tecnologia de pavimenta†ƒo em concreto .tecnologia de pavimenta†ƒo em...

Download TECNOLOGIA DE PAVIMENTA‡ƒO EM CONCRETO .tecnologia de pavimenta‡ƒo em concreto continuamente

Post on 19-Sep-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • TECNOLOGIA DE PAVIMENTAO EM CONCRETO CONTINUAMENTE ARMADO PARA RODOVIAS DE

    ALTA DURABILIDADE Lucio Salles

    Jos Tadeu Balbo

  • 2

    INTRODUO Rodovias em torno de grandes centros urbanos suportar cargas

    requerendo um mnimo de manuteno; EUA 20% das rodovias em concreto (em 1999)

    Alemanha 40% de rodovias em concreto (menos que nos EUA em

    km totais);

    Pavimentao Nacional 2% em concreto

    Pavimento de Concreto Simples

    Pavimento Asfltico

    Alto custo Inicial Menor custo

    Sensvel s prticas construtivas Suporta erros

    Menor manuteno Manuteno corriqueira

    O Novo rodoanel j precisa de reformas (Folha de So Paulo, 2012) A origem dos principais defeitos dos PCS est na falha de execuo das juntas (Balbo, 2009)

    Pav. Asfltico maiores espessuras manuteno recapeamentos Pav. Concreto problemas construtivos nas juntas falhas prematuras

  • 3

    INTRODUO

    Soluo Alternativa Pavimentos de alta durabilidade

    Pavimentos de concreto SEM Juntas: Pavimento de

    Concreto Continuamente Armado (PCCA);

    EUA e Europa desde 1950;

    PCCA = Let it crack!!

    Fissurao controlada pela armadura longitudinal principal funo;

    Espessuras similares ao PCS concreto

    resiste aos esforos de trao;

    Sem juntas, sem barras de transferncia;

    Placas longas, durveis e muito mais suaves ao rolamento;

    Experincias positivas com PCCA: Pavimentos duram mais que o tempo de projeto & necessitam pouca manuteno;

  • 4

    INTRODUO

  • 5

    PCCA DE CURTA EXTENSO

    4 sees; 50 m de comprimento; 5.05 metros de largura; Setembro, 2010;

    Mesmas camadas;

    Sub-base 300 mm MS; Base 60 mm CA; Placa 240mm

    Diferentes taxas de armadura

    Seo 1 (0.6%) Seo 2 (0.7%) Seo 3 (0.5%) Seo 4 (0.4%)

    Armadura longitudinal 20mm; Armadura transversal 20mm, espaadas em 0.9 m

    Sem ancoragem no final das sees;

    Steel details in Section 1 Moist curing (sections 1 and 2)

  • 6

    PADRO DE FISSURAO

  • 7

    PADRO DE FISSURAO

    PCCA de curta extenso apresentou um padro de fissurao muito diferente do PCCA tradicional;

    Mais de um ano para o aparecimento da primeira fissura;

    Aps dois anos seo 2 (2 fissuras) e seo 1 (nenhuma)

    Curta extenso + falta de ancoragem + base asfltica = Movimentao;

    Pode esconder o mecanismo de retrao, mas no o impede (as fissuras esto l, somente impedidas de aparecer na superfcie efeito armadura longitudinal);

    Abertura compatvel com os PCCA tradicionais;

    Formato reto e uniforme;

    Algumas fissuras divididas;

  • 8

    Sees 2 e 3 apresentaram fissuras divididas em um estgio inicial potencial para interseo o que pode causar futuros punchouts.

    Comprimento total seo (50 m) = espaamento inicial;

    Outubro de 2011 primeira fissura visvel (seo 3) quase 400 dias aps a construo;

    PADRO DE FISSURAO

    Espaamento mdio (sees 3 e 4) comeou a diminuir rapidamente patamar em 2 anos;

    Seo 2 500 dias;

    Seo 1 1300 dias

    Decrscimo no espaamento tem sido mais lento;

    Sees 3 e 4 so as mais fissuradas e o espaamento mdio mais do que o dobro daquele encontrado em PCCA tradicionais (1 a 1.5 m)

  • 9

    DEFLEXES MXIMAS FWD em junho de 2013 (Inverno) e em Janeiro de 2015

    (Vero); Pontos de aplicao entre fissuras; Carga 60 kN; Sees 3 e 4 linhas de deflexo mxima parecidas; Surgimento de novas fissuras nas sees 1 e 2 causou

    diferena do primeiro para o segundo levantamento;

    Falta de ancoragem eleva as deflexes nas proximidades das bordas; Novas fissuras mudam a configurao de rigidez do pavimento; Pontos finais da seo 2 esto mais distantes da borda;

  • 10

    LTE (Load Transfer Efficiency)

    Vista em Jan/2012 Deteriorao com o tempo Descoberta recente existia mas

    no era visvel na superfcies

    LTE relao entre as deflexes equidistantes na placa carregada e na placa descarregada;

    LTE acima de 85% para grande maioria das fissuras;

    Grandes espaamentos e deflexes elevadas no tem influncia na LTE;

    Algumas fissuras apresentam LTE mais elevada no vero (funo da temperatura) e outras no (funo da diferena de tempo entre os ensaios);

  • 11

    CONCLUSES

    Padro de fissurao distinto curta extenso + base asfltica + falta de ancoragem concreto com liberdade de movimentao;

    Tempo de fissurao (atraso no aparecimento) e espaamento entre fissuras muito

    diferente do esperado (mais de um ano para o aparecimento da primeira fissura);

    Espaamento mdio maior do que o esperado (mais do que o dobro do encontrado em PCCA tradicionais 1 m a 1.5 m);

    Deflexes mais elevadas em pontos prximos a borda longitudinal falta de

    ancoragem;

    Novas fissuras modificam a rigidez do pavimento;

    LTE elevada para a maioria das fissuras compatibilidade com PCCA tradicionais;

    Futura retroanlise + verificao da abertura de fissuras em toda espessura

    melhor entendimento da estrutura;

  • 12

    OBRIGADO!!!

    lucio.salles@usp.br jotbalbo@usp.br

    andreiacargnin@usp.br