saviani, dermeval. o trabalho como princípio educativo frente às

Download SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frente às

Post on 14-Feb-2017

215 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 150

    SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princpio educativo frente s novas tecnologias. In: Novas tecnologias, trabalho e educao. Petrpolis /RJ : Vozes, 1994.

    SIROTA, Rgine. Emergncia de uma sociologia da infncia: evoluo do objeto e do

    olhar. Cadernos de Pesquisa, n. 12, p. 7-31, maro/2001. Traduo de Neide Luzia de Rezende.

    TRAGTENBERG, Mauricio. Sobre educao, poltica e sindicalismo. So Paulo :

    Autores Associados e Cortez, 1982 (Coleo Teoria e Prticas Sociais, vol. 1 educao).

    VENDRAMINI, Clia (org.). Educao em movimento na luta pela terra.

    Florianpolis:NUP / CED / UFSC, 2002.

  • 149

    CADERNO CEDES. Infncia e educao: as meninas. Campinas/SP : ed. da Unicamp, N 56, 1 ed., 2002.

    DINCAO, M.C; ROY, G. Ns, cidados. Aprendendo e ensinando a democracia. Rio

    de Janeiro : Paz e Terra, 1995. FARIA, Ana Lcia. A contribuio dos parques infantis de Mario de Andrade para a

    construo de uma Pedagogia da Educao Infantil. Educao e Sociedade, ano XX, n. 69. Dez, 1999.

    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessrios prtica educativa. So

    Paulo : Paz e Terra, 1996 (Coleo Leitura). GARCIA, Regina Leite (org.). Crianas: essas conhecidas to desconhecidas. Rio de

    Janeiro : DP&A, 2002 (coleo o Sentido da Escola). GOHN, Maria da Glria. Movimentos sociais e educao. 2 ed. So Paulo : Cortez,

    1994 (Questes da nossa poca, v. 5). GUIRALDELLI JR., Paulo (org.). Infncia, Escola e Modernidade. So Paulo : Cortez;

    Curitiba : Ed. da Universidade Federal do Paran, 1997. Infncia, educao e neoliberalismo. So Paulo : Crtex,

    2000 (Coleo Questes da nossa poca). KOLLING, E.J; NERY Ir.: MOLINA, M.C. (org.). Por uma educao bsica do

    campo. Vol. 1, ed. Universidade de Braslia. Braslia/DF, 1999. LEITE, L. C. M. Pesquisa-Ao: um mtodo particular de Pesquisa Educacional?

    Revista Idias, n. 03, SP: FDE, 1988. MARX, Karl. Contribuio para a crtica da economia poltica. 2 ed., Lisboa : ed.

    Estampa, 1973 (Coleo Teoria, n 8). MINAYO, Maria C. de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, mtodo e criatividade.

    Petrpolis/RJ : Vozes, 20 ed., 1994. MONTANDON, Clepatre. Sociologia da infncia: balano dos trabalhos em lngua

    inglesa. Cad. De Pesquisa n. 112, p. 33-60. Maro de 2001. Traduo: Neide Luzia Rezende.

    NETO, Luiz Bezerra. Sem Terra Aprende e ensina: estudo sobre as prticas

    educativas do Movimento dos Trabalhadores Rurais. Campinas/SP : Autores Associados, 1999 (Coleo Polmicas do Nosso Tempo).

    PINO, Angel. A interao social: perspectiva scio-histrica. In: Revista idias:

    Construtivismo em revista. SP: FDE. Diretoria Teixeira, 1993.

  • 148

    As crianas contextos e identidades. Coleo Infans. Centro de Estudos da Criana. Universidade do Minho, 1997.

    PISTRAK, M. M. Fundamentos da Escola do Trabalho. So Paulo: Expresso Popular,

    1981. QUINTEIRO, Jucirema. Infncia e escola : uma relao marcada por preconceitos.

    Tese de doutorado. UNICAMP, Campinas, 2000. RENK, Arlene. A luta da erva: um ofcio tnico do oeste catarinense. Ed. Grifos : Chapec, 1997. SANTOS, Boaventura Souza. Crtica da razo indolente: contra o desperdcio da

    experincia. 2. ed., So Paulo: Cortez, 2000. SARMENTO, Manuel. Crianas: educao, culturas e cidadania activa. Projeto de

    pesquisa. Universidade do Minho: Portugal, 2002 (mimeo). SARMENTO, M.J.; BANDEIRA, A; DORES, R. Trabalho domicilirio infantil: um

    estudo de caso no vale do Ave. Lisboa/Portugal : PEETI, 2000. SILVA, Mauricio Roberto da. O assalto infncia no mundo amargo da cana-de-

    acar. Onde est o lazer/ldico? O gato comeu? Tese de doutorado. Unicamp, Campinas, 2000.

    STDILE, Joo Pedro e FREI SRGIO. A luta pela Terra no Brasil. Ed. Pgina aberta,

    So Paulo/SP, 1993. THOMPSON, Eduard. A formao da classe operria inglesa. 2 ed., Rio de Janeiro :

    Paz e Terra, 1987, 3v. VENDRAMINI, Clia. Terra, Trabalho e Educao: experincias scio-educativas em

    assentamentos do MST. ed. Uniju. Iju, 2000. VYGOTSKY, Lev Seminovick. A Formao Social da Mente. Ed. Martins Fontes: So

    Paulo, 1989. Pensamento e Linguagem. Ed. Martins Fontes: So

    Paulo, 1991. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA AZANHA, J. M. P. Uma idia de pesquisa educacional. So Paulo : Edusp, 1992.

  • 147

    Pedagogia do Movimento Sem Terra: acompanhamento s escolas.

    Boletim da Educao n 8. So Paulo, 2001. Paulo Freire: um educador do povo. Veranpolis : Iterra, 2001. A comunidade dos gatos e o dono da bola. Coleo Fazendo Histria

    n 1. So Paulo, 1994. Nossa turma na luta pela terra. Coleo fazendo Histria n5. So

    Paulo : Peres, 1998. Estrias de Rosa. So Paulo : MST. Semente. Coleo Fazendo Histria n 6. Poemas: Carlos Rodrigues

    Brando. So Paulo : Cromosete, 2000. Concurso Nacional. Feliz Aniversrio MST! Trabalhos escolhidos em

    1999. So Paulo : MST, 2000. Desenhando o Brasil. Trabalhos escolhidos no concurso nacional de

    redaes e desenhos realizados pelo MST em 1998. So Paulo : Peres, 1999. Agenda MST 2003. So Paulo, 2003. MNMMR (Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua). I Seminrio Brasileiro

    Crianas Adolescentes Trabalhadores?. Belo Horizonte, MNMMR, 2001. OLIVEIRA, Alessandra M. R. de. Do outro lado: A infncia sob o olhar de crianas no

    interior da creche. Dissertao de mestrado, CED/UFSC. Florianpolis, 2000. PEREIRA, Rita M. R. e SOUZA, Solange Jobim. Infncia, conhecimento e

    contemporaneidade. In: Kramer, S. e Leite. M. I. Infncia e produo cultural. Campinas / SP : Papirus, 1998.

    PERROTTI, Edmir. A criana e a produo cultural. In: ZILBERMAN, Regina (org.). A

    produo cultural da criana. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990. PERIM, Marcelo. O ldico e o trabalho como elementos formadores na vida cotidiana

    das meninas do Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua. Dissertao de mestrado (em fase de concluso). Curso de mestrado em Educao Fsica, UFSC, 2003.

    POTSMANN, Neil. O desaparecimento da infncia. Rio de Janeiro : Ed. Graphia,

    1999. PINTO, Manuel e SARMENTO, Manuel. Saberes sobre as crianas. Coleo Infans.

    Centro de estudos da criana. Universidade do Minho, 1997.

  • 146

    LARROSA, Jorge. O enigma da infncia ou o que vai do impossvel ao verdadeiro. In: Larrosa, J. e Lara, N. P. (orgs). Imagens do Outro. Petrpolis/RJ : ed. Vozes, 1998.

    LEITE, Maria I. F. Pereira. O que falam de escola e saber as crianas da rea rural? Um

    desafio da pesquisa de campo. In: Kramer, S. e Leite, M. I. F.P. Infncia: fios e desafios da pesquisa. Campinas, SP : Papirus, 1997.

    LEONTIEV, Alexis. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa : ed. Horizonte

    universitrio, 1978. MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a Pedagogia Moderna. So Paulo : Ed.

    Cortez e Autores Associados, 1991. MAKARENKO, Anton S. Poema Pedaggico (vol. 1 , 2 e 3). So Paulo : ed.

    Brasiliense, 1985 , 1986. MARTINS, Jos de Souza. O massacre dos inocentes. In: Ibidem (org.) Regimar e seus

    amigos A criana na luta pela terra e pela vida. So Paulo: Hucitec, 1993. MARX, Karl. Manuscritos Econmicos e Filosficos (1844). (Coleo obra-prima de

    cada autor). So Paulo : Ed. Martin Claret, 2002. O Capital : crtica da economia poltica (vol. II). 3 ed., So Paulo :

    Nova Cultural, 1988. MATIELLO JNIOR, Edgard. Educao Fsica, sade coletiva e a luta do MST:

    reconstruindo relaes a partir das violncias. Tese de doutorado em Educao Fsica. UNICAMP, Campinas, 2002.

    MEDEIROS, Evandro Costa de. A dimenso educativa da mstica Sem Terra: a

    experincia da escola Florestan Fernandes. Dissertao de mestrado Programa de Ps-Graduao em Educao / UFSC, Florianpolis, 2002.

    MORISSAWA, Mitsue. A histria da luta pela terra e o MST. So Paulo : Expresso

    Popular, 2001. MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). Educao Infantil.

    Construindo uma nova criana. Boletim da Educao n. 7, So Paulo, 1997. Princpios da Educao no MST. Caderno de Educao n. 8, 3 ed.,

    So Paulo/SP, 1999. Crianas em movimento. As mobilizaes infantis no MST. Coleo

    Fazendo Escola, setor de educao do MST. Porto Alegre, 1999. Construindo o caminho numa escola de assentamento. Coleo

    Fazendo Escola n 3, Veranpolis : Iterra, 2000.

  • 145

    DEL PRIORE, Mary (org.). Histria das crianas no Brasil. So Paulo: Contexto,

    1999. DIRIO CATARINENSE, 14/07/2002. ECA, Estatuto da criana e do adolescente. Secretaria de Estado do Desenvolvimento

    Social e da Famlia. Florianpolis: IOESC. FARIA, A.L.; DEMARTINI, Z.B.F.; PRADO, P.D. (orgs.). Por uma cultura da

    infncia: metodologias de pesquisa com crianas.Campinas/SP: ed. Autores Associados, 2002.

    FERNANDES, Bernardo M. MST formao e territorializao. 2 ed., So Paulo:

    Hucitec, 1999. FERNANDES, Bernardo M. A formao do MST no Brasil. Petrpolis/RJ : Vozes,

    2000. FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974. GALEANO, Eduardo. A infncia como perigo. In: Revista Ateno, vol. 52, 1996. HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. So Paulo:

    Perspectiva, 1990. ITURRA, Raul. As culturas da cultura: infantil, adulta, erudita. In: Revista Educao,

    Sociedades e Culturas (p. 135153). Ed. Afrontamento, n 17, 2002. KRA

Recommended

View more >