edio 05 maio - ??insumos bsico indstria servios agronegcio ... (senar-ar/mg), ... 2012 10.994...

Download Edio 05 Maio -  ??Insumos Bsico Indstria Servios Agronegcio ... (Senar-AR/MG), ... 2012 10.994 58.858 38.697 47.102 155.651

Post on 10-Feb-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Edio05Maio

  • Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG Balana Comercial

    3

  • Exportaes

    As exportaes do agronegcio mineiro totalizaram US$ 2,3 bilhes, no acumulado de janeiro a abril de 2016, retrao de 3,6% no valor e acrscimo de 45,39% no volume, frente ao resultado do acumulado do ano anterior. 153 pases compraram de Minas Gerais. A China mantm o posto mais alto no ranking dos principais compradores, somando US$ 415,4 milhes.

    O grupo Caf e seus derivados continuou na liderana dos produtos mais vendidos, com US$ 1,1 bilho. Em relao ao volume, foram comercializadas 7,1 milhes de sacas, variao positiva de 8,1%, em relao ao mesmo perodo de 2015. A Alemanha comprou US$ 213,3 milhes, o que representou 20,0% das compras desse item.

    O grupo Complexo Soja obteve grande destaque no acumulado do ano, tendo em vista que saltou da 5 para a 2 posio do ranking de principais produtos vendidos. Foram obtidos US$ 372,7 milhes e 1,0 milho de toneladas, representando acrscimo de 95,9% e 128,7%, respectivamente. As compras chinesas foram responsveis por 80,7% do montante total, gerando divisas de US$ 300 milhes.

    O grupo Carnes ocupou o terceiro lugar com US$ 260,4 milhes e obteve forte recuperao nas vendas de todas as principais carnes comercializadas por Minas Gerais. A carne bovina registrou US$ 132,4 milhes, valorizao de 20,9%, frente ao comercializado no acumulado de janeiro a abril de 2015. O bom desempenho das vendas de carne bovina pode ser explicado pelo retorno ao posto de principal comprador de Hong Kong, superando a China, e obtendo US$ 29,3 milhes.

    Complexo Sucroalcooleiro ocupou o quarto lugar no ranking dos produtos mais vendidos, alcanando US$ 222,7 milhes, acrscimo de 13,7,0% no valor, em comparao com o mesmo perodo de 2015.

    Produtos Florestais ocupou a quinta posio com US$ 198,9 milhes, referente principalmente s vendas de celulose, com US$ 195,8 milhes.

    Importaes

    As importaes de produtos do agronegcio somaram US$ 152,9 milhes, decrscimo de 4,8% em comparao ao acumulado de janeiro a abril de 2015. As compras externas do setor representaram 6,8% das importaes de todos os setores da economia mineira. Os principais mercados de origem dos produtos desembarcados em Minas Gerais foram: Argentina, Paraguai e Holanda. As vendas argentinas atingiram US$ 53,0 milhes. Os principais produtos advindos desta parceria foram as preparaes para alimentao infantil e chocolate.

    O grupo Cereais, Farinhas e Preparaes foi o principal item importado por Minas Gerais, com valor de US$ 52,4 milhes. Em sequncia, configuraram: Cacau e seus Produtos, com montante de US$ 19,4 milhes; Produtos Hortcolas, Leguminosas, Razes e Tubrculos com valor de US$ 17,0 milhes e Pescados, com montante de US$ 11,3 milhes.

    Saldo da balana comercial

    A diferena entre as exportaes e as importaes do agronegcio de Minas Gerais foi de US$ 2,1 bilhes, retrao de 3,45% ante o valor apurado de janeiro a abril de 2015.

    .

    4

  • Agroclimatologia

    Lucola Murta E-mail: luciola.murta@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 Belo Horizonte/MG

    ALGODO

    5

    PibdoAgronegcio

  • 1,00%

    0,50%

    0,00%

    0,50%

    1,00%

    1,50%

    2,00%

    Insumos Bsico Indstria Servios Agronegcio

    Pecuria Agricultura Agronegciototal

    O Produto Interno Bruto do agronegcio mineiro, estimado pelo Centro de estudos Avanados em

    Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, com apoio da Secretaria de Estado da Agricultura,

    Pecuria e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), da Federao da Agricultura e Pecuria de

    Minas Gerais (Faemg) e do Servio Nacional de Aprendizagem Rural Administrao Regional

    de Minas Gerais (Senar-AR/MG), est estimado para o ano em R$ 185,66 bilhes (a preos

    2016). Desse montante 38,9% concentram nos segmentos bsico, 30,8% servios, 24,4%

    industrial e 5,9% insumos. A estimativa da gerao de riqueza do agronegcio, em 2016, 0,78%

    superior ao alcanado em 2015. Nessa expectativa R$ 92,46 bilhes ou 49,8% se referem ao

    ramo da agricultura e R$ 93,20 bilhes ou 50,2%, da pecuria.

    O ramo agrcola, formado pelo conjunto das cadeias produtivas da agricultura, apresentou crescimento de 1,67% em janeiro de 2016. Esse resultado reflexo das elevaes nos

    segmentos de insumos (0,84%), bsico (1,42%), indstria (1,86%) e servios (1,75%). J para a

    pecuria, a projeo apontou retrao de 0,09% em janeiro de 2016, com alta registrada apenas no segmento de insumos (0,32%) e queda nos demais segmentos: bsico (-0,03%), que tem

    maior participao no PIB do ramo, indstria (0,46%) e servios (0,17%), tendo sido considerada

    apenas variaes nos preos para algumas atividades do ramo, devido indisponibilidade das

    variaes de volumes.

    O PIB do agronegcio de Minas Gerais, com base em clculos de janeiro/16, passa a ter uma

    participao de 13,72% no PIB brasileiro do agronegcio. Entre os setores, todos apresentaram

    elevao de participao na comparao com os segmentos no contexto nacional. Insumos ficou

    com 12,17%; bsico, 15,21%; indstria, 12,21% e servios, 13,71%. No ambiente econmico,

    2016 teve um incio conturbado em meio ao campo de incerteza provocado pela crise em mbitos

    poltico e macroeconmicos. O mercado prev reduo de 3,88% do PIB brasileiro, elevao da

    dvida lquida do setor pblico, taxa de cmbio elevada e ndices de preo em patamares

    elevados. A taxa de desocupao tem sido crescente e atingiu 9% no ltimo trimestre de 2015,

    segundo dados do IBGE. A combinao de presso inflacionria, desemprego crescente e as

    taxas de juros elevadas vm deteriorando o poder de compra dos consumidores, prejudicando

    investimentos e, consequentemente, setores ligados s cadeias do agronegcio, notadamente os

    mais dependentes de consumo interno.

    TaxadecrescimentodoPIBdoagronegciomineiroemjaneirode2016(%)

    6

  • PIBdoagronegciodeMinasGeraisde2002a2016(R$milhesde2016) AGRONEGCIO

    INSUMO BSICO INDSTRIA SERVIOS TOTAL 2002 5.843 36.073 20.832 27.393 90.141 2003 6.690 37.302 22.797 29.087 95.876 2004 7.214 44.486 22.209 31.432 105.342 2005 7.306 38.924 23.549 30.320 100.098 2006 7.117 44.586 28.559 35.342 115.603 2007 8.087 47.174 29.856 37.583 122.700 2008 10.735 53.687 30.276 40.370 135.068 2009 9.754 49.087 31.924 39.541 130.306 2010 9.092 55.252 38.939 46.150 149.434 2011 10.819 65.346 39.903 50.348 166.417 2012 10.994 58.858 38.697 47.102 155.651 2013 10.221 66.011 41.860 52.201 170.292 2014 10.380 73.024 42.698 55.717 181.818 2015 10.819 71.990 44.736 56.678 184.222 2016 10.879 72.259 45.381 57.139 185.658

    AGRICULTURA INSUMO BSICO INDSTRIA SERVIOS TOTAL

    2002 2.769 14.142 16.829 15.009 48.750 2003 3.205 13.595 18.673 15.923 51.396 2004 3.518 15.601 17.863 16.136 53.119 2005 3.397 14.946 18.997 16.588 53.928 2006 3.176 14.774 24.101 19.586 61.636 2007 3.887 14.143 24.374 19.530 61.933 2008 5.389 17.339 24.364 20.637 67.729 2009 4.507 15.701 26.347 21.254 67.809 2010 3.972 18.479 32.954 26.181 81.586 2011 4.732 22.116 33.918 28.025 88.791 2012 4.870 22.571 33.014 27.641 88.095 2013 4.429 20.273 35.055 28.064 87.821 2014 4.578 19.511 34.998 27.765 86.851 2015 4.878 20.206 36.778 29.074 90.936 2016 4.919 20.493 37.461 29.583 92.455

    PECURIA INSUMO BSICO INDSTRIA SERVIOS TOTAL

    2002 3.074 21.931 4.003 12.384 41.392 2003 3.485 23.707 4.124 13.164 44.480 2004 3.696 28.885 4.346 15.296 52.223 2005 3.909 23.978 4.552 13.732 46.170 2006 3.941 29.812 4.458 15.756 53.966 2007 4.201 33.031 5.482 18.053 60.767 2008 5.346 36.348 5.912 19.733 67.339 2009 5.247 33.385 5.578 18.287 62.497 2010 5.120 36.774 5.985 19.969 67.848 2011 6.087 43.231 5.985 22.324 77.626 2012 6.124 36.287 5.683 19.461 67.555 2013 5.792 45.738 6.805 24.137 82.472 2014 5.802 53.514 7.700 27.952 94.967 2015 5.941 51.784 7.957 27.604 93.286 2016 5.960 51.766 7.920 27.557 93.203

    7

  • Jos Alberto de vila Pires E-mail: xapeco@emater.mg.gov.br Fone: (031) 3349 8116 / Belo Horizonte - MG BOI

    8

  • PRESSO DE BAIXA Presso de baixa para os preos da arroba do boi gordo em Minas Gerais, na semana de 28 de

    abril a 04 de maio, segundo o levantamento da EMATER/MG. Maioria dos negcios a R$

    140,00/142,00 por arroba.

    O Grfico 1 mostra a evoluo dos preos pagos pela arroba do boi gordo, no Estado de So

    Paulo, de 2.014 a 2.016 (at 13 de maio).

    Para Cepea (Centro de Estudos Avanados em Economia Aplicada) da ESALQ, Piracicaba, So

    Paulo, do dia 05 de maio/2.016, os preos do boi gordo esto em queda no mercado interno

    neste incio de maio. Entre 27 de abril e 4 de maio, o Indicador do boi ESALQ/BM&FBovespa caiu

    1,7%, fechando a R$ 153,15 no dia 04/maio. No mercado atacadista de carne, os valores tambm

    esto em queda. Em sete dias, a carcaa casada do boi negociada no mercado atacadista da

    Grande So Paulo se desvalorizou 1,88%, indo para R$ 9,77/kg. Segundo SAFRAS & Mercado

    (04/maio), os preos do boi gordo ficaram de estveis a mais baixos no mercado fsico brasileiro.

    Os preos seguem com vis de baixa. A oferta de animais terminados ainda cresce em bom ritmo,

    sinal que os preos de balco tendem a ceder ainda mais, mesmo durante a primeira quinzena do

    ms, perodo que tradicionalmente conta com maior apelo ao consumo. O clima seco e frio

    acelera a deteriorao das pastagens, situao que impossibilita a reteno dos animais no

    pasto". Cotaes do boi gordo, prazo (30 dias), no dia 04/maio: So Paulo, R$154, /155,00 por

    arroba; Minas Gerais, em Uberaba e Una, R$144,00; Mato Grosso do Sul, R$140, /141,00;

    Gois, R$138,00; e Mato Grosso, R$134, / 136,00.

    Jan. / 14

Recommended

View more >