Metodologia CVA

Download Metodologia CVA

Post on 13-Oct-2015

21 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Cidadania, Voz e Ao uma metodologia que se prope a melhorar a qualidade de vida da populao, promovendo um dilogo qualificado entre os moradores das comunidades (voz cidad), os prestadores de servios e os representantes do poder pblico, a fim de que as polticas pblicas sejam monitoradas (ao cidad) de tal forma que satisfaam as reais necessidades da populao.</p></li><li><p>Objetivos mais abrangentes do programa Cidadania, Voz e Ao incluem:</p><p> Empoderamento e mobilizao dos cidados</p><p> Indivduos e grupos comunitrios engajados na democracia local e participao poltica</p><p> Comunidades demandam aes que resultam em boa governana.</p><p> Cidados influenciam as polticas para a melhoria do fornecimento dos servios.</p></li><li><p>O programa Cidadania, Voz e Ao enfatiza o desenvolvimento das prticas comunitrias, como participao, incluso, domnio e sustentabilidade.</p></li><li><p>A metodologia CVA possui cinco elementos fundamentais, que so:</p></li><li><p>Informao:Diagnstico comunitrio+Capacitao =</p><p>Reflexo propositivaO mundo no vai superar sua crise atual usando o mesmo pensamento que criou esta situao. Albert Einstein</p><p>O sbio ouvir e crescer em conhecimento, e o entendido adquirir sbios conselhos. Pv 1,5</p></li><li><p>Voz:Pessoas bem informadasInsatisfaoMobilizaoEngajamento</p><p>O sbio no o homem que fornece as verdadeiras respostas; o que formula as verdadeiras perguntas. Claude Levi-Strauss</p><p>E aconteceu que, depois de muitos dias, morrendo o rei do Egito, os filhos de Israel suspiraram por causa da servido, e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servido. Ex 2,23</p></li><li><p>Dilogo:</p><p>Falar e ouvir com o objetivo de chegar a uma compreensocompartilhada, restaurando e fortalecendo os relacionamentos e criando compreenso eparcerias colaborativas, particularmente com aqueles no poder.No no silncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ao-reflexo. Paulo Freire</p><p>Nunca houve no mundo duas opinies ou dois fios de cabelos exatamente iguais. A mais universal das qualidades a diversidade. Montaigne</p><p>No princpio, era a palavra, e a palavra estava com Deus, e a palavra era Deus. E a palavra se fez carne e habitou entre ns. Jo 1,1.14a</p></li><li><p>Ao:Construo de solues</p><p>Curto, mdio e longo prazo</p><p>ColetivoA minha f mais profunda que podemos mudar o mundo pela verdade e pelo amor. Mahatma Gandhi</p><p>Nem todo que me diz Senhor, Senhor! entrar no reino dos cus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que est nos cus. Mt 7,21</p></li><li><p>Prestao de contas:na participao de cidados e/ou organizaes da sociedade civil a fim de assegurar a prestao de contas daqueles que tm poder. Responsabilidade social uma abordagem que estrutura a prestao de contas fundamentada</p></li><li><p>Prestao de contas: Dever de solicitar Direito de receber Transparncia Esperana</p><p>A vida s pode ser compreendida olhando-se para trs; mas s pode ser vivida olhando-se para a frente. Soren kierkegaard </p><p>O Reino dos cus como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos e entregou-lhes os seus bens. (...) E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos e exigiu a prestao de contas deles. Mt 25,14.19</p></li><li><p>O cerne do programa Cidadania, Voz e Ao a Assemblia da comunidade. Ela possibilita que os membros da comunidade avaliem juntos a qualidade dos servios pblicos que eles recebem e identificam as possveis formas de melhorar o fornecimento dos mesmos. </p></li><li><p>Os interessados so convidados a participar, incluindo os membros da comunidade que utilizam o servio (usurios do servio), os provedores do servio (funcionrios do governo) e as autoridades governamentais (tanto administrativas quanto polticas) que so responsveis pelas decises que afetam a qualidade do fornecimento do servio ou que podem influenci-las.</p></li><li><p>O processo de mobilizao comunitria e interveno social proposto por Cidadania, Voz e Ao se divide em trs fases, que garantem a participao dos diversos atores e promove a construo coletiva das reivindicaes. </p><p>Fases da metodologia</p></li><li><p> So elas:Fase 1: Preparao e mobilizaoFase 2: Construo e execuo do Plano de AoFase 3: Monitoramento e prestao de contasFases da metodologia</p></li><li><p>Fase 1 Preparao e mobilizao toda a fase preparatria, onde o grupo de trabalho (GT) ser formado, capacitado e escolher o foco do seu trabalho onde se dar o monitoramento (qual comunidade) e em que rea (que poltica e servio sero escolhidos). </p></li><li><p>Fase 1 Preparao e mobilizaoPassos:</p><p>1. Realizando as Reunies Preparatrias2. Formando o Grupo de Trabalho GT3. Escolhendo a Poltica Pblica e o Servio a ser monitorado4. Realizando as reunies de Trabalho do GT5. Preparando os Materiais para as Reunies e Grupos Focais6. Divulgando a metodologia na comunidade7. Identificando os espaos de discusso das polticas pblicas no nvel municipal8. Sensibilizando os representantes do poder pblico e prestadores de servio9. Coletando informaes sobre a poltica pblica, o servio e o oramento pblico</p></li><li><p>Fase 1 Preparao e mobilizaoPasso 1: Reunies preparatrias Grandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van GoghSensibilizao</p><p>Estruturao</p></li><li><p>Passo 2: Formando o grupo de trabalho (GT)Fase 1 Preparao e mobilizaoEquipe do PDA</p><p>Lideranas comunitrias / prestadores de servios</p><p>Definindo um facilitadorCom talento, ganhamos partidas; com trabalho em equipe e inteligncia, ganhamos campeonatos. Michael Jordan</p></li><li><p>FacilitadorGTCoordenao do PDAEquipe da UOPEPossui conhecimento sobre SadeOrganizaoEstar junto do grupoResponsvelUnioAcompanhar o grupo nas reuniesArticuladorCompromissoSer flexvelDisponvelResponsabilidadeParticipao nos processos de trabalhos do GTComprometidoDisponibilidadeAcompanhamento efetivo nas aesDinmicoViso holsticaAnimar o facilitador e o GTOrganizadoDinmicoAfinidade com a metodologia CVAPossui conhecimento da localidadeInovar constantemente o conhecimentoConhece a proposta da Viso MundialIntegrado com a comunidadeComunicativoReconhecer e valorizar a diversidade</p></li><li><p>Passo 3: Definindo a poltica pblica, o servio pblico e a comunidade em que ocorrer o monitoramentoFase 1 Preparao e mobilizaoA democracia no corre, mas chega segura ao objetivo. GoetheCompartilhando a deciso</p><p>Critrios tcnicos</p><p>Critrios prticos</p></li><li><p>Passo 4: Realizando as reunies de trabalho do GTFase 1 Preparao e mobilizaoAes coordenadasIntegraoTodos sabem tudo melhor coxear pelo caminho do que avanar a grandes passos fora dele. Porque quem coxeia pelo caminho, embora ande devagar, aproxima-se da meta, enquanto que quem segue fora dele, quanto mais corre, mais de afasta. Agostinho de Hipona</p></li><li><p>Passo 5: Preparando materiaisFase 1 Preparao e mobilizaoRepartindo tarefas</p><p>Trabalho em equipe</p><p>Ao preventivaUm gnio uma pessoa de talento que fez toda a lio de casa. Thomas Edison</p></li><li><p>Passo 6: Divulgando a metodologiaFase 1 Preparao e mobilizaoMobilizao</p><p>Criatividade</p><p>ContextualizadaNunca perca a f na humanidade, pois ela como um oceano. S porque existem algumas gotas de gua sujas nele, no quer dizer que ele esteja sujo por completo. Mahatma Gandhi</p></li><li><p>Passo 7: Mapeamento polticoFase 1 Preparao e mobilizaoDetectando parceiros</p><p>Registrando</p><p>SocializandoO livre desenvolvimento de cada um condio para o livre desenvolvimento de todos. Karl Marx</p></li><li><p>Passo 8: Sensibilizando o poder pblico e prestadores de serviosFase 1 Preparao e mobilizaoClareza</p><p>Objetividade</p><p>Poltico, mas no partidrioMesmo quem est nas alturas deve temer quem est no cho. Fedro</p></li><li><p>Fase 1 Preparao e mobilizaoPasso 9: Coletando informaes Junto comunidade (DRP) Junto ao Poder PblicoO maior bem que podemos fazer aos outros no oferecer-lhes nossa riqueza, mas lev-los a descobrir a deles. Louis Lavelle</p></li><li><p>Fase 2 Construo e execuo do Plano de aoEste o momento em que a comunidade, liderada e mobilizada pelo grupo de trabalho, se rene para discutir o problema, avalia o servio pblico relativo ao problema escolhido e prope solues coletivas em forma de um PLANO DE AO COMUNITRIO.</p></li><li><p>Fase 2 Construo e execuo do Plano de aoPassos:</p><p>1. Apresentando o quadro de informaes iniciais2. Conduzindo as reunies comunitrias e grupos focais3. Elaborando o Plano de Ao Comunitrio4. Divulgando o Plano de Ao Comunitrio5. Planejando as Atividades do PA6. Executando as Atividades do PA</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 1: Apresentao do quadro de Informaes iniciaisAbre a mente ao que te revelo/ e retm bem o que eu te digo, pois no cincia/ ouvir sem reter o que se escuta. Dante Alighieri</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 2: Reunies comunitrias e grupos focais O operrio que quer fazer o seu trabalho bem deve comear por afiar seus instrumentos. ConfcioConstruir a agenda</p><p>Preparando as reunies</p><p>Conduzindo as reunies</p><p>Grupos focais: valorizando a diversidade</p></li><li><p>Limpeza do ambienteDisponibilidade dos medicamentos necessriosPontualidade dos professoresDisciplina dos funcionrios</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 3: Elaborao do Plano de Ao ComunitrioGrandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van Gogh</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 4: Divulgando o Plano de Ao Comunicao a arte de ser entendido. - Peter UstinovBoletins e folhetos</p><p>Rdios e TVs comunitrias</p><p>Ofcios + Plano de Ao</p><p>Pea de teatro</p><p>Blogs, sites, redes sociais</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 5: Planejando as atividades do PAPara realizar grandes coisas, no devemos apenas agir, mas tambm sonhar; no s planejar, mas tambm acreditar. Anatole FranceGrupos comunitrios em movimento</p><p>Agendas compartilhadas</p><p>Membros do GT: animadores do processo</p></li><li><p>Fase 2 Construo e Execuo do Plano de AoPasso 6: Executando as atividades do PATodos os erros humanos so impacincia, uma interrupo prematura de um trabalho metdico. Franz Kafka Clareza do que fazer</p><p>Compreenso do seu papel dentro do processo</p><p>Acompanhamento do GT</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de contas Nesta fase, h a criao das estratgias de como realizar o Plano de Ao e sua execuo. O GT tem o papel de animar o processo e informar o que est acontecendo, mobilizando todos os envolvidos a prestarem contas de suas aes e avaliando o resultado do que foi feito.</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de contasPassos:</p><p>1. Avaliando as atividades e estratgias2. Avaliando o processo pelo GT e Comunidade3. Comunicando os Resultados4. Produzindo materiais informativos.</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de ContasPasso 1: Avaliando as atividades e estratgiasGrandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van GoghAvaliando a aplicao da metodologia</p><p>Pblico: UOPE, PDA, GT</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de ContasPasso 2: Avaliando o processoGrandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van GoghAvaliando a mobilizao comunitria</p><p>Pblico: GT, lideranas comunitrios, prestadores de servios, moradores</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de ContasPasso 3: Comunicando os resultados Grandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van GoghDivulgao dos resultados</p><p>Celebrando as conquistas</p></li><li><p>Fase 3 Monitoramento e Prestao de ContasPasso 4: Produzindo materiais informativosGrandes realizaes no so feitas por impulso, mas por uma soma de pequenas realizaes. Vincent Van GoghNecessidade de sistematizar os resultados</p></li><li><p>Se, na verdade, no estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transform-lo; se no possvel mud-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para no apenas falar de minha utopia, mas participar de prticas com ela coerentes. Paulo Freire</p><p>A Escala Sorriso o padro simblico usado nas avaliaes durante as reunies comunitrias.*Quadro de Votao dos indicadores padro e indicadores comunitrios. Utilizado para apoiar no processo de priorizao das necessidades que entraro no Plano de Ao.*</p></li></ul>