estudos no livro de habacuque d. martyn lloyd-jones ...· estudos no livro de habacuque d. martyn

Download Estudos no livro de Habacuque D. Martyn Lloyd-Jones ...· Estudos no livro de Habacuque D. Martyn

Post on 27-Jul-2018

229 views

Category:

Documents

7 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Estudos no livro de Habacuque D. Martyn Lloyd-Jones

    Traduzido por Luiz Aparecido Caruso Editora Vida

    Digitalizado por: Dimasp Digitalizado com exclusividade para:

  • 2

    ISBN 0-8297-0695-X Categoria: Estudos Bblicos Traduzido do original em ingls: From Fear to Faith Copyright 1953 by D. Martyn Lloyd-Jones Copyright 1985 by Editora Vida 1 impresso, 1985 2 impresso, 1987 3 impresso, 1991 4 impresso, 1992 5 impresso, 1995 Todos os direitos reservados na lngua portuguesa por Editora Vida, Deerfield, Florida 33442 8134 E.U.A. Capa: Ana Bowen Impresso no Brasil

  • 3

    NDICE

    Introduo ................................................ 04 Esboo do livro de Habacuque .................. 07 1. A singularidade dos caminhos de Deus 08 2. A perplexidade do profeta ................... 13 3. espera da resposta de Deus ............. 19 4. "O justo viver pela sua f" ............... 24 5. Como orar .......................................... 29 6. Como regozijar-se na tribulao ......... 34

  • 4

    INTRODUO

    O mistrio dos processos histricos

    H muitos e variados problemas relacionados com a vida de f. No encontramos, na Bblia, promessa alguma de que, como cristos, nossa vida neste mundo estar livre de dificuldades e de provaes. O adversrio de nossas almas est sempre ativo. Seu grande alvo desanimar-nos e, se possvel, fazer que neguemos a f. Ele nos apresenta mente vrias tentaes tudo aquilo que, deveras, possa minar nossa f.

    Ora, uma das grandes ansiedades no domnio da f, em nossos dias, o que podemos chamar de "problema da histria". Parece que agora a situao histrica que est deixando tantas pessoas perplexas. Nem sempre, porm, foi assim. Por volta do fim do sculo passado, e talvez at 1914, a principal dificuldade que confrontou os que pertenciam f no foi "o problema da histria", mas "o problema da cincia". Nesse perodo, o ataque desferido contra a f dizia contar com a autoridade dos cientistas e de suas descobertas. Parecia, pois, que a dificuldade era a de reconciliar o ensino da Bblia com os fatos observados na natureza e com as vrias alegaes da cincia.

    verdade, sem dvida, que ainda h pessoas que se acham perturbadas no mesmo modo; mas j no o principal problema. O antigo conflito entre cincia e religio realmente est fora de moda. Os prprios cientistas o tornaram antiquado ao rejeitar, na maior parte, as noes materialistas e mecnicas que governaram a mente cientfica popular at vinte anos atrs. No campo da fsica, as recentes descobertas e teorias puseram um fim a tais noes, e em nosso prprio tempo temos testemunhado mais de um preeminente cientista a confessar que foi levado a crer em uma Mente que est por trs do universo.

    No , portanto, o problema cientfico, mas o mistrio da histria que agora causa ansiedade. Esse o problema dos problemas no presente sculo vinte. Naturalmente, ele surge dos acontecimentos deste perodo. Nossos pais, e em grau ainda maior nossos avs, no estiveram particularmente preocupados com o problema da histria porque a vida caminhava de maneira despreocupada e, segundo acreditavam, inevitavelmente para um alvo maravilhoso de perfeio. A Terra Prometida estava prestes a ser ocupada. Tinham apenas de prosseguir em silncio, e em breve estariam l. Mas, no presente sculo, todos temos sido abalados at aos alicerces pelo curso dos acontecimentos e, em face desses fatos, muitos viram sua f tremendamente provada. Acham difcil, por exemplo, explicar duas devastadoras guerras mundiais, porque tais eventos parecem incompatveis com o ensino bblico concernente providncia de Deus.

    Ora, preciso declarar de uma vez que este um problema que nunca deveria ter levado ningum a sentir-se infeliz ou perplexo. No h, realmente, escusa para isto em face do claro ensino da prpria Bblia. De certo ponto de vista nunca houve, tambm, nenhuma escusa para se estar perplexo a respeito de cincia e religio. H menos escusa, ainda, para que algum se perturbe com o problema da histria, porque a Bblia o trata da mais clara forma possvel. Porque, ento, as pessoas se perturbam com ele?

    Parece que o principal motivo que h os que usam a Bblia num sentido estreito, como sendo exclusivamente um livro de texto de salvao pessoal. Ao que parece, muitos pensam que o tema exclusivo da Bblia o do relacionamento pessoal do homem com Deus. Evidentemente, este um dos temas centrais, e somos gratos a Deus pela salvao proporcionada, sem a qual estaramos em total desespero. Esse, porm, no o nico tema da

  • 5

    Bblia. Podemos, de fato, dizer que a Bblia coloca a questo da salvao pessoal em um contexto mais amplo. Em ltima instncia, a mensagem central da Bblia relaciona-se com a condio do mundo inteiro e de seu destino; e voc e eu, como indivduos, somos parte desse todo maior. Por isso que ela comea com a criao do mundo e no com a do homem. A dificuldade est em que temos a tendncia de interessar-nos exclusivamente pelo nosso problema pessoal, ao passo que a Bblia comea bem antes e coloca todo problema no contexto desta viso do mundo.

    Se no compreendermos bem que a Bblia tem uma viso do mundo toda sua, no de surpreender que o mundo, em seu presente estado, nos desespere. Se, porm, lermos toda a Bblia e notarmos sua mensagem total, em vez de apenas selecionar um Salmo, ou o Sermo da Montanha, ou nosso Evangelho predileto, descobriremos que ela tem uma profunda filosofia da histria, e uma viso distinta do mundo. Capacita-nos a entender o que acontece hoje, e que nada que ocorre na histria deixa de encontrar um lugar no plano divino. O grande e nobre ensino da Bblia trata da questo toda do mundo e seu destino.

    No livro do profeta Habacuque temos uma ilustrao perfeita do que dizemos. O profeta encara o problema da histria de uma maneira particularmente interessante; no como uma acadmica ou teortica filosofia da histria, mas como a perplexidade pessoal de um homem ele prprio. Ele escreveu o livro para relatar sua prpria experincia. Estava a um homem muito perturbado pelos acontecimentos, ansioso por reconciliar o que via com o que acreditava. A mesma maneira de encarar a questo encontra-se aqui e ali na Bblia, especialmente nos Salmos, e todos os profetas lidam com este mesmo problema da histria. Mas no so apenas os livros do Antigo Testamento que se ocupam com este problema; o leitor atento verificar que ele percorre igualmente todo o Novo Testamento. Encontrar nosso Senhor apresentando sua viso antecipada da histria, e no livro do Apocalipse ter outra viso prvia da histria e do relacionamento de nosso Senhor ressuscitado e da Igreja Crist com essa histria. Devemos despertar-nos para o fato de que "o problema da histria" o grande tema da Bblia Sagrada.

    No estudo do livro de Habacuque podemos, antes de tudo, considerar a situao com a qual o profeta se defronta. Depois, podemos deduzir certos princpios. Desse modo veremos que, em essncia, tudo quanto causava ansiedade ao profeta exatamente o que preocupa tantas pessoas hoje, quando tentam relacionar o que observam com o ensino da Bblia, especialmente com o ensino acerca do ser e do carter de Deus.

    O profeta viu a Israel numa condio de muita apostasia. A nao se afastara de Deus e se esquecera dele. Entregara-se a falsos deuses e a outras buscas destitudas de qualquer valor. No de admirar que ele exclame em profunda angstia mental: "At quando, Senhor, clamarei eu, e tu no me escutars? gritar-te-ei: Violncia! e no salvars? Por que me mostras a iniqidade (e ele pensa em sua prpria nao e seu prprio povo) e me fazes ver a opresso? Pois a destruio e a violncia esto diante de mim; h contendas, e o litgio se suscita. Por esta causa a lei se afrouxa, e a justia nunca se manifesta; porque o perverso cerca o justo, a justia torcida."

    Que quadro terrvel! Pecado, imoralidade e vcio dominavam desenfreados, enquanto os que estavam em postos de autoridade e exerciam funes governamentais eram frouxos e indolentes. No aplicavam a lei com eqidade e honestidade. A ilegalidade campeava por toda parte; e sempre que algum se aventurava a repreender o povo, como o fez o profeta, os que estavam revestidos de autoridade se rebelavam e partiam para a briga. Grave decadncia religiosa se fizera acompanhar, como invariavelmente acontece,

  • 6

    por um declnio geral de ordem moral e poltica. Tais eram as condies alarmantes que confrontavam o profeta.

    Era, realmente, um problema. Para comear, ele no podia entender por que Deus permitia tudo aquilo. Orou a Deus a esse respeito, mas Deus parecia no responder. Da a perplexidade do profeta: "At quando, Senhor, clamarei eu, e tu no me escutars? gritar-te-ei: Violncia! e no salvars?" Mas, infelizmente para o profeta, este foi apenas o comeo de suas dificuldades. Porque, depois de sua queixa de que Deus deixara de escut-lo e de responder s suas oraes, Deus lhe respondeu, mas de um modo inteiramente inesperado. "Vede entre as naes, olhai, maravilhai-vos, e desvanecei, porque realizo em vossos dias obra tal, que vs no crereis, quando vos for contada. Pois eis que suscito os caldeus, nao amarga e impetuosa, que marcha pela largura da terra, para apoderar-se de moradas no suas." Deus estava praticamente dizendo ao profeta: "Est bem! Estive ouvindo sua orao todo o tempo, e agora lhe digo o que me proponho fazer. Vou suscitar os caldeus." Os caldeus eram, naquele tempo, um povo muito insignificante em comparao com os assrios, os grandes contemporneos de Israel. Habacuque, j perplexo com o fato de Deus permitir a iniqidade em sua prpria nao, agora infor-mado de que Deus tenciona suscitar um povo totalmente pago, mpio, para conquistar a terra e castigar seu povo. O profeta ficou quase esmagado. este o problema que estudaremos nos captulos a seguir.