revolucao industrial editado 2

Download Revolucao industrial editado 2

If you can't read please download the document

Post on 05-Jun-2015

456 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. Universidade Federal do ParCurso: Servio SocialDisciplina: FHMT 1 Marlia Ferreira Natanielly Costa Carla Prestes Neuziane Monteiro Belm - 2013Kamila Keane Paixo

2. A Revoluo IndustrialFoi um conjunto demudanas profundas, iniciadaspor volta de 1760, no modo devida dos seres humanos, derelacionarem-se e produziremmercadorias. A RevoluoIndustrial teve incio no sculoXVIII, na Inglaterra, com amecanizao dos sistemas deproduo.Ela pode ser resumida na Substituio da energia Fsica(Humana) pela energia Mecnica (das Mquinas). Porm,trata-se de um processo Lento, Gradativo e Irreversvel quegerou transformaes Econmicas, Polticas e Sociais. 3. Podemos destacar algumas causas que favoreceramo desenvolvimento industrial como: A expanso do comrcio, que possibilitou a acumulao decapital nas mos da burguesia europia, que queria aplic-loem outros setores. Crescimento do mercado consumidor e, conseqentemente,exigncia de novos produtos. Fim das restries impostas pelo mercantilismo e abandonodas praticas absolutistas de governo, a partir do surgimentodas idias liberais iluministas. E as novas descobertas que vinham surgindo na Europa desdeo Renascimento, como termmetro, a roda de fiar, o tearmecnico, entre outros. 4. Capitalismo: A Revoluo Industrialfoi o conjunto de mudanastecnolgicas iniciadas no sc.XVIII, com grande impacto naeconomia e nas relaes detrabalho e produo. Implantou,definitivamente, o SistemaCapitalista. 5. Pioneirismo da Inglaterra Como vimos, a Revoluo Industrial teve incio na Inglaterra, por volta de1750. Vamos apontar alguns fatores que contriburam para o pioneirismoingls. A balana comercial inglesa era a mais favorvel em toda a Europa. Istogerou disponibilidade de capital para aplicar na industrializao. Somam-se a isto vrias inovaes tcnicas na Inglaterra e a existncia de grandesminas de ferro e carvo. A Inglaterra tinha domnio do transporte martimo e, conseqentemente, docomrcio mundial. Este domnio ocorreu a partir do Ato de Navegao de1651 e foi estimulado tambm pelo fato de a Inglaterra ser uma ilha. A contribuio dos huguenotes, ou seja, calvinistas franceses que viviamna Inglaterra. Alm de capitais, os huguenotes possuam grandeexperincia empresarial. Enfim, podemos destacar a ideologia liberal, a partir das idias iluministas.Alm da instalao de uma monarquia parlamentar, a partir da RevoluoGloriosa de 1688, as idias liberais criavam um ambiente propcio indstria. 6. Formas de Transformao da Matria- PrimaAt chegar ao nvel industrial, a transformao de matrias primasem produtos, passou por trs estgios principais no decorrer da historiaArtesanato: o trabalho no dividido, ou seja, um mesmo trabalhadorrealiza todas as etapas de um trabalho. Considerada uma produoindependente, pois o arteso realiza o trabalho sozinho com ajuda da suaprpria famlia, por isso esta fase da indstria denominada domstica.Manufatura: um tipo de trabalho um pouco mais complexo que oartesanato. Os trabalhadores se aglomeram num mesmo local e so dirigidospor um chefe. Cada trabalhador fica responsvel por uma tarefa especfica,ampliando a capacidade produtiva.Maquinofatura forma mais complexa de produo industrial. Consiste nautilizao de maquinas em substituio as ferramentas e ao prprio trabalhohumano. Iniciou-se por volta de 1750, com a Revoluo Industrial. 7. Podem-se distinguir trs perodos no processode industrializao em escala mundial: 8. Surgimento das Fbricas As primeiras mquinas eram movidas pela fora muscular de sereshumanos ou animais. Uma das grandes novidades da Revoluo Industrialforam as fbricas, que passaram a utilizar mquinas movidas a energiamecnica. A fbrica, verdadeiro smbolo da Revoluo Industrial, substituiu aoficina, onde o arteso trabalhava por sua conta. O tamanho das fbricas variava de acordo com os setores de produo. Nosetor metalrgico (produo de metais), por exemplo, elas eram maioresdo que no setor txtil (produo de tecidos). O trabalho nas fbricas gerou o termo alienao, utilizado pelo alemoKarl Marx, como referncia ao fato de que, muitas vezes, o trabalhadorignorava o produto final, assim como o real valor de seu trabalho. De certa forma, o surgimento das fbricas e sua expanso esto no centrodas discusses acerca da poluio dos rios, do ar e o conseqente aumentoda temperatura da terra, que chamamos de efeito estufa. 9. A Burguesia A Revoluo Industrial tornou a burguesiadetentora dos meios de produo. Com isso,houve a necessidade de trabalhadores nasfbricas, chamados de proletariado. A burguesia se dividia em pequena, mdia e altaburguesia. A pequena e mdia era constituda decomerciantes, mdicos, advogados, entre outros.A alta burguesia era composta pelos grandescapitalistas, como industriais e banqueiros. 10. O Proletariado O proletariado, por sua vez, era constitudo de antigoscamponeses que se deslocavam para a cidades. Era aclasse mais numerosa e mais pobre. O crescimentoexcessivo da mo-de-obra disponvel fez com que asituao dos trabalhadores piorasse cada vez mais.Assim, os salrios foram se tornando cada vez maisbaixos. O uso do trabalho feminino e infantil, muitomais barato, provocava o desemprego dos homensadultos. Alm disso, as condies de trabalho erampssimas e o nmero de horas trabalhadas era excessivo. 11. A vida nas Fbricas O trabalho era repetitivo e as jornadas,muito longas. Homens, mulheres e crianas trabalhavamde 14 a 18 horas por dia. No existiamleistrabalhistas. Ostrabalhadores sofriam ameaas e atcastigos fsicos. Os salrios eram miserveis e ainda tinhamos descontos: multas por atraso, por seestar sujo, ou por ter cochilado ou assobiadoem servio.Quando sofriam mutilaes, perdiam dedosou mos, braos ou pernas, no recebiamnenhum auxlio. Apenas demisso. 12. Conseqncias da Revoluo IndustrialA Revoluo Industrial teve vrias conseqncias na economia,sociedade e nas relaes de trabalho. Vejamos algumasprincipais: A utilizao constante de mquinas e maior diviso do trabalho,com o conseqente aumento da produo. A partir de ento,houve tambm evoluo dos meios de transporte e comunicao. O surgimento de novas classes, como a burguesia industrial, ouseja, os donos das novas indstrias; e o proletariado, ou seja, ostrabalhadores das indstrias. Expanso do colonialismo em vrias regies do planeta, com o objetivo de conseguir matrias-primas e mercados consumidores. Junto a isso, houve expanso do capitalismo pela Europa e pelo mundo. 13. Algumas ConseqnciasSociais Urbanizao (pelo xodo Rural); Ms habitaes (cortios; falta desaneamento, sade e higiene); Altas jornadas de trabalho, Baixaremunerao e condies Insalubres detrabalho; Desemprego, Explorao do trabalho daMulher e Infantil; Doenas: comopeste bubnica evarola. 14. Quadro Resumo dos Fatores eCaractersticas 15. A resistncia dos Operrios A relao de grande explorao entre a burguesia industrial e oproletariado deu origem aos movimentos operrios e sindicatos. Foitambm a partir das desigualdades sociais entre capitalistas e operrios, quevrios pensadores passaram a se opor ao liberalismo econmico e defendernovas doutrinas sociais, como o Ludismo, Cartismo, Anarquismo e oSocialismo. 16. O LudismoO movimento ludista perdeu fora com a organizao dos primeiros sindicatosna Inglaterra, as chamadas Trade Unions. O mais eficiente e principalinstrumento de luta das Trade Unions era a greve. 17. O CartismoSurgiu na Inglaterra, a partir de 1830. Onome deriva da carta escrita pelos radicaisWilliam Lovett e Feargus OConnor, eenviada ao Parlamento Ingls. 18. O AnarquismoSurgiu na Europa na metadedo sculo XIX.As idias anarquistas foramdefendidas por tericos comoPierre-Joseph Proudhon eMikhail Bakunin. 19. O Socialismo Utpico Surgiu na Europa, na primeira metade do sculo XIX.Estas idias socialistas foram defendidas por tericos comoConde de Saint-Simon, Charles Fourier e Robert Owen. Estestericos tentaram criar instituies ou fbricas que pudessemacomodar os trabalhadores sem o mesmo grau de exploraoque a burguesia industrial muitas vezes impunha.No geral, estas tentativas acabaram fracassando. Otermo utpico foi utilizado pelo fato desses socialistasacreditarem que seria possvel realizar a transformao dasociedade sem que houvesse um conflito entre burgueses eproletrios. 20. O Socialismo Cientfico O Socialismo Cientfico surgiu na Alemanha, naprimeira metade do sculo XIX. Seus principaistericos foram Karl Marx e Friedrich Engels . Foidenominado cientfico porque, ao contrrio do utpico,estes pensadores no se preocuparam em imaginarcomo seria a sociedade ideal. Ao invs disso, estudaram a dinmica do capitalismo, oque resultou em obras clssicas, como O Capital eManifesto do Partido Comunista. Marx e Engelsforam responsveis pela criao de algumas teorias,como a Mais-Valia, o Materialismo Histrico e a Lutade Classes. Segundo eles, o capitalismo seria substitudo pelosocialismo, a partir do momento que os trabalhadoresadquirissem conscincia de que estavam sendoexplorados. Afirmaram, tambm, que o socialismo seriaapenas uma etapa intermediria, porm, necessria,para se alcanar a sociedade comunista. 21. O ComunismoO comunismo representaria o momento mximo da evoluohistrica, momento em que a sociedade no estaria maisdividida em classes, no haveria a propriedade privada, nem anecessidade de Estado. 22. A Revoluo Industrial e o Servio SocialIamamoto (1998), assinala que o Servio Social surgiu comouma das estratgias concretas de disciplinamento, controle ereproduo da fora de trabalho. E seu papel conter econtrolar as lutas sociais.