rochas magmáticas Ígneas

of 23/23
Rochas Magmáticas Ígneas As Rochas ígneas, rochas magmáticas ou rochas eruptivas (derivado do latim ignis, que significa fogo) são um dos três principais tipos de rocha (sendo que as outras são as rochas sedimentares e as rochas metamórficas ). A formação das rochas ígneas vêm do resultado da consolidação devida ao resfriamento do magma derretido ou parcialmente derretido.Elas podem ser formadas com ou sem a cristalização , ou abaixo da superfície como rochas intrusivas (plutônicas) ou próximo à superfície, sendo rochas extrusivas (vulcânicas ). O magma pode ser obtido a partir do derretimento parcial de rochas pré- existentes no manto ou na crosta terrestre . Normalmente, o derretimento é provocado por um ou mais dos três processos: o aumento da temperatura , diminuição da pressão ou uma mudança na composição. Já foram descritos mais de 700 tipos de rochas ígneas, sendo que a maioria delas é formada sob a superfície da crosta da Terra com diversas propriedades, em função de sua composição e do modo de como foram formadas. O processo de solidificação é complexo e nele podem distinguir-se a fase ortomagmática , a fase pegmatítica- pneumatolítica e a fase hidrotermal . Estas rochas são compostas de feldspato (59,5%), quartzo (12%), piroxênios e anfibolit os (16,8%), micas (3,8%) e minerais acessórios (7%). Ocupam cerca de 25% da superfície terrestre e 90% do volume terrestre , devido ao processo de gênese . As rochas ígneas podem, de maneira geral, ser classificadas sob dois critérios: texturais e mineralógicos. O critério textural é especialmente útil na identificação do ambiente onde a rocha se cristalizou, enquanto o mineralógico é baseado na proporção entre seus minerais principais. A classificação da maior parte das rochas

Post on 03-Dec-2015

232 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esse trabalho irar explicar o que é rocha magmaticas e seus exemplos

TRANSCRIPT

Rochas Magmticas gneas AsRochas gneas,rochas magmticasourochas eruptivas(derivado dolatimignis, que significa fogo) so um dos trs principais tipos derocha(sendo que as outras so asrochas sedimentarese asrochas metamrficas). A formao das rochas gneas vm do resultado da consolidao devida ao resfriamento domagmaderretido ou parcialmente derretido.Elas podem ser formadas com ou sem acristalizao, ou abaixo da superfcie como rochasintrusivas(plutnicas) ou prximo superfcie, sendo rochas extrusivas (vulcnicas). O magma pode ser obtido a partir do derretimento parcial de rochas pr-existentes nomantoou nacrostaterrestre. Normalmente, o derretimento provocado por um ou mais dos trs processos: o aumento datemperatura, diminuio dapressoou uma mudana na composio. J foram descritos mais de 700 tipos de rochas gneas, sendo que a maioria delas formada sob a superfcie da crosta daTerracom diversas propriedades, em funo de sua composio e do modo de como foram formadas.O processo de solidificao complexo e nele podem distinguir-se a faseortomagmtica, a fasepegmattica-pneumatolticae a fase hidrotermal. Estas rochas so compostas defeldspato(59,5%),quartzo(12%),piroxnioseanfibolitos(16,8%),micas(3,8%) emineraisacessrios (7%). Ocupam cerca de 25% da superfcie terrestre e 90% dovolumeterrestre, devido aoprocesso de gnese.As rochas gneas podem, de maneira geral, ser classificadas sob dois critrios: texturais e mineralgicos. O critrio textural especialmente til na identificao do ambiente onde a rocha se cristalizou, enquanto o mineralgico baseado na proporo entre seus minerais principais.A classificao da maior parte das rochas gneas, segundo o critrio mineralgico, feito com base nodiagrama QAPF, usado para rochas com menos de 90% de minerais mficos.Rochas gneas intrusivasAs rochas gneas intrusivas (conhecidas tambm como plutnicas ou abissais) so formadas a partir do arrefecimento domagmano interior dacrosta, nas partes profundas da litosfera, sem contato com a superfcie. Elas s apareceram superfcie depois de removido o materialsedimentaroumetamrficoque a recobria. Em geral, o resfriamento lento e ocorre acristalizaode todos os seus minerais, apresentando ento uma textura holocristalina, ou seja, apresenta grande nmero de cristais observveis vista desarmada. Normalmente as rochas plutnicas ou intrusivas apresentam uma estrutura macia. A sua estrutura mais corrente granular, isto , os minerais apresentam-se equidimensionais ligados entre si.

Rochas gneas extrusivasAs rochas gneas extrusivas (conhecidas tambm como vulcnicas ou efusivas) so formadas a partir do resfriamento do material expelido pelaserupes vulcnicasatuais ou antigas. A consolidao do magma, ento, acontece na superfcie dacrostaou prximo a ela. O resfriamento rpido, o que faz a que estas rochas, por vezes, apresentemmaterial vtreo, logo, possuem uma textura vidrosa (vtrea), ou seja, uma textura que no apresenta cristais (a olho nu) ou at mesmo uma textura hemicristalina, isto , apresenta alguns cristais no seio de uma massa amorfa. H uma grande diversidade de rochas vulcnicas que se agrupam em alguns tipos gerais:rilitos,traquitos,andesitosebasaltos, entre os quais existe uma srie de rochas intermedirias, do mesmo modo que nas rochas plutnicas, e sua classificao, na maior parte dos casos, tambm feita com base nodiagrama QAPF;Rochas filonianas ou hipoabissaisSo as rochas que alguns autores consideram, de certo modo, fazer a transio entre as rochas vulcnicas e as rochas plutnicas. Sem atingir a superfcie, aproximam-se muito dela e podem preencher as fissuras da crosta terrestre. Umas formam-se por resfriamento do magma numa fissura, outras formam o recheio das fissuras e fraturas, devido presena de solues hidrotermais (deguastrmicas) que a precipitam os minerais. Todas as rochas filonianas se encontram em relao direta com o magma, isto , com rochas intrusivas. So exemplo de rochas filonianas osaplitos, ospegmatitose oslamprfiros.Composio das rochasAs rochas so praticamente compostas pelos minerais que as caracterizam. No incio do sculo XIX,Norman Levi Bowen, gelogo e mineralogista canadiano, descreveu como se cristalizam os minerais quando sujeitos a variaes de presso e temperatura e formulou a conhecidasrie reaccional de Bowen, aceite actualmente como a progresso ideal dos minerais dado o arrefecimento de magma.Srie reaccional de Bowen

A srie reaccional de Bowen constituda por duas sries:Srie descontnua:constituda por 4 minerais que so, por ordem decrescente da temperatura a que se formam, aolivina, apiroxena, aanfbolae abiotite. Estes minerais no apresentam igual estrutura cristalina e a transio entre eles no gradual. Progressivamente, os minerais possuem menos ferro e magnsio (minerais mficos) e mais slica e alumnio (minerais flsicos) e quando se d a cristalizao da biotite, a percentagem de ferro e magnsio nula na composio do magma residual.Srie contnua:constituda porplagioclases, a composio a maiores temperaturas permite a criao de minerais com mais clcio. Quanto mais baixa a temperatura, menor a quantidade de clcio na composio da rocha e maior a de sdio. A transio entre os minerais gradual, pois as plagioclases sominerais isomorfos, ou seja, apresentam a mesma forma cristalina mas composio qumica diferente. Aanortite clcica por completo, enquanto que aalbite somente constituda por sdio.Depois das sries:ocorre cristalizao dos restantes componentes, formando minerais ricos em slica. Oquartzo, o ltimo mineral formado, completamente constitudo por slica.

Srie DescontnuaOlivinaPiroxenaAnfbolaBiotiteOrtoclase(Feldspato Potssico)MoscoviteQuartzo

Srie ContnuaAnortite(+Ca)Albite(+Na)

No sentido (esquerda-direita): diminuio da temperatura relativa de cristalizao e do ponto de fuso, aumento da resistncia do mineral e da hidratao do magma

Famlia de rochas magmticasA classificao detalhada das rochas magmticas requer um estudomicroscpicoda mesma e, na maior parte dos casos, feita com base nodiagrama QAPF. Em linhas gerais, podem considerar-se as seguintes famlias de rochas magmticas, entre as quais existe toda uma srie de rochas intermdias:Famlia do granito: ogranito uma mistura dequartzo,feldspatoemicas, alm de outros minerais, que se podem encontrar em menores propores e que recebem a denominao de acessrios. Estes podem serturmalinas,plagioclases,topzio, e outros mais. O granito umarocha cida e poucodensaque aparece abundantemente em grandes massas, formando regies inteiras ou as zonas centrais de muitosacidentes montanhosos. O equivalente vulcnico do granito orilito;Famlia dosienito: tem como minerais essenciais osfeldspatosalcalinos, especialmente aortoclase, aos quais se associa ahornblenda, aaugitee abiotite. No apresentam nemmoscovitenem quartzo. Sorochas neutras. O equivalente vulcnico dosienito otraquito;Famlia dodiorito: tem como minerais essenciais os feldspatos calcossdicos cidos -oligoclaseeandesina. A estes associam-se, em geral, ahornblenda, aaugitee abiotite. O equivalente vulcnico dodiorito oandesito.Famlia dogabro: so rochas escuras,verdesounegras, bastante densas e sem quartzo, pelo que so rochas bsicas. Os seus minerais essenciais so os feldspatos bsicos -labradoriteeanortite-, acompanhados, geralmente, pordilage,biotite,augiteeolivina. O equivalente vulcnico dogabro obasalto;Famlia doperidotito: so rochas constitudas poranfbolasepiroxenase, sobretudo, porolivina. Sorochas ultrabsicasmuito densas e escuras. O magma que as originou formou-se em grande profundidade, muitas vezes na parte superior domanto. Os peridotitos so rochas muito alterveis por efeito dos agentes metericos, transformando-se emserpentinitos, que so utilizados como pedras ornamentais, muito apreciadas pela sua cor verde escura.

GranitoOgranito(do latimgranum) um tipo comum derocha gneade gro fino no metamorfica, mdio ou grosseiro, composta essencialmente porquartzo,micaefeldspato, tendo como minerais acessrios micas (presente praticamente sempre), hornblenda, zirco e outros minerais. normalmente encontrado nasplacas continentaisdacrosta terrestre.O granito quase sempre slido (sem estrutura internas), duro e resistente, sendo por essas qualidades usado como pedra para aconstruo civil. Adensidademdia do granito situa-se entre 2,65e 2,75 g/cm3]A sua temperatura de fuso de1215 - 1260 C. A palavra "granito" tem origem nolatimgranum, umgro, em referncia textura da rocha.A composio mineralgica dos granitos definida por associaes muito variadas de quartzo, feldspato,micas(biotite e/ou moscovite), anfbolas (sobretudo horneblenda), piroxenas (augite e hiperstena) eolivina. Alguns desses constituintes podem estar ausentes em determinadas associaes mineralgicas, anotando-se diversos outros minerais acessrios em propores bem mais reduzidas.Quartzo,feldspatos,micaseanfbolasso os minerais dominantes nas rochas granticas e afins.Macroscopicamente o quartzo reconhecido comomineralincolor, geralmente translcido, muito comum nos granitos.Osfeldspatos(microclina, ortclase e plagiclases), so os principais condicionantes do padro cromtico das rochas silicticas, conferindo as coloraes avermelhada, rosada e creme-acinzentada a estas rochas.A cor negra variavelmente impregnada na matriz das rochas silicatadas, conferida pelos minerais mficos (silicatosferro-magnesianos) sobretudo anfbolas (hornblenda) emicas(biotite), chamados vulgarmente de "carvo".Nos granitos mais leucocrticos (claros), portanto com menor quantidade de minerais ferro-magnesianos, o quartzo e o feldspato compem normalmente entre 85% e 95% darocha.A textura das rochas silicatadas determinada pela granulometria e hbito doscristais, sendo a estrutura definida pela distribuio desses cristais. Composio, textura e estrutura representam assim parmetros de grande importncia para caracterizao de granitos.O granito utilizado como rocha ornamental e na construo civil. Para o sector de pedras ornamentais e de revestimento, o termo granito designa um amplo conjunto de rochas silicatadas, abrangendo monzonitos, granodioritos, charnockitos, sienitos, dioritos, doleritos, basaltos e os prprios granitos.EmPortugala paisagem grantica revela-se principalmente em extensos planaltos, em serras, nas Beiras e em vrias regies montanhosas. H ainda a considerar um macio de dimenses mais reduzidas, na serra de Sintra, com cerca de 10 por 5 quilmetros.Texturas Magmticas:Grau de cristalinidade -holocristalinaGrau de visibilidade -fanerticaTamanho dos cristais -mdia a grossaTamanho relativo dos cristais -equigranular, megaporfirtica ou porfirticaRelao geomtrica dos cristais -xenomrfica a hipidiomrficaArticulao entre os cristais -irregularArranjo (trama) -apltica, granular, intersticial, maculada ou rapakiviAcidez -cidaSlica saturao -supersaturadaRelao de feldspatos -potssicandice de colorao -leucocrticandice de alumina saturao -peraluminosa, metaluminosa ou peralcalinaAlcalinidade -Subalcalino (clcio-alcalino ou peraluminoso) ou alcalino (equirtica)Observaes -Rocha plutnica composta basicamente por quartzo, feldspatos e micas. Textura geralmente fanertica granular . A densidade do granito oscila entre 2,55 e 2,75.A crosta continental apresenta composio essencialmente grantica, sendo seu correspondente efusivo oriolito.

Carbonatito

Carbonatito umarocha gneaultrabsica, com mais de 50% de minerais carbonticos (calcita,dolomitaesiderita) rara e importante, pois a prpria rocha se constitui em minrio para a produo de cimento portland e calcrio para calagem agrcola (correo da acidez do solo). Ademais, so fontes de minerais fosfatados (apatita, fluorapatita), usados na produo de fertilizantes fosfatados. Podem tambm conter, ou estarem associados a concentraes econmicas de elementos terras raras, nibio,urnio, trio, cobre, ferro, titnio, brio, flor, zircnio, entre outros.No Brasil, temos ocorrncias em Jacupiranga, Juqui, Ipanema, Itanham (SP); Lages e Anitpolis (SC); Tapira, Arax, Salitre, Serra Negra, So Gotardo (MG); Catalo, Santo Antnio da Barra, Caiap e Morro do Engenho (GO).Associados aos carbonatitos brasileiros ocorrem as maiores reservas mundiais de minerais de nibio e grande reservas de minerais de titnio.Mineralogia principal -calcita, dolomita e / ou ankerita.Minerais acessrios -magnetita, olivina, nefelina, piroxnios, biotita, granada, apatita, sulfetos.Estrutura -compacta.

Texturas Magmticas:

Grau de cristalinidade holocristalina

Grau de visibilidade-fanertica

Tamanho dos cristais- denso a grossa

Tamanho relativo dos cristais inequigranular

Relao geomtrica dos cristais panxenomrfica

Articulao entre os cristais irregular

Arranjo (trama) granular

Acidez ultrabsica

Slica saturao insaturada

Relao de feldspatos -no apresenta feldspatos em sua composio

ndice de colorao leucocrtica

ndice de alumina saturao -no se aplica para estas rochas

Alcalinidade alcalina

Observaes -O nome carbonatito classifica uma considervel variedade de rochas vulcnicas e gneas intrusivas cujos principais constituintes so minerais carbonticos na proporo de 50% ou mais.O carbonatito exceo quanto ao ndice de colorao: a nica rocha ultrabsica que constituda essencialmente por minerais pesados claros (carbonatos), classificando-a como leucocrtica.

BasaltoObasalto umarocha gneaeruptiva, de granulao fina,afantica, isto , oscristaisno so vistos vista desarmada, podendo, ainda, conter grandes quantidades ou ser constitudo integralmente de vidro (materialamorfo). Esta rocha constituda principalmente deplagioclsioepiroxnioe, em muitos casos, deolivina. Como minerais acessrios encontram-se, principalmente, xidos de ferro e titnio. A rocha basltica geralmente possui cor escura acentuada (rocha mfica), sendo muito explorada para a construo civil.O basalto produzido principalmente nas erupes que ocorrem:nasdorsais meso-ocenicas, que so o foco da expanso do assoalho ocenico e do origem chamadatectnica de placas, assim, a maior parte do embasamento ocenico constitudo de basaltos;em enormes derrames que formaram grandes plats continentais, como, por exemplo, naBacia do Paran, no sul doBrasil, no norte daSibria, no planalto de Decan, nandia; eem menor volume, embora mais evidentes, em erupes vulcnicas como em algumas das ilhas do arquiplago doHava. Tambm podemos encontrar o Basalto em todas as ilhas doArquiplago dos AoresemPortugal, destacamos a segunda* maior delas, denominadaMontanha do Pico, ou ainda chamada deSerra do Pico, ou como muitos a conhecem como Ponta do Pico. Sua altura de aproximadamente 2,351m acima do nvel do mar, sendo o ponto mais alto de toda aquela regio. Em uma outra medio na regio submersa, observou-se sua altura prxima de 5.000m, no que pode-se observar a maior parte submersa.A cidade deNova Prata a capital nacional do basalto noBrasil.O basalto uma rocha extremamente frequente (muito mais frequente que ogabro, que o seu equivalente plutnico/intrusivo). Isto verifica-se pois ambos so rochas derivadas de magmas bsicos, ou seja, magmas fluidos que tendem a emergir, pois so menos densos que as rochas da crusta. Com isto, muito mais provavelmente o magma atinge a superfcie, arrefecendo rapidamente e originando basalto, do que a sua ascenso ser impedida (pela ausncia de fendas nas rochas que se sobrepem, p.e.), levando a um arrefecimento mais gradual e posterior formao do gabro.Texturas Magmticas:Grau de cristalinidade -holovtrea a hipocristalinaGrau de visibilidade -afantica a subfanerticaTamanho dos cristais -denso a finaTamanho relativo dos cristais -vitrofrica a porfirticaRelao geomtrica dos cristais -hipidiomrficaArticulao entre os cristais -irregularArranjo (trama) -intergranular a intersertal, pilotaxtica ou hialofticaAcidez -bsicaSlica saturao -saturada; insaturada (quando apresentar olivina ou foids)Relao de feldspatos -clcio-sdicandice de colorao -mesocrtica a melanocrticandice de alumina saturao -metaluminosaAlcalinidade -subalcalina (toletica ou clcio-alcalina) ou alcalinaObservaes -O basalto uma rocha importantssima para a agricultura, pois o produto de sua decomposio uma argila de colorao avermelhada, que origina solos frteis (terra roxa). uma rocha efusiva bsica, tendo como correspondentes plutnico e hipo-abissal ogabroe odiabsio, respectivamente.

QuartzoOquartzo o mais abundantemineraldaTerra(aproximadamente 12% vol.). Alguns autores consideram mais abundantes osfeldspatos, mas estes constituem um grupo, formado de vrias espcies, no uma espcie s. Possui estrutura cristalinatrigonalcomposta por tetraedros deslica(dixido de silcio, SiO2), pertencendo subclasse dostectossilicatostridimenssionais. O seuhbito cristalino umprismade seis lados que termina empirmidesde seis lados, embora frequentemente distorcidas e ainda colunar, em agrupamentos paralelos, em formas macias (compacta, fibrosa, granular, criptocristalina), maclas com diversospseudomorfos. Possui dureza 7 naEscala de Mohs. Apresenta as mais diversas cores(alocromtico), caracterizando suas muitas variedades.Peso especfico2,65. Sem clivagem, apresentandofractura concoidal. O nome "quartzo" de origem incerta, sendo a mais provvel a palavra alem "quarz", que por sua vez seria de origem eslava.Mineradores derochascontendo quartzo podem sofrer de uma doena denominadasilicose.Tipos de ocorrnciaOcorre geralmente empegmatitasgranticas eveioshidrotermais. Cristais bem desenvolvidos podem atingir vrios metros de extenso e pesar centenas de quilogramas. A eroso depegmatitaspode revelar bolses de cristais, conhecidos como "catedrais". Pode tambm ter origem metamrfica ou sedimentar. Geralmente associado aosfeldspatosemicas. constituinte essencial degranito,arenito,quartzitospor exemplo. Adicionalmente, pode ocorrer em camada, particularmente em variedades como aametista; neste caso, os cristais desenvolvem-se a partir de uma matriz e deste modo apenas visvel uma pirmide terminal. Umgeodede quartzo, consiste de uma pedra oca (geralmente de forma aproximadamente esfrica), cujo interior revestido por uma camada de cristais.Quartzo sintticoUma vez que o quartzo ocorre muitas vezesmaclado, muito do quartzo utilizado industrialmente sintetizado. So produzidos grandes e perfeitos cristais no maclados emautoclavepor meio do processohidrotermal.Aplicaes e utilizaesAreia para moldes defundio, fabricao devidro,esmalte, saponceos, dentifrcios, abrasivos, lixas,fibras pticas, refratrios,cermica, produtos eletrnicos,relgios, indstria de ornamentos; fabricao de instrumentos pticos, de vasilhas qumicas etc. muito utilizado tambm na construo civil como agregado fino e na confeco de jias de baixo preo, em objetos ornamentais e enfeites, na confeco de cinzeiros, colares, pulseiras, pequenas esculturas, etc.Alguns cristais de quartzo sopiezoelctricose usados comoosciladoresem aparelhos electrnicos tais comorelgioserdios.Variedades de quartzoSendo o mineral mais comum na natureza, existe um nmero impressionante de designaes diferentes. A distino mais importante entre tipos de quartzo entre as variedadesmacrocristalinas(com cristais individuais visveis a olho nu) ecriptocristalinas(agregados de cristais apenas visveis sob grande ampliao).Calcednia um termo genrico para as variedades criptocristalinas, que so opacas ou translcidas, enquanto que as variedades transparentes so geralmente macrocristalinas. Oprsiotem cor verde-oliva devida presena de hornblenda, cloritas ou abundantes cristais aciculares de actinolita. No deve ser confundido com prasiolita, quartzo verde obtido artificialmente. Apesar de ocitrinoocorrer naturalmente, geralmente produzido por aquecimento deametista. Acarneliana, ou cornalina, tem cor vermelha (a mais valiosa), alaranjada ou amarela e pode receber tratamento para adquirir uma colorao mais profunda.Ainda que os nomes dados a diversas variedades ao longo dos tempos sejam derivados da cor, os esquemas cientficos de nomenclatura referem-se sobretudo microestrutura do mineral. A cor um identificador secundrio para os minerais criptocristalinos, sendo, no entanto, um identificador primrio para as variedade macrocristalinas. Contudo, isto nem sempre verdadeiro.Texturas Magmticas:

Grau de cristalinidade -holocristalinaGrau de visibilidade -subfanertica a fanertica

Tamanho dos cristais- mdio a grossa

Tamanho relativo dos cristais -equigranular a inequigranular ou megaporfirticaRelao geomtrica dos cristais -hipidiomrficaArticulao entre os cristais -irregularArranjo (trama) -granular hipidiomrfica, frequentemente do tipo sal e pimentaAcidez -intermediriaSlica saturao -supersaturadaRelao de feldspatos -sdico-clcicandice de colorao -leucocrticandice de alumina saturao -metaluminosa ou peralcalina

Alcalinidade -subalcalina (clcio-alcalina) ou alcalinaObservaes -Rocha intrusiva, cujo correspondente efusivo oandesito.

KimberlitoKimberlito vulgarmente conhecido como arochaque contmdiamantes. Na realidade, no um tipo especfico de rocha, mas sim um grupo complexo de rochas ricas em volteis (dominante CO2), potssicas, ultramaficas hbridas com uma matriz fina e macrocristais de olivina e outros minerais como:ilmenita,granada, diopsidio, flogopita, enstatita, cromita.O cl dos kimberlitos so divididos em dois gruposGrupo I:Tipicamente ricos em CO2 e empobrecidos em potssio em relao aos do grupo II. Corresponde rocha original encontrada emKimberley, na frica do Sul.Grupo II:Tipicamente ricos em gua, apresentam matriz rica em micas e tambm calcita, diopsdio e apatita, e correspondem aokimberlitos lamprofricosou micceosOs kimberlitos so formados pela fuso parcial do manto a profundidades maiores que 150km. O magma kimberltico durante sua ascenso do manto para a crosta, comumente, transporta fragmentos de rochas e minerais - tambm conhecidos como xenlitos e xenocristais (entre eles o diamante). O kimberlito pode trazer diamante at a superfcie desde que tenha passado por regies no manto/crosta que fossem ricas neste mineral e que sua velocidade de ascenso seja rpida o suficiente para no desestabilizar a estrutura do diamante, que caso contrrio se converteria em grafite (polimorfo estvel do carbono na presso ambiente). Ressalta-se, portanto, que omagma que forma o kimberlito no o produtor de diamante, apenas um meio de transporte.No Brasil diversos kimberlitos foram encontrados desde a dcada de 1970, no entanto, poucos foram estudadospara a compreenso dos mecanismos de colocao destes corpos ou do tipo de manto amostrado por estes magmas. As principais descobertas de kimberlitos no Brasil foram feitas inicialmente pela Sopemi subsidiria do Grupo Sul Africano De Beers. A Sopemi descobriu clusters com dezenas de kimberlitos em Minas Gerais, Gois e , posteriormente, em Juna no Mato Grosso onde estabeleceu a sua primeira e ltima lavra no Brasil. Posteriormente, na dcada de 90 a Rio Tinto usando intensivamente a aeromagnetometria e geoqumica descobriu outras dezenas de corpos kimberlticos nas mesmas regies antes trabalhadas pela De Beers. Entre 2004 e 2007 a Majestic Diamonds and Metals e Canadense a Vaaldiam descobriram e avaliaram algumas dezenas de novos kimberlitos. Ao contrrio do que publicado no Brasil vrios corpos kimberlticos foram avaliados por intermdio de sondagens, trincheiras, bulk-samplings e lavra-piloto de pequeno porte. Os kimberlitos mais conhecidos esto em Minas e Bahia estudados pela Sopemi e Vaaldiam, em Pimenta Bueno e Juna avaliados pela Rio Tinto, Vaaldiam e Diagem e em Gois avaliados pela D10 Minerao.Texturas Magmticas:Grau de cristalinidade -holocristalina a hipovtreaGrau de visibilidade -afantica a subfanerticaTamanho dos cristais - denso a finaTamanho relativo dos cristais -porfirtica com matriz inequigranularRelao geomtrica dos cristais -panidiomrfica a hipidiomrfica

Articulao entre os cristais -irregularArranjo (trama) -calamento, poiquilticaAcidez -ultrabsicaSlica saturao -insaturadaRelao de feldspatos -no se aplica (no apresenta feldspatos)ndice de colorao -ultramelanocrticandice de alumina saturao -no se aplicaAlcalinidade -alcalina potssicaObservaes -Trata-se de um peridotito, muito comum na regio de Kimberley, na frica do Sul, onde feita a extrao de diamantes. Comumente uma rocha porfirtica que ocorre na forma de chamins verticais chamadas de "pipes". Kimberlito considerada a rocha matriz do diamante. AndesitoAndesito um tipo derocha magmticacujo nome deriva deAndes, montanhas onde muito comum. umarocha gneavulcnicade composio intermediria, calcialcalina, de cor cinzenta a cinzenta escura ou mesmo negra, com texturaafanticaaporfirtica. Os andesitos so a rocha tpica do vulcanismo associado sregies de subduco, em especial aosarcos insulares.ComposioOs andesitos so compostos essencialmente porfeldspatos, dos quais mais de 66% deve ser deplagioclsiocido (10%