rede cedes - publicaÇÕes

Download REDE CEDES - PUBLICAÇÕES

Post on 11-Jul-2015

159 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Publicaes da Rede CEDESBraslia - 2010

Presidente da Repblica Luiz Incio Lula da Silva Ministro do Esporte Orlando Silva de Jesus Jnior Secretrio Executivo do Ministrio do Esporte Waldemar Manoel Silva de Souza Secretria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Rejane Penna Rodrigues Secretrio Nacional de Esporte Educacional Fbio Roberto Hansen Secretrio Nacional de Esporte de Alto Rendimento Ricardo Leyser Gonalves

Organizao Departamento de Cincia e Tecnologia do Esporte Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Leila Mirtes Santos de Magalhes Pinto Patricia Zingoni Machado de Morais Elaborao Departamento de Cincia e Tecnologia do Esporte Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Alisson Valentim Pereira de Souza Mariana de Melo Rabelo Helen Wernik Nascimento Maria Bernadete Falco da Silva Reviso Maria Bernadete Falco da Silva Projeto grfico, diagramao e capa Grfica Supernova Impresso Grfica Supernova

SUMRIOAPRESENTAOApresentao 1 | 04 Apresentao 2 | 05

INTRODUO - 06 PUBLICAES1 BRINCAR, JOGAR, VIVER: PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE | 09 2 BRINCAR, JOGAR, VIVER: LAZER E INTERSETORIALIDADE COM O PELC | 10 3 BRINCAR, JOGAR, VIVER: IX JOGOS DOS POVOS INDGENAS | 11 4 DOCUMENTRIO IX JOGOS DOS POVOS INDGENAS | 12 5 PRMIO BRASIL DE ESPORTE E LAZER DE INCLUSO SOCIAL: COLETNEA DOS PREMIADOS DE 2008 | 13 6 LEGADOS DE MEGAEVENTOS ESPORTIVOS | 14 7 JOGOS E CIDADES: ORDENAMENTO TERRITORIAL URBANO EM GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS | 15 8 OLIMPISMO E EDUCAO OLMPICA NO BRASIL | 16 9 SOBRE LAZER E POLTICA: MANEIRAS DE VER, MANEIRAS DE FAZER | 17 10 POLTICAS DE LAZER E SUAS MLTIPLAS INTERFACES NO COTIDIANO URBANO | 18 11 POLTICA E LAZER: INTERFACES E PERSPECTIVAS | 19 12 ESPORTE E LAZER NA CIDADE DE SO LUS DO MARANHO: ELEMENTOS PARA CONSTRUO DE UMA POLTICA PBLICA | 20 13 POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER NA CIDADE DO RIO GRANDE | 21 14 IMPACTO DAS POLTICAS DE LAZER NA REGIO DO BAIRRO AERO RANCHO, CAMPO GRANDE MS | 22 15 NEOLIBERALISMO E POLTICAS DE LAZER - APONTAMENTOS CRTICOS: CINCO ANOS DE PESQUISA DO OBSERVATRIO DE POLTICAS SOCIAIS DE EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER DO GRANDE ABC/GEPOSEF | 23 16 ESPORTE, EDUCAO, CORPO E SADE - APONTAMENTOS CRTICOS: CINCO ANOS DE PESQUISA DO OBSERVATRIO DE POLTICAS SOCIAIS DE EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER DO GRANDE ABC/GEPOSEF | 24 17 ESTADO, POLTICA E EMANCIPAO HUMANA: LAZER, EDUCAO, ESPORTE E SADE COMO DIREITOS SOCIAIS | 25 18 CULTURA, EDUCAO, LAZER E ESPORTE: FUNDAMENTOS, BALANOS E ANOTAES CRTICAS | 26 19 PRAA PBLICA | 27 20 SEMINRIO NACIONAL DE POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER: RETROSPECTIVA HISTRICA | 28 21 ESPORTE E LAZER: SUBSDIOS PARA O DESENVOLVIMENTO E A GESTO DE POLTICAS PBLICAS | 29 22 GESTO DE POLTICAS DE ESPORTE E LAZER: EXPERINCIAS, INOVAES, POTENCIALIDADES E DESAFIOS | 30 23 LAZER, CULTURA E PATRIMNIO AMBIENTAL URBANO: POLTICAS PBLICAS | 31 24 ESPAOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER EM REGIO METROPOLITANA | 32

25 POLTICAS PBLICAS DE LAZER: FORMAO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL | 33 26 PODER PBLICO, TERCEIRO SETOR E CONTROLE SOCIAL: INTERFACES NA CONSTRUO DE POLTICAS DE ESPORTES E LAZER | 34 27 AVALIAO DE POLTICAS E POLTICAS DE AVALIAO: QUESTES PARA O ESPORTE E O LAZER | 35 28 DIAGNSTICO DO ESPORTE E LAZER NA REGIO NORTE BRASILEIRA: O EXISTENTE E O NECESSRIO | 36 29 PAPPEL SOCIAL: PROGRAMA DE AVALIAO DE POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER | 37 30 TRABALHO PEDAGGICO E FORMAO DE PROFESSORES/MILITANTES CULTURAIS: CONSTRUINDO POLTICAS PBLICAS PARA A EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER | 38 31 INFNCIAS NA METRPOLE | 39 32 PENSANDO SOBRE POLTICAS PBLICAS DE LAZER PARA JUVENTUDES EM CONTEXTOS DE VULNERABILIDADE SOCIAL: CONTRIBUIES A PARTIR DE PESQUISA EM RIBEIRO DAS NEVES | 40 33 ENVELHECIMENTO E VIDA SAUDVEL | 41 34 VIVENDO E ENVELHECENDO: RECORTES DE PRTICAS SOCIAIS NOS NCLEOS DE VIDA SAUDVEL | 42 35 GNERO E RAA: INCLUSO NO ESPORTE E LAZER | 43 36 PRTICAS CORPORAIS: GNESE DE UM MOVIMENTO INVESTIGATIVO EM EDUCAO FSICA | 44 37 PRTICAS CORPORAIS: TRILHANDO E COMPAR(TRILHANDO) AS AES EM EDUCAO FSICA | 45 38 PRTICAS CORPORAIS: EXPERINCIAS EM EDUCAO FSICA PARA UMA FORMAO HUMANA | 46 39 PRTICAS CORPORAIS: CONSTRUINDO OUTROS SABERES EM EDUCAO FSICA | 47 40 ESPORTE E LAZER NA CIDADE: PRTICAS CORPORAIS RE-SIGNIFICADAS | 48 41 ESPORTE E LAZER NA CIDADE: A PRTICA TEORIZADA E A TEORIA PRATICADA | 49 42 PRTICAS CORPORAIS NO CONTEXTO CONTEMPORNEO: (IN)TENSAS EXPERINCIAS | 50 43 MOVIMENTOS CORPORAIS NAS ESCOLAS: AS LUTAS | 51 44 DANA E DIVERSIDADE HUMANA | 52 45 ENSAIOS ALTERNATIVOS LATINO-AMERICANOS DE EDUCAO FSICA, ESPORTES E SADE | 53 46 CAMPOS DE VISIBILIDADE DA CAPOEIRA BAIANA: AS FESTAS POPULARES, AS ESCOLAS DE CAPOEIRA, O CINEMA E A ARTE (1955-1985) | 54 47 ETNO-DESPORTO INDGENA: CONTRIBUIES DA ANTROPOLOGIA SOCIAL | 55 48 ESPORTE E CINEMA: NOVOS OLHARES | 56 49 HISTRIA COMPARADA DO ESPORTE | 57 50 ESPORTE NA CIDADE: ESTUDOS ETNOGRFICOS SOBRE SOCIABILIDADES | 58 51 LEVANTAMENTO DA PRODUO SOBRE O FUTEBOL NAS CINCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE 1980 A 2007 | 59 52 ENTRE O MAR E A MONTANHA: ESPORTE, AVENTURA E NATUREZA NO RIO DE JANEIRO | 60 53 EM BUSCA DE AVENTURA: MLTIPLOS OLHARES SOBRE ESPORTE, LAZER E NATUREZA | 61 54 LAZER, TURISMO E INCLUSO SOCIAL: FUNDAMENTOS & ESTRATGIAS DE INTERVENO COM IDOSOS | 62 55 POLTICAS DE LAZER E SADE EM ESPAOS URBANOS | 63 56 EDUCAO FSICA E SADE COLETIVA: POLTICAS DE FORMAO E PERSPECTIVAS DE INTERVENO | 64

57 CENRIOS LDICOS EM UNIDADES DE SADE DA FAMLIA: REFLEXES E PERSPECTIVAS | 65 58 DE PORTAS ABERTAS PARA O LAZER: A CULTURA LDICA NAS COMUNIDADES DE BAIRRO | 66 59 RECREAO, ESPORTE E LAZER: ESPAO, TEMPO E ATITUDE | 67 60 LAZER NA AMRICA LATINA / TIEMPO LIBRE, OCIO Y RECREACIN EN LATINOAMRICA | 68 61 GARIMPANDO MEMRIAS: ESPORTE, EDUCAO FSICA, LAZER E DANA | 69 62 NOS RECNDITOS DA MEMRIA: O ACERVO PESSOAL DE INEZIL PENNA MARINHO | 70 63 LAZER, ESPORTE E EDUCAO FSICA: PESQUISAS E INTERVENES DA REDE CEDES/UFJF | 71 64 EDUCAO FSICA E PRODUO DE CONHECIMENTO | 72 65 NUTESES - NCLEO BRASILEIRO DE DISSERTAES E TESES EM EDUCAO FSICA E ESPORTES: PRODUO CIENTFICA EM EDUCAO FSICA E ESPORTES | 73 66 NUTESES - NCLEO BRASILEIRO DE DISSERTAES E TESES EM EDUCAO FSICA E ESPORTES: PRODUO CIENTFICA RELACIONADA PESSOA PORTADORA DE DEFICINCIA | 74 67 NUTESES - NCLEO BRASILEIRO DE DISSERTAES E TESES EM EDUCAO FSICA E ESPORTES: PRODUO CIENTFICA EM EDUCAO FSICA E ESPORTES | 75 68 BOLETIM EDUCAO FSICA | 76 69 OBSERVATRIO DA MDIA ESPORTIVA: A COBERTURA JORNALSTICA DOS JOGOS ABERTOS DE SANTA CATARINA | 77 70 OBSERVANDO O PAN RIO/2007 NA MDIA | 78 71 TORCEDORES, MDIA E POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER: NO DISTRITO FEDERAL | 79

PROJETOS DE PESQUISA DA REDE CEDES - 80 a 85

APRESENTAO 1

Nos ltimos anos o esporte e o lazer vm assumindo papel de destaque no Brasil, o que implica maior responsabilidade do poder pblico. A criao, em 2003, do Ministrio do Esporte como rgo especfico para implementar e consolidar polticas pblicas para estas reas foi, sem dvida alguma, uma grande conquista. O Brasil, ao sediar megaeventos esportivos de relevncia mundial como a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olmpicos e Paraolmpicos de 2016, chama para si, tambm, o compromisso de desenvolver o esporte e o lazer, no s no que tange a infraestrutura esportiva e eventos, mas tambm na garantia do direito de acesso a todos os cidados brasileiros, conforme prev a Constituio de 1988. Entretanto, esse acesso precisa ser qualificado, o que elevar a cultura esportiva dos brasileiros, necessitando, para tal, de desenvolvimento de cincia e de tecnologia aliada a aes educativas na rea. Ao possibilitar a produo cientfica, o registro e a socializao dos resultados de pesquisas, a Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer (SNDEL) contribui para o avano do fomento e da difuso de conhecimentos na perspectiva da qualificao das polticas pblicas de esporte e lazer. E se este conhecimento for construdo de forma interdisciplinar, atendendo demandas intersetoriais, compreendendo no s o debate temtico que estabelece como tambm a socializao dos contedos sistematizados, o resultado dos argumentos e debates produzidos de forma participativa e democrtica, ter maiores condies de contribuio para as polticas pblicas desenvolvidas pelo Ministrio do Esporte. Por isso, confiamos que a publicao que temos o prazer de apresentar neste momento ter papel estratgico no alcance de objetivos emblemticos para nossa rea, como a mobilizao para a democratizao das prticas de esporte e lazer e o fomento a conhecimentos que possam ampliar a compreenso da importncia, benefcios e limites dessa poltica, contribuindo, tambm para a consolidao do esporte e do lazer na agenda da Cincia e Tecnologia do Governo Brasileiro. Faam boa leitura das publicaes aqui apresentadas, fruto do trabalho desenvolvido por nossa Secretaria, especialmente pela Rede CEDES, que coordenada pelo nosso Departamento de Cincia e Tecnologia do Esporte/DCTEC.

Rejane Penna Rodrigues Secretria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Ministrio do Esporte

04

APRESENTAO 2

A cincia nada mais que o senso comum refinado e disciplinado. G. Myrdal

At bem pouco tempo atrs, pensar em polticas pblicas de esporte e de lazer era sinnimo de aes pautadas apenas pelo senso comum. Cada municpio, estado e at mesmo a Unio agia conforme seu processo de desenvolvimento na rea ou, o que era mais comum, de acordo com a vontade dos gestores de cada perodo. O resultado eram polticas pblicas que se limitavam a realizar alguns eventos em datas comemorativas, distribuir uniformes, trofus e medalhas, realizar competies esportivas, ou mesmo apoiar uma equipe de esporte de rendimento, quase sempre restrita ao futebol. O direito social e universal de acesso ao esporte e ao lazer ficava limitado aos espaos privados, ou seja, usufrua desse direito quem pudesse pagar. Pouca era a produo cientfica na rea e, praticamente, nenhum o dilogo entre o conhecimento produzido e a ao desenvolvida. Cientista, pesquisador era mito entre aqueles que eram responsveis pela ao os gestores. O dilogo entre gestor e pesquisador s acontecia em raros momentos de coletas de dados e entrevistas, sem preocupao, de ambas as partes, com o retorno do resultado, com vistas a qualificar a ao. Considerando que acreditamos que a cincia uma metamorfose do senso comum, que pode e deve ser qualificada, que agrega conhecimentos que permitem entender o que se faz, como se faz e por que se faz, e que a ao quem alimenta a cincia para tal, precisamos aceitar e agir tendo presente que um depende do outro, ou seja, senso comum e cincia compem a necessidade de entender o mundo, para se viver melhor nele. Essa a proposta do Programa Esporte e Lazer da Cidade PELC , ao reunir dois grandes eixos em sua estrutura: os ncleos de esporte recreativo e de lazer e a pesquisa. O que acontece no dia-a-dia dos ncleos, assim como nas demais polticas sociais da rea, contedo de pesquisa. Portanto, o conhecimento produzido por ela precisa voltar e qualificar a ao. Essa equao, apesar de parecer simples, gera o grande desafio do Programa: garantir que o conhecimento apresentado nesta publicao seja socializado para, de fato, contribuir com aes qualificadas que realizem o esporte e o lazer como direitos sociais que, aliados aos demais, contribuem com o desenvolvimento humano. Reunir e difundir os resultados das publicaes do PELC Rede CEDES neste material um importante passo no enfrentamento a esse desafio. Cludia Regina Bonalume Diretora do Departamento de Polticas Sociais de Esporte e de Lazer Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Ministrio do Esporte

05

INTRODUO

O plano poltico-pedaggico desenvolvido pela Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer SNDEL orienta-se pelas diretrizes de: democratizao do acesso s prticas e universalizao de conhecimentos sobre esporte e o lazer a todos os cidados brasileiros: crianas, jovens, adultos e idosos, dos diferentes gneros e etnias, com diferentes habilidades corporais e, especialmente, pertencentes aos segmentos sociais e comunidades que vivem em circunstncias de desvantagens educativa e econmica; desenvolvimento de aes educativas na perspectiva da emancipao humana, do desenvolvimento comunitrio e da transformao de polticas de governo em polticas de estado com vistas garantia de direitos; valorizao da diversidade cultural das prticas esportivas e de lazer, especialmente as de criao nacional; desenvolvimento de aes estratgicas que articulem pesquisas com aes educativas, informao e prticas de gesto de polticas pblicas, indispensveis qualificao das polticas educativas de esporte e lazer como fator de desenvolvimento humano e incluso social e cultural; implementao de aes intersetoriais, ampliando abrangncia de atuao sobre dilemas e oportunidades tratados; articulao de redes de cooperao com universidades, estados, municpios e outros ministrios, para o trato das demandas sociais sob sua responsabilidade; articulao de redes de cooperao internacional, direcionadas para o desenvolvimento da cincia e tecnologia social em esporte e lazer, pautando-se pelo respeito autonomia, a soberania cultural dos povos e a colaborao solidria. O exerccio dessas diretrizes implicou a implementao do Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC) estruturado a partir de dois grandes eixos: os Ncleos de Esporte Recreativo e de Lazer e a Rede CEDES Centros de Desenvolvimento de Esporte Recreativo e de Lazer. Deciso que partiu do pressuposto de que a formao fundamental para o desenvolvimento de polticas pblicas de esporte e lazer. Por isso, a SNDEL elegeu quatro estratgias bsicas que orientam a realizao de suas aes, que so: AO EDUCATIVA: formao continuada de gestores, agentes, lideranas comunitrias, pesquisadores, legisladores e outros parceiros atuantes nas esferas pblicas federal, estadual e municipal, com vistas formulao e implementao de polticas pblicas de esporte e lazer de incluso social e cultural. PESQUISA: fomento de estudos, fundamentados na pesquisa social, sobre temas prioritrios para a qualificao de polticas pblicas de esporte e lazer de incluso social e cultural, expandindo e modernizando a base cientficotecnolgica que vem sendo construda sobre esporte e lazer pela pesquisa social no Brasil. GESTO COMPARTILHADA: gesto compartilhada de programas, projetos e atividades de esporte e de lazer, articulando redes de gestores, legisladores, agentes comunitrios, pesquisadores e outros parceiros do PELC, para estabelecer trocas de experincias, organizar diretrizes e qualificar prticas de gesto, e dessa forma contribuir com a qualificao da Poltica Nacional do Esporte, a construo do Sistema Nacional de Esporte e de Lazer, de mecanismos e de indicadores de controle e participao social. INFORMAO: poltica de documentao, informao e difuso, articulada a gesto do conhecimento e da informao 06

para subsidiar, avaliar e qualificar polticas pblicas de esporte e lazer de incluso social e cultural, a fim de sistematizar e difundir conhecimentos, dando suporte a intercmbios nacionais e internacionais e construo de relaes entre esporte educacional, de rendimento e de lazer. O conjunto de aes desenvolvidas pela SNDEL, a partir dessas diretrizes e estratgias, requer uma densidade de conhecimentos que possa identificar o seu valor para parceiros e populao, aprofundada a partir dos objetivos do Programa. Conhecimentos esses que possam contribuir tanto com a qualificao do que est sendo produzido quanto com os encaminhamentos de futuras aes, dotando de significados as informaes discutidas e os contedos vividos. Conhecimento o diferencial de qualidade. Essa constatao desafia a Rede CEDES a produzir e gestar conhecimentos com a adoo de estratgias de comunicao e informao, de modo que os mesmos possam ser compartilhados e usados pelas pessoas engajadas nos processos de aprendizagem e mudanas, mobilizados pelo PELC. Esse aspecto muda de forma substancial o foco das prticas educativas dos pesquisadores, gestores e agentes do Programa. Desafia todos a tecer nexos entre as prticas vividas e reflexes construdas nas investigaes, num duplo movimento que alimenta as prticas de todos e as relaes entre elas. Como parte das estratgicas de comunicao utilizadas pelo Programa para a gesto do conhecimento cientfico que produz, organizamos a presente publicao que tem como objetivo democratizar as produes da SNDEL PELC Rede CEDES. So obras editadas at o momento, que utilizam diferentes linguagens: livros, cartilhas, vdeos, DVDs e documentrios. Obras produzidas a partir de pesquisas, projetos, debates, avaliaes e eventos, realizados e/ou apoiados por esta Secretaria. Os autores das produes aqui apresentadas exercitam sensibilidade para observar, analisar e debater (in) coerncias entre discursos e prticas, baseando-se na conscincia da ao, na contextualizao de problemas, na interpretao do mundo vivido e na reflexo de fundamentos tericos e prticos. A inteno das organizadoras dessa publicao comunicar essas produes de modo que possa motivar gestores, educadores e outros pesquisadores a aprofundar discusses, dialogando com elas, mediados por suas experincias como atores sociais atuantes em diferentes contextos, grupos, organizaes, comunidades. Acreditamos que o conhecimento contribui para viabilizar a ao do sujeito no mundo e a comunicao como elo mediador do conhecimento e da ao. A alienao do sujeito pode ser superada pelo seu agir cotidiano, com base no conhecimento como produto do mundo vivido. Mas, que conhecimentos esto em jogo nas publicaes do PELC Rede CEDES? A convergncia entre a teoria e a prtica s ser possvel por meio do exerccio de interpretao e reflexo dos sujeitos envolvidos no cotidiano da ao. Reflexes que nos mostram que todos ensinam e aprendem; que podem nos ajudar a ler, compreender nossas prticas poltico-educativas e mobilizar novos conhecimentos, formao de atitudes e de comportamentos. Esse desafio envolve, especialmente, dois universos. Primeiro, o universo individual, constitudo pelo sujeito no seu tempo e espao, com suas memrias e estruturas, culturas e experincias coletivas. Universo esse que suscitou os estudos sobre: o esporte e o lazer na cidade e no campo; 07

as prticas tradicionais indgenas, quilombolas, ribeirinhas; o vivido pelas crianas, os jovens, adultos e idosos; homens e mulheres de diferentes raas; prticas ldicas construdas pelo futebol, lutas, danas, capoeira, turismo, cinema, mdias, arte, esporte de aventura e na natureza, dentre outras investigadas nas obras apresentadas nesta publicao. Em segundo lugar implica a centralidade humana nas aes vividas. Valoriza as pessoas que trabalham no Programa e que, tanto quanto os seus pblicos-alvo, tambm precisam ser beneficiados por ele. Com esse foco, vrios estudos se debruam sobre a gesto das polticas de esporte e lazer. Nesse sentido, so discutidos o PELC; a intersetorialidade; as articulaes entre esporte, cultura, lazer, educao, sade e patrimnio ambiental urbano; as relaes entre poder pblico, terceiro setor e controle social; os espaos e equipamentos de lazer; trabalhos pedaggicos e formao de agentes; a avaliao de polticas, programas e outras questes e temas que enriquecem a produo de conhecimento sobre esporte, lazer e Educao Fsica. As abordagens temticas dessas publicaes ampliam-se com outros estudos ainda em desenvolvimento e que iro compor outras edies da Rede CEDES. Ao todo, os 130 projetos at o momento desenvolvidos e em desenvolvimento pela Rede CEDES elencados nesta publicao -, renem a participao de 59 instituies de ensino superior de todas as regies brasileiras. Para ampliar a comunicao das suas produes, a Rede CEDES criou e est colocando no ar o seu Repositrio http://www.cedes.ufsc.br , coordenado pelo Grupo LaboMdia da Universidade Federal de Santa Catarina. O objetivo gerar condies de acesso livre, por meio digital, do conhecimento produzido pela Rede. Essa idia prope tambm contribuir com a consolidao da Rede, por entender que a produo, estando reunida, permite uma viso mais panormica do que produzido e contribui para qualificar as polticas pblicas de esporte e lazer. A idia do Repositrio tambm compreendida como uma ferramenta auxiliar na formao do prprio PELC, na formao da Rede e na interlocuo de ambos com os seus parceiros nacionais e internacionais. Venha compartilhar esse jogo conosco!

Leila Mirtes Santos de Magalhes Pinto Diretora do Departamento de Cincia e Tecnologia do Esporte Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Ministrio do Esporte Patricia Zingoni Machado de Morais Coordenadora Geral de Tecnologia, Cooperao e Intercmbio Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer Ministrio do Esporte

08

1 BRINCAR, JOGAR, VIVER: PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE Marcelo Pereira de Almeida Ferreira e Nelson Carvalho Marcellino (Org.). Braslia: Ministrio do Esporte, 2009. 604 p. ISBN: 978-85-60719-01-3

Nesta segunda edio esto reunidos os volumes I e II que foram publicados em 2007. Trata-se de coletnea que objetiva analisar as aes do Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC), da Secretaria de Desenvolvimento Nacional de Esporte e de Lazer, do Ministrio do Esporte, a fim de contribuir para o desenvolvimento desse Programa. A obra congrega a produo de palestrantes, oficineiros, coordenadores, agentes, pesquisadores e demais profissionais, ligados ao Programa Esporte e Lazer da Cidade, fruto da reunio de gestores do Programa, realizada pela Secretaria em Braslia DF, em 2006. O livro est dividido em cinco mdulos, a saber: palestras, oficinas, tpicos operacionais do Programa Esporte e Lazer da Cidade, relatos de experincias do projeto social do Programa Esporte e Lazer da Cidade, e Rede CEDES Centro de Desenvolvimento do Esporte Recreativo e de Lazer, o qual apresenta algumas pesquisas desenvolvidas pela Rede. A importncia deste livro para a qualificao das polticas pblicas de esporte e lazer est ligada anlise do programa social da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, do Ministrio do Esporte o PELC.

09

2 BRINCAR, JOGAR, VIVER: LAZER E INTERSETORIALIDADE COM O PELC Rejane Penna Rodrigues, Leila Mirtes Magalhes Pinto, Dbora Alice Machado da Silva, Cludia Regina Bonalume e Luiz Roberto Malheiros Arajo (Org.). Braslia: Ministrio do Esporte, 2008. 632 p. ISBN: 978-8599218-36-5

Esta publicao fruto da II Reunio Nacional dos Agentes do Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC). Essa segunda edio da reunio teve como foco a intersetorialidade das polticas sociais praticadas pela Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer com parceiros de outras secretarias nacionais e de outros ministrios. Alm de 597 agentes e parceiros, estiveram tambm presentes pesquisadores do PELC Rede CEDES (Centro de Desenvolvimento do Esporte Recreativo e de Lazer). A maior parte das palestras, debates e relatos de experincia foi aqui apresentada como nas edies anteriores BRINCAR, JOGAR, VIVER, volume I e volume II, publicadas por essa Secretaria. A primeira parte deste livro aborda o tema proposto, a intersetorialidade, e os principais desafios das polticas sociais da atualidade. J na segunda parte amplia-se o que foi debatido e discute-se a compreenso que a Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer tem do lazer e das possibilidades do PELC (tanto dos ncleos quanto da Rede CEDES) para aes intersetoriais e em rede. A terceira parte registra a contribuio dos convidados que integraram as mesas redondas e debates com a plenria. Debates que segundo a obra focam as diversas experincias e questes postas pelos palestrantes, desafiando-nos a repensar prticas vividas no Programa partindo-se de vrios olhares. Na quarta parte da obra, so apresentadas as perspectivas dos agentes do PELC. Segundo a publicao, so expostas as comunicaes orais e psteres que foram apresentados no evento. Essas exposies so importantes para se conhecer o desenvolvimento do Programa e as experincias de outros programas, vividos tambm pelos agentes, que andam de mos dadas com o PELC. Tanto os textos que relatam experincias como os que relatam pesquisas e ensaios do PELC reafirmam a qualidade do Programa e sua integrao com as polticas sociais. Assim, esta obra reafirma que as parcerias so indispensveis para que se realize o sentido pleno do objetivo do PELC, pois o que est em jogo o brincar e viver valorizando identidades, autonomias, criatividades e alegrias vividas coletivamente. 10

3 BRINCAR, JOGAR, VIVER: IX JOGOS DOS POVOS INDGENAS

Leila Mirtes Magalhes Pinto e Beleni Salte Grando (Org.). Cuiab: Central de Texto, 2010. 256 p. ISBN: 978-85-88696-78-5

Esta edio objetiva registrar o planejamento, realizao e avaliao do IX Jogos dos Povos Indgenas, ocorrido no perodo de 23 de novembro a 1 de dezembro de 2007, nas cidades de Olinda e Recife Pernambuco. Evento que foi organizado sob a responsabilidade do Comit Intertribal, com o apoio do Governo Federal, coordenado pelo Ministrio do Esporte em parceria com: FUNAI Fundao Nacional do ndio do Ministrio da Justia; FUNASA Fundao Nacional de Sade do Ministrio da Sade; SECAD Secretaria de Educao Continuada, Alfabetizao e Diversidade do Ministrio da Educao e SID Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministrio da Cultura, alm do governo do estado de Pernambuco, e das prefeituras de Recife e de Olinda. A obra rene textos de organizadores, representantes das 26 etnias participantes do IX Jogos, pesquisadores, voluntrios que trabalharam na organizao do evento, representantes institucionais e do pblico presente no evento. O livro est organizado em trs partes. A Parte I apresenta o planejamento do IX Jogos dos Povos Indgenas, e elementos sobre o brincar, jogar e viver indgena, na viso dos idealizadores do evento os irmos Marcos e Carlos Terena e do pesquisador Arthur de Almeida; a Parte II apresenta a Avaliao do IX Jogos, expondo a viso dos prprios indgenas, dos organizadores, dos voluntrios e dos participantes; a Parte III apresenta dados sobre a avaliao institucional do evento realizada com os gestores coordenados dos Jogos. Os dados das entrevistas foram organizados de forma a expressar saberes e prticas dos povos indgenas participantes e dos demais participantes do pas e do exterior que trabalharam e acompanharam todas as atividades culturais, artsticas e esportivas realizadas naquele encontro. Em suas 256 pginas, a obra visa contribuir com dados originais, subsidiando novas pesquisas nos campos da Educao, Educao Fsica, Esporte e Lazer, especialmente subsidiando as polticas pblicas de esporte e lazer tendo em vista qualificar o atendimento da populao indgena brasileira.

11

4 DOCUMENTRIO IX JOGOS DOS POVOS INDGENAS Direo: Ronaldo Duque Braslia: Ministrio da Cultura e Ministrio do Esporte, 2008. Documentrio em DVD Realizao: Instituto Terceiro Setor Produo: Fantasias Luminosas

O DVD IX Jogos dos Povos Indgenas um documentrio sobre o evento de prticas tradicionais dos povos indgenas brasileiros, realizado em 2008 nas cidades de Recife e Olinda Pernambuco. Evento que envolveu mais de 40 etnias diferentes e mais de 1.050 participantes. Segundos os idealizadores Marcos Terena e Carlos Terena, esses jogos tm como objetivos contribuir com a preservao das prticas tradicionais indgenas, suas culturas, danas, jogos, artesanatos e expresses corporais. Constituem-se, tambm, em oportunidade de interaes entre indgenas e no indgenas, mostrando a diversidade existente. O DVD documenta o processo de idealizao, organizao e realizao desse grande evento, destacando as diversas modalidades de prticas tradicionais que compem sua programao.

12

5 PRMIO BRASIL DE ESPORTE E LAZER DE INCLUSO SOCIAL: COLETNEA DOS PREMIADOS DE 2008

Leila Mirtes Magalhes Pinto e Andria Meneses Silva Lopes (Org.). Braslia: Ministrio do Esporte, 2009. 432 p. ISBN: 978-85-99218-40-2

Nas palavras do Ministro do Esporte, Orlando Silva, o Prmio Brasil de Esporte e Lazer de Incluso Social era um antigo sonho acalentado desde a criao do Ministrio em 2003. Sonho de premiar trabalhos que cumprissem o papel de instrumento de consolidao das polticas de esporte e lazer de incluso social. Em 2008 foi possvel esta concretizao com a liderana da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer na execuo desse concurso. O Prmio tem o objetivo de qualificar aes polticas nos campos do esporte e do lazer, e de valorizar os avanos da produo cientfica e tecnolgica nessa rea, que reflitam sobre problemas essenciais, dialoguem com prticas polticas e gerenciais e que promovam a dinmica inclusiva dos projetos sociais de esporte e lazer. Na obra so apresentadas snteses dos 27 trabalhos premiados nas cinco categorias da primeira edio do Prmio: (1) dissertaes, teses e pesquisas independentes; (2) monografias de graduao e especializao; (3) relatos de experincia; (4) ensaios; e (5) novas mdias. A coletnea ressalta a abrangncia desse concurso, uma vez que premia trabalhos tanto em nvel nacional categorias 4 e 5 - quanto regional categorias 1, 2 e 3. A difuso dessa produo pretende atingir gestores, agentes e pesquisadores de todo o pas, desafiando a mobilizao de reflexes que ampliem o debate sobre a importncia do esporte e do lazer como direitos sociais de brasileiros, como um dos fatores de incluso social e de qualidade de vida para toda a populao.

13

6 LEGADOS DE MEGAEVENTOS ESPORTIVOS Rejane Penna Rodrigues, Leila Mirtes Magalhes Pinto, Rodrigo Terra e Lamartine P. DaCosta (Org.). Braslia: Ministrio do Esporte, 2008. 608 p. ISBN: 978-85-61892-00-5

Este livro foi concebido a partir do Seminrio Gesto de Legados de Megaeventos Esportivos, promovido pelo Ministrio do Esporte e o Conselho Federal de Educao Fsica CONFEF. Esse evento foi realizado em maio de 2008 e reuniu mais de 250 pessoas entre gestores, estudiosos brasileiros e especialistas internacionais. Reunindo 65 artigos de pesquisadores e especialistas diferentes, a obra se dispe a socializar informaes importantes sobre os megaeventos esportivos, tema com escassas produes no pas. Os artigos publicados analisam desde limites e possibilidades relacionadas realizao dos megaeventos esportivos at impactos que podem ser alcanados, beneficiando tanto as cidades e pases-sede como o pblico espectador e os participantes. Elucida o fortalecimento e o avano do estado anfitrio, no tocante economia, imagem, cultura, incluso social, ao meio ambiente, regenerao urbana, gesto de marketing e avanos cientficos tecnolgicos, dentre outros. O livro almeja ser uma contribuio ao desenvolvimento do esporte como um todo, em especial no que tange captao de megaeventos esportivos de grande notoriedade, tratando, especialmente, de temas significativos e subsdios determinantes para a gesto dos legados dos megaeventos - a consecuo dos mesmos e o seu favorecimento. A publicao evidencia o Governo Federal como protagonista nesse segmento, voltado cada vez mais para a qualidade de suas realizaes, haja vista os resultados dos Jogos PAN e PARAPAN-AMERICANOS de 2007 e a preparao do pas para sediar os Jogos Mundiais Militares de 2011, a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e os Jogos Olmpicos de 2016. Megaeventos que vm atraindo investimentos diversos, ganhando espaos cada vez maiores nas mdias, reafirmando-se como fenmenos scio-culturais polticos relevantes da atualidade.

14

7 JOGOS E CIDADES: ORDENAMENTO TERRITORIAL URBANO EM GRANDES EVENTOS ESPORTIVOS Svio Raeder Braslia: Ministrio do Esporte, 2010. 172 p. ISBN: 978-85-63445-01-8 Estudo classificado em primeiro lugar no 1 Prmio Brasil de Esporte e Lazer de Incluso Social na Categoria: dissertaes, teses e pesquisa independentes regio SudesteMegaeventos esportivos, ou grandes eventos esportivos (GEEs), tm sido empreendidos por diversas cidades do mundo, muitas vezes sob um discurso no qual se apresentam como oportunidades para impulsionar o desenvolvimento urbano. Os grandes eventos esportivos se configuram como grandes projetos urbanos (GPUs), dada a escala de interveno que assumem nas cidades cujos gestores esto dispostos a concorrer em acirrada competio para sediar tais eventos. Esses grandes eventos assumem propores monumentais a ponto de as prprias cidades serem tomadas como espetculo a ser desfrutado por consumidores e capitais vidos por novos territrios de lazer e acumulao. O ordenamento territorial urbano empreendido nesse contexto considerando-se os impactos conformados, as estratgias dos atores hegemnicos e os conflitos decorrentes - o foco desse estudo que analisa primordialmente os Jogos Olmpicos e os Jogos Pan-americanos. Tal ordenamento abordado com um enfoque especial para a ao do estado na sua conformao. Esse esforo analtico conta ainda com uma proposta de tipologia que orienta a compreenso do fenmeno numa perspectiva scio-espacial. Para tanto, foram definidas quatro categorias-chave que podem ser tomadas como indicadores de avaliao dos impactos urbanos promovidos pelos GEEs: as vilas de atletas, as estruturas de transportes, os reassentamentos de famlias e os equipamentos esportivos. O trabalho se divide em dois segmentos. No primeiro discute-se o ordenamento territorial urbano luz dos elementos constitutivos do chamado empreendedorismo urbano, que se apresenta como um conjunto de prticas urbanas consoantes com a modernizao capitalista vigente. Enfoque especial dado ao processo de espetacularizao das cidades e aos grandes projetos urbanos, e s temticas da escala e da desigualdade espaciais. No segundo segmento so tecidas algumas consideraes, orientadas pela tipologia supracitada, acerca dos impactos urbanos produzidos em alguns grandes eventos esportivos. Destaque dado ao que se tomou como principal objeto emprico do estudo: os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro de 2007. Precede a concluso do trabalho uma discusso sobre conflitos urbanos observados nesses grandes eventos. So principais referncias autorais nesse estudo: Milton Santos, David Harvey, Guy Debord e Antonio Gramsci. Esta obra, que se representa como uma contribuio para o debate sobre polticas pblicas em sedes de megaeventos esportivos, foi desenvolvida como dissertao de mestrado em Geografia da Universidade Federal Fluminense. 15

8 OLIMPISMO E EDUCAO OLMPICA NO BRASIL Alberto Reinaldo Reppold Filho, Rejane Penna Rodrigues, Leila Mirtes Santos Magalhes Pinto e Selda Engelman (Org.). Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 268 p. ISBN: 978-85-386-0053-4A obra uma coletnea, com 21 captulos, relacionada ao III Frum de Desenvolvimento do Esporte Olmpico, realizado em maio de 2009, na cidade de Natal Rio Grande do Norte. Trata-se de uma publicao conjunta entre o Ministrio do Esporte e o Centro de Estudos Olmpicos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O livro tem como tema central o Olimpismo e a Educao Olmpica no Brasil. A Educao Olmpica caracterizada por um conjunto de atividades educativas de carter multidisciplinar e transversal, tendo como eixo integrador os valores olmpicos. Esta publicao, ento, estabelece uma interface entre o Olimpismo e a Educao Olmpica construda pela filosofia, a pedagogia, a histria e a cultura. No livro, so discutidos aspectos tericos e prticos de experincias brasileiras e internacionais na rea. A obra est organizada em quatro partes. Na primeira, so tratados aspectos histricos e filosficos do Olimpismo, com nfase nas idias de Pierre de Coubertin, e suas implicaes para a Educao Olmpica no Brasil e em outros pases. A segunda parte compreende um conjunto de estudos sobre as relaes da Educao Olmpica com a cultura e a educao. Lazer, multiculturalismo, alteridade, cidadania e promoo da sade so alguns dos temas tratados. A parte seguinte focaliza experincias de Educao Olmpica no Brasil. So apresentadas tambm propostas para o desenvolvimento da Educao Olmpica no pas e diretrizes para avaliar os valores olmpicos de projetos em andamento. A parte final congrega os estudos sobre Educao Olmpica, histria e memria. Os museus e centros de documentao recebem especial ateno pelo importante papel que desempenham na Educao Olmpica. So espaos, ao mesmo tempo, de preservao da memria e promoo dos valores olmpicos. Os captulos que fecham essa parte apresentam o historiador em seu ofcio, produzindo fontes, resgatando a memria, contando a histria, to importante para aqueles que trabalham com a Educao Olmpica. O livro se encerra com reflexo sobre os desafios colocados pela Educao Olmpica para as polticas pblicas de esporte e lazer. Em termos de polticas pblicas, a obra situa-se no contexto das discusses referentes ao legado scio-cultural dos Jogos Olmpicos a serem realizados no Rio de Janeiro, em 2016. Ela tambm enfatiza a importncia da educao e do esporte na promoo de valores positivos, em especial entre crianas e jovens, e do poder pblico na formulao de polticas para a consecuo desses fins.

16

9 SOBRE LAZER E POLTICA: MANEIRAS DE VER, MANEIRAS DE FAZER Hlder Isayama e Meily Assb Linhales (Org.) Natal: Editora CEFET, 2007. 208 p. ISBN: 978-85-895-7121-1

Em 2004 foi constitudo, na UFMG, o Grupo de Estudos sobre Polticas Pblicas de Esporte e Lazer Polis/CELAR , com o desafio de conhecer e interpretar as balizas tcnico-conceituais que tm informado estudos, anlises e avaliaes relativas ao papel do Estado nos processos de organizao de polticas, em especial, de polticas sociais. Nesse desafio de apropriao reflexiva e compartilhada, o grupo se orienta por um olhar crtico e interrogativo sobre as chamadas polticas de esporte e lazer. Comearam, ento, a ser desenhados no grupo alguns objetos de pesquisa, que foram potencializados pelo estabelecimento de convnio entre a UFMG e a Rede CEDES, da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, do Ministrio do Esporte. Em 2006, no processo de realizao de suas atividades mensais, o Polis/CELAR recebeu convite para pensar a temtica central do VII Seminrio O Lazer em Debate, decidindo-se que a poltica seria a temtica central e capaz de dialogar com o lazer, no s no sentido restrito da poltica como gesto pblica, mas tambm nas possibilidades de reflexo acerca dos processos de produo cultural de sentidos e significados e dos estreitos vnculos existentes com os estudos sobre as cidades. A qualidade dos debates suscitados nesse Seminrio motivou a organizao desta publicao, pela riqueza dos textos apresentados, pelos pontos polmicos e at divergentes entre os autores e pelas vrias possibilidades anunciadas para pensar as relaes entre o lazer e o esporte. Os textos partem de diferentes lugares acadmicos histria, filosofia, geografia, cincia poltica e educao fsica anunciando olhares sobre a poltica, o lazer e a cidade. O livro foi dividido em trs partes. Na primeira, Lazer, poltica e subjetividade, Alexandre Vaz e Carlos Jos Martins refletem sobre o lazer como interesse e como necessidade produzida na modernidade. Na segunda parte Lazer, poltica e cidade Nelson Carvalho Marcellino e Srgio Martins problematizam os espaos, os equipamentos e as manifestaes de lazer na cidade, tendo como referncias os dilemas presentes nos processos de urbanizao e a construo da cidadania. Lazer, poltica e gesto pblica o tema da terceira parte, na qual Lino Castellani Filho e Telma Menicucci estabelecem debate relativo aos direitos sociais no Brasil e construo de uma poltica nacional de lazer. Este livro vem, assim, ao encontro de uma ao conjunta que busca o desenvolvimento e a qualificao do esporte e do lazer como direitos e polticas sociais.

17

10 POLTICAS DE LAZER E SUAS MLTIPLAS INTERFACES NO COTIDIANO URBANO Lerson Fernando dos Santos Maia, Marcus Vincius de Faria Oliveira e Dlia Maria Maia Cavalcanti de Lima (Org.) Natal: Editora CEFET, 2007. 208 p. ISBN: 978-85-895-7121-1

Este livro relata o resultado de estudos realizados na cidade de Natal Rio Grande do Norte, majoritariamente, e da experincia de um programa multicultural na cidade de Recife Pernambuco. Os estudos tiveram como objetivo analisar formas como as populaes vivenciam o tempo livre e realizam atividades de lazer, tomando como referncia o espao urbano e suas interrelaes. O objeto do estudo so as polticas pblicas que visam a produzir momentos de lazer para sua populao, local ou municipal. Os dados sobre tais polticas foram coletados tanto de documentos pblicos da cidade, como de entrevistas com a comunidade, retratando a vivncia originada dessas polticas, bem como de observaes diretas dos espaos e das atividades de lazer. Foram investigados 36 bairros que conformam a cidade de Natal. A pesquisa foi desenvolvida pela Base de Pesquisa de Polticas Pblicas de Lazer, do Centro Federal de Educao Tecnolgica do Rio Grande do Norte (CEFET-RN). Os artigos reunidos no livro analisam os instrumentos de lazer, tais como: calades de lazer, localizados em diferentes bairros, e as brincadeiras de ruas. Os 16 artigos tomam como base a dicotomia existente entre a lgica do mercado imobilirio, determinada pelos interesses econmicos, e a promoo da qualidade de vida, por meio do acesso pblico ao lazer. Os textos deste livro propem tambm aprofundamento da reflexo sobre o conceito, e a consequente vivncia, do lazer, do ponto de vista da comunidade, das instituies pblicas e das organizaes da sociedade civil (ONGs) que atuam nesse campo. Tornando-se, assim, pea importante para a avaliao dos programas de implantao das polticas pblicas de lazer e de significativo interesse para a formao de profissionais do lazer.

18

11 POLTICA E LAZER: INTERFACES E PERSPECTIVASPoltica e Lazer: interfaces e perspectivas

Dulce Suassuna e Aldo Antonio de Azevedo. Braslia: Thesaurus, 2007. 240 p. ISBN: 978-85-7062-666-0

Esta publicao apresenta estudo que tem como objetivo avaliar em que medida os programas e aes governamentais, desenvolvidos nas gestes do presidente Fernando Henrique e do presidente Lula, entre 1996 e 2005, implantaram polticas de lazer, com foco nos direitos sociais. Dos oitos captulos que compem o livro, o primeiro analisa o contexto do Ministrio do Esporte, com suas aes e programas, o papel do Conselho Nacional de Esporte e os paradoxos da poltica realizada no e pelo referido ministrio. No segundo captulo, o foco recai sobre aes e programas desenvolvidos na rea da cultura, pelo Ministrio da Cultura, e sua interface com a rea do lazer, por meio de estudo documental dos planos plurianuais (PPAs), dos programas e aes e dos discursos polticos, a fim de se identificar a concepo cultural, o papel do Estado, os critrios subjacentes ao modelo delineado para a poltica pblica e a focalizao do lazer em cada governo considerado. O terceiro artigo foca o debate nas reflexes sobre o meio ambiente e sua relao com o lazer, partindo de questes conceituais para a construo da referida relao. O quarto captulo aborda o Programa Nacional de Educao Ambiental (PtonEA) com o intuito de ressignificar o lazer como proposta pedaggica para a educao ambiental. No quinto captulo, o esporte e o lazer foram estudados partindo-se de consultas documentais e da discusso acerca dos resultados encontrados, coletados entre 1996 e 2005. O sexto captulo trata da relao entre cidades e lazer, tendo como ponto de partida a constituio do Ministrio das Cidades, suas propostas e o processo de inchao das cidades no Brasil. O stimo artigo traa uma sntese propositiva para o revigoramento das polticas pblicas de lazer, buscando mapear as bifurcaes que se apresentam no caminho da conquista da cidadania participativa, buscando discutir o norte para a ao poltica de quem almeja um outro lazer, para alm da mercantilizao atual. O oitavo artigo prope uma reflexo sobre a metodologia adotada no processo de formao do Programa Esporte e Lazer da Cidade com foco na reproduo de metodologias com base em prticas dominadoras em contraposio s prticas metodolgicas libertadoras. Por fim, o conjunto da obra remete para a certeza de que a construo das polticas pblicas de lazer pressupem a articulao intersetorial, nos trs nveis de governo, e um olhar interdisciplinar que envolva, alm dos pressupostos da educao fsica, o olhar das cincias sociais. 19

12 ESPORTE E LAZER NA CIDADE DE SO LUS DO MARANHO: ELEMENTOS PARA CONSTRUO DE UMA POLTICA PBLICA Silvana Martins de Arajo e Raimundo Nonato Assuno Viana (Org.). So Lus: EDUFMA, 2008. 134 p. ISBN: 978-85-7862-031-8

O livro fruto de um trabalho coletivo, realizado por pesquisadores e acadmicos da Universidade Federal do Maranho, resultante de pesquisa do Ncleo da Rede CEDES, financiada pelo Ministrio do Esporte. A obra composta por seis artigos com o objetivo de oferecer subsdios para a elaborao de uma poltica pblica de esporte e lazer na cidade de So Lus MA. O primeiro artigo, intitulado Os ordenamentos legais do unicpio de So Lus MA: o esporte e o lazer em foco, de autoria de Silvana Araujo, Kytania Dominici e Girlane Cardoso, analisa, por meio de pesquisa documental, a trajetria que o esporte e o lazer, como direitos sociais, tm assumido nos ordenamentos legais que compem a poltica setorial. O texto Polticas pblicas de esporte e lazer em So Lus MA: a gesto, participao popular e o controle social em discusso, de Silvana Araujo e Ywry Magalhes, tece consideraes sobre a participao popular nas polticas pblicas em geral e no esporte e lazer em especial, a partir da pesquisa de campo. No terceiro artigo, Financiamento de polticas de esporte e lazer em So Lus MA: o oficial, o dito e o observvel, os autores Carlos Fernandes e Samyr Bezerra apresentam a premissa de que o oramento e financiamento so aspectos da realidade organizacional e gerencial da administrao. Em Espao urbano como aspecto constituinte da poltica de esporte e lazer em So Lus MA, as autoras Nilza Reis, Rarielle Lima e Sylvianne Gomes analisam as polticas pblicas nos aspectos voltados para os espaos de esporte e lazer, tomando como referncia emprica a atuao da Fundao Municipal de Desporto e Lazer (FUMDEL). No quinto artigo, Poltica de animao em So Lus MA: atuao da FUMDEL, Kytania Dominici e Marconi Silva abordam a poltica de animao desenvolvida pela FUMDEL realizadas num determinado espao em um tempo de lazer, em contraposio ao que foi planejado pela gesto municipal. No texto Os agentes sociais de esporte e lazer em So Lus - MA: o Projeto Movimento e Resgate Esportivo, Ana Paula Vieira e Rafael Silva identificam a formao, o processo de seleo, o regime de contratao e as funes exercidas pelos agentes sociais de esporte e lazer na investigao do Projeto Movimento e Resgate Esportivo, desenvolvido pela FUMDEL. Esta obra indica quais equvocos e limitaes foram identificados e assinala orientaes para universalizar o acesso ao esporte e lazer, em todas as suas dimenses, na cidade de So Lus do Maranho.

20

13 POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER NA CIDADE DO RIO GRANDE Luiz Felipe Alcntara Hecktheuer, Manoel Luis Martins da Cruz, Mri Rosane Santos da Silva, Mirella Pinto Valrio e Tatiana Teixeira Silveira (Org.). Rio Grande: Salisgraf Editora e Grfica Ltda, 2009. 92 p. ISBN: 978-85-7566-129-1Esta obra traduz o resultado de quatro estudos aplicados na cidade de Rio Grande - Rio Grande do Sul pelo Ncleo de Estudos do Lazer da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), ligado Rede CEDES. O primeiro artigo relata o resumo de pesquisa a qual teve como objetivos: analisar as polticas de lazer existentes no municpio, entre 1997 e 2008; avaliar os equipamentos pblicos de lazer; e mapear os espaos passveis de se tornarem espaos pblicos de lazer. Ele inicialmente discute os conceitos de polticas pblicas e de lazer, alm de questionar o distanciamento entre a cidade e seus habitantes. Os dados foram coletados no partido poltico que esteve frente da administrao pblica no perodo estudado; da Secretaria Municipal de Turismo, Esportes e Lazer e do principal jornal da cidade. O segundo estudo retrata a avaliao da implantao do projeto Segundo Tempo em escolas da cidade de Rio Grande, o qual foi executado pelo SESC Servio Social do Comrcio do Rio Grande do Sul, em parceria com a Secretaria Municipal de Educao e Cultura. Ele instiga a reflexo sobre o modelo neoliberal de administrao pblica, especialmente no que diz respeito s atividades esportivas e premissa de que elas promovam a incluso social e a construo da cidadania. O artigo relata a implantao do projeto Segundo Tempo em quatro escolas de Rio Grande e ainda contempla os leitores com a trajetria evolutiva do conceito vulnerabilidade, para melhor entendimento do texto. O terceiro artigo apresenta resultado da pesquisa que teve como objetivo identificar e mapear as polticas pblicas de educao fsica nos nveis federal, estadual e municipal, no ensino formal pblico de Rio Grande, analisando o que elas tm de implicao com polticas pblicas de esporte, confrontadas com as polticas para educao fsica identificadas pelos professores de educao fsica daquela rede de ensino. O quarto artigo retrata pesquisa que buscou identificar as polticas pblicas de lazer e aes concretas de oferta de lazer voltadas para os idosos riograndinos. Para tal, os dados foram coletados nos rgos oficiais municipais e em reportagens do Jornal Agora. Tambm foram aplicadas entrevistas semiestruturadas aos coordenadores dos seis grupos em atividades no municpio. Embora focado em uma cidade, o presente livro cria oportunidade de se aprofundar a reflexo sobre os reais conceitos de polticas pblicas, esporte e lazer, de forma a facilmente se aplicar tais questionamentos a outras realidades nacionais.

21

14 IMPACTO DAS POLTICAS DE LAZER NA REGIO DO BAIRRO AERO RANCHO, CAMPO GRANDE MS Felipe Soligo Barbosa, Luciane Coelho Rabel, Joyce Priscila Samudio da Silva e Julio Arani Pinheiro Xavier. Campo Grande: UCDB, 2008. 88 p. ISBN: 978-85-7598-142-9Esta publicao apresenta o resultado de estudo que teve como objetivo descrever e avaliar o programa de poltica pblica realizado, inicialmente, pelo governo do estado do Mato Grosso do Sul, no Parque Ayrton Senna, posteriormente municipalizado. A pesquisa geradora deste livro foi realizada por meio de anlise bibliogrfica, documental e de campo. Em abril de 2007 foi firmado convnio entre a prefeitura de Campo Grande Mato Grosso do Sul e a Universidade Catlica Dom Bosco (UCDB), como extenso universitria, para a realizao de atividades esportivas, educativas e de lazer no Parque Ayrton Senna, na localidade denominada Aero Rancho, regio de grande vulnerabilidade social. Durante o perodo de atuao no Parque, a UCDB disponibilizou uma equipe de professores e docentes que foram selecionados e capacitados para atuarem no espao, em atividades de lazer e de esporte. Em 2006 e 2007 houve um crescimento nesse atendimento, chegando, em 2008, a 88.700 atendimentos anuais, em 10 modalidades diferentes de atuao. O espao tornou-se referncia por seu atendimento de qualidade e por apresentar uma equipe consolidada de professores e acadmicos que buscam, com aes de lazer e iniciao desportiva, integrar a comunidade. Os resultados da pesquisa mostram que o espao frequentado por moradores de at 13 bairros do entorno do Parque Ayrton Senna, o que fortalece a importncia do espao como referncia para a vivncia do lazer, especificamente quanto ao contedo fsico-esportivo da regio. Outro aspecto no menos importante a contribuio que o lazer pode trazer para a manuteno, preservao e at mesmo para a revitalizao do espao, tendo em vista que o conceito de patrimnio ambiental urbano expande os limites de vnculos materiais com o espao, estabelecendo pontos de referncia, inclusive vnculos afetivos. Este estudo gera a oportunidade de se aprimorar os investimentos pblicos na rea do esporte e do lazer, pois antes de construir novo espao e equipamentos de lazer, podem-se reformar e animar espaos j construdos e incorporlos ao cotidiano da populao. O livro sugere que as aes devem ser respaldadas por instrumentos legais, como a criao de leis que possibilitem que atividades desenvolvidas perdurem alm do partidarismo, visando ao benefcio da populao frequentadora do equipamento e possibilitando o acesso ao lazer, no apenas como descanso e divertimento, mas tambm como possibilidade de desenvolvimento pessoal e social.

22

15 NEOLIBERALISMO E POLTICAS DE LAZER - APONTAMENTOS CRTICOS: CINCO ANOS DE PESQUISA DO OBSERVATRIO DE POLTICAS SOCIAIS DE EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER DO GRANDE ABC/GEPOSEF Jos Lus Solazzi e Juliana Pedreschi Rodrigues (Org.). Santo Andr: Alpharrabio, 2008. 160 p. ISBN: 978-85-88014-50-3O livro resultado dos cinco anos de pesquisas do Observatrio de Polticas Sociais em Esporte e Lazer do Grande ABC, integrante do Grupo de Estudos de Polticas Sociais de Educao Fsica, Esporte e Lazer GEPOSEF. Apresenta em duas partes discusses acerca de recentes transformaes sociais que afetam diretamente os direitos sociais e o lazer. O primeiro artigo analisa o impacto das recentes transformaes nas lutas pelos direitos sociais e como esses, apesar dos dispositivos da Constituio Federal, tm sofrido frequentes cortes de aportes financeiros pelas aes estatais no campo dos direitos sociais. O segundo artigo busca compreender as possibilidades e formas de atuao que efetivem o domnio coletivo do espao pblico, questionando os sistemas de poder, as prticas polticas e as estruturas sociais voltadas para as dimenses individualizantes, segmentadas e particularistas. O terceiro artigo traa a trajetria do nascimento dos direitos sociais vinculados aos liberalismos, caracterizando tais direitos com as suas geraes e propondo uma discusso sobre o ataque neoliberal aos direitos sociais, no que tange ao esporte e ao lazer. O quarto relata acontecimentos, prticas, artigos e idias, buscando caracterizar novas correlaes entre capital e estado, como primeira reflexo para se estruturar a crtica da poltica. O quinto versa sobre a constituio dos direitos civis, polticos e sociais no Brasil, como ponto de partida lgico-histrico para teorizar a questo do direito ao lazer, na perspectiva de construir reao contra-hegemnica ao capital. O sexto artigo parte de reviso bibliogrfica para construir anlise histrica e identificar a gesto administrativa esportiva e de lazer atuais. O stimo artigo trata das implicaes do terceiro setor na rea do esporte e lazer, partindo da perspectiva crtico-dialtica. O oitavo analisa conceitos de lazer e procura demonstrar a falsidade da ciso entre liberdade e necessidade. O nono apresenta reviso bibliogrfica com foco em anlise crtica do entendimento de lazer atual e o desenvolvimento histrico desse conceito nas relaes sociais. O dcimo traz discusso sobre noo de tempo livre e lazer das mulheres nas cidades e regies metropolitanas. A discusso sobre as implicaes do neoliberalismo na construo das polticas pblicas de lazer, aqui construda, revela valiosa colaborao nas discusses e propostas de elaborao das polticas pblicas, mais especificamente no que tange rea do esporte recreativo e do lazer.

23

16 ESPORTE, EDUCAO, CORPO E SADE - APONTAMENTOS CRTICOS: CINCO ANOS DE PESQUISA DO OBSERVATRIO DE POLTICAS SOCIAIS DE EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER DO GRANDE ABC/GEPOSEF Edson Marcelo Hngaro (Org.). Santo Andr: Alpharrabio, 2008. 160 p. ISBN: 978-85-88014-51-0

O livro oferece aos leitores abordagem histrico-crtica poltica neoliberal em diferentes temas da atualidade ligados rea de educao fsica. Sendo uma coletnea mista de artigos, divide-se em trs coletneas, a saber: A Coletnea I, intitulada Neoliberalismo e polticas educacionais, trata da forma como, segundo os autores, a educao est arraigada poltica neoliberal. Nos cinco artigos que compem essa primeira parte da obra, so debatidos, respectivamente, a formao da pessoa humana e os indicadores sociais, o plano para o desenvolvimento da educao (PDE), o esporte na educao fsica escolar, a dana e o hip-hop, e suas respectivas relaes com o contexto neoliberal em que se insere o pas. Os autores defendem que a estrutura educacional vigente no rompe com o paradigma neoliberal e propem pedagogias emancipatrias que aproximem os diversos contextos da formao integral com qualidade. A segunda coletnea, Polticas pblicas e esporte, em seus dois captulos trata do esporte como campo social de interveno, interao e espetculo. defendido que a lgica do esporte de alto rendimento determina as caractersticas do esporte escolar. O esporte e o lazer, inseridos na rea dos direitos sociais, so tratados pelo estado de forma semelhante aos demais tpicos (educao, sade e economia). A Coletnea III Corpos, sade e sociabilidades aborda os desafios e perspectivas da educao fsica na rea da sade a partir de uma contextualizao histrica, evitando falsos exageros colocados pela mdia neoliberal. Verificam-se, nessa contextualizao histrica, similaridades com o registro histrico europeu. O autor prope, por meio de seu debate crtico, reflexo sobre as prticas descontextualizadas de educao, o que pode funcionar como aporte terico para o ensino integral nas reas do esporte e do lazer, de maneira emancipatria e crtica.

24

17 ESTADO, POLTICA E EMANCIPAO HUMANA: LAZER, EDUCAO, ESPORTE E SADE COMO DIREITOS SOCIAIS Carla Cristina Garcia, Edson Marcelo Hngaro e Luciano Galvo Damasceno (Org.). Santo Andr: Alpharrabio, 2009. 160 p. ISBN: 978-85-88014-52-7

Esta publicao resultado do I Seminrio de Polticas Sociais de Educao Fsica, Esporte e Lazer, realizado em abril de 2008 e organizado pelo Observatrio de Polticas Sociais de Educao Fsica, Esporte e Lazer da Universidade Municipal de So Caetano do Sul (USCS). O Seminrio reuniu alguns importantes estudiosos a fim de tratar da equao emancipao poltica X emancipao humana e de outras questes, tais como: as transformaes do mundo do trabalho; as polticas sociais, em geral, e alguns direitos sociais diretamente relacionados Educao Fsica, como a educao, o lazer, o esporte e a sade. O objetivo do livro lanar luzes a respeito da discusso sobre direitos e polticas sociais, sob um ponto de vista emancipatrio. As palestras foram gravadas, transcritas e organizadas em diferentes temas: estado, poltica e emancipao humana; trabalho e sua nova morfologia; polticas sociais; direitos sociais no Brasil quanto ao lazer, ao esporte e sade, alm de consideraes sobre o Plano de Desenvolvimento da Educao (PDE) do Ministrio da Educao. Ao final de cada tema foi dedicado um espao para questes levantadas pelo pblico, logo aps cada fala. Com base em anlises das limitaes das polticas sociais da educao ao lazer, do esporte sade, do Estado aos direitos dos trabalhadores, o livro constitui importante conjunto de proposies crticas para a melhoria das condies de vida do povo. O livro se prope ser uma arma nas lutas dirias para que os trabalhadores no sejam reduzidos a uma passiva massa explorada. De acordo com os autores, no se passa, diretamente, da emancipao poltica emancipao humana, mas preciso lutar por aquela para que ainda se possa pensar nesta.

25

18 CULTURA, EDUCAO, LAZER E ESPORTE: FUNDAMENTOS, BALANOS E ANOTAES CRTICAS Edson Marcelo Hngaro e Wilson Luiz Lino de Sousa (Org.). Santo Andr: Alpharrabio, 2009 158 p. ISBN: 978-85-88014-54-1

Este volume o ltimo livro da coleo elaborada pelo Observatrio de Polticas Sociais e Educao Fsica, Esporte e Lazer na regio do Grande ABC da Universidade Municipal de So Caetano do Sul (USCS). Ele apresenta uma srie de artigos de compromisso poltico com a superao da ordem burguesa, muito embora no haja entre os textos uma nica matriz terica inspiradora. A publicao est dividida em seis temas. Ao longo do primeiro tema, O problema da poltica como finalidade, posto que, apesar de a emancipao humana comear com medidas polticas, a poltica no pode ser tomada como finalidade, mas somente mediao. Em Filosofia, educao e marxismo defendida filosofia da educao que ressalte a corporeidade humanizadora, cabendo escola sustentar as atividades didticas e as novas diretrizes pedaggicas sobre esse novo substrato poltico e filosfico. O terceiro tema, Arte, educao e formao cultural, prope-se a refletir criticamente sobre a arte, pela identificao de seus limites e mapeamento de suas potencialidades de realizao como fenmeno cultural e, portanto, humano, em suas mltiplas dimenses. J em O esporte recreativo, o lazer, a sade, a cincia & tecnologia no mbito da poltica nacional do esporte no 1 governo Lula 2003/2006 feito um levantamento sobre a Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, num esforo de reconceituar a idia de desenvolvimento do esporte, a qual passa a ser sustentada no princpio da incluso social. O quinto tema, Balano inicial da produo do GTT de polticas pblicas do CBCE (1997-2005) avanos, ausncias e perspectivas, trata no s da interlocuo do curso de educao fsica com as cincias sociais como faz um relato do funcionamento e trabalhos do grupo, dos pressupostos terico-metodolgicos do Observatrio e da produo referente aos dez anos do GTT. O ltimo tema, Polticas sociais e cidadania plena das pessoas portadoras de deficincia questes contemporneas sobre acessibilidade, diversidade humana, discriminao e igualdade de oportunidades, procura, por meio de um debate sociolgico sobre a acessibilidade, apreender a relao existente entre as reais necessidades de acesso dessa populao e as aes realizadas pelos governos. O livro contribui para o estudo dos fundamentos histricos e lgicos da poltica social, e seus autores, convencidos da importncia da perspectiva revolucionria na anlise da realidade, julgam que o projeto societrio fundamental para a compreenso das polticas sociais, assim como o para a elaborao e implementao das mesmas.

26

19 PRAA PBLICA Direo, roteiro, imagens e texto: dison Gastaldo Narrao: Adriana Braga Edio de som e trilha sonora original: Marco Scarassatti e Nelson Pinton So Leopoldo RS: TV Unisinos, 2008. DVD com durao de 17 minutos Mdia premiada no 1 Prmio Brasil de Esporte e Lazer de Incluso Social 2008.

Praa Pblica um vdeo que busca apresentar e discutir alguns aspectos das prticas de desporto e lazer em praas e parques, assim como lanar reflexo sobre o lugar simblico da praa na vida urbana, a partir de dados de uma pesquisa etnogrfica realizada no Rio Grande do Sul. A vida cotidiana e as prticas esportivas e de lazer dos frequentadores de 20 diferentes praas e parques foram pesquisadas durante um ano por uma equipe de etngrafos e o vdeo apresenta parte dos resultados dessa pesquisa. Este vdeo fruto da pesquisa Espaos Esportivos de Lazer e Sociabilidade Cotidiana: um estudo etnogrfico, financiada pela SNDEL/ME, Rede CEDES e realizada na Universidade do Vale do Rio dos Sinos Unisinos e teve como co-realizadoras a Universidade Luterana do Brasil ULBRA e a Universidade Federal de Santa Maria UFSM. A apresentao de resultados de pesquisa acadmica em um vdeo visa a fomentar o debate acerca das prticas coletivas de esporte e lazer no espao pblico junto a um pblico mais amplo. A inteno do vdeo problematizar as contradies encontradas na vida cotidiana das praas, que expressam as contradies gerais da sociedade. A mesma praa onde crianas e jovens brincam e jogam pode abrigar prostituio, violncia e trfico de drogas. E ao mesmo tempo, abrigar a memria afetiva de uma comunidade que cresceu sua volta. Trata-se de um espao fundamental de construo de cidadania e solidariedade, a partir de prticas sociais de lazer vivido coletivamente. Temas esses que precisam de maiores reflexo e debate.

27

20 SEMINRIO NACIONAL DE POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZER: RETROSPECTIVA HISTRICA Almir Liberato e Artemis Soares (Org.). Manaus: EDUA, 2009. 146 p. ISBN: 978-85-7401-499-9

Este livro objetiva contribuir com o resgate histrico dos Seminrios Nacionais de Polticas Pblicas de Esporte e Lazer que, desde 2001, vem ocorrendo anualmente em diferentes cidades-sede. Os seminrios so constitudos por painis, exposies de psteres, relatos de pesquisas e de experincias de diversas universidades brasileiras e do exterior, alm de rgos pblicos governamentais. Os participantes so de variadas formaes, incluindo reas como educao, educao fsica, cincia poltica e administrao. As cidades-sede so eleitas de forma democrtica e a discusso de temas especficos de polticas pblicas do lazer serve para o constante amadurecimento da rea. Produzido com o apoio da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, esse registro histrico retrata o compromisso com a poltica nacional do esporte, numa busca de democratizao do acesso ao esporte e ao lazer. O livro est dividido em sete captulos e possui, como eixo central, valores de democratizao cultural e socializao de experincias da gesto pblica no campo do lazer. Cada captulo faz um relato dos diferentes seminrios j ocorridos em Campinas, Porto Alegre, Belm, Caxias do Sul, Recife, Montes Claros, Natal e Manaus. Esta publicao revela o crescente interesse pela discusso das polticas pblicas de esporte e lazer de diferentes estados da federao. Ao retratar o desenvolvimento histrico dos seminrios, os autores realizam um esforo de preservao da memria do desenvolvimento das polticas pblicas. Trata-se de uma construo coletiva, em rede, composta por gestores e pesquisadores cujo objetivo principal a apresentao, reflexo e difuso de aes e polticas na rea.

28

21 ESPORTE E LAZER: SUBSDIOS PARA O DESENVOLVIMENTO E A GESTO DE POLTICAS PBLICAS Fernando Marinho Mezzadri, Fernando Renato Cavichiolli e Doralice Lange de Souza (Org.). Jundia: Fontoura, 2007. 142 p. ISBN: 978-85-87114-42-6

Este livro apresenta oito artigos escritos por pesquisadores do ncleo da Rede CEDES, da Universidade Federal do Paran, cujo objetivo socializar alguns resultados de pesquisas desenvolvidas pelos pesquisadores daquela Rede. O primeiro artigo descreve o ncleo CEDES/UFPR, apresenta os projetos que compem o ncleo e tece consideraes sobre o desenvolvimento do grupo. O segundo texto objetiva explorar algumas possibilidades da pesquisa sociolgica na rea da educao fsica e enfatiza a importncia da pesquisa sociolgica, especialmente no que tange ao esporte e ao lazer. O terceiro artigo parte de dados levantados em 15 cidades do Paran, quanto estrutura organizacional das secretarias municipais; discute sobre a forma de gesto e sobre o oramento dos rgos municipais de esporte e lazer; lana debate sobre os projetos desenvolvidos em cada cidade. O quarto artigo, tambm fruto de pesquisa, relata inicialmente o referencial terico e metodologias utilizadas e, posteriormente, analisa a situao de espaos e equipamentos de esporte e lazer de quatro cidades paranaenses. No quinto artigo as autoras fazem uma reviso bibliogrfica sobre a fase do envelhecimento humano e analisam oito programas para idosos desenvolvidos por seis prefeituras do Paran. Os autores do sexto artigo iniciam o texto discutindo a concepo de juventude e de lazer adotados no estudo pelo qual investigam, quantitativamente, como os jovens entre 14 e 19 anos, de escolas da rede pblica paranaense, vivenciam o esporte e o lazer. O stimo artigo descreve a experincia do Centro de Memrias em Educao Fsica e o desenvolvimento do Sistema da Rede CEDES (SiCedes), banco de dados criado para catalogao e anlise de projetos de polticas pblicas, programas, espaos, equipamentos e hbitos de esporte e lazer no Paran. No oitavo artigo a autora apresenta resultados preliminares de pesquisa qualitativa sobre os principais fatores que promovem a adeso a prticas de atividades fsicas regulares por parte de um determinado grupo de pessoas. A publicao, sendo a primeira de uma srie que, pretende-se, deva ter continuidade, pode subsidiar o desenvolvimento e a gesto de polticas pblicas para o esporte e o lazer, tanto no estado do Paran quanto nos demais estados da Federao. 29

22 GESTO DE POLTICAS DE ESPORTE E LAZER: EXPERINCIAS, INOVAES, POTENCIALIDADES E DESAFIOSGesto de polticas de esporte e lazer: experincias, inovaes, potencialidades e desafios

Hlder Ferreira Isayama, Leila Mirtes Santos de Magalhes Pinto, Ricardo Ricci Uvinha e Edmur Antonio Stoppa (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. 200 p.

Esta publicao da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, do Ministrio do Esporte (SNDEL-ME) reitera a profunda relao entre o governo federal e as aes que consolidam e desenvolvem a rea do lazer no Brasil. O livro faz uma reflexo das relaes e paradoxos vividos no contexto brasileiro que, de um lado, mostra o lazer como um fenmeno moderno decorrente da urbanizao nos grandes centros e, de outro, trata da diversidade, com demandas das populaes do campo, indgenas, quilombolas, ribeirinhas e outras que vivem em realidades diferentes das grandes metrpoles. O objetivo deste livro apresentar discusses sobre experincias, desafios, potencialidades e inovaes em gesto de polticas pblicas de esporte e lazer, tendo em vista a capacitao de gestores e de profissionais que atuam no mbito dessas polticas pblicas. Para tratar essa temtica, foram convidados pesquisadores brasileiros e de outros pases que pudessem contribuir com a discusso sobre a gesto do lazer, abordado como um direito social. Essa obra composta por treze captulos com diferentes abordagens: gesto de polticas, avaliao de polticas, formao profissional, grupos sociais, experincias municipais. Esta obra se constri no contexto da incluso do lazer nas polticas pblicas brasileiras, com foco de estudo e ao especficos. Os textos mostram tanto estudos e discusses estabelecidos com parceiros de vrios setores sociais durante o 20 Encontro Nacional de Recreao e Lazer ENAREL , realizado na cidade de So Paulo em 2008, quanto pesquisas que desvelam mudanas significativas na gesto das polticas pblicas de lazer no Brasil. As discusses alertam para a importncia da implantao do Sistema Nacional de Esporte e de Lazer, conforme demanda das Conferncias Nacionais de 2004, 2006 e 2010, e sobre o desafio da preparao de recursos humanos para atuar nesse novo cenrio, tarefa colocada no s para as instituies de ensino superior como para governos. Esta obra contribui tanto com a qualificao de programas e projetos, quanto com a formao de gestores e outras lideranas que enfrentam os desafios atuais e futuros das polticas pblicas de lazer, conscientes de seu papel de cidado e da possibilidade de beneficiar as comunidades que atendem, buscando a construo de uma vida melhor. 30

23 LAZER, CULTURA E PATRIMNIO AMBIENTAL URBANO: POLTICAS PBLICAS Nelson Carvalho Marcellino, Tnia Mara Vieira Sampaio, Felipe Soligo Barbosa e Stphanie Helena Mariano. Curitiba: OPUS, 2007. 176 p. ISBN: 978-85-61311-01-8

Esta publicao relata os resultados de pesquisa realizada nas cidades de Campinas e Piracicaba So Paulo , escolhidas por critrios de acessibilidade e representatividade. Resulta de combinao entre pesquisas bibliogrfica, documental e de campo. A pesquisa bibliogrfica foi efetuada nos sistemas das bibliotecas da Unimep e Unicamp. A pesquisa documental deu-se por anlise de contedo e a pesquisa de campo foi efetuada pelas tcnicas de observao participante e por aplicao de questionrio. O mtodo utilizado foi o de estudos comparativos entre as cidades pesquisadas. A publicao est composta por quatro captulos: o primeiro trata de questes quanto a lazer, cultura e patrimnio ambiental urbano; o segundo apresenta a anlise documental realizada; o terceiro reproduz a pesquisa em campo e o ltimo trata das consideraes finais sobre a pesquisa. A importncia do texto para qualificao das polticas pblicas de esporte e lazer est ligada necessidade da considerao do patrimnio ambiental urbano, como alternativa que substitui a construo de novos equipamentos de lazer, a fim de se manter o significado dos espaos e construes e de tornar a cidade em um ambiente mais agradvel de viver. A pesquisa documental indica grande possibilidade do aparato da legislao vigente, em contrapartida tmida ao na rea, prejudicada pela falta de estrutura de animao atuante, e o sombreamento da ao de rgos diversos, na preservao e revitalizao do patrimnio ambiental urbano.

31

24 ESPAOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER EM REGIO METROPOLITANA Nelson Carvalho Marcellino, Felipe Soligo Barbosa, Stphanie Helena Mariano, Alice da Silva e rica Aparecida de Oliveira Fernandes. Curitiba: OPUS, 2007. 120 p. ISBN: 978-85-61311-02-5

Trata-se da apresentao dos resultados de pesquisa realizada na regio metropolitana de Campinas, abrangendo, alm da cidade-sede, duas cidades de pequeno porte Nova Odessa e Monte Mor e uma de mdio porte Hortolndia , escolhidas por critrios de acessibilidade e representatividade. Resulta de combinao entre pesquisa bibliogrfica, documental e de campo. A pesquisa bibliogrfica foi efetuada nos sistemas de bibliotecas da Unimep e Unicamp. A pesquisa documental deu-se por anlise de contedo e a pesquisa de campo foi efetuada pelas tcnicas da observao participante e por aplicao de questionrio. O mtodo utilizado foi o estudo de caso, para a regio, e os estudos comparativos entre as cidades pesquisadas. Esta publicao apresenta consideraes sobre a centralizao dos equipamentos de lazer desde um aglomerado urbano a um regio metropolitana e aborda o que dizem os documentos oficiais sobre os espaos de lazer naquela regio. A importncia do texto para qualificao das polticas pblicas de esporte e lazer est ligada a um dos eixos principais dessas polticas o que trata dos espaos e dos equipamentos de lazer. Os ltimos dados do IBGE afirmam haver centralizao de espaos e equipamentos nas cidades-sede de regies metropolitanas. Ao investigar esses dados, essa pesquisa pretende subsidiar discusses sobre construo de polticas pblicas de lazer a serem desenvolvidas em regies metropolitanas.

32

25 POLTICAS PBLICAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL

DE

LAZER:

FORMAO

E

Nelson Carvalho Marcellino, Tnia Mara Vieira Sampaio, Andr Henrique C. Capi, e Dbora A. Machado da Silva. Curitiba: OPUS, 2007. 92 p. ISBN: 978-85-61311-00-1

Esta publicao traz ao pblico os resultados de pesquisa realizada nas cidades de Campinas e Piracicaba So Paulo , cidades escolhidas por critrios de acessibilidade e representatividade. O trabalho resulta da combinao de pesquisas bibliogrfica, documental e de campo. A pesquisa bibliogrfica foi efetuada nos sistemas das bibliotecas da Unimep e Unicamp. A pesquisa documental deu-se por anlise de contedo e a pesquisa de campo foi efetuada pelas tcnicas da observao participante e por aplicao de questionrio. O mtodo utilizado foi o estudo de casos comparativos entre as cidades pesquisadas. A publicao tece comentrios a respeito da formao e do desenvolvimento de pessoal para atuarem baseados nas polticas pblicas de lazer. Ela apresenta tambm a pesquisa documental realizada nas cidades de Campinas e Piracicaba, ambas do estado de So Paulo. A importncia do texto para qualificao das polticas pblicas de esporte e lazer est ligada necessidade da valorizao de um dos seus eixos fundamentais: formao e desenvolvimento de quadros de pessoal e a considerao de uma estrutura de animao.

33

26 PODER PBLICO, TERCEIRO SETOR E CONTROLE SOCIAL: INTERFACES NA CONSTRUO DE POLTICAS DE ESPORTES E LAZER Lerson Fernando dos Santos Maia, Marcus Vincius de Faria Oliveira, Maria Isabel Brando de Souza Mendes (Org.). Natal: CEFET, 2007. 160 p. ISBN: 978-85-89571-23-4

O livro fruto de discusses sobre a participao do terceiro setor, principalmente das organizaes no governamentais (ONG), em suas interaes com o poder pblico. Ele objetiva compreender o real poder de cada um dos entes na construo, implementao e avaliao das polticas pblicas em esporte e lazer. Esta publicao apresenta produes e reflexes oriundas do VII Seminrio Nacional de Polticas Pblicas em Esporte e Lazer, realizado em Natal Rio Grande do Norte, ocorrido no Centro Federal de Educao Tecnolgica do Rio Grande do Norte CEFET-RN, no perodo de 01 a 04 de agosto de 2007. O livro est organizado em nove captulos. Nelson Carvalho Marcellino e Marcelo Paula de Melo abrem o livro com discusses sobre o papel do poder pblico e do terceiro setor nas polticas de esporte e lazer. Terezinha Petrucia da Nbrega e Dlia Maria Maia Cavalcanti de Lima tecem reflexes em torno das relaes entre corpo, cidade e lazer, buscando contribuies para as polticas pblicas, no terceiro e quarto captulos. No quinto captulo, Cludia Regina Bonalume focaliza seu texto para a importncia do controle social das polticas de esporte e lazer. No sexto, Abel Arajo Nunes de Carvalho analisa o Programa Multicultural, de Recife, objetivando destacar a ao de uma poltica pblica sociocultural e seu vis inclusivo. Simone Rechia e Rodrigo Frana discutem, no stimo captulo, o conceito de ativismos sociais, distinguindo-o do que denominado movimentos sociais, buscando identificar essas organizaes na populao que mora em volta de parques pblicos em Curitiba e procurando tecer relaes com a gesto pblica. No oitavo captulo, sete autores apresentam uma discusso sobre a atuao do poder pblico nas atividades de esporte e lazer, tendo como base o municpio de So Jos de Ribamar, no Maranho. Para finalizar, os organizadores do livro apresentam uma discusso sobre as atividades produtivas e de lazer, buscando identificar a percepo de estudantes sobre as polticas pblicas de lazer instauradas em suas comunidades. Os artigos apresentados neste livro so fundamentais para se qualificar debates sobre as polticas pblicas de esporte e lazer. Por meio de diferentes olhares, este livro apresenta aos seus leitores elementos importantes para a atuao profissional no campo do esporte e do lazer. 34

27 AVALIAO DE POLTICAS E POLTICAS DE AVALIAO: QUESTES PARA O ESPORTE E O LAZER Hlder Ferreira Isayama, Meily Assb Linhales (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. 212 p. ISBN: 978-85-7041-669-8

Este livro resultado da preocupao de pesquisadores do Grupo em Polticas Pblicas de Esporte e Lazer (Polis/ CELAR) da UFMG e das pesquisas sobre o tema por eles desenvolvidas. O grupo representa um espao privilegiado para essa discusso, em rea na qual os estudos ainda so incipientes frente a outras dimenses das polticas pblicas. A obra busca a interlocuo de diferentes atores Estado, formuladores de polticas pblicas e sociedade em geral tanto nos nveis municipal, estadual quanto federal, fundamentado em construo interdisciplinar, o que permitiu apresentar o tema em perspectiva diferente das abordagens at ento disponveis. O debate oportuno nesse momento em que o esporte e o lazer ganham importncia e passam a compor a cesta de direitos que passaram a fazer parte da noo contempornea de cidadania.

35

28 DIAGNSTICO DO ESPORTE E LAZER NA REGIO NORTE BRASILEIRA: O EXISTENTE E O NECESSRIODiagnstico do esporte e lazer na regio norte brasileira: o existente e o necessrio

Almir Liberato da Silva, Artemis de Arajo Soares, Paulo Cesar de Lima e Adriane Corra da Silva. Manaus: EDUA, 2010. 150 p.

A obra relata os resultados da pesquisa Diagnstico do esporte e lazer na regio Norte brasileira - o existente e o necessrio, projeto da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Esporte e de Lazer, do Ministrio do Esporte, realizado pela Universidade Federal do Amazonas, tendo como colaboradores a Universidade Federal do Par e o Instituto Luterano de Ensino Superior de Porto Velho. A publicao est dividida em duas partes. A parte introdutria aborda alguns temas importantes discutidos nas polticas pblicas de esporte e lazer, tais como o lazer como direito social, a acessibilidade, a incluso social e a participao popular nessas polticas pblicas. A segunda parte da obra apresenta os resultados da pesquisa de campo espelhando a real situao do esporte e do lazer nos estados da regio Norte, abrangendo o Amazonas (Manaus e municpios do interior, tendo como referncia as diversas calhas dos rios amaznicos), o Par (10 municpios) e Rondnia (Ji-Paran e Porto Velho). Para a coleta foram utilizados o mtodo monogrfico e as tcnicas de observao direta intensiva, extensiva, alm de entrevistas e anlise de discurso. A relevncia do presente estudo pode ser vista sob vrios ngulos: desde a identificao dos municpios nos seus aspectos fsicos e necessidades de polticas pblicas de esporte e lazer, at o conhecimento produzido pelos dados resultantes. Tais dados podero subsidiar o poder pblico e as universidades com informaes seguras para discusso, elaborao e realizao de polticas pblicas de esporte e lazer e ainda podero contribuir com aes que possam promover a to discutida qualidade de vida da populao, via transformaes positivas e duradouras. O principal impacto ou benefcio do projeto executado, cujo resultado essa obra, est diretamente ligado tomada de posio da Secretaria Nacional de Esporte e de Lazer no sentido de implantar polticas que certamente geraro transformaes positivas para a sociedade. Trata-se de um trabalho pioneiro do Ministrio do Esporte na regio Norte e que merece destaque pela importante contribuio que poder somar s discusses sobre polticas pblicas de esporte e de lazer.

36

29 PAPPEL SOCIAL: PROGRAMA DE AVALIAO DE POLTICAS PBLICAS DE ESPORTE E LAZERPappel Social: programa de avaliao de polticas pblicas de esporte e lazer

Carlos Magno Xavier Correa, Julio Csar Resende, Rmulo Vieira Ferreira e Rafael Pires de Freitas. Ipatinga: 2008. DVD Mdia Premiada na 1 Edio do Prmio Brasil de Esporte e Lazer de Incluso Social

Esta publicao apresenta resultado de estudo sobre um modelo de avaliao de programas e polticas pblicas de esporte e lazer (software), em uma perspectiva mais ampla, que aborda, entre outras questes, a gesto de indicadores de qualidade. O software possibilita a avaliao da percepo do beneficirio quanto importncia e ao desempenho em relao aos programas ou polticas de esporte e lazer. O mtodo utilizado foi a aplicao de um questionrio que permitiu o levantamento de dados em relao a vrias dimenses: ao aspecto fsico, confiabilidade, qualidade do atendimento, segurana, dimenso comportamental e dimenso corporal das polticas e programas.

37

30 TRABALHO PEDAGGICO E FORMAO DE PROFESSORES/ MILITANTES CULTURAIS: CONSTRUINDO POLTICAS PBLICAS PARA A EDUCAO FSICA, ESPORTE E LAZER Carlos Roberto Colavolpe, Celi Nelza Zlke Taffarel, Cludio de Lira Santos Jnior (Org.). Salvador: EDUFBA, 2009. 107 p. ISBN: 978-85-232-0583-6

O livro rene dez artigos que registram uma experincia de ensino-pesquisa-extenso voltada formao continuada de militantes culturais de esporte e lazer, atuantes no campo e na cidade. A obra constituda por um coletivo de autores, cujos textos dizem respeito aos trabalhadores de movimentos sociais da classe trabalhadora e suas necessidades fundamentais, entre as quais esto a educao, esporte e lazer. O mtodo materialista-histrico dialtico permite uma metodologia cientfica para conhecer e agir de acordo com as necessidades vitais para a transformao social. Os pressupostos tericos do desenvolvimento histrico da natureza, do homem e de sua capacidade de conhecer no so separados da ao poltica para transformar a situao atual. Esses esto sujeitos a leis do desenvolvimento histrico, o que significa que esto sujeitos ao grau de desenvolvimento das foras produtivas e da capacidade revolucionria do proletariado e do campesinato, das relaes com o estado burgus capitalista e suas foras hegemnicas a direita, o centrismo e o esquerdismo e expressa em si as contradies do mais geral, na singularidade e particularidade dos objetos delineados. mais um dos grandes desafios a ns colocado aps enfrentarmos o real com atitude crtica, de se valer do materialismo histrico dialtico, de trabalhar em coletivos enfrentando necessidades vitais com o trabalho pedaggico socialmente til e com unidade terico-metodolgica. Assim, para sermos responsveis acompanhamos os grupos e classes sociais que atuam revolucionariamente. Isso nos coloca o problema das elaboraes tericas que podero ser afetadas pelas deficincias das foras sociais revolucionrias, mas, ao construir o conhecimento cientifico, o elemento abstrato do pensamento crtico mantm-se fiel aos contedos e aos sentidos tpicos da ao social revolucionria. Em meio a contradies, admitimos que estamos em um perodo de transio visto que o capital que subsume o trabalho criou uma ordem invivel vida da humanidade. Urge revolucionar o modo de produo e essa revoluo permanente. Almejamos sermos teis com o conhecimento cientfico aqui apresentado e com nosso envolvimento poltico com a revoluo, que permanente porque s terminar com o triunfo definitivo da nova sociedade em todo o planeta. Por isso admitimos que a luta para vencer. 38

31 INFNCIAS NA METRPOLE Jos Alfredo Oliveira Debortoli, Maria de Ftima Almeida Martins e Srgio Martins (Org.). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. 208 p. ISBN: 978.85.7041-655-1Este livro foi produzido com base no projeto de pesquisa Infncia, cidade e educao que foi desenvolvido com apoio da Rede CEDES. Os temas de pesquisa surgiram do anseio de possibilitar um olhar interdisciplinar do conhecimento sobre e com crianas e jovens, buscando desenvolver questes que envolvam as relaes com a cidade e as experincias de lazer. Procurou-se relacionar as possibilidades de experincias de infncia e juventude. E discutiu-se sobre o desafiador encontro entre os campos disciplinares da Educao, da Educao Fsica e da Geografia. Os pesquisadores trabalharam sobre a construo das infncias e das juventudes nas suas relaes com a metrpole. O grupo de pesquisadores elaborou princpios terico-metodolgicos referentes cidade, ao urbano, infncia, juventude e educao. O livro composto por uma introduo e sete textos: 1. As experincias de infncia na metrpole. 2. A criana e a cidade: entre a seduo e o perigo. 3. Imagens contraditrias da infncia: crianas e adultos na construo de uma cultura pblica e coletiva. 4. Brinquedos populares: um patrimnio cultural da infncia. 5. Futebol: do cio ao negcio. 6. Os jovens e a produo do futebol na cidade: apropriaes, sociabilidades e aprendizagens. 7. Urbanizao e violncia: reflexes a partir do livro e do filme Cidade de Deus. A obra objetiva contribuir com uma problematizao de como as prticas ldicas e de lazer ganham materialidade no espao urbano, e de como os diferentes na esfera social se apropriam e se reconstroem nesses espaos. Foram assinaladas as contribuies dos estudos realizados no campo da Antropologia e da Sociologia da infncia, produzindo um conjunto de estudos significativos em torno das culturas das infncias, bem como uma discusso tica das condies de participao social de crianas e jovens no espao pblico. Os autores entendem ser fundamental compreender as prticas cotidianas, nos diferentes fragmentos da metrpole. Nas relaes estabelecidas pelas crianas e pelos jovens entendem ser possvel desvendar formas de participao nas prticas sociais. Os textos revelam a complexidade das transformaes dos espaos urbanos, especialmente pela mediao dos interesses privados, alm de demonstrar como esse processo se expressa na constituio das infncias e das juventudes contemporneas. Buscou-se apresentar registros de pesquisa, de forma interdisciplinar, que tem como centralidade o olhar das crianas e dos jovens sobre o mundo, permitindo construir aproximaes entre possveis formas de elaborar olhares e leituras de mundo, anunciando recortes metodolgicos com sentido de desvendar questes postas pelas condies concretas de produo e reproduo da sociedade, em busca de alternativa para se pensar polticas de direito e cidadania. 39

32 PENSANDO SOBRE POLTICAS PBLICAS DE LAZER PARA JUVENTUDES EM CONTEXTOS DE VULNERABILIDADE SOCIAL: CONTRIBUIES A PARTIR DE PESQUISA EM RIBEIRO DAS NEVES Vnia Noronha (Org.). Belo Horizonte: Editora Schol, 2009. 176 p. ISBN: 978-85-63105-00-4Esta publicao resultado de um convnio estabelecido entre Rede CEDES Ministrio do Esporte - e a Sociedade Mineira de Cultura, com intervenincia da Pontifcia Universidade Catlica de Minas Gerais (PUC Minas), de Belo Horizonte. Resulta de projeto de pesquisa executado pelo curso de Educao Fsica, em parceria com a Pr-Reitoria de Extenso, por meio do Instituto da Criana e do Adolescente e do Programa de Ps-graduao em Geografia. Pesquisa desenvolvida no perodo de 2008 a 2009, na cidade de Ribeiro das Neves - MG, com o objetivo de elaborar e aplicar diagnstico do perfil social, populacional e cultural (esporte e lazer) da cidade, visando construo de subsdios para o desenvolvimento de polticas de incluso pelo esporte e lazer de jovens sujeitos situao de risco de violncia. Essa investigao utilizou diferentes instrumentos de coleta de dados pesquisa documental e bibliogrfica, grupos focais e entrevistas criando uma metodologia que poder ser til na avaliao de grande parte das cidades brasileiras, no que se refere a diagnsticos scio-populacionais e culturais. A obra est estruturada em quatro partes. Na parte I, foram discutidos os conceitos que embasaram a pesquisa como juventude, subjetividade, violncia e vulnerabilidade, alm de reflexo sobre o lugar da famlia nas polticas pblicas de lazer e o princpio das parcerias na gesto pblica de lazer. A parte II desenvolve um histrico social e demogrfico do municpio pesquisado, apresentando uma metodologia para a elaborao do mapa de vulnerabilidade, os resultados do municpio e seus equipamentos de lazer. Por sua vez, na parte III so analisados os dados quantitativos e qualitativos da pesquisa e a parte IV apresenta as consideraes finais, nas quais so apontadas contribuies para uma proposta pedaggica de lazer com juventudes em contextos de vulnerabilidade social. E nos apndices, so publicados os instrumentos de coleta de dados, as tabelas de resultados do survey e os roteiros de entrevistas com gestores e lideranas comunitrias. Espera-se que essa obra possa contribuir tanto com as discusses das comunidades, no que diz respeito gesto de polticas pblicas para incluso dos