Ritual Mestre

Download Ritual Mestre

Post on 24-Nov-2015

563 views

Category:

Documents

54 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

mestre escocs

TRANSCRIPT

<ul><li><p>RITUAL </p><p>- DO </p><p>3 GRAU MESTRE MAOM </p><p>- DO </p><p>RITO ESCOCS ANTIGO E ACEITO </p></li><li><p>O MESTRE </p></li><li><p>PAINEL DA LOJA DE MESTRE </p></li><li><p> PREMBULO </p></li><li><p> Voltado o Aprendiz trabalho material de desbastar a Pedra Bruta e </p><p>entregando-se o Companheiro ao trabalho intelectual para a realizao da </p><p>Pedra Cbica, cabe ao Mestre o trabalho espiritual expresso, claramente, na </p><p>misso que lhe compete de espalhar a luz e reunir o que est esparso. </p><p>Consagrado firmeza de carter, Moral que no transige com o dever, o </p><p>Grau de Mestre Maom faz do iniciado um ser que se sobrepe a si mesmo, </p><p>que se liberta das baixas contingncias gregrias para viver nas outras, isto , </p><p>espalhar a Luz e fazer da Fraternidade humana a mais forte, a mais pura e </p><p>tangvel realidade. </p><p>Morrendo para os vcios, erros e paixes, liberto que est da influncia das </p><p>iluses, o Mestre renasce, no estado de inocncia, no Amor que fortalece, na </p><p>Verdade que dignifica e na Virtude que sublima para, no cumprimento do </p><p>dever, sacrificar-se pela Humanidade. Este, o programa real da Maonaria </p><p>Simblica, que o Mestre deve realizar para, com seus Irmos, encontrar a </p><p>Palavra Perdida, que opera o milagre da ressurreio. </p><p>ORNAMENTAO DA LOJA </p><p>A Loja de Mestre Maom, chama-se Cmara do Meio. Suas paredes so </p><p>completamente pretas, semeadas de espao a espao de lgrimas prateadas e </p><p>agrupadas em 3, 5 e 7, e de tbias cruzadas encimadas por uma caveira. </p><p>A Loja, no recebendo luz do exterior, somente iluminada por nove velas de </p><p>cera amarela ou outra luz semelhante: trs no Altar do Venervel Mestre, trs </p><p>em cada um dois Altares dos Vigilantes, todas formando entre si um tringulo </p><p>eqiltero. Um candelabro mstico de 7 velas, ou luzes ser colocado no lado </p><p>Norte do Oriente, prximo ao 1 Dicono. Os altares so cobertos por panos </p><p>pretos, com lgrimas e orlas prateadas. </p><p>Colocado no eixo do Templo entre o Altar dos Juramentos e as Colunas J.. e B.., estar um esquife coberto com pano preto encimado por um ramo de accia, de modo a permitir a perfeita execuo da Marcha do Mestre Maom. </p><p>Uma lmpada antiga, de luz tnue, pender no teto do Templo, por sobre o </p><p>esquife. </p><p>No Altar dos Juramentos o Livro da Lei, o Esquadro e o Compasso. </p></li><li><p>No cho, junto ao Altar dos Juramentos, no seu lado Sul, estaro os </p><p>instrumentos do mestre maom. </p><p>Nas sesses magnas, no haver entrada solene do Pavilho Nacional, nem a </p><p>execuo do Hino Nacional, nem a saudao e nem sada solene. O Arquiteto, </p><p>durante a decorao do Templo, tambm colocar o Pavilho Nacional no seu </p><p>lugar, direita do trono do Respeitabilssimo Mestre e fora do dossel. </p><p>DA ENTRADA E SADA </p><p>Ningum ter ingresso no Templo, qualquer que seja o pretexto, antes da hora </p><p>fixada para o inicio dos trabalhos, exceto os OObr.. que tiverem de prepar-lo para as cerimnias, o G..T.. e o M.. de Harmonia. Nenhum motivo exime a observncia deste dispositivo. </p><p> hora fixada, o M..CC.., depois de verificar se todos os presentes se acham devidamente revestidos de suas insgnias e trajados conforme o Ritual, </p><p>formar uma fila dupla, na seguinte ordem: dois a dois, Mestres Maons mais </p><p>recentes, seguidos dos Oficiais, cad um do lado de sua respectiva Coluna. Em </p><p>seguida, os Mestres Instalados, os Venerabilissimos Vigilantes, o </p><p>Respeitabilssimo Mestre,e finalmente, as Autoridades Manicas, se </p><p>desejarem entrar nesse momento. </p><p>Pondo-se frente da fila dupla, tambm chamada cortejo, o M..CC.. bater na porta do T.. uma nica pancada. </p><p>O G..T.., ento, abrir a porta, postando-se (com a Espada cruzada sobre o peito ) junto Col.. J.. e de frente para a entrada, enquanto o M..CC.. posta-se junto Col.. B.., aguardando a passagem do Respeitabilssimo Mestre, para conduzi-lo ao Trono. </p><p>Todos rompero a marcha com o p esquerdo (adentrando ao T.. com passos naturais) e medida que forem entrando, cad um vai ocupar seu lugar, </p><p>conservando-se de p, sem estar ordem, voltados para o Eixo da Loj... Depois da entrada do V..M.., o G..T.. fecha as portas e toma lugar defronte sua cadeira. Depois de levar o Respeitabilssimo Mestre at o Trono, o </p><p>M..CC.. verificar se todos esto perfeitamente colocados, e ir para entre CCol.., onde anunciar ao Respeitabilssimo Mestre que a Loja est composta e aguardando ordens para a Abertura dos Trabalhos. </p></li><li><p>Durante a entrada, o M.. de Harmonia executar msica apropriada, preferencialmente de autor maom, a fim de propiciar a criao de um clima </p><p>tranqilo e envolvente. </p><p>A sada ser feita na ordem inversa entrada. Deste modo, os paramentos </p><p>sero retirados somente fora do Templo. </p><p>A ORDEM DOS TRABALHOS </p><p>A Ordem dos Trabalhos, a ser rigorosamente observada, a seguinte: </p><p>01) Abertura Ritualstica. </p><p>02) Leitura do Balastre, seguida de Observaes, concluses do Orad e votao. </p><p>03) Leitura do Expediente, a que o Respeitabilssimo Mestre, dar o destino </p><p>conveniente, sem qualquer discusso. </p></li><li><p> 04) Entrada de Visitantes e Autoridades Manicas. </p><p>05)Circulao da Bolsa de PPro... e IInf.... </p><p>06) Ordem do Dia previamente organizada pelo Respeitabilssimo Mestre, </p><p>auxiliado pelo Secretario, onde sero realizadas as cerimnias de Exaltao, </p><p>ou apreciados os pareceres, propostas, informaes e assuntos pendentes </p><p>que dependam da deliberao dos Mestres Maons. No inicio da Ordem do </p><p>dia ser lido um Landmark e, no havendo cerimnia de exaltao a ser </p><p>realizada, ser ministrada uma Instruo de Grau de Mestre Maom. </p><p>07) Circulao da bolsa de beneficncia para o Tronco de Solidariedade. </p><p>08) Saudao aos Visitantes, pelo Orad. </p><p>09) Palavra bem da ordem em geral e do Quadro em particular ou, em se </p><p>tratando de Sesso Magna, Palavra sobre o Ato realizado. </p><p>10) Sada das Autoridades Manicas (se a Cadeia de Unio formar-se, </p><p>devem, tambm, sair os Visitantes). </p><p>11) Cadeia de Unio. </p><p>12) Encerramento Ritualstico. </p><p>Durante os trabalhos, somente podero falar sentados: as LLuz, os </p><p>MM II, (desde que revestidos de suas insgnias e no ocupando </p></li><li><p>cargos), o Orad ao fazer as concluses; Secr ao ler o Balastre e o </p><p>Expediente. Os demais OObr falaro sempre de p e ordem) </p><p>ABERTURA DOS TRABALHOS </p><p>(Estando todos em seus lugares, o M.. CC.. postar-se- entre Colunas e dar um golpe com o basto.) </p><p>M..CC.. Respeitab.. M.., a Aug.. e Resp.. Loj.. Simb.. ________ acha-se composta, aguardando vossas ordens. (nesse instante o V.. M.. cobre-se). </p><p>VEN.. Podeis ocupar vosso lugar, Ir.. M..CC.. </p><p>VEN.. (!) Em Loja Venerveis Irmos. (Todos se cobrem e ficam ordem.) </p><p>- (!) Sentemo-nos </p><p>VEN.. (!) - VenerabIr 1 Vig, qual o vosso primeiro dever antes da abertura dos trabalhos de MM? </p><p>1 VIG - Ver se o T est a coberto. </p><p>VEN - Certifica i-vos disso, Venerab Ir. </p><p>1VIG -Ven.. Ir GT cumpri o vosso dever. </p></li><li><p>(O G T, de espada desembainhada, entreabre a porta do T, verifica se o </p><p>Cobr est a postos, fecha a porta e nela d a bateria do grau com o punho da </p><p>espada, sendo correspondido pelo Cobr, do lado de fora). </p><p>GT - (Depois de executada a ordem) - Venerab Ir 1 Vig o T est o coberto. </p><p>1 VIG - Respeitab M, estamos a coberto das indiscries profanas e, assim, podemos trabalhar com toda segurana. </p><p>VEN - Qual o vosso segundo dever, VenerabIr ? </p><p>1 VIG - Verificar se todos os presentes so MMMM. </p><p>VEN - Fazei a verificao. </p><p>1 VIG - ( ! ) - De p e ordem, VVen IIr de ambas as CCol. </p><p>(Todos ficam de p e ordem, voltados para o Or, de forma que no vejam </p><p>o que se passa no Oc. O 1 Vig percorre as CCol e procede a verificao e, em caso de necessidade, far o trolhamento completo. </p><p>Terminada a verificao, o Vigdiz:) </p><p>1 VIG ( ! ) - Respeitab M, todos os VVenIIr de ambas as </p><p>CCol so MM MM. </p></li><li><p>VEN:. - ( ! ) (Todos que esto no Or se levantam e se pem ordem) - </p><p>Tambm o so os do Or.- ( ! ). Sentemo-nos, VVen IIr. </p><p>VEN - Ven:. Ir 2 Dic, qual o vosso lugar em L ? </p><p>2 DIAC - (de p e ordem) A direita do Venerab Ir 1 Vig. </p><p>VEN - Para que, Ven Ir? </p><p>2 DIC - Para transmitir as vossas ordens ao Venerab Ir 2 Vig e </p><p>ver se todos os VVen IIr se conservam nas CCol, com o devido respeito, ordem e disciplina. </p><p>VEN - Onde tem assento o Ven Ir 1 Dic. </p><p>2 DIC - vossa direita e abaixo do slido (sada e senta-se). </p><p>VEN - Para que ocupais esse lugar, Ven Ir 1 Dic ? </p><p>1 DIC - (de p e ordem) Para transmitir vossas ordens ao VenerabIr </p><p>1Vige a todos os VVenIIr, afim de que os trabalhos se executem com presteza, regularidade e perfeio. </p><p>VEN - Onde se assenta o Venerab Ir 2 Vig ? </p></li><li><p>1 DIC - Ao sul, Respeitab M (sada e senta-se). </p><p>VEN - Para que ocupais esse lugar, VenerabIr:. 2 Vig ? </p><p>2 VIG - Para melhor observar o Sol em seu meridiano, chamar os </p><p>OObr para o trabalho e mand-los recreao, a fim de que a construo se faa com ordem e exatido. </p><p>VEN - Onde tem assento o Venerab Ir 1Vig:. ? </p><p>2 VIG - No Oc, Respeitab M. </p><p>VEN - Para que ocupais esse lugar, VenerabIr 1 Vig? </p><p>1 VIG - Assim como Sol se oculta no Oc ao terminar o dia, assim </p><p>tambm aqui tem assento o 1 Vig para fechar a Loj, pagar os OObr e despedi-los contentes e satisfeitos. </p><p>VEN - Onde o lugar do Respeitab M? </p><p>1 VIG - No Or . </p></li><li><p> VEN- Para que? </p><p>1 VIG - Assim como o Sol nasce no Or para comear a sua carreira e iniciar o dia, iluminando-o com seus raios, assim tambm a tem assento o </p><p>Respeitab M, para abrir a Loj, dirigi-la em seus trabalhos e esclarec-la com as luzes de sua sabedoria manica. </p><p>VEN - Venerab Ir 1 Vig, para que nos reunimos aqui? </p><p>1 VIG - Para procurarmos a palavra perdida, Respeitab M. </p><p>VEN - E a que horas comeam os MM MMos seus trabalhos? </p><p>1 VIG - Ao meio-dia, Respeitab M. </p><p>VEN - Que horas so, Venerab Ir 2 Vig? </p><p>2 VIG - Meio-dia, Respeitab M. </p><p>VEN - (D a Bat, repetida pelos VVig) </p><p>(Todos se descobrem, ficando de p e ordem. O 1 Dic, portando o </p><p>basto com a mo direita, sobe os degraus do trono, sada o RespeitabM, com leve meneio de cabea, que aps corresponder saudao da mesma </p><p>maneira, d-lhe a P S no ouvido esquerdo. Recebida esta, o 1 Dicvai, </p><p>com as mesmas formalidades, lev-la ao Ir 1 Vig, que a transmite, pela </p><p>mesma forma e por intermdio do 2 Dic, ao Ir 2 Vig. Chegando a </p></li><li><p>palavra ao 2 Vig:., os DDiac postam-se para compor a abbada junto ao </p><p>altar dos juramentos. O 1 Diacdo lado norte e o 2 do lado Sul). </p><p>2 VIG - ( ! ) Tudo est justo e perfeito na Coldo Sul Venerab Ir 1 </p><p>Vig. </p><p>1 VIG - ( ! ) Tudo est justo e perfeito em ambas as CCol, </p><p>Respeitab M. </p><p>(Neste momento o M CCer, portando o basto com a mo direita, ingressa </p><p>no Or, e, dirigindo-se ao Past Master mais recente, sada-o com leve </p><p>meneio de cabea (ou em sua ausncia ao Ir Orad), convida-o para abrir o </p><p>L da L e o conduz at o Altdos JJ. Postando-se atrs do oficiante, </p><p>cruza seu basto com os dos DDic, devendo, porm, o seu permanecer por baixo, como que a sustentar a abbada formada. Depois de saudar o </p><p>Respeitab M, o Past Master (ou o Orad) ajoelha-se com o j d, abre </p><p>o L da L na parte apropriada (Eclesiastes XII; 1 e 7), e, depois de l-la, </p><p>sobrepe-lhe o E sob o C, este com as pernas voltadas para o Oc, levanta-se e, ordem, espera o momento de voltar ao seu lugar). </p><p>VEN - Graas Te rendemos, GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO, porque, por Tua bondade e misericrdia, nos tem sido possvel vencer as </p><p>dificuldades interpostas em nosso caminho para nos reunirmos aqui em Teu </p><p>nome e prosseguirmos em nosso labor. Faze, Senhor, com que nossos </p><p>coraes e inteligncias sejam, sempre, iluminados pela luz que vem do alto e </p><p>que, fortificados por Teu amor e bondade, possamos compreender que, para </p><p>que nosso trabalho seja coroado de xito, necessrio que, em nossas </p><p>deliberaes, subjuguemos paixes e intransigncias fiel obedincia dos </p><p>sublimes princpios da Fraternidade, a fim de que nossa Loja possa ser o </p><p>reflexo da Ordem e da Beleza que resplandecem em Teu Trono. </p><p>VEN.. (!) - G D G A D U, sob a proteo de So Joo, nosso Padroeiro e sob os auspcios da (Nome da Potncia), em virtude dos poderes </p><p>de que estou investido, declaro aberta, no Grau de Mestre, a </p></li><li><p>ARLojSimb.._______ N_______ , cujos trabalhos tomam plena fora </p><p>e vigor. Que tudo, neste Augusto T, seja tratado com seriedade e aos influxos dos sos princpios da Moral e da Razo! </p><p>(O 1Vig ergue a Col de seu Altar e o 2 Vig abaixa a do seu. ). </p><p>VEN.. (!) A mim, VV.. IIr.. : </p><p> pela Saudao (Todos sadam e permanecem perfilados, exceto as </p><p>LL.., M.. CC.., DDic.. e G..T..) </p><p> pela Bateria (Todos executam e voltam ordem, exceto M..CC.., DDic.. e G..T..) </p><p> e pela Aclamao (todos) - HUZZ ! - HUZZ ! - HUZZ ! </p><p>(Os Obreiros que esto junto ao Altar dos Juramentos voltam aos seus lugares </p><p> o Oficiante, precedido pelo M..CC.., sai pelo Norte, por trs do 1 Dic.., que os acompanha, abre o Painel da Loja e faz brilhar o Candelabro Mstico, </p><p>aps o que, a luz resplandecer no Templo. O Respeitabilssimo Mestre cobre-</p><p>se. Nesse instante, o G..T.. abre a porta do Templo e o Cobr.. adentra, discretamente, e ocupa o lugar junto porta na Coluna do Norte, se no </p><p>houver absoluta necessidade de sua permanncia no trio.) </p><p>VEN.. (depois que todos estiverem em seus lugares) (!) Sentemo-nos, VVen.. IIr.. (Todos desfazem o sinal, cobrem-se e sentam-se.) </p></li><li><p>BALASTRE </p><p>VEN ( ! ) Ir Secr , Tende a bondade de nos dar conta do balastre de nossos ltimos trabalhos. </p><p>( ! ) Ateno, meus IIr </p><p>(O Secrsentado, procede a leitura do Balastre, fim do qual diz:). </p><p>SECR- Lido RespeitabM </p><p>VEN- ( ! ) Meus VVen.. IIr , se tendes alguma observao a fazer sobre a redao do Balastre que acaba de ser lido, a palavra vos ser </p><p>concedida nas CCol os VVenerab .. VVig anunciaro. </p></li><li><p> 2 VIG( ! ) Reina silncio na Col do Sul, IrVenerab.. Ir.. 1 Vig </p><p>1 VIG ( ! ) VM reina silncio em ambas as CCOL, Respeitab..M.. </p><p>VEN - ( ! ) A palavra est no Or </p><p>VM ( ! ) V.. Ir Orad, dai-nos vossas concluses. </p><p>ORAD - (sentado dar as concluses) </p><p>VEN ( ! ) - Os VV.. IIr. que aprovam o Balastre ( com ressalvas, se houver), queiram se manifestar pela forma convencional. </p><p>(Todos os que aprovam estendem o brao direito para frente, com a palma </p><p>voltada para baixo e os dedos unidos, todos os que no aprovam permanecem </p><p>sentados com as mos sobre as pernas e todos os que no estiveram presentes </p><p>na reunio cujo balastre est em votao, ficaro de p e ordem.) </p><p>(O M..CC.., de p, verifica a votao e comunica diretamente ao V..M.., dizendo: ) </p><p>MCC- RespeitabM o Balastre foi aprovado ( ou recusado) por unanimidade ( ou por maioria ). </p><p>(Observao : Quando o resultado da votao for por maioria, convm </p><p>anunciar os nmeros correspondentes.) </p></li><li><p>VEN - ( ! ) Declaro o Balastre aprovado ( com ou sem emenda) por ...........................( unanimidade ou maioria ). </p><p>(O 1 Dic pega o Livro de Atas, e leva-o para a assinatura do VM e </p><p>do Orad, restituindo-o ao Secr para que tambm o assine). </p><p>EXPEDIENTE </p><p>VEN V.. Ir Secr tende a bondade de ler o Expediente. </p><p>- ( ! ) - Ateno, meus IIr! </p><p>( medida que o Secr for lendo o Expediente, o V M ir dando o devido destino a cada assunto, sem submet-lo discusso do plenrio. </p><p>Havendo Decretos ou Atos do Gro-Mestre, estes sero lidos pelo Orad, </p><p>estando todos os OObr de p e perfilados.) </p><p>ENTRADA DE VISITANTES </p><p>Caso haja Visitantes a serem recebidos com formalidades, o VM ordenar </p><p>ao MC que os convide a adentrar ao T cuidando para que as posturas ritualsticas sejam levadas a efeito com o mximo rigor no que tange a </p><p>saudaes honorficas e procedimentos especiais para a recepo de </p></li><li><p>Autoridades Manicas. Para...</p></li></ul>