manuel querino e a questão racial na bahia (1905-1923) - michelle

Download Manuel Querino e a Questão Racial na Bahia (1905-1923) - Michelle

Post on 10-Jan-2017

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM HISTRIA

    MESTRADO EM HISTRIA

    MICHELLE DANTAS REIS SOUZA

    O PALADINO DA BOA CAUSA: Manuel Querino e a Questo Racial na Bahia (1905-1923)

    Feira de Santana

    2015

  • MICHELLE DANTAS REIS SOUZA

    O PALADINO DA BOA CAUSA: Manuel Querino e a Questo Racial na Bahia (1905-1923)

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps-Graduao em Histria da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) como requisito parcial para a obteno do ttulo de Mestre em Histria.

    Orientador: Prof. Dr. Rinaldo Cesar Nascimento Leite.

    FEIRA DE SANTANA 2015

  • Ficha Catalogrfica Biblioteca Central Julieta Carteado

    Souza, Michelle Dantas Reis

    S716p O Paladino da Boa Causa : Manuel Querino e a questo racial na Bahia

    (1905-1923) / Michelle Dantas Reis Souza. Feira de Santana, 2015.

    127 f.

    Orientador: Rinaldo Cesar Nascimento Leite. Dissertao (mestrado) Universidade Estadual de Feira de Santana, Programa de Ps-Graduao em Histria, 2015.

    1. Racismo cientfico Combate. 2. Querino, Manuel Estudo e crtica. 3. Identidade cultural Bahia. I. Leite, Rinaldo Cesar Nascimento, orient. II. Universidade Estadual de Feira de Santana. III. Ttulo.

    CDU: 323.14(814.22)

  • O PALADINO DA BOA CAUSA: Manuel Querino e a Questo Racial na Bahia (1905-1923)

    Dissertao apresentada ao Programa de Ps Graduao em Histria da Universidade Estadual

    de Feira de Santana (UEFS) como exigncia para a obteno do ttulo de Mestre em Histria.

    ____________________________________________

    Prof. Dr. Rinaldo Cesar Nascimento Leite. (UEFS) (Orientador)

    _____________________________________________

    Prof. Dra. Elciene Rizzato Azevedo (UEFS) (Examinadora)

    _____________________________________________

    Prof. Dr. Josivaldo Pires de Oliveira (UNEB) (Examinador)

    DATA DA APROVAO

    Feira de Santana, 31 de julho de 2015

    Michelle Dantas Reis Souza.

  • AGRADECIMENTOS

    Algumas pessoas contriburam, ao seu modo, direta ou indiretamente para que

    esse trabalho fosse possvel. O apoio de familiares, amigos e professores foi

    fundamental at o final da minha trajetria no Mestrado, por isso, devo-lhes os meus

    sinceros agradecimentos.

    Primeiramente, agradeo aquela que foi e a minha maior incentivadora, que

    trabalhou duro para garantir meus estudos desde o incio, minha me Orlete. A ela irei

    sempre dedicar todas as minhas conquistas, pois se no fosse o seu amor, o seu cuidado

    e a sua peleja, no teria chegado at aqui, tampouco seria o ser humano que sou hoje.

    Entre os meus familiares, quero destacar tambm minha irm Kzia, que da sua

    maneira, sempre me apoiou.

    Agradeo com muito carinho ao meu companheiro Helder, pelo amor e pelo

    incentivo aos meus estudos, inclusive na minha inscrio no Mestrado, por ter

    acreditado em mim. Sua companhia e pacincia foram muito importantes em todos os

    momentos, especialmente na reta final.

    Aos amigos e amigas de longa data e os mais recentes que ganhei no Mestrado,

    agradeo pelos momentos de risos e desabafos, a companhia de vocs foi

    imprescindvel para aliviar o estresse e acalmar o corao. Cristiane, que sempre

    esteve presente desde a minha infncia, a irm que tive a sorte de escolher, obrigada

    pelo apoio prestado durante a minha trajetria acadmica e profissional, nas coisas da

    vida e nos problemas cotidianos.

    Nayara e Djair; meus compadres e agora vizinhos; Jaqueline e Nau; Eliana e

    Ede, que desde o incio me incentivaram e no momento final me socorreram com os

    ltimos detalhes da dissertao; Aline, sempre solcita e tambm minha incentivadora.

    Amigos, os nossos encontros so maravilhosos, vocs me fazem muito bem!

  • Quanto aos colegas do mestrado que tive o privilgio de conhecer, agradeo pelo

    companheirismo e pelas conversas sempre divertidas e construtivas durante os nossos

    almoos no Feira VI, bem como nas discusses em sala de aula. Destaco aqui,

    especialmente, Eneida, voc me traz paz com sua serenidade e alegria que so

    contagiantes; Iracelli, que tambm me recebeu em sua casa em Salvador em dias de

    pesquisa, uma garota alto astral, inteligente e despretensiosa; Djalma, companheiro,

    amvel e solcito, como dizem, seu nome recorde na seo Agradecimentos; Liliane,

    obrigada pela generosidade em me acolher em sua residncia durante as aulas do

    mestrado em Feira; Hernandes, suas histrias me fizeram rir muito, obrigada pelos

    momentos de descontrao; Felipe, talentoso amigo que me presenteou com a ilustrao

    da capa dessa dissertao, e Izac; seres humanos admirveis pela simplicidade e

    inteligncia que possuem. Tenho certeza de que a amizade de todos vocs ultrapassar o

    tempo de convivncia na UEFS.

    Sou grata tambm a minha sogra, Marilene, sua amizade e carinho comigo

    contradiz a crena popular em relao s sogras, obrigada pelo apoio sempre! Aos meus

    cunhados Henio e Elaine, pela ajuda e ateno nas minhas idas Salvador para

    pesquisar. Elaine, sou muito agradecida pelo acolhimento recebido enquanto estive

    hospedada em sua casa. Obrigada pela generosidade!

    Na minha longa estadia na UEFS, tive a sorte de ter professores maravilhosos

    que contriburam de maneira decisiva na minha formao acadmica, por isso agradeo

    a todo o corpo docente dessa instituio. Registro aqui um agradecimento especial ao

    meu orientador, Rinaldo Leite, meu professor desde a graduao. Sinto um carinho e

    admirao muito grande por ele e o considero mais do que um orientador, um amigo.

    Obrigada pela ateno, pacincia, presteza, solicitude e incentivo, sobretudo na minha

    deciso de participar da seleo do Mestrado. Suas orientaes foram preciosas e

    imprescindveis para a construo desse trabalho.

    Agradeo ainda s professoras Ceclia Soares, por ter me orientado nas primeiras

    pesquisas durante a graduao; e Mrcia Barreiros, minha experincia como monitora

    da disciplina que a senhora ministrava contribuiu para o meu amadurecimento enquanto

    estudante. A convivncia com as duas foi igualmente enriquecedora.

  • Agradeo ainda ao Programa de Ps-Graduao em Histria da UEFS e

    CAPES, pelos 24 meses de bolsa que foram fundamentais para que eu pudesse me

    dedicar com mais tranquilidade s pesquisas. A Julival, sempre solcito e simptico. Aos

    funcionrios dos arquivos que frequentei: Biblioteca Pblica do Estado da Bahia, Setor

    Peridicos Raros e Setor Obras Raras; Arquivo e Biblioteca do Instituto Histrico e

    Geogrfico da Bahia, obrigada pela receptividade e ateno.

    Por fim, sou extremamente grata pelas oportunidades que tive como aluna da

    UEFS e por todos aqueles que me ajudaram nessa empreitada! Obrigada por tudo!

  • RESUMO

    Baiano, nascido em Santo Amaro da Purificao, formado em desenho pela Academia de Belas Artes, onde lecionou, e scio fundador do Instituto Geogrfico e Histrico da Bahia, Manuel Querino (1851-1923) dedicou parte de sua carreira pesquisa e contribuio do africano na formao nacional e baiana. A partir de 1905, comeou a publicar seus trabalhos sobre o tema na revista do IGHB at 1923, ano em que faleceu. Esse perodo no oferecia um cenrio favorvel para aquele que escolhesse estudar acerca do negro no Brasil, j que os discursos sobre a inferioridade racial, ainda eram aceitos por parte dos intelectuais nacionais. Dessa maneira, nessa dissertao buscamos compreender o posicionamento desse autor no combate ao racismo cientfico da poca, bem como sua militncia em evidenciar uma identidade nacional e, sobretudo, baiana, que inclusse o afrodescendente como elemento fundamental. Alm disso, procuramos demonstrar os principais contrapontos entre o discurso desse autor baiano a respeito da questo racial e o do mdico maranhense Nina Rodrigues (1862-1906), que foi considerado um dos principais doutrinadores do racismo cientfico no pas. Ambos debruaram-se sobre temas em comum, como a questo da resistncia escrava, a religiosidade e a cultura de matriz africana; elaborando interpretaes distintas. Desse modo, buscamos tambm, analisar at que ponto Manuel Querino procurou responder ao seu contemporneo da faculdade de Medicina.

    Palavras-Chave: Identidade; Manuel Querino; Negro; Racismo cientfico.

  • ABSTRACT

    Baiano, who was born in Santo Amaro da Purification, graduated in design from the Academy of Fine Arts, where he taught, and a founding member of the Bahia Geographic and Historic Institute, Manuel Querino (1851-1923) devoted much of his career to research and highlight the contribution African in national and Bahia training. From 1905, began publishing his work on the topic in the Bahia Institute magazine until 1923, the year he died. This period did not provide a favorable setting for the one who chose to study about the black in Brazil, since the discourses on racial inferiority, still had acceptance by national intellectuals. Thus, this thesis aims to understand the positioning of this author in combating scientific racism of the time and his activism in development of a national identity and, above all, Bahia, which included African descent as a fundamental element. In addition, we seek to demonstrate the main counterpoints between words that Bahian author about the racial question and the doctor Maranho Nina Rodrigues (1862-1906), who was considered one of the leading scholars of scientif