mangueiras parker

Download Mangueiras Parker

Post on 10-Oct-2015

6 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Mangueiras Conceitos bsicos Presso de trabalho Mangueiras para diferentes faixas de presso Exemplo de mangueira montada Consideraes para clculo do comprimento de corte da mangueira Tabela de especifi cao de mangueiras Determinao do dimetro interno da mangueira em funo da vazo do circuito

    Conexes para mangueiras Conexes reusveis Conexes permanentes Tipos de conexes para mangueiras

    Sistema Parkrimp Equipamentos para montagem de mangueiras Componentes para prensagem

    Acessrios

    Dicas para instalao de tubos

    Dicas para instalao de mangueiras

    Anlise de falhas das mangueiras

    Mangueiras e conexes

  • 154 Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.Jacare, SP - Brasil

    Tecnologia hidrulica industrialMangueiras e conexes

    Apostila M2001-2 BR

    Informaes tcnicas

    D.N.

    Conceitos bsicos

    Mangueira (hose)

    Mangueira mede-se pelo dimetro interno real. Exceto as mangueiras construdas dentro das especificaes SAE J51, SAE 100R5 e 100R14, onde a identificao feita pelo dimetro nominal.

    D.E.

    PARFLE

    X NB-6

    -050

    D.I.

    PARKER

    301-8 S

    AE 100

    R2AT

    Mangueiras

    Tubo (tubing)

    Tubo mede-se sempre pelo dimetro externo real.

    Cano (pipe)

    Cano mede-se sempre pelo dimetro nominal.

    Linhas flexveis para conduo de fluidos

    As linhas flexveis para conduo de fluidos so necessrias na maior parte das instalaes onde a compensao de movimento e absoro de vibraes se fazem presentes.

    Um exemplo tpico de linhas flexveis so as mangueiras, cuja aplicao visa atender a trs propostas bsicas:

    1) Conduzir fluidos lquidos ou gases;

    2) Absorver vibraes;

    3) Compensar e/ou dar liberdade de movimentos.

    Size (tamanho)

    A Parker utiliza de um sistema de indicao de bitola indicada por trao.

    A bitola se refere ao dimetro interno da mangueira divido por 16.

    Esse sistema utilizado de maneira universal para indicao das bitolas de mangueiras hidrulicas.

    Trao

    Dimetro interno em pol.

    Todas, exceto mangueiras de refrigerao e automotivas

    Mangueiras de refrigerao e automotivas

    Pol. mm Pol. mm-3 3/16 5

    -4 1/4 6,3 3/16 5

    -5 5/16 8 1/4 6,3

    -6 3/8 10 5/16 8

    -8 1/2 12,5 13/32 10

    -10 5/8 16 1/2 12,5

    -12 3/4 19 5/8 16

    -16 1 25 7/8 22

    -20 1-1/4 31,5 1-1/8 29

    -24 1-1/2 38 1-3/8 35

    -32 2 51 1-13/16 46

    -40 2-1/2 63 2-3/8 60

    -48 3 76

  • 155 Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.Jacare, SP - Brasil

    Tecnologia hidrulica industrialMangueiras e conexes

    Apostila M2001-2 BR

    Informaes tcnicas

    Basicamente todas as mangueiras consistem em trs partes construtivas

    Mangueiras de borracha Mangueiras termoplsticas Material Cdigo Parker Material Cdigo Parker para seleo para seleo Nitrlica NBR Hytrel H Neoprene CR Nylon N Policloropreno PKR Teflon TFE EPDM/Butil Classe ll Uretano U Silicone - Vinil (PVC) V

    Reforo ou carcaa

    Considerado como elemento de fora de uma mangueira, o reforo quem determina a capacidade de suportar presses.

    Sua disposio sobre o tubo interno pode ser na forma tranado ou espiralado.

    Principais tipos de materiais aplicados em reforo de mangueiras

    Fios metlicos Fios txteis Ao carbono corda de piano Algodo Rayon Ao inox Polyester Kavler

    Cobertura ou capa

    Disposta sobre o reforo da mangueira, a cobertura tem por finalidade proteger o reforo contra eventuais agentes externos que provoquem a abraso ou danificao do reforo.

    Borracha Txtil Metlico Termoplstica

    Neoprene Algodo Ao galvanizado UretanoNitrlica + PVC Polyester Ao inox PVCCPE - - Nylon

    CoberturaReforo

    Tubo interno

    Tubo interno ou alma de mangueira

    Deve ser construdo de material flexvel e de baixa porosidade, ser compatvel qumica e termicamente com o fluido a ser conduzido.

    Principais materiais utilizados na confeco de tubos internos

    Classificao das mangueiras

    A Sociedade dos Engenheiros Automotivos Americanos (Society of Automotive Engineers - SAE), ao longo do tempo tem tomado a dianteira na elaborao de normas construtivas para mangueiras, e por ser pioneira e extremamente atuante, as especificaes SAE so amplamente utilizadas em todo o mundo.

    As especificaes construtivas das mangueiras permitem ao usurio enquadrar o produto escolhido dentro dos seguintes parmetros de aplicao:

    Capacidade de presso dinmica e esttica de trabalho; Temperatura mnima e mxima de trabalho; Compatibilidade qumica com o fluido a ser conduzido; Resistncia ao meio ambiente de trabalho contra a ao do oznio (O3), raios ultravioleta, calor irradiante, chama viva, etc.; Vida til das mangueiras em condies dinmicas de trabalho (impulse-test); Raio mnimo de curvatura.

    Materias utilizados na confecode mangueiras

    de fundamental importncia que a mangueira selecionada seja compatvel com os fluidos a serem conduzidos. Portanto, consulte o catlogo e assegure que os fluidos sejam compatveis com o tubo interno e a cobertura da mangueira.

    NBR, Nitrlica, Buna-N Excelente resistncia a leo e combustveis; Baixa resistncia ao tempo e interpries; Freqentemente misturado com PVC para uso como cobertura; Usualmente utilizados em mangueiras para uso geral, combustveis e hidrulica.

  • 156 Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.Jacare, SP - Brasil

    Tecnologia hidrulica industrialMangueiras e conexes

    Apostila M2001-2 BR

    Informaes tcnicas

    Neoprene Excelente resistncia abrases e ao tempo; Boa resistncia chama; Boa resistncia a leo; Usualmente utilizado como cobertura e tubo interno de mangueiras hidrulicas.

    PKR/CPE Excelente resistncia a leos e combustveis; Excelente resistncia temperatura (-46C a 150C); Boa resistncia qumica; Resistncia interpries.

    EPDM / BUTIL Boa resistncia interpries, aquecimento e ao tempo; Moderada resistncia qumica; No resistente chama e leo; Uso comum em mangueiras para uso geral, vapor e em mangueiras mais baratas para conduo de fluidos qumicos.

    Silicone No transfere cheiro e gosto ao sistema; Boa resistncia qumica; Resistente a ozonio e raios ultravioletas; No condutivo; Excelente resistncia temperatura (-17C a 315C).

    Principais tipos de mangueiras de borracha

    Aplicao Norma Reforo Cobertura Interno Cdigo Parker Baixa presso, gua/leo/ar - 250 psi Push-Lok Um tranado txtil Borracha Real 801 Baixa presso, gua/leo/ar - 300 psi Push-Lok Um tranado txtil Borracha Real 831/JIFFY Baixa presso, gua/leo/ar - 300 psi

    Push-Lok Um tranado txtil Borracha isenta

    Real 837BM No condensa com gua gelada de silicone Baixa presso, gua/leo/ar - 250 psi

    Push-Lok Um tranado txtil Borracha Real 836 Alta temperatura - PKR Baixa presso, gua/leo/ar - 250 psi

    Push-Lok Um tranado txtil Tranado txtil Real 821 / 821FR Resistente chama - 821FR Baixa presso SAE 100R3 Dois tranados txteis Borracha Real 601 Suco SAE 100R4

    Um tranado txtil, fio de Borracha Real 811 / 881 ao em forma helicoidal

    Mdia presso SAE 100R5 Um tranado txtil Um tranado

    Nominal 201 Um tranado de ao txtil Mdia presso, alta temperatura - PKR SAE 100R5

    Um tranado txtil Um tranado Nominal 206 Um tranado de ao txtil

    Mdia presso SAE 100R1AT

    Um tranado de ao Borracha Real 421SN EN 853-1SN

    Mdia presso DIN 20022-1SN

    Um tranado de ao Borracha Real 481 EN 853-1SN Mdia presso, alta temperatura SAE 100R1AT Um tranado de ao Borracha Real 426 Mdia presso, cobertura metlica

    SAE 100R1AT Um tranado de ao Tranado arame

    Real 421WC Tranado arame galvanizado galvanizado Alta presso, construo compacta SAE 100R16

    Um ou dois tranados Borracha Real 431 compactos de ao

    Alta presso

    SAE 100R2AT Dois tranados de ao Borracha Real 301SN EN 853-2SN

    Alta presso

    DIN 20022-2SN Dois tranados de ao Borracha Real 381 EN 853-1SN

    Mdia e alta presso, classe 3.000 psi SAE 100R17 Um ou dois tranados de ao Borracha Real 451TC constante e cobertura resistente abraso

    Alta presso ester fosfato SAE 100R2AT Dois tranados de ao Borracha Real 304 Super alta presso SAE 100R12 Quatro espirais de ao Borracha Real 77C/721TC Super alta presso, fluido sinttico SAE 100R12 Quatro espirais de ao Borracha Real 772TC Extra super alta presso SAE 100R13 Quatro ou seis espirais de ao Borracha Real 78C/781/P35 Extra super alta presso, fluido sinttico SAE 100R13 Quatro ou seis espirais de ao Borracha Real 782TC Extra super alta presso DIN 20023-4SP Quatro espirais de ao Borracha Real 701 Extra super alta presso DIN 20023-4SH Quatro espirais de ao Borracha Real 731 Extra super alta presso SAE 100R15 Seis espirais de ao Borracha Real 791TC Extra super alta presso, fluido sinttico SAE 100R15 Seis espirais de ao Borracha Real 792TC Refrigerao industrial - R134 SAE J2064 Um tranado txtil Tranado txtil Nominal 244 Refrigerao industrial - R134 SAE J2064 Um tranado txtil Borracha Nominal 285

    Combustvel, freio a ar, motores diesel SAE J1402 Um tranado txtil

    Tranado txtil Nominal 213 Um tranado de ao

    GLP UL21 Um tranado txtil

    Tranado txtil Nominal SS25UL Um tranado de inox

  • 157 Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.Jacare, SP - Brasil

    Tecnologia hidrulica industrialMangueiras e conexes

    Apostila M2001-2 BR

    Informaes tcnicas

    Presso de trabalho

    A presso de trabalho indicada em catlogo DINMICA e seu coeficiente de segurana geralmente 4:1. As mangueiras operando sob presses superiores presso dinmica de trabalho tero sua vida sensivelmente reduzida, mesmo que em baixas freqncias de picos de presso.

    A presso ESTTICA corresponde a duas vezes a presso dinmica de trabalho e utilizada nos testes

    hidrostticos ps-produo da mangueira, ou teste no destrut