Broken - 01

Download Broken - 01

Post on 04-Dec-2015

8 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

broken

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Disponibilizao: Curly Claire </p><p>Traduo: Curly </p><p>Reviso: Claire </p><p>Reviso Final : Amora Rosa </p><p>Formatao: Claire </p></li><li><p> Informao da Srie </p></li><li><p>Meu nome Savannah Miller. </p><p>Meu pai o prefeito de Nova York. </p><p>Um dia depo is do meu vigsimo stimo aniversrio eu fui </p><p>agarrada por trs. Um saco de pano foi rapidamente puxado para cima </p><p>da minha cabea, e eu fui levada para longe de tudo o que eu j tinha </p><p>conhecido. </p><p>Fui espancada, passei fome, fui tratada como um animal, e fui </p><p>forada a viver em um quarto sem janelas. Sem nenhum senso de </p><p>tempo e sem dignidade , me deixando finalmente perder a esperana e </p><p>me levando a fazer uma promessa a mim mesma de acabar com tudo. </p><p>Infelizmente, isso estava sendo um processo lento. </p><p>Ento, uma n oite , um grupo de elite de soldados do exrcito dos </p><p>EUA vieram em meu socorro. Fui levada para uma casa segura e foi me </p><p>dado duas opes: </p><p>Um - Ficar sob sua prot eo e seguir as suas regras ou ... </p><p>Dois - sair e ter a garantia de ser devolvida aos selvagens de ntro </p><p>de uma semana. </p><p>Eu escolhi uma opo. </p><p>Quando eu comecei a trabalhar com um terapeuta e comecei a </p><p>processar as minhas coisas infernais , as provaes lentamente </p><p>comearam a vir tona. Com a ajuda de novos amigos e um potencial </p><p>novo amor estou lutando pa ra conseguir minha vida de volta e fazer </p><p>escolhas que alterar para sempre o meu futuro. </p><p>Esta a minha histria ... </p></li><li><p>Para minha me, que tem seguido esta histria comigo </p><p>desde o incio. Obrigado pelo apoio sem fim que voc me </p><p>deu em tudo que eu j tentei. </p><p> Eu amo voc! </p></li><li><p> Engano </p><p>Engano </p><p>Desonesto </p><p>Distoro </p><p>Fico </p><p>Mito </p><p>Conto </p><p>Gracejo </p><p>... De qualquer maneira que voc disser isso significa a </p><p>mesma coisa... Mentiras. </p></li><li><p>Eu no sei quanto tempo eu estive aqui, qu atro meses, </p><p>possivelmente cinco. O tempo passa de forma estranha quando voc </p><p>no tem meios para marc -lo. No incio, eu contei o tempo pelas </p><p>refeies que eu recebi, mas depois de um tempo eles se tornaram </p><p>menores e menos confiveis. Eu tenho certeza que e u estive aqui uma </p><p>temporada completa. Os homens foram de um tempo em usar camisas </p><p>de manga longa para camisetas. </p><p>Minha priso um pequeno quarto com uma cama enferrujada </p><p>que range sempre que eu mudo de posio. Uma pequena mesa de </p><p>madeira com um banquinho ocupa um canto e um vaso sanitrio e uma </p><p>pia se esconde atrs de uma cortina velha. Sem janelas, sem TV, mas </p><p>nada para ler a no ser uma cpia antiga do Wiseguy por Nicolas </p><p>Pileggi. Eu no gostava de ler romances policiais no passado, mas posso </p><p>recitar ca da palavra de cor agora. </p><p>Eu ouo o som familiar da chave abrindo o bloqueio e meu </p><p>estmago se contrai. Eu puxo a minha camisola surrada e envolvo em </p><p>torno da minha barriga um pouco mais apertada. Como se isso fosse </p><p>ajudar a me proteger deles. </p><p>Ouo suas bot as na madeira e o suor irrompe ao longo da parte </p><p>de trs do meu pescoo. Merda, ele. Minha pele se arrepia quando </p><p>vejo os dedos de linguia segurando uma bandeja de comida para mim. </p><p>Seu estmago peludo empurra para fora e por baixo de sua T -shirt e cai </p><p>por cima da cala jeans. Assim que ele me v, me d o seu sorriso torto. </p><p>Hola, chica, como voc est hoje? Sua voz rouca e seu </p><p>sotaque grosso, mas eu entendo cada palavra. Sua linguagem corporal </p></li><li><p> suficiente em si mesmo. Eu lhe fiz uma pergunta , ele late para </p><p>mim. </p><p>Tudo bem , eu digo com um n na garganta. </p><p>Ele est segurando a bandeja em cima de mim. Finalmente eu </p><p>levanto os meus olhos para encontrar os dele e ele sorri, me mostrando </p><p>o quanto ele gosta de ter esse poder sobre mim. Eu tive encontros </p><p>suficientes com este homem sei que ele no vai me deixar sem querer </p><p>algo em troca. Felizmente, at agora nunca foi nada sexual, apenas </p><p>jogos de cabea. Mas isso no significa que ele nunca insinuou. Eu </p><p>sinto meu corpo tremer, meus dedos trmulos puxam a bar ra da minha </p><p>camisola de algodo que est parada no meio da coxa. Eu no preciso </p><p>lhe dar alguma idia. Seu olhar cai para minhas pernas e ele lambe os </p><p>lbios. </p><p>Implore , ele ordena, puxando para fora a palavra. </p><p>Minha boca fica seca. Ele ama esta parte. Eu s ou um animal para </p><p>ele. Ele me chama de sua perra (cadela em espanhol ). Eu sinto meu </p><p>temperamento em ascenso quando eu tento dizer a mim mesma para </p><p>parar, mas no posso ajud -lo. No sou carinhosa como no passado </p><p>mais. </p><p>Dou -lhe o sorriso mais doce que posso reunir. Foda-se. Eu </p><p>nunca tinha falado mais do que eu absolutamente precisava desde que </p><p>cheguei aqui, ento basta dizer que ele est abismado com a minha </p><p>escolha de palavras. Normalmente eu fao o que me dizem enquanto </p><p>secretamente fantasio as muitas ma neiras que eu gostaria de matar </p><p>esse homem. Tento me comportar, nunca mais querendo reviver meus </p><p>primeiros dias aqui. A dor inacreditvel que senti depois que me </p><p>bateram me tornou uma massa sangrenta quando eu no fiz o que me </p><p>foi solicitado sensato e rapi damente. </p><p>Minha adrenalina esta alta e de curta durao, no entanto, </p><p>quando eu vejo seus olhos apertados e sua mandbula se apertar. </p></li><li><p>De repente, ele joga a bandeja do outro lado da sala, quebrando </p><p>os pratos contra a parede. </p><p>Nenhum alimento para voc, len gua de mierda! , Ele sibila, </p><p>dando um passo em minha direo. Eu cubro os ouvidos, dobrando </p><p>meus joelhos at meu peito. Este homem grande o suficiente para me </p><p>pegar em uma das mos e me atirar do outro lado do quarto, </p><p>encontrando o mesmo destino da bande ja. Ele pega um punhado do </p><p>meu cabelo e me arrasta para o outro lado da sala, meus joelhos </p><p>batendo no cho como uma boneca de pano. Eu mal registro a dor, eu </p><p>estou mais ciente deste homem que est a alguns metros pairando </p><p>sobre mim, enfurecido. Por que eu tenho que pagar de inteligente! A </p><p>nica coisa que eu tenho a meu favor que ele no me matou ainda. </p><p>Talvez eu esteja sendo mantida para um resgate? No nenhum </p><p>segredo que meu pai tem um monte de dinheiro e todo mundo sabe o </p><p>nome dele, ele est concorren do a um segundo mandato como prefeito </p><p>de Nova York depois de tudo. </p><p>Eu tento me levantar em minhas mos, mas sua bota esmaga </p><p>para baixo nas minhas costas me forando duro para baixo. Minha </p><p>testa bate contra o cho fazendo das minhas orelhas um anel. Deixei </p><p>escapar um gemido quando meus olhos se concentraram em algo fora </p><p>de alcance. Eu ouo o som dele tirando o cinto e meu corao vivifica </p><p>no, no, no! Isso no pode estar acontecendo. Se eu pudesse apenas </p><p>mover alguns ps para a direita... Eu reuniria tudo o que tenho e me </p><p>lanaria para frente ao longo do cho. </p><p>Onde voc pensa que est indo? Sua voz oh, to calma. </p><p>Meus dedos envolvem o pedao quebrado de chapa e eu enfio a mo sob </p><p>meu peito para escond -lo. Vamos. Ele se abaixa, agarrando meus </p><p>ps e me virando, me arrastando de volta para a cama. Eu grito em </p><p>protesto eu chuto e manobro, mas o seu aperto muito firme. </p><p>Coisinha corajosa, no mesmo? Ele ri. Ele se inclina para me pegar </p><p>e eu aproveito a minha oportunidade. Eu atiro para cima, dirigindo a </p><p>pea afiada de vidro em seu pescoo. Seus olhos vidram com o choque e </p></li><li><p>ele cai para o lado dele com um baque forte, xingando e puxando o </p><p>objeto. Eu me arrasto para os meus ps e sigo para a porta aberta. </p><p>Eu no tenho idia em que direo ir, mas eu no m e importo </p><p>pela primeira vez, eu estou livre daquele quarto. Eu me movo to rpido </p><p>quanto meus ps podem me levar. Eu estou com meu acar baixo e </p><p>minha cabea fica leve, mas eu continuo, continuo; esta a minha </p><p>chance. A atividade fsica no tem sido uma parte do meu mundo, por </p><p>tanto tempo difcil para meu crebro esperar enquanto minhas pernas </p><p>tentam desesperadamente se manter. O corredor longo com muitas </p><p>portas, os papis de parede so rasgados em alguns lugares, e a </p><p>iluminao baixa. Parece um hot el abandonado, mas onde esto as </p><p>janelas? Eu continuo passando pelos cantos, as minhas mos me </p><p>segurando em p contra as paredes com os meus joelhos ficando fracos. </p><p>Eu no tenho nenhum senso de direo; cada corredor parece o mesmo. </p><p>Eu posso ouvir vozes fi cando mais altas e meu corao est na minha </p><p>garganta. Eu tento puxar e empurrar a maaneta da porta mais </p><p>prxima, mas no abre. Minhas lgrimas correm com ardor pelo meu </p><p>rosto, o pnico est retrocedendo em soluos e esto me ultrapassando. </p><p>Eu as combato de volta, mas eu sinto que estou me deixando para </p><p>baixo, eu tenho uma chance de escapar e eu no posso sequer abrir </p><p>uma maldita porta! Um clique pesado seguido por um zumbido me faz </p><p>congelar. Ento as luzes piscam e saem. </p><p>Eu cubro minha boca para parar os gritos como minhas mos </p><p>tremem violentamente, juntamente com os meus dentes. Eu me </p><p>pressiono de volta contra a porta precisando de algo estvel para </p><p>segurar. Um lampejo brilhante para a esquerda empata meu olho, mas </p><p>rapidamente morre e seguido por um bri lho alaranjado maante. </p><p>Algum est de p cerca de 10 metros de mim fumando um charuto </p><p>gordo. Eu fecho meus olhos fazendo uma orao silenciosa. Quando eu </p><p>os abro novamente encontro um significativo conjunto de olhos a </p><p>polegadas do meu rosto. Eu sou incapa z de me mover. Eu sei quem </p><p>este homem, eu o vi algumas vezes antes e eu acho que ele vive neste </p></li><li><p>lugar. Ele sopra longe, enchendo meu nariz com nusea ante ao aroma </p><p>de seu Monte Cristo. Eu conheo esse cheiro em qualquer lugar; meu </p><p>pai tinha usado muitas vezes em suas festas de seus partidos e eles </p><p>pareciam ser o charuto mais popular entre seus convidados. </p><p>Meus joelhos enfraqueceram enquanto ele continuava a olhar </p><p>para mim, sem dizer nada. Eu ouo seu ombro sair de sua jaqueta </p><p>enquanto sua mo aparece e ag arra meu queixo com fora. Com </p><p>facilidade ocasional ele se movimenta e acende seu Zippo 1, o segurando </p><p>para inspecionar a crescente protuberncia acima do meu olho. A luz se </p><p>apaga e eu sinto um movimento com um aperto na parte de trs do meu </p><p>pescoo e ele m e empurra para avanar. Ele obviamente conhece o </p><p>caminho uma vez que ainda est completamente escuro e ele me dirige </p><p>sem hesitao. Tudo o que eu posso ouvir meus batimentos cardacos </p><p>martelando e respirao irregular, de curta durao. </p><p>Finalmente paramo s em uma porta e ele a empurra aberta e me </p><p>joga dentro. Eu tropeo para frente, caindo em meus joelhos. De </p><p>repente, as luzes se acendem e eu fico cara a cara com o homem gordo </p><p>cujo pescoo est agora envolto em uma bandagem branca. Ele segura o </p><p>cinturo na mo agarrando -o para mais efeito. A ltima coisa que eu </p><p>me lembro de estar sendo empurrada para um sof e a primeira </p><p>estalada do cinto ao longo de minha parte inferior das costas. Esse tipo </p><p>de dor, eu nunca vou esquecer; permanentemente incorporada em </p><p>minha memria. Felizmente eu escorrego em um lugar feliz, onde sado </p><p>com os braos abertos. </p><p>Eu acordo cega pela dor, o menor movimento me fazendo soluar, </p><p>que por sua vez di ainda mais. </p><p>Meu crebro est nublado. Eu mal posso pensar e respirar ainda </p><p> mai s complicado. Leva -me alguns momentos para perceber que eu </p><p>estou de volta em minha priso deitada de bruos na cama que range. </p><p>Eu deixei e permiti as lgrimas carem. Eu preciso de algo para pensar, </p><p> 1 isqueiro </p></li><li><p>algo para me concentrar. Lembro -me do primeiro dia em que cheguei </p><p>aqui, Cristo parece que foi h muito tempo. </p><p>**** </p><p>Ol meu amor, Eu ronrono ao meu Keurig 2 quando eu coloco </p><p>a minha caneca amada que l no fale comigo at esta caneca estar </p><p>vazia para baixo e aperto o boto. Minha amiga Lynn recebe um ponta </p><p>p pelo fato de que eu no posso funcionar at que eu tenha pelo menos </p><p>uma grande xcara de caf. Ela me comprou esta caneca para meu </p><p>vigsimo sexto aniversrio. Ela foi colocada dentro de uma cesta que ela </p><p>tinha feito junto com um bilhete de avio para Fiji para ns duas </p><p>escaparmos do meu mundo louco. Homem essa viagem foi demais. Eu </p><p>ouo minha porta da frente aberta. </p><p>Voc est pronta para isso agora, Savi! Lynn grita quando ela </p><p>entra na minha cozinha. Ela levanta uma revista, mostrando a capa </p><p>para mim. Ass im que meus olhos leem a legenda eu sabia que estava na </p><p>merda. </p><p>Oh, no. Eu a pego de suas mos. </p><p>Ah, sim , ela suspira, passando por mim e abrindo um </p><p>armrio. Ento, ele no chamou voc ainda? </p><p>Eu balancei minha cabea, no enquanto eu estudo o quadro de </p><p>horror. Us Weekly 3 tem uma foto minha em um bar na noite passada </p><p>debruada sobre uma mesa mostrando minha bunda. O subttulo l, </p><p>Eu estava pegando minha bolsa! Grito. Esta bunda no </p><p>mesmo minha isso Photoshopped. </p><p>Eu sei disso, mas ser que seu querido papai vai acreditar em </p><p>voc? Ela bebe seu caf, me olhando com preocupao. Talvez voc </p><p> 2 caf aromatizado que equilibra perfeitamente a doura picante de canela. 3 jornal </p></li><li><p>devesse cham -lo primeiro, assim podem conversar melhor se voc </p><p>fizer. </p><p>Lynn e eu temos sido amigas desde sempre. Ns nos conh ecemos </p><p>no ensino mdio no dia em que ficamos presas em regime de deteno </p><p>usando nossas bocas, nos tornamos amigas desde ento. Ela montou a </p><p>onda da fama e publicidade ao meu lado. Ela a minha rocha, como eu </p><p>sou a dela e ns duas nos consideramos como ir ms que nunca </p><p>tivemos. </p><p>Talvez ela tenha um ponto. Eu lano a revista de lado, pegando </p><p>minha bolsa e pego meu celular. Trs toques mais tarde eu ouo a sua </p><p>voz. </p><p>Pai, como voc est hoje? Silncio cresce no outro lado da </p><p>linha. Voc esta a? </p><p>Qualquer raz o pela qual eu estou olhando para a minha filha </p><p>na capa de mais uma revista popular? </p><p>Merda! Merda! Merda! </p><p>Pai, olha, voc sabe que eu no tenho sado muito. Eu fui to </p><p>cuidadosa depois do que aconteceu no ano passado. Mas isso no o </p><p>que parece... </p><p>Salve isso, Savannah, voc tem alguma idia de que tipo de </p><p>dano voc pode me provocar? Eu tenho trs pessoas trabalhando nesse </p><p>sentido, desperdiando seu tempo nesta porcaria! </p><p>Pai, por favor, me deixe explicar... </p><p>No Savi, vamos discutir isso amanh noite no jantar. A </p><p>linha ficou muda. </p><p>Eu lano o telefone no balco e esfrego o rosto com as duas mos. </p><p>Lynn toca minhas costas suavemente e me da alguns momentos para </p></li><li><p>processar tudo. Eu suspiro, passando minhas mos pelo meu cabelo. </p><p>Lynn se move na minha frent e, me deixando olhar para ela. </p><p>Vamos Savi, vamos sair daqui. </p><p>Depois de um banho quente eu comeo a melhorar um pouco. Eu </p><p>puxo o meu vestido azul marinho com preto favorito minhas botas e um </p><p>casaco preto. </p><p>Ok, ok, pare de agitao, Lynn gemeu em minha po rta, - </p><p>Voc parece bem. </p><p>Se eu acabar parecendo que eu tenho uma ressaca e os meios </p><p>de comunicao me encontrarem, voc sabe que vai ter um tempo com </p><p>a histria. Ela agarra meus ombros e me olha no espelho. </p><p>Quem se importa com o que as pessoas pensam Sav i? Qualquer </p><p>um que conhea verdadeiramente voc, sabe que tem um corao de </p><p>ouro... e uma lngua rpida para colocar as pessoas em seu lugar. Ela </p><p>sorri. Quem pode no te amar? </p><p>Eu sou muito grande , eu brinco, ligando os braos com o dela </p><p>quando ns cam inhamos para fora da porta. Ns temos que contornar </p><p>dois pintores no corredor e eu aperto o boto do elevador eu olho para </p><p>um dos homens. Ele est vestindo um cinto de fivela enorme que l </p><p>'Texas' com uma cabea de um boi saindo do centro. </p><p>Eles esto de a lguma maneira na minha casa , murmuro. </p><p>Lynn b...</p></li></ul>