incógnito - pós identidade queer.pdf

Download incógnito - pós identidade queer.pdf

Post on 24-Apr-2015

49 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Lucas AltamarR. Josinete O. Alves - 151 - Bodocong Campina Grande - PB - CEP: 58430-230. 230. e-mail mail e msn: lux.alt@gmail.com - (083) 8804 9336 www.luxalt.blogspot.com</p> <p>_Editorial / IntroduoO anseio de produzir um texto queer que abarcasse a maior quantidade de informaes e interpretao pessoal veio de modo no to agradvel. Foi quando recebi no lembro como, uma proposta para um dossi de estudos queer. Por um tempo minsculo eu pensei: Uaw, minhas idias no so to tnues ou solitrias afinal. Mas depois eu me atentei ao tipo de proposta que era feita... Estudos queer... No era uma coletnea de textos queer, de textos produzidos por queer, uma produo contracultural, no... Era uma chamada a autores, provavelmente acadmicos a fazerem artigos a respeito do queer. Como produto de discurso acadmico! Ento me toquei, estes nos abordam como uma teoria somente e no como um movimento, uma postura. No que isso no acontea com outras contraculturas, mas ter recebido tal proposta me revoltou de certo modo. Como se os autores que sobre queer falam ou falaram tivessem nos dado, incitado ou inspirado em algo que no j fossemos possuidores... Lembro que na poca ainda lancei algumas produes queer, mas no to ambiciosamente complementada como pretendo esta. Pode parecer at imaturo, mas este aspecto de ser tornado somente uma estatstica, um evento decifrvel inquietante! E creio que tambm para qualquer libertrio que seja assim tomado. Estes autores falam sobre ns, de nossas idias! No digo que tais estudos no sejam teis no mbito acadmico e somente para quem interessa. S que no de modo algum comparado a uma realidade vivenciada. Assim sendo, tais textos podero falar muito de e sobre teorias, de um ou de outro comportamento, identidade e coisas que so estudveis, de uma ou de outra localidade, mas jamais falaro como queer. Sendo. Pois cada queer nico em teoria, prtica e ideologia. Diferentemente dos documentos acadmicos que se copiam e copiam infinitamente fazendo estudos de estudos e de teorias apcrifas rerererepetidas. Uma vez escrevi um conto no qual alguns personagens homens (libertrios) mantinham relao entre si e tinham eles certo destaque, at porque estes eram protagonistas. Mas mulheres tambm mantinham e casais entre homens e mulheres tambm. Depois de ter lido, um amigo (libertrio) me veio e falou que a histria ficou por demais homoertica... Eu realmente quis no entender o que ele estava achando homoertico, pois aquela relao que mais era explicitada no era uma relao homossexual, pois se tratava de um queer se relacionando. Tentei-lhe expressar o que significa no ter significado de tal modo em relaes, que as relaes entre eles, os personagens assim como comigo so algo alm destas construes e convenes determinadas de gnero e sexualidade, mas no tive tanto sucesso... Infelizmente eu entendia a ignorncia dele. Assim como entendo que a cultura do homossexual como a minoria e o heterossexual como norma o que sobreleva, mesmo dentro de meios contraculturais. Imaginem se fosse um casal de homem/mulher... No seria nem mencionado tal relacionamento, afinal o conto no tratava exclusivamente do relacionamento deles, e sim de outros aspectos exteriores. O erotismo ou o que consideram como, era s mais um detalhe. E o questionamento veio: O que faz de um romance homossexual, htero ou seja l o que for? O seu autor, a peculiaridade de um relacionamento no to convencional ao cultural, assim sendo rotulado por um detalhe mais excntrico...? Eu pensava que o leitor era o que categorizava a obra, afinal cara, o conto era libertrio, contracultural, para libertrios! Assim creio que o queer, como vemos, e como vem as relaes no so ou sero percebidas de uma hora pra outra, mesmo por pessoas libertrias. Nem esta minha vontade somente. Este no um debate ps-estruturalista. Achei necessria a produo de tal texto para de alguma forma, mesmo que no</p> <p>consiga passar tudo do que tenho como libertrio/ libertrio queer, possa introduzir uma reflexo em aspectos to fundamentais como a dissonncia de tais rtulos culturais. E o que isso significa no mbito do pensamento social e de como as relaes que consideram aspectos de modo tal so preconceituosas. Esta uma produo queer marginal feita por mim, queer para todos marginais e curiosos, menos pra estudos no campo acadmico! No queremos tal obra adicionada a nenhum trabalho de pesquisa no ?! A reproduo e divulgao completa ou em parte deste material no s so permitidas como recomendadas, citando ou no autor. Partes de alguns textos foram retiradas quase que integralmente do que no momento acho a fonte de estudo mais interessante e livre do ponto de vista bibliogrfico: Wikipdia, A Enciclopdia Livre. (Em (E portugus, ingls e francs - agradecimento tradutrio a Ribamar Bezerra). Nada do que segue escrito absoluto, pois no h uma verdade sobre o que ou como ser ou no queer. Faa voc mesmo o voc, desfaa, construa e desconstrua todo dia toda hora, se s questionando quem e porque voc! Seja!</p> <p>Primavera 2008</p> <p>Incgnito Caram as folhas do outono, Queimaram a derma ao vero. No inverno caram em sono. Na primavera flores sero! E assim se transformaro! Faa-me pensar em teu pensamento, Faa-me cantar nosso momento, No deixe-me cair em lamento, Faa-me teu incgnito sentimento. Incgnito, incgnito sentimento... No busquei teu eu pois achei injusto, Cobrar algo to ftil e to simplrio. No cobrei nem quis saber o custo De se descontar a presena num velrio. Faa-me por um momento, Teu incgnito sentimento. Incgnito, incgnito sentimento.</p> <p>_1. Da Palavra_ Palavra_QUEER (Kuir) Da etimologia a palavra representa tantos significados e origens to indefinidos quanto a prpria identidade. Diferindo tambm as significaes dependendo da localidade. O termo que significa literalmente bizarro to bizarramente amplo quanto fechado. Realmente difcil de traduzir... Termo que provm do ingls que significa, atualmente, original, excntrico, singular, raro, infreqente. Tambm pode ser sinnimo no agressivo, porm genrico para gays, lsbicas, transgneros e outras minorias, coisa que cabe a interpretao de acordo com o lugar, principalmente nos Estados Unidos. Muito anterior ao termo gay, queer pode ser compreendido atravs da historia da criao do termo, inicialmente como uma gria inglesa. Literalmente significara estranho, mas a palavra fora usada em uma superposio de significado com a palavra queen rainha. Assim o significado desta confusa gria seria usado para fazer aluso a um ser masculino bastante afeminado, pois este seria ao mesmo tempo uma rainha e algo masculinamente excntrico. Outra derivao pode ser oriunda do Ingls Antigo, que significaria questionado ou desconhecido. A palavra queer significa ela prpria atravs, advindo da raiz indo-europia twerkw, que deu igualmente o alemo quer transversal, o ingls athwart atravs de... Tendo em mos estas derivaes, ou melhor, razes no podemos considerar prepotncia a idia de ter o queer como uma ps-identidade, j que est transversalmente etimologicamente posta. Discutimos bastante sobre este aspecto de achar que ns queer estamos alm em aspectos identitrios e chegamos concluso no to dificilmente que antes sejamos alm do que sub. Se isso agride de alguma forma quem tem a identidade como um aspecto social esttico ou se acha prepotncia nossa nos sentirmos alm este mesmo nosso objetivo! Voc que tem uma identidade determinada deve se questionar quem ou o que determina sua identidade. Ou se tem identidade suficiente para questionar tal fato. Neste aspecto alm de maiores embasamentos sobre ideologias e comportamentos, o queer j vem mostrar com seu significado de ampla e incerta traduzibilidade em si que transitivo, e transitivo de mltiplas formas. Logo abarcando uma carga de possibilidades de traduo e acolhimento de acordo com a hiptese de quem tentar explanar ou ter tal nomenclatura para si. Hoje posso dizer francamente que fui anteriormente relutante em aceitar tal palavra pra definir o que eu havia construdo em mim, mesmo antes sem conhecer nada sobre o que chamam de teoria queer. Por muito perguntei se era uma palavra que daria mais fora ou mais atitude ao que sou. Entretanto vi que o queer alm de tudo isso at aqui discutido no s um termo que pode ter traduo. No s uma movimentao ou ideologia E num dia de reflexo a chama acendeu na mente e de um momento para outro como num piscar de olhos compreendi da melhor forma a traduo indubitvel do que queer: ser como sempre me senti, em relao a mim, ao outro, tal tica e moral que predomina em nossa sociedade alienada... ser em si (pessoalmente) uma quebra com todos os padres vigentes que determinam o que voc ou pode ser. Alm das escolhas que dizem que voc pode fazer. Alm das falsas necessidades que tm de assumir o que se por uma etnia, uma orientao uma cultura etc... O significado de queer ser como todo ser social identitrio tem a possibilidade de ser se livre desejar ser Incgnito.</p> <p>Parentesco As flores, As frutas, Os objetos, Representam Os desejos De sermos Flores, Frutas, Objetos, Somente.</p> <p>_2. 2. Da Histria_ Histria_A realidade queer como uma movimentao mais ou menos estruturada surge pela necessidade de uma libertao das separatistas e excludentes reivindicaes dos movimentos que anteriormente tinham o status de oprimidas. Que de um modo ou de outro acabaram sendo absorvidos pelo Estado. Seja por algumas esmolas de direitos, ou por algumas aceitaes de dever. A condio de minoria, ou de identidade minoritria tem um tipo de falsa inteligibilidade funesta. A histria poltica atravs da qual o movimento gay, por exemplo, v a si prprio extremamente seletiva. E a histria que ele relata muito curta. Ela comea com o sucesso do movimento negro pelos direitos civis no sul dos Estados Unidos, nos anos 50 e 60, que se desdobraram sobre novas legislaes, sobre uma nova interpretao da tal constituio, e, at certo ponto, sobre uma mobilidade e uma situao social nova para muitos afro-americanos. Em geral, consideramos que o movimento feminista tomou o modelo deste movimento pelos direitos civis, fazendo entender queixas e reivindicaes de outro grupo distinto e bem delimitado de cidados, fisicamente reconhecveis e ontologicamente imutvel. Deixemos claro que este o momento em que falamos das realizaes de sucesso de tais movimentos, e no de suas respectivas origens, que datam de pelo menos quatro dcadas anteriores. Consideramos, igualmente, que outros movimentos de defesa e de reivindicao, fundados sobre uma base racial ou tnica e outros mais, seguiram o mesmo modelo. De maneira paradoxal, estes movimentos reivindicam o direito uma assimilao social total por um grupo de pessoas, mas eles fizeram isto a partir de uma viso separatista das pessoas que compem este grupo, supostamente dotadas de uma diferena antolgica estvel. Este separatismo assimilacionista, que pode evidentemente se proliferar ao infinito, forma a base do que chamam de a poltica da identidade, o multiculturalismo ou a diversidade, termos que englobam a maioria dos componentes do movimento GLBTetc presente. Entendamos melhor o que prope a tal poltica das identidades pelo principal aspecto do que isto seria... A identidade... Um contguo de caracteres prprios e exclusivos de determinada pessoa. Este conceito, entretanto, est ligado s atividades da pessoa, sua biografia, ao amanh, sonhos, mitos, caractersticas de originalidade e outras caractersticas relativas ao sujeito. A analogia permite que o indivduo se perceba como sujeito nico, tomando posse da sua realidade individual e, portanto, conscincia de si mesmo. Este conceito sempre tem preocupado o humano. Pois a identidade no s o que a pessoa aparenta, ela agrupa vrias idias como a noo de continuao, de pontos que no mudam com o tempo. Algumas destas caractersticas imutveis no geral social comum so o nome da pessoa, parentescos, nacionalidade, impresso digital e outras coisas que permitem a distino de sua unidade. A identidade depende da distino que fazemos entre o eu e o outro. Passamos a ser algum quando encontramos o outro porque, desta forma, adquirimos termos de comparao que permitem o destaque das caractersticas prprias de cada um. As diversas abordagens tm opinies diferentes a respeito da possibilidade de mudana da identidade ao longo da vida de uma pessoa. Outra importante concepo de identidade a psicossocial, que tem o carter de metamorfose, ou seja, as mudanas ocorrem constantemente, o que, entretanto, no aparece. A aparncia da identidade de algo que no muda. A identidade, para a psicossocial, pressupe a realidade social na qual o sujeito est inserido. Revela uma condio de vida, amigos, conceitos, filosofias e costumes. No entanto, sabemos quem a pessoa, no apenas por sua definio, mas por suas atividades. Esta a principal construo da identidade: o que se faz de voc mesmo! Um ponto importante a ser considerado que fazemos parte de diversas condies e, portanto, nossa ao fragmentada. Somos o que fazemos naquele momento, em cada papel que desempenhamos, o de filho, aluno, amigo, irmo, homem, mulher, htero, homo,</p> <p>bissexual... E uma coisa no inclui necessariamente a outra. Cada atividade toma forma a partir de um personagem, que temos nas diversas situaes de nossas vidas. Identidade , para a psicossocial, movimento constante. Tendo esta breve acepo do que forma as identidades, vemos que muitos dos movimentos que queriam ter sua legitimidade perderam o aspecto de unicidade do ser para assimilar-se a uma identidade determinada do que seria, por exemplo, o negro, a mulher, o gay e assim por diante. Fazendo de tantas pessoas com etnias no importa qual, mas nicas, pessoas definidas e destacadas por somente sua etnia, ou por seu sexo biolgico ou por suas prticas sexuais. Deixaram de lado toda a pluralidade que poderiam ter de construo ou desconstruo de si para ser um aspecto delimitado e minsculo do que pode dar forma a identidade a nosso ver. E tenham certeza, para tais grupos no houve/h coisa melhor do que ter seu lugar delimitado, seu gueto seguro, seu local de conforto. Por tal falamos de uma nova origem de tais movimentos... O movimento gay identitrio de hoje gosta de datar seu ponto de inicio a partir do final dos anos sessenta, e, em particular, claro, dos motins de Stonewall em 1969. O que desapareceu dessa histria, foi o carter totalmente no-identitrio de uma boa parte da poltica que cingiu sustentada e, de fato, permitindo o nascimento do movimento de liberao gay ao longo deste perodo. Se for verdade que o movimento negro pelos direitos civis ofereceu um modelo e uma motivao importantes, os outros aspectos do contexto social e poltico dos anos 60 nos Estados Unidos eram bastante parecidos com os da Frana e de outros pases. Seus componentes principais eram o movimento contra a guerra do Vietnam, os movimentos de jovens e estudantes nova cultura de drogas, o movimento de liberao sexual... evidente que nenhum destes movimentos pde ser definido de acordo com um critrio separatista e imutvel de identidade. E por conseqncia, nenhum deles tinha um objetivo assimilador. De f...</p>