tradução - cap. 12 interdependent economies - macroeconomics

Click here to load reader

Post on 14-Feb-2015

72 views

Category:

Documents

16 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

CARLIN, W; SOSKICE, D. Capítulo 12 razoavelmente traduzido.

TRANSCRIPT

MACROECONOMICS (Wendy Carlin; David Soskice) CAPTULO 12 - ECONOMIAS INTERDEPENDENTES Na anlise da economia aberta at este ponto, assumimos que a economia em questo to pequena que o seu comportamento econmico no tem ramificaes para alm das suas prprias fronteiras. No fim do Captulo 9, demos uma primeira olhada para a interdependncia e como as escolhas polticas num largo transbordamento na economia afetam outras. Neste captulo, fazemos uma anlise sistemtica de como as economias abertas interagem umas com as outras. H dois objetivos principais. O primeiro desenvolver ferramentas para analisar as interaes entre os principais blocos econmicos do mundo - por exemplo, entre os EUA e a zona do euro ou entre os EUA e o Japo. A segunda entender melhor o funcionamento interno da zona euro. Comeamos o captulo na seo 1 estabelecendo uma forma de modelar a interdependncia macroeconmica usando um mundo que consiste em duas grandes economias (ou blocos), por exemplo os EUA e a zona do euro. Externalidades/spillovers podem ser positivas ou negativas: um pas agindo em seu prprio interesse pode produzir benefcios no intencionais ou os custos de outro pas. Introduzimos duas formas de externalidades que podem ocorrer no curto prazo: um efeito de locomotiva (um transbordamento na demanda positivo), onde a expanso de uma economia produz expanso no outro, e um efeito beggar-thyneighbour/empobrea seu vizinho (externalidade negativa), onde expanso de uma economia induz contrao no outra. Quando o ajuste de preos e salrios lento, efeitos de curto prazo tais como estes podem criar tenso entre os blocos. Isto levanta a questo de saber se h benefcios da coordenao internacional da poltica. O prximo passo - explorado na seo 2 - ir alm do curto prazo para examinar como salrio endgeno e ajustes de preos alteram os efeitos colaterais a curto prazo. A seo 3 rene a curto - e mdio prazos anlises e estabelece a ambos um mtodo diagramtico e algbrico de trabalhar atravs de casos diferentes. Na seo 4, concentramo-nos especificamente sobre a anlise da economia da zona euro, mostrando como derivar as restries da zona do euro como um todo, o papel do Banco Central Europeu (BCE) em resposta a choques simtricos e como a economia da zona euro se comporta quando h diferenas entre pases ou choques assimtricos. A lgica de uma regra de poltica fiscal da zona do euro que imposta aos seus membros descrita na seo 2, no contexto da discusso dos spillovers. Na seo 4, suas consequncias para o ajustamento macroeconmico so examinadas. Ao definir um modelo simples, veremos que, mesmo se o lado da oferta da economia de um pas membro exatamente o mesmo que o dos outros membros, ele pode ficar preso com elevada taxa de desemprego se a demanda agregada do setor privado for muito fraca e se for impedida de usar a poltica fiscal por causa de uma regra fiscal, como o Pacto de Estabilidade e Crescimento. Ns tambm examinamos o uso da poltica da oferta no contexto da EMU.

1. O modelo 2-blocos Nesta seo, vamos examinar as inter-relaes entre os dois blocos comerciais mais importantes em um mundo de perfeita mobilidade de capitais. Partimos de forma sistemtica de analisar a interdependncia, tanto a curto e mdio prazos, em regime de taxas de cmbio diferentes. Isto formaliza e amplia o esboo no final do captulo 9: as implicaes de curto prazo das mudanas na poltica fiscal e monetria em uma larga economia aberta repousam entre aquelas para a economia fechada e para uma pequena economia aberta. Devemos manter nossa suposio de que os mercados de capitais globais esto altamente integrados (a condio UIP mantm), enquanto mercados de bens so segmentados por causa da concorrncia imperfeita e produtos diferenciados. Referimo-nos aos dois pases como "Home" (Casa/Domstico) e "Estrangeiro" - variveis de Home so demonstradas como x e as do Estrangeiro como x*. Antes de apresentar o modelo, vamos explicar as principais questes econmicas que surgem: (1) a natureza das externalidades entre as economias pode ser positiva ou negativa. Exemplos de cada um so os efeitos "locomotiva" e "beggar-thy-neighbour". (2) externalidades podem levar a um jogo dilema do prisioneiro entre as economias. (3) a lgica de coordenao poltica. Os principais resultados relativos ao transbordamento de aes polticas entre os pases so os seguintes: No curto prazo, existe um transbordamento de demanda agregada positivo frequentemente referido como efeito locomotiva (ou seja, y > 0 e y* > 0) de poltica fiscal expansionista de Casa com taxas de cmbio flexveis. Ao contrrio da pequena economia aberta na qual a produo de Home retorna ao seu nvel original aps uma expanso fiscal, a apreciao da taxa de cmbio menor no caso da interdependncia com o resultado de que a produo de Home mais elevada (y > 0). O motivo da produo do Estrangeiro tambm subir devido depreciao da sua taxa de cmbio quando a taxa da Home aprecia: isso impulsiona exportaes lquidas do Estrangeiro e aumenta produo (y* > 0). Uma poltica monetria expansionista da Home, com taxas de cmbio fixas, tambm tem um efeito locomotiva: a oferta de dinheiro do mundo aumenta e empurra para baixo a taxa de juros para o mundo, ento a produo se expande em Home e Estrangeiro. Na medida em que a exportao responder positivamente a uma produo mais elevada no outro pas, os efeitos locomotiva so reforados. existe um transbordamento negativo referente a um efeito beggar-thy-neighbor (ou seja, y > 0 e y* < 0) de uma poltica monetria expansionista de Home com taxas de cmbio flexveis. Expanso monetria de Home produz uma depreciao para ele e, portanto, uma valorizao para o pas estrangeiro, o que deprime as exportaes lquidas e a produo. Da mesma forma, uma expanso fiscal de Home, com taxas de cmbio fixas, contracionista para o Estrangeiro: a taxa de juros para o mundo empurrada para cima e isso deprime a produo no exterior.

No mdio prazo, isto , depois que salrios e preos em Domstico e no Estrangeiro tenham se ajustado, os efeitos de curto prazo da poltica monetria desaparecem: Casa e Estrangeiro voltam para seus nveis de produo no equilbrio. no mdio prazo, os efeitos de uma expanso inicial fiscal de Home so independentes do regime cambial. O resultado y > 0 e y* < 0. No novo equilbrio de mdio prazo, em ambas as economias a inflao constante, mas a produo maior em Home. A expanso fiscal de Home, portanto, tem um efeito beggar-thyneighbour. Assim, o efeito locomotiva de uma expanso inicial fiscal de Home sob taxas de cmbio flexveis revertido no mdio prazo, em um novo equilbrio: y > 0 e y* < 0. O efeito locomotiva de curto prazo para o Estrangeiro vem da depreciao cambial, mas esta empurra o Estrangeiro para fora de sua curva ERU e a inflao sobe uma vez que os salrios e preos respondem a isso. Como sua competitividade declina, ele retorna para a ERU a uma menor produo do que no seu equilbrio inicial, porque a taxa de juros mundial maior. Por outro lado, a economia da Home refora seu ganho de produo j que a queda da inflao aumenta a competitividade. O efeito beggar-thy-neighbour de uma expanso inicial fiscal da Home sob taxas de cmbio fixas prevalece, ou seja, y > 0 e y* < 0, mas atenuada no mdio prazo. A razo que a produo no Estrangeiro cai no curto prazo a uma dada taxa de cmbio real (por causa do aumento na taxa de juros mundial/internacional); isso deixa o Estrangeiro dentro da ERU com inflao em queda e o resultado do aumento na competitividade compensa parte da queda inicial da produo. Os mecanismos de trabalho so exatamente aqueles que foram utilizados no modelo de economia pequena. Na seo 2, veremos que uma simples extenso do diagrama y permite que os resultados de mdio prazo para o caso 2-blocos ser facilmente visualizado. Um mtodo algbrico de derivar resultados tambm fornecido. Quando aceitamos a lgica do fenmeno beggar-thy-neighbour, isto , que um pas pode usar uma poltica para melhorar seus resultados econmicos em detrimento de outro pas, isso abre o caminho para danificar polticas mutuamente quando ambos os pases buscam seus prprios interesses desta forma. Por sua vez, isso define o contexto para as discusses de coordenao poltica. 1.1. Externalidades e o caso de coordenao da poltica Para desenhar a implicao poltica do fenmeno dos spillovers e para discutir o caso para a coordenao poltica, til para tomar um exemplo. Isso implica olhar para o que acontece quando Casa e Estrangeiro independentemente escolhem uma poltica que do melhor interesse prprio de cada pas, mas que resulta em um pior resultado para ambos do que teria ocorrido se os dois pases tivessem coordenado suas escolhas polticas. Suponha que Domstico e Estrangeiro so economias idnticas com uma taxa de cmbio flutuante e que a posio inicial do "mundo" que cada pas est fora de sua curva ERU com o resultado que a inflao em ambos os pases, e, portanto, no

mundo, est aumentando. Este poderia ser o resultado, por exemplo, de choque de oferta externa comum, tal como um aumento dos preos mundiais do petrleo. Agora, suponha que cada pas pretende reduzir a inflao, mas a um custo mnimo em termos de aumento associado ao desemprego: se eles aplicarem, simultaneamente, a contrao monetria adequada, cada um voltar a um equilbrio de inflao estvel, com aumento do desemprego e com uma taxa de cmbio inalterada. Vamos passar os detalhes na seo 3. No entanto, se Casa implementa uma poltica monetria mais restritiva do que o Estrangeiro, isso ir beneficiar uma desinflao mais forte desde que a valorizao da taxa de cmbio reforce a presso descendente sobre a inflao decorrente da reduo na produo. Por outro lado, o Estrangeiro prejudicado pela ao unilateral da Casa, porque a depreciao implcita da taxa de cmbio do o Estrangeiro vai agravar sua prpria inflao. Assim, pela mesma lgica, o Estrangeiro tem um incentivo tambm para implementar uma poltica monetria excessivamente restritiva. Sabemos que a taxa de cmbio de ambas as economias no podem apreciar e o resultado lquido das polticas monetrias mais restritivas implementadas por ambos um aumento desnecessrio e caro da taxa de juros mundial/internacional e a reduo da produo mundial. Este problema tem a estrutura do chamado jogo do dilema dos prisioneiros, que foi apresentado no Captulo 4. H duas opes de polticas para cada jogador - no caso, de cada pas: ou implementar uma poltica monetria restritiva ou uma muito restritiva. Cada pas considera o resultado (pay-off) que vai arcar tendo em vista o caso do outro pas escolher ou uma poltica restritiva ou uma muito restritiva. Para Casa, se Estrangeiro fosse escolher poltica restritiva, ento Casa obteria um maior pay-off, escolhendo a poltica muito restritiva. Se Estrangeiro fosse escolher "muito restritiva", ento, novamente, melhor para Casa escolher a opo muito restritiva. Exatamente a mesma lgica se aplica ao processo de tomada de deciso do Estrangeiro. Uma vez que ambos os jogadores fazer melhor - independente da escolha do outro - se eles implementam a poltica muito restritiva, isto o que eles vo escolher. Na linguagem da teoria dos jogos, este o nico equilbrio de Nash: apenas por tanto jogar "muito restritiva", que no tm um incentivo para mudar a sua estratgia, ou seja, a 'enganar'. No entanto, sabemos que, se ambos os pases implementam a poltica muito restritiva, isso produz um resultado pior para ambos do que se eles escolhessem chegar a um acordo vinculativo, a no renegar, cada um ser tentado a apertar a poltica ainda mais (escolhendo "muito restritivo"), pois ao fazer isso, eles ganham. Este exemplo demonstra a maneira que a interdependncia pode produzir resultados de qualidade inferior para a economia mundial e mostra de onde a motivao para a coordenao internacional da poltica vem. No entanto, ele tambm destaca os problemas associados com a coordenao poltica. A coordenao da poltica frequentemente se refere aos acordos feitos por Ideres dos pases em reunies de cpula internacional. Temos visto que um acordo vinculativo necessrio para que a soluo que maximiza a utilidade de ambas as partes seja alcanada. A beleza do jogo do dilema dos prisioneiros que ele mantm para baixo a dificuldade de sustentar a soluo conjunta de maximizar a utilidade mesmo quando ambas as partes so idnticos, as estratgias disponveis so simples e conhecidas por ambas as partes, e no existem outros distrbios. provvel que seja muito mais difcil implementar a coordenao da poltica em uma economia mundial turbulenta com os no-idnticos economias e com a incerteza sobre como as aes polticas se traduzem em resultados.

Dada a dificuldade na obteno de acordos vinculativos entre pases no exemplo discutido, interessante interpretar a criao de arranjos cambiais como uma forma de estabelecer uma forma de longo prazo de coordenao poltica. Como j observamos, o travamento do cmbio uma espcie de coordenao poltica. Isto exclui polticas beggar-thy-neighbour que operam atravs de mudanas na taxa de cmbio, no caso discutido de uma "desinflao competitiva" via poltica monetria restritiva, ou no caso oposto de uma "desvalorizao competitiva" atravs de uma poltica monetria expansionista. Um dos argumentos utilizados em apoio formao do sistema de taxa de cmbio fixa de Bretton Woods era reduzir a probabilidade de ocorrncia das prejudiciais desvalorizaes competitivas que ocorreram no perodo entre-guerras e que desencadeou uma onda de protecionismo (com seus custos econmicos adicionais). A formao do ERM em 1979 foi motivada em parte pela anlise dos efeitos nocivos do uso da taxa de cmbio para alcanar a desinflao competitiva. Em paralelo, um conjunto de argumentos em favor da criao da zona do euro era de que, a fim de proteger os benefcios da integrao do comrcio realizado na Unio Europeia (estimulado pelo Programa do Mercado nico), a tentao para que os pases se engajassem em depreciaes competitivas deveria ser removida. 1.2. Interdependncia no curto prazo: estendendo o modelo Mundell-Fleming Nesta subseo, mostramos como estender a anlise de curto prazo de uma economia aberta pequena no modelo 2-bloco; a origem dos efeitos spillovers, tais como os efeitos locomotiva e beggar-thyneighbour; como um efeito feedback de renda suficientemente forte pode compensar o efeito beggar-thy-neighbour; como externalidades do origem a argumentos de coordenao poltica. A curto prazo, os preos e salrios so dados em ambas as economias. Ns simplificamos supondo que a inflao em ambos zero, o que significa que as taxas de juros nominais e reais so iguais e podemos traar o diagrama IS / LM com a taxa de juros nominal no eixo vertical. Para analisar a interdependncia, ns colocamos o diagrama UIP, representando o mercado de capitais integrado, entre os diagramas IS / LM para o Estrangeiro e para Casa (Fig. 12.1.). Para estabelecer o ponto de partida para a anlise, o diagrama desenhado com a mesma taxa de juro em ambas as economias i0 = i*0. Isso garante que no haver mudanas na taxa de cmbio, se assumirmos que a taxa de cmbio esperada igual taxa de cmbio presente. Isso reflete a condio de paridade de juros descoberta, em que a (FIGURA 12.1. - p. 419) porcentagem da depreciao esperada da taxa de cmbio nominal entre Casa e o pas Estrangeiro deve ser igual ao excesso da taxa domstica de juros acima da taxa estrangeira:

(FRMULA p. 420) Em todos os diagramas, e refere-se ao log e. A taxa de cmbio permanecer inalterada quando as duas taxas de juros so iguais. Agora podemos perguntar as questes de Mundell-Fleming: o que acontece quando mudamos a poltica monetria e fiscal? Conforme observado na introduo, a natureza dos transbordamentos da poltica em Casa para os resultados no Estrangeiro no curto prazo depende do regime cambial. 1.2.1 Taxas de cmbio flexveis Olhamos primeiramente para mudanas polticas no pas Casa, enquanto a poltica fiscal e monetria no pas Estrangeiro so mantidos constantes. Poltica fiscal: expanso de Domstico A nossa intuio sugere que, sob taxas de cmbio flexveis, o transbordamento da expanso fiscal de Domstico resultante do fato de que a apreciao da taxa de cmbio para Casa, devido presso ascendente sobre a taxa de juros, implica uma depreciao para o Estrangeiro e que isso ir aumentar a sua produo. No caso de de economia aberta pequena, uma expanso Incio fiscal no tem efeito de curto prazo sobre o produto em casa porque a taxa de cmbio se aprecia suficientemente para compensar integralmente o impulso fiscal expansionista. Em termos analticos, uma vez que a LM fixa e i* exgena para economia aberta pequena, o nico novo equilbrio de curto prazo possvel (com i = i*) com a produo de volta ao seu nvel original. No modelo 2-blocos, no h mais uma taxa de juros mundial/internacional exgena. A anlise mostrado no diagrama (Fig. 12.2). Comeamos com o quadrante direito da Casa. A posio inicial (i0, y0) no cruzamento da ISXM e LM. Assumimos (FIGURA 12.2 p. 420) o equilbrio inicial do Estrangeiro est em (i*0, y*0), onde ISXM* corta LM*, com i*0 = y*0. O mercado de cmbio estrangeiro est em equilbrio com e1 = eo. Agora as despesas do governo aumentam em Casa, que empurra a curva ISXM para ISXM3. A economia de Casa se move para cima na curva LM (veja a seta para cima inclinada), empurrando para cima a taxa de juros a i1 e a produo para y1. Nada at agora aconteceu no Estrangeiro. O aumento na taxa de juros implica que i = i1 > i* = i*0, e isso provoca uma apreciao de e de e0 para e1. O Estrangeiro agora afetado. Isto porque e* = - e: lembre-se que 'e's esto na forma logartmica. Portanto a apreciao de Casa uma depreciao igualmente proporcional ao Estrangeiro. 12/04 A taxa de cmbio impacta as exportaes de cada pas. A apreciao em Casa reduz suas exportaes, e isso se manifesta em uma mudana para trs da ISXM, da ISXM1 para, digamos, ISXM2. Isso puxa para baixo i. Por outro lado, a depreciao do Estrangeiro aumenta suas exportaos, empurrando para cima ISXM*, digamos, at ISXM*1. E esta empurra i* para cima. Enquanto i > i*, e vai continuar apreciando e e* depreciando; isso significa que as exportaes de Casa e ISXM vo continuar caindo (movendo-se para a esquerda) e as exportaes do Estrangeiro e ISXM* vo continuar subindo; assim, contanto que i > i*, existe um processo automtico empurrando i para

baixo e i* para cima at os dois equalizarem. Naquele ponto e para de se apreciar (depreciao de e*), e ISMX e ISXM* param de se mover; um novo equilbrio atingido. Pela simplicidade de como foi desenhado, i* eleva-se para i*2 e isso igual ao novo valor de i, nomeado i2. Em qualquer caso, em princpio, como o movimento para cima de ISXM* aumenta i* e o movimento para baixo de ISXM diminui i, em algum ponto as duas taxas de juros iro se igualar, e no haver mais presso em e para se apreciar (ou para e se depreciar). O novo equilbrio da taxa de cmbio e2. Explicamos o processo de ajuste usando as expectativas de cmbio do observadas no passado, mas o novo equilbrio de curto prazo ser atingido instantaneamente, se os operadores do mercado de cmbio conhecerem o modelo e a produo se ajustar rapidamente. Neste caso, a taxa de cmbio salta imediatamente para e2 e a taxa de juros em comum para i2 = i*2. No curto prazo, ambas as economias se beneficiam com a maior produo consequente da expanso fiscal de Casa: um aumento dos gastos pblicos de Casa aglomera as exportaes lquidas, que fornece demanda para o Estrangeiro. A maior taxa de juros mundial/internacional implica alguma aglomerao das despesas de investimento em ambas as economias, mas um maior gasto pblico supera o efeito deste sobre a produo em Casa, e maiores exportaes lquidas superam isso no Estrangeiro.

Alguma matemtica simples. til para mostrar este resultado (e outros) analiticamente. Para simplificar a lgebra, usamos funes lineares e nos concentramos nas mudanas lquidas/net changes do incio ao novo equilbrio de curto prazo. Primeiro, a programao/schedule ISXM escrita y = ag -bi + cB(e) onde B o equilbrio do comrcio e a, b, e c so constantes positivas. B depende positivamente da taxa de cmbio (supomos que a condio Marshall-Lerner mantm) e pela simplicidade assumimos B(e) = e. Ns descrevemos as mudanas lquidas do incio para o novo equilbrio de curto prazo, por exemplo, de y0 para y2, tal como y = y2 - y0 etc. Assim, podemos escrever isso como y = ag bi + ce. Em seguida a programao/schudule LM i = y - M ou em termos de diferena/variao i = y M, onde as letras gregas foram escolhidas para representar as constantes na equao LM de modo a tornar mais fcil ver como os parmetros da ISXM e da LM entram no jogo. Para o Estrangeiros, temos y* = ag* bi* - ce, onde novamente simplificamos assumindo que o equilbrio de comrcio do Estrangeiro B* (e) = e. E i* = y* M*.

Alm disso, por convenincia, assume-se que as programaes/schudules em ambos os blocos tm os mesmos parmetros. Agora tem-se em mente que uma expanso fiscal de Casa em um sistema de cmbio flexvel implica M = M* = G* = 0. Alm disso, i = i*. Isto verdade para todas as alteraes nas polticas com perfeita mobilidade de capitais e com a suposio de que, no equilbrio de curto-prazo, eE = e. Em outras palavras, mesmo se as taxas de juros divergem durante o processo de ajuste, elas devem, eventualmente, ser a mesma se a taxa de cmbio for estabilizada. Em seguida, esses pressupostos esto ligados em quatro equaes. Temos para Casa, y = ag by + ce. Note-se que i* = y* = i = y, ento y = y*. Assim a partir das duas equaes para o Estrangeiro, y = by ce. Juntando estas duas equaes, 2y = ag 2by

y = [ a / 2 (1 + b) ] g = y*.Esta expresso nos oferece um foco mais claro sobre os resultados comparativos: Como vimos, por comparao com o caso de economia aberta pequena, y > 0 uma vez que i* aumenta e, portanto, a apreciao cambial com i > i* no fora i a voltar todo o caminho at seu valor original implicando y = 0. A comparao com a economia fechada tambm interessante: na economia fechada, i simplesmente fica em na Fig. 12.2 - no h nenhuma presso do mercado de cmbio para empurr-lo para baixo novamente. As equaes so simplesmente y = ag byi e i = y, ento y = [ a / (1 + b) ] g. No caso 2-blocos, a apreciao da taxa de cmbio conduz decilnao de i, de i1 a i2 (mas no io, como no caso de economia pequena). Assim, o efeito de deflao da taxa de cmbio obviamente maior em y do que no caso economia fechada. Ento y = [ a / 2 (1 + b) ]g em vez de y = [ a / (1 + b) ] g na economia fechada. Podemos tambm usar essa abordagem para trabalhar o efeito da poltica fiscal sobre a taxa de juros e a taxa de cmbio. Desde que i = y, segue-se que i = y = [ a / 2 (1 + b) ] g. Note-se que este um aumento de i exactamente metade do aumento na economia fechada onde i = [ a / (1 + b) ] g. Estes resultados confirmam o argumento informal no final do Captulo 9, onde afirmamos que os resultados para uma grande economia aberta (o modelo 2-blocos a maneira mais simples de analisar isso) estava entre aqueles para a pequena economia aberta e a economia fechada. Substituindo as duas equaes anteriores em y = ag by + ce implica e = [ ab / c (1 + b) ] g.

A poltica monetria com taxas de cmbio flexveis: expanso Domstica Casa aumenta a oferta de moeda. Lembre-se que no caso de pequena economia aberta h um aumento inicial na produo de y0 para y1 j que Home/Casa move para baixo a ISXM com a queda em i. Alm disso i < i*, ento e aumenta (deprecia-se) e isso continua empurrando as exportaes e, consequentemente, empurrando ISXM para direita at i retornar para i*. Da, em contraste expanso fiscal na pequena economia, a poltica monetria altamente eficaz no estmulo da produo. Mas o que acontece no caso 2 blocos? Como pode ser visto no painel do lado direito da Fig. 12.3, comeamos em i0 = i*0 e y0 no cruzamento da ISXM e da LM. LM, em seguida, desce para LM1 representando o aumento da oferta de dinheiro para Casa: i cai para i1, e y empurrado at yi. Desde que i = i1 seja agora i* = i*o, a taxa de cmbio se deprecia, e sobe de eo para e1. Enquanto i < i*, e vai continuar a desvalorizar e a taxa de cmbio do Estrangeiro, a se apreciar, empurrando ISXM para a direita e ISXM* para a esquerda. Como ISXM se move direita at LM1, i aumenta, e como ISXM* se move para a esquerda em queda at LM*, i* cai. Em algum momento, o i ascendente encontra o i* descendente. Assume-se que isso ocorre quando ISXM sobe para ISXM1 e quando ISXM* cai para ISXM*1; isso visto na Fig. 12.3. Assim, o resultado da expanso monetria (FIGURA 12.3 p. 423) Domstica que sua produo aumenta de yo para y2 enquanto que a produo do Estrangeiro cai de y*o para y*1. O mecanismo que a expanso monetria em Casa leva a uma depreciao de e e uma apreciao da taxa de cmbio do Estrangeiro. Ao modificar as equaes para se encaixar neste caso (ou seja, colocando g = 0 e M* = 0), podemos mostrar: (i) A produo aumenta em Casa, y > 0, e cai no Estrangeiro, y* < 0. (ii) A produo total aumenta, y + y* > 0. (iii) A taxa de juros cai, i = i* < 0. E (iv) a taxa de cmbio de Casa se deprecia e a do Estrangeiro se aprecia, e > 0. Em suma, o que acontece que a poltica monetria mais frouxa em Home puxa para baixo a taxa de juros; a taxa de juros mundial/internacional o resultado mdio da poltica monetria nos dois blocos; logo, desde que a poltica monetria externa no mude, a taxa de juros mundial/internacional cai aproximadamente metade da queda inicial em i. Uma vez que a taxa de juros mundial/internacional cai, a produo mundial total, y + y*, aumenta. Mas desde que Home iniciou a queda da taxa de juro, o que significa que a taxa de cmbio de Home se deprecia e a do Estrangeiro se aprecia, a programao/schedule ISXM* deve mudar para esquerda e para baixo na curva LM*, e desde que a curva LM* esteja inclinada para cima, y* deve cair (ver Fig. 12.3.), embora o declnio na taxa de juros mundial/internacional suavize a queda. Este caso tambm designado como o de "depreciao competitiva": A taxa de cmbio fixa equivalente uma desvalorizao discreta, ou seja, "desvalorizao competitiva". Esta a clssica poltica beggar-thy-neighbour onde o ganho de bem-estar de Home a partir da maior produo baseia-se na perda de produo no Estrangeiro. 1.2.2. Taxas de cmbio fixas

Poltica Fiscal: expanso Domstica No caso de uma pequena economia aberta, uma expanso fiscal altamente eficaz desde que a taxa de juros permanea inalterada e, portanto, haja efeitos multiplicadores completos. Note que, embora a oferta de moeda domstica permanea inalterado, os fundos estrangeiros entram to logo que i suba acima de i* aumentando assim M, empurrando a curva LM para a direita e empurrando i novamente de volta para baixo at i*. Assim, a expanso fiscal mais eficaz na pequena economia aberta do que na economia fechada onde a curva LM permanece fixa: nesse caso, a curva IS se move para cima na curva LM e parte do impulso fiscal neutralizada pelo aumento da taxa de juros. O modelo 2-blocos est entre esses dois casos. Fornecimento de dinheiro mundial, M + M*, constante. A expanso fiscal de Casa inicialmente empurra i acima de i*, e isso leva a um influxo de capital estrangeiro: a consequncia um movimento para a direita da curva LM de Casa e um movimento para a esquerda da curva LM do Estrangeiro; assim i parcialmente empurrado para baixo pela entrada de dinheiro, mas a reduo no oferta de moeda do Estrangeiro empurra i* para cima para que i no caia totalmente de volta ao seu nvel original. Em suma, a poltica fiscal (em um pas) mais eficaz do que no caso de economia fechada porque h uma transferncia de dinheiro do mundo para Casa - como no modelo de economia pequena e aberta; mas menos eficaz do que no modelo de economia pequena e aberta porque essa transferncia grande o suficiente para elevar a taxa de juros estrangeira para i*. Podemos seguir com o que acontece na Fig. 12.4. Comeamos no cruzamento da ISXM e da LM em Casa e da ISXM* e LM* no Estrangeiro. Uma expanso fiscal de Casa empurra a curva ISXM para direita em direo ISXM1. Como i sobe acima de i*, os fundos do Estrangeiro compram a moeda de Casa deslocando a LM em direo LM* - amortecendo o aumento em i - e a LM* em direo LM*, empurrando i* para cima. Assim o equilbrio alcanado em Casa no cruzamento de ISXM1 e LM1 com i = i1 = i* = i*1 e y = y1; e no Estrangeiro na interseco da ISXM*1 e LM*1 com y* = y*1. A expanso fiscal de Casa levanta a taxa (FIGURAS 12.4 e 12.5 p. 425) de juros internacional e, portanto, impe uma corte no produto do Estrangeiro. Para calcular o resultado usando equaes, precisamos colocar e = 0, g* = 0 e M + M* = 0; a oferta de moeda mundial constante. Poltica monetria: a expanso de Casa. Em contraste com o caso de economia pequena e aberta, em que a expanso monetria com taxas de cmbio fixas no tem nenhum efeito sobre a produo, no modelo 2-blocos a produo se expande igualmente em ambos os pases. Outra maneira de colocar isto dizer que no faz diferena se a expanso da oferta de moeda ocorre em Casa ou no Estrangeiro. A intuio a mesma que derramar gua em uma extremidade ou a outra de uma calha - tudo o que acontece que o nvel da gua sobe por todo lugar at que a superfcie esteja novamente plana; neste caso, o dinheiro extra se espalha em todo o mundo at que as taxas de juro so equalizadas a um novo nvel comum mais baixo. Na Fig. 12.5, comeamos como antes nas intersees de ISXM e LM e de ISXM* e LM*. O dinheiro aumenta a oferta pela M e

este empurra a LM para baixo at LM1, o que implica um corte na taxa de juros para i1 de i = i*0 = i0. (A curva ISXM no se desloca.) Dado que i1 < i* = i*0, e que no h risco de taxa de cmbio (eE = e0), investidores imediatamente transferem fundos para fora de Casa para o Estrangeiro a fim de obter ganhos da alta taxa de juros. Assim LM agora se desloca para cima refletindo esta perda de reservas ao mesmo tempo que LM* move-se para baixo enquanto estes fundos aumentam M*. Este processo para assim que as taxas de juros se igualam novamente com i2 = i*2 ou onde LM2 intersepta ISXM e LM*1 intercepta ISXM*. O produto expande igualmente em ambas as economias: em Casa de yo para y2, e no Estrangeiro de y*o para y*1. Verificando os resultados usando as equaes, procede-se como nos outros casos: aqui g = 0 e assumimos que i = i*.

1.3 Adicionando o efeito de feedback da renda. At este ponto, transbordamentos entre as economias ocorreram apenas atravs de mudanas na taxa de juros e na taxa de cmbio. No temos levado em conta a possibilidade de que uma mudana na renda do Estrangeiro aumenta a demanda agregada de Home via aumento das exportaes de Home e vice-versa. Na anlise de pequena economia do captulo 9, assumiu-se que as polticas de Home no tiveram efeito sobre o rendimento do Estrangeiro, de modo que no houve efeitos de feedback do Estrangeiro como resultado de polticas de Home. Por outro lado, inclumos a produo mundial (y*) como determinante das exportaes. No modelo 2-blocos, o caso de que uma expanso da produo em Home ir aumentar a demanda no Estrangeiro j que as importaes de Home aumentam com a renda e constituem as exportaes do Estrangeiro. Como esto os resultados para o modelo 2-blocos modificado ou ampliado por efeitos de feedback de renda? Nos quatro casos at agora, as alteraes em y e y* tm sido: (1) taxa de cmbio flexvel/ expanso fiscal, y, y* > 0; (2) taxa de cmbio flexvel / expanso monetria, y > 0, y* < 0; (3) taxa de cmbio fixa / expanso fiscal, y > 0, y* < 0; (4) taxa de cmbio fixa / expanso monetria, y, y* > 0. Nos casos (1) e (4), onde temos efeitos locomotiva em jogo no sentido de que os efeitos sobre a produo so positivos em ambos os blocos, os vnculos mais positivos entre a produo de Home e do Estrangeiro iro reforar os efeitos positivos. O que mais interessante que o efeito positivo do feedback do rendimento - se suficientemente forte - pode alterar as previses beggar-thy-neighbourde (2) e (3). Para ilustrar isso, tomamos o caso (3), uma expanso fiscal sob taxas de cmbio fixas. A modificao-chave nas equaes a de adicionar um termo em y* para a equao ISXM e em y para a equao ISXM*. Temos, portanto, as duas equaes ISXM e as duas equaes LM. Primeiro, as equaes ISXM para Casa e Estrangeiro: y = ag bi + dy* y* = bi + dy e as equaes LM so:

i = y M i = y* M* (FIGURA 12.6 p. 427) onde M + M* = 0. As equaes LM implicam que i = /2 y + /2 y*, por isso temos as duas equaes reduzidas da demanda agregada: FORMULA Isto ilustrado na Fig. 12.6. O ngulo f FORMULA e a distncia h FORMULA. Assim, a linha inclinada para cima mais rasa a equao de demanda para y e a mais ngreme, para y*. O equilbrio o lugar onde eles se cruzam. Como as duas linhas foram traadas tanto y e y* so positivos. Como pode ser visto a partir da frmula de f, a inclinao dessas linhas depende do sinal de d b/2. Para obter y e y* positivos, requer-se d > b/2. H uma interpretao simples desta condio: que o efeito renda positivo de y* em y, chamado d, compensa o efeito negativo de y* via i em y, denominado b/2. Nas subsees anteriores, sem o efeito de feedback da renda, d = 0, logo, evidentemente d b/2 < 0. Nesse caso, a interseco das duas linhas de demanda agregada no quadrante superior esquerdo com y > 0 e y* < 0. No caso de equilbrio de d = b/2, de modo que a linha de demanda agregada y* seja vertical e a linha y seja horizontal, a interseco das duas linhas est no eixo vertical com y > 0 e y* = 0. Neste caso, f zero.

2. Externalidades internacionais no mdio prazo. Passemos agora a analisar o que acontece quando os salrios e os preos so autorizados para ajuste. No mdio prazo, ou seja, aps os salrios e preos se ajustarem: Os efeitos das aes de poltica monetria desaparecem: Home e Estrangeiro voltam para os seus nveis de produo de equilbrio iniciais. No mdio prazo, os efeitos de uma expanso fiscal de Home so independentes do regime de taxa de cmbio: o resultado y > 0 e y* < 0 (nota de rodap: se ambos os pases esto usando uma regra monetria - sob taxas de cmbio flexveis - ento o ajuste para o equilbrio de mdio prazo vai ser diferente - tal como vimos no captulo 11, no contexto da pequena economia aberta. Com expectativas racionais sobre taxa de cmbio e rpido ajuste de produo, as economias vo direto para o equilbrio no mdio prazo. Com hipteses mais realistas, a trajetria de ajustamento para o equilbrio de mdio prazo sob um regime de regra monetria em ambos os pases provvel de se observar do que sob taxas de cmbio fixas: de qualquer forma, no h nenhum efeito locomotiva).

Assim, o efeito locomotiva de uma expanso fiscal de Home sob taxas de cmbio flexveis revertido no mdio prazo. O efeito locomotiva de curto prazo para o Estrangeiro vem da depreciao cambial, mas este o empurra fora da curva ERU e a inflao sobe. Como sua competitividade cai, ele retorna para a curva de ERU a uma menor produo do que no seu equilbrio inicial, porque a taxa de juros mundial/internacional maior. Por outro lado, a economia de Casa refora sua produo enquanto a queda da inflao aumenta a competitividade. O efeito beggar-thy-neighbour de uma expanso fiscal de Home sob taxas de cmbio fixas prevalece, mas atenuado no mdio prazo. A razo que a produo no Estrangeiro diminui no curto prazo dada taxa de cmbio real (por causa do aumento na taxa de juros internacional); isso deixa o Estrangeiro dentro de sua curva ERU com inflao em queda e o consequente aumento na competitividade do Estrangeiro compensa parte da queda do produto inicial. Este conjunto de resultados evidencia o fato de que os desequilbrios fiscais so uma fonte potencial de tenso internacional no mdio prazo, que se supe longe no caso pequena economia aberta. E sobre as implicaes de longo prazo? Desequilbrios fiscais esto associados a transferncias de riqueza entre os blocos com um dficit em conta corrente associado expanso fiscal em uma economia e vice-versa para outra economia. Na pequena economia aberta, vimos que um equilbrio de mdio prazo com a queda ou aumento de riqueza pode persistir por um longo perodo. Eventualmente, a dvida externa acumulada associada ao pas com um persistente supervit em conta corrente provoca um declnio na demanda do setor privado e uma reduo do desequilbrio na conta corrente. Isso acontece atravs de efeitos de riqueza ou atravs de uma postura fiscal mais contracionista - diretamente, como consequncia da preocupao quanto solvncia, ou indiretamente, como consequncia da inflao gerada pela depreciao cambial j que os mercados de cmbio antecipam o recurso a um surto de inflao como um meio de reduzir a dvida. No modelo 2-blocos, tambm no h mecanismo automtico para restaurar equilbrio de longo prazo. A anlise da interdependncia ajuda a explicar a dificuldade poltica de se descontrair desequilbrios internacionais acumulados. Por exemplo, em taxas de cmbio flexveis, como vimos, uma contrao fiscal no pas deficitrio tem o efeito de curto prazo de reduzir a produo no Estrangeiro, bem como: taxa de cmbio de Home se deprecia e do Exterior aprecia. Isso ser reforado por quaisquer efeitos de feedback de renda.

2.1 Esquema bsico para a anlise de mdio prazo no modelo 2-blocos. O diagrama de base que usamos para analisar o mdio prazo um desenvolvimento do diagrama da ERU dos captulos 10 e 11. Com efeito, o diagrama ERU de Home o quadrante nordeste, com y na horizontal direita e sobre os eixos verticais crescentes (para simplificar, todas as variveis so medidas em logs). O diagrama ERU do Estrangeiro ocupa o quadrante sudoeste, com - no eixo horizontal esquerdo e y* no eixo vertical em queda. Em equilbrio com inflao constante, como vimos no captulo 10, um pas tem de estar na sua ERU. No caso de pequena economia aberta, assumimos que um pas pode alterar a sua competitividade, , em relao ao resto do pas mundo o pas pequeno o bastante para que o resto do mundo no note. No modelo 2-blocos, como vimos, uma mudana na taxa de cmbio real ou nominal de

Casa uma mudana igual e oposta na taxa de cmbio do Estrangeiro. Num 'mundo' de equilbrio, tanto Casa quanto o Estrangeiro devem estar sobre suas respectivas ERUs, e alm disso, o nvel de competitividade dos dois blocos deve ser consistente: esta restrio foi ignorada na pequena economia aberta e vista na Fig. 12.7. (?????????) Como pode ser visto, a ERU de Home est no quadrante nordeste e a ERU do Estrangeiro, no sudoeste. A restrio de que um aumento na taxa de cmbio real de Casa seja uma queda no Estrangeiro mostrada pela linha no quadrante noroeste. Ela tem uma inclinao de 45 indicando que um aumento de uma unidade de competitividade em Casa implica a reduo de uma unidade no Estrangeiro e viceversa. Podemos juntar as trs condies que cada bloco est em sua ERU e que a competitividade de cada bloco consistente com a do outro para descobrir que combinaes de y e y* so combinaes de equilbrio para o mundo de 2-economias como um todo. Chamamos o conjunto de combinaes de equilbrio de y e y* de ERU Mundial, ou ERUw. Dois conjuntos de combinaes de equilbrio de y e y* so derivados explicitamente no diagrama. Se comearmos com um baixo nvel de produo em Casa, yL, estar na ERU Domstica implica um elevado nvel de competitividade H (y baixo significa desemprego elevado, o que significa um salrio real baixo e, portanto, um elevado nvel de competitividade); H significa, por sua vez, que a competitividade no Estrangeiro baixa, o que implica que o produto de equilbrio no Estrangeiro alto (y* alto significa desemprego baixo, o que implica um salrio real elevado e, portanto, um baixo nvel de competitividade). Assim, a primeira combinao de equilbrio (yL, y*H), que pode ser encontrado pelo rastreio da linha tracejada atravs dos quatro quadrantes do diagrama. Seguindo exatamente o mesmo procedimento, comeando com yH, obtemos a combinao (yH, y*L). (FIGURA 12.7 p. 429) Definimos o equilbrio em captulos anteriores em termos de taxas de inflao constante, e ser til para mostrar que a ERUw representa a inflao constante mundial, veja Fig. 12.8. Construmos os seguintes pressupostos:

onde w a inflao mundial, e * so a inflao de Casa e do Estrangeiro, e w/w e w*/w* so a inflao dos salrios nominais em Casa e no Estrangeiro. Isso decorre a partir da hiptese de que a produtividade do trabalho constante em Casa e no Estrangeiro. Em seguida

Para entender por que a inflao mundial constante quando a economia mundial est em ERUw, o caso mais simples a tomar quando uma combinao de produo de equilbrio, como (yL, y*H), (FIGURA 12.8 p. 430) (FIGURA 12.9 p. 431)

vai com Casa e Estrangeiro estando em suas respectivas ERUs. O argumento ento simples: desde que w = 5 w/w + 5 w*/w* e desde que (yL, H) e (y*H, - H) estejam ambos em suas ERUs, isso implica w/w = *-1. A inflao mantm-se constante em cada economia, de modo que permanecer constante na economia mundial. A inflao pode ser constante em todo o mundo, mesmo se (yL, H) e (y*H, - H) no estiverem em suas respectivas ERUs, contanto que a economia mundial esteja na ERU mundial. Vemos isso na Fig. 12.9. No exemplo, (yL, y*H) esto em uma combinao de equilbrio, isto , sobre a ERUW, mas nem (yL, H1) nem (y*H, - H1) esto em sua ERU individual. No entanto ERUW ainda implica inflao constante, enquanto que o aumento da inflao em Casa compensa exatamente a inflao em queda no Estrangeiro. Este ser o caso desde que um pressuposto tcnico seja satisfeito: isto , que a curva de Phillips de Casa w/w = *-1 + k onde k a distncia ortogonal de (y, ) a partir da ERUH e com uma condio equivalente de reteno para o Estrangeiro. Podemos afirmar sem provar isso deve ser visualmente evidente - que, se (y, y*) uma combinao de equilbrio, em seguida, (y, ) e (y*, - ) so equidistantes das suas respectivas ERUs, com (y*, ) dentro da sua ERU e (y, ) fora de sua ERU (ou vice-versa). Se estas condies se sustentam, w = 5 w/w + 5 w*/w*, w/w = -1 + k e w*/w* = -1 k. Assim, enquanto uma combinao de produto est na ERUW, a taxa de inflao mundial/internacional ser constante com o aumento da inflao em uma economia equilibrada pela queda da inflao na outra. 2.2. Demanda agregada Apresentamos em seguida as curvas de demanda agregada de Domstico e Estrangeiro. Estas funcionam de forma semelhante s curvas AD no Captulo 10 (ver seo 3). No entanto, h uma diferena importante. Nos captulos 10 e 11, a curva AD desenhada para uma dada taxa de juros mundial/internacional desde que a taxa de juros internacional seja exgena economia pequena. A consequncia foi que as mudanas exgenas na taxa de juros mundial/internacional deslocou a curva AD. No modelo 2-blocos a nossa suposio de mercados de capitais integrados significa, como de costume, que i = i* inteiramente, mas, em contraste com o caso de pequena economia, significa tambm mudana da poltica monetria e fiscal em ambos i = i*. Cada programao/schedule de demanda agregada desenhada para um nico valor de i = i*. Mas quando o nvel real das mudanas na demanda agregada (ou por causa da poltica monetria ou fiscal, ou por causa de mudanas na inflao), ento i = i* vai mudar e passamos para uma nova curva AD. Vamos mostrar como isso acontece a seguir para os diferentes casos de taxas de cmbio fixas e flutuantes e da poltica monetria e fiscal. 2.3. Excesso de Demanda Mundial Como preliminar, mostramos o que acontece se a demanda agregada nos dois blocos cria uma situao geral inflacionria, ou seja, ( y, y*) encontra-se fora da linha da ERUW. Na Fig. 12.10, as linhas AD e AD* so, respectivamente, programaes/schedules da demanda agregada de Domstico e Estrangeiro.

Assumimos que as duas economias tm parmetros idnticos, inclusive para a oferta de dinheiro e despesas do governo. Alm disso = - . Domstico est no ponto b e Estrangeiro, no ponto de b*. Isso pode ser visto como o resultado de suas curvas AD sendo que (y, y*) est fora da ERUw, e (y, ) e (y*, ) esto fora da ERUw, e (y, ) e (y*, ) esto fora suas respectivas programaes/schedules da ERU por quantidades iguais de modo que as presses inflacionrias domsticas so as mesmas em ambos os blocos. Assumimos tambm que as taxas de cmbio so fixas. A partir do diagrama, evidente que, com os nveis de despesa pblica em cada pas fixando a curva AD, como mostrado, (FIGURA 12.10 p. 433) um equilbrio sobre os pases e a ERU mundo/internacional impossvel. O resultado ser, portanto, o aumento da inflao em ambos os pases e da inflao mundial/internacional, como mostrado por um ponto a fora da ERU mundo. Isto pode ser interpretado como um outro exemplo do impacto das externalidades: cada tribunal procura atingir um novo equilbrio da inflao constante no mdio prazo com menor desemprego elevando os gastos do governo. Se o outro pas permanece passivo, Domstico atinge este resultado (esta foi sempre a hiptese na anlise de pequena economia aberta). No entanto, uma vez que ambos os pases raciocinem da mesma maneira, ambos escolhem o elevado nvel de gastos do governo com a consequncia de que a inflao mundial/internacional sobe. A taxa de juros mundial/internacional, ento, levanta-se, deslocando as curvas AD em uma direo restritiva em cada pas: cada um vai voltar para a produo mais baixa, mas custa de um perodo de inflao mais elevada. O problema de uma externalidade da poltica fiscal deste tipo na zona do euro, onde as taxas de cmbio so irrevogavelmente fixas, uma motivao para a presena de uma regra de poltica fiscal dentro de uma unio monetria. Voltamos na seo 4 para discutir o Pacto de Estabilidade e Crescimento da zona do euro. A trajetria de ajustamento de volta ao equilbrio de inflao constante demonstrada na Fig. 12.11: o sistema comea em a no quadrante sudeste e em b e b* nos quadrantes nordeste e sudoeste, com y* = y*0 = y = y0. Chamamos a taxa de juros inicial de i0, de modo que y0 est em AD (i0) e y*0 est em AD*(i0). Em a, a inflao est aumentando com o resultado de que o fornecimento de dinheiro real est reduzido em ambos os blocos a uma taxa uniforme. Assim, em termos do diagrama ISXM/LM, a taxa de juros est sendo empurrada para cima e as curvas AD deslocam numa direo deflacionria para refletir esta. Note que exatamente o mesmo processo est acontecendo em ambos os blocos de forma que nenhum dinheiro precisa fluir entre eles. Uma vez que a taxa de cmbio fixa, e a inflao a mesma em ambos os blocos, a taxa de cmbio real permanece inalterada. Assim, o aumento (FIGURA 12.11 p. 434) na taxa de juros real reduz y e y* em propores iguais para que no quadrante sudeste subamos na linha de 45 de a para d. Correspondentemente, h um deslocamento horizontal no quadrante do Domstico, tal como y cai enquanto permanece constante, e um deslocamento vertical no quadrante do Estrangeiro, tal como y cai com sua taxa de cmbio real constante. Este processo continua at que y

= y* e at Domstico e Estrangeiro atingirem valores de equilbrio simtricos em c e c*. A taxa de juros rotulada iS para indicar que esta a taxa de juros de estabilizao associada a produo mundial em equilbrio ao ponto d. Na seo 3, ns trabalhamos com cada um dos casos de poltica fiscal e monetria sob taxas de cmbio fixas e flutuantes. 3. Interdependncia no curto e no mdio prazo: um modelo simples. Nesta seo, vamos olhar para onde as economias terminam no mdio prazo no caso de polticas fiscais expansionistas e monetria em ambos os regimes de taxa fixa e cmbio flexvel. Em cada um destes quatro casos, assumimos que houve uma expanso Domstica, enquanto as polticas monetria e fiscal no Estrangeiro permanecem inalteradas. Os diagramas so fornecidos no apndice para cada caso, alm de uma explicao do processo de ajustamento a partir do curto - ao mdio prazo de equilbrio. Cada caso pode ser descrito por trs equaes para Domstico: IS, LM e ERU, e as trs correspondncias para o Estrangeiro, IS*, LM* e ERU*. Estas equaes so todas em forma de diferena em primeiro lugar, de modo que, em vez de escrever IS como y = g ai + , escrito y = g ai + ; a LM torna-se i = y (M P); e a ERU y = . De modo correspondente, a IS* y* = g* - ai* - , a LM* i* = y* (M* P*); e a ERU y* = . Para alm destas seis equaes tambm temos a condio de paridade de juros descoberta para o equilbrio de curto prazo no mercado de cmbio, i i* = eE e. Supomos tambm que eE = e, de modo que i = i*, e, portanto, em nossas equaes IS LM, podemos impor a condio de que i = i*. Finalmente, precisamos lembrar a definio = P*e / P, de modo que = e + P* - P (lembre-se que as variveis esto em logs). Em seguida, olhamos para as condies que definem os regimes cambiais fixo e flexvel. Regime de cmbio fixo. definido primeiramente por e = 0: a taxa de cmbio nominal no muda. Mas h tambm a exigncia de que a oferta de moeda do mundo/internacional dada e que a oferta de moeda em cada economia endgena: M + M* = M. Assim, sob este regime, temos nove equaes, nossas seis originais mais = e + P* - P, e, alm dessa, e = 0 e M + M* = M. E h nove incgnitas: y, y*, i, , P, P*, e, M e M*. M, g e g* so exgenas. Regime de cmbio flexvel. Aqui, ao contrrio, a oferta de moeda em cada pas dada, de modo que M dada, como M*. Neste caso h sete equaes, as nossas seis originais mais = e + P* - P, e sete incgnitas, y, y*, i, , P, P*e e, com M, M*, g e g* exgenas. Ns assumimos no que se segue que a inflao esperada no equilbrio de mdio prazo zero, de modo que no precisamos fazer a distino entre as taxas de juros nominal e real.

3.1. Expanso monetria sob taxas de cmbio fixas.

Neste caso assumimos g = g* = 0. De onde quer que venha a expanso monetria, ou seja, de Domstico ou do Estrangeiro, implica uma expanso equivalente da oferta de moeda mundial/internacional, logo M > 0. Assim, nossas equaes so: (IS) --- y = ai + (IS*) --- y* = ai (LM) --- i = y (M P) (LM*) ---i = y* (M* P*) (ERU) --- y = (ERU*) --- y* = = P* P Isso pode ser visto de uma s vez a partir das equaes ERU onde y + y* = 0. Esta a condio fundamental para o equilbrio de mdio prazo temos de estar na ERU mundo, ERUW, por isso, se a produo em uma economia sobe tem que cair de forma equivalente na outra. Esta outra maneira de dizer que a economia mundial tem uma nica taxa de equilbrio de produo mundial/internacional para a inflao mundial/internacional constante. E cada pas tem de estar em sua ERU para estabilizar a inflao domstica. Isto significa que a demanda mundial constante e, desde que no tenha efeito sobre a demanda mundial, a mudana nesta 2ai (da adio de duas curvas IS juntas). Assim, i = 0. Se i = 0, y = a partir da curva IS, mas y = a partir da ERU. Da y = = . E o mesmo verdadeiro para o Estrangeiro: y* = . Alm disso, se = 0, isso implica que, sobre taxas de cmbio fixas, P* = P. Finalmente, a partir da curva LM, M = P, desde que i = y = 0, e, a partir da LM*, M* = P*. Ento, M = M*. Desde que M + M* = M, M = M* = M / 2. Em resumo, a expanso monetria sob taxas de cmbio fixas no tem efeitos reais em qualquer economia. Tudo o que acontece que os preos sobem em igual proporo ao aumento da oferta de moeda em cada pas, e isso metade do aumento mundial da oferta de moeda. 3.2. Expanso monetria com taxas de cmbio flexveis Aqui, novamente e pelas mesmas razes, y = y* = = i = 0. No h efeitos reais nem em Domstico ou no Estrangeiro. De LM*, uma vez que M* = 0, implica-se que P* = 0. E de LM, P = M > 0. Assim, o aumento na oferta de moeda, confinada sob taxas de cmbio flexveis para o Domstico, implica que P sobe em igual proporo para M. Finalmente, isto significa que a taxa de cmbio nominal se deprecia, e > 0, para manter uma taxa de cmbio real constante, = e + P* = e P = 0, de modo que e = P. 3.3. Expanso fiscal sob taxas de cmbio fixas

Neste e no prximo caso, supomos que h uma expanso dos gastos do governo em Domstico, mas no no Estrangeiro: g > 0 e g* = 0. Veremos que o resultado em ambos os regimes de taxa de cmbio um aumento da produo Domstica e uma queda igual no Estrangeiro. O efeito beggar-thy-neighbour no curto prazo sob taxas de cmbio fixas um pouco atenuado no mdio prazo. Para ver a lgica do resultado no mdio prazo, aplicamos o modelo simples acima exposto. Como sempre y + y* = 0 (adicionando ERU e ERU* juntas). Uma vez que a produo mundial deve permanecer inalterada, e desde que no tem nenhum efeito lquido sobre a demanda mundial/internacional, i deve subir para compensar o aumento na demanda causado por g. Portanto, somando IS e IS* juntos, temos g = 2ai, para que i = g / 2a Segue-se (substituindo esta na IS, e usando o requisito da ERU que = - y) que y = g g / 2 y = g / 4 = - y* = - . O que acontece com os preos? Isto um pouco mais complicado. Primeiro, uma vez que = P* - P = - g / 4, sabemos que P - P* = g / 4. Isso diz que o aumento em y causado pelo aumento em g requer uma apreciao da taxa de cmbio real Domstica para ficar em sua ERU, e isso, por sua vez, exige que P suba em relao a P*. Mas quanto que P e P* tm de subir? Aqui LM e LM* entram em jogo. Desde que i tenha crescido (em ambos os pases) por g / 2a, a demanda real por moeda precisa crescer igualmente em ambos os pases em relao a sua oferta. Assim FRMULA. Desde que a oferta de moeda nominal mundial/internacional seja constante, tal como a demanda de transaes por moeda no mundo, FRMULA, isso pode ser visto colocando LM e LM* em conjunto de modo que os preos mundiais tenham um aumento por P + P* = g / a . Juntamente com P P* = g / 4, FOMULA e FRMULA. Subtraindo LM* de LM, claro que a oferta real de moeda em Domstico tem de subir em relao oferta do Exterior para a demanda lquida real por moeda crescer igualmente em ambos os pases: FRMULA Desde que P > P*, isso implica que o dinheiro tem que fluir do Estrangeiro para o Domstico, tanto para permitir que a oferta de moeda aumente em Domstico em relao ao Estrangeiro e para compensar a reduo da oferta real de moeda em Domstico causada por P > P*. A partir da equao anterior, (M M*) = (P P*) + g / 2u. Uma vez que P P* = g / 4, e M + M* = M = 0, FRMULA A intuio a seguinte: a demanda agregada mundial aumenta com g, mas no h aumento na oferta mundial em equilbrio (y + y* = 0). Logo, i tem que subir; mas

sem aumento na demanda mundial por moeda, uma vez que y + y* = 0, a oferta real mundial/internacional de moeda tem de cair para que haja um aumento na demanda por moeda em relao oferta, a fim de empurrar para cima a taxa de juros, i. Mas a oferta mundial/internacional de moeda nominal constante, ento os preos mundiais/internacional tem de aumentar (empurrados para cima pela lacuna entre a demanda e a oferta mundial/internacional) at i subir o suficiente para eliminar o aumento da demanda mundial/internacional. Ao mesmo tempo, uma vez que o aumento da demanda em Domstico, y sobe e y* cai, necessitando de uma valorizao real e, portanto, exigindo (com taxas de cmbio fixas) que P suba em relao a P*. O aumento em y e a queda em y* tambm implica que a oferta de moeda real Domstica precisa aumentar mais que a do Estrangeiro uma vez que a demanda real lquida por moeda deve subir na mesma proporo em ambos os pases. Isto agravado por P > P*. Assim, a oferta de moeda nominal mundial/internacional tem de fluir a partir do Estrangeiro para o Domstico para trazer um aumento relativo apropriado na oferta de moeda real Domstica.

3.4. Expanso fiscal sob taxas de cmbio flexveis. O resultado para as variveis reais idntico expanso fiscal sob taxas de cmbio fixas, ou seja, o produto Domstico maior e o do Estrangeiro menor no novo equilbrio de mdio prazo. Certamente, o segundo pargrafo da seo anterior aplicase sem alteraes a este caso, com y = g / 4 = - y* = - e i = g / 2a. No entanto, agora o dinheiro no pode fluir entre Domstico e Estrangeiro (M = M* = 0), ento todo o peso de garantir que as ofertas de moeda real Domstica e no Estrangeiro cresam adequadamente cai em P e P* respectivamente. Assim P e P* decorrem diretamente da LM e da LM*. Substituindo i e y na LM gera g / 2a = g / 4 + P ou FRMULA onde a equao de fundo vem de LW*. Pode parecer surpreendente primeira vista que P caia em Domstico, onde g tem aumentado. Mas o que aconteceu neste caso que a resposta de curto prazo da taxa de cmbio para o aumento de g uma apreciao: isso empurra Home para dentro da ERU e o Estrangeiro para fora da ERU. Assim, no mdio prazo, P cai em relao a P*. Sabemos que = e + P* - P = - g / 4. Das duas equaes acima, P* - P = g / 2. Logo,

Assim, a fim de obter a apreciao real necessria da taxa de cmbio para permitir que y suba, e tem de se apreciar por , mais a depreciao real causado pelos movimentos de preos relativos de g / 2. 3.5 Concluso sobre o mdio prazo os resultados No mdio prazo, o regime de taxa de cmbio no tem nenhum efeito sobre os resultados reais em contraste para o curto prazo. A poltica fiscal expansionista em

Home sempre aumenta y e reduz y*, com consequente reduo de (valorizao real para Home) e aumento em i*; e a poltica monetria no tem efeitos reais de mdio prazo. No apndice, demonstramos como se d o ajuste de equilbrio do curto para o mdio prazo.

4. UEM/EMU: uma rea comum de moeda Ao desenvolver a anlise da Unio Econmica e Monetria (UEM), assumimos, em primeiro lugar, que a UEM composta por um grande nmero de pequenas economias: cada economia ser assumida como se no tivesse nenhuma influncia sobre a taxa de inflao da UEM ou o nvel de produto. O ponto importante aqui que, se negligenciarmos o resto do mundo, podemos pensar da UEM como uma grande economia fechada, e cada um dos Estados membros como seus setores ou regies. A UEM ento tem taxa de emprego agregada nica em que a inflao estvel. Assim, embora os membros individuais tenham pouco efeito (se forem pequenos) sobre os agregados da UEM, o excesso de demanda agregada conjunta pode causar um amplo sistema de inflao e, portanto, fazer com que o BCE eleve os juros. Por esta razo, existe um Pacto de Estabilidade que restringe as polticas fiscais dos Estados membros individuais: caso contrrio (argumenta-se) eles poderiam ser tentados a usar polticas fiscais expansionistas sem internalizar o custo inflacionrio agregado. A principal motivao desta seo ver em que circunstncias os Estados membros individuais podem alcanar resultados satisfatrios de emprego, dada a ausncia de controle monetrio individual e da presena de uma restrio sobre a poltica fiscal como um Pacto de Estabilidade. 4.1 Restries sobre a economia agregada UEM Como vimos no captulo 10, no h desemprego ou taxa de produto nicos em uma pequena economia aberta. Tal economia capaz de realizar uma expanso fiscal e, ento - atravs de um surto de inflao acima da taxa de inflao mundial/internacional - experimenta uma apreciao de sua taxa de cmbio real que aumenta seu salrio real em consonncia com o aumento na fixao de salrios dos salrios reais. E se todas as economias foram tentar fazer isso ao mesmo tempo? Evidentemente que isso no possvel uma vez que todas as economias seria incapazes de apreciar suas taxas de cmbio reais uns contra os outros. Como exatamente isso funciona? Vamos chamar o log do nvel de preos na economia i, Pi. Vamos simplificar o processo de precificao nesta economia de modo que Pi ajustado igual ao log do custo unitrio do trabalho, Wi - i, isto Pi = Wi i . Em seguida, supe-se que um consumidor em cada economia consome o mesmo pacote de mercadorias, em que cada bem simtrico; cada bem produzido em uma economia diferente (o ith - referncia ao primeiro i? - bem produzido na economia

i); e cada bem vende pelo mesmo preo em toda UEM. Assim, o ndice de preos ao consumidor pode ser escrito: P = N-1 Pi = N-1 (Wi - i) onde P o log do IPC e h N economias. Por convenincia, podemos escrever W - como o custo mdio unitrio do trabalho da UEM. Podemos agora reescrever a equao acima para obter o salrio real agregado resultante da relao de fixao de preos (ou curva PS) para a UEM como um todo: W- P= Tambm til expressar isso em termos de competitividade, . Primeiro, chamamos o log da taxa de cmbio real (ou competitividade) da economia i, i. Segundo, lembramos que e fixo (por todo tempo) para as economias da UEM; ser mais simples definir e = 0 e depois esquec-la. A competitividade para a economia individual medida pelo nvel de preos agregado em relao ao preo de seu bem, ento i = P + Pi . Isso fornece uma maneira simples de derivar o valor agregado de consequente do comportamento da fixao de preo: = N-1 i = P - N-1 Pi = 0. Assim, podemos dizer que a fixao de preos implica que = 0 ou W - P = . No difcil ver que um implica o outro. Reintroduzimos o cronograma/schedule WS para cada economia individual, e assumimos aqui que eles so o mesmo: Wi - P = + yi ou no agregado Wi - P = + N-1 yi = + yi onde y = N-1 yi a taxa mdia do produto. Podemos agora obter o equilbrio y em uma de duas formas idnticas - via o salrio real ou atravs da taxa de cmbio real. A forma familiar atravs do salrio real (as curvas WS e PS). Estas so ento

(FIGURA 12.12 p. 440) Isso reproduz para a economia agregada da UEM os resultados padronizados para a economia fechada: o equilbrio do produto ser maior quanto menor (mais contido) for e , e quanto maior for . Mas tambm podemos obter o mesmo resultado para a economia agregada via competitividade:

Assim, colocando a condio WS = - + y juntamente com a condio PS = 0, temos FRMULA. Na Fig.12.12, o diagrama inferior o diagrama de interseo WS-PS familiar. Todas as variveis so mdias. Assim, a interseo do cronograma/schudule PS (i) e do cronograma/schudule WS mostra o nvel de equilbrio da produo mdia da UEM consistente com inflao estvel, y1. No diagrama de cima, este mesmo equilbrio representado pela interseco de ERU1 e da linha horizontal = 0. Um aumento na produtividade do trabalho de 1 a 2 empurra para cima o cronograma/schedule PS no modo padro no diagrama inferior de modo que o novo equilbrio y2. E no diagrama superior esse novo equilbrio representado pela interseco de ERU2 e da linha horizontal = 0 em y2. Note que o valor de equilbrio de inalterado pelo aumento da produtividade do trabalho. Tambm introduzimos nesta fase uma segunda razo possvel sobre por que o equilbrio de produto da UEM-ampla pode mudar. A determinao dos salrios na maioria dos Estados membros da UEM dominada por negociao coletiva; e alm disso, a negociao bastante coordenada em nvel nacional. Assim, uma possibilidade talvez seja que negociadores podem moderar a presso da negociao salarial em qualquer nvel de renda. (FIGURA 12.13 p. 441) Como vimos no Captulo 4, uma maneira simples de caracterizar esta moderao por uma mudana para baixo no cronograma/schedule WS, para WSd, implicando em um aumento em ye para y3. Isso refletido no diagrama superior pela mudana para direita na ERU para ERUd e um aumento correspondente na produo de equilbrio da UEM-ampla para y3. Quais so as implicaes para a demanda agregada? Na Fig. 12.13, os cronogramas/schedules AD so novamente cronogramas/schedules agregados. A curva de demanda agregada de acordo com o equilbrio na UEM-ampla dada pela AD(rs(A0), A0), onde A0 o nvel inicial mdio da demanda autnoma em todos os Estados membros da UEM. rs(A0) a taxa de juros que assegura que o AD (rs(A0),A0) corta a ERU com = 0. Quanto mais forte a demanda agregada domstica autnoma, A, maior rs(A) ter de ser. Como um lembrete, y = A - ar + , ento ye = A0 - ars (A0), com = 0. Vamos agora supor que A aumenta para A1, enquanto as taxas de juros no se alteram, r = rs (A0). Assim, o cronograma/schedule da demanda agregada se desloca para o AD(rs(A0), A0). Observe que, por definio, para o "mundo" como um todo, sempre 0: no agregado, a taxa de cmbio real deve ser unidade e seu log ele deve zero. Assim a UEM passa de a para b. O que acontece em b depende da poltica monetria. Ento, vamos agora introduzir o primeiro dos trs instrumentos de poltica crtica na UEM: a poltica monetria do Banco Central Europeu (BCE). 4.2. BCE e poltica monetria: choques simtricos. Ao aderir moeda nica europeia, as economias individuais perdem qualquer controle sobre a sua oferta de moeda e sua taxa de cmbio nominal. A funo de resposta

monetria do BCE nunca foi claramente indicada. No entanto, para efeitos de anlise, vamos supor que ele usa uma funo de reao monetria que visa estabilizar a economia da zona euro em torno da meta de inflao. Como foi enfatizado no Captulo 5, para o BCE para alcanar sua meta de inflao, deve procurar minimizar o desvio do inflao em relao meta e do produto de equilbrio. Se o BCE pretende alcanar uma meta de produto acima do equilbrio, haver um vis inflacionrio, ou seja, a inflao no desemprego de equilbrio estar acima da meta de inflao. Tendo notado isso, vamos assumir que a meta de produto do BCE o produto de equilbrio. Em resposta a todo o sistema de choques, o BCE, ento, responder exatamente da mesma forma que foi estabelecido nos Captulos 3 e 5 para a economia fechada. Enquanto o choque - seja ele choque de demanda agregada, de inflao, ou do lado da oferta - afeta todas as economias da zona do euro da mesma forma, ento cada Estado membro ser guiado de volta ao equilbrio atravs das aes do BCE. Esta anlise pressupe tambm que cada economia responde de forma idntica s mudanas do BCE nas taxas de juros. Tal como definido em detalhes no Captulo 5, os parmetros fundamentais de uma regra de Taylor do tipo ideal que se assume idntica em todos os pases membros se essa anlise aplicada aos membros da zona euro so: a sensibilidade da demanda agregada, a inclinao da curva de Phillips, e a estrutura de defasagem das respostas do produto e da inflao. 4.3. Choques assimtricos. Dada a poltica monetria expressa em uma funo reao do banco central, todas as economias ajustam-se a um equilbrio simtrico se elas se comportam de forma idntica. O que acontece se no o fizerem? Observamos dois tipos de distrbios que so relevantes no contexto da UEM. Em ambos os casos, assumimos inicialmente que = 0 e A1 = A para todo o i. E em ambos os casos assumimos que a zona do euro como um todo permanece em equilbrio. Se assumirmos por simplicidade que a meta de inflao zero, isso requer que FRMULA e que FRMULA, com ye = A - ars (A); note-se que, em qualquer caso, FRMULA - a soma dos logs de taxas de cmbio reais relativas zero por definio. 4.3.1. As diferenas de i e alteraes na taxa de cmbio real induzidas pela inflao diferencial. Assumimos que a programao/schedule de AD idntico atravessa o equilbrio ponto a na Fig. 12.14 onde = 1 intercepta a ERU. No entanto, diferentes economias tm agora valores diferentes de . A simples suposio que existem dois grupos do mesmo tamanho de Estados membros, no primeiro do qual = 1 > 0, e no segundo = 2 = - 1. A situao mostrada na Fig. 12.14, onde o primeiro grupo das economias (grupo 1) est no ponto x com 1 > 0, e o segundo grupo est no ponto z com 2 = - 1 > 0. Observe que, como a zona do euro como um todo est em equilbrio (ou seja, na linguagem da seo anterior, a economia da zona euro est na curva ERU mundial, mostrada pelo ponto a, o BCE no faz nada). (FIGURA 12.14 - p. 442)

H no entanto um mecanismo de resposta automtica desde que as economias do grupo 1 em x so caracterizadas pelo aumento da inflao e, portanto, por uma apreciao da taxa de cmbio real com o resultado de que eles se movem para baixo da curva AD para o sudoeste ao tempo em que as exportaes lquidas encolhem. Em x, P1 = 1 > 0 (assumimos que E = 0), logo 1 = - 1 < 0. Esse processo continua at que as economias do grupo 1 retornem ao equilbrio em a. O exato processo inverso tem lugar nas economias do grupo 2. A inflao no grupo 2 cai, a taxa de cmbio real se desvaloriza, e a demanda agregada aumenta at essas economias moverem-se de volta ao equilbrio. Isto ilustra um ponto fundamental sobre as economias em uma rea de moeda nica. Diferentes taxas de inflao so o caminho no qual o ajuste da taxa de cmbio real provocado. Mesmo se a taxa de cmbio nominal for inexoravelmente fixa, a taxa de cmbio real no : a inflao permite ajustes necessrios a respeito. Que isso no seja totalmente compreendido nos crculos polticos relevantes ilustrado por um episdio que ocorreu em 2002, quando a Comisso da UE tentou trazer a Irlanda para dar conta de sua alta taxa de inflao. Na verdade, a Irlanda estava no processo de utilizao de uma alta taxa de inflao para apreciar a sua taxa de cmbio real e, portanto, para espremer as presses inflacionrias at que a economia irlandesa retornasse ao equilbrio. Este exemplo mostra que, se o desequilbrio reflete uma taxa de cmbio real sobrevalorizada ou subvalorizada, isso ser corrigido eventualmente pelos movimentos de inflao relativos. No entanto, bom notar que a presena de assimetrias no processo de inflao/desinflao pode prejudicar um ajustamento suave. Especificamente, as economias do grupo 2 em z j podem ter inflao baixa e poder ser ainda mais baixa que a subida da viscosidade da inflao. 4.3.2. Choques de demanda agreada assimtricos (Ai) Vamos examinar agora o caso de choques de demanda assimtricos (Fig.12.15). Assumimos o sistema como um todo em equilbrio: = 0 e o produto agregado est em a. Ambos os grupos de economias esto em suas curvas ERU, por suposio. Observe, portanto, que os dois modos possveis de ajuste discutidos acima no podem/podem no funcionar: a poltica monetria do BCE continua estabelcida em r = rs(A), uma vez que todo o sistema de demanda agregada compatvel com o equilbrio, e o (FIGURA 12.15 - p. 443) mecanismo automtico de ajuste de taxa de cmbio real via inflao diferencial tambm descartado j que ambos os grupos esto em suas respectivas ERUs, o que implica que as taxas de inflao de ambos os grupos permanecem as mesmas e ns assumimos que elas estejam na meta do BCE. As economias do grupo 1 no ponto z no tm nenhuma razo particular para querer se ajustar: elas tm alto nveis de produto e emprego, juntamente com a inflao estvel em nvel UEM-ampla. Pode ser que elas estejam executando dficits em conta corrente ( - de fato, elas esto no nosso modelo simples, j que o saldo da conta corrente igual a = 1 < 0), mas isso no coloca presso direta sobre os Estadosmembros neste grupo para se ajustar, desde que as economias no enfrentem a presso do mercado de cmbio externo.

Mas as economias do grupo 2 no ponto z gostariam de se ajustar uma vez que tm produo e emprego em baixa. Existem, em princpio, dois tipos de polticas que possam usar, do lado da oferta e fiscal. importante notar, contudo, que essas economias no esto na sua posio atual como um resultado da falha do lado da oferta. Neste modelo, a estrutura do lado da oferta capturada por uma ERU da economia e as ERUs de todas os Estados-membros so idnticas neste exemplo. Assim, uma economia da UEM sem problemas do lado da oferta (ou despreparada ou incapaz de usar as polticas estruturais) - e despreparada ou incapaz de usar poltica fiscal - est literalmente presa se sua demanda exgena Ai muito baixa. Tais economias permanecero no ponto z. Observaremos as restries no uso de polticas fiscais e do lado da oferta. 4.4. A poltica fiscal na UEM: a restrio Pacto de Estabilidade. O Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) da UEM exige que os Estados membros no executem um dficit no setor pblico superior a 3% do PIB. Os Estados que quebram as condies do PEC podem ser penalizados financeiramente pelo Conselho de Ministros de Finanas da UE. Analisamos o uso da poltica fiscal em economias individuais no pressuposto de que o PEC vinculativo, embora, como amplamente conhecido, vrias economias tenham quebrado as condies do PEC (Frana, Alemanha, Itlia e Portugal) sem ser penalizadas. Os problemas com o desenho do PEC a partir da perspectiva de uma regra de poltica fiscal prudente que garanta a longo prazo a sustentabilidade fiscal so colocados no Captulo 6. Aqui estamos preocupados com uma questo diferente, ou seja, as consequncias da adoo do PEC para resultados macroeconmicos da zona do euro. Na seo 1 deste captulo, colocamos a lgica bsica subjacente adoo de uma regra para restringir o uso da poltica fiscal em rea de moeda comum: cada pas agindo de forma independente v um ganho de uma expanso fiscal que permite a reduo do desemprego com a inflao constante (como o caso de uma pequena economia aberta), mas o resultado no mdio prazo um de desemprego inalterado com uma maior taxa de juros real e um maior perodo de inflao. Antes de perguntar qual o impacto que o PEC tem nas economias condicionantes, conveniente assumir que todas as economias da zona do euro esto seguindo algum tipo de estratgia para o dficit do setor pblico (DSP). Uma maneira simples de modelar isso assumir que cada economia vise manter o seu dficit em alguma meta de porcentagem, e para simplificar a anlise vamos supor que o objetivo que a meta para o dficit primrio, ou seja, excluindo os pagamentos de juros. A razo-dficit, D/ y = (g - ty) / y, onde as variveis so escritas em nmeros naturais, e onde assumimos que a receita do governo pode ser resumida como ty. Portanto, a estratgia DSP de manter a relao a alguma porcentagem fixa, , implica que D/ y = (g - ty) / y = , ou g - ty = y. Revertendo para os logs g = k + y, onde k = log( + t). A exigncia de que o dficit seja menor ou igual a 3% do PIB pode ser escrita em nmeros naturais como D / y < 0,03. A simples suposio que o dficit a diferena entre as despesas do governo (g) e as receitas fiscais a partir de uma taxa de imposto constante proporcional (t): assim (gi - tyi) / yi < 0,003 ou gi < (t + 0,03)yi, onde t ser tomado como uniforme entre os Estados membros por convenincia. Com gi e yi sendo agora os logs como no resto do captulo, a restrio PEC PEC: gi < log(t + 0,03) + yi = kSP + yi,

onde, dado t, kSP = max log (t + ) permitido pelo PEC. Imaginemos uma configurao ligeiramente diferente da estabelecida na ltima subseco. Primeiro, vamos definir A agora como componente non-interest-sensitive da demanda exgena privada; assim a demanda privada exgena total A - ar. At agora temos simplificado pela suposio de que o coeficiente de g a unidade. Escreveremos agora yi = Ai - ar + gi + i, onde a elasticidade da demanda agregada em relao despesa pblica (nota: suponha que o modelo linear em nmeros naturais, y = A + g, onde g a despesa pblica real. Ento y / y = (g / g) . (g / y), ou log y = (g / y). log g; integrando, log y = k + (g / y) log g; portanto, 0 < = g / y < 1, no modelo.) Assim, a demanda total exgena A - ar + g. Observamos ainda a situao de um choque de demanda assimtrico, e preocupamonos com a economia, i, com Ai abaixo da mdia, onde mdia A escrita como A. Nos termos da seo anterior, esta a economia do grupo 2. Mas vmos supor agora que nossa economia pequena o suficiente para no ter qualquer impacto sobre a mdia. Nos termos de AD para a economia i, assumindo que a PEC vincula de modo que gi = kSP + yi: FRMULA Sabemos que para a mdia, FRMULA com rs definido por FRMULA. Portanto, uma maneira conveniente de olhar para a demanda agregada na economia i em termos de como ela se desvia da mdia: FRMULA Se ns definirmos FRMULA, podemos reescrever a equao ADi como: FRMULA (FIGURA 12.16 - p. 446) Mostramos isso no padro diagrama y (Fig. 12.16). Xi uma medida da demanda adicional exgena necessria para fazer yi = ye, dada A, Ai, k e ki. Assim, se Xi = 0, nenhuma demanda adicional necessria, o que significa que a funo AD i = (1 - ) (yi - ye) passa pelo ponto (i = 0, yi = ye), de modo que os movimentos de inflao relativos eventualmente vo gerar yi = ye. Mas Xi = X*i > 0 implica que um extra X*i da demanda exgena necessrio, onde X*i medido pela distncia vertical entre a e b na Fig. 12.16. Para dado A, Ai e ki, o requisito PEC o qual ki < kSP = log (t + 0,03) apresenta o Xi menor possvel: isso visto na Figura 12.17. Inicialmente, ki < kSP e economia est no ponto c. Se h ento um aumento no dficit que permitido, isso reduz a demanda adicional privada necessria para levar a economia a um maior produto de equilbrio. Por exemplo, um aumento na razo dficit com meta de 3%, ou seja, um movimento para kSP, implica um movimento de c a d no grfico; isso implica, por sua vez, uma queda em i, e um aumento na produo de equilbrio para yi2.

Podemos tirar as seguintes concluses: (1) The punchline que a PEC coloca um limite sobre o uso da poltica fiscal para realizar bons choques de demanda deflacionrios. A condio para o pas i atingir a produo de equilbrio, ye, respeitando a restrio da PEC, que Ai + kSP > A + k. Assim, se Ai muito fraco, ou se A muito forte, ou k est perto demais de kSP, ento pas i ser incapaz de usar a poltica fiscal para fechar a lacuna com o produto de equilbrio em ye. Nesse caso, nem a poltica fiscal nem a monetria esto disponveis para o pas i. Dadas as dificuldades de introduzir mudanas do lado da oferta, que isso pode ser uma concluso decepcionante - em particular, j que neste exemplo a economia i considerada to eficiente quanto as outras economias em termos de sua ERU. (2) Mas pode ser que a poltica fiscal no seja muito eficaz. No contexto aqui, isso equivale a dizer que pequena. Claramente, se = 0, a poltica fiscal pode no ter nenhum efeito. (FIGURA 12.17 - p. 447) (3) Mesmo se estamos preocupados que a PEC possa ser muito restritiva, , no entanto, importante perceber que o afrouxamento pode dar a muitas economias um incentivo para usar a poltica fiscal para expandir a produo e o emprego. Isso porque (para alm de uma restrio do PEC) as restries-padro de expanso fiscal (externas ao governo) no existem mais: estas so mercados financeiros e mercado de cmbio externo de curto. Para os pases da zona do euro, as taxas de juros de curto prazo so determinadas pelo BCE, e taxa de cmbio nminal do pas no existe mais. Vamos agora definir o que aconteceria se todos os Estados membros elevassem seu k simultaneamente em resposta a uma flexibilizao do PEC. A taxa real de juros determinada pela exigncia de que y = ye ou ye = A + ( k + ye) ars. Por isso, dk = adrs. O componente sensibilidade-juros da demanda privada, - ars, tem de cair exatamente a quantidade pela qual a despesa governamental aumentou. No existe um aumento no produto. (4) Finalmente, a partir de uma perspectiva poltica, se a poltica fiscal um til dispositivo anticclico e se o PEC atual no permite que seja usado de forma eficaz, h um caso de aumentar k nas economias em dificuldade, limitando k para a economia mdia. Mas se ou no seria possvel para Ecofin monitorar e fazer cumprir tal arranjo bastante obscuro.

4.5. Polticas do lado da oferta Nesta seo, vamos ver como polticas do lado da oferta podem influenciar uma economia na zona euro. Como discutido no Captulo 4 e Captulo 11, as polticas do lado da oferta ou estruturais so aquelas que mudam a programao/schedules da PS e/ou da WS, e que, portanto, neste contexto, mudam a ERU. Em particular, perguntamos quais so as consequncias para o equilbrio macroeconmico de trs tipos de poltica do lado da oferta: um acordo de salrio (ou poltica de rendimentos), as polticas que estimulam a produtividade do trabalho, e as polticas que aumentam a competio no mercado produtivo. Em cada caso, as consequncias macroeconmicas de seguir as polticas a partir do seu impacto no ERU da economia

preocupam. Como na ltima seo, observamos um pas membro, i, que to pequeno que no tem impacto sobre a economia da zona euro como um todo. Assumimos aqui que h um nico sindicato-monoplio na economia i. Comeamos mostrando no rigorosamente como um acordo salarial pode alterar o produto e o emprego de equilbrio. Nosso conceito de produto de equilbrio exige que a economia esteja em sua ERU; no caso que exploramos aqui, assumimos que a ERU inicial da economia seja ERU*. Assim, a produo inicial da economia, y*i, est em a*, a interseo de ERU * e AD na Fig. 12.18. . 4.5.1. Acordo salarial Um acordo salarial desloca para baixo o salrio negociado real ou o cronograma/schedule WS. Como um lembrete, o cronograma/schedule WS na economia i dado por wi = Wi P = + yi , onde wi o salrio real na economia i, e Wi o salrio nominal. P o nvel de preos da zona do euro, que o nvel de preos ao consumidor em cada economia da zona do euro (j que os trabalhadores compram mercadorias produzidas em cada uma das economias da zona euro). Todas as variveis esto em logs. Um acordo salarial representado por uma diminuio em um ou ambos as constantes, e . O prximo passo traduzir isso dentro dos termos da ERU. O cronograma PS definida por Pi = i + Wi i , onde i o log do lucro mark-up sobre os custos unitrios do trabalho, e reflete a competitividade do mercado do produto. Como usual, a produtividade do trabalho representada por . Desde que a taxa de cmbio real seja i = P - Pi, fcil ver como e entram na ERY, uma vez que podemos escrever a ERU como i = i i yi. At o momento neste captulo a (comum) ERU foi escrita = y; por isso vamos supor que a ERU* caracterizada por = , com i = e i = para todo = 1. Assim, se o acordo salarial assume a forma de uma reduo em , a ERU1 definida como = yi, com < 0, de modo que ERU1 desloca-se para fora de forma paralela. Isto pode ser visto na Fig. 12.18 como a mudana de ERU* para ERU1. Que efeito isso tem sobre y*i? Uma vez que assumimos que AD no se desloca, isso implica em um movimento ao longo da AD de a* para a, e yi dado pela interseo de AD com a ERU1. Na Fig. 12.18, a ERU desloca-se verticalmente por = - podemos pensar em (rho) como p de conteno/ standing for restraint. Uma vez que o y aumenta por / 2, y s aumenta pela metade o deslocamento para fora da ERU. Note que antes da mudana da ERU, ERU* definida por i = yi e depois por

i = yi . (FIGURA 12.18 p. 449) Do comeo ao fim, a programao AD constante: yi = Ai ar + i Antes do acordo salarial, yi dado por yi = Ai ar + i = Ai ar + yi yi = Ai / 2 ar / 2 + / 2 = yipre .

Depois, usando o mesmo raciocnio, yipos = Ai / 2 ar / 2 + / 2 / 2 . Assim yipos yipre = / 2. A implicao que tem de haver um aumento na demanda agregada deslocando a AD para os lados se yi estiver aumentando mais do que / 2.

4.5.2 Polticas estruturais para melhorar a produtividade do trabalho. As polticas que melhoram a produtividade do trabalho tm um efeito idntico na ERU assim como faz um acordo salarial incorporando uma reduo em . Isto pode ser visto por reescrever a ERU i = i i yi. Assim, uma melhoria da produtividade do trabalho tambm leva a uma mudana para fora paralela na curva ERU e move para cima a programao AD para nordeste.

4.5.3 Polticas estruturais para melhorar a concorrncia no mercado de produtos Polticas para melhorar a concorrncia no mercado de produtos podem funcionar de vrias maneiras. Um efeito padro de tais polticas , de uma forma ou outra, aumentar a elasticidade da demanda de produtos que as empresas enfrentam. Revertendo de logs para no-logs os valores das variveis, por um momento: se a curva da demanda que a empresa enfrenta na economia i yi = pi- A, o objetivo da poltica de concorrncia pode ser pensado como o aumento da elasticidade da demanda, , onde pi = Pi / P.

Primeiro precisamos mostrar como est relacionado com . Isso definido em detalhes no Captulo 15. Brevemente aqui, vamos supor que h um monoplio que maximiza os lucros pi yi wi (yi / ) = pi [ p1 .A ] wi ( p1 - / ) , onde wi = Wi / P. Desde que A seja apenas uma constante, a empresa escolhe pi para maximizar o p1 1 wi . p1 - / , e isso implica FRMULA. Agora voltando aos logs e lembrando que em logs pi = Pi P e wi = Wi - P, temos FRMULA fcil ver que um aumento em leva a um declnio no log do mark-up : quando, por exemplo, FRMULA; um aumento em de 2 para 3 implica um declnio no FRMULA para 1.5. Uma vez que a ERU i = i i yi, o primeiro efeito da poltica de concorrncia deslocar a ERU para fora, reduzindo i. Mas h um segundo efeito, desta vez na reduo do poder de monoplio do sindicato. Isto mais complexo, mas a intuio simples. tambm a elasticidade da demanda derivada pela programao de trabalho. Assim, um aumento em implica que existe uma maior perda no emprego a qualquer aumento dado no salrio real. Isto ir reduzir o salrio real exigido em qualquer nvel de emprego, deslocando para baixo o cronograma WS (os detalhes constam no Captulo 15.) Assim, h um efeito secundrio deslocando para a ERU para fora atravs de um declnio em .

4.5.4. Polticas do lado da oferta, demanada agregada, e a restrio PEC Vimos acima que, se a demanda agregada permanece inalterada, ento y s aumenta por 50% do deslocamento na URE. A razo pela qual o produto aumenta apenas por uma frao da quantidade feita possvel pela reforma do lado da oferta que o produto aumenta porque a reforma do lado da oferta melhora a competitividade da economia i e o declive da curva de AD reflete como isso traduzido num nvel maior de exportaes lquidas e de produo. A geometria ilustrada na Fig. 12.19: se a ERU se desloca para cima por %, logo, uma vez que y = A - ar + , o efeito aumentar y pelo completo % (note que bb* igual a a*b e ambos para ), porm, isso significaria que y est fora da nova ERU ao ponto b*. No novo equilbrio de mdio prazo ao ponto a, o aumento em y / 2. Isso pressupe que gi mantido constante. O que aconteceria se a economia i estivesse seguindo uma poltica de razo dficit constante do setor pblico? Como veremos na Fig. 12.20, o aumento na produo aumenta a receita fiscal e sob uma poltica de DSP constante, permite ao governo aumentar seus gastos, com o resultado o qual o aumento na produo no novo equilbrio de mdio prazo maior do que / 2. Na Fig. 12.20, o cronograma AD assume que gi = ki + yi e rotulado de AD(rs(A), Ai, ki). Como vimos anteriormente, este tem uma inclinao mais plana, ou seja, 1 - , que o cronograma AD com gi (FIGURA 12.19 p. 450) (FIGURA 12.20 P. 450)

fixo (rotulado AD(rs(A), Ai, gi)), com uma inclinao de 1 . Quanto mais se eleva yi do que no caso gi fixo? Como mostrado na nota, o efeito dos regimes de mudana de despesa do governo aumentar yi por p / (2 - ) em vez de p / 2: o equilbrio de mdio prazo est no ponto c *. (nota: antes do acordo salarial, temos FRMULA)

5. Concluses Novas introspeces iImportantes surgem quando o modelo macroeconmico estendido para dar conta da interdependncia das economias. Os principais resultados deste captulo so os seguintes. A anlise de curto prazo revela a operao de dois tipos de externalidades/spillover: os efeitos "locomotiva" e o "beggar-thy-neighbour". Nos efeitos de locomotiva de curto prazo ocorrem - no sentido de que a produo aumenta no Estrangeiro, bem como em Home em seguinte ou de uma expanso fiscal por Home sob taxas flexveis de cmbio ou de uma expanso monetria por Home sob taxas de cmbio fixas. Por outro lado, a produo do Estrangeiro encolhe em face de uma expanso fiscal de Home sob taxas de cmbio fixas ou de uma expanso monetria de Home sob taxas flexveis. Uma vez que o ganho de Home acontece custa da perda do Estrangeiro, esse cenrio referido como um efeito "beggar-thy-neighbour. No mdio prazo, os efeitos de curto prazo da poltica monetria sobre o produto desaparecem. Os efeitos de mdio prazo da poltica fiscal so independentes do regime de taxa de cmbio: o resultado que uma expanso fiscal de Home levanta seu produto, mas que diminui o do Estrangeiro, como consequncia do aumento da taxa de juros mundial que caracteriza o novo equilbrio de mdio prazo. O efeito de mdio prazo de uma expanso fiscal unilateral de Home , portanto, sempre "beggarthy-neighbour. Os esforos de coordenao internacional da poltica macroeconmica tm origem na existncia de incentivos para as economias buscarem polticas beggar-thyneighbour. No entanto, a estrutura do problema do Dilema dos Prisioneiros sublinha os problemas na tentativa de construir credibilidade dos acordos de cooperao internacionais. As razes da lgica do Pacto de Estabilidade e Crescimento da zona do euro podem ser atribudas ao Dilema dos Prisioneiros na poltica fiscal. Com a disciplina externa do mercado monetrio e o mercado de cmbio ausente por pases-membros individuais da zona do euro, a tentao de procurar reduzir o desemprego por uma expanso fiscal um problema potencial: se todos os membros raciocinarem da mesma forma, o resultado uma maior taxa de juros da Unio e uma fase de inflao mais alta, que onerosa para eliminar. No entanto, como foi concebido, o PEC pode representar um obstculo para a realizao de maior atividade por um pas membro simplesmente como consequncia da insuficiente demanda agregada do setor privado para que FRMULA. Da mesma forma aps o deslocamento para fora da ERU por p: FRMULA

de modo que FRMULA. Assim, FRMULA naquele pas. Vimos que esse problema pode surgir mesmo que a oferta de todos os pases-membros seja idntica. Para uma economia limitada pelo PEC, uma poltica do lado da oferta de um pas especfico, tais como um acordo salarial, aumento da produtividade ou na concorrncia no mercado produto, permite um aumento na atividade. Uma vez que este tambm ir relaxar a restrio do PEC, uma combinao de uma reforma do lado da oferta e a flexibilizao fiscal iro produzir um maior impulso na produo do que uma reforma do lado da oferta sozinha. Ao modelar a zona do euro como um grupo de pequenas economias (set ores ou regies), mostramos os determinantes do desemprego de equilbrio para a zona do euro como um todo e como isso pode ser alterado, por exemplo, por uma conteno dos salrios na UEM como um todo. A resposta do BCE a choques comuns simples de analisar usando o modelo de economia fechada, quando as economias dos membros so modeladas como simtrica em todas as dimenses relevantes. Ns mostramos o papel desempenhado pelas diferenas de inflao entre os Estados membros, como meio para eles ajustarem suas taxas de cmbio reais em resposta aos choques assimtricos ou diferenas estruturais que requerem mudanas na taxa de cmbio real.