america – scj – latina

Download AMERICA  –  SCJ  –  LATINA

Post on 24-Feb-2016

61 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

AMERICA – SCJ – LATINA. 30 Setiembre 04 Octubre 2013. Santiago del Chile. P. José Ornelas Carvalho. AMERICA – SCJ – LATINA. - 1 - Num Mundo em mudança estrutural - 2 - Os Dehonianos na América Latina - 3 - Desafios e perspetivas. 1. Um mundo em mudança. 1.1 – Mudança de época - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

AFRIQUE SCJ AFRICA

AMERICA SCJ LATINASantiago del Chile30 Setiembre04 Octubre 2013P. Jos Ornelas Carvalho

- 1 -Num Mundo em mudana estrutural- 2 -Os Dehonianos na Amrica Latina- 3 -Desafios e perspetivasAMERICA SCJ LATINA1.1 Mudana de poca1.2 O caminho da Amrica Latina1.3 A peregrinao da Igreja1.4 Viver em tempos de mudana1. Um mundo em mudana1.1a Uma mudana de pocaTudo est em questo:Meios, gostos, valores, viso do mundo, perspetivas de futuro.No conjuntural, mas estrutural: de civilizao, de cultura, de relaes sociais, de valores, de economia.A nvel mundial , pela 1 vezGraas ao conhecimento, meios de comunicao, migraes, multinacionais, marcas comerciais.No h modelosOs paradigmas do passado j no servem, e ainda no se encontraram outros que possam servir.1.1b Uma mudana de poca preciso novos modelosao nvel das relaes, dos valores, da economia, da poltica. Veja-se as consequncias do celular, da internet, da globalizao.Tempos difceis Relativismo, domnio dos mais fortes, dependncias, manipulaes Vai ser preciso tempopara encontrar novos equilbrios. Os novos meios tornam mais rpidas as mudanas, mas tambm mais provisrias. e de novas possibilidades:Novos valores, Consensos planetrios, Direitos /solidariedade universais.1.2 O caminho da Amrica LatinaIdentidade culturalAL, dominadores, emigrantes, escravos, exploradores, humanizadores, sonhadores Cultura mestia e de acolhimento.Razes histricasAL tradicional: glria e sombra. Conquista/ ocupao, colonizao. Libertao do colonialismo e outras ditaduras.Capacidades e contrastesNova conscincia da AL: ret-rica e contedo. Liberdade e dignidade // desigualdade e misria. A fora juvenil de crer.

Oportunidades e desafiosEconomias e sociedades emergentes. Anseio de equidade interna e interna-cional. Caminhos diversos de unidade e colaborao.1.3a A peregrinao da IgrejaIgreja sempre peregrinaIdade Apostlica; perseguio; Constantino; dominadora defesa; aberta para servir.Mudana de perspetivaNo somente de aparncia e expresso, mas de viso de si e do mundo e atitudes.O Conclio: sopro do EspritoAbertura ao mundo com fraternidade e confiana. Igreja mais livre, pobre, proftica.Diante de novos desafiosDa cristandade comunidade fermento. Relativismo, secularizao, seitas. Sinais do EspritoBento XVI: A Renncia.Francisco: Um homem da AL (periferia)Igreja no auto-referencial: servio e presena da ternura de Deus; olhar aos pobres e esquecidos.1.3b A peregrinao da IgrejaPeregrina na AL na histria do povo: Luz e sombra; silncio e profecia. Casa de integrao, luta, misericrdia, esperana.O Evangelho libertadorBusca de caminhos novos de presena, solidariedade e evangelizao. Uma alma para AL; vento novo para a Igreja.

Novos desafios Instrumentalizao da f po-pular (seitas). Saudade do passado e do poder. Divrcio f / solidariedade.Novos horizontesUma Igreja jovem e dinmica. Aposta na formao e nos leigos. Caminho comum (CELAM CLAR). Papa Francisco

1.4 Viver em tempos de mudanaV.C. em tempo de criseVC nasceu e desenvolveu-se neste ambiente. Sempre pioneira de novos caminhos .As tentaes destes temposCepticismo, desiluso fugir ou procurar solues individuais, ou de moda.Aceitar o nosso tempo:Dom de Deus para escutar o Esprito e se comprometer na construo de um mundo novo. Deus Mestre e guia nas encruzilhadas da histria.Ocasio para criar e mudarFace positiva da incerteza e do questionamento dos valores. Tempo para escutar, repensar, dialogar construir. Necessrios os profetas e a comunidade.

2.1 Dados da realidade2.2 A Hora da Amrica Latina2. Dehonianos na Amrica Latina2.1 No seio da CongregaoEntidadeMemb.%IdadeAG80,4%58,3frica34116,1%43,3Am.Norte1105,1%67,4Am. Sul48422,6%51,7sia28413,9%37,1Europa91841,9%61,7Total2.14451,7MembrosEstudantes2. Dehonianos na Amrica Latina2.2 A. L. Provncias / RegiesEntidadeMemb.Estud.

332

417

12821

23358

213

285Total48496MembrosEstudantes2. Dehonianos na Amrica Latina2.3 Variedade e novidade SCJ na ALMembrosEstudantesEntidadeTotalEstud. ARG27 (33)2 (URU)11 BRE417 BRM124 (128)21 (PAR)8 BSP172 (233)47 (BSL)337 (BMT)274 CHI203 VEN275(ECU)131Total503972. Dehonianos na Amrica Latina2.4 Missionrios para/da Amrica LatinaOrigemNDestinoESP19VEN, ECUEUF1CHIITS20ARG, URU, PARNLV10CHI, BREPOL2 (1)URUTotal52 (51)OrigemTotalNa A. LatinaEm outros Continentes%/Ent.BSP17ECU-2, PAR-2 RDC-3, PHI-2 GER-4, CAN-1, CHN-1, 1AG-27,3BRM9URU-2, PAR-3RDC-1, GER-2, 1AG-17ARG4 (2) PAR-1PHI-1, VIE-1, CHN-112,1URU(1)PAR-12,4VEN1ECU-13,6CHI1PAR-14,8Total3313206,8Missionrios SCJ na Amrica LatinaMissionrios SCJ da Amrica Latina no mundo2. Dehonianos na Amrica Latina2.5a A hora da Amrica LatinaPresena mais que centenria. Tradies missionrias independentes. Recentes esforos de comunho e coordenao.poca de profunda mudana. Passagem da misso externa aos confrades locais, em diferentes fases.Segundo continente SCJ, em nmero e primeiro em vitalidade (jovens ativos).83% dos SCJ da AL so brasileiros. Algumas Entidades em bom crescimento, outras com ulterior reduo numrica.2. Dehonianos na Amrica Latina2.5b A hora da Amrica LatinaCrescente identificao com o carisma dehoniano. Partilha com os leigos (jovens). Sensibilidade e dinmica apostlica. Metodologia de trabalho com os leigos.Necessidade de aprofundamento da partilha de bens e de vida nas comunidades (caixa comum).Dano da prolongada dependncia externa (em pessoas e finanas) e do fechamento das Entidades em si mesmas.Tradio de colaborao continental. Progressiva participao na misso internacional.Necessidade de mudana de mentalidade, e abertura a maior colaborao e missionariedade.2. Dehonianos na Amrica Latina3.1 O dom do nosso tempo: Atitude de Abrao3.2Espiritualidade: O caminho do coraoa) Corao de escuta - Espiritualidadeb)Corao fraterno - Comunidadec)Corao generoso e solidrio - misso3.3Pastoral vocacional: Vem, segue-me3.4Formao: Preparar-se para servir3. Desafios e Atitudes3.1 O dom do nosso tempo: Abrao3. Desafios e atitudesO dom deste tempo: Este o mundo que Deus ama. Ele nos chama a comprometer-nos neste mundo, como instrumentos da sua misericrdia, promovendo a reconciliao e o amor, colaborando na construo de um mundo melhor.No um mundo perfeito: No o era tampouco o tempo dos profetas, de Jesus, de P. Dehon. Precisa de ser curado, reconciliado, olhado criticamente, com solidariedade ativa e esperana criativa (reparao).Somos parte de um mundo e de uma Igreja em mudana. Levamos um precioso tesouro (Evangelho, espiritualidade SCJ). Sentimos dificuldades, desorientao Somos chamados a escutar de novo a voz do Esprito, juntar vidas e esforos, procurar novas formas de presena, misericrdia, anncio.3.2 Espiritualidade: O caminho do Corao3. Desafios e atitudesO caminho do Corao: Estamos juntos, porque escutmos a voz de Deus e respondemos, seguindo Jesus, o Homem de Corao Novo.Gente de corao, modelada imagem do Corao de Cristo.Uma espiritualidade para este tempo de mudana.As trs dimenses (colunas) da espiritualidade dehoniana:Corao de escuta: Ecce Venio Ecce AncillaCorao fraterno: Sint Unum.Corao generoso e solidrio : adveniat Regnum Tuum. a) Corao de escuta Ecce venio - Ecce ancilla 3. Desafios e atitudesO fundamento da nossa vida: O Consagrado, ou Homem de Deus, ou perdeu a sua vida e credibilidade. Deus continua a falar: preciso escutar pessoal e comunitariamente (Palavra, Eucaristia, dilogo fraterno). Uma espiritualidade para aprofundar, viver e partilhar: Uma espiritualidade que atrai (adeso dos jovens). Caminho de formao, atualizao, inculturao, busca de novas formas de compreenso e de expresso (Comisso teolgica, encontros).Uma herana a partilhar com os leigos. Dom s comunidades crists e enriquecimento do carisma da Congregao. 3.2 EspiritualidadeB1) Corao fraterno Sint unum 3. Desafios e atitudesO Centro da nossa vida: No h espiritualidade sem vida fraterna. Primeiro testemunho de Cristo. Humanizar o corao e abri-lo ao outro. Participao fraterna e corresponsvel da vida e bens, da f, da misso. A partilha dos bens: Dimenso fundamental da comunho. Esprito livre: pobreza, trabalho, partilha total. Sempre uma questo comunitria e corresponsvel. Sensveis ao clamor dos pobres. Testemunho do papa Francisco.Comunho local e internacional: Corao dehoniano no conhece fronteiras. Grande tradio na AL. Novos tempos exigem nova mentalidade, novas atitudes, nova coragem.3.2 EspiritualidadeB2) Comunho local e internacional3. Desafios e atitudesSituao atual AL: Dificuldades das pequenas Entidades: CHI, ARG, URU (ECU, PAR). Envelhecimento ou crescimento inicial, formao, movimento de pessoas, formao, misso.Possibilidades: Maior organizao comum. Maleabilidade e coordenao estrutural, sem perder a fora da cultura e da Igreja Local. No unificar Entidades, mas criar dinmicas e estruturas comuns de gesto, formao e misso.Confederao de Entidades?;Noviciado (lngua espanhola?); Escolasticado (internacionalizao); Colgios (rede SCJ formao/intercmbio de professores); Instituies Universitrias: BSP BRM - outras; Teologia: Taubat - Hales Corners.3.2 Espiritualidadec) Corao generoso e solidrio Adveniat Regnum Tuum 3. Desafios e atitudesO objetivo da nossa chamada: para o servio do Reino. Projeto de Comunidade/Entidade/Congregao. Estilo evanglico: trabalhar juntos, acolhimento, misericrdia, solidariedade. Pastores com odor de rebanho. Preferncias: jovens (universitrios); pobres /periferias; formao /responsabilidade dos leigos.Abertos misso no mundo: Dar a partir da pobreza e da pequenez e abrir-se para acolher. Recentes colaboraes na AL a consolidar: PAR, ECU, URU. Pensar em novas presenas na AL? Abertos misso universal: Entidades antigas e recentes. Novas iniciativas missionrias internacionais: ANG, CHD, CHN 3.2 Espiritualidade3.3 Pastoral Vocacional Vem, segue-me 3. Desafios e atitudesCoragem de levar o evangelho aos jovens: convite ao seguimento radical de Cristo: Vem, segue-me. Oferecer uma experincia de f, fraternidade, servio. Experincia da AL.Situaes