ultimo andar 19

Download Ultimo Andar 19

Post on 31-Dec-2015

26 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • PONTIFCIA UNIVERSIDADE CATLICA DE SO PAULO

    ltimo Andar Caderno de Pesquisas em Cincias da

    Religio

    Programa de Estudos Ps-Graduados em Cincias da Religio

    2 Semestre de 2010

    Caderno de Pesquisas do Corpo Discente do Programa de Estudos Ps-Graduados em Cincias da Religio da Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo. www.pucsp.br/ultimoandar

  • 2

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    Ficha Catalogrfica elaborada pela Biblioteca Reitora Nadir Gouva Kfouri / PUC-SP

    Programa de Estudos Ps-Graduados em Cincias da Religio

    Coordenao

    Silas Guerriero e Frank Usarski (vice)

    Editor Cientfico

    Pedro Lima Vasconcellos

    Comit Editorial

    Claudio Santana Pimentel, Roberto Serafim Simes, Sabrina Alves

    Conselho Editorial

    nio Jos da Costa Brito PUC/SP

    Fernando Torres Londoo PUC/SP

    Franklin Leopoldo e Silva USP

    Jos J. Queiroz PUC-SP

    Karen H. Kepler Wondracek EST/RS

    Lauri Emlio Wirth UMESP

    Marcio Alexandre Couto Escola de Teologia Dominicana

    Maria Jos F. Rosado Nunes PUC/SP

    Tereza Pompia Cavalcanti PUC/RJ

    Willian Stoeger University of Arizona

    ltimo andar: cadernos de pesquisa em cincias da religio / Programa de

    Estudos Ps-Graduados em Cincias da Religio, PUC-SP. Ano 1, n. 1

    (1998-) So Paulo: EDUC, 1998-.

    Anual at 2000

    Semestral a partir de 2001 (ano 4, n. 4)

    ISSN 1415-899X

    ISSN 1980-8305 (on-line)

    1. Religio Peridicos. I. Pontifcia Universidade Catlica de So Paulo.

    Programa de Estudos Ps-Graduados em Cincias da Religio.

    CDD 200.5

  • 3

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    Pareceres deste volume

    nio Jos da Costa Brito PUC/SP

    Reviso

    Claudio Santana Pimentel e Roberto Serafim Simes

  • 4

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    Sumrio

    EDITORIAL .................................................................................................................................... 5

    ENTREVISTA ................................................................................................................................. 8

    Questes epistemolgicas na Cincia da Religio I, por Frank Usarski ..................................... 8

    Gilmar Gonalves da Costa e Claudio Santana Pimentel ........................................................

    ARTIGOS ..................................................................................................................................... 15

    Desejo de continuar a ser vivo ................................................................................................ 15

    Marcelo Joo Soares de Oliveira ............................................................................................

    Representaes do poeta popular: uma mediao da morte ................................................. 25

    Claudio Santana Pimentel ......................................................................................................

    O Bem Morrer: uma construo social da morte no Rio de Janeiro nos sculos XVIII e XIX ...... 39

    Jane Rodrigueiro ....................................................................................................................

    A morte e o culto aos ancestrais nas religies afro-brasileiras ............................................... 45

    Lus Cludio Cardoso Bandeira ...............................................................................................

    Os mortos esto vivos: a influncia dos defuntos na vida familiar segundo a tradio bant .... 53

    Brgida Carla Malandrino ........................................................................................................

    RESENHA .................................................................................................................................... 66

    Religio, identidade e dilogo: um estudo na antropologia da religio ................................. 66

    Gilmar Gonalves da Costa .....................................................................................................

  • 5

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    EDITORIAL

    Carssimas leitoras, carssimos leitores, com imensa satisfao apresentamos o volume

    19 de ltimo Andar, Caderno de Pesquisas em Cincias da Religio, que representa

    mais um passo importante no resgate da periodicidade de nossa publicao. Abrimos

    esta edio com o Dr. Frank Usarski, professor do Programa de Estudos Ps-Graduados

    em Cincias da Religio. Em entrevista concedida ltimo Andar, Usarski reflete sobre

    a identidade epistemolgica da Cincia da Religio brasileira, suas possibilidades de

    insero social e as perspectivas profissionais que se apresentam aos formados na rea.

    A seo Artigos traz os trabalhos resultantes das apresentaes feitas no III Congresso

    Discente da PUC-SP, realizado em Outubro de 2009. Tratam-se das pesquisas expostas

    no Simpsio Aos Mortos: cultos, rituais e devoes nas matrizes indgenas, afro-

    brasileiras e populares, e suas inseres sociais, organizado pelo Dr. nio Jos da

    Costa Brito, tambm professor do PEPG em Cincias da Religio.

    Em Desejo de continuar a ser vivo, Marcelo Soares de Oliveira reflete sobre a

    importncia das devoes populares como elemento constituinte da identidade dos fiis;

    identidade diante de uma sociedade assimtrica e que muitas vezes nega ao devoto seus

    direitos e oportunidades fundamentais; identidade que no se resume ao aqui agora da

    existncia presente, mas que procura por meio do exemplo de vida e da f nos santos

    populares, como So Francisco das Chagas de Canind (Cear), estabelecer a esperana

    de uma vida plena, que tem na angustiante expectativa da morte seu limiar. O autor

    percebe que as devoes propiciam ao fiel inverter, mediante o imaginrio, a realidade:

    seria a outra vida, alm da morte, a vida real, onde os sofrimentos e decepes da vida

    atual seriam completamente superados?

    Representaes do poeta popular: uma mediao da morte, por Claudio Santana

    Pimentel, discute a importncia scio-cultural dos poetas populares no Nordeste

    brasileiro, a partir da anlise das ressignificaes da poesia popular realizadas por

    Ariano Suassuna. O poeta tido como o representante, por excelncia, da tradio

    cultural e religiosa popular; seus versos sintetizam o conhecimento do povo nordestino

    sobre o transcendente e seu esforo para resistir ao absurdo provocado pela morte. A

    potica popular (aqui mediada pela reinterpretao de um autor erudito) nos lana diante

    de uma das questes fundamentais da religio: pode a vida ter sentido, e pode haver

  • 6

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    esperana, apesar da morte? A resposta, mais uma vez, vem da tradio crist, mas se

    resolve surpreendentemente, mediante o feminino, tido como causa de pecado e morte,

    mas tambm fonte de vida e redeno.

    Jane Rodrigueiro em O Bem Morrer Uma construo social da morte no Rio de

    Janeiro nos sculos XVIII e XIX, examina a construo social da morte no Rio de

    Janeiro colonial e imperial, indagando o conhecimento e as prticas do catolicismo a

    partir de dois modelos de documentao: os manuais de bem morrer elaborados pela

    Igreja e os testamentos deixados por pessoas de diferentes segmentos sociais. A autora

    procura, dessa maneira, compreender as transformaes das prticas culturais que

    permitiam lidar com o fenmeno da morte, em uma sociedade em que, diferentemente

    da praxe atual, havia uma pedagogia e uma preparao cultural e existencial no trato da

    morte, realizando um criativo dilogo entre Religio e Histria.

    Lus Cludio Cardoso Bandeira, em A morte e o culto aos ancestrais nas religies afro-

    brasileiras, analisa e compreende a articulao entre mito e ritual no Candombl; os

    discursos e prticas sobre a morte so compreensveis, desde a totalidade da cosmoviso

    simblica afro-brasileira, e, a partir desses mitos e ritos torna-se tambm compreensvel

    a relao indivduo-comunidade e indivduo-transcendente, nas diferentes naes

    africanas que contriburam para a realizao da sntese religioso-cultural afro-brasileira,

    relaes em que se pretende uma plenitude de significado que no se esfora como

    modernamente, para negar ou postergar ao mximo a morte mas em que esta

    festejada como momento pertencente vida.

    Brgida Carla Malandrino, em Os mortos esto vivos: a influncia dos defuntos na vida

    familiar segundo a tradio bant, discute a importncia da ancestralidade para a

    continuidade da tradio bant, especificamente, no contexto de Moambique. Em

    situao de dispora, de transformao e de descontinuidade dos elementos culturais e

    religiosos, a relao com os antepassados revelou-se fundamental para a permanncia da

    tradio religiosa bant, como demonstra a autora, sendo um dos componentes

    fundamentais de sua sobrevivncia cultural. Permanece em aberto o questionamento

    sobre as estratgias de ressignificao e de negociao com a cultura ocidental que essa

    tradio empregar em seu esforo para permanecer; indagaes semelhantes podem ser

    realizadas em outros contextos, como nas religies de matriz africana no Brasil e nas

    religies populares.

  • 7

    ltimo Andar (19), 1-70, 2 Semestre, 2010 ISSN 1980-8305

    Completa este volume a Resenha em que Gilmar Gonalves da Costa analisa a obra

    Religio, i