acv sacolas plasticas

Download ACV Sacolas Plasticas

Post on 23-Nov-2015

100 views

Category:

Documents

32 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    Evidence Avaliao do Ciclo de Vida das Sacolas para Transporte de Compras de Supermercado Relatrio: SC030148

    VAIORealce

  • 2

    A Environment Agency o principal rgo pblico que protege e melhora o ambiente na Inglaterra e no Pas de Gales. nosso trabalho assegurar-nos de que o ar, a terra e a gua sejam cuidados por todas as pessoas da sociedade atual, a fim de que as geraes de amanh possam herdar um mundo mais limpo e mais saudvel. Nosso trabalho inclui o combate a inundaes e incidentes com poluio, reduzindo os impactos da indstria no ambiente, limpando rios, guas costeiras e terra contaminada, e melhorando habitats selvagens. Este relatrio o resultado de uma pesquisa a cargo da Environment Agency e por ela financiada.

    Publicado por: Environment Agency, Horizon House, Deanery Road, Bristol, BS1 5AH www.environment-agency.gov.uk Environment Agency Fevereiro de 2011 Todos os direitos reservados. Este documento pode ser reproduzido com prvio consentimento da Environment Agency. Os pontos de vista expressos neste documento no so necessariamente da Environment Agency. Este relatrio foi impresso em Cyclus Print, 100% reciclado, 100% resduos de ps-consumo e livre de alvejantes. A gua usada tratada e na maioria dos casos devolvida fonte em condio melhor do que quando foi retirada. Cpias adicionais deste relatrio disponveis: The Environment Agencys National Customer Contact Centre por e-mail enquiries@environment-agency.gov.uk ou pelo teleone 08708 506506.

    Autores: Dr. Chris Edwards Jonna Meyhoff Fry Status de Disseminao: Disponvel Publicamente Palavras-Chave: Sacolas, avaliao de ciclo de vida, LCA Contratante da Pesquisa: Intertek Expert Services Cleeve Road Leatherhead, KT22 7SB Tel 01372 370900 Gerente de Projeto da Environment Agency: Dr Joanna Marchant Environment Agency Kings Meadow House Kings Meadow Road Reading, RG 1 8DQ Tel 0118 9535346 Projeto: SC030148

  • 3

    Evidence na Environment Agency A Evidence apia o trabalho da Environment Agency. Ela oferece um entendimento atualizado do mundo ao nosso redor, nos auxilia a desenvolver ferramentas e tcnicas para monitorar e gerenciar nosso ambiente de maneira to eficiente e efetiva quanto possvel, e nos auxilia tambm a entender como o ambiente est mudando e a identificar quais podero ser as presses futuras. O trabalho da Diretoria da Agncia Ambiental Evidence um ingrediente essencial na parceria entre pesquisa, orientao e operaes que permite que a Agncia Ambiental proteja e restaure nosso ambiente. O programa de Pesquisa e Inovao foca em quatro reas principais de atividade: Estabelecimento de agenda, fornecendo evidncia para decises; Manuteno de credibilidade cientfica, assegurando que nossos programas e projetos sejam adequados para seu propsito e executados de acordo com normas internacionais; Investigao, atravs da contratao de organizaes e consultorias de pesquisa, ou realizadas por ns; Informaes, orientao, ferramentas e tcnicas, disponibilizando produtos apropriados. Miranda Kavanagh Diretora da Evidence

  • 4

    Consultoria Consultiva Este projeto foi informado e assistido por uma Consultoria Consultiva estabelecida pela Environment Agency.

    Iris Anderson

    Peter Askew

    Jane Bickerstaffe

    Terry Coleman (Presidente)

    Jeff Cooper

    Julia Faria

    Bob Gordon

    Keith James

    Marlene Jannink

    Charlotte Lee-Woolf

    Joanna Marchant

    Rob Mynard

    Julie Osmond

    Marc Owen

    Gerry Newton-Cross

    Julian Parfitt

    Nigel Smith

    Departamento de Energia e Mudana de Clima (DECC)

    Departamento para Negcios, Inovao e Habilidades (BIS)1

    Conselho da Indstria para Embalagem e o Ambiente (Incpen)

    Environment Agency

    Environment Agency2

    Diviso de Qualidade Ambiental Local, Departamento para

    Assuntos Ambientais, Alimentos e Negcios Rurais (Defra)2

    Consrcio de Varejo Britnico (BRC)3

    Programa de Ao de Gastos e Recursos (WRAP)4

    Departamento para Negcios, Empreendimentos e Reforma

    Regulatria (BERR)5

    Consumo e Produo Sustentvel, Departamento para Assuntos

    Ambientais, Alimentos e Negcios Rurais (Defra)3

    Environment Agency

    Diviso de Estratgia de Gastos, Departamento para Assuntos

    Ambientais, Alimentos e Negcios Rurais (Defra)2

    Governo da Assemblia Galesa3

    Departamento para Assuntos Ambientais, Alimentos e Negcios

    Rurais (Defra)3

    Environment Agency6

    Programa de Ao de Gastos e Recursos (WRAP)7

    Consrcio de Varejo Britnico (BRC)2

    1 Desde janeiro de 2007. 2 At abril de 2007. 3 Desde dezembro de 2009. 4 Desde dezembro de 2006. 5 At dezembro de 2006. 6 At abril de 2007. 7 At novembro de 2006.

  • 5

    Grupo Consultivo formado por Especialistas do Setor Alm da Comisso Consultiva, foi estabelecido um Grupo Consultivo formado por Especialistas do Setor para apoiar o projeto. Foi aberta a oportunidade para que qualquer pessoa interessada pudesse ser Membro do Grupo Consultivo formado por Especialistas do Setor. A finalidade desse grupo era fornecer uma plataforma de comunicao nos dois sentidos, para todas as partes interessadas, incluindo grupos que apresentassem algum interesse especial.

  • 6

    Resumo Executivo

    Este estudo avalia os impactos ambientais do ciclo de vida da produo, uso e descarte de diferentes sacolas para transporte de compras para o Reino Unido. Nos ltimos anos, os impactos ambientais relativos de sacolas leves para transporte de compras e outras opes tem sido debatido. At a primavera de 20098 os principais supermercados haviam diminudo o uso de sacolas de uso nico pela metade. Entretanto, ainda restam questes sobre o significado ambiental de sacolas leves, especialmente no que diz respeito ao crescente debate acerca de aquecimento global. O relatrio considera apenas os tipos de sacola disponveis nos supermercados do Reino Unido9, no examinando bolsas pessoais ou sacolas

    O relatrio considera somente os tipos de sacolas disponveis em supermercados9 do Reino Unido, e no examina bolsas pessoais ou sacolas fornecidas por outros varejistas. O relatrio no considera a introduo de um imposto sobre sacolas para transporte de compra, efeitos do lixo jogado na rua, habilidade e vontade do consumidor de modificar seu comportamento, impactos adversos de polmeros degradveis na corrente de reciclagem, ou impactos potenciais econmicos nos negcios do Reino Unido.

    Foram estudados os seguintes tipos de sacolas para transporte de compras: sacola convencional, leve, produzida em polietileno de alta-densidade (HDPE); sacola leve de HDPE, com aditivo pr-degradante, projetada para causar a quebra do plstico em partes menores; sacola biodegradvel produzida a partir de uma mistura de amido e polister (biopolmero); sacola de papel; sacola para toda a vida produzida com polietileno de baixa densidade (LDPE); sacola mais pesada e mais durvel, frequentemente com encartes enrijecidos, produzidas com polipropileno (PP) no-tecido; e sacola de algodo.

    Cada um desses tipos de sacola projetado para um nmero diferente de usos. Aquelas que se pretendem que durem mais tempo necessitam de mais recursos na sua produo e, portanto, provavelmente produziro impacto maior no ambiente, se comparadas sacola por sacola. Para tornar a comparao justa, consideramos o impacto da quantidade de sacolas necessrias para carregar as compras de um ms em 2006/07.

    Calculamos, ento, quantas vezes cada tipo diferente de sacola teria que ser usado para reduzir seu potencial de aquecimento global a um nmero inferior ao de sacolas convencionais de HDPE, em que cerca de 40% das sacolas foram usadas para forrar cestos de lixo. Finalmente, foram realizadas comparaes para outros impactos: esgotamento de recursos, acidificao, eutroficao, toxicidade humana, ecotoxicidade aqutica de gua doce, ecotoxicidade aqutica marinha, ecotoxicidade terrestre, e oxidao fotoqumica (formao de neblina com fumaa). ______________________________________ 8 Com base em nmeros da base de referncia de 2006.

    9 O estudo incluiu tambm uma sacola de papel, que geralmente no est disponvel em supermercados do Reino

    Unido.

    VAIORealce

  • 7

    O estudo revelou que:

    O impacto ambiental de todos os tipos de sacolas controlado pelo uso de recursos e estgios de produo. Transporte, embalagem secundria e administrao de final de vida geralmente tm uma influncia mnima no seu desempenho. Seja qual for o tipo de sacola utilizada, a chave para reduzir os impactos reutiliz-la tantas vezes quanto possvel, e no sendo possvel sua reutilizao para fazer compras, benfico reutilizar a sacola de outras formas, como por exemplo, para substituir sacos de lixo. A reutilizao de sacolas de HDPE convencional, e de outras sacolas leves para compras e/ou para forrar cestos de lixo, essencial para seu desempenho ambiental, e a reutilizao como saco de lixo produz maiores benefcios do que reciclar as sacolas. Sacolas de amido/polister possuem maior potencial de aquecimento global e depleo abitica do que sacolas de polmero convencional, devido ao aumento de peso do material da sacola e a impactos mais altos de produo de material. Sacolas de papel, LDPE, polipropileno no-tecido, e algodo devem ser reutilizadas ao menos 3, 4, 11 e 131 vezes, respectivamente, para assegurar que possuem potencial de aquecimento global mais baixo do que as sacolas de HDPE convencional que no so reutilizadas. O nmero de vezes que cada uma deveria ser reutilizada quando diferentes propores de sacolas convencionais (HDPE) so reutilizadas mostrado na tabela abaixo: A reciclagem ou a compostagem geralmente