jacques cousteau - o rei dos mares

Download Jacques Cousteau - O Rei dos Mares

Post on 29-Mar-2016

227 views

Category:

Documents

10 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Uma biografia de Jacques Cousteau sem precedentes, contada por um mestre que revela o indíviduo fascinante e irresistível!

TRANSCRIPT

  • NOTA SOBRE

    O AUTOR

    Brad Matsen tem escrito sobre o mar e seus habitantes por quarenta anos. Ele o autor de Descent: the Heroic Discovery of the Abyss, o qual foi finalista no Los Angeles Times

    Book Prize em 2006; Titanic Last Secrets; Planet Ocean; A Story of

    Life, the Sea, and Dancing to the Fossil Record; a srie para crianas,

    ganhadora de prmios, Incredible Ocean Adventure; e de muitos

    outros livros. Ele foi um criativo produtor de Shape of Life, uma srie

    para televiso com oito horas de durao, da National Geographic,

    sobre biologia evolucionria, e ele escreve sobre cincia marinha e

    o meio ambiente para as revistas Mother Jones, Audubon, Natural

    History e muitas outras. Ele vive em Vashon Island, em Puget Sound.

  • OUTRAS OBRAS DE BRAD MASTEN

    Jacques Cousteau

    Titanics Last Secrects: The Further Adventures ofShandow Divers John Chatterton and Richie Kohler

    Descent: The Heroic Discovery of the Abyss

    Go Wild in New York City

    Fishing Up North:Stories of Luck and Loss in Alaskan Waters

    Planet Ocean:A Story of Life, the Sea, and Dancing to the Fossil Record

    Ray Trolls Shocking Fish Tales:Fish, Romance, and Death in Pictures

    Incredible Ocean Adventure (srie para jovens leitores)

  • A Editora Cultura Sub sente-se lisonjeada em publicar a histria de vida de uma das grandes

    personalidades pioneiras na conservao dos oceanos, fazendo assim com que este belo trabalho

    seja conhecido por todos os brasileiros.

  • P A R A L A A R A

    Eu acredito nas crianas. Eu vivo para as crianas.

    Jacques Cousteau

  • Prefcio Introduo Outono 1977

    La Bergre (A Pastora) Les Mousquemers (Mosqueteiros do Mar) Respirando Debaixo Dgua Dezoito Metros de Profundidade ScubaNaufrgiosA FonteHomens Peixe O Abismo Calypso Il Faut Aller Voir ( preciso ir l ver)FamaVivendo Debaixo DguaO Mundo Sem Sol O Mundo Submarino de David Wolper Uma Testemunha Honesta Oasis no EspaoOdisseiaSeguindo em FrenteCapito UltrajanteRedescobrindo o MundoCaosEplogo NotasBibliografiaAgradecimentos

    123456789

    10111213141516171819202122

    17

    11

    233545

    53

    6373

    8593

    105

    115

    125

    137

    153

    167

    175

    189

    197

    207

    217

    227

    239

    255259

    273

    277

    249

    SUMRIO

  • Jacques Cousteau Prefcio 11

    A lgumas semanas aps eu ter me decidido a escrever sobre Jacques Cousteau, fui a St.- Andr-de-Cubzac, Frana, onde ele nasceu e est enterrado. um tpico vilarejo na periferia de Bordeaux com uma movimentada rodovia que atravessa o centro. Suas estreitas travessas so desertas durante o dia porque a grande maioria da populao trabalha na cidade. O quarto no qual Cousteau deu seu primeiro suspiro de vida fica no segundo andar de um prdio que agora faz parte de um apartamento em cima de uma farmcia. Do outro lado da rua est uma abadia de pedra, sem janelas, que conecta St. - Andr ao sculo XII e a igreja Catlica Apostlica Romana. Duas quadras a oeste, na rotatria de acesso a Bordeaux encontrei um monumento municipal dedicado a Cousteau. Acima de um canteiro de flores cuidadosamente cultivadas e que florescem no vero, est um golfinho de madeira, duas vezes maior que seu tamanho natural, montado a 3 metros acima do cho, em um mastro de ao. O golfinho representado pelo escultor no momento de seu salto do mar, segurando em sua boca um dos famosos gorros de l vermelha usados por Cousteau e a tripulao do Calypso. Em outro mastro, setas de sinalizao orientam os visitantes aos destaques do local A Academia Profissional Philippe Cousteau, a Prefeitura e o Observatrio Ecolgico do Paralelo 45 N, um dos muitos fundados no sculo XVIII para estudar a Terra, precisamente a meio caminho entre o Equador e o Polo Norte.

    Logo aps a rotatria fica o cemitrio com 8.094 m2, cercado por paredes de pedra calcria alm das quais, antigas vinhas se estendem como ondulaes do mar em direo ao Esturio de Gironde e ao Atlntico. Em uma tarde do final de agosto eu estava l, as paredes eram to brilhantes com o reflexo do sol que era difcil olhar diretamente para elas. Do lado de dentro havia fileiras de tmulos, alguns deles como fortificaes destinadas a proteger seus ocupantes, outros como templos ornamentados, decorados com flores de pedra, anjos e retratos do falecido. Um sinal no porto apontava o caminho: Sepultura Comandante Cousteau.

    PREFCIO

  • Jacques Cousteau Prefcio12

    Os pais de Cousteau, Daniel e Elizabeth, descansam juntos em uma sepultura com aproximadamente 50 cm de altura, feita de tijolos de pedra calcria coberta por uma simples cruz inscrita com uma nica palavra: COUSTEAU. Um tapete de flores vermelhas cobria o centro da tumba, em torno da qual havia longas sempre-vivas em forma de cone, espalhadas como se fossem sentinelas. Ao lado, na direo das vinhas carregadas com a colheita da estao, havia trs sepulturas marcadas por cruzes de ferro forjado. Em cima de uma delas havia uma placa de ardsia de aproximadamente 1 m2 com os seguintes dizeres em letras folheadas em ouro velho:

    J Y CousteauPapa du Globe

    (Pai do Mundo)

    Eu fiquei sozinho na tumba apenas por alguns minutos antes da chegada de um homem e uma mulher que eu imaginei terem por volta de 35 anos de idade. Eles olharam para mim, mas no falaram nada, ento eu me afastei para dar-lhes a privacidade que aparentavam querer. Enquanto o homem ficou em p, silenciosamente, com as mos cruzadas na frente do peito, a mulher abaixou-se e retirou algumas folhas secas de cima da sepultura. Em seguida, ela pegou alguns seixos (pedras) do caminho, perto dos seus ps e os arrumou em formato de corao no local onde ela havia limpado. Prximo ao seu corao havia outras homenagens feitas de seixos uma ncora, um casco de navio, outro corao, as letras JYC, um crculo. Quando a mulher virou-se para seu marido, eu vi em seus olhos o brilho de lgrimas se formando. Ela encolheu os ombros como que um pouco embaraada por suas emoes e tomou-lhe o brao. Eles acenaram para mim ao dirigirem-se para o porto do cemitrio. Vocs o conheciam? eu perguntei de repente em Ingls, No - disse a mulher. Mas ns o amvamos.

    Nos anos 50, 60 e 70 na minha meia-idade Cousteau era o astro de televiso mais reconhecido internacionalmente na face da terra. Seu sucesso como cineasta atingiu o apogeu com o programa O Mundo Submarino de Jacques Cousteau, o qual foi ao ar quatro vezes no ano por uma dcada, antes de ser cancelado pela ABC em 1976. Depois disso, Cousteau nunca mais atingiu a audincia de dezenas de milhes de pessoas, apesar de ter produzido mais de cem outros documentrios. Ao invs disso, ele tornou-se um reverenciado ancio do movimento ambientalista, e foi creditada a ele a primeira fagulha da nova conscincia sobre a necessidade de se cuidar dos oceanos e rios do mundo.

    O homem e a mulher no cemitrio eram trinta anos mais jovens do que eu, parte de uma gerao aps a minha. A mulher arrumando seus seixos na sepultura dele acrescentou uma camada de complexidade

  • Jacques Cousteau Prefcio 13

    a um homem que eu considerava um brilhante showman que havia co-inventado o Aqualung porque ele queria respirar debaixo da gua, que havia feito filmes para mostrar ao mundo o que ele encontrou e que havia utilizado sua celebridade para transformar o relacionamento humano com o nosso planeta. Eu no havia entendido que Cousteau foi, simples e intemporalmente, amado.

    No dia seguinte, eu peguei o trem da tarde, sentido norte ao longo da costa Atlntica, com destino a cidade porturia de La Rochelle, a procura do que havia sobrado do Calypso de Cousteau; o navio caa-minas transformado, da Segunda Guerra Mundial, que havia se tornado o navio de pesquisas mais famoso da histria. No cais do Museu Martimo, encontrei um naufrgio que trazia apenas uma vaga semelhana com o heroico navio branco que eu me lembrava das muitas horas sentado em frente televiso comendo um prato pronto e assistindo Cousteau e seus mergulhadores explorando o mundo submarino.

    Do casco gotejava ferrugem proveniente das ferragens corrodas de seus flancos brancos cobertos de fuligem. Amarras desgastadas pareciam estar se esforando para mant-lo tona. O nome e porto de registro haviam sido cobertos com uma colorao de tinta, incompatvel com a cor original, que parecia ter sido aplicada s pressas para esconder sua identidade. As pranchas de popa, escurecidas pela podrido, estavam sinistramente abauladas. Em quatro pontos, lonas foram enroladas em torno do casco como que para conter suas entranhas. No convs, um emaranhado de tubos de metal, arame, tubos de gs e os restos de um posto de observao na frente da cabine de comando pareciam perigosamente irregulares e desamparados. Faltava a porta de embarque, deixando um buraco na amurada atravs do qual eu podia ver a escada de portal (dispositivo para embarque e desembarque) do navio sob uma pilha de folhas de metal amassado. Do lado da escada, fiquei imaginando letras verdes em uma irregular escrita Grega, desbotadas pelo sol, com a letra a da palavra Calypso substituda pelo smbolo do peixe: .

    La Rochelle tem sido continuamente utilizada como porto desde o sculo X, quando se negociavam principalmente vinho tinto e sal. Ao aproximarem-se do porto, os navios tm que navegar atravs de canais com traioeiros bancos de areia movedia na confluncia dos rios Dordogne e Garonne, mas uma vez dentro do porto eles esto a salvo de tudo menos das tempestades mais fortes. Ao observar o naufrgio no cais, percebi que este porto perfeito foi, muito provavelmente, o ltimo porto de escala do navio que foi mais conhecido do que o Argo de Jaso, o Nautilus de Jules (Jlio) Verne, o Endeavour do Capito Cook, ou o Endurance de Ernest Shackleton.

    Cousteau em seu tmulo em St. - Andr me parece