avalia“‰o integrada das escolas relat rio .identificam-se...

Download Avalia“‰o Integrada das Escolas Relat rio .Identificam-se os pontos fortes e os pontos fracos

Post on 03-Dec-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Avaliao Integrada das EscolasRelatrio NacionalAno lectivo 20002001

    INSPECO-GERAL DA EDUCAO

  • FICHA TCNICA

    Ttulo Avaliao integrada das escolas. Relatrio Nacional. Ano lectivo 20002001

    Autoria Inspeco-Geral da Educao

    Coordenao: Maria do Carmo Clmaco Elaborao: Ana Paula Curado, Joo Figueiredo, Maria do Carmo Clmaco Colaborao: Mrio Vilhena Graa, Maria Lusa Marrana, Rodrigo Esteves

    Edio Inspeco-Geral da Educao (IGE) Av. 24 de Julho, 136 1350346 LISBOA Tel.: 213 924 800 / 213 924 801 Fax: 213 924 950 / 213 924 960 e-mail: ige@ige.min-edu.pt URL: http://www.ige.min-edu.pt

    Coordenao editorial, reviso tipogrfica e divulgao IGE Gabinete de Planeamento, Documentao e Formao (GPDF)

    Reviso e fixao de texto Edite Prada

    Arranjo grfico Adelaide Vaz

    Impresso e acabamento SerSilito Empresa Grfica Lda., Maia Maio 2002

    Tiragem 1400 exemplares Depsito-Legal 162715/01 ISBN 972-8429-39-8

    Catalogao na publicao Portugal. Inspeco-Geral da Educao Avaliao integrada das escolas : relatrio nacional ano lectivo 2000-2001 ISBN 972-8429-39-8 CDU 371.1(469)2000/2001(047.3) 371.2(469)2000/2001(047.3)

  • RELATRIO NACIONAL. Ano lectivo 2000-2001

    3

    S U M R I O

    Captulo 1 Apresentao 7

    1.1 Avaliao das escolas como e porqu? 7

    1.2 Objectivos do relatrio 10

    1.3 Organizao do relatrio 10

    Captulo 2 Metodologia 13

    2.1 Seleco e descrio da amostra 13

    2.2 Os instrumentos de suporte da Avaliao Integrada 15

    2.3 Procedimentos de recolha e tratamento de dados 17

    2.4 Anlise e apresentao dos dados 18

    Captulo 3 Desempenho dos alunos: medidas centrais, de distribuio e valor

    acrescentado 21

    3.1 Medidas centrais do sucesso escolar 23

    3.1.1 Educao pr-escolar 23

    3.1.2 1. ciclo do ensino bsico 23

    3.1.3 2. e 3. ciclos do ensino bsico 24

    3.1.4 Ensino secundrio 28

    3.2 Medidas de distribuio do sucesso escolar 29

    3.2.1 2. e 3. ciclos do ensino bsico 29

    3.2.2 Ensino secundrio 34

    3.3 Valor acrescentado 37

    3.3.1 Ensino bsico 9. ano 38

    3.3.2 Ensino secundrio 12. ano 39

    Captulo 4 Educao, Ensino e Aprendizagem 43

    4.1 Educao pr-escolar 44

    4.1.1 Pontos fortes 45

    4.1.2 Pontos fracos 47

  • Avaliao Integrada das Escolas

    4

    4.2 1. ciclo do ensino bsico 49

    4.2.1 Pontos fortes 50

    4.2.2 Pontos fracos 53

    4.3 2. e 3. ciclos do ensino bsico 55

    4.3.1 Pontos fortes 56

    4.3.2 Pontos fracos 59

    4.4 Ensino Secundrio 61

    4.4.1 Pontos fortes 62

    4.4.2 Pontos fracos 63

    4.5 Sntese 61

    Captulo 5 Clima e Ambiente Educativos 67

    5.1 Educao pr-escolar 67

    5.1.1 Pontos fortes 68

    5.1.2 Pontos fracos 70

    5.2 1. ciclo do ensino bsico 72

    5.2.1 Pontos fortes 72

    5.2.2 Pontos fracos 74

    5.3 2. e 3. ciclos do ensino bsico 75

    5.3.1 Pontos fortes 76

    5.3.2 Pontos fracos 78

    5.4 Ensino secundrio 80

    5.4.1 Pontos fortes 80

    5.4.2 Pontos fracos 83

    5.5 Sntese 84

    Captulo 6 Organizao e Gesto 85

    6.1 Pontos fortes 87

    6.1.1 Escolas singulares 87

    6.1.2 Agrupamentos 97

    6.2 Pontos fracos 103

    6.2.1 Escolas singulares 103

    6.2.2 Agrupamentos 106

    6.3 Sntese 108

  • RELATRIO NACIONAL. Ano lectivo 2000-2001

    5

    Captulo 7 Desempenho global das escolas 111

    7.1 Desempenho global Resultados dos alunos 112

    7.2 Desempenho global nas dimenses Educao, Ensino e

    Aprendizagem e Clima e Ambiente Educativos 114

    7.2.1 Educao pr-escolar 115

    7.2.2 1. ciclo do ensino bsico 117

    7.2.3 2. e/ou 3. ciclos do ensino bsico 120

    7.2.4 Ensino secundrio 122

    7.3 Desempenho global na dimenso Organizao e Gesto 128

    7.3.1 Escolas singulares 128

    7.3.2 Agrupamentos 130

    7.4 Anlise comparada do desempenho global das escolas 131

    Captulo 8 Concluses e Recomendaes 135

    8.1 Concluses 135

    8.2 Recomendaes 139

    Anexos 143

    I Sntese dos pontos fortes e fracos 145

    II Resumo do desempenho das escolas nas dimenses avaliadas 149

    III Mapa dos concelhos por ndices de desenvolvimento social 171

    IV Lista das escolas intervencionadas em cada Delegao Regional

    da Inspeco-Geral da Educao 175

    Abreviaturas 191

  • Avaliao Integrada das Escolas

    6

  • RELATRIO NACIONAL. Ano lectivo 2000-2001

    7

    C A P T U L O 1 A P R E S E N T A O

    1.1 Avaliao das escolas como e porqu?

    Ao apresentar o segundo Relatrio Nacional da Avaliao Integrada, relativo s actividades

    desenvolvidas no ano lectivo de 2000/2001, no mbito do programa Avaliao Integrada das

    Escolas, a Inspeco-Geral da Educao (IGE) torna pblico o resultado do que foi observado e

    avaliado nos jardins de infncia e nas escolas pblicas da educao bsica e do ensino

    secundrio.

    A Inspeco-Geral da Educao orientou a sua interveno de acordo com a seleco daqueles

    aspectos cuja centralidade e carcter estratgico so reconhecidos, tendo em conta trs princ-

    pios:

    A interveno integrada a avaliao uma actividade que necessariamente envolve diferen-

    tes objectos de observao e diferentes observadores, na medida em que a realidade escolar

    complexa e passvel de ser descrita atravs de diferentes olhares;

    A interveno intencional a avaliao tem como finalidade identificar os aspectos do de-

    sempenho das escolas que podem ser considerados pontos fortes ou debilidades significati-

    vas, prestar contas tutela e sociedade dos nveis de qualidade educativa nas escolas, bem

    como dispor de elementos que possam servir uma estratgia de apoio melhoria progressiva

    da realizao da educao escolar, colocando no centro das atenes as aprendizagens dos

    alunos;

    A interveno convergente a avaliao externa da Inspeco ultrapassa a funo de presta-

    o de contas se, em cada escola, se articular com a avaliao interna e contribuir para refor-

    ar a sua autonomia, isto , a sua capacidade de tomar decises e de regular o seu funcio-

    namento.

    O programa Avaliao Integrada das Escolas decorre da competncia da IGE em avaliar e fisca-

    lizar a realizao da educao escolar1 e pretende contribuir para a garantia da qualidade

    educativa, assumindo que a avaliao externa apenas parte de uma estratgia global e mais

    ampla para melhorar o desempenho educativo.

    1 Art. 53., Lei n. 46/86, D.R. n. 237, I srie, de 14 de Outubro.

  • Avaliao Integrada das Escolas

    8

    Os objectivos principais do programa so:

    Valorizar as aprendizagens e a qualidade da experincia escolar dos alunos;

    Identificar os pontos fortes e fracos do desempenho das escolas;

    Induzir processos de auto-avaliao nas escolas;

    Contribuir para a regulao do funcionamento do sistema educativo.

    No podendo abranger nem recolher informao sobre todos os aspectos do desempenho es-

    colar, privilegiam-se reas ou dimenses estratgicas de interveno que esto associadas aos

    resultados dos alunos, ao servio educativo e qualidade da gesto, integrando reas-chave do

    domnio pedaggico, do domnio organizacional, dos recursos e da gesto, do contexto e do

    funcionamento interno. Foram seleccionadas quatro dimenses estratgicas para recolha de

    informao, as quais englobam as reas-chave seguintes:

    Resultados dos alunos

    Taxa de sucesso

    Qualidade do sucesso

    Valor acrescentado

    Fluxos escolares

    Educao, Ensino e Aprendizagem

    Organizao do ensino e aprendizagem

    Realizao do ensino e das aprendizagens

    Avaliao dos alunos

    Apoios educativos

    Clima e Ambiente Educativos

    Relacionamento interpessoal

    Participao

    Interaco com o meio

    Liderana

    Organizao e Gesto

    Estrutura organizativa

    Servio administrativo

    Gesto de recursos

  • RELATRIO NACIONAL. Ano lectivo 2000-2001

    9

    Plano de aco educativa

    Clima organizacional

    Tendo em conta a importncia dos factores contextuais em cada escola enquanto variveis que

    se associam e podem ajudar a compreender no s o seu funcionamento como os resultados

    dos alunos, recolheu-se tambm informao relativa ao nvel de carncia econmica dos alunos

    e ao contexto socioeconmico e cultural onde cada escola est implantada. O primeiro factor foi

    operacionalizado ou medido pelo nmero de alunos apoiados pelo Servio de Aco Social Es-

    colar (SASE). O segundo factor operacionalizado pelo indicador compsito ndice do Desen-

    volvimento Social (IDS) utilizado para classificao dos municpios portugueses e calculado a

    partir de trs indicadores: nvel educacional da populao adulta, esperana de vida nascena

    e ndice de conforto e saneamento, de acordo com a portaria n. 995/98 de 25 de Novembro,

    publicada no DR, n. 273, I Srie, de 25-11-98. Estes dois tipos de dados so indispensveis

    como variveis moderadoras da anlise do desempenho, nomeadamente dos resultados dos

    alunos.

    A interveno conduzida por uma equipa de inspectores, integrando diferentes formaes

    acadmicas e experincia profissional. Os inspectores permanecem nas escolas ou nos agrupa-

    mentos

Recommended

View more >