Projeto_de_Rede_de_Distribuição_Compacta DT

Download Projeto_de_Rede_de_Distribuição_Compacta DT

Post on 16-Apr-2015

154 views

Category:

Documents

29 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Norma: Cdigo: Folha: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM PCD.01.05 1/70 ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV Processo: Primeira Edio: PROJETO E CONSTRUO 30.04.02 Subprocesso: Edio: Data: PROJETO E CONSTRUO DE REDES DE DISTRIBUIO 1 30.04.02 1. OBJETIVO Estabelecer os critrios para elaborao de projeto e construo de redes areas compactas com espaador, na tenso de 15 kV, utilizando-se condutores cobertos com XLPE.</p> <p>2. RESPONSABILIDADES Compete aos rgos Responsveis pela elaborao de projetos, manuteno e operao do sistema, cumprir e fazer cumprir este instrumento normativo.</p> <p>3. CONCEITUAO 3.1 Sistema de Distribuio Sistema eltrico com tenso mxima de 36,2 kV que, derivado do barramento secundrio de uma subestao de distribuio, atinge os pontos de consumo. 3.2 Rede de Distribuio Urbana RDU Rede de distribuio do sistema de energia eltrica situada dentro do permetro urbano de uma cidade, vila ou povoado. 3.3 Rede Primria Rede de mdia tenso com tenses nominais de operaes de 11,9 kV; 13,8 kV ou 34,5 kV. 3.4 Carga Instalada Soma das potncias nominais dos equipamentos eltricos instalados na unidade consumidora, em condies de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts. (kW). 3.5 Demanda a mdia das potncias eltricas instantneas solicitadas ao sistema eltrico durante um perodo de tempo especificado. 3.6 Demanda Mxima a maior demanda verificada durante um intervalo de tempo especificado. 3.7 Demanda Mdia a razo entre a quantidade de energia eltrica consumida durante um intervalo de tempo especificado, e esse intervalo. 3.8 Demanda Diversificada o quociente entre a demanda das unidades consumidoras de uma classe, calculada por agrupamento de suas cargas, e o nmero de unidades consumidoras dessa mesma classe. 3.9 Fator de Carga Relao entre a demanda mdia e a demanda mxima verificada no mesmo intervalo de tempo</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 2/70 Edio: 1</p> <p>3.10 Fator de Diversidade Relao entre a soma das demandas mximas individuais de um determinado grupo de consumidores e a demanda mxima real de todo o grupo. O fator de diversidade sempre um nmero maior que 1 (um), devido a no simultaneidade de ocorrncias das demandas mximas individuais. 3.11 Fator de Coincidncia o inverso do fator de diversidade. 3.12 Fator de Correo Sazonal Fator de correo da demanda diversificada dos consumidores residenciais e comerciais, com o objetivo de excluir a possibilidade de que a demanda medida no corresponda mxima anual. 3.13 Fator de Utilizao Quociente entre a demanda mxima e a potncia nominal do equipamento. 3.14 Plano Bsico de Proteo ao Vo Fixa os limites horizontais e o aproveitamento em altura nas reas prximas a aeroportos sujeitas restries ( Decreto 68.920 de 15/07/1971) 3.15 Cone de Aproximao volume geomtrico que representa o espao necessrio ao avio para pousos e decolagens com segurana em relao pista de aeroportos. 3.16 Zona de Agressividade Salina Deve ser considerada como zona de agressividade salina, uma faixa compreendida entre o limite de preamar e uma linha imaginria em terra situada conforme abaixo: a) At 0,5 km em reas com anteparos naturais ou construes com alturas superiores a 3 vezes a altura do postre. b) At 1,0 km em reas com anteparos naturais ou construes com alturas at 03 vezes a altura do poste. c) At 3,0 km em reas livres (sem anteparos). 3.17 Zona de Agressividade Industrial Deve ser considerada como zona de agressividade industrial, um crculo, cuja origem o ponto gerador da poluio, com um raio de 500m. 3.18 rea de Vandalismo Considera-se que uma rede eltrica encontra-se em rea de vandalismo, se a participao da causa ao de terceiros for superior a 10% do FEC (Freqncia Equivalente por Consumidor). 3.19 GEOREDE Gerncia de Redes de Distribuio Sistema computacional grfico que gerencia a rede eltrica a partir do cadastro da rede e dos pontos de consumo geo-referenciados. 3.20 Ponto Significativo Qualquer ponto da rede que cause Descontinuidade Eltrica (postes, mudana de bitola, seccionamento, conexes, cargas, etc.). 3.21 Horizonte do Projeto Perodo de tempo futuro em que, com as informaes atuais, o sistema foi simulado.</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 3/70 Edio: 1</p> <p>3.22 Distribuidoras Denominao dada s empresas concessionrias dos servios de distribuio de energia eltrica, pertencentes a Guaraniana S.A: COELBA, COSERN e CELPE. 3.23 Consumidor Pessoa fsica ou jurdica, ou comunho de fato ou de direito, legalmente representada, que solicita a Distribuidora o fornecimento de energia eltrica e assume a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigaes fixadas em normas e regulamentos da ANEEL, assim vinculando-se aos contratos de adeso 3.24 Unidade Consumidora Conjunto de instalaes e equipamentos eltricos caracterizado pelo recebimento de energia eltrica em um s ponto de entrega, com medio individualizada e correspondente a um nico consumidor. 3.25 Ponto de Entrega - PDE Ponto de conexo do sistema eltrico da Distribuidora com as instalaes eltricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento 3.26 Fator de demanda Razo entre a demanda mxima num intervalo de tempo especificado e a carga instalada na unidade consumidora. 3.27 Fator de potncia Razo entre a energia eltrica ativa e a raiz quadrada da soma dos quadrados das energias eltricas ativa e reativa, consumidas num mesmo perodo especificado. 3.28 Grupo A Grupamento composto de unidades consumidoras com fornecimento em tenso igual ou superior a 2,3 kV, ou, ainda, atendidas em tenso inferior a 2,3 kV a partir de sistema subterrneo de distribuio. 3.29 Grupo B Grupamento composto de unidades consumidoras com fornecimento em tenso inferior a 2,3 kV, ou, ainda, atendidas em tenso superior a 2,3 kV e faturadas neste Grupo. 3.30 Potncia Instalada Soma das potncias nominais dos equipamentos eltricos de mesma espcie instalados na unidade consumidora, em condies de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW 3.31 Mapa Chave Urbano (Planimtrico) Mapa correspondente representao das reas urbanas dos centros populacionais, na escala de 1:5000 ou suas mltiplas, at o limite de 1:25000 3.32 Mapa Planimtrico Semi Cadastral Mapa correspondente planimetria de uma quadrcula de 500 m (ordenada) por 500 m (abcissa), na escala de 1:1.000, com uma rea de 0,25 km2, desenhado no formato A1Mapa Planimtrico Semi Cadastral.</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 4/70 Edio: 1</p> <p>3.33 Suporte Acessrio utilizado para segurar, suportar prender ou proteger uma determinada pea, dispositivo ou equipamento. 3.34 Cabo Coberto Cabo dotado de cobertura protetora em XLPE (Polietileno Termofixo), visando a reduo da corrente de fuga em caso de contato acidental do cabo com objetos aterrados e diminuio do espaamento entre condutores. 3.35 Espaador Acessrio de material polimrico de formato losangular suportado pelo cabo mensageiro cuja funo de sustentar e separar os cabos protegidos da rede de distribuio compacta ao longo do vo, mantendo o isolamento eltrico da rede. 3.36 Separador Acessrio de material polimrico de formato vertical apoiado sobre o cabo mensageiro cuja funo de sustentar e separar os cabos protegidos da rede de distribuio compacta nas conexes no vo (flying-tap), mantendo o isolamento eltrico da rede. 3.37 Brao Tipo L Ferragem, em formato L, que presa ao poste, com a funo de sustentao do cabo mensageiro da rede compacta, em condio de tangncia ou com ngulos de deflexo de at 6. 3.38 Brao Tipo C Ferragem, em formato C, presa ao poste, com a finalidade de sustentao das fases em condies de ngulo e final de linha, derivaes e conexo de equipamentos rede. 3.39 Cabo Mensageiro Cabo utilizado para sustentao dos espaadores e separadores, e para proteo eltrica e mecnica na rede compacta. 3.40 Brao Antibalano Acessrio de material polimrico cuja funo a reduo da vibrao mecnica das redes compactas. 3.41 Estribo para Brao Tipo L Ferragem complementar ao brao tipo L cuja funo a sustentao de espaador junto ao brao. 3.42 Distanciador Ferragem complementar para rebaixamento do nvel do circuito inferior num cruzamento areo com flying-tap. 3.43 Anel de Amarrao Anel de material elastomrico, com a funo de fixao dos cabos protegidos e mensageiro, ao espaador e/ou isolador polimrico, da rede compacta. 3.44 Capa Protetora Acessrio de material polimrico, instalado sobre as conexes dos cabos protegidos, cuja funo manter o isolamento eltrico da rede e evitar umidade no interior da isolao do cabo.</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 5/70 Edio: 1</p> <p>4. DISPOSIES GERAIS 4.1 Rede compacta com espaador no deve ser projetada em reas sujeitas a atmosfera com agressividade marinha. 4.2 No devem ser projetados circuitos tronco de redes primrias em ruas paralelas. O modelo Espinha de Peixe, deve ser seguido sempre que possvel 4.3 Rede Primria Compacta deve ser utilizada em regies arborizadas, posteao com mais de dois circuitos primrios, sadas de subestao e em circuitos primrios expressos que atendam cargas especficas. 4.4 Os afastamentos de segurana entre condutores e solo e/ou sacadas devem ser os mesmos adotados para condutores nus 4.5 A rede primria deve ser projetada o mais prximo possvel das concentraes de carga, e ser direcionada no sentido do crescimento da localidade 4.6 Caminhamento da rede primria deve favorecer a expanso do sistema, obedecendo modelos propostos pelo planejamento. 4.7 A rede deve ser projetada por ruas e avenidas com traado definido e aprovado pelas Prefeituras Municipais. 4.8 Traado da rede deve seguir pelo lado no arborizado das ruas. 4.9 O roteiro deve evitar a proximidade de sacadas janelas e marquises, mesmo respeitadas as distncias mnimas de segurana. 4.10 Os projetos de reformas devem aproveitar ao mximo a rede existente, desde que na fase de construo, no se comprometam com excesso de desligamentos, os ndices de qualidade definidos pela reguladora. 4.11 Em reas urbanas o vo mximo deve limitar-se a 40m enquanto que em caso de redes exclusivamente com circuitos primrios, o vo mximo pode atingir 80m desde que observada a distncia mnima do condutor ao solo. 4.12 Deve ser projetada estrutura de ancoragem a cada 500m, visando assegurar maior confiabilidade ao projeto mecnico da rede, alm de facilitar a construo e eventual troca de condutores 4.13 O brao antibalano deve ser utilizado a cada 200 m de rede com vos em tangncia ou quando existir estrutura com equipamento de transformao, de modo a evitar que vibraes dos condutores venham a contribuir para a fadiga dos pontos de conexo. 4.14 Nos cruzamentos areos com rede convencional, a Rede Compacta deve ser posicionada em nvel superior, efetuando-se as ligaes com cabo coberto, observando-se a distncia mnima entre circuitos definida no captulo especfico 4.15 A diretriz da rede no deve sofrer constantes mudanas de direo, em funo de pequenas concentraes de carga</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 6/70 Edio: 1</p> <p>4.16</p> <p>Os condutores padronizados possuem as caractersticas conforme tabela abaixo. CARACTERSTICAS DA REDE SEO 35 mm ELEMENTO Formao Dimetro Massa Formao 70 mm Dimetro Massa Formao 185 mm Dimetro Massa CORDOALHA 7 x 2,64 7,9 mm 0,305 kg/m 7 x 2,64 7,9 mm 0,305 kg/m 7 x 2,64 7,9 mm 0,305 kg/m CONDUTOR 6 AL XLPE 7,3 15,5 0,21 kg/m 12 AL XLPE 10,0 18 0,34 kg/m 19 AL XLPE 16,3 24,5 0,75 kg/m CABO TOTAL 49,9 mm 0,935 kg/m 55,9 mm 1,325kg/m 74mm 2,56 kg/m</p> <p>4.17 4.18</p> <p>Os alimentadores devem ser projetados na bitola de 185mm. As derivaes do circuito tronco devem ser projetadas na seo 70mm.</p> <p>4.19 cabo com seo 35mm s deve ser utilizado em ramais de ligao para cargas at 50A, ou pequenas derivaes sem previso de crescimento. 4.20 As tabelas de flechas e traes foram elaboradas considerando-se os seguintes limites: a) Vo mximo = 80 metros com flecha mxima de 2,0 metros. b) Temperatura mnima = 5C. c) Temperatura mxima = 50C. d) Vento mximo 90 km/h. e) Temperatura do vento mximo = 15C. 4.21 Para o tensionamento dos condutores devem ser obedecidas as tabelas de flechas e traes de montagem, conforme o Anexo B. 4.22 As estruturas devem ser dimensionadas com base na trao mxima da tabela de flechas e traes do cabo considerado. 4.23 Sempre que houver interligao com descidas subterrneas as fases devem ser marcadas com fitas isolante nas cores: Fase A = vermelha Fase B = branca Fase C = marrom Neutro = azul claro</p> <p>DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BSICA E NORMALIZAO</p> <p>CONTINUAO</p> <p>Norma: PROJETO DE REDE DE DISTRIBUIO AREA COMPACTA COM ESPAADOR - POSTE DT - 15 kV</p> <p>Cdigo: PCD.01.05 Data: 30.04.02</p> <p>Folha: 7/70 Edio: 1</p> <p>4.24 Para que a sequncia de fases seja mantida nos espaadores ao longo da rede, deve-se manter a fase C sempre do lado do poste. Para que isto seja possvel, no caso de necessidade de mudana do traado da rede (interferncia com construo civil, mudana do poste para o outro lado da rua, etc) devem ser feitas transposies, tantas quantas forem necessrias, para manterse a fase C sempre do lado dos postes, conforme figura:</p> <p>4.25 Nos casos de arranjos que envolvam derivaes da rede primria, uso mtuo de postes, circuitos independentes de iluminao pblica e travessias areas de vias, podem ser utilizados postes considerados especiais. 4.26 Deve ser projetada fundao especial com manilhas ou concreto, quando o material do solo no apresentar resistncia mecnica compatvel com o esforo nominal do poste. 4.27 Os projetos devem ser desenhados utilizando-se os padres de desenho tipos A1, A2, A3 e A4, obedecendo-se a simbologia padronizada pela Distribuidora. 4.28 Devem ser instalados pra-raios em todos os transformadores situados em reas urbanas com predominncia de edificaes horizontais. 4.29 Em reas com predominncia de edificaes verticais, no devem ser instalados pra-raios em transformadores localizados a menos de 500 metros de outros pra raios j existentes na rede eltrica. 4.30 Os transformadores de distribuio devem ser instalados de frente para o sistema virio, ficando as chaves fusveis pelo lado contrrio. 4.31 Unidades consumidoras de alta tenso, com demanda superior a 15A, devem ter seus ramais de ligao interligados atravs de chaves secionadoras tipo faca. 4.32 Devem ser instaladas chaves seccionadoras tipo faca na derivao de todas as unidades consumidoras com ramal de entrada subterrneo e que a proteo geral da subes...</p>