sebenta protese

Click here to load reader

Post on 31-Oct-2015

651 views

Category:

Documents

9 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

PF III

PF III

17-10-05

Prof. Paulo Duro MauricCasos clnicos Defeitos em prtese fixa: Num dos centrais aparece exposto a LT (ver o halo um defeito tcnico - erro grave) anatomia do dente - esttica - impt as propores, tentar harmornizar os dentesna boca molar, 6 sup - preparo com espigo pr fabricado (+ usados actualmente), existem vrios tipos: metlicos fibras de carbono etc - impt definir a altura oclusal (preparo com o dente antagonista) espessura do metal da cermica s da cermica valor mdio de desgaste e de 2 mm quer para uma MC quer para uma cermica - impt definir bem a linha de terminao, deve ficar bem visvel, as 2 + freq/ usadas so o chanfro e o ombro - so as q apresentam + sucessometade da broca d-nos a LT (n usar broca fina para fazer LT larga, qd queremos fazer LT larga usar broca larga !!! efeitos secundrios:

recidiva de crie m adaptao ter cuidado com as impresses dupla mistura dupla impressocom fio de retraco calibre 1m de dimetro, se tiver td so se houver problema periodontal ai usamos 2 fios o 2 zeros ou 30 e dps o fio normal n 1 ou no caso de sulco grande o 2, dps na Impresso tiramos o fio maior e deixamos ficar o + peq para evitar a hemorragia. Ter cuidado com o fio q t impregnado com hemosttico, se n tiver impregnado melhor pois podemos comear a trabalhar, se tiver dps de aplicar o hemostatico (esperar 10-15 mm) e dps ento fazer a impressoO material de impresso tem q entrar no sulco e ler todo o controno volta. No pode ter bolhas na LT.

Torquel

Aps o modelo de trabalho o protsico vai produzir a coroa

Chanfro acentuado para promover a esttica e faz-se coroa Cermica no 11 translcida deixa passar a luz, no pode ser opaco

Cimento (cor - impt para a esttica)

Temos no planeamento ver se mantemos o dente vital ou no!

Resistncia da cermica deve ser com uma espessura de 2mm.

abaixo resistncia

acima ainda tem resistncia a infra estrutura da cermica que d a resistncia, a cermica q d a esttica.

Deve-se acompanhar-se a anatomia final do dente, a infra-estrutura pd ser em metal ou cermica (rica em alumina). Dps coloca-se a cermica por cima.PF

24-10-05

Reabilitao de dentes endodonciados

A qt de cimento para fixar a coroa impt, pois h risco de cair a restaurao, ver bem a qt/espessura que leva.

Desde q a linha de terminao esteja bem adaptada isso o + impt do que as diferentes fases de preparao (reteno).

Trepanao atravs da coroa (cermica ou MC) dente vivo, com coroa e queremos endodonciar, n precisamos de retirar a coroa. Usa-se uma broca nova e fazer pouca vibrao para evitar fractura da coroa.

Dentes ou pilares inclinados em que ns pretendemos alterar o ngulo temos de endodonciar os dentes.

Outro exemplo os dentes extrudos, qd vamos desgastar podemos chegar perto da polpa ento temos tb de endodonciar o dente.

Em PF prefervel manter o dente vivo, pq:

em termos de cimento

cimento adere melhor dentina viva

em termos de vitalidade

funo do LPO - no dente endodonciado pd haver anquilose, logo h maior susceptibilidade de fractura.

Dente vivo vs dente endodonciado - no caso de haver crie no dente vivo temos sintomas, no endodonciado no!!!

Os implantes no so mt estticos, s cerca de 30% q so estticos. Eles so bons mas tentar no fazer no sector anterior!!!

Coroas provisrias:

Fazer cpia em alginato - reabilita-se com resina - vai ^`A boca para fazer estrutura provisria

Fig. Ponte com 4 elementos ant

+ 2 pontes de 3 elementos canino PM

Junta dento-cermica - forma de tornar trabalho metlico em cermico.

1 faz-se td em metal e dps q se substitui o q se quer de metal para cermica.

Junta dento-cermica 360 - LT fica toda ela em cermica e a estrutura q se mantm em metal a de suporte.

Cimentao ideal faz-se com madeira de blsamo!!! que pode ser mordida pelo doente e permite a estabilizao, qd no h usa-se rolos de algodo. Podemos usar o fio dentrio para limpar o cimento na zona interproximal, o fio dentrio coloca-se antes de cimentar.

Fig. Programar:

1 silicone - copia-se em cera - faz-se novo trabalho e este que vai para a boca do doente.

Podemos ferulizar o trabalho (troquel) para fazer as provas de metal, pq tando o trabalho ferulizado fica com a posio que a boca tem.

Impreso de arraste impresso que leva com ela a infra-estrutura.

O trabalho vem dentro da impresso:

posio correta do trabalho em boca

leitura dos tec moles

quando temos um trabalho extenso fazer:

- enceramento de diagnstico

Prtese combinada: com PF e PPR; attachment so precisos. Soluo para o doente que quer colocar implantes mas que no vivel.Princpios dos preparos dentrios para a PF:

Biolgicos

Integridade dos tecidos (espao biolgico, preservar o LPO, o dente etc) Dentes vizinhos (preservar os dentes vizinhos, no necessrio fazer isolamento - colocao de matriz, usar broca fissura fina, cortar essa zona, mas sem cortar por completo o contacto proximal, esta zona dps do preparo (com a broca normal) vai acabar por fracturar) Tecidos moles (os tecidos periodontais e o espao biolgico - h tcnicas periodontais que permitem recuperar o espao biolgico) Polpa (manter o dente vivo, se dente tem restaurao extensa e o dente est vivo, como preveno como no sabemos se h crie por recidiva programamos sempre a endodoncia do dente para o trabalho durar!!!) Dente vital

Nota: se a estrutura dentria for suficiente no necessrio estar a colocar espiges etc pq vai fragilizar!!! Mecnicos

Espessura do material restaurao

A espessura da infraestrutura q nos d a resistncia do trabalho

Estrutura homottica: acompanha a anatomia do dente

Reteno 6 de expulsividade; a mdia clnica anda volta dos 14 Resistncia (cuidado com os postes pd aumentar a reteno mas diminui a resistncia logo maior rusco de fractura) Margens ntidas e lineares

Localizao

Retraco gengival vamos usar fio de retraco, hemosttiocs (mt agressivos) - isto preciso para as impresses Liga (diferentes indicaes consoante sejam nobres ou no nobres)Cermica pura

Ligas no nobres - trabalhos mt extensos ou trabalhos combinados pq no so dcteis e aguentam +.

Prtese Fixa

07-11-05

Prtese fica em dentes endodonciados

O xito da rebilitao de dentes endodonciados depende do remanescente dentrio remanescente aps o dente talhado.

A finalidade de reabilitao com pino dar uma maior reteno para a reconstruo.

Histrico:1 x q se fala em PF e se fazem peas para recuperar parte do dente perdido no antigo Egipto.

Em Frana surge dps coroas totalmente metlicas com espigo e colocavam no interior do dente (na altura ainda no se endodonciava o dente) e perdiam-se mts dentes

Coroa de richmond - uma coroa MC com espigo

Dps conclui-se q coroas com espigo levava a fracturas e fragilidade do dente, ento separou-se o espigo da coroa. Assim a diviso em 2 peas provoca stress. So cimentadas em separado. O cimento tem alguma elastecidiade logo tb serve de amortecedor.

Dps surge os postes pr-fabricados, seguidos pelos de fibra de carbono e dps de vidro.

Poste com indicao de ncleo fundido (1), dps surge os postes metlicos. Tb h postes em lato (que se conseguem dobrar) e eles falham ao longo do tempo. Usar s como fixao de coroa provisria, nunca como definitivo. Tb h em ao inoxidvel.

Tb h postes em titnio, postes radix (auto-rosqueveis) j foram em ao, hj em dia so de titnio (mas tb podem partir)

Postes de fibra de carbono - + flexveis e tm como objectivo evitar a fractura. Podem fracturar, eles so flexveis, mas so duros e com fora excessiva podem fracturar.

Todos os postes de fibra de carbono e de vidro so recuperveis.

Postes de fibra de slica - mt rgidos foram abandonados por isso. Os de cermica tb so duros como o metal, so mt rgidos.

Fibra de vidro - tem flexibilidade e elasticidade logo fracturam menos!!!

O melhor mat de restaurao o ouro!!! brunivel, adapta-se s paredes e promove selamento hermtico.

Objectivo de reabilitar dentes endodonciados com postes:

melhorar a reteno do coto artificial ao dente

distribuir a carga sem stress raiz de forma a homognea

estabilizar a raiz com a tcnica adesiva

Factores que promovem a reteno do poste:

Comprimento

Ideal 4mm do pex

Colocar at 4 mm do pex, - de 4 mm pe em risco o nosso trabalho, os 4 mm serve para manter o selamento endodntico Aceitvel 2/3

Pode-se aplicar at 2/3 do canal para ter resistncia, menos que isto no pq pode:

fractura da raiz

desinsero do poste

(risco de insucesso) Risco 1/1

Forma

Paralelos um paralelismo excessivo pd fracturar a raz + retentivos + reteno qd se cimenta ter cuidado com a perfurao apical

promove stress a nvel apical, pq a fora feita toda numa direco (apical)

cnicos inicialmente tnhamos 2 formas, agora usa-se s a cnica - retentivos

so + anatmicos

maior stress a nvel das paredes laterais dos dentes Dimtero

Cervical deve ocupar 1/3 central

Apical deve existir 1 mm parede de dentina em toda a voltaInterfere Se com o dimetro adequado reteno

Se temos dimetro mt fino resistncia distoro

Se dimetro for excessivo fragilidade das paredes no podemos sobre instrumentar o canal Configurao de superfcie

Lisos- menos reteno

Serrilhados boa reteno

Rosqueveis (tem ranhuras) melhor reteno e maior stress

Classificao de postes: forma

cilndricos

fcil aplicao

no anatmicos prejudica a transmisso de cargas e o assentamento debilitam a raiz

aumenta risco de perfurao dentes com devio para distal cnicos

forma mais similar raiz

introduo + profunda no canal

aplicao um pouco + delicada desvantagem, pq em termos de cimentao h stress nas paredes material

metlicos ao inoxidvel

rgidos

m esttica a esttica tb tem a ver com restaurao final possvel corroso contamina a raiz titnio

rgidos

m esttica

biocompatveis grande vantagem

ligas de metal preciosos

rgido

m esttica

biocompatveis grande vantagem

no metlicos cermicas (xido de zircnio o zircnio torna-o mt duro, mt resistente semelhante ao metal)

mt rgido

biocompatvel cermica mt esttico

n transmite a luz por causa da cimentao fibra de carbono

s tem resistncia qd est inteiro, pois ele desfaz-se com as foras de toro rgidos

m esttica

biocompatveis

mdulo de elasticidade semelhante dentina um agrande vantagem compsito reforado com fibra de vidro

matriz em RC onde se inclui as fibras de vidro material similar dentina

esttica

biocompatvel

transmitem a luz a fora de transmisso n suficiente para fazer a fotopolimerizao da resina resistncia flexo

Prtese Fixa + PPRPrtese combinada ou prtese integrada

PF + PPR = prtese combinada

Prtese removvel - prtese combinada modificao retentores

supresso apoio

supresso - brao reteno

modificao conectores

rgidos

articulados

preciso

rgidos + na PF flexveis + usados, so os attachementes semi-preciso

PF - prtese combinada

modificao retentores

fresado

nicho

modificao contorno

attachements

macho / fmea

Indicaes prtese combinada espao prottico grande selas livres

sem indicao para fixa

sem indicao para implantes

esttica vantagem, n tem ganchos e recupera a esttica reteno

nota: a prtese acrlica podes-e fazer acrescentos, tb pd ser prtese de transioVantagens - prtese combinada estticas

retentivas

econmicas

Desvantagens - prtese combinada nem todas os protsicos conseguem fazer a prtese combinada

tcnica mt difcil de executar espao interoclusal impt - se no houver espao temos de o criar (por ex. para colocar o attachement) econmica ? prtese esqueltica normal + cara que combinada e a esqueltica + cara q a acrlica doente - higiene

Prtese Fixa

14-11-05

prtica de ppr:

modelos

orto - ter foto

apresentar trabalho por box, 15 min para apresentar o caso!!!

Prtese fixa em dentes endodnciadosVamos falar dos postes pr-fabricados um a um

* Espiges metlicos pr-fabricados mtodo simples e eficiente

fcil de aplicar e so os + utilizados mtodo combinado

em qq poste pr-fabricado vamos ter + q um material:

cimento que adere ao poste

prprio poste

material de construo do ncleo (amlgama ou RC) numa consulta

de uma s x conseguimos fazer tudo nos espiges fundidos, precisamos de 2 consultas no mnimoPrtese fixa em dentes endodnciados - Espiges metlicos pr-fabricados Pinos cnicos autorosqueados

Utilizados + de 60 anos

Simples e de fcil utilizao

Normalmente tm dupla conicidade 2/3 e parte apical - tem 2 conicidades diferentesEles tem que entrar sob presso no dente

Todos os postes tem de ser cimentados, no s rosquear ao dente, o cimento faz o selamento das paredes. Indicaes: em PM tb, mas com remanescente dentrio grande (com razes amplas, num pr molar frgil no d) Molares

Dentes com um mnimo de estrutura coronria e mltiplos canais divergentes Coroas individuais

Ncleo em amlgama ou resina composta

Vantagens: Fcil uso Reteno (rosca na dentina) Uma consulta Desvantagens: Elevado stress Risco de fractura da raiz

Maior dimetro no pode ser excessivo pq sena tamos a aumentar o stress e a pr em risco a integridade da raiz Torque excessivo a fora tem de ser controlada para no fazer presso a + Rosqueado em excesso ter ateno para no escolher um mt fino pq sena destri a gutta e o apx Usar Sempre 2 dai no ter indicao para dentes monoradiculares, pois um sozinho no tem reteno Risco de corrosoh postes em ao inxcidvel Dentatus

Sistema:Caixa contm stops e temos uma rgua tb na caixa para medir a distncia, caixa tem vrios postes com diferentes dimetros e comprimentos.

Brocas pesso - removem gutta e fazem preparao do canal..

Na caixa temos o calibre dos postes e consoante isso ns escolhemos a broca a usar.

Na caizxa temps tb uma chave mannual pra enroscar o poste no dente e temos 2 tipos de encaixe

Tcnica:1 talhar o dente

2 abrir o espao com brocas peeso

3 colocar o poste sempre com cimento

Os cimentos ideais so o IV e os hbridos.

O cimento de resina mt duro, se usarmos este, ns no vamos conseguir retirar o poste caso seja necessrio.

4 fazer o ncelo

Amlgama (usar matriz)

compsito (vamos colocar por incrementos) Pinos paralelos autorosqueados

+ retentivos que os anteriores Fivel

Tcnica prvia no admite erros

Tem que ser feito de forma calibrada de uma s x., no permite correces. Indicaes: Todos os dentes (+ nos PM e M)

Dentes com ou sem estrutura coronria

Coroas individuais ou pilares de pontes

Ncleo em amlgama ou RC Vantagens: Reteno Intermdia Lminas separadas e curtas Uma consulta Desvantagens:

Stress Risco de fractura da raiz Maior dimetro Rosqueado em excesso Perda de rosca Radix

Sistema:Remoo da gutta com bc pesso e aqui tb com a gattes

Dps temos as bc prprias:

Brocas de diferentes dimetros:

n 1 amarelo - para aplicao de radix

n 2 vermelho

n 3 azul

o stop para ser respeitado

Dps temos broca para fazer o desgaste para o assentamento de cabea do pino.

Dps usamos uma 3 broca com uma zona de stop + larga que faz preparao do canal e pra na zona do prato efectuado pela 2 broca.

Dps temos um pino paralelizador para ver se o comprimento e inclinao esto correctos (pode s x tirar-se um RX para ver se t bom).

Dps temos a chave - para fazer aplicao da rosca ^`A mo, mas geralmente faz-se com o contra-ngulo (fazer com refrigerao e sem esforo) - usar na bc 3 outra bc para aplicar o poste.

No fim temos o lentulo que serve para colocar o cimento no canal para fixar o poste. Tcnica:Remover a guta at ao stop e dps fazer o prato oclusal e dps aplicar o poste. Dps talhar o dente e aplicar a coroa Prtese Fixa21/11/05

Prtese Fixa em dentes endodonciados

Espiges pr-fabricados fibra carbono

* Objectivos

Evitar fractura radicular, em espiges fundidos frequente ocorrer fractura radicular, geralmente ocorre aps alguns anos (4-5 anos) de colocao da prtese. Neste espao de tempo h desgaste dentrio e ocorre prematuridades - fractura devido presso. - para evitar ir de x em qd verificando a ocluso do doente !!!

* Histrico

Lovell 1983 fibras de carbono imersas numa matriz orgnica

Malquarti 1986 uso de filamentos de carbono imersos numa resina poliepxica para uso em lab

Duret 1988 pinos de resina reforados com fibras de carbono. 1 como produo industrial pela RTD compsito post.

Classificao

morfologia prottica (1 e 2)1) - 2 segmentos paralelos

2) - td paralelo e dps a ponta cnica morfologia endodntica (3)3) - e por fim os postes com morfologia endodontica (vem da preparao endodontica mecnica do canal)Os postes de fibra de carbono tem um comportamento anistropo ou anisotrpico, comporta-se consoante o dente

Mdulo de elasticidade varia em relao direco das cargas

eixos das fibras 90 GPa

eixo longitudinal 30-34 GPa

perpendicular as fibras 8 GPa

Dentina:

cargas orientadas 30 ao LED 18 GPa

cargas de 90 ao LED 86 GPA

Caractersticas destes postes:

biocompatvel

mdulo de elasticidade semelhante dentina mas isso bom s num sentido no bom noutros !!! encaixe passivo logo menor stress na cimentao (entra sem presso) tcnica conservadora impt que o poste fique calibrado (no se mova dentro do canal), n convm prepara excessivamente o canal vrios tamanhos melhor seleco

permite alterao da tcnica h vantagens e desvantagens serrilhado zona de deformao pode ser zonas de fractura Ox. Alumnio

Pinos dentinrios

Silano

Etc

Removveis vantagem pq consegue-se fazer o retratamento (destri-se a estrutura do poste e procede-se sua substituio) Tcnica efectuada numa consulta

cimentao adesiva melhor reteno vantajoso, no entanto os cimentos adesivos ainda no atingiram todos os obj pois no final da cimentao eles so mt mt mt duros!!!CIV e hbridos aderem mt pouco a espiges fibra de vidro pelo q devemos ter modulo de elastecidade semelhante ao poste

so rdio-transparentes

desvantagem. Agora - incorporao de berlio e ficam radiopacos o q uma vantagem rgidos o seu grande defeito, no tem grande elasticidade.Foras laterais - a resistncia mnima - os de fibra de vidro j conseguem minimizar este defeito

indicaes:

todos os dentes ant e post (PM e M)

dentes com ou sem estrutura coronria

coroas individuais ou pilares de pontes

ncleo em RC auto ou foto indiferente o ncleo q tem de ser sempre em resina!!!sistema Absolu temos postes brancos e pretos e isto tm a ver com o tipo de coroa a executar. Uma MC tanto faz a cor, se for uma coroa cermica temos de pensar na cor e ai usamos branco!!! Este sistema j pouco usadoA. reconstitution

resina BisGMA micro

Brio

Autopolimerizvel

J traz a resina - serve para o ncleo exclusivamenteA. collago BisGMA sem carga

HMGDM

Traz o adesivo - serve para agarrar a resina e cimentar o poste, agarra ao ncleoA. collago BisGMA com carga

Slica coloidal de Ba

Para preencher espaos

EDTA 17 % como sistema condicionador de dentina, no se usa c. Ortofosfrico.

Temos vrias brocas paralelizadoras consoante o poste a colocar

Bc pesso para remover a gutta e dps usamos as brocas do sistemaPoste

- fibra de carbono

- matriz R. epoxi

Absolu tcnica: dente talhado- vamos medir comprimentos endodonticos. Determinado o comprimento de trabalho (deixar 4 mm de gutta). Dps comeamos sempre pela Bc n 1 para evitar stress e aquecimento (comeamos da + peq at ao n q acharmos q queremos).

Cortar o poste com um disco, o melhor fazer isso dps de cimentado, pq j n vibra.

1 EDTA - 30 seg - secar e lavar com hipoclorito - secar

(secar sempre com cones de papel)

2 limpar poste com lcool

3 preparar adesivo (para alm do cimento ter tb resina flowble para preencher espaos)

4 aplicar 1 no poste e dps no dente - remover excesso de adesivo com cone de papel e colocar o poste digitalmente, esperamos at ter presa

5 aplicar adesivo zona coronria

colocar RC no cone e aplicar no poste coronrio, fazer presso e manter at autopolimerizar

7 remover excessos e temos o ncleo em resina

8 talhar o dente- t bom pa PFPrtese (21/11/05)Coroas fresadas

S tem objectivo esta coroa qd se pretende efectuar uma prtese combinada.

uma tcnica + complicada pq a coroa tem de acompanhar a prtese j existente.

Elementos fixos de apoio a uma ppr dando estabilidade e reteno

Ela insere-se num ou vrios sulcos (consoante o tamanho da coroa) criando uma guia de reteno.

No maxilar tm de ser bem planeada pq como no tem reteno pode ser complicado e o Max sup as coroas fresadas usam-se mt com atachement.Indicaes:

reconstruo de dentes frgeis

ferulizao de dentes

Especficas:

restabelecer plano de ocluso correcto

corrigir a inclinao de um dente, modificando a sua morfologia

a ppr no s fazer desgaste hdentes com tanta inclinao que interferem com planos guia e ento temos de passar para PF (combinada) estabelecimento de superfcies guia

servir de encaixe aos attachments de preciso

Coroas fresadasInfra-estrutura sempre metlica, dps pd ser toda em metal ou pd ser MC (com zona de fresamento em metal)

A morfologia destes elementos modifica-se sistematicamente para responder aos imperativos de reteno e estabilizao, sem interferir na integridade do suporte dento-periodonto

A sua forma determinada pelos ganchos e apoios da ppr

1 planear a ppr

2 desenhar a morfologia da coroa fresadaCoroas fresadas

Desta forma os componentes da ppr podem cumprir a sua funo:

planos / superfcies guia

zonas de reteno

geralmente o fresado por L ou P s em casos extremos por V. tb podemos ter zonas de reteno acessrias (sulcos) Coroas fresadas sequncia clnica

Preparo dentrio respeitando os princpios dos preparos, mas executado de acordo com as necessidades

Impresses:

1 impresso para PF

2 impresso para PPR

a 1 impresso (PF), deve ser de toda a arcada e no parcial devido necessidade de colocao em paralelizador - para temos noo das referncias e permitir que o fresamento esteja em acordo com o plano de insero em boca.- apoios mucosos

- dentes

registo oclusal

ceras aluax

elastmeros

ceras de articulao (mordida)

modelo de trabalho

colocao de pinos

passagem a gesso

montagem em articulador - ideal os semi-ajustveis tirar mordida do doente em mxima intercuspidao - (mximo contacto dentrio)qd doente est bem no tem patologia trabalhamos em mxima intercuspidao. Qd o doente te patologia (ressaltos da ATM, estalidos etc) usamos a relao cntrica paralelizador

determinar o eixo de insero

posio definitiva do modelo de trabalho

elaborao dos elementos de PF

morfologia em concordncia com as superfcies de apoio da ppr

princpios de elaborao:

enceramento obteno do resultado ideal

forma definitiva dada pelo paralelizador

rosetas zonas de reteno

rosetas - alterao na morfologia do dente, pino enroscado que fica no dente e activa junto ao brao de reteno. fabricado pelo dentista, (so feitos com brocas) com paralelizador cortar a cera, criando paredes verticais superfcies guia e apoios

face ocluasl

seguir os novos requisitos oclusais

sem referncia dentrias qd no temos outros dentes temos de ter cera ou placa oclusal previamente determinada, ex. desdentado total sup e prtese combinada no inferior placa de articulao

- montagem provisria dos dentes artificiais

- confeccionar antes a prtese antagonista (no permite alteraes)

fundio feita aps j termos a estrutura (estrutura metlica)

Prova clnica da infra-estrutura metlica - vai p lab e este aplica a cermica Aplicao de cermica

Nova prova clnica

controlo da cor

da ocluso na zona dos pts de contacto

da adaptao Impresso para ppr

Alginato / elastmeros o elastmero + precisoIdeal com elementos fixos

Elaborao do esqueleto da ppr

Prova conjunta (PF / PPR)

prova metal

pode ser pedido ao mesmo tempo, prova com dentes mas prof. Prefere em separado concluso da ppr

- cimentao PF e PPR

cimentao conjunta para evitar erros de posio

coroas fresadas

a parte fixa com a parte removvel, para ficar em sintonia !!!aguardamos polimerizao total do cimento e no removemos excessos - estes s se tiram no fim!!!Prtese

28-11-05

Prtese Fixa em dentes endodnciados

Espiges pr-fabricados fibra carbono

Vamos falar das alternativas tcnica Absolu ou outra tcnica: alternativa tcnica

Os postes de fibra no trazem as bc pesso, s trazem as suas prprias bc.

Vai ser tudo idntico:

remoo gutta

comprimento de trabalho

ocupar 2/3 radiculares

controlo radiogrfico

preparao do canal

Nota: se poste radiotransparente o controlo de RX faz-se com a bc, se for radiopaco faz-se com o poste. E cortamos o poste com o disco!!!

alternativa tcnica

cofrage (cone) dentina

c. Fosfrico 37%

na outra usava-se o EDTA. O c. Fosfrico aplica-se durante 10-15 seg e sobre o canal e sobre todo o remanescente coronrio. Tb se pode usar EDTA (para limpar o canal) e dps usar o c. (para aumentar a reteno).

Depois aplicamos o cimento e removemos os excessos - removem-se + facilmente nos CIV do que nos de resina.

O cimento polimeriza aps 5 min, no entanto tem presa lenta e s vai estabilizar aps 24 horas. lavar (jacto ar / gua)

secar idealmente com cones de papel poste

limpar com lcool

silanizar (secar com ar)

aplicam-se silanos, tempo aplicao 1 min com objectivo de promover microretenes no poste, ou seja, tem a mesma aco q o c ortofosfrico tem na dentina.

A partir daqui j m se meche no poste (o corte do poste antes da silanizao)!!!

adesivos e cimentos de resina

(Bis-GMA mdulo de elasticidade prximo de 20 GPa)

se mdulo de elasticidade grande - flexo

se mdulo de elasticidade pequeno - fica mt duro e parte (fractura do cimento)

all bond - os primers servem para ajudar na reteno da dentina.

Qd juntamos o adesivo ao pr-bond a adeso mt rpida. Fazer td rapidamente. Aplicao do adesivo este entra no canal e no deixar mts excessos Remover os excessos com cone de papel Cimento aplicado no poste e dps fazer a colocao do poste Fazer presso digital (cimento sob presso para o caso de haver l ar ou excesso de cimento e poder ocorrer estabilizao) Dps aplicar a RC normalmenteFig. Caso clnico

Usou-se o snow post (so brancos)

Bc 1 - poste 2

Bc 2 - poste 3

(isto pq se usarmos poste 1 com bc 1 o poste fica a danar no canal e a reteno dada s pelo cimento e isso no o suficiente).

Usar cimento dual - pq ao fotopolimerizar pd no ocorrer no interior do canal.

O dual tem vantagem pq pode ser fotopolimerizado.

Podemos colocar flowable. O flowable colocado coloca nos espaos que ficam e antes de polimerzar, coloca-se tb j o hbrido e compacto e dps q polimerizo. Isto permite remover bolhas e no fim talhamos (fazer LT).

Fazer as provisrias.

No usar acrlicos que so mt mt duros!!!

Para rebasar usamos obrigatoriamente acrlico. Se usarmos resina rebasamos com resina (coroa policarbonato - acrilico). Na prxima consulta: fio de retraco , talhe definitivo - impresso para coroa definitiva. clnica

Prtese

05-12-05

PF em dentes endodonciados

Postes de fibra de vidro - so os + usados agora!!!Compsito reforado com fibra

material similar dentina - mdulo de elasticidade e fleso semelhante dentina esttica pela cor branca, mas tb depende da restaurao final biocompatvel

transmitem luz ? transmitem para o pex e para o pex do poste, e s x a luz que chega l abaixo no suficiente para a polimerizao, pelo q no exactamente uma vantagem !!! forma cnica semelhante preparao endodontica mecnica remoo fcil

2 tamanhos ? tem pouca escolha serem s 2, mas hj j surgem marcas com + tamanhos, o q limitativo.Dados do material:

composio

poste fabricado em compsito

contedo em fibras 50 % mol

orientao das fibras unidireccionais longitudinais - uma desvantagem, o ideal era serem divergentes e a luz chegar l abaixo para polimerizar propriedades

resistncia flexo

radiopacidade v-se ao RX mdulo de flexo Bom(45000 500 Nm2)

vantagens o mdulo de elasticidade ligeiramente + elevado que a dentina, mas mt semelhante elasticidade similar dentina

baixo risco de fractura da raiz suporta bem o impacto da fora boa resistncia fractura

contedo de luz ?

fcil polimerizao do cimento

excelente esttica

removvel

em caso de re-tratamento de endodoncia

FRC postec um tipo de poste, foi dos 1s a surgirespigo radicular de compsito reforado com fibra de vidro e forma cnica

instrumentos e tamanhos

poste n 1 (dimetro min 0,8mm ; dimetro max 1,5 mm)

longitude: 15mm

poste n 3 (dimetro min 1mm ; dimetro max 2 mm)

longitude : 18mm

instrumentos

bc pr-dilatadora

bc dilatadora

brocas ajustadas sem folga !!!

conicidade ()

FRC postec descrio do sistema

Poste endodontico em fibra de vidro

Instrumentos para a preparao do espao para o poste

excite DSC endo no polimerizar sem poste, pq dps pode na ir at ao comprimento de trabalho variolink II cimento de fixao

Tetric ceram para a cimentao ()

Opo para a tcnica indirecta: poste de impresso em ao inoxidvelFRC postec indicaes:

Sistema de poste e material de ncleo, para a reconstruo de dete severamente danificado na regio anterior e posterior

zona anterior - tamanho 1 ou 3

zona posterior - tamanho 1 ou 3

(depende da morfologia da raiz ou do canal radicular)

FRC postec aplicao: linhas de actuao preparao do espao para FRC postec

condicionamento do espao para FRC postec

condicionamento do FRC postec

cimentao do FRC postec

reconstruo do ncleo em resina e cimentos de resinaFRC postec preparao para o poste sequncia de preparao

preparo do dente

remoo de gutta com bc peeso

preparao para o poste

1 com a 1 bc e dps com a 2 bc - colocar o stop na bc

deixar os 4 mm de espao (gutta) para garantir um bom selamento

FRC postec limpeza da preparao

hipoclorito de sdio

verificar o comprimento e podemos fazer RX para confirmar. Limpar o canal (remover todas os detritos com o hipoclorito de sdio e dps secar bem)

condicionamento da cavidade do poste

soluo salina estril

condicionamento cido logo de toda a preparao dps lavar e secar com cones de papel. Dps aplicar adesivo (dual) durante 10seg

no usar adesivo s fotopolimerizvel !!! o excite s fotopolimerizvel ! condicionamento do poste cimentao

limpar poste com lcool e dps sialinazar o poste (criar retenes) pq ele tem superfcie lisa e dps n adere.

Nota: as cera^micas puras tb precisam de ser sializadas FRC postec - cimentao

Colocar cimento no poste, no usar lentules no canal. A aplicao no poste e fotopolimeriza-se o poste e o cimento (ciemnto e adesivo dual).

Agora t bom para fazer a parte coronria. Fazemos o ncleo e dps t pronto para fazer a provisria e noutro dia fazemos a impresso definitiva pq gengiva vai tar inflamada!!!FRC postec - vantagens e benefcios:

no so metlicos

translcido

sem problemas de corroso mancha os dentes (ex coroa MC)

ncleos estticos

Prtese

05-12-05

complemento s coroas fresadas - Attachmentstemos mts attachements:

PF

PPR

Constitudos por 2 partes:

macho

fmea

uma encaixa na outra - funciona como as molas da roupaObjectivos (attachments) da prtese combinada:

reconstruo das funes mastigatrias

da biosesttica devolve a normalidade da boca diminuir os danos de outras prteses (ex. acrlicas) reconstruo da esttica

pq nem sempre os implantes so para reabilitarAttachments exigem rigor na seleco do caso !!!

principais critrios de seleco:

altura inter oclusal deve ter 6 mm no mnimo (pq temos de ter espao para o attachent macho e fmea) posicionamento do dente posio anmala, como extruso ou lingualizao ou no etc localizao do dente

tipo de extremidade livre numa extremidade parcial o attachement j pode no estar indicado.Nota: os fresados no do reteno s do estabilidadeRequisitos dos elementos de fixao:

a fora de fixao do elemento dever ser de aproximadamente ( 10 N)

a fora de fixao dever ser para toda a vida igual

no haver foras horizontais ao tirar ou introduzir a estrutura a prtese no deve fazer presso nem foras fixao periodontal do dente

sem zonas retentivas de placa bacteriana este tipo de prtese tem higiene + dificultada de fcil manejo pelo paciente por x difcil de tirar a prtese, devemos ter zonas de apoo para a tirar possibilidade de reparao

2 tipos:

calcinveis tudo feito em cera e dps fundido pr-fabricados tudo em metal e dps soldado prtese (parte fixa e removvel)classificao:

rgidos + usados em PF articulados + usadosRgidos

intracoronrios

preciso num ponto do dente axiais

includos na morfologia do dente

Rgidos

extracoronrios unidos a um elemento fixo, no includo na morfologia usado em ppr, mas quase no se usa hj em dia pq leva a desinsero da coroa ou a d periodontalRgidos

barras para implantes barras de Dolder (rectangular)

barras de ackerman (redonda)

articulados ideais para prtese dento muco suportada

servem para minimizar os riscos dos movimentos que podem danificar as estruturas de apoio: movimentos + nocivos: rotao distal vertical

rotao vestbulo-lingual

transladao vertical

Daldo

permitem movimentos de transladao vertical e rotao distal vertical

no se usam mt em Portugal (+ Itlia e amrica latina)Aceka dinmico

AS.C. 52 monolateral

Permitem mov de transladao vertical e rotao distal vertical

Esfrica de Roach

A.S.C. 52 esfrico

Permitem pelo menos 3 movimentos

SNAP

possibilidade de manuseamento individual, permite + alteraes na pea, podemos aproveitar s a esfera

o enfeito klick d segurana ao paciente

economiza espao na estrutura

rgido e resistncia

Nota: o nquel txico, mas as ligas de cromoniquek continam a se vender s grave nos doentes alrgicos ao nquel (mantm zona de papila inflamada) grave tb para os protsicos (respiram o cromo nquel), em alternativa temos o cromocobalto.Desvantagens -articulados:

risco de insucesso

custo elevado

higiene difcil

Prtese Terica

12/12/05

Materiais de Impresso:

Tcnicas normais e alteraes tcnica

Silicones

Para os mdicos dentistas:

Alginato

Silicones de adio

Silicones de condensao

Politers

Para os tcnicos de prtese:

Silicone de condensao Silicone de adio (para a reproduo da gengiva nos modelos e duplicao de modelos) Resinas de polimetano(?) para preenchimento de modelos

Moldeiras:

Standart (PF)

Descartveis (PF, no extensa, implantologia)

Individuais

Parciais (trabalhos provisrios, nunca em definitivos)

Metal ( triple trays) s so usadas para unitrias; a impresso cobre: antagonista, o dente preparado e registo de ocluso; em suma, do-nos o plano oclusal e reproduo da arcada.

Nota: devem ser testadas antes; no esquecer de pr cola na moldeira para no desinserir a impresso dos alginato/silicones.

Antes da impresso...

Tcnica de Retraco: Fio nico (Chinche,1995) gengiva saudvel

- 10 minutos qd fazemos aplicao do fio com hemosttico; se for s/ hemosttico no temos limitao de tempo.

- n1 o normalmente utilizado

nota: existem diversas espessuras de fio, sendo o mais fino 000.

Fio duplo

5 minutos

- melhor controle dos tecidos

- fios no impregnados - quando h a necessidade de colocar hemosttico cuidado pois provoca sempre retraco 2ria (pode no ocorrer logo, mas sim dias ou at 1 ms depois)

- usado em: sulcos grandes

doentes periodontais e com bolsas profundas

doentes com ligeira hemorragia

- 2 fios: 1 mt fino(00 ou 000)

2 de 1 ou 2

Antes de fazer a impresso, retirar o 2 fio, para se conseguir imprimir o sulco. Deixa-se o muito fino aquando da impresso. (pois no vai prejudicar)

O tempo de aplicao < porque a agresso maior.

Tcnicas:

Impresso nica (dupla mistura):

aplicamos o putty na moldeira;

aplicamos o light no preparo;

fazem-se orifcios na zona em que queremos imprimir para criar espao;

colocar light na moldeira;

levar boca e aguardar a presa (apoiar com os dedos para estabilizar a moldeira).

Como melhorar:

injectar o light directamente no sulco subgengival tendo em ateno que ponta intraoral permanea em contacto com o tecido e submergida dentro do material de impresso.

Dps com seringa de ar ajudar a distribuir homogeneamente o light, soprando ar comprimido com baixa presso.

Terminar injectando o light ao redor de todas as preparaes e uma quantidade mnima no centro de todas as faces oclusais.

Ideal: o antagonista deve ser feito em silicone, pois isto permite ter o trabalho com menos defeitos e com os contactos oclusais mais correctos.

Viscosidade: Putty + viscosidade regular

Putty + viscosidade leve

Putty + viscosidade super leve

Consoante o tipo de material usado vamos ter diferenas H diferentes espessuras de light Na dupla mistura: regular ou leve

Na dupla impresso: leve ou superleve

Nota: H ainda a extradura: implantologia

A leve entra com mais facilidade.

Importncia da baixa viscosidade inicial do putty

Requisitos do putty:

deve ser mole quando entra na boca para evitar comprimir os tecidos moles e respeitar a fidelidade da espessura da mucosa;

deve empurrar o light, sem retir-lo dos stios donde se quer tomar a impresso de preciso (LT, sulco subgengival, etc);

deve ser muito rgido quando sai da boca para evitar deformaes elsticas na fase de correr o modelo.

O impt ter uma boa LT.

O material de alta viscosidade empurra o leve, permitindo-lhe uma espessura homognea ao redor da LT;

Se a de viscosidade entre os 2 materiais grande, o leve pode ir at ao fundo da impresso com uma espessura mnima que no comprometa a preciso da impresso.

Impresso dupla:

tcnica com putty e com espaador (teflon). Dps retira-se o espaador e aplica-se o light no preparo e em toda a impresso.

1 impresso com elite HD putty;

eliminar excessos do bordo vestibular (eliminar material em excesso pela borda das moldeiras).

Impresso directa nos preparos e indirecta nos dentes (sem bolhas e bem definida).

1 impresso feita em putty

A presena de reas retentivas e tenso superficial entre o silicone e os dentes, no possvel...

Eliminar reas retentivas: broca de silicone, bisturi de silicone ou pea angulada para cortar silicone. na zona do palato e junto dos dentes

Os canais de escape asseguram que o leve em excesso saia rapidamente em comprimir o putty. Devem terminar na LT pois nc se deve modificar a impresso na face oclusal ( o nico stop natural de confiana).

Recapitulando: 1 impresso

Canais de escape

Resultado final: limite e zona do preparo

Eleio da viscosidade apropriada e importncia dos canais de escape:

- sem canais de escape h maior risco de deformao

- o material vai ter densidades, podendo no ser homogneo.

Alteraes dimensionais:

Contraco radial do material de impresso: manifesta-se desde o centro da impresso at ao bordo exterior das preparaes em situao radial.(os silicones, ao contrrio dos alginatos, no expandem, ou seja, criam espao e dps a prtese no ajusta).

Exemplo com material de impresso que tem 1 % de contraco

Espessura do material de impresso medidos em mm

Remoo da moldeira da boca

arcada superior: pode levar a distores irreversveis

- arcada inferior: remover 1 a zona do preparo e dps a zona onde no esto os preparos.

No fim analisar a impresso e ver se tem os contornos todos bem definidos (ideal: conter na totalidade a LT e o preparo; v-se o fundo do sulco e se a LT se encontra dentro da impresso).

Prtese total: no usar alginato, mas sim silicones ou pasta de zn eugenlica (seno a prtese dps no segura).

Desinfeco

Glutaraldedo cido 2% (10-30 minutos)

Hipoclorito Na (0.5 a 1 %) mais comum, mais utilizado

Providoniodo 0.1 a 1.5 % - fenol halogenado

Glutaraldeido neutro a 0.13%

2 os fabricantes

Problemas:

Inibio superficial

Mais comum, significando que o material no polimerizou:

Pele de laranja

Modelo poroso (mau, no serve para nada)

Causas:

1. luvas/dique de borracha

2. Fio com sulfato Frrico

3. Exposio a resduos temporrios

4. Contaminao da superfcie por metacrilatos (compsito, adesivos)

Solues:

1. Luvas de vinil

2. Diluir com perxido de hidrognio

3. Confeccion-los dps da impresso

4. Eliminar com lcool 70% a capa inibida

Limpar com lcool para eliminar matriz orgnica e dps fazer impresso.

Evaporao de Hidrognio

Ocorre por culpa de quem vazou os moldes a gesso

Causa: produto da polimerizao

Soluo: tempo do fabricante

Modelo fracturado

Causa: muita rigidez do material de impresso

Soluo:

Ateno com classes V

Usar resinas epoxi (sai mais caro)

Retirar antes da presa

Controlar o tempo que recomenda o fabricante

Anlise da impresso

Anlise dos erros:

No haver LT

No haver sulcos

Presena de bolhas

Os materiais no unem

Retirar o material antes de este tomar presa (fazer controlo da presa com o light c fora).

Prtese III

09-01-06

Attachements II

Os procedimentos clnicos iniciais so iguais aos das coroas fresadas

Exigem maior rigor na seleco do caso os procedimentos so idnticos.Sequncia clnica:

Preparo dentrio respeitando os princpios dos preparos a no ser que por razes (m posicionamento do dente ou alterao da morfologia do dentes) - pode-se fazer alteraes no preparo com o objectivo de fazer correces para termos a prtese no local exactamente como queremos.

Nota: nos preparos procura-se sempre manter a vitalidade do dente

Excepes: dente com grande restaurao e que pode haver infiltrao; alterao da posio dentria

Procera - cermica + fina e faz com que o preparo no seja to agressivo.

Noutras cermicas necessrio maior agressividade (desgaste de 1,5-2mm)

Outro factor a ter em conta: Cimentao!!!

Na cimentao:

Usando IV ou hbridos - menor sensibilidade ps operatria. Na polimerizao com algumas resinas podem levar fractura destas!!!

Usando cimentos de resina - maior sensibilidade ps operatria

Nota: a simples contraco de polimerizao pode dar dores!

Cimentao com hidrxido de clcio - usa-se qd se faz desgaste excessivo. Usado para promover dessensibilizao e formao de dentina! na cimentao provisria (como base - liner).Impresses

A impresso no deve ser nica

1 impresso de uma prtese combinada para confeccionar os elementos da Prtese Fixa

A 1 impresso (PF), deve ser de toda a arcada e no parcial devido necessidade de colocao em paralelizador

apoios mucosos sela deve estar toda lida dentes

Registo oclusal

ceras aluax tem alumnio para no se deformar aps termos o registo de mordida. As ceras normais no tm memria e so facilmente deformveis. elastmeros

ceras de articulao (mordida)

Elaborao dos elementos:

Princpios de elaborao:

- enceramento obteno do resultado ideal

- forma definitiva dada com ajuda do paralelizador

- e com o paralelizador colar o attachement

No elemento fixo os attachments tm que ser sempre colados paralelamente ao eixo de insero na prtese combinada, esta n pode entrar desviada sempre // ao eixo de insero.

- Paralelmetro

Uma das partes (macho e fmea) ser colocada no padro de cera, como selamento calcinvel

ou

Se for pr fabricado h que o soldar pea j fundida

Elementos em metal, soldam-se parte fixa, j pronta e parte removvel.

Attachment de encaixe de gola/teflon, ou seja o attachement Snap (+ usado hj em dia).

Dps de os attachmentes tarem colocados faz-se fresamento - para dar estabilidade prtese (para no balanar)

2 mm acima da terminao da coroa e pode ir at 1,5 mm depende se o preparo infragengival, supra ou justa.

Fazer sempre acima dos tecidos moles para no magoar a gengiva (hiperplasia)

Interlock - vai fixar + a prtese (entre os dentes durante o fresamento fazem-se canaletas para melhorar a estabilidade da prtese.

Dps tira-se toda a cera, para ficar toda a infra-estrutura metlica e dar espao cermica que colocada posteriormente).Como unir o attachment ao elemento fixo?

Com os elementos fixos posicionados no modelo anatomo-funcional (em cera ou no)

Chassis da ppr preparada com alivio para o attachement (na ppr colocado antes da fundio ou directamente no chassis j polido)

Ferulizado na boca com acrlico e soldado no laboratrio

Evita risco de erro ou deformao na posio do attachement

- Fig

Fundio

Prova clnica

Aplicao de cermica

Nova prova clnica

Exame:10 perguntas da prtica

10 perguntas terico prticas

20-30 perguntas da teorica

Prtese

16-01-06Continuao da aula anterior: Fundio e posterior colocao de cermica na pea fresagem - em metaljunta dento-cermica - fazer em cera - eliminar a LT e dps fazer a fundio!!! fundio

prova clnica

aplicao da cermica

nova prova clnica nesta fase q se faz a impresso para ppr em siliconena prtese combinada a 2 impresso para fazer o esqueleto da prtese de metal : para o lemento removvel na fase:

prova de cermica (o prof prefere fazer aqui, pois na cermica j temos pts de contacto, t + estvel, etc)

prova de metal

Impresses

2 impresso para ppr em silicone, define a estabilizao da parte removvel, e um aimpresso de arrasto pois leva dentro de si os elementos fixos (para fix-los em boca usar light de cor diferente (o light no deve entrar na LT) ou colocar vaselina ( melhor q o light, eperar a polimerizao e temos de tirar os excessos), assim eles ficam estabilizados na bica e dps vem na impresso.Elaborao do esqueleto da ppr

prova conjunta (PF e PPR)

prova metal

para ver se ppr est bem adpatada dps aplica-se cera nas sela livre e faz-se o registo de mordida!

O registo de modida faz-se a seguir prova de infra-estrutura.

prova com dentes

ds vem a prtese pronta e ela deve inserir e desinserir sem esforo, se ao inserir a ppr com mt esforo vai seselar os elementos fixos (deformam ou mudam de posio), ou tb pode ocorrer mobilidade e perda de dentes. O trabalho tem de ser cimentado na altura, em simultneo com a ppr, dps aguarda-se, retira-se a ppr e retiram-se os excessos! Concluso

Cimentao PF e ppr

cimentao conjunta para evitar erros de posio

Prtese

16-01-06Cermica procedimentos laboratoriais

Para caracterizar a coroa demora cerca de 12 horas, o ideal o doente tar ao p!!!Impresses

metalo-cermica

gesso tipo IV (trabalho a vcuo)

temos o sistema Akutrack - faz base em acrlico mas h outro sistema

na fac temos o sistema PindexFig.

Modelos

fixa-se no sistema

monta-se e coloca-se pinos na placa

gesso feito a vcuo para no ter bolhas

aplica-se o gesso na impresso

coloca-se a base na posio

o sistema pindex ao contrrio (1 obtemos o modelo e dps q se fixa)

cortar e obtemos o modelo final de trabalho

seccionar a zona onde vamos trabalhar e obtemos o troquel

Troquel - modelo individual de trabalho, onde vai ser feito o trabalho fixo propriamente dito. Faz-se 1 troquel para cada dente pilar, implante, etc

retirar gesso at chegar LT

marcar a zona da LT com grafite vermelho (para que nunca seja eliminada no trabalho posteriori)

troquel fica pronto

aplica-se cola para fixar o gesso

dps coloca-se verniz (cria espao para no fim termos espao para o cimento) o verniz no pd atingir a zona da LT, para haver bom selamento com a coroa, na LT queremos o mnimo de cimento possvel.Estrutura

Dps do espaador o trabalho vai ser fixo com um lq estabilizador para evitar deformao e a partir daqui vamos fazer o trabalho fixo!

cera de infraestrutura (cera derretida onde o troquel mergulhado - d-nos a infraestrutura metlica)

a infra-estrutura vai ser colocada no cilindro com cera, o cilindro a parte plstica com um conduto de cera gito estrutura redonda para no fazer bolhas, para a injeco do metal

o gito o transportador de metal !!!

aplicar umproduto redutor de tenso superficial para evitar que se formem bolhas

cilindro no qual se coloca material de revestimento / mat refractrio para fazer fundio

misturar e colocar no cilindro, tapar toda a zona onde tem metal (gito + torquel), encher e deixar endurecer, retirar o plstico

vai ao forno (tempt e tempo depende do material, mas temos uma mdia de 6-8 horas para eliminarmos toda a cera e no fim deste tempo que se faz a fundio)

nota: tipo mtodo da cera perdida!!!

derreter o lingote at o metal tar na fase quase plstica - centrifugadora ( a velocidade desta que faz o metal ser injectado no cilindro)

arrefecimento de um dia para o outro

tira-se o cilindro de metal e parte-se ficando a nossa infra-estrutura de metal. xido de alumnio de granulao elevada. Qt maior o gro maior o desgste.

A partir daqui q vamos trabalhar o metal e h libertao de nquel q fica no ar - contaminao um problema!!!!

Ver se h boa adpato da infra-estrutura

Polir o metal e eliminar excessos - mt txico para o protsico

Vapor de H2O para eliminar todos os xidos - infra-estrutura pronta para a prova clnica - se tudo bem vai-se fazer a parte cermicaCermica

aplicar cermica

comear pelas opacas, tem de ser opacas para disfarar o metal

se for procera ou inceram (cermicas puras no necessrio opacos); as de zircnio so mt boas, + resistentes, mas precisamos de colocar opacos!!!

Dps coloca-se um filme de ouro (pelcula mt fina) na zona de terminao para evitar a oxidao (que ocorre mesmo com mat nobre, actualmente usa-se + prata paldio, + fcil de trabalhar e + resistente)

Dps os opacos vo 1 fundio e a seguir vamos escolher as cores de dentina e faz-se a aplicao de dentina na coroa, e as 1as cores de esmalte (rosa)

A cermica aplica-se com pincel, pois um p q se mistura coma gua e dps aplicado

A cermica transparente (azul) para a zona cervical e a verde para intensificar a coroa na zona interna

Dps vai ao forno e muda de cor e encolhe, pois perde H2O

Dps aplica-se cermica de esmalte

Nesta fase estamos a trabalhar numa duplicao de modelos

Forno - nova cozedura e perde-se aqueles cores (muda de cor)

Aplica-se + cermica, escultura dentria, tendo em conta o oponente, o contra-lateral, os pts de contacto

Nova fundio (forno)

Acabamento - caracterizao final do trabalho e nesta fase q impt ter o doente ao p!

Forno novamente

Coroa pronta e faz-se comparao com os outros dentes em boca e aplica-se

Nota: as cores podem mudar!!!Nota: no prximo semestre vamos dar a Prtese total e as pontes!!!!AGORA A PRTICA !!!!!!!!!!!!!!!PF (prtica)26-10-05

Passos Clnicos em Prostodontia FixaProf Paulo Maurcio

Srgio Flix1 Consulta

Avaliao e diagnstico:

Dentes

reas desdentadas (zonas de reabsoro) Patologias (periodontais) Caractersticas Anatmicas (dentes; importantes para a implantologia)

NB: O doente j vem com uma HC feita (global).

Recolha de dados:

Rx apical

Ortopantomografia (os rx podem revelar quistos entre outras patologias; a orto o ideal pois d uma viso global que depois pode ser especificada com uma periapical)

Fotografias (para se ter um registo do antes e do depois. Isto impt em especial para nossa defesa) Modelos de estudo (so feitos na 1 consulta com alginato, sendo depois vazado a gesso. Guardar os modelos obtidos por um mnimo de 5 anos)

Relao intermaxilar (em doentes desdentados difcil ver como articula. Faz-se o registo da mordida por um destes dois processos: cera com memria allowax importante que no seja perfurada pois altera o contacto dos dentes; silicone especifico para tal. mais fcil do que com a cera).

Espiges (1 consulta)

Ou pinos intracanalares (tm vrias designaes)

So usados na reabilitao de dentes endodonciados

Indicaes: dentes com 2/3 ou mais de destruio coronria (hoje em dia temos os pr-fabricados e os com ncleo fundido que so usados em qualquer grau de destruio).

Tipos: Fundidos

Pr-fabricados

Os fundidos so fabricados em laboratrio. Na 1 consulta faz-se a impresso do dente (duralay [mtodo directo] ou com elastmero) talhe laboratrio (onde se faz o espigo fundido).

Na impresso: se for para reabilitar s com PF, no imprimir com a PPR; se for para combinada, fazer impresso com a PPR.

Coroas de Richmond ncleo fundido que j vem com a coroa (+ espigo).

Pivot coroa provisria, feita em acrlico.

Os espiges so para trabalhos definitivos.

Forma:

- Cilndricos

- Lisos

Cnicos

Rosqueados

Mistos

Nos lisos- promovem menos stress, so cimentados

Rosqueados em dentes anteriores, mas especialmente em dentes posteriores metlicos.

Constituio:

Metal

Fibra de carbono

Vidro

Cermica

Os de vidro e os de cermica so os mais usados.

O espigo de lato/metal no nobre provisrio e serve para confeccionar a coroa provisria policarbonato; em caso de esttica usa-se o espigo de fibra de carbono sistema radic preparao do canal(adaptao do espigo ( reconstruo com resina composta ( talhe ; num dente posterior podemos usar amlgama.

Espigo fundido:

Preparao da raiz talhe do dente: 1 LT; 2 canalar;

Confeco do espigo e ncleo em duralay ou pela tcnica de impresso(guias/poste plstico + consistncia light retirar, voltar a colocar com o putty e preencher tudo at LT. Finalmente tirar tudo em bloco. Os guias de plstico so calcinveis, derretidos e substitudos por metal);

Cimentao do espigo e impresso do ncleo (se for bem feito, quase que se pode pedir logo a coroa para prova de metal, o que representa um ganho em consultas e trabalho) na cimentao: metlicos CIV ou hbridos, pois tm alguma elasticidade; a resina promove muito stress, dai que no muito utilizada.

Cimentao da coroa

Espigo de Fibra de Vidro:

Preparao da raiz, seleco do espigo Faz-se 1 o talhe (os objectivos na PF so ligeiramente diferentes dos da dentisteria, pois esta ultima mais conservadora). A seleco do espigo feita consoante o dimetro da raiz (por comparao com a referencia endodontica, o comprimento de trabalho, dilatao, etc.)

Cimentao do espigo e reconstruo do ncleo - a cimentao feita com resina, pois adere s paredes do espigo. Os CIV e hbridos no aderem.

A reconstruo do ncleo feita em compsito

Preparao do ncleo (talhe) e impresso (directa)Cimentao da coroa2 Consulta

Preparao dos DPs:

Seleco da cor feita antes do incio do trabalho ( importante pois num dente vivo a cor da dentina diferente). Ter fotos acompanhadas da escala de cor mais prxima do que nos parece para saber a aproximao; ver tb a transparncia etc Anestesia diminui o fluxo de sangue ao dente (vasoconstrio) e altera o dente. Controlar pois a anestesia vai passando;

Preparao CR Total, parcial ou de raiz (espiges) Confeco de coroas provisrias

Cimentao provisria

- tcnica : p/lquido

pasta/pasta

- tipos de cimentos IRM

Life,

tempo Bond (xido de zn) com ou sem eugenol.

Life - hidrxido de Ca puro. Usado em dentes vivos para tentar diminuir a sensibilidade (quando estamos prximos da polpa, acalma a irritao pulpar causada pela preparao. O Ca(OH)2 provoca reaco nos odontoblastos e estes reagem positivamente).

O xido de Zn com eugenol usado em dentes endodonciados (muito usado em implantologia); o sem eugenol(o mais usado) aplicado em dentes vivos.

O eugenol provoca analgesia do dente (baixa o limiar da dor). No entanto, com a utilizao do sistema adesivo (cimento de resina),o eugenol demora a ser libertado do interior dos canaliculos e ao colocarmos resina, a sua polimerizao inibida.Coroas provisrias:

tipos:

laboratrio (prvio) 1 -- impresso a silicone e envio para laboratrio;

2 confeco do modelo de estudo laboratrio

ver no modelo ver em boca e rebasar se necessrio cimentao

pr-fabricadas (pivots, coroas de policarbonato, acetato, etc) nas de policarbonato, depois de adaptar a coroa, verificar a ocluso e rebasar para adaptar na boca. O cimento utilizado o policarboxilato.

mtodo directo com impresso prvia. Reconstruir com cera ou com um pouco de compsito ( melhor)

mtodo de confeco:

mtodo directo

mtodo indirecto (laboratrio)

Nota: numa situao mais extensa wax up ao laboratrio- hipoteticamente final. Duplica o modelo e depois confeccionar a coroa (mtodo directo).

Material:

Resinas hbridas

Acrlico muito bom, duro, mas exotrmico. Assim usamos resinas hbridas que podem ser utilizadas na boca

Metal

Reforadas pe-se uma infra-estrutura metlica para aumentar a resistncia e durao.

impresses definitivas

Todas as que no obriguem a colocao de fio de retraco fazem-se na 1 consulta

Indicadas:

facetasin/onlays

espiges fundidos

preparos supra-gengivais (se infra-gengivais a broca toca na gengiva sangra. Coloca-se o fio de retraco para fazer preparo e o fio pode levar a inflamao da gengiva e posterior retraco de tecidos, sendo que depois temos de reajustar as coroas).

Objectivo: reproduzir fielmente as condies existentes na boca atravs do negativo.

3 Consulta Impresses para o trabalho: Coroas de R. Total

Pontes

Sangramento e inflamao da gengiva varivel. Se for muito abundante, esperar mais tempo. Se a coroa estiver mal adaptada, esse o motivo rebasar ou fazer uma nova.

Materiais de impresso: Alginatos Elastmeros silicones (PF) - polieteres (implantologia pois so mais duros)

Tipos de moldeiras:

- Arcada

- Individuais

Hemiarcada

standarts

Sectoriais

- metal

acrlica

Nas de hemiarcada- usam-se mais para as provisrias (transitrias),s apanhando 1 face.

As standarts no servem para PPR ou PT (impresso feita em silicone e depois vai sendo construida).

Triple Tray para as unitrias e inlays; tiram impresso das 2 arcadas + mordida. No usar em anteriores. So descartveis.

No fim: cimentao provisria

4/5 Consulta

Prova da estrutura de metal (cermica/MC)

Objectivo: Avaliar a adaptao cervical/proximal/oclusal

Avaliar a forma/cor/conforto

Se a infra-estrutura no assenta, verificar primeiro no modelo e depois na parte interna da coroa (ou com spray - ocludent ; ou com light );colocar no preparo se perfurar, desgastar sempre 1 no metal.

Tcnica:

Remoo e limpeza com sonda, ultrasons (cuidado para no remover cimento, depois passamos com escova e podemos usar p de xido de alumnio (no deixar a escova tocar na gengiva - sangra).

Adaptao: - Sonda 130 micras Ocludent

Rx apical ( se n tiver adaptado, vemos linha radiotransparente; a mais correcta) - Ocluso (na prova de cermica e de metal) - Prova de cor

Se houver contacto oclusal, temos de ver se h espessura suficiente de cermica; se no tiver, deixar em metal.

Como tirar as coroas? R: com saca-coroas.

Coloca-se verniz no gesso para arranjar espao espaados.

Junta Dentocermica quando se substitui o ombro (LT) por cermica, voltar a fazer o rx para ver a adaptao/acabamento. Em dentes anteriores, a junta estende-se a 360.

6 Consultacimentao definitiva/provisria

tipos de cimento definitivo: fosfato de Zn (no aderem, expandem)

policarboxilato (mais duvidosos inflamao) IV

Resina

IV reforado (hbridos)

So usados conforme as indicaes clnicas de cada um. Os 3 ltimos so os mais utilizados.

Apresentao: - mistura p/liquido

Pasta/pasta

- adesiva

tcnicas - maryland

Tcnica:

- remoo provisria- limpeza do preparo (jacto de xido de Al; uma vez na boca, com pedra-pomes)

- desengordurante (ter, cavidry, gua oxigenada)

- isolamento relativo (para inlays/onlay fazer total)- mistura do cimento- aplicao na parede axial do preparo (1-coroa; 2 - perto da LT)

- cimentao (em anteriores ns fazemos presso, no o doente; nos posteriores colocamos a coroa, estabilizamos e depois o doente morde)- remoo dos excessos (nas resinas autopolimerizaveis, tirar o excesso antes da polimerizao)

- controlo da oclusoBrocas: instrumentos acoplados a peas rotativas

Funes: Talhar

Remover

Desgastar

Alisar

Polir

Composio: haste (lisa/encaixe)

extremidade activa formas variadas (cone, esfera, cilindro), diamante, ao, tungstnio, pedra, borracha

Brocas de diamante: Turbina/contrangulo

Talhar/cortar

Brilho

Tronco-cnica ponta afilada/arredondada e plana

Brocas de remoo e desgaste

- contra-ngulo/pea de mo:

esfrica

pra

disco

chama

Alisamento e Polimento

- evita adeso da placa bacteriana

- aumenta o conforto e esttica do paciente

pedras

borrachas (...)

cores s

dentes endodonciados

- remoo da gutta-percha

- broca Gates-Glidden (ponta activa/perfura em profundidade)

- Peeso (ponta plana - lateral) tratamento das brocas

- descontaminar

- lavar

- secar

- escovar

- empacotar

- esterilizar

Cimentos

-campos de aplicao:base

restaurao

cimentao

- cimentao provisria

entre sesses, proteco pilares

permite a fcil remoo da restaurao

cimentos: hidrxido de Ca

xido de Zn

(...)

-cimentao definitiva

usada no final do tratamento, com restaurao definitiva: fixa as restauraes por um perodo longo

Importante:

- ler e respeitar as normas do fabricante (recomendaes)- agitar o frasco de p (homogeneizar as partculas)

- fechar os frascos p/lquido sofrem alteraes com a humidade

Hidrxido de Ca Campos de Aplicao:

- proteco pulpar, preenchimento de canais entre sesses endodonticas

- cimentao provisria

Apresentao

- pasta/pasta (base + catalisador) Material necessrio

- bloco de papel

- esptula de cimento

Manipulao

- igual quantidade de base e catalisador

- misturar com movimentos circulares at ter uma cor homognea (10-15 segundos tempo de trabalho)

xido de Zn (eugenol)

Campos de Aplicao:

- base/obturao provisria

- cimentao provisria (...)

Apresentao

Manipulao

- pasta/pasta (idntico ao hidrxido de Ca)

- p/lquido: 1 medida de ...

dividir em vrias camadas

espatular

aumento do tempo de trabalho se usarmos vidro frio!

Fosfato de Zn definitivo Campos de Aplicao:

- base/obturao provisria, cimentao de bandas ortodnticas e espiges

- cimentao definitiva de coroas ...

Manipulao

-Dividir em vrias camadas e ir espatulando consistncia de fio!

Policarboxilato (quase no se usa)

Campos de Aplicao: (...)

Ionmero de Vidro Campos de Aplicao:

-Base/liner, restaurao e reconstruo de pilares, cimentao de bandas ortodnticas

-Cimentao definitiva (coroas,pontes,etc.)

ketac-cem, aquaem...

Manipulao

-1 p: 2 lquido

-mistura em movimento circular durante 1 minuto

Ionmero de Vidro/resina (vitremer)

(...)

Cimentos de Resina Campos de Aplicao

-Cimentao de brackets ortodnticos

-Cimentao definitiva, de cermica, resina , MC

C& B Retrobond, Mirage, Optec...

Vantagens

- adeso qumica ao esmalte, dentina, porcelana e metais

- tripla polimerizao: auto

foto

duo

Apresentao

- pasta/pasta (+ comum)- p/lquido

Manipulao

- simples mas muito varivel, consoante a forma de apresentao

- ler e seguir rigorosamente as normas do fabricante

- agente de unio

Resinas Acrlicas

Campos de Aplicao

- moldeiras individuais

- placas oclusais de relaxamento?

- aparelhos de ortodoncia

- (...)

Reaco de presa

- qumica ou por luz

Cuidados na manipulao

- copo/dappen plstico descartveis ou de vidro

- esptulas metlicas ou madeira para a manipulao (o acrlico corri o plstico)

- no contaminar o frasco do p com liquido

- (...)

Manipulao de acrlicos

- rebasamento (de coroas de policarbonato)/restaurao provisria e base removvel/total

Material de Impresso

- material elstico

- material no elstico (...)

Alginatos

Presa rpida para crianas e pessoas com reflexo do vmito acentuado

Polissulfetos e polieteres

Silicones: tipos - putty - massa

- heavy

- regular

- light fluida os silicones de adio devem ser manipulados sem luvas de latex (para no interferir com polimerizao)- usar as de vinil

pasta zinquenlica usa-se em prtese total ceras registo de mordida, deve ser previamente amolecida, mas sem derreter! So usadas em moldagem/fundio inlays/moldagem (registo oclusal).

Gesso - s tipos e utilizaes . o vibrador usa-se em baixa vibrao, porque se for muita, h mais bolhas.

PF prtica

23-11-05

RADIX PINOS PARALELOS AUTO-ROSQUEAVISSistema composto por 3 brocas

-1 Broca que remove a gutta (+fininha e alongada)

-2 Broca que faz o prato coronrio

-3 Broca que faz a rosca (+grossa) pode ser montada no contra-ngulo ou ser introduzida manualmente.

Depois aplica-se o espigo que pode ter 2 tipos de cabea: larga ou longa (depende da rea que queremos abranger ou seja tem a ver com o tamanho da coroa).

Temos tb tiras de acetato com pinos desenhados para comparar o tamanho com o dente (no rx) e escolher o pino correcto. Ter em ateno a distoro do rx.. geralmente o dente maior do que aparenta no rx.

1 Temos o dente (monoradicular, mas tb pode ser 1 pr ou molar) retirar 2/3 coronrios e fiamos s com o colo (1/3 coronrio) para simular 1 dente com grande destruio coronria.

2 Talhamos a LT em chanfro como se tivssemos a talhar o dente para 1 coroa total preparo do dente.

3 Preparar com brocas peeso at ao stop

4 Fazer o prato com o contra-ngulo zona delimitada onde encaixa a cabea do pino.

5 Com 1 broca calibrada, faz-se a rosca onde vai encaixar o pino.

6 Depois metemos no canal 1 pea para efectuar o teste para ver se o pino cabe na perfeio no deve ficar nem apertado nem demasiado solto.

7 Aplicar o pino com a chave (que tem 1 ranhura em estrela) e rosqueamos o pino no sentido dos ponteiros do relgio!

Nota: No esquecer depois que necessrio colocar o cimento (de preferncia com 1 lntulo que para ficar uniformemente espalhado no canal) antes de rosquearmos.

Funes do cimento:

Reter o pino

Selar o canal

Pode ser IV ou 1 cimento hbrido ou mesmo resina. E de preferncia que sejam autopolimerizaveis.

Antes de efectuar o ncleo de resina fazer:

1. Ataque acido

2. Lavar e secar

3. Cimento

4. Efectuar o ncleoPPR prtica

21-11-05

Apresentao

Exames preliminares:

Condies

Rx exames complementares (comparando com o exame cnico)

moldes

1conceito doente modelos de estudo

HC

O exame clnico inicia-se desde o exame secreto ( tentar perceber a personalidade do nosso doente. Esse conhecimento vai-se reflectir nas outras consultas.

Doente sem muito esmero, desleixado suspeitar ndice de placa alto

Ter de ser baixo

Se o doente for autoritrio, poder perceber a nossa insegurana, por isso devemos tentar mostrar confiana porque 1 vez perdida dificilmente poder ser recuperada, ou mesmo nunca. O comportamento psicolgico do doente muito importante.

rea a investigar:

Intra-oral

Idade:

40, 50, 70

permite-nos 1 avaliao fisiolgica e neuromuscular

qto mais velho o doente, +difcil a adaptao e a aceitao de certo tipos de tratamentos

o epitlio oral desidrata com a idade, lg as glndulas salivares estaro diferentes, diminuindo o fluxo salivar

consequncias na prtese:

menos saliva a probabilidade de magoar ser maior

diminui a elasticidade

diminui a resistncia

Sexo:

A menopausa causa desequilbrio, atrofia do epitlio oral, dai as mulheres de 50 anos, comparadas com os homens de 50 anos apresentam um epitlio mais dbil.

Doenas sistmicas:

Anemia - mucosa + plida, lngua vermelha, gengivite

Diabetes Mellitus

Bom se o doente tiver controlado

Mal controlado

Mau fluxo de saliva

Problemas periodontais

Mais suscepibilidade a leso

Cicatrizao +lenta

Deve ser revisto em tempos + curtos (no que respeita prtese)

Hiperparatiroidismo

Destruio osso alveolar mais rpida, ao rx a lmina dura comea a desaparecer

Escolher mto bem os tipos de pilares e considerar a possibilidade de haver perda de dentes.

Epilepsia

Certos frmacos produzem hiperplasia da mucosa, exigindo cirurgia periodontal

Artrite

Problemas na ATM

Histria dentria:

Causas da diminuio

Experincia prottica

Perguntar se j usou alguma prtese

Que achou

Se teve uma impresso/ experincia positiva ou negativa

Perguntar o tipo de prtese que usou (tipo de conector, etc)

Tudo o que se diz ao doente antes do tratamento uma explicao

Tudo o que se diz depois de fazer PPR e no correr bem uma desculpa!

Perguntar: se o prob foi da PPR ou do prprio doente.

Na 1 consulta nunca se pode fazer logo 1 veredicto.

Ver a qualidade do osso e dos dentes remanescentes (prognstico)

Temos de fazer a preprao do doente

Exame: visual/ palpao:

Luz (deve ser excelente)

Espelho

Sonda periodontal

Seringa de ar (ao passar jacto ar percebe-se se h descolamento da gengiva se sim prob periodontal (pode ser pontual ou doena periodontal activa)

Diviso Exame:

Cries (orto + exame clnico) alm de veros o ndice de crie, devemos verificar se existem cries radiculares e retraco gengival (no colocar ganchos de aco de ponta pois a higiene pode falhar)

Periodontal infelizmente h mto e mtas vezes no prestamos ateno a este ponto o indicie de doena periodontal elevado. Explicar ao doente a situao (mostrar a orto, mostrar a diminuio do osso se for preciso dramatizar).

Oclusal feito logo. Pedir ao doente para trincar algumas vezes toc toc toc. Quando h problemas de ocluso no se consegue ouvir este barulhinho.

Dentes com prognstico duvidoso planeamento contingente.

Somos ns que decidimos o tratamento que ideal e mais adequado ao doente, mesmo em casos controversos!!! Ex: numa endo de 5 anos e que nunca doeu. Avaliar o seu estudo, mas mto imprevisvel, pois o doente pode vir a ter dor. Nesta situao ningum vai querer gastar dinheiro numa nova endo quando pode no adiantar de nada, ou at piorar.

O prof faria: no mexer no dente em questo! O tal tratamento de contingncia. Explicar ao doente que o uso desse dente pilar + outro para o caso de o dente diminuir o dente pilar, mm assim, continuar a usar prtese confeccionada.

Se no houver outro para haver pilar no possvel plano de contingncia. Explicar ao doente. Reformular o plano de tratamento.

Exame das estruturas sseas:

RR avaliar se ficou alguma raiz retida. Ver selas, espaos livres

Trus mandibular fazer cirurgia, mas avaliar se mesmo necessrio devido ao seu tamanho. S preciso tirar na zona chapeavl

Regio milo-hiideia

Tuberosidade

Exame dos tecidos moles:

Sulcos

Freios pode ser necessria frenectomia

Tamanho da lngua quando h perda, a lngua aumenta. Ao pormos a prtese h um perodo de habituao.

A saliva protege e ajuda a fazer o efeito de vcuo. A quantidade deve ser suficiente mas no excessiva (prejudicial na impresso).

A gua fria faz com que os tbulos/ orifcios das glndulas se feche e diminui assim a saliva.

Ou preparar 2 moldeiras: a 1 fica embebida e no serve de nada a 2 ser a que nos interessa.

Com a luva passar no 1/3 no palato, se deslizar com facilidade sinal que tem um grau alto de mucina.

Secar com ar nos stios a imprimir e aplicar o material de impresso directamente.

Rx:

Tcnica

Morfologia radicular mto importante. A raiz cnica a melhor

Estrutura ssea as trabculas sseas, etc

Qualidade do osso

Modelos de estudo:

Planeamento

Anlise

Desenho Contudo eu continuo a achar que a carteira do doente fundamental e nunca devemos esquecer as espectativas do indivduo em relao ao plano de tratamento nosso dever propor novas teraputicas explicando os prs e os contras e dar ao doente a liberdade de decidir!! Fuck U Jardas!!

PAGE 31