teologia da libertação e cultura política maia chiapaneca

Download teologia da libertação e cultura política maia chiapaneca

Post on 06-Jan-2017

217 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

IGOR LUIS ANDREO

TEOLOGIA DA LIBERTAO E CULTURA POLTICA

MAIA CHIAPANECA:

O CONGRESSO INDGENA DE 1974 E AS RAZES DO EXRCITO ZAPATISTA DE

LIBERTAO NACIONAL

ASSIS

2010

IGOR LUIS ANDREO

TEOLOGIA DA LIBERTAO E CULTURA POLTICA

MAIA CHIAPANECA:

O CONGRESSO INDGENA DE 1974 E AS RAZES DO EXRCITO ZAPATISTA DE

LIBERTAO NACIONAL

Dissertao apresentada Faculdade de Cincias e Letras de Assis UNESP Universidade Estadual Paulista para a obteno do ttulo de Mestre em Histria (rea de Conhecimento: Histria e Sociedade) Orientador: Dr. Carlos Alberto Sampaio Barbosa

ASSIS

2010

Dados Internacionais de Catalogao-na-Publicao (CIP)

A559t Andreo, Igor Luis.

Teologia da Libertao e Cultura Poltica Maia Chiapaneca: o Congresso Indgena de 1974 e as razes do Exrcito Zapatista de Libertao Nacional / Igor Luis Andreo. Assis, 2010. 192 f.: il. Orientador: Carlos Alberto Sampaio Barbosa. Dissertao (Mestrado em Histria) Universidade Estadual Paulista

Jlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus de Assis, Faculdade de Cincias e Letras, 2010.

Inclui bibliografia.

1. Historiografia ndios do Mxico Religio Teses. 2. Indgenas de Chiapas Teologia da Libertao Teses. 3. Maias Exrcito Zapatista de Libertao Nacional Teses. I. Barbosa, Carlos Alberto Sampaio. II. Universidade Estadual Paulista Jlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus de Assis. Faculdade de Cincias e Letras. III. Ttulo.

CDU 930.2(72=082)

IGOR LUIS ANDREO

TEOLOGIA DA LIBERTAO E CULTURA POLTICA

MAIA CHIAPANECA:

O CONGRESSO INDGENA DE 1974 E AS RAZES DO EXRCITO ZAPATISTA DE

LIBERTAO NACIONAL

Dissertao apresentada Faculdade de Cincias e Letras de Assis UNESP Universidade Estadual Paulista como requisito obteno do ttulo de Mestre em Histria (rea de Conhecimento: Histria e Sociedade)

COMISSO EXAMINADORA

_____________________________________

Dr. Carlos Alberto Sampaio Barbosa Universidade Estadual Paulista Assis

_____________________________________

Dr. Jos Luis Bendicho Beired Universidade Estadual Paulista Assis

_____________________________________

Dr. Fernando Torres-Londoo Pontifcia Universidade Catlica So Paulo

Assis, ____ de ________________ de 20____.

Dedico a todas as almas

que de alguma forma

alimentam o sonho de

um mundo onde caibam

todos os mundos

AGRADECIMENTOS

impraticvel contemplar neste pequeno espao todas as pessoas que em virtude da

convivncia cotidiana ou espordica, duradoura ou efmera, contriburam, direta ou

indiretamente, para a construo que aqui se apresenta. Igualmente parece-me impossvel

encontrar palavras que expressem adequadamente a intensidade de meus sentimentos de

gratido. Desta forma, procurarei ser simples e objetivo, dedicando estas singelas linhas

apenas indicao de algumas dentre estas pessoas, s quais espero que de alguma forma

representem um todo maior.

Comecemos por onde um bom materialista comearia, pela infra-estrutura. Agradeo

ao suporte financeiro fundamental do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientfico e

Tecnolgico (CNPq).

Pelo inestimvel acesso a fontes fundamentais, agradeo a estudante universitria

mexicana Cristina Barrita Flores; ao Centro de Reflexin Teolgica (CRT), representado pela

atenciosa figura do Padre Ral Cervera; e ao voluntarioso trabalho desenvolvido por todos os

envolvidos com o Acervo Zapatista Xojobil (Guarulhos SP).

Passemos esfera familiar, cujo suporte ser simbolizado por duas pessoas: Maria

Denise Turetta Andreo (mame), que sempre esteve do meu lado das trincheiras contra quem

quer que tenha tentado obstruir meus caminhos, mesmo que nem sempre (ou quase nunca)

entendesse minhas escolhas ou estivesse de acordo com elas; e Nayara Andreo, cuja

existncia me deu um senso de responsabilidade que vivificou minhas crenas de que

devemos tomar os rumos que entendemos como mais corretos, ainda que nem sempre estes

sejam os mais bvios, comuns ou fceis.

Continuando no mesmo escopo, escrevo agora sobre a nova famlia que,

paulatinamente, contribuo para a construo. Esta ser representada por Sara Vicelli de

Carvalho, a quem deveria homenagear com uma declarao de amor, mas a combinao de

pouco espao e de minha inaptido para o assunto impedem a realizao de tal feito. Apenas

me recolho a afirmar que sua presena me completa de uma maneira incomensurvel e

indescritvel, e que eu no seria capaz de suportar muito do que passei sem seu apoio

emocional e as muitas outras formas de contribuio que me proporciona e comumente nem

desconfia. Te quiero mi amor.

No campo acadmico, iniciarei pelo lado mais ldico (mas no menos importante),

agradecendo a todos os colegas com quem convivi durante minha estada em Assis.

impressionante como em pouqussimo tempo foi possvel estabelecer ligaes to fortes com

pessoas que at ento nunca haviam estado comigo. Para simboliz-las deixo aqui registrado o

nome de meu mais novo amigo, Fbio Silva Souza.

Outra pessoa que passou de uma relao estritamente acadmica para uma de

amizade, foi minha ex (e eterna) orientadora durante a graduao e especializao, Edmia

Aparecida Ribeiro, que aqui representar minha gratido a todos os excelentes professores

que tive durante minha longa passagem pelo Centro de Letras e Cincias Humanas da

Universidade Estadual de Londrina. Doutora Edmia A. Ribeiro devo, alm de orientaes

acadmicas, conselhos e indicaes de bons rumos, s origens de uma autoconfiana que me

permitiu ousar a trilhar estes caminhos abertos.

Agradeo s tempestades de erudio historiogrfica a que tive o prazer de poder me

submeter sempre que compareci s dependncias da Universidade de So Paulo para

presenciar as reunies do grupo de estudos temticos Cultura e Poltica nas Amricas,

coordenado pela sapientssima professora Doutora Maria Ligia Coelho Prado.

Sou muito grato tambm leitura e contribuies trazidas pelos Doutores Fernando

Torres-Londoo (PUC-SP) e Jos Luis Bendicho Beired (UNESP-Assis) durante meu exame

de Qualificao. Espero ter correspondido altura neste texto final s crticas e sugestes

recebidas.

Por fim, chego a meu atual orientador, o Doutor Carlos Alberto Sampaio Barbosa

(Beto), que simbolizar minha gratido aos professores do campus de Assis da Universidade

Estadual Paulista com quem convivi, dentro ou fora da sala de aula, e que tanto contriburam

para meu crescimento enquanto historiador e ser humano. Devo agradecimentos ao Beto,

principalmente, pela pacincia para comigo, pela liberdade para a realizao do trabalho, pela

simpatia e acessibilidade, pelos momentos leves e descontrados dentro e fora dos muros

universitrios e, sobretudo, pelo grande conhecimento e paixo contagiante acerca da histria

e historiografia mexicana. Aponto tambm sua capacidade para atrair pessoas agradveis e

interessantes ao seu redor: sua esposa Daisy e todos seus orientandos (e at ex-orientandos)

com os quais entrei em contato.

A todos aqui citados implcita ou explicitamente, meu muitssimo obrigado.

Hoje voc v a flor. Agradea a semente de ontem

Haruo Ohara

ANDREO, Igor Luis. TEOLOGIA DA LIBERTAO E CULTURA POLTICA MAIA CHIAPANECA: o Congresso Indgena de 1974 e as razes do Exrcito Zapatista de Libertao Nacional. 2010. 201 f. Dissertao (em Histria) Faculdade de Cincias e Letras, Universidade Estadual Paulista, Jlio de Mesquita Filho (UNESP), Assis SP.

RESUMO

Nosso objetivo central o de investigar as razes do processo de revalorizao tnica e conscientizao poltica ocorrido com comunidades indgenas do estado mexicano de Chiapas, desta forma visando focar a parte menos pesquisada da equao que possibilitou o processo de insurgncia neozapatista, tal qual verificado a partir de 1994, uma vez que as referncias que levantamos concentram as explicaes para o surgimento do Exrcito Zapatista de Libertao Nacional (EZLN) em anlises referentes ao grupo de militantes de origem urbana que se estabeleceu em Chiapas no incio da dcada de 1980. Partimos da hiptese de que o Congresso Indgena ocorrido em 1974 representou um ponto de ruptura, um marco inicial no que se refere aos posicionamentos tnicos e polticos das comunidades participantes, que pertenciam a quatro etnias de ascendncia maia: Tzeltal, Tojolabal, Tzotzil e Chol. Buscamos demonstrar que esse Congresso foi preparado e organizado sob forte influncia da diocese localizada na cidade de San Cristbal de las Casas, que desde 1960 era regida por Dom Samuel Ruiz Garca, cujas orientaes scio-teolgicas adotadas a partir do ano de 1968 segundo nossas anlises e concluses foram em grande parte responsveis pelo desencadeamento desse processo de politizao e valorizao tnica, que culminou no Congresso de 1974 e possibilitou que as futuras relaes entre as comunidades indgenas e o grupo de origem urbana se tornassem frutferas e norteassem os rumos posteriormente tomados. Alm disso, defendemos que, partindo do Congresso Indgena, possvel perceber indcios de um incipiente processo de estruturao de uma cultura poltica partilha