normas para a formataÇÃo da monografia

of 31/31
UM ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO ENTRE DESEMPENHO ESCOLAR E MEDIDAS NEUROPSICOLÓGICAS EM ALUNOS DA TERCEIRA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL NEUSA MARIA DE OLIVEIRA CHARDOSIM Monografia de conclusão do curso de Especialização em Neuropsicologia, apresentado como requisito para obtenção do grau de Especialista pelo Programa de Pós Graduação do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sob orientação do Prof. Dr. Christian Kieling Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Psicologia Porto Alegre, janeiro de 2011.

Post on 12-Feb-2017

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

UM ESTUDO DE ASSOCIAO ENTRE DESEMPENHO ESCOLAR E MEDIDAS

NEUROPSICOLGICAS EM ALUNOS DA TERCEIRA SRIE DO ENSINO

FUNDAMENTAL

NEUSA MARIA DE OLIVEIRA CHARDOSIM

Monografia de concluso do curso de Especializao em Neuropsicologia, apresentado

como requisito para obteno do grau de Especialista pelo Programa de Ps Graduao do

Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sob orientao do

Prof. Dr. Christian Kieling

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Psicologia

Porto Alegre, janeiro de 2011.

3

UM ESTUDO DE ASSOCIAO ENTRE DESEMPENHO ESCOLAR E MEDIDAS

NEUROPSICOLGICAS EM ALUNOS DA TERCEIRA SRIE DO ENSINO

FUNDAMENTAL

NEUSA MARIA DE OLIVEIRA CHARDOSIM

Monografia de concluso do curso de Especializao em Neuropsicologia, apresentado

como requisito para obteno do grau de Especialista pelo Programa de Ps Graduao do

Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sob orientao do

Prof. Dr. Christian Kieling

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Psicologia

Porto Alegre, janeiro de 2011.

4

AGRADECIMENTOS

Agradeo a todos que de uma forma direta ou indireta contriburam para que este

estudo fosse realizado, principalmente as crianas que participaram de forma ativa no

desenvolvimento dos dados utilizados.

Agradeo ao meu orientador Dr. Christian Kieling, que com muita pacincia e

conhecimento me conduziu at a concluso deste estudo. Como tambm a professora Jerusa

Fumagalli, que em muitos momentos me auxiliou em aspectos que no me eram familiares.

Agradeo ao Hospital de Clinicas de Porto Alegre, na figura do Dr. Rohde, que me

deu a oportunidade de participar da equipe do PRODAH para realizar este estudo.

Cabe tambm agradecer a minha famlia, principalmente, esposo e filhos, que apesar

de passarmos por uma fase muito difcil na reta final da concluso do curso, conseguimos

ficar unidos e me auxiliaram a no desistir de concluir o estudo que havia comeado.

5

SUMRIO

Resumo..................................................................................................................................05

Abstract.................................................................................................................................06

I - INTRODUO................................................................................................................07

1.1. Reviso da literatura ......................................................................................................08

1.2. Justificativa ....................................................................................................................11

1.3. Objetivo geral ...............................................................................................................12

1.4. Objetivos especficos .....................................................................................................12

II - MTODO......................................................................................................................14

2.1 Participantes ...................................................................................................................14

2.2 Delineamento ................................................................................................................ 14

2.3 Instrumentos...................................................................................................................14

2.4 Procedimentos ............................................................................................................... 18

2.5 Anlise estatstica............................................................................................................19

III - RESULTADOS .............................................................................................................20

IV - CONSIDERAES FINAIS........................................................................................22

REFERNCIAS....................................................................................................................24

ANEXOS

Anexo A................................................................................................................................29

5 5

RESUMO

Existem vrias funes neuropsicolgicas envolvidas no processo de aprendizagem

formal. O presente estudo abordou a associao entre medidas de desempenho escolar de

alunos da terceira srie do ensino fundamental de trs escolas pblicas de Porto Alegre, nas

disciplinas de matemtica e portugus, com o desempenho em uma bateria de testes

neuropsicolgicos selecionados. Foram observadas correlaes significativas entre o

desempenho escolar em ambas as disciplinas e medidas neuropsicolgicas. Esses resultados

obtidos evidenciaram a importncia de algumas funes envolvidas no processo de

aprendizagem formal, tais como ateno e memria operacional ou memria de trabalho

(working memory), bem como o tempo de reao em alguns testes. Salienta-se a

importncia de novos estudos nesta rea com o intuito de estabelecer outras correlaes

significativas dentro deste processo.

Palavras-chave: desempenho escolar, ateno, memria operacional, avaliao

neuropsicolgica

6 5

ABSTRACT

There are several neuropsychological functions involved in the process of formal

learning. The present study addressed the association between measures of academic

performance of students in third grade in three public schools of Porto Alegre, in the

disciplines of Mathematics and Portuguese, and performance on a battery of selected

neuropsychological tests. There were significant correlations between school performance

in both disciplines and neuropsychological measures. These results showed the importance

of certain functions involved in the process of formal learning such as attention and

working memory and reaction time in some tests. Further studies in this area are required in

order to establish other significant correlations in this process.

Key-words: academic performance, attention, working memory, neuropsychological

assessment

7 5

I - INTRODUO

A criana quando entra para a escola lida com uma srie de demandas especficas

com as quais ainda no estava habituada. Ela precisa ficar sentada em uma sala de aula e

prestar ateno ao que o professor diz por certo perodo de tempo. Tambm precisa

compreender o que dito, seguir regras, reconhecer e escrever letras e nmeros.

Tudo isso envolve habilidades como ateno, memria, percepo, autocontrole,

motricidade fina, entre outras. Sabe-se que crianas que apresentam dficits nessas

habilidades, quando iniciam o ensino fundamental, tm mais chances de desenvolver

problemas de aprendizagem, afetando seu desempenho, do que aquelas que apresentam tais

habilidades desenvolvidas dentro do esperado para a sua idade (Gorostegui, 2007).

Existem variados conceitos que definem o termo desempenho escolar; portanto,

necessrio fazer uma distino entre os termos encontrados, tais como fracasso escolar,

dificuldades de aprendizagem e transtornos de aprendizagem, pois estes no so

considerados sinnimos, apesar de existir uma alta associao entre dificuldades de

aprendizagem e fracasso na escola entretanto tambm h crianas que apresentam

dificuldades de aprendizagem e que no tm fracasso escolar.

Rotta (2006) argumenta que as dificuldades de aprendizagens passam primeiro pelo

conceito de aprendizagem. No h dvida que o ato de aprender transcorre no Sistema

Nervoso Central (SNC), onde ocorrem modificaes funcionais que dependem do

contingente gentico de cada indivduo, associado ao ambiente onde este ser est inserido.

Segundo Correia (1991), o conceito de dificuldades de aprendizagem (DA) surgiu

da necessidade de se compreender a razo pela qual um conjunto de alunos, aparentemente

normais, estava constantemente experimentando insucesso escolar, especialmente em reas

acadmicas tal como a leitura, a escrita ou o clculo.

De acordo com Monedero (1984) dificuldade de aprendizagem escolar quando a

criana no conta com os recursos biolgicos e psicolgicos necessrios para ter xito nas

matrias avaliadas, deixar de levar em conta os mtodos pedaggicos. Para o mesmo autor,

8 5

fracasso escolar, seria usado para crianas com recursos intelectuais, sem nenhuma

alterao fsica e seguindo uma escolaridade adequada, porm com rendimento pobre.

Andrade (2003) refere que, em alguns estudos na literatura, o Transtorno de dficit

de ateno e hiperatividade (TDAH) est associado a um maior risco de baixo desempenho

escolar, repetncias, suspenses e expulses. Alm disso, em mais de 50% dos casos de

TDAH existe comorbidade com transtornos de aprendizagem, transtornos do humor e de

ansiedade, o que pode aumentar ainda mais os prejuzos em termos de desempenho escolar.

Atravs de estudos neuropsicolgicos realizados em crianas, alguns dados

evidenciam um desempenho prejudicado em tarefas que demandam funes cognitivas

como ateno, percepo, planejamento e organizao (Rohde, 2003). Ao fracassarem,

falham em algo muito mais importante do que a capacidade de reconhecer as palavras

escritas, falham num amplo conjunto de possibilidades expressivas e receptivas. Outros

estudos mostram a importncia da memria operacional ou memria de trabalho como

participante ativo na aquisio de novos conhecimentos (Santos, 2006). No processo

neuropsicolgico do ato de aprender, segundo Ohlweiler (2007) assumem papel da mais

alta importncia a ateno, a memria e as funes executivas. Salienta Miranda (2003),

citando Piaget, que no desenvolvimento cerebral, no que se refere s regies mais

anteriores, as quais estariam ligadas as funes simblicas, somente comeam a

desenvolver-se a partir dos 10 anos.

O presente estudo teve como objetivo investigar a associao entre o desempenho

escolar medido pelo professor (DEMP) nas disciplinas de portugus e matemtica atravs

das notas finais e os escores padronizados de uma bateria de testes neuropsicolgicos,

verificando se existe correlao significativa entre os resultados avaliados e quais as

funes neuropsicolgicas importantes envolvidas.

1.1. Reviso da literatura

O desempenho escolar depende de diferentes fatores: caractersticas da escola

(fsicas, pedaggicas, qualificao do professor), da famlia (nvel de escolaridade dos pais,

9 5

nvel socioeconmico, presena dos pais e interao dos pais com escola e deveres) e do

prprio indivduo. Cumpre aqui ressaltar que a expresso dificuldades de aprendizagem

no sinnimo de transtornos de aprendizagem, termo reservado aos transtornos de

leitura (dislexia), expresso escrita e da matemtica (Moojen et al., 2003).

O baixo rendimento e/ou desempenho escolar so pontos de partida para deteco

de problemas relacionados leitura, escrita e aos clculos matemticos; porm, estes no

so determinantes para caracterizar as dificuldades de aprendizagem. As dificuldades de

aprendizagem e o fracasso escolar parecem andar juntos, mas tambm no podem ser

considerados necessariamente como causa e conseqncia um do outro, ainda que entre as

crianas que apresentam fracasso escolar possa ser encontrado um alto percentual de

crianas com dificuldades de aprendizagem.

Segundo Gorostegui (2007), os problemas que afetam globalmente o rendimento

escolar tm origem variada (multicausalidade). Desenvolvimento insuficiente dos processos

cognitivos e de inteligncia interferem na aprendizagem, por dficits atencionais ou por

alteraes sensoriais, emocionais e/ou de conduta.

H grande dificuldade em medir desempenho escolar, face aos inmeros parmetros

utilizados para avaliar este fenmeno. Na literatura, encontram-se algumas medidas de

desfecho para a avaliao do desempenho escolar, como alocao em turmas especiais,

repetncia, notas baixas, suspenso, pontuao abaixo do esperado para o coeficiente de

inteligncia (QI) em testes padronizados e baixo desempenho em termos absolutos (sem

comparao com QI) em testes padronizados. Cabe salientar que esta medida no se deve

restringir a uma discrepncia entre desempenho em testes padronizados de clculo e leitura

e o QI. Ressalte-se que a maioria dos alunos com medida de desempenho escolar (MDE)

rebaixada no exibe um padro de discrepncia entre desempenho em testes padronizados e

QI (Pastura apud Hinshaw, 1992).

A literatura no clara em relao a estes termos; portanto, inclusive por razes

logsticas, neste estudo vamos usar uma medida dimensional de desempenho escolar que

ser o desempenho escolar medido pelo professor atravs das notas finais em portugus e

matemtica (DEMP).

10 5

A inteligncia, de forma tradicional, est relacionada com as habilidades

acadmicas, porm existem outros tipos de inteligncia (como, por exemplo, a

caracterizada pela capacidade de relacionar idias complexas, formar conceitos abstratos,

derivar implicaes lgicas atravs de regras gerais) que, muitas vezes, no possvel

mensurar atravs dos testes convencionais. Nas abordagens da inteligncia, duas formas so

tratadas como fundamentais: a inteligncia cristalizada (que prioriza o conhecimento) e a

inteligncia fluida (que prioriza o raciocnio). A primeira se refere profundidade das

informaes adquiridas via escolarizao e geralmente usada na resoluo de problemas

semelhantes ao que se aprendeu no passado (como nos testes tradicionais de inteligncia).

A segunda se refere capacidade de processamento cognitivo, ou seja, a capacidade geral

de processar informaes ou as operaes mentais realizadas quando se resolvem

problemas relativamente novos (Primi, 2000).

As crianas com dficits na aprendizagem podem apresentar um potencial cognitivo

dentro do esperado para a idade, porm denotar dificuldades em selecionar estmulos

relevantes e focar a ateno nestes. So dispersas e geralmente so atradas por outros

sinais irrelevantes. A ateno concentrada tambm pode estar prejudicada, no mantendo as

funes de alerta e vigilncia. Essa desateno pode comprometer a seleo da informao

necessria aprendizagem (Fonseca, 1995). Os problemas perceptivos, geralmente

apresentados pela criana, demonstram certas dificuldades na identificao, discriminao e

interpretao de estmulos. Os processos primrios de percepo sensorial parecem

apresentar anomalias que podem repercutir em dificuldades em tarefas de leitura, escrita e

clculo.

O processo atencional facilita, melhora ou inibe outros processos neuropsicolgicos

como a memria, a percepo e a linguagem, assinalando recursos cognitivos que permitam

que a tarefa seja realizada at o fim de maneira eficaz (Burin, 2007).

Dentro do processo de memria encontra-se a memria operacional ou memria de

trabalho (working memory), que entendida como um sistema de capacidade flexvel que

armazena e manipula informaes por um curto perodo de tempo, necessrio para o

funcionamento cognitivo efetivo nas atividades coloquiais, incluindo o rendimento escolar

e profissional (Santos, 2006).

11 5

Na avaliao neuropsicolgica o examinador deve planejar quais instrumentos usar

em funo de suas hipteses sobre os distrbios do paciente, levantadas a partir de

informaes coletadas. Pode-se iniciar a avaliao com uma bateria neuropsicolgica

bsica com o objetivo de avaliar algumas funes mentais superiores envolvidas na

aprendizagem simblica. As reas usualmente avaliadas so as seguintes: ateno,

processamento visoespacial, memria, funes executivas e outras (Lesak, 1995). No Brasil

pesquisadores e clnicos que trabalham com avaliao neuropsicolgica ainda se deparam

com um problema grave de escassez de instrumentos validados disponveis para a realidade

brasileira (Capovilla, 2007).

Para tanto lanamos mo de uma busca na literatura brasileira e internacional por

testes com boas propriedades de validade, sensibilidade e especificidade, para a

mensurao de algumas funes neuropsicolgicas especficas como ateno e funes

executivas (Kebir, 2009; Kelly, 2007; Sonuga-Barke, Sergeant, Nigg & Willcutt, 2008;

Stefanatos, 2007; Swanson, Stefanatos et al., 2007; Collings, 2003; Capovilla, 2007;

Coutinho, Mattos & Arajo, 2007).

1.2. Justificativa e objetivo do presente estudo

Estudos tm sido realizados explorando o tema das dificuldades de aprendizagem,

do desempenho escolar e outros. No entanto, no foram encontrados, no contexto nacional,

estudos sobre a associao entre desempenho escolar e o desempenho em uma bateria de

instrumentos neuropsicolgicos. Apesar de saber-se que existe uma relao entre estas duas

variveis, pouco se refere sobre que funes neuropsicolgicas esto associadas a um pior,

ou melhor, desempenho escolar, especificamente em portugus e matemtica.

Com base nisso o presente estudo busca investigar a correlao entre desempenho

escolar de crianas de terceira srie do ensino fundamental que estudam em quatro escolas

da rede pblica de Porto Alegre, com idades entre 8 e 12 anos, de ambos os sexos e o

desempenho em uma bateria de testes neuropsicolgicos.

12 5

De modo a verificar as relaes entre essas variveis, foram obtidas as notas

escolares finais destes alunos nas disciplinas de portugus e matemtica, fornecidas pela

professora, e tambm foram utilizados os resultados dos instrumentos neuropsicolgicos

aplicados.

O presente trabalho pretendeu reunir testes que medissem algumas funes mentais

superiores envolvidas na aprendizagem simblica, as quais, por estarem associadas

organizao funcional do crebro, poderiam interferir no processo de aprendizagem,

consequentemente levando a um pior, ou melhor, desempenho escolar. Focou-se a

avaliao neuropsicolgica em testes de ateno, memria e flexibilidade cognitiva, pois

estas seriam algumas funes que estariam diretamente ligadas ao processo de

aprendizagem e consequentemente ao desempenho escolar.

No que tange a testagem neuropsicolgica, os testes selecionados, aps

levantamento realizado nas literaturas internacional e nacional foram os seguintes: Span de

Dgitos, o Stroop Color and Word Test, o Continuous Performance Test (CPT II) e o Trail

Making Test (TMT). Estes testes fornecem informaes relevantes, sendo amplamente

utilizados na literatura e em ambientes clnicos como informaes adicionais na avaliao

diagnstica e no seguimento de pacientes com TDAH ou transtornos de aprendizagem.

Com o objetivo de identificar os casos de retardo mental (patologia tambm fortemente

associada a problemas de ateno, hiperatividade e impulsividade), foi utilizado o Teste

Matrizes Progressivas Coloridas de Raven para avaliar a capacidade intelectual.

1.3. Objetivo geral

Verificar correlaes entre (a) resultados da bateria de instrumentos

neuropsicolgicos com (b) desempenho escolar medido pelo professor atravs das notas das

crianas da terceira srie do ensino fundamental.

1.4. Objetivos especficos

13 5

1. Investigar se existe correlao entre desempenho escolar em matemtica e

desempenho na bateria de testes neuropsicolgicos.

2. Investigar se existe correlao entre desempenho escolar em portugus e

desempenho na bateria de testes neuropsicolgicos.

3. Verificar quais os domnios neuropsicolgicos mais associados a um pior

desempenho escolar medido pela professora atravs das notas em portugus e matemtica.

14 5

II - MTODO

2.1. Participantes

As crianas selecionadas para participarem deste estudo pertenciam a uma amostra

de um estudo maior: Aumentando a conscientizao sobre transtornos de aprendizagem e

transtorno de dficit de ateno/hiperatividade: uma interveno em ambiente escolar. A

amostra foi composta por crianas de ambos os sexos, com idades entre 8 e 12 anos,

estudantes da terceira srie do ensino fundamental provenientes de quatro escolas da rede

pblica de Porto Alegre.

O critrio de incluso da amostra foram todas as crianas que estudavam em escolas

que utilizavam um sistema de notas escolares, em portugus e matemtica, fornecidos pelo

professor no final do ano letivo e que realizaram toda a bateria de testes neuropsicolgicos

e avaliao de potencial cognitivo.

Os critrios de excluso da amostra foram todas as crianas de uma das escolas que

no utilizava um sistema de notas em portugus e matemtica ou que apresentaram escores

abaixo de 25% (definitivamente abaixo da mdia na capacidade intelectual) no teste de

Matrizes Progressivas Coloridas.

A amostra iniciou com 122 crianas, sendo que os pais de 16 indivduos no

responderam ou autorizaram a participao dos seus filhos, restando, portanto 106 alunos.

Este total realizou toda a bateria neuropsicolgica, porm 34 alunos, que eram de uma

mesma escola, no foram avaliadas pelo sistema de notas no final do ano, sendo excludos

da amostra final e 1 criana foi transferida depois de ter realizado os testes e no concluiu o

ano. Das 70 crianas restantes, 4 foram excludas por no preencheram o mnimo

necessrio no teste de Matrizes Progressivas Coloridas, estando definitivamente abaixo da

mdia na capacidade intelectual. A amostra final foi composta de 66 crianas que

preencheram todos os critrios para anlise.

2.2 Delineamento

15 5

Foi realizado um estudo transversal de associao, correlacionando o desempenho

escolar em portugus e matemtica, medido atravs das notas fornecidas pelo professor e

escores padronizados gerados pelos testes neuropsicolgicos.

2.3. Instrumentos

A bateria de testes neuropsicolgicos aplicada nas crianas foi composta por alguns

instrumentos, tais como: Teste das Matrizes Progressivas Coloridas (Coloured Progressive

Matrices CPM); Trail Making Test (TMT); Stroop Color and Word Test Golden

Version, Span de dgitos (Wechsler memory scale-revised WMS-R), Continuous

Performance Test (CPT II) e Benton Visual Retention Test (BVRT).

- Matrizes Progressivas Coloridas. Esta escala foi construda para avaliar em maior

detalhe os processos intelectuais de crianas na faixa de 5 a 11 anos, de deficientes mentais

e de pessoas idosas. dividida em trs sries: A, Ab, e B, cada uma com 12 problemas. As

trs sries em conjunto oferecem trs oportunidades para que uma pessoa desenvolva uma

forma consistente de pensamento. E a escala de trinta e seis itens como um todo planejada

para avaliar to precisamente quanto possvel o desenvolvimento mental at a maturidade

intelectual. Este teste constitui um bom preditor da capacidade de raciocnio e de resoluo

de problemas de diversos graus de complexidade. uma prova de raciocnio indutivo ou

analgico (Raven, 1988).

- Span de Dgitos. Tanto no WISC-III quanto no WAIS-III (Weschsler, 2002), o subteste

Dgitos composto de oito sries para ordem direta e sete para inversa, havendo um

aumento gradual da quantidade de dgitos em cada srie. A ordem direta aplicada em

primeiro lugar, seguida pela inversa, que administrada independentemente se o

examinando fracassa totalmente na ordem direta. Cada item formado de dois conjuntos de

dgitos constituindo em duas tentativas, sendo ambas aplicadas. A pontuao mxima no

16 5

subteste de 30 pontos, sendo que o resultado bruto mximo na ordem direta de 16

pontos enquanto na ordem inversa de 14 pontos. Este teste tem por objetivo avaliar a

amplitude de memria verbal imediata e controle mental. um subteste dividido em duas

etapas. Na primeira (ordem direta), pede-se ao sujeito que repita sries crescentes de

nmeros na mesma ordem que lhe so fornecidas; na segunda (ordem inversa), pede-se que

o sujeito repita as sries na ordem inversa da que so apresentadas. A Memria de Dgitos

na Ordem Direta mede a memria auditiva seqencial e bastante sensvel capacidade de

escuta e s flutuaes da ateno. Quando o sujeito repete todos os nmeros, mas no na

ordem em que eles lhe foram apresentados, trata-se especificamente de capacidade de

evocao seqencial em modalidade auditiva e no de um dficit de natureza mnmica ou

atencional. A Memria de Dgitos no Sentido Inverso mede a capacidade de memria de

trabalho. Esta tarefa geralmente mais difcil que a precedente. esperado que o resultado

na Ordem Inversa seja um ou dois pontos inferiores ao obtido na Ordem Direta. Um

resultado (excepcional) igual ou superior na Ordem Inversa parece indicativo do recurso a

excelentes estratgias executivas e da utilizao preferencial de um modo de evocao

visual (que substitui uma ateno auditiva enfraquecida), (Cunha, 2003).

Tempo de aplicao: de 5 a 10 minutos.

- TMT. Instrumento subdividido em duas partes. A parte A que composta por diversos

estmulos espalhados (crculos que no seu interior possuem nmeros de 1 a 25)

aleatoriamente em uma folha de papel, em que o participante deve lig-los no menor tempo

possvel em ordem crescente. A parte B tambm estruturada por diversos estmulos

dispersos em uma folha de papel (crculos que no seu interior possuem ou nmeros de 1 a

13 ou letras de A at M), os quais o participante deve lig-los no menor tempo possvel

alternando entre a sequncia numrica em ordem crescente e a sequncia alfabtica. Esse

instrumento avalia as seguintes funes neuropsicolgicas: na parte A rastreio visual

complexo e velocidade motora e, na parte B, processos executivos tais como a

capacidade inibitria e a alternncia cognitiva (Lezak, 1995).

Tempo de aplicao: de 5 a 10 minutos.

17 5

- Stroop Color and Word Test Golden Version. um teste que avalia a ateno seletiva e

flexibilidade cognitiva que permitem que se inibam respostas impulsivas ou firmemente

estabelecidas em prol da instruo oferecida. O teste composto por trs cartes diferentes,

cada um com 100 itens, disposto em 5 colunas e 20 linhas. So apresentados 3 cartes ao

sujeito, sendo que no primeiro o sujeito deve ler o mais rapidamente possvel as palavras

que aparecem de uma srie de palavras impressos em uma folha (carto I) num tempo de

45 segundos, depois deve dizer as cores em que as letras X so impressas em uma segunda

folha (carto II) e, finalmente, dizer as cores das tintas em que nomes conflitantes de cores

so escritos como, por exemplo, a palavra ROSA impressa em tinta azul (carto III) . O

carto I avalia ateno focal, uma vez que no h presena de distratores. Os escores so

atribudos mediante o nmero de itens lidos em cada parte, num tempo estipulado de 45

segundos. Tempo de aplicao de aproximadamente 5 minutos, sendo 45 segundos de

aplicao para cada carto (Strauss & Sherman, 2006).

Como o instrumento ainda no se encontra validado para a populao brasileira,

foram utilizados nas trs partes os escores brutos.

- BVRT. um teste neuropsicolgico que avalia memria imediata e viso-espacial. Este

teste composto de formas A e C de administrao, sendo cada uma composta de 10

lminas, que sero apresentadas ao sujeito com estmulos visuais que sero reproduzidos.

Na forma A apresenta-se cada figura e pede-se que o sujeito memorize o desenho por 10

segundos e em seguida cobre-se o desenho com uma folha divisria e pede-se que ele

reproduza o que viu. Cronometra-se o tempo que o sujeito leva para executar as 10 lminas.

Na forma C mostra-se a figura e pede-se que o sujeito copie o desenho o mais parecido

possvel, logo aps ser mostrado o estmulo. Cronometra-se o tempo total que o sujeito leva

para reproduzir os 10 cartes (Casanova,2004).

- CPT II. Este teste avalia a capacidade de ateno sustentada. uma prova informatizada

em que o sujeito deve pressionar uma tecla (barra de espao) cada vez que aparecer

qualquer letra, exceto a letra X. A prova consta de seis blocos, cada um deles com trs

partes de 20 letras. Para cada bloco, as partes contam com diferentes intervalos entre os

18 5

estmulos: 1, 2 ou 4 segundos. A ordem dos intervalos entre estmulos varia entre blocos.

Cada letra apresentada durante 250ms. Tempo de administrao total de 14 minutos.

(Casanova, 2004).

- Desempenho escolar medido pelo professor (DEMP). Este desempenho foi medido pela

nota fornecida, pelos professores de cada turma, nas disciplinas de portugus e matemtica,

sem que os mesmos soubessem que estas seriam solicitadas no final do ano.

2.4. Procedimentos

Cada criana que participou deste estudo, num primeiro momento, fez parte de um

estudo maior citado anteriormente, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento

Cientfico e Tecnolgico (CNPq) e aprovado pelo Comit de tica do Hospital de Clinicas

de Porto Alegre (HCPA) sobre o nmero 09 074.

O presente estudo foi classificado como de risco baixo, de acordo com a Resoluo

196/96 e de acordo com as Diretrizes ticas Internacionais para a Pesquisa Envolvendo

Seres Humanos, propostas pelo CIOMS, em 1993, nos comentrios da Diretriz 1, sobre

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Os pais ou responsveis assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

(Anexo I) e as crianas avaliadas forneceram consentimento verbal para participao.

Como parte do projeto maior, todos os alunos das turmas de 3 srie do ensino

fundamental das quatro escolas selecionadas foram avaliados atravs de um questionrio de

triagem para transtornos de aprendizagem e TDAH. Aqueles que positivaram a triagem

para TAP e/ou TDAH, seja via suspeio espontnea do professor ou via instrumento,

foram convidados a continuar na pesquisa. Uma amostra aleatria de mesmo tamanho foi

selecionada entre aqueles que no positivaram a triagem. As crianas selecionadas

realizaram avaliao neuropsicolgica, psicopedaggica e psiquitrica, esta ltima atravs

da aplicao de entrevista clnica semi-estruturada (K-SADS-PL) por pesquisador mdico

treinado para avaliao de TDAH e comorbidades psiquitricas, conforme critrios

19 5

operacionais da Classificao Internacional das Doenas da Organizao Mundial da Sade

(CID-10) e o Manual e Estatstico de Transtornos Mentais da Associao Americana de

Psiquiatria (DSM-IV).

A avaliao neuropsicolgica ocorreu nas respectivas escolas em salas de aula com

iluminao apropriada e baixos nveis de rudo. Os testes foram aplicados em horrio de

aula, respeitando-se os horrios do recreio. A bateria de testes foi iniciada pela aplicao do

instrumento Matrizes Progressivas Coloridas, o qual avaliou o potencial cognitivo. Este

teste foi escolhido, em decorrncia do tempo curto de aplicao e o fato de poder ser

aplicado de forma coletiva. Foi aplicado coletivamente em grupos de no mximo 8

crianas, sendo anotado o tempo de execuo de cada aluno individualmente, seguindo-se

as instrues do manual. Posteriormente seguiu-se a aplicao individual dos testes na

seguinte ordem: Span de dgitos, TMT, Stroop Test, CPT II e BVRT.

2.5. Anlise estatstica

Foram realizadas anlises descritivas de correlao entre medidas neuropsicolgicas

e de desempenho acadmico atravs da correlao de Pearson ou de Spearman (conforme

distribuio dos dados). O coeficiente de correlao uma medida do grau de relao linear

entre duas variveis quantitativas. Este coeficiente varia entre os valores -1 e 1. O valor 0

(zero) significa que no h relao linear, o valor 1 indica uma relao linear perfeita e o

valor -1 tambm indica uma relao linear perfeita mas inversa, ou seja quando uma das

variveis aumenta a outra diminui. Quanto mais prximo estiver de 1 ou -1, mais forte a

associao linear entre as duas variveis, o tamanho da varivel indica a fora da correlao

(0,70 para mais ou para menos indica uma forte correlao; 0,30 a 0,7 positivo ou negativo

indica correlao moderada; 0 a 0,30 fraca correlao). O nvel de significncia aceito foi

de 0,05. Todas as anlises sero conduzidas no programa SPSS, verso 15 para Windows.

20 5

III - RESULTADOS

A amostra final estudada foi de 67 crianas, sendo 38 crianas pertencentes escola

A (56,7%), 22 da escola B (32,8%) e 7 da escola C (10,4%). A mesma foi composta de 32

meninas (47,8%) e de 35 meninos (52,02%). A mdia de idade das 67 crianas de 10,08

anos, sendo a idade mnima de 8,75 anos e a mxima de 12,67 anos (DP = 0,69). Desses 67

participantes 62 (92,5%) eram destros e 5 (7,5%) canhotos. Deste total uma aluna no

concluiu o ano, por motivo de mudana de estado, restando 66 alunos que obtiveram notas

finais em portugus e matemtica.

O sistema de notas nas disciplinas de portugus e matemtica varia de 0 a100, sendo

aprovado o aluno com mdia 50. A nota final de portugus nesta amostra variou de 15 a

100, com uma mdia de 71,77 (DP=16,90). A nota final de matemtica variou de 15 a 100,

com uma mdia de 69,92 (DP=18,51). Os escores nos desfechos neuropsicolgicos

selecionados para anlise podem ser vistos na Tabela 1.

Tabela 1. Escores mdios dos desfechos medidos (n=66)

Escore Mdia Desvio-padro Acertos Trail B 22,46 2,15 Tempo Trail B 232,75 110,54 Stroop T -3,91 5,70 Span dgitos ordem inversa 0,16 1,19 Omisses T 53,41 11,05 Comisses T 54,70 11,00 Hit reaction time T 51,81 11,55 Hit reaction time standard error T 53,98 9,48 Variability T 54,09 9,46 d prime T 59,38 51,70 bT 54,68 14,56 Perseverations T 53,53 14,58 Hit reation time block change T 51,79 11,76 Hit standard error block change T 52,86 12,31 Hit reation time ISI change T 52,23 11,27

21 5

Aps anlise do banco de dados foi observada uma correlao positiva forte (n=66;

r=0,798; p

22 5

IV - CONSIDERAES FINAIS

Estas anlises aqui apresentadas so iniciais e os dados achados se aplicam

especificamente a esta amostra, portanto com certas limitaes, visto que vrios aspectos

influenciam na nota final ou DEMP. Os processos neuropsicolgicos seriam um dos

aspectos e no o nico.

Os resultados mostraram que os desempenhos de portugus e matemtica

apresentaram uma correlao direta com memria operacional, observada no teste span de

dgitos ordem inversa. Tais dados sugerem a importncia desta funo na aprendizagem da

leitura e escrita (Crenitte, 2008), bem como na integrao necessria ao processamento

numrico e ao clculo, o que vem ao encontro dos achados da literatura (Santos, 2008).

Salles (2010), atravs de reviso na literatura relata que podem ocorrer falhas em

processos atencionais, dificuldades visuoespaciais, deficincias no processamento auditivo,

lentido de processamento e deficincias na memria de trabalho, quando as habilidades

numricas encontram-se deficitrias. Destaca tambm, que o processo de memria

operacional proposto por Baddeley, tem sido muito pesquisado, pois o mesmo estaria

diretamente ligado ao desenvolvimento de uma tarefa cognitiva, tal como leitura de um

texto ou resoluo de um problema matemtico.

Segundo Miranda (2010), uma criana entre 8 e 10 anos j apresenta um

processamento de informaes mais rpido e eficiente, ou seja, aumento da capacidade de

memria operacional, possibilitando melhor tempo de reao, ateno seletiva, recordao

e resoluo de problemas mais complexos. Portanto os dados acima encontrados mostram

que estas crianas, apesar de estarem na faixa de idade citada, ainda esto apresentando

dficits nestas funes.

Outra correlao detectada, apenas com o DEMP em matemtica, foi na funo de

ateno, principalmente a flexibilidade mental e ateno sustentada avaliada neste estudo

atravs do teste TMT e CPT II. Evidenciaram-se correlaes direta no TMT prova B em

relao ao nmero de acertos e inversa no tempo de execuo. Isto significa que quanto

maior o nmero de acertos e menor o tempo de execuo na prova B do TMT, maior o

DEMP em matemtica. No CPT II as variveis que evidenciaram correlao foram o tempo

23 5

de reao, e o erro padro do tempo de reao, sendo uma correlao inversa, ou seja,

quanto maior o tempo de reao e o erro padro do tempo de reao, menor o DEMP em

matemtica e vice-versa. Isso est de acordo com a ideia de que uma maior variabilidade no

tempo de reao seja um elemento que dificulte a aprendizagem: na literatura, os escores

altos no erro padro do tempo de reao no CPT II indicam respostas altamente variveis,

geralmente relacionadas desateno (Conners, 1995). Dockrell (2000), citando Borkowski

e colaboradores (1983), destaca que os sujeitos com dificuldades de aprendizagem, em

situaes de testagem, mostram muito mais distrao em uma variedade de tarefas onde

seja medido o tempo de reao, sugerindo que os mesmos possam no conseguir se orientar

direito ou fazer discriminaes de modo sistemtico.

Cabe ressaltar que tais achados so preliminares, havendo a necessidade de se fazer

anlises adicionais, tanto do ponto de vista estatstico quanto em termos qualitativos. A

investigao de potenciais confundidores, tais como sexo, idade, inteligncia global, nvel

socioeconmico e comorbidades psiquitricas est prevista em um estudo futuro.

A prtica da avaliao neuropsicolgica tambm consegue revelar que so muitas as

causas de interferncia no desempenho escolar, como foi visto na reviso da literatura.

Portanto no basta s detectarmos as funes neuropsicolgicas que tem correlao

significativa com o baixo ou alto desempenho escolar, mas tambm estarmos atentos a

fatores intrnsecos ou extrnsecos as crianas que apresentam desempenho satisfatrio ou

no. O meio, a famlia, a escola ou o aluno, cada um tem uma parcela neste componente

final que o desempenho escolar. Porm temos certeza que pesquisas nesta rea podem

contribuir muito para que a Educao seja repensada.

24 5

REFERNCIAS

Andrade E. R. Quadro clnico do Transtorno de dficit de ateno/hiperatividade. In: Rohde

LA e Mattos P (eds.) Princpios e Prticas em TDAH. Artmed, Porto Alegre, 2003 pp.

77 -81.

Andrade V. M.; Santos, F.; Bueno, O.(2004). Neuropsicologia Hoje. So Paulo: Artmed.

Burin, D.; Drake, M.; Harris, P. (2007). Evaluacin neuropsicolgica en adultos. Buenos

Aires. Paids.

Capovilla, A. G. S; Capovilla, F. C. (2007). Teoria e pesquisa em Avaliao

neuropsicolgica. So Paulo; Memnon.

Casanova,J. P.; Fombuena, N. G.; Full, J. G.(2004). Teste NeuropsicolgicosFundamentos

para una neurologia clinica basada em evidencias. Barcelona, Masson.

Collings RD (2003). Differences between ADHD inattentive and combined types on the

CPT. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment, 25(3), 177-89.

Conselho Federal De Psicologia (2000). Realizao de pesquisa com seres humanos -

Resoluo N 016/00 de 20 de dezembro de 2000.

Conners CK, (1995). Multi-HealthSystems Staff. Conners Continuous Performance Test.

Toronto: MHS.

Correia, L. M. (1991). Dificuldades de Aprendizagem: contributos para a clarificao e

unificao de conceitos. Porto: APPORT.

Coutinho, G., Mattos, P., & Arajo, C. (2007). Desempenho neuropsicolgico de tipos

de transtorno do dficit de ateno e hiperatividade (TDAH) em tarefas de ateno

visual. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 56, 13-16.

Coutinho, G., Mattos, P., Arajo, C., & Duchesne, M. (2007). Transtorno do dficit de

ateno e hiperatividade: contribuio diagnstica de avaliao computadorizada

de ateno visual. Revista de Psiquiatria Clnica, 34, 215-222.

25 5

Crenitte, P. A. P. Disostografia na dislexia In: Sennyey, A. L.; Capovilla, F. C.; Montiel, J.

M. Transtornos de aprendizagem da avaliao reabilitao. Artes Mdicas. So

Paulo, pp. 83-87, 2008.

Cunha, J.A. ; (org.).(2003). Psicodiagnstico V. 5 ed. Porto Alegre: Artes Mdicas;

Fonseca, V. (1995). Introduo s Dificuldades de Aprendizagem. 2. ed. Porto Alegre:

Artes mdica.

Dockrell, J. ; McShane, J. (2000). Crianas com dificuldades de aprendizagem - Uma

abordagem cognitiva. Porto Alegre. Artes Mdicas.

Fonseca, V. (1995). Introduo s dificuldades de aprendizagem . Artes Mdicas: Porto

Alegre.

Fuentes, D.; Malloy, D. L. F.; Camargo, C.H.P.; Cossenza, R.M. e cols. Neuropsicologia:

Teoria e Pratica. Porto Alegre: Artmed; 2008

Gorostegui, M. E. (2007). Manejo Interdisciplinario de las Dificuldades Escolares. Tese de

doutorado. Santiago: Universidad Academia de Humanismo Cristiano.

Kebir, O., Tabbane, K., Sengupta, S., & Joober, R. (2009). Candidate genes and

neuropsychological phenotypes in children with ADHD: Review of association studies.

Journal of Psychiatry and Neuroscience, 34(2), 88-101.

Kelly, A. M. C., Margulies, D. S., & Castellanos, F.X. (2007). Recent advances in

structural and functional brain imaging studies of attention-deficit/hyperactivity

disorder. Current Psychiatry Reports, 9(5), 401-407.

Kieling, C. Associao entre genes candidatos e medidas neuropsicolgicas em crianas e

adolescentes com transtorno de dficit de ateno e hiperatividade. Tese de mestrado,

Porto Alegre, 2007.

Lesak, M. D. (1995).Neuropsychological assessmente (3rd ed). New York: Oxford

University Pree.

Mello, C. B.; Miranda, M. C.; Muszkat, M. (2006). Neuropsicologia do Desenvolvimento -

Conceitos e Abordagens 1 ed. So Paulo, .Memnon Edies Cientficas

26 5

Miranda, M. C.; Borges, M.; Rocca, C. C. A. (2010). Avaliao Neuropsicolgica Infantil

In: Malloy-Diniz, L.F.; Fuentes, D.; Mattos, P.; Abreu, N. e colaboradores. (2010).

Avaliao Neuropsicolgica. Porto Alegre. Artmed.

Miranda, M. C. ; Muszkat, M.(2004) Neuropsicologia do desenvolvimento In:

Neuropsicologia Hoje.So Paulo. Artes Mdicas.

Monedero , C. (1984). Dificultades de aprendizaje escolar. Madrid: Ediciones Pirmide.

Moojen, S.M.; Dorneles, B.V.; Costa, A. (2003). Avaliao psico-pedaggica no TDAH.

In: Rohde LA e Mattos P (eds.). Princpios e Prticas em TDAH. Artmed, Porto

Alegre, pp.107-16.

Noffs, M, H.; Magila, M. C.; Santos, A. R.; Ortiz K.Z. & organizadores. (2008). Avaliao

Neuropsicolgica: Panorama interdisciplinar dos estudos na normatizao e validao

de instrumentos no Brasil; So Paulo, Vetor Editora.

Pastura, G.M.; Mattos, P.; Arajo, C.A.P. (2005) Desempenho escolar e transtorno de

dficit de ateno e hiperatividade. Revista de Psiquiatria Clnica; vol. 32; n 6; p.324-

329.

Primi R, Almeida LS. (2000). Estudo de validao da bateria de provas de raciocnio

(BPR-5). Psic Teor Pesq.16(2):165-73.

Raven, J.C; Raven, J. & Court, J.H. (1988). Matrizes Progressivas Coloridas de Raven.

Manual. So Paulo: Casa do Psiclogo.

Rohde, L. A.; Mattos, P. & colaboradores. (2003). Princpios e prticas em TDAH. Editora

Artmed. Porto Alegre.

Rotta, N.T.,Ohlweiler, L.& Riesgo, R. S. (2006) Transtornos da Aprendizagem -

Abordagem neurobiolgica e multidisciplinar. Porto Alegre: Artmed.

Santos F.H. (2006). Neuropsicologia do Desenvolvimento - Conceitos e Abordagens 1 ed.

So Paulo, .Memnon Edies Cientficas. p 79-81.

Santos, F. H. ; Silva, P. A. Avaliao da discalculia do desenvolvimento: uma questo

sobre o processamento numrico e o clculo. In: Sennyey, A. L.; Capovilla, F. C.;

Montiel, J. M. Transtornos de aprendizagem da avaliao reabilitao. Artes

Mdicas. So Paulo, pp. 125-137, 2008.

27 5

Salles, J. F. Parente, M. A. Variabilidade no desempenho em tarefas neuropsicolgicas

entre crianas de 2 srie com dificuldades de leitura e escrita. Arquivos Brasileiros de

Psicologia, v. 60, n. 1, 2008.

Salles, J. F. ; Golbert, C. S. (2010). Desempenho em leitura/escrita e em clculos

aritmticos em crianas de 2 srie . "Psicologia Escolar e Educacional". 14

(2), ABRAPEE ,Associao Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

Sonuga-Barke, E. J. S., Sergeant, J. A., Nigg, J., & Willcutt, E. (2008). Executive

Dysfunction and Delay Aversion in Attention Deficit Hyperactivity Disorder:

Nosologic and Diagnostic Implications. Child and Adolescent Psychiatric Clinics of

North America, 17(2), 367-384.

Stefanatos, G. A., & Baron, I. S. (2007). Attention-deficit/hyperactivity disorder: A

neuropsychological perspective towards DSM-V. Neuropsychology Review, 17(1), 5-

38.

Swanson, J. M., et al. (2007). Etiologic subtypes of attention-deficit/hyperactivity disorder:

Brain imaging, molecular genetic and environmental factors and the dopamine

hypothesis. Neuropsychology Review, 17(1), 39-59.

Strauss, E., Sherman, E. M.,& Spreen, O. (2006). A Compendium of Neuropsychological

Tests: Administration, Norms andCcommentary (3 ed.). New York: Oxford University

Press.

Weschler D. (2002). WISC-III: Escala de Inteligncia Wechsler para Crianas - adaptao

brasileira da 3 edio. So Paulo: Casa do Psiclogo.

28 5

ANEXOS

29 5

HOSPITAL DE CLNICAS DE PORTO ALEGRE - HCPA

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

(OBRIGATRIO PARA PESQUISAS CIENTFICAS EM SERES HUMANOS -

RESOLUO NO 196 - CNS)

TTULO DO PROTOCOLO DE PESQUISA

Aumentando a conscientizao sobre Transtornos de Aprendizagem e Transtorno de

Dficit de Ateno/Hiperatividade: uma interveno em ambiente escolar

PESQUISADOR RESPONSVEL: LUIS AUGUSTO ROHDE

CARGO/FUNO: Professor Adjunto - Departamento de Psiquiatria - UFRGS

AVALIAO DO RISCO DA PESQUISA

RISCO MNIMO RISCO MDIO

RISCO BAIXO X RISCO MAIOR

Proposta da pesquisa

Seu filho(a) est sendo convidado(a) a participar de uma pesquisa sobre transtornos de

aprendizagem e transtorno de dficit de ateno/hiperatividade (TDAH). Se o(a) Sr.(a) der

sua autorizao para ele(a) participar da pesquisa, ele(a) ir participar de um programa de

avaliao mdica e neuropsicolgica. Voc ser convidado tambm a preencher um

questionrio e responder perguntas sobre os sentimentos e comportamentos do seu filho no

dia-a-dia.

Essa pesquisa vai ajudar os mdicos e psiclogos a conhecer melhor os problemas de sade

mental dos adolescentes e planejar estratgias de preveno. Em qualquer momento do

30 5

estudo o(a) Sr.(a) poder solicitar a sada do seu filho(a) do protocolo de pesquisa. Para

tanto, somente pedimos que seja comunicado o desligamento ao corpo clnico da pesquisa.

Benefcios

No h benefcio direto para os indivduos que participarem deste estudo alm de

possibilitar a identificao precoce de transtornos mentais. Se houver qualquer deteco de

anormalidade, vocs sero adequadamente informados e ser garantido o encaminhamento

para o servio de sade mais adequado para avaliao do achado. Sua participao ajudar

na compreenso das diferenas entre crianas com transtornos de aprendizagem e/ ou

TDAH em relao a crianas sem esses transtornos. Com isto, seu filho(a) ajudar outras

pessoas que enfrentam esses problemas.

Sigilo e privacidade

As informaes produzidas nesta tarefa sero mantidas em lugar seguro, codificadas e a

identificao s poder ser realizada pelo pessoal envolvido diretamente com o projeto.

Caso o material venha a ser utilizado para publicao cientfica ou atividades didticas, no

sero utilizados nomes que possam vir a identific-lo.

Despesas e compensaes

No h despesas pessoais para o participante em qualquer fase do estudo, incluindo exames

e consultas. Tambm no h compensao financeira relacionada sua participao.

Acredito ter sido suficientemente informado a respeito das informaes que li ou que foram

lidas para mim, descrevendo o estudo: Aumentando a conscientizao sobre Transtornos

de Aprendizagem e Transtorno de Dficit de Ateno/Hiperatividade: uma interveno em

ambiente escolar. Ficaram claros para mim quais so os propsitos do estudo, os

procedimentos a serem realizados, seus desconfortos e riscos, as garantias de

confidencialidade e de esclarecimentos permanentes. Ficou claro tambm que a minha

participao isenta de despesas e que tenho garantia do acesso a tratamento hospitalar

31 5

quando necessrio. Concordo voluntariamente na minha participao e poderei retirar o

meu consentimento a qualquer momento.

Assinatura do paciente/representante legal Data / /

Assinatura do responsvel pelo estudo Data / /

Assinatura de testemunha Data / /