zoltan paul dienes (1916)

Download Zoltan paul dienes (1916)

Post on 30-Jun-2015

1.804 views

Category:

Education

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. Zoltan Paul Dienes (1916) Matemtico hngaro; Completou seus estudos na Inglaterra; Doutor em matemtica e psicologia, pelaUniversidade de Londres(1939); Professor em Highgate School e DartingtonHall School ; Professor universitrio emSouthampton, Sheffield, Manchester eLeicester.

2. Seus estudos exploram principalmente a construode conceitos, processos de formao do pensamentoabstrato e o desenvolvimento das estruturasmatemticas1960-1961Centro de Estudos Cognitivos da Universidade de Harvard;1961- 1964Centro de Psicologia na Universidade de Adelaide1964-1975Centro de Investigao Psychomathematics em Sherbrooke;1975-1978Universidade de Brandon 3. Consultoria sobre o ensino de Matemtica em vrios pases(Itlia, Alemanha, Hungria, Nova Guin, Estados Unidos) epara diferentes organizaes (OECE, UNESCO) em todo omundo; Participou da fundao, em 1964, do ISGML(GrupoInternacional de Estudos de Aprendizagem emMatemtica), que promoveu encontros sobre educaomatemtica, realizados na Hungria, Itlia, Inglaterra e emoutros pases com desdobramentos na Amrica Latina; Autor de livros didticos, com exemplos de atividades deacordo com sua teoria. 4. Ttulo Ano publicao-CidadeAno publicao -BrasilAprendizadoModerno deMatemticaBuilding up Mathematics.Londres: Educational, 1960.Rio de Janeiro: Zahar 1967.Traduo do inglsA Matemtica modernano ensino primrioMathematics in the primaryschool. Melbourne:Macmillan, 1964.So Paulo, Rio de Janeiro:Ed. Fundo de Cultura S.A.,1967. Traduo do francs.As seis etapasdo processo deaprendizagemParis: OCDL, 1967. So Paulo: Herder, 1969 ou72? Traduo do originalfrancsO Poder da Matemtica The Power of Mathematics.Londres: HutchinsonEducational, 1963.So Paulo: Herder, 1969.Traduo do ingls comsuperviso do GEEM.So Paulo: EPU, 1974.Traduo do francs.Pensando em estruturas Thinking in Structures.Harlow: Educational, 1965.So Paulo: EPU, 1974.Traduo do francs. 5. Ttulo Ano publicao-CidadeAno publicao -BrasilPrimeiros passosem Matemticav. 1. Lgica ejogos lgicos.v. 2. Conjuntos,nmeros epotncias.First Years in Mathematics.Harlow: Educational, 1966.Frana: OCDL , 19671 edio So Paulo: editorHerder, 1967, comsuperviso do GEEM-Traduo do Ingls, 1969.So Paulo: EPU, 1974.Traduo do francsGeometria dastransformaesGeometry throughtransformations. Harlow:Educational, 1967.So Paulo: 1 edio: editorHerder, 1969.So Paulo: EPU, 1974.Traduo do francs: Lageometrie par lestransformationsFraes com fichas detrabalhoNova : Herder and Herder,1967.So Paulo: 1 edio: editorHerder, 1969.So Paulo: EPU, 1979. 6. Aprendizado Moderno de Matemtica (Dienes, 1967).Ttulo original: Building Up Mathematics, 1960,Londres. Resultados da experincia em Leicester,conhecido como Projeto Leicestershire; O autor anuncia o novo mtodo ejustificativas; O projeto de Matemtica de Leicestershire erapraticamente o nico a estudar o ensino deMatemtica nas sries iniciais. 7. Propostas Prope para o ensino uma metodologiaalternativa adequada ao desenvolvimento deprocessos psicolgicos. A Matemtica deve ser vista como uma estruturade relaes e no apenas considerada como umconjunto de tcnicas; Aprender Matemtica significa descobrir,compreender e combinar as estruturasmatemticas, e o modo como elas se relacionam; 8. Aprendizagem Ensino realizado com um vasto materialmanipulvel; Em atividades investigativas, emsituaes que retratem concretamente asestruturas; Professores que compreendam ocompleto significado de tais estruturas ea maneira como as crianas aprendem. 9. Diferencial nfase metodologia; Introduo de materiais manipulveispara realizao das atividades; Predominantemente em trabalho emgrupo; Blocos lgicos, Material Multi Base eMaterial Dourado. 10. Piaget- Dienes Estruturalista como Piaget; Desde o nascimento, o indivduo constri oconhecimento; A construo do conhecimento, se d por umaao do sujeito devido necessidade deadaptao a uma nova situao. Da, oconhecimento surge (se desenvolve) a partirdas interaes do indivduo com o meio. 11. Piaget Em face de um problema, ficamos em desequilbrio pornos encontrarmos diante de uma situao que deve sersolucionada da forma mais adequada; Buscamos o equilbrio (assimilado/acomodao) pormeio de nosso conhecimento anterior sobre oproblema, com a estrutura mental j construda; Com o conhecimento acomodado, partimos para aadaptao; Organizada a adaptao, provocaremos mudanasem nossas estruturas mentais; Havendo mudanas estruturais, consequentementehaver ocorrido aprendizagem;AprendizagemDesequilbrioAssimilao -acomodaoAdaptao 12. Processo de construo doconhecimento Depois de assimilado, provoca perturbaesou desequilbrios, na medida que carreganovidades para a estrutura assimiladora.Da, o sujeito reformula seus processos deassimilao, em razo do novorepertrio, movimentando-se, paranovamente atingir o equilbrio que haviaperdido. A partir da, em outro nvel, usa osnovos instrumentos. 13. Conhecimento construdo por meiode um longo processo balizado nasaes do sujeito, visando suaadaptao; A inteligncia tratada como umaadaptao a situaes novas; 14. Piaget rejeita a ideia de que a criana j traz em siprogramados os instrumentos (estruturas) doconhecimento e segundo a qual bastaria oprocesso de maturao para estes instrumentosmanifestarem-se em idades previsveis, segundoestgios cronologicamente fixos. Tambm noconcorda que a simples presso do meio socialsobre o sujeito determinaria nele mecanicamenteas estruturas do conhecer (empirismo) 15. As seis etapas Primeira etapa- jogo livre. O objetivo desta etapa propiciaroportunidades em que as crianas, aomanusearem um material concreto, seadaptem a uma nova situao proposta. Explorao livre, manipulao, percepo decaractersticas fsicas, vocabulrio,uso dossentidos,etc 16. Segunda etapa Jogo com regras Percepo de restries Adaptao nova situao Verbalizao Aprender a jogar com regras 17. Terceira etapa Jogo do isomorfismo Percepo de propriedades comuns entreregras; Relaes de natureza abstrata existentes entrejogos; Comparao 18. Quarta etapa Estgio da representao Representar a estrutura comum em diferentesregistros; Mais organizada e inteligvel, deve permitir areflexo sobre a estrutura, sobre o que seabstraiu. 19. QUINTA ETAPA Descrio de uma representao Estgio da simbolizao Exploram-se as propriedades dasrepresentaes construdas, das abstraes. 20. Sexta etapa Formalizao Sistema formal Mtodo, organizao de algumas propriedades Axiomas, deduo, teoremas Classificar agrupar considerando semelhanas de objetos Seriar ordenar a partir da anlisedas diferenas dos objetos. 21. Nmero Piaget (1984), o nmero uma estrutura mentalque a criana constri; envolve trs conceitos bsicos: conservao(invarincia do nmero); seriao (relao deordem entre os elementos); classificao(incluso de um elemento num outro mais amploque o contenha); Estas estruturas precisam ser construdasanteriormente introduo do conceito denmero.