revolucao industrial

Download REVOLUCAO INDUSTRIAL

Post on 28-Aug-2015

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Créditos a professora de Geografia/História Alessandra Rosa, cujo criou os slides.

TRANSCRIPT

  • REVOLUO INDUSTRIAL

  • Por que a indstria comeou na Inglaterra?A Revoluo Puritana (1642-1649) e a Revoluo Gloriosa (1688) fizeram o poder poltico de governar passar do rei para o Parlamento.Muitos burgueses (proprietrios rurais, comerciantes, donos de manufaturas) passaram a fazer parte do Parlamento e, assim, elaborar leis que incentivassem seus negcios.

  • O Banco da Inglaterra, fundado em 1694, financiava o comrcio martimo e as manufaturas.Portos, estradas e canais foram construdos para apoiar e facilitar o comrcio.O fortalecimento da marinha inglesa cresceu com a famlia Tudor e com as leis dos atos de navegao de Cromwell, passando a controlar a maior parte das rotas martimas comerciais.

  • Os Atos de Navegao, de 1651, durante o governo de Cromwell estabeleceram que s entrariam mercadorias no pas transportados por navios ingleses.A venda dos produtos manufaturados para as reas coloniais distantes se tornou fonte de riqueza.Na rea rural, melhorias na agricultura e criao de animais aumentaram a oferta de matria-prima.

  • Alm disso, tinham acesso a matrias primas vindas de outros continentes, como o algodo da ndia e das colnias na Amrica.A Inglaterra tambm possua grandes reservas naturais de carvo e ferro.Outro fator que ajudou na industrializao inglesa foram os enclousures, ou cercamentos, que expulsaram os camponeses das terras comunais. Esses camponeses foram para as cidades e se tornaram uma fora de trabalho numerosa e barata para as nascentes fbricas.

  • Colnias Inglesas do sculo XIX

  • Mas antes das mquinas...Artesanato Cada arteso produzia com o uso de ferramentas, sua prpria fora muscular e no havia diviso de trabalho. Na Idade Mdia surgiram as Corporaes de Ofcio que eram associaes para regulamentar o processo produtivo artesanal nas cidades que contavam com mais de 10 mil habitantes. Cada corporao agregava pessoas que exerciam o mesmo ofcio. Eram elas as responsveis por determinar preos, qualidade, quantidades da produo, margem de lucro, o aprendizado e a hierarquia de trabalho.

  • Sistema Domstico empresrio comprava a matria-prima, levava at a casa do arteso e dizia o que queria que ele fizesse. Pagava ao arteso o preo combinado e depois vendia o produto ao preo que ele achasse melhor.

  • Manufaturas surgem no sculo XVI. Usavam-se mquinas simples (trao humana) e diviso de trabalho. No sculo XVIII os comerciantes passaram a perceber que a falta de um arteso comprometia e diminuia a produo alm disso, queriamaumentar a produo da veio a ideia da inveo das mquinas surgimento da indstria. Cada nova inveno impulsionava outras para os demais setores da fbrica.

  • Indstria ou Maquinofatura a produo das fbricas se caracterizou pelo uso de mquinas, que aumentaram de forma extraordinria a velocidade e o volume da produo. Os trabalhadores operavam as mquinas e garantiam a sua manuteno. A tecnologia se tornou a resposta para todos os problemas. Se olhava o futuro com mais esperana, principalmente, os donos das fbricas.

  • As MquinasAs novas mquinas tinham um motor que aumentava a velocidade e a fora da produo.1753 John Kay criou a lanadeira volante. Movida por fora mecnica, tecia peas mais largas e em ritmo mais rpido.1764 James Hargreaves inventou a spinning jenny, uma mquina de tear pequena que podia ser instalada na casa dos artesos.

  • 1814 Richard Arkwright usou a fora da gua para movimentar as engrenagens da sua water-frame. Mas essa mquina exigia um local especfico para a fbrica, prximo a um rio e precisava de bastante espao.Mas o mais importante invento foi feito em 1760 com James Watt que aperfeioou a mquina a vapor. Essa mquina passou a ser usada para movimentar as pesadas mquinas da indstria txtil.

  • As grandes jazidas de ferro, e carvo ajudaram a Inglaterra a ser a pioneira na indstria. O Ferro era um metal resistente e se tornou matria-prima bsica para a produo das mquinas. O Carvo, primeiro o vegetal e depois o mineral, tambm se tornou importante, como fonte de energia para as indstrias.

  • Para obteno tanto do ferro, quanto do carvo, muitas reas de floresta foram destrudas.Alm disso, o ar ficava cheio de poeira de ferro e os detritos eram jogados nos rios.

  • TransportesA mquina a vapor ajudou a modernizar a indstria e tambm os meios de transporte da poca.O barco a vapor e o trem a vapor ficaram mais rpidos, melhorando o transportes de pessoas, matrias-primas e produtos.Os primeiros trens atingiam cerca de 50km/h.

  • Sociedade IndustrialBurguesia classe social dos capitalistas, ou seja, dos donos das fbricas, dos bancos, das mquinas, das terras. Essas pessoas se apropriam do lucro gerado pelo trabalho dos operrios.Proletariado classe social dos operrios, ou seja, os trabalhadores assalariados das fbricas. Eles possuem fora de trabalho que vendida aos capitalistas em troca de um salrio.

  • Os operrios trabalhavam em pssimas condies de trabalho:As fbricas eram quentes, midas, sujas e escuras.Trabalhavam at 16h por dia.Muitos trabalhadores ficavam doentes por causa do ar poludo das fbricas.Por causa do cansao eram comuns acidentes entre os operrios.Os salrios eram baixssimos.E muitos operrios eram tratados com violncia.

  • O trabalho infantil era comum durante a Revoluo Industrial.Crianas menores de 9 anos trabalhavam e ganhavam menos ainda que um adulto. Muitas chegavam mesmo a morar nas fbricas.

  • Ruas e moradias dos operrios ruas estreitas, escuras, sujas, cheias de mendigos, prostitutas e desempregados. As casas prximas as fbricas e construdas por seus donos, 2 andares, geminadas, quarto em cima, sala e cozinha em baixo, muitas pessoas habitavam juntas, banheiro do lado de fora, fossa com mau cheiro, poderia ser limpa e as fezes utilizadas como esterco ou simplesmente ser atirada na rua.

  • A gua era coletada em bicas espalhadas pela cidade. A alimentao baseada em batatas, arenque, tripas, orelhas e ps de porco ou cabrito e po.Por causa das pssimas condies de higiene, doenas como a clera ou a tuberculose eram comuns.

  • Os Operrios se OrganizamOrganizao de classe dos operrios sculo XVIII teceles fazem a primeira associao trabalhista por melhores salrios, quanto maior a indstria, maior e mais forte era a associao. Trabalhava-se de 14 a 16h por dia em p, sem frias, sem descanso remunerado semanal, sem qualquer direito trabalhista. Ludismo movimento de operrios desempregados por causa das mquinas quebra das mquinas violenta represso policial com a priso e morte dos lderes. (Ned Ludd)1824 Parlamento ingls permite as associaes de operrios - Trade Unions ou primeiros Sindicatos.

  • Explodiram greves e o aumento das associaes por toda a Inglaterra as manifestaes eram reprimidas com violncia pela polcia com prises e execuo dos lderes.Cartismo movimento da classe operria inglesa para reivindicar direitos polticos em 1837. Associao de operrios enviou ao Parlamento ingls uma Carta ao Povo documento que reivindicava volto secreto, sufrgio universal masculino, renovao do parlamento anualmente. A petio conseguiu 1 milho de assinaturas pelas associaes do pas, mas foi recusada pelo Parlamento, o que gerou mais greves, manifestaes e prises.

  • 1840 2 petio pedia alm de tudo da primeira, mais aumentos de salrios e reduo da jornada de trabalho mais de 3,3 milhes de assinaturas. Pela 1 vez, foram ouvidos.Aos poucos, as lutas dos operrios surtiram efeitos e mudaram a legislao inglesa.

  • Cronologia das conquistas trabalhistas na Inglaterra:1802 proibio de mais de 12 horas de trabalho para crianas1819 proibio de trabalho para crianas menores de 9 anos1824 permisso do parlamento para a existncia das associaes1833 crianas entre 10 e 13 anos s poderiam trabalhar 48h/semana e crianas/adolescentes entre 13 e 18 anos s poderiam trabalhar 69h/semana.1842 proibio de trabalho infantil e feminino em minas de carvo.1878 mulheres s poderiam trabalhar 56h/semana em fbricas txtil e 60h/semana nas outras.1919 jornada de trabalho de 8h/dia.

  • *