ARTE SEQUENCIAL e GEOGRAFIA

Download ARTE SEQUENCIAL e GEOGRAFIA

Post on 25-Jul-2015

144 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Slide 1</p> <p>Arte SequencialCompreender a arte como saber cultural e esttico gerador de significao e integrador da organizao do mundo e da prpria identidade. Matriz de RefernciaLinguagens, Cdigos e suas Tecnologias Compreender a arte como saber cultural e esttico gerador de significao e integrador da organizao do mundo e da prpria identidade.H12 Reconhecer diferentes funes da arte, do trabalho da produo dos artistas em seus meios culturais.H13 Analisar as diversas produes artsticas como meio de explicar diferentes culturas, padres de beleza e preconceitos.H14 Reconhecer o valor da diversidade artstica e das interrelaes de elementos que se apresentam nas manifestaes de vrios grupos sociais e tnicos. Competncia de rea Matriz de RefernciaCincias Humanas e suas Tecnologias Compreender os elementos culturais que constituem as identidades.H1 Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura.H2 Analisar a produo da memria pelas sociedades humanas.H3 Associar as manifestaes culturais do presente aos seus processos histricos.H4 Comparar pontos de vista expressos em diferentes fontes sobre determinado aspecto da cultura.H5 Identificar as manifestaes ou representaes da diversidade do patrimnio cultural e artstico em diferentes sociedades. </p> <p> Se formos buscar as razes das HQs, chegaremos s pinturas rupestres feitas pelos humanos pr-histricos, que serviam para contar, por exemplo, como eram suas aventuras nas caadas.</p> <p> Os quadros das igrejas medievais que retratavam a Via Sacra tambm podem ser considerados antepassados das tirinhas. A grande diferena que esses ancestrais das HQs no tinham texto, os enredos eram desenvolvidos apenas com uma sequncia de desenhos.</p> <p> "As histrias em quadrinhos constituem um meio de comunicao de massa que agrega dois cdigos distintos para transmitir uma mensagem: o lingstico (texto) e o pictrico (imagem)", diz o pesquisador Waldomiro Vergueiro, coordenador do Ncleo de Pesquisa de Histria em Quadrinhos, da Universidade de So Paulo (USP). </p> <p>FONTE: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quem-inventou-a-historias-em-quadrinhosUm pouco de histria...</p> <p>Arte Sequencial Histrias em quadrinhos, HQ, Gibis, Comics, Mangs, banda desenhada, revistinha... No importa o nome, TODOS tratam da forma dearteque conjugatextoe imagens com o objetivo de narrar histrias dos mais variadosgnerose estilos.</p> <p> So, em geral, publicadas no formato derevistas,livrosou emtiras publicadas em revistas ejornais.</p> <p> O termo "arte sequencial" (traduzido do originalsequential art), define, segundo Will Eisner, "o arranjo de fotos ou imagens e palavras para narrar uma histria ou dramatizar uma ideia"</p> <p>Mickey Dugan, mais conhecido comoThe Yellow Kid("O Garoto Amarelo"), era o personagem principal deHogan's Alley, pioneirahistria em quadrinhose uma das primeiras a ser impressa em cores. </p> <p>O Yellow Kid era uma criana dentua com traos e aparncia chineses, que sempre aparecia com um sorriso bobo e vestindo um pijama amarelo enquanto circulava por uma vila cheia das mais estranhas criaturas.</p> <p>O artifcio de usar bales para mostrar as falas dos personagens foi usado pela primeira vez com Yellow Kid, apesar de o prprio garoto s se comunicar atravs de mensagens que apareciam inscritas em sua roupa. </p> <p>Ele usava um jargo cheio de grias, numa linguagem tpica dosguetos.</p> <p>UEA/SIS</p> <p>Geopoltica e reordenamento territorialGeopoltica e conflitos entre os sculos XIX e XX.As guerras mundiais e a organizao do espao.Capitalismo e socialismo: a Guerra Fria;A ocupao da sia e da frica;A desintegrao dos pases socialistas: a nova ordem mundial;A formao de organizaes internacionais.A globalizao da economia e as desigualdades regionais. </p> <p>Os novos conflitos: a pluralidade culturalGlobalizao e diversidade cultural;Migrao e intolerncia cultural;reas de tenso no mundo: Guerras religiosas e conflitos territoriais. Guerra Fria / GlobalizaoGuerra Fria / GlobalizaoENEM</p> <p>Diversidade cultural, conflitos e vida em sociedadeCultura material e imaterial;Movimentos culturais no mundo ocidental e seus impactos na vida poltica e social.</p> <p>Formas de organizao social, movimentos sociais, pensamento poltico e ao do EstadoGeopoltica e conflitos entre os sculos XIX e XX: Imperialismo, a ocupao da sia e da frica, as Guerras Mundiais e a Guerra Fria.Os sistemas totalitrios na Europa do sculo XX: nazifascista, franquismo, salazarismo e stalinismo.Conflitos poltico-culturais ps-Guerra Fria, reorganizao poltica internacional e os organismos multilaterais nos sculos XX e XXI.A luta pela conquista de direitos pelos cidados: direitos civis, humanos, polticos e sociais.Direitos sociais nas constituies brasileiras.Polticas afirmativas.Vida urbana: redes e hierarquia nas cidades, pobreza e segregao espacial.</p> <p> Criado em 1938, o Super-Homem/Superman o Super-Cidado-Americano. Crescido no interior dos EUA e disfarado de homem comum, Clark Kent na verdade um Homem de Ao pronto para enormes feitos, com seus incrveis superpoderes;</p> <p> Tudo isso extremamente americano e capitalista essa valorizao do homem comum e trabalhador, a ideia de que todos podem subir na vida se seguirem os caminhos certos.</p> <p> o clssico conceito de self-made man (do homem que faz a si prprio), que passa a ideia de que todos podem vencer e o Super-Homem est a pra provar isso, a fora secreta por trs daquela humilde famlia do interior. Desde sua independncia, o EUA sempre fez a propaganda poltica e ideolgica de ser um pas que preza pela liberdade e democracia. Primeiro, contra a tirania da colonizao inglesa. Mais tarde com a Guerra Fria, usando a propaganda de progresso do livre-mercado capitalistacontra ocomunismoda URSS.</p> <p> Se tem alguma coisa que incomoda os americanos profundamente, a ameaa de no poder andar pra l e pra c, cada um trabalhando duro, cuidando da prpria vida e comprando o que bem entender.</p> <p> No filme Homem de Ao (2013), o General Zod (de Krypton), exatamente a representao dessaameaa totalitria.</p> <p> O Capito Amrica (criado em 1940) foi o maior de uma onda de super-heris que surgiram sob a bandeira do patriotismo norte-americano e que foram apresentados ao mundo pelas companhias de Histrias em Quadrinhos, durante os anos da Segunda Guerra Mundial.</p> <p> Criados em 1963, as histrias dos Filhos do tomo fazem referncias implcitas aos conflitos e problemas sociais de sua poca;</p> <p> Mutaes que tem como origem o contexto nuclear da Guerra Fria;</p> <p> Vtimas do preconceito social (da mesma forma que os negros) ou algozes da sociedade (similar aos movimentos que propunham o fim das elites brancas);</p> <p> Originalmente a Liga da Justia foi criada em 1940, o que justificava os heris serem americano e todo modo de vida ser o dos EUA. Em 1987 (quando as evidncias de uma reestruturao socioeconmica mundial j eram extremamente fortes), o conceito de uma equipe que zelava pelo mundo todo foi implantado.</p> <p> A Idia de uma Liga da Justia Internacional introduziram com extremo humor temas da Nova Ordem Internacional: Um super heri russo em uma equipe sediada nos EUA; O ditador de um pas rico em reservas naturais mas com uma populao miservel; A ascenso das megacorporaes;</p> <p> Patinhas MaCPato ou Tio Patinhas(Scrooge McDuck/Uncle Scrooge) um personagem americano de fico criado pelo cartunistaCarl Barks. </p> <p> Sua primeira apario emquadrinhosse deu emdezembrode1947.</p> <p> Como homem de negcios e caador do tesouros, Patinhas notvel por sua necessidade de criar novos objetivos e enfrentar novos desafios. Conforme o personagem criado por Barks, para Patinhas sempre h um novo arco-ris. </p> <p> Barks faz uma defesa aberta docapitalismoe a denncia de todo sistema poltico que tenta fazer a todos exatamente iguais, que a filosofiamarxistada igualdade em todas as coisas.</p> <p> A igualdade sob a lei boa, mas a igualdade real na riqueza ou na natureza simplesmente no funciona.</p> <p>UEA/SIS</p> <p>O espao urbano em tempos de GlobalizaoUrbanizao contempornea e organizao da cidade.A segregao urbana e a desigualdade social.Redes e hierarquias urbanas: a cidade no contexto da economia global.Diversidade cultural e violncia urbana.</p> <p>A urbanizao brasileiraO processo de urbanizao brasileira.Das pequenas cidades s metrpoles no Brasil.Regies Metropolitanas: as cidades dormitrios.Organizao das cidades: rede e hierarquia urbana no Brasil.Desigualdades sociais e segregao espacial nas cidades brasileiras.Cidades e acessibilidade: o direito cidade.Plano Diretor e Estatuto da Cidade: o Estado e a organizao das cidades.</p> <p>As cidades e os impactos ambientaisO lixo nas cidades: Impacto ambiental e social.Os catadores de lixo e a vida na cidade.Ocupao urbana e as reas de preservao.Poluio: no ar, na gua e no solo. UrbanizaoUrbanizaoENEM</p> <p>Formas de organizao social, movimentos sociais, pensamento poltico e ao do EstadoA luta pela conquista de direitos pelos cidados: direitos civis, humanos, polticos e sociais.Direitos sociais nas constituies brasileiras.Polticas afirmativas.Vida urbana: redes e hierarquia nas cidades, pobreza e segregao espacial. </p> <p>Caractersticas e transformaes das estruturas produtivasDiferentes formas de organizao da produo: escravismo antigo, feudalismo, capitalismo, socialismo e suas diferentes experincias.Formao do espao urbano-industrial.A industrializao brasileira, a urbanizao e as transformaes sociais e trabalhistas.A globalizao e as novas tecnologias de telecomunicao e suas consequncias econmicas, polticas e sociais.A relao campo-cidade. </p> <p>Chico um tpicocaipirabrasileiro. Anda descalo, usa chapu de palha. Ele adora pescar com o pai. Chico morava com os seus pais, Seu Bento e Dona Cotinha, em um stio nas cercanias da fictcia Vila Abobrinha, no interior deSo Paulo. Possui uma av paterna,V Dita, contadora de "causos" e de histrias folclricas, envolvendo lendas, tais como a daMula-sem-cabea, doSaci, doLobisomem, do Curupira, dentre outras.</p> <p>Diferente de outros personagens de Maurcio, Chico Bento sempre foi caracterizado em idade escolar, chegando a frequentar umaescolaem suas histrias, apesar de no poder ser considerado um aluno exemplar, pois se atrasa, esquece os deveres, cria histrias de pescador, alm de tirar notas baixas.</p> <p>A personagem chegou a provocar polmica nosanos 1980, uma vez que os dilogos tentam reproduzir odialeto caipira, em vez da norma culta doportugus. Muitos alegaram que "ela [revista do Chico Bento] ensina s crianas a falarem errado". Outros disseram que "a maneira dos personagens falar puro preconceito".</p> <p> O personagem foi criado em 1932, com o nome deDippy Dawge que apareceu pela primeira vez em 1933, na revista "Mickey Mouse Magazine".</p> <p> J na dcada de 40, Pateta inicia seus trabalhos no estilo "Como fazer....", ensinando desde "Como Dormir" at "Como Esquiar", nesses trabalhos Pateta atrapalhadamente, mas sempre determinado, nos ensina, ou pelo menos tenta, a realizar as mais diversas tarefas.</p> <p> Com pouca fala e sempre com a ajuda de um narrador que interage com o personagem a quase todo momento, pode-se dizer que o ensino quase nunca corre normalmente.</p> <p> Os Flintstones foi umasrie animada de televisoproduzida pelaHanna-Barberade1960a1966e criada por Willian Hanna e Joseph Barbera.</p> <p> No desenho animado, a famlia Flintstone vive na cidade pr-histrica deBedrock. Fred, o chefe da famlia, trabalha numa pedreira, dirige umcarrocomrodasde pedra, cuja propulso so os seus ps, e tem umdinossauro, chamado Dino, como animal de estimao. A famlia vizinha so seus amigos, o casal Rubble, que possui um hbrido decangurue dinossauro como animal de estimao, Hoppy.</p> <p> A srie construda como uma versofantstica do passado remoto, com o uso datrao animale outras tecnologias anteriores era industrial, embora os humanos tenham hbitos semelhantes aos de uma famlia moderna do sculo XX.</p> <p>UEA/SIS</p> <p>Vegetao: os grandes biomas no mundo e no BrasilA formao vegetal brasileira e seus diferentes biomas: fragilidade da floresta amaznica e os focos de desmatamentos;As polticas Internacionais e nacionais de controle do desmatamento: as Unidades de Conservao.O desenvolvimento sustentvel e o desenvolvimento econmico </p> <p>As Questes ambientais contemporneasAs polticas ambientais mundiais e nacionais.Mudana climtica: ilhas de calor, efeito estufa, chuva cida, a destruio da camada de oznio.Polticas territoriais ambientais: uso e conservao dos recursos naturais, unidades de conservao e preservao.Polticas territoriais e ambientais brasileira: corredores ecolgicos, zoneamento ecolgico e econmico. </p> <p>A nova ordem ambiental internacionalPolticas internacionais ambientais: As conferncias Internacionais.As organizaes no governamentais (ONGs) e o debate da preservao e da conservao. </p> <p>As polticas ambientais no BrasilO controle do uso e de conservao dos recursos naturais.A Legislao Ambiental.O Zoneamento Econmico Ecolgico, as unidades de conservao e os corredores ecolgicos no Brasil.A Amaznia e as polticas ambientais internacionais e nacionais. Questes AmbientaisQuestes AmbientaisENEM</p> <p>Os domnios naturais e a relao do ser humano com o ambienteRelao homem-natureza, a apropriao dos recursos naturais pelas sociedades ao longo do tempo. Impacto ambiental das atividades econmicas no Brasil.Recursos minerais e energticos: explorao e impactos.Recursos hdricos; bacias hidrogrficas e seus aproveitamentos.As questes ambientais contemporneas: mudana climtica, ilhas de calor, efeito estufa, chuva cida, a destruio da camada de oznio.A nova ordem ambiental internacional;Polticas territoriais ambientais;Uso e conservao dos recursos naturais, unidades de conservao, corredores ecolgicos, zoneamento ecolgico e econmico.Origem e evoluo do conceito de sustentabilidade.Estrutura interna da terra.Estruturas do solo e do relevo: agentes internos e externos modeladores do relevo.Situao geral da atmosfera e classificao climtica.As caractersticas climticas do territrio brasileiro.Os grandes domnios da vegetao no Brasil e no mundo. </p>