vigotski e bakhtin: a ação educacional como projeto ...· vigotski e bakhtin: a ação educacional

Download Vigotski e Bakhtin: a ação educacional como projeto ...· Vigotski e Bakhtin: a ação educacional

Post on 14-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Bakhtiniana, So Paulo, 7 (2): 95-108, Jul./Dez. 2012. 95

    Vigotski e Bakhtin: a ao educacional como projeto dialgico de

    produo de sentido / Vygotsky and Bakhtin: The educational action as

    a dialogic project of meaning production

    Jlio Flvio de Figueiredo Fernandes

    Mauro Giffoni Carvalho

    Edson Nascimento Campos

    RESUMO

    Este texto se prope a estabelecer um dilogo entre Vigotski e Bakhtin, tomando como

    parmetros o quadro referencial de conceitos associados orientao vigotskiana sobre

    Zona de Desenvolvimento Imediato e orientao bakhtiniana sobre o dialogismo da

    linguagem. Utilizando tais parmetros, prope-se a refletir sobre a fundamentao do

    processo educacional atravs de princpios tericos ou aforismas que afirmam a

    especificidade da mediao com que se realiza a relao educador/educando.

    PALAVRAS-CHAVE: Vigotski; Bakhtin; Zona de desenvolvimento imediato;

    Dialogismo; Mediao

    ABSTRACT

    This paper aims at establishing a dialogue between Vygotsky and Bakhtin, using

    Vygotskys concepts associated with the zone of immediate development and Bakhtins

    concepts related to dialogism as theoretical parameters. By using these parameters, it

    proposes to reflect upon the educational process through the theoretical principles or

    aphorisms which claim the specificity of the mediation that establishes the

    educator/educatee relation.

    KEYWORDS: Vygotsky; Bakhtin; Zone of immediate development; Dialogism;

    Mediation

    Professor na Universidade Estadual de Minas Gerais UEMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil;

    profjuliofernandes@hotmail.com

    Professor na Universidade Estadual de Minas Gerais UEMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil;

    maurogiffoni@yahoo.com.br

    Professor na Universidade Estadual de Minas Gerais UEMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil;

    edncampos@gmail.com

    mailto:profjuliofernandes@hotmail.commailto:maurogiffoni@yahoo.com.brmailto:edncampos@gmail.com

  • 96 Bakhtiniana, So Paulo, 7 (2): 95-108, Jul./Dez. 2012.

    Introduo

    Lev Semenovich Vigotski (1896-1934) e Mikhail Mikhailovich Bakhtin

    (1895-1975) figuram entre os tericos, do incio do sculo XX, que mais

    privilegiaram a dimenso interativa das atividades humanas, de grande alcance para

    os estudos da linguagem, no caso de Bakhtin, e da educao, no caso de Vigotski.

    Suas contribuies, sob inspirao dos pressupostos materialistas histricos,

    chamaram a ateno para a dimenso das relaes e da ao mediada (VIGOTSKI,

    1991; BAKHTIN, 2010a).

    Um dos problemas enfrentados pelos dois autores era o de compreender, nos

    domnios da palavra e da conscincia, intersees, disjunes, deslocamentos,

    aproximaes, afastamentos e limites, cuja materializao possibilitasse diversos

    modos de realizao da linguagem em sua insero nas relaes sociais de

    aprendizagem e de construo do conhecimento.

    Ligados s suas prprias coordenadas de tempo e espao, e por suas vivncias

    face aos acontecimentos da investigao do materialismo histrico do incio do

    sculo XX, Vigotski e Bakhtin foram capazes de perceber o fundamento da natureza

    dialgica da experincia humana como elemento essencial para compreenso e

    transformao da realidade. Na relao educativa - por excelncia, o espao da

    dialogia - constroem-se os conhecimentos e habilidades sociais num processo de

    interao que pressupe encontros e colises de ideias, com movimento polifnico e

    posies enunciativas entre educadores e educandos entendidas como

    acontecimentos totalmente contingentes e singulares, e com efeitos decisivos para a

    apropriao subjetiva das construes culturais, sejam elas cientficas, artsticas ou

    advindas da experincia.

    Neste trabalho, apresentamos, inicialmente, algumas consideraes sobre

    conceitos-chave para compreender a dimenso dialgica da interao pressuposta na

    ao educativa. Em seguida, numa perspectiva bakhtiniana, sintetizamos, em dez

    categorias temticas, articulaes tericas sobre os efeitos discursivos da efetivao

    do projeto vigotskiano da zona de desenvolvimento imediato.

  • Bakhtiniana, So Paulo, 7 (2): 95-108, Jul./Dez. 2012. 97

    Dialogismo e Zona de Desenvolvimento Imediato

    Bakhtin (1997; 2010a) problematizou a perspectiva da mediao como

    determinao recproca da responsividade e da responsabilidade dos interlocutores:

    responsividade, visto que cada lance da relao dialgica se d como resposta posio

    da alteridade, constituinte do dilogo (BAKHTIN, 2010a); responsabilidade, na medida

    em que no h libi quanto aos efeitos da posio arquitetnica de cada um dos agentes

    na relao dialgica (BAKHTIN, 2010b). Essa condio j se materializava com a

    imagem da ponte:

    A palavra uma espcie de ponte lanada entre mim e os outros. Se

    ela se apoia sobre mim numa extremidade, na outra apoia-se sobre o

    meu interlocutor. A palavra o territrio comum do locutor e do

    interlocutor (BAKHTIN/VOLOCHNOV,1999, p.113).

    Para esse autor, a riqueza do processo de constituio dos enunciados dos

    interlocutores produto da fora de enunciao da linguagem, cujo movimento expressa

    a no-coincidncia do sentido do dizer dos agentes. A mediao, ento, justamente o

    terreno da tenso entre enunciados no trabalho de construo do lao representado pela

    ponte.

    Outro elemento essencial da concepo de mediao em Bakhtin refere-se ao

    excedente de viso presente no encontro entre interlocutores. Ambos se posicionam em

    exotopia, isto , em exterioridade em relao ao dizer do outro (BAKHTIN, 2010a). A

    responsividade e a responsabilidade dos interlocutores baseiam-se e manifestam-se

    nessa distino que , ao mesmo tempo, ndice da alteridade e da aproximao

    presentificada pelas possibilidades discursivas. O dilogo que se constitui na interao

    realizada com a materialidade da linguagem verbal e no-verbal dotado de um certo

    acabamento. Entretanto, dada a tenso dialgica, na convivncia de coincidncia e no-

    coincidncia entre os dizeres, prevalece seu carter de inacabamento e destaca-se o

    movimento constitutivo do dialogismo como anteposio de palavra e contrapalavra dos

    interlocutores.

    J Vigotski (1991; 2009), em meio s investigaes no seio de sua concepo

    dialtica das relaes entre o sujeito e o social, entre o individual e o grupal, cunhou a

  • 98 Bakhtiniana, So Paulo, 7 (2): 95-108, Jul./Dez. 2012.

    noo de Zona de Desenvolvimento Imediato (ZDI). No se trata de uma zona ideal

    pela qual se confrontasse abstratamente o vivido e o possvel nem de uma concepo

    reducionista, pela qual se considerasse uma transferncia mecnica das capacidades do

    grupo para capacidades individuais. Quando busca entender o ato de pensar presente em

    operaes como deduo, compreenso, evoluo de noes de mundo, interpretao

    da causalidade fsica, o domnio das formas lgicas de pensamento e o domnio da

    lgica abstrata (VIGOTSKI, 1991, p.90), inversamente ao que se concebia a partir de

    uma posio naturalizante do pensamento humano, Vigotski v operaes

    necessariamente constitudas nas relaes eu/outro.

    Para Vigotski, os processos de aprendizagem e desenvolvimento no so dois

    processos independentes ou o mesmo processo, e existem entre eles relaes

    complexas (VIGOTSKI, 2009, p.310). Entretanto, as relaes sociais que as

    aprendizagens implicam situam o desenvolvimento do ato de pensar em um lugar

    dependente e no de causa das aprendizagens. Por isso, os processos formais de

    escolarizao gozam de to grande valor em nossas sociedades.

    Pelo acento colocado nas aprendizagens, Vigotski d noo de

    desenvolvimento um novo carter: o surgimento do ato de pensar ter para ele um

    sentido cultural e histrico e no um sentido naturalizante. Nisso difere dos psiclogos

    do final do sculo XIX e incio do sculo XX e, em funo disso, se atribui a seu

    trabalho a denominao de teoria scio-histrica, expresso de Leontiev1. Segundo

    este ltimo autor, Vigotski, em sua noo de desenvolvimento, contrape o cultural ao

    natural (LEONTIEV, 1983, p. 19 apud PRESTES, 2010, p.126)2. Para se afastar da

    ideia de pensamento na forma pura, completamente independente do aprendizado

    (VIGOTSKI, 1991, p. 90), Vigotski concebe uma inusitada teoria do desenvolvimento

    do pensamento como elemento tensionado pelas aprendizagens s quais os sujeitos so

    submetidos ao longo da vida, e no o contrrio (VIGOTSKI, 2009, p.336). A crena em

    uma forma pura ideal do pensamento era, na concepo de Vigotski, consequncia do

    esquecimento da dimenso dialgica, constituinte das relaes sociais.

    1LEONTIEV, A. N., 1983, apud Prestes, 2010.

    2IAROCHEVSKI, M. G. (2007). Obra em russo, citada por Prestes (2010), afirma que Vigotski no deu

    nome algum a sua teoria, assim como tambm sabido que a ela, atualmente, so atribudos diferentes

    nomes: scio-histrica, scio-cultural, scio-interacionista (PRESTES, 2010, p.126).

  • Bakhtiniana, So Paulo, 7 (2): 95-108, Jul./Dez. 2012. 99

    Em toda situao educativa, a relao assimtrica entre um sujeito aprendiz e a

    fonte do saber que ele busca (pessoas mais experientes, objetos da cultura, instrumentos

    de trabalho) faz aparecer uma diferena entre capacidades j adquiridas e aquelas

    conquistadas pelo grupo social. nessa direo que se apresenta para Vigotski a

    necessidade terica de formular um conceito fundante: o de uma zon