetivos da sociedade para seus proprietrios, passando a buscar aurbana sustentvel. distribuio equilibrada de valor para todos os seus stakeholders.O uso eciente dos recursos em ciclo fechadopermitir que as cidades cresam sem a necessidade Especicamente para o setor da construo, foide esgotamento dos recursos naturais. Esse elaborada pelo Conselho Internacional para Pesquisacrescimento tambm ser suportado por objetivos de e Inovao em Edicaes e Construo (CIB, siglapromoo de compacidade do espao urbano, uso em ingls) uma Agenda 21 para o setor com omisto do solo, compartilhamento de equipamentos, propsito de ser um documento anlogo Agendapromovendo, alm da ecincia no uso de recursos, o 21, desenvolvida na Rio 92 para orientar os pasesuso efetivo da cidade por seus habitantes, eliminando na busca pelo desenvolvimento sustentvel. Oas barreiras integrao social. documento aponta os aspectos relacionados ao setor da construo apresentados na Agenda 21.O papel do setor da construo nasustentabilidade das cidadesUm agente fundamental para a promoo dasustentabilidade nas cidades indivduo presente nosetor da construo, por seu papel como planejador,construtor e, por vezes, gestor de espaos urbanos. Captulo 4 Focar nos padres insustentveis de produo e consumo Desenvolver as polticas nacionais e estratgias para incentivar mudanas nos padres de consumo insustentveis Captulo 5 Desenvolver e disseminar o conhecimento relativo aos vnculos entre as tendncias e fatores demogrcos e o desenvolvimento sustentvel Implementar programas ambientais e de desenvolvimento em nvel local, levando em considerao as tendncias e fatores demogrcos Captulo 7 (este Captulo lida especicamente com os Assentamentos Humanos) Promover habitao adequada para todos (conforme denida na Agenda Habitat) Melhorar a gesto dos assentamentos humanos Estimular o planejamento e gerenciamento do uso sustentvel do solo Incentivar a proviso integrada da infraestrutura ambiental: gua, saneamento, esgoto e gerenciamento de dejetos slidos Promover energia e sistemas de transporte sustentveis nos assentamentos humanos Incentivar o planejamento e a gesto do assentamento humano nas reas expostas a catstrofes naturais 15 MCDONOUGH & BRAUNGART, 2002.18
  • 20. Estimular atividades de construo sustentveis (mais tarde denida pela Agenda Habitat) Promover o desenvolvimento de recursos humanos e da construo de capacidades para o desenvolvimento do assentamento humano Captulo 8 Integrar o meio ambiente e o desenvolvimento aos nveis de planejamento, gesto e polticos Fazer uso ecaz dos mercados e instrumentos econmicos e de outros incentivos Estabelecer sistemas para a avaliao integrada do meio ambiente com a economia Captulo 9 Promover o desenvolvimento sustentvel e a proteo da atmosfera atravs do desenvolvimento, ecincia e consumo de energia Meios de transporte Desenvolvimento industrial Captulo 10 Abordagem integrada ao planejamento e gesto dos recursos do solo Captulo 18 Abastecimento e saneamento de gua potvel gua e desenvolvimento urbano sustentveis Captulo 19 Harmonizar a classicao e rotulagem de produtos qumicos Trocar informaes sobre os produtos qumicos txicos e os riscos qumicos Estabelecer programas de reduo de riscos Captulo 20 Incentivar a preveno e minimizao de resduos nocivos Captulo 21 Minimizar o lixo Maximizar a reutilizao e reciclagem ambientalmente corretas do lixo Promover a eliminao e tratamento ambientalmente corretos do lixo Expandir o servio de coleta de lixo Captulo 30 Estimular produes mais limpas Promover o empreendedorismo responsvel Captulo 36 Reorientar a educao em direo ao desenvolvimento sustentvel Aumentar a conscientizao pblica Promover treinamentos Reforar as capacidades nos pases em desenvolvimento Captulo 40 Fornecer informao para a tomada de decises (apoio deciso) Preencher as lacunas da falta de dados Aperfeioar a disponibilidade de informaes O texto completo da Agenda 21 encontra-se disponvel no http://www.infohabitat.org/agenda21Figura 5. Relao entre captulos da Agenda 21 e o Setor da ConstruoFonte: CIB, 1999. 19
  • 21. Segundo os autores do documento, a construo os empreendedores j preparem seus projetos parasustentvel consiste no uso eciente de recursos e uma integrao futura com a cidade, de modo arespeito aos princpios da sustentabilidade para a contribuir com sua sustentabilidade. A relaocriao e gesto de um ambiente de construo entre os setores pblico, privado e sociedadesaudvel.16 difcil apresentar uma denio mais civil fundamental para que o processo rumo concreta do conceito, uma vez que as abordagens e cidade sustentvel, desejada por todos, possa serprioridades para o setor so diferentes em cada pas. alcanado.De modo geral, os conceitos nacionais de construo Conceito urbanstico geral: a Cidade Sustentvelsustentvel devem sempre levar em consideraoaspectos ambientais, econmicos, sociais e culturais. O conceito de cidade sustentvel reconhece queNo entanto, eles podem variar de acordo com o a cidade precisa atender aos objetivos sociais,nvel de desenvolvimento nacional, abordando com ambientais, polticos e culturais, bem como aosmaior ou menor intensidade questes de pobreza, objetivos econmicos e fsicos de seus cidados. desigualdade social, densidade, economia local, um organismo dinmico to complexo quanto apadro de vida, preveno de desastres naturais, prpria sociedade e sucientemente gil para reagirdisponibilidade de terra e gua, entre outros. rapidamente s suas mudanas que, num cenrio ideal, deveria operar em ciclo de vida contnuo, semEspecicamente, o setor da construo deve trabalhar desperdcios (cradle-to-cradle).com o uso eciente da terra, o design para uma longavida til, a longevidade das edicaes por meio da A cidade sustentvel deve operar segundo umexibilidade e adaptabilidade, a converso de prdios modelo de desenvolvimento urbano que procureexistentes, reformas, o gerenciamento sustentvel dos balancear, de forma equilibrada e eciente, osprdios, a preveno do declnio urbano, a reduo recursos necessrios ao seu funcionamento, seja nosdo espraiamento, a contribuio para a criao de insumos de entrada (terra urbana e recursos naturais,empregos e a preservao da herana cultural. 17 gua, energia, alimento, etc.), seja nas fontes de sada (resduos, esgoto, poluio, etc.). Ou seja, todos osA relao entre o setor e o ambiente urbano estreita. recursos devem ser utilizados o mais ecientementeEla condicionada por elementos to diversos quanto possvel para alcanar os objetivos da sociedadelegislao urbana, contexto econmico e segurana urbana. O suprimento, manuseio eciente, manejopblica, por exemplo. Isso aponta a complexidade de forma sustentvel e distribuio igualitria parado caminho para atingir a sustentabilidade urbana e toda a populao urbana dos recursos de consumode como o setor da construo deve agir para apoi- bsicos na cidade so parte das necessidadeslo. preciso que, ao construrem o espao urbano, bsicas da populao urbana e itens de enormeos empreendedores tenham uma ampla viso da relevncia na construo de novos paradigmas derelao entre seus projetos e a cidade, observando desenvolvimento sustentvel, incluindo-se desaosas condies existentes para integrar aspectos de prementes como o aumento da permeabilidade nassustentabilidade em seus empreendimentos. cidades. importante destacar que existem muitas barreiras A cidade sustentvel deve buscar novos modelospara a promoo de projetos de desenvolvimento de funcionamento, gesto e crescimento diferentesimobilirio urbano sustentveis nas cidades do que ocorreu principalmente no Sculo 20,brasileiras como legislao de uso e ocupao do expanso com esgotamento. Tem sido consensosolo, adequao das infraestruturas urbanas, nveis internacional a opo pelos parmetros advindosde criminalidade e preferncias dos consumidores. da cidade compacta: modelo de desenvolvimentoPor um lado, muitas dessas questes extrapolam a urbano que otimiza o uso das infraestruturas urbanasrea de atuao dos empreendedores do setor da e promove maior sustentabilidade ecinciaconstruo. Por outro lado, tendo conscincia dos energtica, melhor uso das guas e reduo daaspectos de uma cidade sustentvel, possvel que poluio, promova relativamente altas densidades 16 CIB, 1999 apud Kilbert, 1994. 17 Ibid.20
  • 22. de modo qualicado, com adequado e planejado desenvolvimento macrometropolitano euso misto do solo, misturando as funes urbanas regional.(habitao, comrcio e servios). 18 O setor do desenvolvimento imobilirio urbanoEsse modelo baseado em um eciente sistema poder contribuir para a construo da cidade maisde mobilidade urbana que conecte os ncleos sustentvel gradativamente adotando parmetrosadensados em rede promovendo maior ecincia de sustentabilidade nacional e internacionalmentenos transportes pblicos e gerando um desenho consagrados. Para tanto, os indicadores aquiurbano que encoraje a caminhada e o ciclismo, alm levantados constituem uma base referencial.de novos formatos de carros (compactos, urbanos ede uso como servio avanado).19 Vale lembrar que os mtodos de avaliao ambiental so variados porque reetem expectativasA populao residente tem maiores oportunidades diversicadas de mercado, prticas construtivaspara interao social, bem como uma melhor tambm heterogneas e agendas ambientaissensao de segurana pblica, uma vez que plurais dentro da iniciativa privada (os setores dase estabelece melhor o senso de comunidade - construo civil e imobilirio possuem cadeiasproximidade, usos mistos e caladas e espaos de enormes e complexas) e da prpria sociedade,uso coletivo vivos - que induz sociodiversidade a inclusa a enorme diversidade de contexto dasterritorial - uso democrtico e por diversos grupos cidades brasileiras.de cidados do espao urbano. De qualquer modo, como bem frisa o professor AlexConceito urbanstico especco: Sustentabilidade Abiko, coordenador do Comit Urbano do CBCSno Desenvolvimento Imobilirio Urbano (Conselho Brasileiro de Construo Sustentvel), temas ambientais como aquecimento global, danoBuscando a construo de cidades sustentveis, camada de oznio, chuva cida, esgotamentoconforme acima denido, o setor privado do das orestas, entre outros, so consensualmentedesenvolvimento urbano contribui com parmetros reconhecidos como de grande importncia e,de sustentabilidade de dois modos bsicos: consequentemente, de alguma forma, includos nos mtodos de avaliao ambiental analisados. J1. Integrao, complementao e atuao em a importncia atribuda a outros temas varia com o consonncia com as polticas pblicas de contexto geogrco e com o histrico dos mtodos. sustentabilidade urbana. Ou seja: o planejamento e a gesto da sustentabilidade urbana da cidade, Cabe salientar que os mtodos criados e difundidos pblicos, devem incorporar tambm, de forma internacionalmente provm de pases desenvolvidos, democrtica, a pauta da sustentabilidade do e a aplicabilidade em pases em desenvolvimento, e no setor do desenvolvimento imobilirio como o caso do Brasil, apresenta contrapontos urbano, seus parmetros e indicadores. oriundos dessa situao poltica, econmica e social. A anlise dos mtodos existentes internacionalmente2. Novos modelos de sustentabilidade no setor do deve levar em considerao as questes culturais de desenvolvimento imobilirio urbano pautam o cada contexto. desenvolvimento especco do setor em seus empreendimentos de escala urbana: Na questo do urbanismo, os mtodos de avaliao convergem para um conceito que engloba: a. na criao das novas centralidades preservao do espao aberto, desenvolvimento urbanas (polos de desenvolvimento), na compacto, densidade de ocupao, proximidade reinveno da cidade existente (reas de s vias de trfego, usos mistos, projeto amigvel redesenvolvimento); ao pedestre e ao ciclista, conectividade das ruas, b. na sua expanso, seja nos loteamentos e preservao histrica, acesso a espao verde, bairros novos, seja atravs dos eixos de habitaes diversas e economicamente acessveis, entre outros.18 Ver, por exemplo, conceituao internacionalmente consagrada desenvolvida por Richard Rogers (ROGERS & GUMUCHDJIAN, 2001).19 Ibid. 21
  • 23. importante salientar que os mtodos de avaliao hbrido, porm essencialmente prescritivo. Este mtodo,ambiental no devem ser utilizados somente como desenvolvido nos EUA, comeou a ser mais conhecido no Brasil em 2005 e teve seu primeiro edifcio certicado em 2007.ferramentas mercadolgicas para valorizar os O Segundo sistema, Processo AQUA, adaptao do mtodoempreendimentos, mas sim na inteno de contribuir francs HQE Haute Qualit Environnementale, foi lanadono traado urbano, no qual sero posteriormente em abril de 2008, e teve seu primeiro edifcio certicadoconstrudos os edifcios verdes. Os mtodos de em 2009. Tais mtodos cobrem diferentes tipologias de empreendimentos, sejam eles novos ou em utilizao, desdeavaliao so ferramentas cujos resultados devem edifcios comerciais de escritrios claramente a tipologiaser utilizados com o objetivo de uma melhoria com maior procura por certicao at hotis, centros decontnua, na direo da sustentabilidade urbana, convenes, escolas, residncias e bairros residenciais. Apara que sejam atendidos os princpios da Agenda Regulamentao de Ecincia Energtica foi desenvolvida no mbito do Procel Edica para ser implementada de forma21 Global e Local e do Habitat lI. 20 e 21 voluntria nos primeiros cinco anos de vigncia, e tornar-se obrigatria a partir de 2012. O escopo desta regulamentao restringe-se a ecincia energtica de edifcios e a Etiqueta Nacional de Conservao de Energia (ENCE) do Procel Edica20 NEGREIROS & ABIKO, 2009, p.24. foi, at o momento, atribuda a cinco empreendimentos21 O Conselho Brasileiro da Construo Sustentvel (CBCS) comerciais, em diferentes estados do Brasil. Em julho de 2009,em seu documento Avaliao de Sustentabilidade de a Caixa Econmica Federal lanou o chamado Selo Azul, queEmpreendimentos dene sua posio em relao avaliao visa reconhecer e incentivar prticas de sustentabilidade nose certicao ambiental no setor da construo brasileira: projetos habitacionais submetidos para nanciamento e tem,Os sistemas de avaliao e, quando pertinente, certicao por ora, carter voluntrio. Estes dois ltimos casos conguramambiental ou de sustentabilidade de empreendimentos tm as principais iniciativas indutoras deste tipo de avaliao nopor objetivo denir e estruturar categorias de preocupaes pas, porm ainda no completamente estruturadas em umae requisitos, indicadores e critrios de desempenho que poltica pblica consolidada. O alcance atual destes sistemaspermitam avaliar se um dado empreendimento, usualmente de certicaes ainda muito pequeno e geogracamenteenvolvendo um edifcio em projeto e construo, em bastante concentrado na cidade de So Paulo. (CBCS, 2009,reforma ou em operao, responde agenda ambiental e de pp. 1/2).sustentabilidade de um dado local, num dado momento. A Lembre-se ainda de que normas, critrios e indicadores paraexperincia tem demonstrado que os saltos nos nveis mnimos avaliao e/ou certicao em sustentabilidade urbana estode desempenho aceitveis dependem necessariamente de sendo desenvolvidos internacionalmente muito recentemente e,alteraes nas demandas do mercado, sejam elas voluntrias portanto, ainda so motivo de consolidao. De maior inseroou originadas de exigncias normativas. Sob este aspecto, o junto iniciativa privada tem-se o LEED-ND (Neighborhoodalcance das exigncias normativas limitado ao atendimento Development), a categoria do LEED para bairros e loteamentosa um desempenho mnimo e no oferece incentive para urbanos e, de insero europeia, o HQE2R: Sustainableatendimento de patamares superiores. Os sistemas de adoo renovation of Buildings for sustainable neigborhoods No Brasilvoluntria, por outro lado, partem da premissa que o prprio o CBCS recentemente criou o seu Comit Temtico Urbano.mercado impulsione a elevao do padro ambiental, seja por Neste trabalho adotou-se a posio de se procurar incentivar acomprometimento ambiental ou por presso mercadolgica... capacitao da cadeia produtiva empresas e prossionais noExistem no mercado brasileiro dois sistemas de certicao que se refere aos temas ambientais e de sustentabilidade e aambiental de edicaes de carter voluntrio. O Leadership importncia de se construir sistemas de aferio adequados.in Energy and Environmental Design LEED (TM) um mtodo22
  • 24. Metodologia adotada no trabalho
  • 25. 5. Metodologia adotada no trabalho Age; movimentos da sociedade civil organizada,A Pesquisa de Construo de Indicadores de como o Rede Social Brasileira por Cidades JustasSustentabilidade no Desenvolvimento Imobilirio e Sustentveis; compndios de cidades, como osUrbano uma parceria entre o Secovi-SP e a Indicadores de Sevilla; urban white papers comoFundao Dom Cabral. A pesquisa faz parte de um o Urban Task Force ingls; referncias acadmicasprocesso para a construo de um Observatrio da reconhecidas (DEAKIN; CURWELL, 2002; RAVETZ,Sustentabilidade Urbana para acompanhamento 2000; REPETTI, A.; DESTHIEUX, 2011; WEELER, S.;do desempenho das cidades em relao aos BEATLEY, 2009); empresas que possuem estudosparmetros de sustentabilidade e como o setor relacionados com o tema, como o da Siemens;do desenvolvimento imobilirio urbano est alm de movimentos supranacionais, como ICLEIinuenciando este desempenho. (Conselho Internacional para Iniciativas Ambientais Locais), Objetivos do Milnio para Municpios, ONU/A pesquisa tem duas justicativas principais. A Agenda 21 Local e UN Habitat Sustainable Cities. 22primeira a necessidade de modelos para avaliaode sustentabilidade das cidades brasileiras, capazes A partir da, teve incio o processo de anlise dede orientar a atuao do setor pblico, privado temas, parmetros e indicadores, catalogandoe da sociedade civil organizada para promover a os novos e aglutinando os que eram recorrentes.sustentabilidade em nvel municipal e metropolitano. Devido s diferenas entre os modelos de cada instituio, foram observados seus indicadores, comA segunda justicativa a carncia do setor do organizao baseada na similaridade deles para adesenvolvimento imobilirio urbano por referncias formao de grupos temticos.sobre como atuar de modo alinhado com osprincpios da sustentabilidade e de como inuenciar Na difcil busca por indicadores especcos dao desenvolvimento sustentvel das cidades. iniciativa privada parmetros de sustentabilidade urbana no desenvolvimento imobilirio , avaliaram-O objetivo principal da pesquisa a construo se parmetros desenvolvidos por instituiesde um conjunto de indicadores para avaliao e parceiras do setor produtivo como o ULI (Urbanmonitoramento da sustentabilidade de cidades, Land Institute) e o SUDEN (Sustainable Urbanparticularmente no desenvolvimento imobilirio Development European Network) e os parmetros eurbano. J os objetivos especcos da pesquisa so a indicadores gerados pelos organismos internacionaisorganizao do conhecimento existente sobre sistemas de certicao ambiental no setor da construopara avaliao de sustentabilidade urbana, a denio civil relativos ao ambiente urbano BREEAM,de temas que compem a sustentabilidade urbana e CASBEE, HQE/AQUA, LEED-ND, LDER A, dentreo desenvolvimento de modelos de sustentabilidade os quais cabe destacar, pelo maior aprofundamentode cidades e de projetos de construo de territrio, em termos de indicadores, o LEED-ND e o HQE2R,empreendimentos urbanos. mesmo que se tendo sempre uma anlise crtica.23O primeiro passo da pesquisa foi a identicao de Finalmente, procurou-se mapear refernciasreferncias nacionais e internacionais com sistemas nacionais que pudessem trazer subsdios pesquisaorganizados para avaliao da sustentabilidade dos indicadores de sustentabilidade urbana, do CBCSde cidades. Nesse processo foram selecionadas (Conselho Brasileiro de Construo Sustentvel) einstituies internacionais reconhecidas como a Selo Casa Azul da Caixa Econmica Federal, e artigos,Clinton Climate Initiative/C40 Cities, EPA (Environmental dissertaes e teses acadmicos que vm sendoProtection Agency, dos EUA, especicamente no desenvolvidos em nossas Universidades sobre o temacaptulo Smart Growth Implementation Assistance), (NEGREIROS; ABIKO, 2009; SILVA, 2000;).24Sustainable Cities, Smarter Cities; Smart Growth, Urban 22 Ver as Referncias e Sites Referenciais. 23 Ibid.24 24 Ibid.
  • 26. Aps essa anlise, observou-se que algumas 7. Questes ambientaisquestes foram tratadas pela grande maioria das 8. Seguranareferncias, demonstrando a importncia delas para 9. Servios e Equipamentosa sustentabilidade urbana. Dessa atividade, foramdenidos nove temas: Os modelos de sustentabilidade urbana foram1. Construo e Infraestrutura Sustentveis organizados em formato de mapas mentais, com cada tema sendo subdividido em subtemas, da2. Governana em grupos de indicadores e, por m, indicadores.3. Mobilidade As guras 6 e 7 apresentam exemplos de como a4. Moradia pesquisa foi desenvolvida e como os indicadores5. Oportunidades foram organizados.6. Planejamento e Ordenamento Territorial Figura 6. Exemplo de mapa mental da Sustentabilidade Urbana com os 9 Temas.Figura 7. Destaque de seo do mapa mental da Sustentabilidade Urbana com Tema (1), Subtemas (2), Grupos-indicadores (3)e Indicadores (4) 25
  • 27. Os temas, assim como subtemas, grupos-indicadores No evento foi sugerida uma organizao dose indicadores so sempre apresentados em ordem indicadores-chave a serem observados pelosalfabtica e no em termos de prioridades. empreendedores na concepo, planejamento e execuo de seus projetos, com vistas aoO processo da pesquisa contou com a participao desenvolvimento sustentvel das cidades em quede representantes do setor da construo na esto inseridos. Para atender demanda do setor,avaliao dos temas, subtemas e grupos-indicadores foi realizado um processo de reduo do nmerodesenvolvidos e levantamento de sugestes para de indicadores, chegando a um total de 174seu desenvolvimento. perpassando os nove temas iniciais. Esse relatrio tem como objetivo mostrar, de formaForam realizadas consultas a prossionais do setor detalhada, todos os resultados alcanados pelapara avaliao dos trabalhos realizados e busca de pesquisa.crticas e sugestes para melhoria dos resultadosproduzidos. Foi realizado um Workshop com os Espera-se que a pesquisa aponte diretrizes para que asstakeholders no dia 2 de maro de 2011, na sede empresas do setor da construo e seus prossionaisdo Secovi, em So Paulo, no qual compareceram tornem seus empreendimentos mais sustentveis, por36 representantes, com o objetivo de identicar meio da melhoria de suas caractersticas e funes,a percepo desses prossionais quanto aos inuenciando ainda para a promoo da sustentabilidadedesaos enfrentados pelo setor. J no dia 4 de urbana. Espera-se que com o envolvimento do setor damaio foi realizado evento de feedback para esses construo e o apoio do governo e da sociedade civilparticipantes, apresentando as evolues realizadas organizada a construo ou renovao dos territriospela equipe de pesquisadores, com oportunidade aproximem as cidades do estado sustentvel desejadopara novas sugestes de melhorias. por todos. 9 TEMAS 35 SUBTEMAS 85 GRUPOS-INDICADORES 176 INDICADORES 62 NDICADORES-SNTESE26
  • 28. Temas e Subtemas
  • 29. 6. Temas e Subtemas Tema 1 CONSTRUO E INFRAESTRUTURA SUSTENTVEIS Tema 2 GOVERNANA Tema 3 MOBILIDADE Tema 4 MORADIA Tema 5 OPORTUNIDADES Tema 6 PLANEJAMENTO Tema 7 QUESTES E ORDENAMENTO Tema 9 SERVIOS E AMBIENTAIS Tema 8 SEGURANA TERRITORIAL EQUIPAMENTOS 1 CONSTRUO E INFRAESTRUTURA SUSTENTVEIS Indicadores de parmetros de sustentabilidade O que representam os indicadores contidos no nas construes edicadas e nas infraestruturas tema? urbanas. O conjunto desses indicadores caracteriza Contextualizao e justicativa: qual a as edicaes em termos de aspectos de importncia do tema? sustentabilidade e suas interfaces com o meio urbano. A expanso populacional e territorial A construo sustentvel remete minimizao das cidades desde o Sculo 20 trouxe novos e dos impactos ambientais e adequao das importantes desaos ao planejamento do territrio atividades do setor da construo civil ao processo urbano falta de mobilidade e enchentes; ocupao de desenvolvimento sustentvel. As principais espraiada e desordenada do territrio; expanso de questes para a promoo da cadeia da construo imensos territrios de ocupao informal; dcit de sustentvel passam pela ecincia energtica, infraestruturas urbanas e regionais; desigualdades ecincia no uso da gua, ecincia na gesto de sociais na ocupao do territrio; qualidade de vida materiais e resduos de construo e demolio, urbana, mitigao de impactos ambientais. Esses e pela capacitao da cadeia produtiva para os so os aspectos a serem considerados na construo parmetros de sustentabilidade (capacitao de de cidades sustentveis. seus prossionais e adequao dos processos de suas empresas como instrumentos para promover Quem responsvel pelas prticas que maior sustentabilidade no setor da construo alimentaro os indicadores contidos no tema? civil). Estes indicadores tm seus desempenhos relacionados diretamente qualidade ambiental dos28
  • 30. empreendimentos inseridos no contexto das cidades, de trabalho, como conforto trmico, acstico eos quais so de responsabilidade prioritria do setor luminotcnico e acessibilidade.privado, devendo as edicaes pblicas tambmdar o exemplo de desempenho a ser seguido. Ecincia energtica a obteno do servio com baixo gasto deQuando aplicar os indicadores do tema? energia. Uma edicao mais eciente em termos energticos quando proporciona asEstes indicadores se aplicam caracterizao da mesmas condies ambientais com menorcidade como um todo construes e infraestruturas consumo de energia.na cidade e so parmetros para a adequao denovas intervenes urbanas e todas as suas obras Ecincia na gesto de materiais e resduosedicadas e de infraestruturas a serem realizadas. de construo e demolio A gesto eciente de materiais e resduos noSubtemas e grupos-indicadores: setor na construo envolve uma boa seleo de materiais, um processo construtivo com baixa Capacitao da cadeia produtiva (parmetros produo de resduos e a gesto de resduos de sustentabilidade) capaz de reutilizar e reciclar a maior quantidadeA promoo da sustentabilidade no setor da possvel de material, destinando corretamenteconstruo envolve a capacitao, e eventual os resduos no aproveitados.certicao, de seus prossionais e a adequaodos processos de suas empresas. As capacitaestanto de competncia de prossionais para Relaciona-se com o percentual de edicaeslidarem com temas ligados sustentabilidade, com sistemas de ecincia de gesto equanto das empresas em sistemas de gesto da manuteno. Alm disso, leva em consideraoqualidade, ambiental, de sade e segurana no a ecincia no uso da gua, tanto em questo detrabalho e em responsabilidade social empresarial consumo quanto na presena de dispositivos deservem como instrumentos para promover maior reaproveitamento de guas pluviais.sustentabilidade no setor da construo. Ecincia do ambiente interno infraestruturasA ecincia no ambiente interno das edicaes A ecincia na drenagem das edicaes ese relaciona com as condies que favorecem infraestruturas leva em considerao a quantidadeas atividades dos usurios em seus ambientes de gua retida, variando de acordo com o solo e o volume de precipitaes em relao ao total. 29
  • 31. 2 GOVERNANA Indicadores de qualidade da administrao da sociedade civil, devendo os empreendedores pblica e da organizao da sociedade civil na se adequar s diretrizes urbanas propostas, gesto do territrio. induzir transformaes positivas e, em casos de empreendimentos de escala urbana signicativa Contextualizao e justicativa: qual a (novos bairros, loteamentos e expanses territoriais importncia do tema? grandes), promover o gerenciamento dos indicadores especcos destes territrios novos. A governana urbana tem-se tornado complexa com o aumento do tamanho e da complexidade Quando aplicar os indicadores do tema? das cidades e de suas organizaes administrativas e jurdicas, devendo, portanto, ser reinventada. Esses indicadores se aplicam caracterizao da Internacionalmente, as cidades consideradas mais cidade como um todo e so parm