A importância da Selecção

Download A importância da Selecção

Post on 17-Mar-2016

214 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

Notas para criadores I - A importncia dos diferentes tipos de seleco no estabelecimento de um programa de criao (Artigo publicado na revista Ces e Companhia de Abril de 2011)

TRANSCRIPT

  • 32 Ces&Companhia

    A importncia da selecoGenticaD

    Por: Carla Cruz, Biloga, Mestre em Produo Animal e Doutoranda em Cincia Animal Fotos: Shutterstock

    Criar animais aparentemente no tem nada de difcil, certo? Afinal, s juntar um macho e uma fmea na altura apropriada e deixar a natureza seguir o seu curso, correcto? No entanto, quando se pretende fazer um trabalho srio, com objectivos definidos e procurando beneficiar a raa a longo prazo, necessrio definir o que se pretende alcanar e saber quais as melhores formas de o conseguir.

    Apesar da criao de forma emprica per-mitir alcanar bons resultados ao longo da vida do criador (afinal, a maioria das raas foi assim estabelecida), uma boa base terica e prtica permite alcanar mais rpida e facilmente os resultados pretendidos, procurando minimizar qualquer impacto negativo e mantendo os animais e a populao nas melhores condies pos-sveis.

    Definio de objectivosAntes de decidirmos enveredar pela criao de ani-mais, devemos primeiro decidir qual o nosso objectivo, porque razo pretendemos criar e melhorar uma de-terminada raa. Isto poder parecer uma questo de somenos importncia, mas de facto um dos factores fundamentais. Se no h objectivos, porqu criar? E como criar?Nas espcies pecurias, normalmente, os objectivos de criao so objectivos e quantificveis. O intuito ser obter, por exemplo, uma maior produo de leite, um determinado teor de gordura, uma determinada quan-tidade de ovos, um determinado peso ao abate, etc.J na criao de animais de companhia, os critrios so tipicamente subjectivos e dificilmente quantifi-cveis. A nvel morfolgico, o estalo da raa fornece uma indicao geral, mas passvel de diferentes inter-

    pretaes por diferentes pessoas; a nvel de carcter, as caractersticas pretendidas iro variar consoante o fim a que o animal se destine companhia, trabalho, que tipo de trabalho, etc.A quantidade de objectivos de seleco ir influenciar o sucesso a mdio e longo prazo. Quanto maior for o nmero de objectivos que se trabalhe simultanea-mente, mais difcil ser encontrar animais adequados em todos eles para se iniciar o processo de seleco e reproduo.Adicionalmente, h que ter em ateno que, frequentemen-te, os objectivos de criao no so independen-tes. Mui-

    tos esto correlacionados entre si, e muitas vezes de forma negativa por exemplo, um criador que queira ter ninhadas numerosas e com cachorros grandes nascena ver normalmente as suas expectativas se-rem frustradas; um criador que tenha ces de uma linha de pastoreio ter dificuldades em colocar com sucesso os seus cachorros como ces de companhia, pois os exemplares sero em mdia demasiado acti-vos para a famlia tpica.

    Seleco de reprodutoresPortanto, definimos qual o nosso objectivo de criao e estamos mentalizados que estamos a enveredar num projecto a longo prazo. Ora, se temos um objectivo, porque consideramos que a populao de partida tem uma grande variabilidade face ao que pretendemos, variabilidade essa que queremos reduzir em direco ao que pretendemos.

    Notas para criadores I

  • 33Ces&Companhia

    do exemplar em questo. Tem havido casos em que a anlise detalhada de genealogias permitiu inclusive determinar o modo de transmisso de algumas pato-logias com base gentica. Neste tipo de seleco, a fiabilidade da informao relativa aos exemplares em anlise crucial, para evitar a condenao de linhas reprodutivas por se pensar que portadora de alguma patologia recessiva, quando na realidade no o , ou, pelo contrrio, a utilizao de animais afectados, por omisso dessa informao sobre a ascendncia.Ao usar rvores genealgicas para a seleco, deve prestar-se mais ateno aos ancestrais mais recentes h que no esquecer que a percentagem de genes que um antepassado fornece reduzida a metade em cada nova gerao. Alguns criadores tendem a dar

    Como vamos escolher que animais iremos utilizar como reprodutores, para cumprir os nossos objec-tivos?

    Seleco massal ou fenotpicaUma possibilidade ser recorrer seleco massal ou fenotpica. Neste tipo de seleco, escolhem-se os indi-vduos que se iro reproduzir com base no seu aspecto ou desempenho. Este tipo de seleco pressupe a existncia de um estalo, ou padro racial, que sirva de linha mestra para o estabelecimento dos objectivos. A maioria das raas de animais domsticos foi estabe-lecida com base neste tipo de seleco, escolhendo-se os indivduos considerados superiores e reproduzindo--os entre si. Normalmente, a seleco massal permite obter um progresso eficaz, mas apenas at um certo nvel, depois disso necessrio recorrer a outros mto-dos de seleco. bastante eficiente nas caractersti-cas com elevada heritabilidade, influenciando melhor caracteres relacionados com as caractersticas morfo-lgicas do que aspectos produtivos. Alis, para perce-ber o impacto que pode ter, basta pensar na enorme variedade de tamanhos e conformaes que as dife-rentes raas de ces apresentam!

    Seleco genealgicaNormalmente, seleco massal segue-se a seleco genealgica, baseada no fentipo dos ascendentes do animal em questo. Este tipo de seleco pressupe, naturalmente, que existam registos fiveis relativos aos exemplares que esto na rvore genealgica (no pedigree) de um animal. Como normalmente os livros genealgicos dos animais de companhia no mantm registos sobre as caractersticas dos animais neles inscritos (excepto os ttulos de beleza ou trabalho que lhe tenham sido atribudos e, mais recentemente e em algumas situaes, os resultados dos despistes de al-gumas patologias), necessrio que o criador faa um estudo o mais exaustivo possvel dos ancestrais dos exemplares que est a considerar utilizar, de forma a tentar aferir se esse animal tem o potencial de con-tribuir para os seus objectivos ou no. O estudo das rvores genealgicas pode ser importante, por exem-plo, para detectar os portadores de um gene recessivo, caso se tenha informao suficiente relativa aos as-cendentes e aos colaterais (irmos, tios, primos, etc.)

    uma grande nfase a ascendentes que existiram h trs ou quatro geraes, mas eles apenas contribuem com uma pequena percentagem dos genes que o in-divduo possui, influenciando assim pouco o seu tipo e aspectos produtivos (a menos que se tenha praticado o cruzamento em linha com esse indivduo, assunto a que voltaremos mais abaixo).Uma das limitaes deste tipo de seleco que pressupe que dois animais com um pedigree idn-tico tero o mesmo potencial reprodutivo, quando na realidade, mesmo dois irmos plenos podem ter um desempenho reprodutivo diferente. Porm, pode ser til para decidir entre dois animais fenotipicamente idnticos, mas com genealogias diferentes. No caso de afeces com base gentica, normalmente, a tendn-

    cia eliminar uma linha que se pressuponha estar

    afectada, mesmo que haja indivduos que no o estejam, devi-do impossibilida-

    de de determinar quais os isen-

    tos (sobre-

  • 34 Ces&Companhia

    Quem pretende enveredar pela criao de animais deve ter uma ideia clara do(s) objectivo(s) que pretende alcanar e estar preparado para despender muito tempo a tentar alcan-los, sem garantias de o conseguir

    tudo na ausncia de testes genticos). Adicionalmente, a seleco com base em pedigrees tem o problema de, frequentemente, se cair na armadilha do ani-mal da moda, escolhendo-se para reproduo indi-vduos que tenham algum determinado exemplar na sua ascendncia, no tanto pelo seu mrito, nomea-damente a nvel reprodutivo, mas por ser um animal particularmente vistoso, ou com bons desempenhos morfolgicos e/ou de trabalho. Porm, frequentemen-te a popularidade de uma rvore genealgica no s se altera normalmente num curto espao de tempo, devido alterao do exemplar mais promovido na altura, como pode inclusivamente ter efeitos nefastos para a raa, caso se venha a verificar que um dado ani-mal no se reproduz como os criadores esperariam.

    Seleco baseada na descendnciaNeste tipo de seleco, o valor reprodutivo de um in-divduo avaliado atravs do estudo de um dado ca-rcter na sua descendncia. Ou seja, estuda-se a des-cendncia de diferentes indivduos para determinar qual dos grupos melhor para a caracterstica visada, e com base nessa informao, d-se preferncia a um dado indivduo para ser utilizado como reprodutor no futuro. Os testes de descendncia so tipicamente usados para efectuar seleco para caractersticas de baixa heritabilidade, e so normalmente usados para avaliar o potencial reprodutivo dos machos.O nmero de descendentes a analisar para fazer um teste de descendncia rigoroso ir depender da herita-bilidade do carcter, sendo necessrios menos descen-dentes se a heritabilidade for baixa e um maior efecti-vo se a heritabilidade for baixa. tambm importante manter constante o ambiente em que os descenden-tes so criados, para minimizar a influncia do mtodo de criao no fentipo dos animais. Adicionalmente, importante que as fmeas utilizadas no sejam elas prprias seleccionadas, para no confundirem a an-lise do potencial reprodutivo do macho.Este tipo de seleco normalmente usado na pro-duo de animais de pecuria, para estudar carac-

    tersticas que apenas se expressam num dos sexos, como por exemplo a produo de leite em vacas ou de ovos em galinhas os machos no podem ex-pressar estas caractersticas, sendo no entanto porta-dores de genes que as influenciam. tambm usada para estudar caractersticas que no podem ser ava-liadas no animal vivo, como a qualidade da carcaa. Nestes animais, a descendncia que no corresponde aos critrios que o criador estabeleceu como objec-tivo pode facilmente ser refugada. J na criao de animais de companhia, isto no acontece, sendo a descendncia mantida, mesmo que no seja utiliza-da em criao, pelo que o teste de descendncia no to utilizado.Na realidade, os diferentes critrios de seleco de reprodutores acabam por ser utilizados de forma concomitante, de acordo com a informao dispo-nvel. Tipicamente, a qualidade morfolgica e/ou comportamental do indivduo dos principais cri-trios utilizados (seleco massal), complementado, sempre que possvel com a informao sobre os seus ascendentes (seleco genealgica) e colaterais. Se o indivduo tiver sido j utilizado como reprodutor, a informao sobre a sua descendncia ponderada para considerar a sua manuteno ou no como re-produtor (teste de descendncia).

    Mtodos de selecoSob um ponto de vista prtico, o valor do indivduo depende das vrias caractersticas que possui, que podem ou no ter o mesmo interesse para o criador e que podem ou no ser independentes umas das ou-tras. Como tal, normalmente necessrio seleccionar vrias caractersticas simultaneamente. Assim, que metodologia usar para conseguir alcanar o resultado pretendido? Existem vrias formas.

    Mtodo em tandemCom este mtodo, efectua-se a seleco para uma caracterstica de cada vez. Quando se obtm uma melhoria considerada satisfatria para esse trao, diminui-se o esforo de seleco aplicado e aumenta-

    se para o melhoramento de um outro carcter, e assim sucessivamente. No entanto, este mtodo no mui-to eficiente, em virtude do progresso gentico global alcanado e do tempo dispendido pelo criador at alcanar o objectivo final. Adicionalmente, a sua efici-ncia ir depender da associao entre os caracteres. Se os caracteres estiverem associados positivamente, a seleco para um ir beneficiar o outro e o progresso ser mais rpido. Se no houver associao, eles sero transmitidos de forma independente e o progresso ser lento, uma vez que se est a seleccionar um de cada vez. Se a correlao for negativa, acaba por no se conseguir alcanar o resultado objectivo, pois a se-leco para progresso numa caracterstica ir implicar um retrocesso noutra.

    Mtodo dos limiares independentesUsando este mtodo, a seleco pode ser efectuada para dois ou mais caracteres em simultneo. Deter-mina-se como obrigatrio para que um animal seja utilizado na reproduo que ele tenha um resultado mnimo em cada um dos traos para que seja utilizado na reproduo. Este mtodo utilizado, por exemplo, em formas de seleco de animais de Exposio, em que os animais tm de cumprir determinados parme-tros de excelncia a nvel de tipo e conformao. Em espcies pecurias, por exemplo, h tabelas da pontu-ao a ser atribuda a diferentes regies anatmicas consoante a sua conformao; j nos ces, por exem-plo, essa atribuio tende a ser mais subjectiva, se bem que alguns estales antigos tinham tambm uma ta-bela de pontuao, o que no ocorre actualmente.Este mtodo tem vantagens sobre o mtodo em tan-dem, por ser aplicado a mais que uma caracterstica ao mesmo tempo. No entanto, pelo facto de se impor um valor de qualidade mnimo a cada um dos caracteres em simultneo, pode levar a que se eliminem exem-plares de elevado mrito em alguns traos, por no cumprirem os mnimos noutros.

    Mtodo dos ndices de selecoEste mtodo implica a determinao do valor de cada uma das caractersticas a seleccionar de forma independente. Estes valores so depois adicionados, obtendo-se um ndice relativo a este somatrio (exis-tem diferentes formas de efectuar estes clculos). Os indivduos com um valor de ndice mais elevado iro ento ser utilizados preferencialmente na reproduo.O peso que cada carcter vai ter ir depender de vrios factores, como a sua importncia, a sua heritabilidade,

  • 35Ces&Companhia

    mdia da populao e a mdia dos animais escolhidos como reprodutores chama-se diferencial de seleco. Em geral, quanto maior for o diferencial, maior o pro-gresso que se poder esperar obter com a seleco. Normalmente, o diferencial de seleco usado para os machos tende a ser maior que o das fmeas, pois em regra so usados menos machos na reproduo que fmeas.O nmero de caracteres para os quais se est a se-leccionar tende a reduzir o tamanho do diferencial de seleco para qualquer carcter, uma vez que um indivduo pode ser superior num carcter mas inferior noutro; mais difcil encontrar um animal que seja simultaneamente superior para vrias caractersticas que para uma nica. Uma das vantagens da utilizao de ndices de seleco precisamente permitir avaliar o potencial de animais com diferentes vantagens e desvantagens nos vrios caracteres considerados.O diferencial de seleco tambm se ir alterando ao longo do tempo que o carcter est a ser selecciona-do. medida que a mdia da populao seleccionada vai aumentando, vai-se tornando cada vez mais difcil encontrar animais que excedam esse valor.

    HeritabilidadeA heritabilidade diz respeito pro-poro da variao do carc-ter que pode ser atribuda aco cumulativa (adi-tiva) de vrios genes,

    ou seja, d uma

    ideia da transmissibilidade de uma caracterstica. Quanto maior for a heritabilidade de um carcter, maior a correlao entre o fentipo dos indivduos e o seu gentipo.Como ser de esperar, o progresso que se consegue realizar com a seleco ir estar condicionado pela heritabilidade da caracterstica. Quando se selecciona um carcter de baixa heritabilidade, como o tamanho da ninhada, ir conseguir-se pouco progresso; j traos com maior heritabilidade, como o ritmo de crescimen-to, permitem maior progresso. Quando a heritabilida-de de um carcter elevada, o diferencial de seleco ser devido mais heritabilidade do que ao ambiente; j no caso de uma heritabilidade baixa, grande parte...

Recommended

View more >