geo 6 forma§£o das rochas sedimentares (meteoriza§£o)

Download Geo 6   forma§£o das rochas sedimentares (meteoriza§£o)

Post on 13-Jan-2015

3.883 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. Rochas Sedimentares -Meteorizao

2. Nuno Correia 10/11 2 3. Nuno Correia 10/11 3 4. Nuno Correia 10/11 4 5. Nuno Correia 10/11 5 6. Nuno Correia 10/11 6 7. Rochas Magmticas MetamrficasMeteorizaoErosoSedimentares Sedimentares DiagneseSedimentaoTransporte Nuno Correia 10/117 8. Nuno Correia 10/11 8 9. Nuno Correia 10/11 9 10. Por onde ocorre a infiltrao da gua no macio grantico?Nuno Correia 10/11 10 11. As diclases (fracturas) formam-se quando os materiais que se encontravam por cimaso removidos, permitindo reduzir a presso. A que tipo de meteorizao corresponde? Nuno Correia 10/1111 12. Qual o papel das diclases na rea de contacto entre a rocha e os fluidos (gua, por exemplo)Nuno Correia 10/1112 13. Nuno Correia 10/11 13 14. Onde ocorre meteorizao qumica mais intensa?Nuno Correia 10/11 14 15. Quais so os minerais que so alvo de uma meteorizao maior? Nuno Correia 10/11 15 16. BiotiteFeldspatosQuartzoSerra da Freita Nuno Correia 10/11 16 17. Biotite Feldspato Quartzo Alterao Nuno Correia 10/11 17 18. BiotiteArgilaQuartzo (Caulinite) Feldspatos.....Nuno Correia 10/1118 19. Nuno Correia 10/11 19 20. Nuno Correia 10/11 20 21. Serra da FreitaNuno Correia 10/11 21 22. Nuno Correia 10/11 22 23. Quais os componentes mais facilmente removidos pela eroso?Nuno Correia 10/1123 24. Em que medida a meteorizao qumica e mecnica se complementam?Nuno Correia 10/11 24 25. Explique sucintamente como ocorre a formao de caos de blocos?Nuno Correia 10/1125 26. Serra da FreitaNuno Correia 10/11 26 27. O granito considerado uma rocha resistente meterorizao. Comente a veracidade destefacto.Nuno Correia 10/1127 28. Serra da Estrela Nuno Correia 10/11 28 29. Qual a importncia da meteoriziao na formao do solo?Nuno Correia 10/11 29 30. Nuno Correia 10/11 30 31. Nuno Correia 10/11 31 32. Nuno Correia 10/11 32 33. Nuno Correia 10/11 33 34. Nuno Correia 10/11 34 35. Nuno Correia 10/11 35 36. Nuno Correia 10/11 36 37. Nuno Correia 10/11 37 38. Nuno Correia 10/11 38 39. Os vrtices desaparecem, as arestas suavizam-se, e os blocos tornam-searredondados. A forma mantm-se, porque a energia de ataque fica uniformentedistribuda por toda a superfcie. Nuno Correia 10/1139 40. Nuno Correia 10/11 40 41. Nuno Correia 10/11 41 42. O granito nodular da Castanheira contemporneo do granito da Serra da Freita.Apresenta abundantes ndulos biotticos, de forma discide e biconvexos,que se encontram mais ou menos alinhados, caracterizando-se mineralogicamente porapresentar quartzo, ortoclase, albite, biotite e moscovitePor aco da eroso, os ndulos so libertados e acumulam-se no solo, deixandona rocha uma cavidade cujas paredes esto revestidas por uma capa biottica. Por estemotivo, os camponeses da regio chamam rocha a pedra que pare pedra 43. Em torno das rochas sujeitas a importantes variaes de temperatura formam-seaurolas de cascalhos, que por aco gravtica se depositam nas imediaes dasrochas. Nuno Correia 10/1146 44. Nuno Correia 10/11 47 45. Nuno Correia 10/11 48 46. Nuno Correia 10/11 49 47. Nuno Correia 10/11 50 48. Nuno Correia 10/11 51 49. Nuno Correia 10/11 52 50. Nuno Correia 10/11 53 51. Nuno Correia 10/11 54 52. Nuno Correia 10/11 55 53. Nuno Correia 10/11 56 54. Nuno Correia 10/11 57 55. Nuno Correia 10/11 58 56. No caso do magma, o arrefecimento brusco tende a formar juntas com padres regulares, normalmente prismticos. Nos basaltos estas diaclases do origem formao de disjuno colunar ou prismtica, mundialmente conhecidas atravs de imagens da Calada dos Gigantes, em Antrim, na Irlanda do Norte, ou na Gruta de Fingal, na Esccia.Nuno Correia 10/11 59 57. Nuno Correia 10/11 60 58. TafoniSerra da FreitaNuno Correia 10/1161 59. Nuno Correia 10/11 62 60. Ainda no muito bem compreendida a sua origem.Existe, no entanto, algum consenso que resultam dameteorizao inicial ao longo das juntas, fracturas ououtras linhas mais frgeis, especialmente nas zonas ondea gua pode residir. Pensa-se que as depresses vo sendoalargadas atravs da progressiva descamao dassuperfcies interiores e a sua desintegrao granular,provavelmente como resultado da cristalizao domaterial salino dissolvido a partir da rocha, transportadopelo vento para a rocha, ou pelo salpico sobre a rocha porgua do mar. O processo de endurecimento da superfcieexterna comum, mas as paredes que se vo separandodas cavidades no so alteradas. Provavelmente omaterial descamado das cavidades acaba por serremovido pelo vento.Tafoni Alpalho Nuno Correia 10/1163 61. Disjuno esferidalNuno Correia 10/1164 62. Nuno Correia 10/11 65 63. Nuno Correia 10/11 66 64. Nuno Correia 10/11 67 65. Nuno Correia 10/11 68 66. Nuno Correia 10/11 69 67. Nuno Correia 10/11 70 68. Nuno Correia 10/11 71 69. Nuno Correia 10/11 72 70. Nuno Correia 10/11 73 71. Mg2SiO4 + 4CO2 + 4H2O 2Mg2+ + 4HCO3- + H4SiO4Nuno Correia 10/1174 72. Nuno Correia 10/11 75 73. Nuno Correia 10/11 76 74. Monument Valley Arizona(E.U.A)Nuno Correia 10/11 77 75. Ocorrem modificaes estruturais na redecristalina destes minerais. PiroxenaHematite Nuno Correia 10/1178 76. Nuno Correia 10/11 79 77. Nuno Correia 10/11 80 78. Nuno Correia 10/11 81 79. Nuno Correia 10/11 82

Recommended

View more >