avaliac£’o externa do projecto de desenvolvimento 2. pontos fortes/ pontos fracos...

Download AVALIAC£’O EXTERNA DO PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO 2. Pontos fortes/ Pontos fracos Principais pontos

If you can't read please download the document

Post on 10-Nov-2020

1 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Evaluation SUD Paul HIBON Antonio NEVES 26 b chemin Piton Trésor C.P 12 Ponta do Sol 97417 LA MONTAGNE, REUNION R. Grande, Santo Antao, CABO VERDE

    Móvel : + 262-692854287 Móvel : + 238-9922645 Tel / Fax : + 262-262531741 Tel : + 238-2251143 paul@adreunion.com amneves51@yahoo.com

    AVALIACÃO EXTERNA DO PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO RURAL

    NO CONCELHO DO PORTO NOVO

    ILHA DE SANTO ANTÃO, CABO VERDE

    ATELIER MAR / ESSOR

    Relatório apresentado pela Evaluation SUD

    SUMÁRIO EXECUTIVO

  • 2

    SÍNTESE .................................................................................................................................3 INTRODUCÂO ........................................................................................................................8 CAPITULO 1 : AVALIAÇÃO GERAL DO PROJECTO ........................................................12 1. Pertinência ................................................................................................................ 12 2. Eficácia .......................................................................................................................13 3. Eficiência ....................................................................................................................14 4. Resultados: análise do quadro lógico .....................................................................16 5. Impactos .....................................................................................................................23 6. Sustentabilidade ........................................................................................................26 CAPITULO 2 : METODOLOGIA DE FORMACÃO / EXPERIMENTAÇÃO ..........................30 1. Aquisição de competências .....................................................................................30 2. Utilização das competências ....................................................................................31 3. Consequenciais da utilização das competências ..................................................34 4. Elementos reprodutíveis e Recomendações.......................................................... 34 CAPITULO 3: DISPOSITIVOS DE PERENIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES ...........................36 1. GRAFEs ......................................................................................................................36 2. Rede de Lideres Técnicos ........................................................................................40 3. A-GRAFE ....................................................................................................................41 4. Pre-cooperativa PARES e DCM ................................................................................42 CAPITULO 4 : COOPERATIVISMO COMO FORMA DE ORGANIZAÇÃO .........................46

    1. Contexto ....................................................................................................................46 2. Factores de sucesso ................................................................. ............................46

    CAPITULO 5 : IMPACTO SOBRE AS POLÍTICAS PUBLICAS ..........................................48

    1. Observações gerais .................................................................................................48 2. Câmara Municipal do Porto Novo .......................................................................... 48 3. Ministério da Agricultura ........................................................................................ 49 4. Conselho Regional de Parceiros ............................................................................50 5. Conclusões ...............................................................................................................50

    CAPITULO 6 : ELEMENTOS REPRODUTÍVEIS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NOVOS PROJECTOS E RECOMENDAÇÕES ..................................................................................51

    1. Aspectos metodológicos ........................................................................................51 2. Recomendações ......................................................................................................52

  • 3

    SÍNTESE 1. Apreciação Geral do Projecto

    O Projecto conseguiu bons resultados e gerou fortes impactos nas zonas de intervenção, com uma eficiência média. Pertinência O Projecto foi depois do seu lançamento avaliado integralmente pertinente tendo em vista as necessidades das comunidades rurais cabo-verdianas isoladas, especialmente onde se pratica a pecuária e agricultura de sequeiro nas zonas semi-áridas de altitude, a prática da agricultura no sequeiro e regadio nas bacias hidrográficas de Santo Antão e a transformação de produtos locais. Desenvolveu uma abordagem totalmente em sincronia com as novas orientações dos poderes públicos do arquipélago : elevar a capacitação dos criadores e agricultores (formar e experimentar), trabalhar com grupos de produtores organizados, priorizar os investimentos nas actividades produtivas, valorizar e transformar os recursos naturais para a sua comercialização e fomentar o empreendedorismo no sector agro-pecuário. Eficácia O Projecto foi relativamente eficaz, e conseguiu alcançar uma grande parte dos seus objectivos. Salienta-se a qualidade da fase preparatória e principalmente a da realização dos diagnósticos comunitários, na abordagem sociológica, assim como a procura de alternativas tecnológicas, susceptíveis de adaptação nas duas zonas agro-ecológicas de intervenção (zonas altas dos planaltos e das bacias hidrográficas). A metodologia de formação/experimentação/acompanhamento foi rigorosamente aplicada nas comunidades rurais. A eficácia do Projecto parece-nos igualmente ligada à complementaridade entre a visão do ATELIER MAR, o valor acrescentado da ESSOR e o engajamento da equipa de terreno. Eficiência As dificuldades encontradas no terreno (recrutamento de recursos humanos, abandono no decurso das formações por parte dos formandos, atrasos na construção do centro de fornecimento de factores de produção e de comercialização de produtos…) afectaram o desenrolar do Projecto e consequentemente a sua eficiência. O Programa foi afectado pelas suas dificuldades em encontrar soluções duravéis aos problemas recorrentes e isso teve consequências ao nível dos custos por beneficiário. O engajamento da equipa técnica permitiu assegurar a continuidade das actividades de terreno, em detrimento de outras tarefas de coordenação e de preparação da viabilidade dos dispositivos implementados. Resultados O Projecto obteve bons resultados, principalmente na vertente volume e qualidade das experimentações de terreno (720) e a sua taxa de apropriação pelos beneficiários de uma forma durável (61%), a implementação de uma rede de 62 líderes técnicos, o interesse suscitado noutras Ilhas de Cabo Verde. Mais de 500 famílias beneficiaram das intervenções e 350 agricultores e criadores obtiveram diplomas no curso de formação de 2 anos. A ONG ATELIER MAR tornou-se referência em matéria de desenvolvimento rural ao nível regional. Impactos Todos os nossos interlocutores, internos ou externos ao Projecto, sublinharam de maneira espontânea os impactos gerados pelo mesmo : técnicos, humanos, financeiros, organizacionais, sociais e ainda em menor escala, os de carácter político. Os beneficiários põem tónica nos benefícios técnicos e financeiros, sobre as novas experimentações, conduzidas por eles próprios, sobre o estado de espírito transmitido (maior autonomia para encarar o futuro), a emergência de novos líderes comunitários, o surgimento de novas formas de solidariedade etc.). Os impactos foram entretanto mais limitados nos domínios do crescimento dos rendimentos líquidos, da emergência de micro-empresas estruturadas ou a reutilização das boas práticas na esfera pública.

  • 4

    2. Pontos fortes/ Pontos fracos Principais pontos fortes O Projecto evoluiu no que respeita a carta « Inter Aide » :

    - Deu prioridade às acções produtivas; - Realizou de forma participada um trabalho meritório de formação e organização das

    comunidades; - Esforçou-se em associar os beneficiários, evitando toda a acção assistencial.

    O Projecto analisou convenientemente o contexto de intervenção. Adaptou-se às limitações específicas de cada zona de intervenção e cingiu às necessidades das comunidades. Contribuiu para uma evolução positiva dos sistemas locais de produção. O Projecto permitiu a emergência de líderes e grupos comunitários e deu início ao surgimento de dispositivos associativos, essenciais para a perenização das actividades : a associação A-GRAFE e a cooperativa PARES, ambos em constituição. O Projecto desenvolveu uma abordagem técnica séria e eficaz, baseada na pesquisa-acção, a formação e o acesso a factores de produção. O Projecto teve uma boa capacidade de reacção face ao

Recommended

View more >