mdj e especificações técnicas do projecto de …

43
Página 1 Índice Página 1. GENERALIDADES ................................................................................................ 3 2. COMPOSIÇÃO DO PROJETO ............................................................................ 3 3. NORMAS E DETERMINAÇÕES ............................................................................ 4 4. ENTRADA DE ENERGIA E MEDIÇÃO .................................................................. 4 5. ALIMENTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ................................................. 6 6. CARGA ELECTRICA ............................................................................................ 6 6.1. CARGA NOMINAL INSTALADA E DEMANDA ............................................................ 6 6.1.1. Potência a Contratar .......................................................................... 22 6.2. POTENCIA A CONTRATAR ................................................................................... 23 7. SEGURANÇA E ATERRAMENTO ....................................................................... 23 8. CIRCUITOS TERMINAIS ..................................................................................... 24 9. ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS ...................................................................... 24 9.1. CAIXAS DE PASSAGEM ....................................................................................... 24 9.2. ELETRODUTOS .................................................................................................... 25 9.3. CANALETA ........................................................................................................ 25 9.4. CONDUTORES ................................................................................................... 25 9.5. I NTERRUPTORES, TOMADAS E PLACAS.................................................................... 27 9.6. LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E ACESSÓRIOS ............................................................... 27 9.6.1. Luminárias ............................................................................................. 27 9.6.2. Lâmpadas ............................................................................................. 28 9.6.3. Reatores e Acessórios diversos ........................................................... 28 9.7. QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO ............................................................................... 28 9.8. QUADRO DE MEDIÇÃO...................................................................................... 29 9.9. DISJUNTORES..................................................................................................... 30 9.10. QUADRO PARCIAL............................................................................................. 30 10. RECOMENDAÇÕES PARA EXECUÇÃO ........................................................... 32 ANEXOS ..................................................................................................................... 1 ANEXO1. LISTA DE QUANTIDADES ............................................................................ I ANEXO 2. DIMENSIONAMENTO DE CARGAS.......................................................... II ANEXO 3 - DESENHOS UNIFILARES ......................................................................... III ANEXO 4 - SÍMBOLOS ELÉCTRICOS ......................................................................... 4 ANEXO 5 – LISTA DE DESENHOS ............................................................................... 5

Upload: others

Post on 26-Mar-2022

4 views

Category:

Documents


0 download

TRANSCRIPT

Página 1

Índice Página

1. GENERALIDADES ................................................................................................ 3

2. COMPOSIÇÃO DO PROJETO ............................................................................ 3

3. NORMAS E DETERMINAÇÕES ............................................................................ 4

4. ENTRADA DE ENERGIA E MEDIÇÃO .................................................................. 4

5. ALIMENTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ................................................. 6

6. CARGA ELECTRICA ............................................................................................ 6

6.1. CARGA NOMINAL INSTALADA E DEMANDA ............................................................ 6 6.1.1. Potência a Contratar .......................................................................... 22

6.2. POTENCIA A CONTRATAR ................................................................................... 23

7. SEGURANÇA E ATERRAMENTO ....................................................................... 23

8. CIRCUITOS TERMINAIS ..................................................................................... 24

9. ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS ...................................................................... 24

9.1. CAIXAS DE PASSAGEM ....................................................................................... 24 9.2. ELETRODUTOS .................................................................................................... 25 9.3. CANALETA ........................................................................................................ 25 9.4. CONDUTORES ................................................................................................... 25 9.5. INTERRUPTORES, TOMADAS E PLACAS .................................................................... 27 9.6. LÂMPADAS, LUMINÁRIAS E ACESSÓRIOS ............................................................... 27

9.6.1. Luminárias ............................................................................................. 27 9.6.2. Lâmpadas ............................................................................................. 28 9.6.3. Reatores e Acessórios diversos ........................................................... 28

9.7. QUADROS DE DISTRIBUIÇÃO ............................................................................... 28 9.8. QUADRO DE MEDIÇÃO ...................................................................................... 29 9.9. DISJUNTORES ..................................................................................................... 30 9.10. QUADRO PARCIAL ............................................................................................. 30

10. RECOMENDAÇÕES PARA EXECUÇÃO ........................................................... 32

ANEXOS ..................................................................................................................... 1

ANEXO1. LISTA DE QUANTIDADES ............................................................................ I

ANEXO 2. DIMENSIONAMENTO DE CARGAS .......................................................... II

ANEXO 3 - DESENHOS UNIFILARES ......................................................................... III

ANEXO 4 - SÍMBOLOS ELÉCTRICOS ......................................................................... 4

ANEXO 5 – LISTA DE DESENHOS ............................................................................... 5

ANEXO 6 – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ................................................................. 6

ANEXO 7 - CATÁLOGOS .......................................................................................... 7

Página 3

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DO PROJETO ELÉTRICO

1. GENERALIDADES

O PNUD pretende levar a efeito a Requalificação e renovação do edifício que actualmente funciona como "Dispensário" do PNUD em Maputo baptizado com o nome de Sérgio Vieira de Mello (SVM). Com este projecto pretende-se criar melhores condições de trabalho para os funcionários tendo em conta a actual situação que se encontram a trabalhar.

A presente Memória Descritiva e Justificativa refere-se ao Projecto de Renovação e Requalificação do Edifício SÉRGIO VIERA DE MELLO, Construção de um Edifício Anexo de 3 Pisos para Cafetaria e Escritórios, Construção de duas Guaritas e Requalificação do Muro de Vedação, no Edifício localizado no Bairro da Coop, Rua Heróis da Fé Nº 90, Município da Cidade de Maputo.

1.1. O Conjunto de edifícios, compreende um já existente, edifício em alusão, e outro novo e foi primeiramente tratado pela arquitectura de grande envergadura, razão que justifique as obras eléctrica ser executada por entidade colectiva ou individual qualificada e que apresente a Anotação de Registro Técnico (Inscrição no MIREME) para execução de obras/serviço do projecto eléctrico em questão.

1.2. Toda e qualquer alteração do projecto durante a obra deverão ser feitas mediante consulta prévia do projectista que produzirá um ofício aprovando a execução.

1.3. Ao final da execução deverá ser entregue um projecto eléctrico AS-

BUILT, considerando todas as modificações que foram realizadas no projecto e um diagrama unifilar actualizado.

1.4. Ficará a critério do órgão fiscalizador impugnar qualquer serviço executado que não satisfaça as condições aqui prescritas.

2. COMPOSIÇÃO DO PROJETO

2.1. Além da presente Memoria Descritiva, os seguintes elementos técnicos compõem o projecto:

Desenhos de Esquema unifilar dos circuitos de:

� Iluminação Interior; � Iluminação Exterior;

� Iluminação de Segurança; � Tomadas de Uso Geral; � Força Electromotriz; � Climatização e � Alimentação ao edifício..

3. NORMAS E DETERMINAÇÕES

3.1. As seguintes normas nortearam este projecto e devem ser seguidas durante a execução da obra:

Norma Origem

NP Norma Portuguesa

IEC Norma Internacional

BR Norma Brasileira

ISO Norma Internacional

3.2 Além das normas e regulamento acima mencionados, também serviu de base para este projecto as indicações do Projecto Arquitectónico.

4. ENTRADA DE ENERGIA E MEDIÇÃO

4.1. O abastecimento de energia eléctrica sera através de um Posto de transformação a ser instalado no interios do recinto onde se enconta o edifício, de onde uma alimentação em Baixa tensão a 400V será canalizada para um quadro geral do edificio escritóral, sito no Reis do Chao (ATMF) de onde varais saídas tambem serão instaladas para alimentar diversos quadros parcias, sendo que em cada pido há u quadro parcial de onde serão alimentados outros dois qaudros e no edifício anexo um quadro parcial sito n o reis do Chao alimentara aos outros quadros parcias sitos nos andares subsequentes..

4.2. Para todos os efeitos, a entrada será subterrânea desde rede de MT a partir de um pondo a ser indicado pela concecionarai ate ao PT (Monobloco) e tambem sera subterrânea toda interligação do terminal do PT ao Quadro geral assim como do quadro geral aos edificos adjacentes (Guaritas e edifício anexo).

4.3. O cabo de alimentação em Baixa Tensão, será composto por tres condutores, de seção recta de 240. mm² para condutores de fase, e 120 mm2 para neutro e terra devidamente protegidos a PVC com a

Página 5

exclusão do condutor de terra que será nu em condutor em algumas secçoes. Recomenda-se o uso do cabo do tipo VAV.

4.4. A medição será do tipo indirecta, em quadro padronizado da Concessionária, localizado no próprio monobloco conforme indicação em planta (Projecto do Posto de Trasnformação).

4.5. Após o medidor, será instalado o disjuntor geral, no Quadro Geral de Baixa Tensão, tipo termomagnético, tetrapolar, corrente nominal de 400 A, capacidade de ruptura mínima de 6 kA para a protecção do cabo que alimentara o escritório, de igual modo nos quadros parciais sita em blocos constituintes do edifício do escritório haverá um corte geral de acordo com as peças desenhadas (Vide: Distribuição de Cargas).

Alimenatção / Distribuição Secção do Cabo VAV

(mm2) De Para

PT QGBT 3 x 240/120

QGBT (ATMF) QP – 05-0/1 (Guarita Frontal) 5 x 10

QGBT (ATMF) QP – 06-0/1 (Guarita Posterior) 5 x 10

QGBT (ATMF) QP 04 – 0/1 (Edificio Anexo P1) 3x16+10 +T10

QP 04 – 0/1 (Edificio Anexo P1) QP 04 – 1/2 (Edificio Anexo P2) 5 x 6

QP 04 – 0/1 (Edificio Anexo P1) QP 04 – 2/3 (Edificio Anexo P3) 5 x 6

QGBT (ATMF) QP – 0/1 Piso 1 3x35+16 +T16

QP – 0/1 Piso 1 QP P- 0/2 Piso 1 5 x 10

QP – 0/1 Piso 1 QP P- 0/3 Piso 1 5 x 10

QGBT (ATMF) QP – 1/1 Piso 2 3x35+16 +T16

QP – 1/1 Piso 2 QP – 1/2 Piso 2 5 x 10

QP – 1/1 Piso 2 QP – 1/3 Piso 2 5 x 10

QGBT (ATMF) QP P- 2/1 Piso 3 3x35+16 +T16

QP P- 2/1 Piso 3 QP P- 2/2 Piso 3 5 x 6

QP P- 2/1 Piso 3 QP P- 2/3 Piso 3 5 x 6

5. ALIMENTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

5.1. O quadros de distribuição Geral do Edificio esrtaráinstalado no interior do edifico, portanto, para maior segurança e protecção contra curto circuito ao longo do cabio de alimentação, haverá uma protecção (corte geral) no PT – Monobloco e outra no Quadro Geral devidamente seleccionados para que não actuem em similtaneo no cado de defeito.

5.2. O Quadro de distribuição de energia eléctrica, será fixado na parede, construído em material metálico ou termoplástico embutido em paredes, o quadro será do tipo isolante auto-extinguível segundo NF C 20-455, com porta transparente com chave, tampa espelho removível por desengate com local para fixação de etiquetas identificadoras dos circuitos recortadas de modo a permitir o accionamento das chaves e disjuntores sem perigo de toque acidental nas partes energizadas, protecção IP40 ou superior. Deve ter classe de isolação II e tensão nominal de 400/231V a 50/60 Hz, conforme a norma NBR IEC 60439-3. Trilho para fixação dos disjuntores.

5.3. O barramento do condutor de protecção será electricamente ligado ao terminal de aterramento principal (TAP), e o barramento de neutro isolado do mesmo.

5.4. A saída dos condutores deste Quadro (QP), até diversos pontos terminais será em condutos do tipo V, 3x1,5mm2, devendo todas as luminárias com partes metálicas ser ligadas a terra de protecção.

6. CARGA ELECTRICA 6.1. Carga Nominal Instalada e Demanda

Consta no quadro de carga dos QPs (Quadro Parciais), conforme indicado em cálculos e conforme resumo que segue:

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 0/1 -R/C - Edificio Principal

1 Escadas de Emergencia

Iluminação LFC 3 23 69

2 Escadas Frontais

Iluminação LFC 3 23 69

Acesso a Escada Frontal

Iluminação LFC 2 46 92

3 Corredor Lateral Esquerdo

Iluminação 8 46 368

Página 7

4 Corredor Frontal

Iluminação 5 46 230

5 Administração Iluminação 10 46 460 ICT Iluminação 10 46 460 Data Service Iluminação

Fluorescente 2 40 80

ATMF Iluminação Fluorescente

2 40 80

6 Meeting Room Iluminação Fluorescente

1 40 40

Meeting Room Iluminação Fluorescente

1 40 40

Meeting Room Iluminação Fluorescente

1 40 40

Recepção Iluminação 4 46 184

7 ATMF TUG 8M 1 600 600 Data Service TUG 8M 1 600 600 ICT TUG 8M 1 600 600

8 ICT TUG 4M 4 300 1200 Administração TUG 8M 1 600 600

9 Meeting Room TUG 4M 1 300 300 Meeting Room TUG 4M 1 300 300 Meeting Room TUG 4M 1 300 300 Recepção TUG 4M 2 300 600

11 ICT Ar Condicionado

1 2910 2910

12 Administração Ar Condicionado

1 2910 2910

13 Meeting Room Ar Condicionado

1 1095 1095

14 Meeting Room Ar Condicionado

1 1095 1095

15 Meeting Room Ar Condicionado

1 1095 1095

16 Recepção Ar Condicionado

1 2910 2910

Total do QP 0/1- R/C - Edificio Principal 19327

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 0/2 - R/C - Edificio Principal 1 Arquivo Iluminação

Lluorescente 12 40 480

Meeting Room

Iluminação Fluorescente

6 40 240

Acesso ao Meeting Room

Iluminação LFC 4 46 184

Acesso ao Meeting Room

Iluminação LED 3 5 15

2 Aquario Iluminação (Flood Lamp)

3 15 45

3 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

4 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 6 46 276

5 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 6 46 276

6 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 6 46 276

7 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

9 Meeting Room

TUG 4M 4 300 1200

10 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

11 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

12 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

13 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

14 Auditorio & TUG 4M 3 300 900

Página 9

Meeting Room

15 Meeting Room

Ar Condicionado 1 2600 2600

16 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado 1 3982 3982

17 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado 1 3982 3982

18 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado 1 3982 3982

19 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado 1 3982 3982

20 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado 1 3982 3982

Scullery Ar Condicionado 1 1095 1095 Total do QP 0/2- R/C - Edificio Principal 30830

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 0/3 - R/C - Edificio Principal 1 Escadas

Trazeiras Iluminação LFC 3 23 69

Acesso a Escada Trazeira

Iluminação LFC 2 23 46

2 Corredor Trazeiro

Iluminação LFC 3 46 138

3 Head of Unity

Iluminação Fluorescente

2 80 160

Meeting Room

Iluminação LED 2 46 92

UNDSS Iluminação LFC 8 23 184 Register Iluminação 5 46 230

4 WC-M Iluminação LED 9 5 45 WC- D Iluminação LED 2 5 10 WC-W Iluminação LED 5 5 25

5 Scullery Iluminação 2 46 92 Acesso

Trazeiro ao Auditorio

Iluminação 6 23 138

WC-M do Auditorio

Iluminação LED 6 5 30

WC-D do Auditorio

Iluminação LED 1 5 5

WC-W do Auditorio

Iluminação LED 5 5 25

6 Register TUG 4M 1 300 300

UNDSS TUG 8M 2 600 1200 7 UNDSS TUG 4M 2 300 600

Head of Unity

TUG 4M 1 300 300

Meeting Room

TUG 8M 1 600 600

8 WC-M TUG 1 150 150 WC- D TUG 1 150 150 WC-W TUG 1 150 150 WC-M do

Auditorio TUG 1 150 150

WC-D do Auditorio

TUG 1 150 150

WC-W do TUG 1 150 150

Página 11

Auditorio 9 Auditorio &

Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

10 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 3 300 900

11 UNDSS Ar Condicionado 1 1650 1650

12 UNDSS Ar Condicionado 1 1650 1650 13 Register Ar Condicionado 1 2500 2500 14 Head of

Unity Ar Condicionado 1 1650 1650

15 Meeting Room

Ar Condicionado 1 1650 1650

16 WC-M do Auditorio

Ventilador/Exaustor 1 470 470

WC-D do Auditorio

Ventilador/Exaustor 1 25 25

WC-W do Auditorio

Ventilador/Exaustor 1 18 18

17 WC-M Ventilador/Exaustor 1 18 18 WC- D Ventilador/Exaustor 1 18 18 WC-W Ventilador/Exaustor 1 470 470

Total do QP 0/3- R/C - Edificio Principal 17108

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 1/1 -1º Andar - Edificio Principal 1 Escadas de

Emergencia Iluminação LFC 3 23 69

2 Escadas Frontais

Iluminação LFC 3 23 69

Saida de Emergencia

Iluminação LFC 2 23 46

Acesso a Escada Frontal

Iluminação LFC 2 23 46

Meeting Room Iluminação Fluorescente

6 80 480

3 Corredor Frontal

Iluminação LFC 5 46 230

4 Corredor Lateral Esquerdo

Iluminação LFC 8 46 368

5 ATMF Iluminação Fluorescente

2 40 80

Scurrely Iluminação Fluorescente

2 40 80

WC-M Country Director

Iluminação LED 1 5 5

WC-W Country Director

Iluminação LED 1 5 5

Country Director

Iluminação Fluorescente

6 40 240

6 Assistant IluminaçãoLFC 6 46 276 Assistant IluminaçãoLED 3 5 15 Meeting Room Iluminação

Fluorescente 6 40 240

Belcon Iluminação LFC 2 23 46 Deputy

Country Director

Iluminação LFC 6 46 276

7 Assistant TUG 8M 1 600 600

Meeting Room TUG 8M 2 600 1200 8 ATMF TUG 8M 1 600 600 9 Scurrely TUG 6 300 1800 10 WC-M Country

Director TUG 2 150 300

WC-W Country Director

TUG 2 150 300

Página 13

11 Meeting Room TUG 8M 2 300 600 12 Deputy

Country Director

TUG 8M 3 300 900

13 Country Director

TUG 8M 1 600 600

Country Director

TUG 4M 1 300 300

14 Country Director

Ar Condicionado

1 2500 2500

15 Meeting Room Ar Condicionado

1 2600 2600

16 Assistant Ar Condicionado

1 2500 2500

17 Deputy Country Director

Ar Condicionado

1 2500 2500

18 Human Ressource

Ar Condicionado

1 2910 2910

Total do QP 1/1- R1º Andar - Edificio Principal 22781

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 1/2 -1º Andar - Edificio Principal 1 Meeting Room Iluminação LFC 9 46 414

Procurment Iluminação LFC 9 46 414 2 Aquario Iluminação

(Flood Lamp) 3 15 45

3 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

4 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

5 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

6 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

7 Auditorio & Meeting Room

Iluminação LFC 9 46 414

8 Meeting Room TUG 8M 1 600 600

Procurment TUG 8M 1 600 600 9 Auditorio &

Meeting Room TUG 4M 4 300 1200

10 Auditorio & Meeting Room

TUG 8M 2 600 1200

11 Auditorio & Meeting Room

TUG 8M 2 600 1200

12 Auditorio & Meeting Room

TUG 4M 4 300 1200

13 Auditorio & Meeting Room

TUG 8M 2 600 1200

14 Auditorio & Meeting Room

TUG 8M 2 600 1200

15 Meeting Room Ar Condicionado

1 2600 2600

16 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

17 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

18 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

19 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

20 Auditorio & Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

Scullery Ar 1 1095 1095

Página 15

Condicionado Total do QP 1/2- 1º Andar - Edificio Principal 33853

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia

(w) Unity Total

Quadro Parcial 1/3 -1º Andar - Edificio Principal 1 Corredor

Trazeiro Iluminação LFC 6 23 138

2 WC- W IluminaçãoLED 6 5 30 WC-D IluminaçãoLED 2 WC-M IluminaçãoLED 13

3 Arqivo de Finanças

Iluminação LFC 2 23 46

Human Ressources

Iluminação LFC 10 46 460

Repografia Iluminação LFC 9 46 414 4 WC- W TUG 1 150 150

WC-D TUG 1 150 150 WC-M TUG 1 150 150 Arqivo de

Finanças TUG 1 300 300

5 Human Ressources

TUG 8M 2 600 1200

6 Repografia TUG 4M 1 300 300 Repografia TUG 8M 1 600 600

7 Bussiness Lounge

TUG 8M 1 600 600

8 Repography Ar Condicionado 1 2910 2910 9 WC-M Ventilador/Exaustor 1 470 470

WC- D Ventilador/Exaustor 1 18 18 WC-W Ventilador/Exaustor 1 470 470

Total do QP 0/3- R/C - Edificio Principal 8406

Página 17

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 2/1 - 2º Andar - Edificio Principal 1 Escadas de

Emergencia Iluminação LFC 3 23 69

2 Escadas Frontais

Iluminação LFC 3 23 69

Acesso a Escada Frontal

Iluminação LFC 2 46 92

3 Corredor Lateral Esquerdo

Iluminação LFC 8 46 368

4 Corredor Frontal

Iluminação LFC 5 46 230

5 ATMF Iluminação Fluorescente

2 40 80

Scullery Iluminação Fluorescente

2 40 80

WC Res. Cord Iluminação LED 1 5 5 6 Resident

Cordinatory Iluminação Fluorescente

9 80 720

Assistant Iluminação Fluorescente

2 46 92

7 Meeting Room Iluminação Fluorescente

9 80 720

7 Meeting Room TUG 8M 2 600 1200

Meeting Room TUG 8M 1 600 600 Meeting Room TUG 4M 4 300 1200 Resident

Cordinatory TUG 8M 1 600 600

Resident Cordinatory

TUG 4M 1 600 600

8 ATMF TUG 8M 1 300 300 Scullery TUG4M 1 600 600

Scullery TUG 1 600 600 9 WC - D TUG 1 600 600

WC - D TUG 1 600 600

11 Country Dr Ar Condicionado

1 2910 2910

12 Meeting Room Ar Condicionado

1 2910 2910

Meeting Room Ar Condicionado

1 2910 2910

13 Assistant Ar 1 1095 1095

Condicionado 15 Deputy

country Dr Ar Condicionado

1 1095 1095

Balcony Ar Condicionado

1 1095 1095

Balcony Ar Condicionado

1 1095 1095

Total do QP 2/1- 2º Andar - Edificio Principal 22535

Página 19

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 2/2 - 2º Andar - Edificio Principal Repography Iluminação LED 2 5 10

2 Assistent Iluminação LED 3 5 15 3 Meeting

Room Iluminação LFC 4 46 184

UNFPA Residence

Iluminação LFC 9 46 414

4 Working Station

Iluminação LFC 2 46 92

Working Station

Iluminação LFC 9 46 414

5 Business Lounge

Iluminação LFC 4 46 184

Workin Gabinet

Iluminação LFC 8 46 368

6 Workin Gabinet

Iluminação LFC 18 46 828

9 Gabinet Work TUG 8M 1 600 600

Repography TUG4M 1 600 600 10 Assistent TUG 8M 1 300 300 Meeting

Room TUG 8M 1 600 600

11 Working Station

TUG 4M 8 300 2400

12 Workin Gabinet

TUG8M 3 300 900

Workin Gabinet

TUG8M 3 300 900

Workin Gabinet

TUG4M 1 600 600

Workin Gabinet

TUG8M 2 300 600

Workin Gabinet

TUG8M 2 300 600

17 Meeting Room

Ar Condicionado

1 3982 3982

18 Workig Gabinet

Ar Condicionado

1 3982 3982

19 Workig Gabinet

Ar Condicionado

1 3982 3982

20 Workig Gabinet

Ar Condicionado

1 3982 3982

21 Workig Gabinet

Ar Condicionado

1 1095 1095

22 Procutenent Ar Condicionado

1 1095 1095

Total do QP 2/2- 2º Andar - Edificio Principal 26537

Página 21

No Circ./Fase/Sec Local Cargas Qnty Potencia (w)

Unity Total Quadro Parcial 2/3 - 2º Andar - Edificio Principal 1 Escadas

Trazeiras Iluminação LFC 3 23 69

Acesso a Escada Trazeira

Iluminação LFC 2 46 92

2 Corredor Trazeiro

Iluminação LFC 6 46 276

4 WC-M Iluminação LED 11 5 55 WC- D Iluminação LED 2 5 10 WC-W Iluminação LED 7 5 35

5 Residence Cordinator

Iluminação LFC 10 46 460

Bussiness Lounge

Iluminação LFC 9 46 414

Meeting Room

Iluminação LFC 2 46 92

6 Reprographf TUG 4M 1 300 300 HUMAN

Resources TUG 8M 2 300 600

Bussiness Lounge

TUG 8M 1 600 600

7 WC-M TUG 1 300 300 WC- D TUG 1 300 300 WC-W TUG 1 600 600 Finance TUG 8M 2 300 600 8 Finance

Archive TUG 1 150 150

11 Residence Cordinator

Ar Condicionado 2 1650 3300

12 Bussiness Lounge

Ar Condicionado 1 1650 1650

13 Finance Ar Condicionado 1 2500 2500 14 WC-M Ventilador/Exaustor 1 1650 1650 15 WC- D Ventilador/Exaustor 1 1650 1650 16 WC-W Ventilador/Exaustor 1 470 470 Total do QP 0/3- 2º Andar - Edificio Principal 16173

6.1.1. Potência a Contratar

A avaliação da potência estimada para uma instalação eléctrica torna-se um factor de enorme importância, principalmente pelo impacto que representa em economia de concepção e por consequência nos custos globais do estabelecimento.

Foram usados como referência os equipamentos previstos para aplicação no edifício dos escritórios da UNESCO para a estimativa do valor da potência a contratar, bem como através de diversas indicações presentes nas regras técnicas definidas pela Direcção Nacional de Energia (DNE).

De notar que o R.S.I.U.E.E. fornece algumas indicações relativamente a factores de simultaneidade (Ks) a serem utilizados.

O regime de exploração dos equipamentos previstos a instalar será caracterizado por três coeficientes:

� Factor de Simultaneidade (fs ou Ks para normas). � Factor de utilização (fu ou Ku para normas). � Factor de evolução de cargas (fe ou Ke para normas).

O factor de simultaneidade caracteriza o regime de incerteza de funcionamento de uma determinada instalação, ou seja, traduz a relação entre o somatório das potências estipuladas de todos os equipamentos alimentados pelo mesmo circuito ou instalação. Nos circuitos de iluminação e especiais, consideramos Ks=1.

Para os circuitos de tomadas, consideramos 300 VA por tomada e aplicamos o correspondente factor de simultaneidade dado por 0.9 + 0.1 /n, onde n corresponde ao número de tomadas por circuito.

Para o cálculo da potência do quadro, também se aplica um factor de simultaneidade, neste caso um factor de 0,8.

No que diz respeito ao factor de utilização este qualifica a possibilidade de os equipamentos em funcionamento não se encontrarem constantemente em serviço à plena carga.

À posterior, desconhecemos o valor do factor de utilização de alguns equipamentos a instalar, atribuímos a este factor o valor 1.

Quanto ao factor de evolução de cargas caracteriza a evolução temporal das mesmas para o tempo de vida útil esperado para a infra-estrutura eléctrica em causa. Também aqui consideraremos 1.

Todos os cálculos efectuados estão se julgados necessários poderão ser facultados pelo projectista.

Página 23

Para referência prévia indicamos que a potência total obtida para a instalação foi de 250 KVA, obviamente como todos os outros valores este resulta de suposições que certamente incorrem a possíveis erros, erros estes que tentamos sempre minimizar e, por isso, apresentamos valores superiores ao esperado, para que não exista um sub dimensionamento da instalação obrigando a futuros melhoramentos.

Item Tipo de Carga Potência Instalada (KVA)

1 Iluminação 22.226

2 TUG 55.558

3 TUE 1.500

4 Climatização 160.000

5 Força Electro Motriz 6.000

Total 245.284

6.2. Potencia a Contratar O valor da potência obtida no parágrafo acima, reflecte a soma de todas as luminárias, tomadas, aparelhos de ar condicionado e equipamentos de força motriz, em suma todos os equipamentos e aparelhos de consumo de energia a ser usados na instalação do edifício, tendo sido levado em consideração o crescimento de carga em 20% no futuro e os factores de simultaneidade e de utilização, dai qua a potencia a contratar é de 250kVA.

7. SEGURANÇA E ATERRAMENTO

7.1. É previsto um condutor de terra para todas as tomadas e para a carcaça das luminárias que contém reactores para lâmpadas fluorescentes.

7.2. O condutor terra deverá partir do CP, desde o barramento de protecção do mesmo, configurando o sistema de aterramento tipo TN-S, conforme previsão da Norma NBR-5410.

7.3. 7.3 O aterramento geral deverá ser executado na área externa ao prédio, junto à entrada de serviço, em caixas de alvenaria de

0,30x0,30x0,30m, com tampa de inspecção, de modo que seja possível fazer a manutenção do sistema sempre que necessário.

7.4. As hastes de aterramento deverão ser do tipo copperweld, diâmetro 15mm, com no mínimo, 1,80 m de comprimento, enterradas verticalmente no solo.

7.5. A conexão do cabo de terra com a haste deverá ficar exposta dentro da caixa, de modo a facilitar a manutenção.

7.6. A resistência de terra não deverá ultrapassar 20 ohm, em qualquer época do ano, sendo que a mesma deverá ser medida na entrega da obra, presente a fiscalização.

7.7. Caso não seja possível atender ao nível de resistência de terra acima, deverão ser cravadas um maior número de hastes, distanciadas entre si de, no mínimo, 3 m.

7.8. Caso, ainda assim, não seja atingido o nível requerido de resistência de aterramento, deverão ser utilizados processos químicos de tratamento do solo para resolver o problema, tais como criação de camadas intercalares de carvão e sal com alturas de 20cm no mínimo.

8. CIRCUITOS TERMINAIS

8.1. Os circuitos terminais serão todos a três fios (FNT ou FFT) e tem suas seções indicadas no quadro de cargas.

8.2. 8.2 Deve ser tomado especial cuidado no aterramento de carcaça de reactores e luminárias da iluminação fluorescente.

8.3. 8.3 A protecção mecânica dos circuitos terminais será feita por eletrodutos de PVC rígido roscável.

9. ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAIS 9.1. Caixas de Passagem

9.1.1. Serão em ferro, em chapa tratada contra corrosão, estampadas, dimensões interna mínimas 100 x 100 mm, quando rectangulares ou octogonais de teto (fundo móvel), e 80 x 80 mm, quando em parede (fundo fixo).

9.1.2. Externamente, deverão ser em alvenaria, com dimensões mínimas de 0,80 x 0,80 x 0,80 mm para eléctrica e tipo R1 (0,60 x 0,35 x 0,50 m) para telefonia.

Página 25

9.2. Eletrodutos

9.2.1. Eletroduto de Poli Cloreto de Vinila (PVC) Rígido e ou flexível, Duto de PVC antichama, rígido de seção circular de ¾” (25mm) de diâmetro e de 16 mm, 20mm e 50mm de diâmetro para entrada de energia, fornecido rolos de comprimento igual 100 metros lineares para os primeiros dois tipos e 50 metros lineares para o ultimo, de cor externa cinzenta, identificado de forma legível e indelével, para protecção de cabos contra danos mecânicos, com as respectivas curvas onde necessárias.

9.2.2. Eletroduto de Poli Cloreto de Vinila (PVC) Corrugado

9.2.3. Duto corrugado de PVC antichama, flexível de seção circular, fornecido em rolos em lances padronizados, cor externa amarela, identificado de forma legível e indelével, para protecção de cabos embutidos contra danos mecânicos, fornecido com arame guia revestido em PVC já passado e com acessórios para conexão com as caixas de embutir ou luminárias.

9.2.4. Todos as saídas e entradas para interruptores e tomadas, além da toda a parte embutida, será feito com estes eletrodutos.

9.2.5. Os eletrodutos de PVC deverão ser de classe B (espessura mínima de parede de 2,3 mm).

9.2.6. As luvas e curvas deverão ser do mesmo material do eletroduto correspondente.

9.3. Canaleta

9.3.1. Canaleta de alumínio extrudado, com encaixe rápido, na cor natural, com os acessórios necessários para atender ao projecto eléctrico. A terminação da canaleta deve ser uma tomada TUE, conforme descrito abaixo.

9.3.2. Os trechos correspondentes às paredes dos Balcões de Higienização serão percorridos por estas canaletas, distando de 1” das bordas desta paredes, devendo serem firmemente fixas.

9.4. Condutores

9.4.1. Deverão ser em cobre eletrolítico, pureza mínima 99,9 %.

9.4.2. O isolamento deverá ser constituído de composto termoplástico de PVC, com características para não-propagação e auto-extinção do fogo, tipo BWF.

9.4.3. A tensão do isolamento deverá ser 450/1000 V (ou indicada).

9.4.4. As temperaturas máximas admissíveis para o condutor deverão ser:

• 70 graus ºC para serviço contínuo

• 100 graus ºC em sobrecarga

• 160 graus ºC em curto-circuito

9.4.5. Código de cores a observar (no caso dos circuitos terminais):

• Fase: preto, vermelho e branco

• Neutro: azul-claro

• Retorno: amarelo

• Terra: verde e amarelo misturado

rígidos e secções superiores a 10mm2 em condutores multifilares

Página 27

9.5. Interruptores, tomadas e placas

9.5.1. As tomadas de parede para luz e força serão, normalmente, do tipo pesado, com contacto de bronze fosforoso, “tomback” ou, de preferência, em liga de cobre.

9.5.2. As placas ou espelhos para interruptores e tomadas serão em termoplástico auto-extinguível e, eventualmente, dotadas de plaqueta frontal em alumínio escovado e anodizado. As placas ou espelhos para áreas externas serão em termoplástico com protecção contra a acção do sol (raios ultravioleta), para que não escureçam nem desbotem com o tempo.

9.5.3. Os interruptores terão as marcações exigidas pelas normas da ABNT, especialmente o nome do fabricante, a intensidade (A) e a tensão (V).

9.5.4. Fabricantes:

_ Legrand;

_ Hager;

_ Siemens;

9.6. Lâmpadas, Luminárias e Acessórios 9.6.1. Luminárias

Os aparelhos para luminárias - incandescentes ou fluorescentes - deverão ter invólucro que abrigue todos os condutores de corrente, condutos, porta-lâmpadas e lâmpadas permitindo-se, porém, a fixação de lâmpadas e “starters” na face externa do aparelho.

Aparelhos destinados a funcionar expostos ao tempo ou em locais húmidos serão construídos de forma a impedir a penetração de humidade em eletrodutos, porta-lâmpadas e demais partes eléctricas. É vedado o emprego de materiais absorventes nesses aparelhos.

Fabricantes:

_Philips;

_ Osram

9.6.2. Lâmpadas

As lâmpadas incandescentes e fluorescentes terão os bulbos isentos de impurezas, manchas ou defeitos que prejudiquem o seu desempenho. Apresentarão, pelo menos, as seguintes marcações legíveis no bulbo ou na base:

- Tensão nominal (V);

- Potência nominal (W);

- Nome do fabricante ou marca registrada;

Fabricantes:

_ Osram;

_ Philips;

_ Sylvania;

9.6.3. Reatores e Acessórios diversos

Deverão possuir características de funcionamento de acordo com suas Normas específicas e se integrarem e complementarem as luminárias.

Fabricantes:

_ Philips

9.7. Quadros de Distribuição

9.7.1. Os quadros de distribuição são próprios para o uso como quadros de luz e energia, podendo ser equipados com disjuntores termomagnéticos monofásicos, bifásicos, trifásicos, padrão europeu, com montagem em trilhos de engate rápido de 35mm (conforme DIN EM 50022). Deverão ser de embutir e possuir barramentos dimensionados pelas Normas DIN 43671 e NBR 6808/198L para mínimo de 100A, conforme especificação do projecto de Instalações Eléctricas.

9.7.2. Deverão apresentar placa de montagem removível, com sistema de engate rápido e seguro de disjuntores. Terão estrutura montada, com parafusos para fixação da placa de montagem e apresentar tostões estampados na parte superior e inferior para passagem de eletrodutos de diversas dimensões. Serão providos de moldura, espelho e porta com fechadura de fácil accionamento.

Página 29

Fabricantes:

_ Cemar;

_ Internacional;

_ Efapel;

9.7.3. Lâmpada fluorescente compacta integrada em “U”, com tensão de 230 V; com Potência não superior a 20 W; base E27; temperatura de com entre 6.000 E 6.500 K, fluxo luminoso superior a 1.100 Lumens, vida útil igual ou superior a 7.500 horas e eficiência luminosa superior a 61 lumens por watt (lm/W). A lâmpada fornecida deve ter a eficiência energética, segundo o INMETRO e a PROCEL, classificada como “A”.

9.7.4. Estas lâmpadas devem estar em conformidades com as normas referidas na presente memória descritiva.

9.8. Quadro de Medição

9.8.1. A caixa de medição, tipo CLE (Caixa Lacrável Externa) 2A, deve ser confeccionada em chapa de aço oleada ou zincada, com chapas com espessura mínima de 18USG para o fundo, contorno, porta e face superior, pintadas com tinta antiferruginosa na cor branca; com marcas para a furação, sendo duas estampas, uma com 2,6 cm circundada por outra de 4,6 cm de diâmetro para passagem dos electrodutos. Para o fio terra somente uma com 2,2 cm de diâmetro,

9.8.2. O fundo da caixa deve ser revestido, internamente, de compensado resinado, painel de tiras orientadas (OSB).

9.8.3. A caixa deve ser instalada de maneira que a parte superior da face frontal fique a uma altura mínima de 1,60m com uma tolerância de +/- 0,15m em relação ao piso acabado.

9.9. Disjuntores

9.9.1. Deverão ser em caixa moldada, tipo termomagnético:

• Disjuntor unipolar termomagnético em caixa moldada, tensão nominal 230 V, corrente nominal de 10A, 16A e 20A a 30ºC, frequência nominal 50Hz, faixa de actuação instantânea categoria “C”, capacidade de interrupção nominal superior a 6kA, de acordo com a NBR IEC 60898.

9.9.2. Este disjuntor será usado para as TUG e para a iluminação.

• Disjuntor bipolar termomagnético em caixa moldada, tensão nominal 230 V, corrente nominal de 25A e 32A a 30ºC, frequência nominal 50Hz, faixa de actuação instantânea categoria “C”, capacidade de interrupção nominal superior a 6 kA, de acordo com a NBR IEC 60898. Este disjuntor será usado para as TUE.

• Disjuntor tripolar termomagnético em caixa moldada, tensão nominal 380 V, corrente nominal de 40A e 50 A a 30ºC, frequência nominal 50/60 Hz, faixa de actuação instantânea categoria “C”, capacidade de interrupção nominal superior a 3 kA, de acordo com a NBR IEC 60898. Este disjuntor será usado no Quadro Geral de Baixa Tensão do Edificio.

• Disjuntor tetrapolar termomagnético em caixa moldada, tensão nominal 380 V, corrente nominal de 32A, 40A, 50ª, 63A e 160A A a 30ºC, frequência nominal 50/60 Hz, faixa de actuação instantânea categoria “C”, capacidade de interrupção nominal superior a 3 kA, de acordo com a NBR IEC 60898. Este disjuntor será usado no Quadro Geral de Baixa Tensão do Edificio.

9.9.3. Deverão ter uma vida média de, pelo menos, 20 mil manobras mecânicas e/ou eléctricas com corrente nominal.

9.9.4. Deverão atender as normas prescritas no presente documento.

9.9.5. O disparo, em caso de curto-circuito, deverá se dar entre 7 e 10 x In.

9.9.6. A fixação deverá ser pela base, por engate rápido sobre trilhos.

9.10. Quadro Parcial

9.10.1. Quadro de distribuição de energia eléctrica, embutido na parede, todo construído em material metálico com isolamento por tinta auto-extinguível segundo NF C 20-455, com porta transparente com chave, tampa espelho removível por desengate com local para fixação de etiquetas identificadoras dos circuitos recortada de modo a permitir o accionamento das chaves e disjuntores sem perigo de

Página 31

toque acidental nas partes energizadas, protecção IP40 ou superior. Deve ter classe de isolação II e tensão nominal de 400/231 V a 50Hz, conforme a norma prescritas na presente memória descritiva. Trilho para fixação dos disjuntores.

9.10.2. O barramento do condutor de protecção será electricamente ligado ao terminal de aterramento principal (TAP), e o barramento de neutro isolado do mesmo.

9.10.3. A saída dos condutores deste Quadro até o eletroduto no teto será feito por meio eletrodutos de PVC flexível (Tubo isogrish), com distribuição de circuitos conforme desenho das plantas.

9.10.4. Quando a distância entre barras ou entre barra e massa for menor do que 6 cm, as barras deverão ser protegidas por material isolante, flexível, não combustível e que mantenha suas características até a temperatura de 150 graus Celsius.

9.10.5. Os barramentos principais do quadro deverão ser em cobre chato electrolítico, para as três fases, neutro e terra.

9.10.6. Os isoladores dos barramentos deverão ser em epoxi reforçado e em condições de resistir a uma corrente de curto-circuito de, no mínimo, 18 kA.

10. RECOMENDAÇÕES PARA EXECUÇÃO

10.1. Deverão ser obedecidas rigorosamente as maneiras de instalação recomendadas pelos fabricantes dos materiais. Particularmente deverá ser observado o seguinte:

10.1.1. Quanto à Instalação de Caixas e Eletrodutos

• As tubulações deverão ser fixadas rigidamente, sempre de maneira a não interferir na estética ou funcionalidade do local.

• A conexão dos eletrodutos com as caixas deverá ser feita com bucins e arruelas, com acabamento absolutamente sem saliências ou rebarbas.

• A mudança de alinhamento dos dutos deverá ser feita preferencialmente com caixas; será admitida, entretanto, a utilização de curvas, desde que, no máximo, duas no mesmo plano e não reversas, em cada trecho entre caixas.

• Deverá ser observada rigorosamente a continuidade do sistema de tubulação e caixas.

• A fixação das caixas deverá ser feita pelo fundo, de modo que as tampas possam ser abertas pela frente.

• A montagem dos quadros deverá ser feita de maneira organizada, com os condutores unidos através de braçadeiras plásticas ou cintas se necessário.

• O quadro de distribuição será identificado com etiqueta em acrílico preto com letras brancas gravadas por trás da placa, em baixo relevo.

Página 33

• Os circuitos deverão ser todos identificados através de etiquetas apropriadas, de modo a se ter uma indicação inequívoca da localização das cargas vinculadas.

10.1.2. Quanto aos Condutores Eléctricos

• Deverão apresentar, após a enfiação, perfeita integridade da isolação;

• Para facilitar a enfiação, poderá ser utilizada a guia ou talco industrial apropriado.

• Não serão admitidas emendas desnecessárias, bem como fora das caixas de passagem em distâncias curtas (10metros) sem maior número de curvas.

• As emendas necessárias deverão ser em caixas apropriadas através de placas de bornes de boa qualidade sendo que as pontas deverão ser estanhadas.

• A conexão dos condutores com barramentos e disjuntores deverá ser feita com terminais pré-isolados, tipo garfo, olhal ou pino, soldados.

10.1.3. Quanto ao Acabamento

• O interior das caixas deve ser deixado perfeitamente limpo, sem restos de barramentos, parafusos ou qualquer outro material.

• O padrão geral de qualidade da obra deve ser irrepreensível, devendo ser seguidas, além do aqui exposto, as recomendações das normas técnicas pertinentes, especialmente a Norma supracitadas.

• O acabamento condizente com os demais serviços da obra.

Maputo, 05 de Março de 2018

Técnico Responsável

__________________________________________ Engº Octávio Tereso

ANEXOS

ANEXO1. LISTA DE QUANTIDADES

ANEXO 2. DIMENSIONAMENTO DE CARGAS

Vide Capito 6.

ANEXO 3 - DESENHOS UNIFILARES

ANEXO 4 - SÍMBOLOS ELÉCTRICOS

Item Símbolo Descrição

1 Quadro Geral em PVC

2 Portinhola (Metálica)

3 Célula Fotoeléctrica

4 Comutador de escada

5 Comutador de escada duplo

6 Interruptor simples

7 Comutador de lustre

8 Inversor de grupo

9 Tomada monofásica reforçada

10 Tomada trifásica reforçada

11 Candeeiro duplo fluorescente 2x20w

12 Candeeiro duplo fluorescente 2x40w

13 Candeeiro simples fluorescente 2x20w

14 Candeeiro simples fluorescente 2x40w

15 Caixa de derivação

16 Candeeiro de parede (Aplique)

17 Projector

18 Olho-de-boi

19 Lâmpada incandescente

20 Candeeiro com três lâmpadas

ANEXO 5 – LISTA DE DESENHOS

ANEXO 6 – ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO 7 - CATÁLOGOS