pressbook carta da esperança

Click here to load reader

Post on 02-Apr-2016

217 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Eduardo de Paula é um relojoeiro, viúvo, e que por sofrer do mal de Alzheimer aos poucos passa a esquecer momentos preciosos da sua vida. Por outro lado, Fernando, seu filho único, não consegue esquecer o quão é difícil cuidar de uma pessoa acometida dessa doença. No conflito entre os reflexos da doença e o sacrifício surge uma carta que renova a esperança.

TRANSCRIPT

  • 1

  • 2Na vida h coisas que no gostaramos de lembrar e outras que sequer gostaramos de vivenciar. Mas h tantas outras que pedimos Deus para nunca esquecer

    There are things in life that wed like to avoid remembering and others that we wouldnt want to have experienced. But there are so many others that we ask the God to never forget.

    En la vida hay cosas que me gustara recordar y otros que ni siquiera podra experimentar. Pero hay muchos otros que le pedimos a Diospara nunca olvidar

  • 3SinopSe Eduardo de Paula um relojoeiro, vivo, e que por sofrer do mal de Alzheimer aos poucos passa a esquecer momentos preciosos da sua vida. Por outro lado, Fernando, seu filho nico, no consegue esquecer o quo difcil cuidar de uma pessoa acometida dessa doena. No conflito entre os reflexos da doena e o sacrifcio surge uma carta que renova a esperana.

    Edward is a watchmaker, a widower, who has slowly begun to forget precious moments of his life due to Alzheimers disease. On the other hand, Ferdinand, his only son, cannot forget how difficult is to care for a person suffering from this condition. In the conflict between the effects of the disease and the sacrifice, a hope renewal letter arises.

    Eduardo de Paula es un relojero viudo que, por sufrir del mal de Alzheimer, poco a poco pasa a olvidarse de momentos preciosos de su vida. Por otro lado, Fernando, su nico hijo, no logra olvidar lo difcil que es cuidarle a una persona en esa situacin. En medio a los reflejos de la enfermedad y a los sacrificios que hace el hijo, surge una carta que renovar la esperanza.

  • 4Contando o tempo para no eSqueCer Estou produzindo um documentrio sobre a vida do ator G Martu e desde o incio do processo combinamos que ele me falaria sobre toda e qualquer situao em que houvesse exposio pblica dele (entrevistas, peas, ensaios, filmagens, etc.) para que de alguma maneira eu pudesse fazer o registro.

    Pois bem, certo dia o G me ligou dizendo que havia sido convidado pra fazer um curta de alunas de comunicao social da Universidade de Braslia: a expectativa era de que fosse um processo bem simples, pois era apenas um trabalho de primeiro semestre. Como no processo de elaborao de um documentrio no h informao intil, preferi ir ver in loco do que se tratava. Chegando l, duas coisas me chamaram a ateno: A primeira, puxa, o G realmente um cara diferenciado. Foi rejuvenescedor ver um ator como ele, com um sem nmero de atuaes em peas e mais de 50 filmes realizados, se entregar sem qualquer restrio direo de meninas totalmente inexperientes e em uma produo sem os mnimos recursos (entenda-se mnimos

  • 5mesmo!). Por outro lado, que legal ver garotas to jovens produzindo um filme com um tema to complexo que so as doenas degenerativas da memria. E assim fiquei ali, dividido entre filmar o G em cena e silenciosamente me divertir por lembrar do meu incio ao ver as meninas atabalhoadas, improvisando e resolvendo cenas. Tambm percebi como algumas abordagens delas tinham semelhana com coisas que j havia concebido para um roteiro que estou escrevendo que se trata da mesma temtica. Pedi Thas Rosa (a roteirista) para ler o roteiro, e ela me deu uma cpia, me explicando que havia se inspirado na histria Days with my father de Phillip Toledano*.

    Confesso que escrevo, mas detesto ler roteiros. frio, tcnico, no tem emoes... Arg! Que coisa chata! S leio os meus porque as sensaes j

    esto em mim ou de outros quando preciso fazer alguma pesquisa para compreender e aprender sobre outros estilos, ou para fazer algum projeto especfico. No mais, preferencialmente prefiro estudar os roteiros a partir das obras prontas. Parece coisa de louco, mas isso mesmo: Vejo o filme e extraio dele o roteiro. Mas no foi assim com o roteiro da Thas. O li, e a histria no saa da minha mente, mas sempre vinham outras cenas e com outras dimenses para os personagens. Por isso, num rompante, numa sentada, reescrevi o roteiro dela e mandei-lhe um e-mail dizendo resumidamente o seguinte: O que acabei por concluir no comum e compreenderei se voc me julgar mal, mas o seu texto desde o incio mexeu comigo, pois o tema realmente me incomoda. Voc no me deu autorizao, eu no pedi, mas h coisas que explodem em mim e se voc no permitir que

    eu prossiga vou compreender. Obviamente voc vai notar que mudei um pouco o sentido da sua histria, o ttulo, inseri mais um personagem, coloquei alguns dos seus textos dentro das normas de escrita de roteiros e suprimi outros porque so da fase seguinte...O que quero com isso? Duas coisas: que voc me autorize a prosseguir em film-lo e, claro, voc seria a co-autora..

    Nesse e-mail eu tambm extendi o convite para a Isabella Veloso, Vanessa Santos, Helosa Abreu e Patrcia Nascimento, que juntamente com a Thas haviam feito o curta Lugar Vazio (nome original do roteiro de Thas). Pra meu alvio ela me respondeu dizendo-se grata, que aceitavam participar do processo (apenas a Patrcia no pode aceitar o convite).

  • 6Fato interessante foi que no obstante eu ter mudado o curso da histria ao ponto dela pouco se parecer com o descrito no blog do Phillip Tolledano, a Thas fez questo de pedir que de alguma maneira deixssemos claro a fonte primria do roteiro. No apenas aceitei como admirei essa preocupao tica por parte dela. A partir da, comeamos a trocar muitos e-mails pra ir refinando o que pretendia, sem desvirtuar muito a histria original concebida por ela.

    Curioso esse negcio de escrever roteiro. Estvamos j bem avanados no desenvolvimento quando ela chegou com uma opinio da me:

    A histria est atemporal e no h nada que denote o porque o personagem morre no final. Perfeito! Um detalhe tolo mas que fazia toda diferena. Claro! O Alzheimer uma doena degenerativa... mas como mostrar essa evoluo em um filme de at 20 minutos?

    Dentro do processo de pesquisa, para caracterizar o personagem, uma imagem que veio-me mente foi de que seria irnico um relojoeiro sofrer de Alzheimer. Logo um relojoeiro, que est acostumado a cuidar do tempo passar a esquecer dele? Assim caracterizamos o pai como sendo um relojoeiro (ou um colecionador) e por

    isso que na casa dele h inmeros relgios... e quase todos parados. Confesso que caracterizar o personagem dessa maneira foi um pouco de catarse para mim, pois meu pai embora no tenha falecido de Alzheimer era relojoeiro e cresci em meio a todo tipo de relgio. Precisava de muitos relgios para caracterizar os ambientes e quando se faz um filme sem recursos os amigos que sofrem com os muitos pedidos. Por isso no poderia deixar de agradecer atriz Elair Witczak por haver cedido suas fotos de famlia e ao casal Marco e Andr Neves, Dulcinia Lyra dos Santos Abreu e Hemerson Colt por me emprestarem seus muitos e preciosos relgios

  • 7que embelezaram e deram sentido ao filme. Vocs no imaginam como foi difcil devolv-los.

    Roteiro escrito, equipe mais ou menos montada (j contando com os amigos de sempre: Cludio Moraes, Thiago Mendes, Henrique Gabriel, Fernando Cavalcante, Fernando Henrique e Ana Pieroni), era a hora de escolher o elenco pra filmar e com um enorme desafio: tempo pra ensaio e de produo. Os maiores desafios foram que eu j havia marcado uma longa viagem para fevereiro, o G s poderia ensaiar no final de janeiro e ainda precisvamos achar um ator que estivesse altura do G e do personagem em si. Num encontro casual conheci o Maurcio Witczak e

    logo vi que ele tinha um jeito melanclico, era calvo e isso batia bem com os dois personagens. Contudo, ele tinha quase o dobro da altura do G e a sada foi alterar o roteiro, permitindo que o pai brincasse com o filho por causa desse crescimento avantajado. Hormnio de frango, o que Eduardo diz ao filho quando desafiado em sua fora.

    Organizamos de ler o roteiro no final de janeiro mas s pudemos fazer isso uma nica vez porque o G ficou doente. Por causa disso alterei minha viagem para maro. O G melhorou, mas quando chegou a hora de filma, ele ficou novamente doente e nessas horas que vemos a vantagem

    de trabalhar com atores bons. No houve ensaios e tudo se resolveu no set de filmagem. Como todo filme de guerrilha, a coisa saiu, mas no sem os naturais atropelos e improvisos, mas nada que no possa ser suplantado quando se trabalha com amigos dispostos a fazer o melhor.

    Uma coisa que disse Thas quando nos conhecemos que quase sempre produzimos filmes pensando em prmios e reconhecimento, mas esse no o meu combustvel. Graas ao corao generoso dela pude adaptar o seu roteiro, e o filme Carta da Esperana uma carta que escrevi para reconhecer o quo valoroso o trabalho das pessoas que cuidam dos seus parentes em idade avanada. Se o filme ganhar prmios e exibies em festivais eu no sei e sinceramente no estou preocupado com isso. Contudo, se Deus permitir que algum dia eu encontre algum cujo filme o encorajou em sua caminhada diria no cuidado dos seus parentes mais necessitados... Puxa, me sentirei como um vencedor do Oscar.

  • 8equipeJoo IncioDiretor cinematogrfico, compositor, roteirista, formado e ps-graduado em comunicao e com vrios cursos de especializao em cinema, Joo Incio um artista multimdia e agitador cultural. Tambm poeta, compositor de vrios discos, romancista, criador de programas de rdio e TV, produziu e dirigiu os dvds das bandas musicais Expresso Luz, Razes e Thase Franco, assim como produziu e dirigiu os documentrios Sal da Terra, Navegando nas guas de Deus e Naoum. Com seu longa documentrio TRUKS foi o diretor convidado para abrir o 3 DocBrazil Festival na China onde tambm ministrou workshop Documentrio Da criao produo. Tambm nesse pas dirigiu o clipe da banda brasileira Soulmundo com imagens gravadas em plena Muralha da China (The great wall), tida como uma das 7 maravilhas do mundo. O filme Truks ganhou os prmios de melhor longa documentrio no Festival Vercine, no Rio de Janeiro, e Meno Honrosa no III Curta Amaznia, em Manaus. Em fico Carta da Esperana o segundo filme de Joo Incio, sendo que o primeiro (As luzes de Benjela) com alguns meses de inscries em festivais j foi selecionado para participao em festivais do Brasil, Chile e Mxico.

  • 9G MartuGeraldo Martuchelli, ou simplesmente G Martu, nascido no Rio de Janeiro, na cidade de Paty do Alferes. Filho de pai mecnico e de me dona de casa, o caula de uma famlia de trs irmos. Ator e diretor, teve como exemplo profissional a atriz Cris Oliveira, que cantava e interpretava. A Cris est anos-luz da gente. Ento foi uma grande atriz com quem eu me identifiquei. No s como colega de cena, mas como homem. Eu era um garoto, ela j uma mulher feita. Eu achava que ela gostava de mim. E eu era apaixonado por ela, relembra. Os 50 anos dedicados ao teatro e ao cinema lhe valeram o apelido G Matusalm, como gosta de ser chamado. G Martu, por meio de seu trabalho, fez parte da formao da identidade cultural brasileira e em especial com a cultura de Braslia. Autodidata em arte cnica, no estudou teatro. A devoo pela profisso empolgou platias e fez de G uma referncia em Braslia para outros colegas de profisso. Mesmo quando no est em cena, emociona, diverte, provoca, contagia. A primeira vez que veio a Braslia foi em 1965, quando participou da comemorao dos cinco anos da capital.

    Aproveitando a visita, encenou a pea infantil Prncipe Valente, o Heri da Floresta, de Orlando Miranda. E foi aqui, na terra brasiliense, que encontrou sua esposa e companheira, com quem teve uma filha. Motivo

  • 10

    que o levou a mudar-se definitivamente para a capital em 1970. Trabalhava no MEC no Rio, vim pra c e vim pra trabalhar, porque Braslia estava precisando de tcnico. Minha rea era contabilidade. Nisso conheci a Gisele. Tivemos um affairzinho. Nasceu nossa filhota que a Luciana Martuchelli.Eu morava no Rio, num apartamento pequeno, no Bairro Peixoto, em Copacabana. Mas dinheiro pouco. No ganhava fazendo teatro. O ministrio pagava pouco. E a veio a oportunidade da transferncia. Se eu topava. E como eu tava meio assim no Rio: fazia teatro, no ganhava dinheiro, poca de represso, no pintava nada. Eu pensei: Bem, uma forma de eu ir e assumir a paternidade., narra.

    Foram mais de 70 peas e 50 filmes ao longo de 58 anos de carreira. Das telas pro palco, do palco pras telas, assim tem sido a vida de G Martu: atuando e dirigindo. At os 15 anos, ele cantava e danava em parques, cinema e circo. Mas foi na adolescncia que se encantou pela arte dramatrgica. Ele comeou o aprendizado na prtica e no na teoria. Os conhecimentos tcnicos foram sendo adquiridos ao longo de sua jornada no ramo. Inicialmente, G queria ser ator de cinema, mas s conseguia fazer alguns vdeos. Ento optou pelo teatro, pois dava mais oportunidade de atuar.

    Comecei a gostar do teatro, da forma de ter o pblico, porque o cinema mais distante. E voltei a fazer teatro e cinema em Braslia, a partir dos

    anos oitenta, quando foi o primeiro filme. J estou com 47 curtas. Fiquei sempre no teatro pensando em fazer cinema, declara.

    G Martu comeou o teatro em Braslia com o grupo Atard (Ateli de Arte Dramtica). A pea que foi um marco em sua vida, no palco candango, foi a Bella Ciao, direo Mangueira Diniz e Francisco Rocha. Ela lhe rendeu o primeiro prmio de teatro em Braslia: o de melhor ator. Outra premiao foi no cinema com o curta Borralho, fico de Arturo Sabia e Paulo Eduardo Barbosa.

    G Martu trabalha como diretor de teatro h 24 anos. Atua em peas teatrais desde 1952. No cinema, interpreta personagens h 49 anos. J na televiso, vdeo, rdio, novela, desde 1966. G tem uma carreira de sucesso, mas no esconde o privilgio de ter trabalhado com vrios profissionais experientes. Carta da Esperana foi o 50 filme em que o G participou como ator e nesse momento o diretor Joo Incio est produzindo um longa documentrio contando sua trajetria nos palcos e nas telas.

    O filme por G Martu

    Como foi fazer o filme Carta da esperana?Quanto a mim, sempre antes de gravar, nervoso, inseguro, mas depois relaxo. Tranquilo em relao a direo, equipe, etc., Um excelente set de filmagens. Parabns!!!!

    Qual o momento mais marcante do filme pra voc?Vrios momentos, entre eles quando o pai num momento de lucidez fica sabendo que a esposa est morta e, sentindo-se culpado, ele surta e o filho o abraa carinhosamente, tentando acalm-lo. Me tocou profundamente.

    Qual a relevncia do tema pra sociedade? Mais um canal de informao para situaes como essas. Principalmente para os jovens, para que eles tenham um conhecimento maior e, assim mais respeito para as pessoas que passam por isso.

    O que ficou de marcante pra voc depois de ter participado deste filme?... que a vida no s isso de se ver, um pouco mais... (Grande Paulinho da Viola). E tambm consciente sobre o que est acontecendo com o meu irmo de 83 anos e com as demais pessoas, de um modo geral. Sinto no poder estar mais perto do meu irmo.

  • 11

    Como foi a relao com os outros atores e com a equipe?MAGNFICA!!!! Profissionalismo e alegria sempre de mos dadas. Amei cada momento. Meus agradecimentos para essa turma jovem iniciante e para os mais tarimbados, sempre nos ensinando. O que seu personagem significou pra voc?A fragilidade do ser humano! sempre gratificante viver personagens de perfis fortes como esse. A gente ora est numa realidade e de repente em outra. O que o real ou a fico? Mais um grande papel para a minha carreira.

    Como foi a experincia de ser dirigido por Joo Incio?APRENDIZADO!!!! Eu e o Joo Incio nos conhecemos desde os anos 80 quando dividimos o palco do Teatro da Escola Parque da 508 Sul. De colegas de cena, hoje sou dirigido por ele nessa histria verdadeira, encantadora e emocionante. Tive momentos de perceber que eu no alcanaria o clmax da cena se no fosse a direo segura e tranquila do JI, um Mestre! Como foi a experincia de atuar com o Maurcio Witczak?Maurcio? Bomrcio, isso sim, rsrsrsrsrs... Tive o prazer de conhecer o Maurcio desde os seus primeiros passos nas artes. Poeta, Escritor, Ator, Produtor Cultural e muito mais... Foi mais um filho que tive ao meu lado nessas

    duas semanas de filmagens. Assim que eu ouvia gravando, no o via mais como um amigo de trabalho e sim como um verdadeiro filho. A energia que ele transmitia ao seu personagem me alcanava e no era mais o G e o Maurcio e sim o pai e filho, juntos, vivenciando um drama familiar, sempre sob os olhares seguros da direo. BrigadoBraoBjoGpoticoteatralcinemato graficamentecarinhosoproctambmMaurcio.

  • 12

    Maurcio WitczakMaurcio ator, roteirista, dramaturo em poeta com intensa atuao artstica. Juntamente com sua esposa, Wol Nunnes, desde 2012 curador de uma mostra permanente de cinema que acontece no Teatro do Braslia Shopping e que j exibiu mais de 400 filmes Brasilienses.

    Como poeta, em 1997 publicou livro de poesias, intitulado Janelas. J em 2006 com a poesia Eu terra, venceu o concurso de poesias Carlos Drummond de Andrade, promovido pelo Sesc-DF. Em 2011, a Editora Dulcina e o Teatro

    Caleidoscpio publicaram seu livro Comdias, dramas e absurdos do amor- em 6 peas teatrais e em 2013 participou do ciclo de leituras dramticas da Casa da Gvea do Rio de Janeiro, com o texto teatral Estao felicidade, sob a direo de Rose Abdallah.

    Ator verstil e dedicado, participou de diversas propagandas Institucionais, comerciais para a televiso e dos filmes O homem, curta-metragemde Ren Sampaio (2006), Federal longa-metragem de Erik de Castro (2010),

    Falta de ar, curta-metragem de Erico Monnerat (2010), Perdidos, curta metragem de Mahatma Lima (2011), Vidas vazias e as horas mortas longa-metragem de Pedro Lacerda (2013), Somos to jovens, longa-metragem de Antnio Carlos Fontoura (2013), Os fins e os meios longa-metragem de Murilo Salles (2013), O voo mais alto da Apollo curta-metragem de Cau Brando (2014). Participou como ator e Produtor do curta-metragem Como fazer um macarro a bolonhesa, de Joo Rafael (2011) e como produtor do curta-metragem Quase,

  • 13

    de Gilney Maia (2011). Roteirizou e atuou no Curta-metragem Pequena crnica de amor de Gilney Maia (2014) e no filme Carta da Esperana, de Joo Incio, Maurcio atua como Fernando.

    O filme por Maurcio WitczakParticipar do filme Carta da esperana foi um dos momentos mais marcantes da minha carreira de ator. Digo isso porque depois de 20 anos de carreira no teatro migrei para o cinema com a inteno de descobrir novas possibilidades artsticas e o filme me trouxe exatamente isso. Um personagem que um presente em todos os sentidos. Recebi o convite de forma muito carinhosa.

    Joo Incio um diretor talentoso e de um profissionalismo raro e admirvel. Rapidamente me identifiquei com ele. A forma como ele dirige da muita segurana e liberdade pros atores criarem em conformidade com sua proposta. Ele sabe o que quer porque o seu processo de preparao do filme extremamente minucioso. Grande diretor! O resultado um Set agradvel que proporciona a integrao de toda a equipe, tambm composta de excelentes profissionais com certeza escolhidos a dedo por Joo. Pra mim foi tambm um privilgio poder criar um personagem que tem grande profundidade psicolgica e emocional. A narrativa comovente e aborda a questo do mal de Alzheimer com muita delicadeza. Joo Incio nos prope uma

    reflexo sobre as limitaes humanas, o amor incondicional, o tempo e a iminncia da morte. E tudo isso misturando densidade dramtica com um pouco de humor e uma incrvel atmosfera potica.

    E pra coroar todo esse processo tive a imenso privilgio de contracenar com um dos maiores atores do nosso pas: G Martu. Uma aula de interpretao e de convivncia. Poder interpretar seu filho me trouxe grandes emoes e aprendizagens. O G gosta de jogar junto o tempo inteiro. Acredita na contracena sem competies. Se a gente procura em um ator a mistura de talento, generosidade e profissionalismo encontra tudo isso no G. Viva G Mart!

    O momento mais marcante no filme pra mim quando abrao meu pai tentando acalm-lo durante uma crise nervosa. Cena esta que ilustra o cartaz do filme. Acho que o filme tem grande relevncia social e humana porque nos faz pensar em uma realidade muito comum em nossas famlias. Acredito que por ser abordado com tanta delicadeza e poesia vai trazer muita emoo aos espectadores. Sintam-se presenteados tambm!

  • 14

    Thas Rosa

    Thas Rosa estudante de jornalismo na Universidade de Braslia, foi roterista do curta Lugar Vazio de Patricia Nascimento e Carta da Esperana de Joo Incio, alm de primeira assistente de direo do segundo.

    A loucura que foi a gravao do nosso curta Lugar Vazio foi fortemente minimizada pelos incrveis atores dos quais dispusemos e das dicas de filmagem de Joo Incio, um homem que tinha me ligado e pedido para comparecer as gravaes pois estava fazendo um documentrio sobre a vida do G, nosso ator que caiu do

    cu, e que acabou por ajudar muito com suas sugestes de filmagem. Mais tarde, no mesmo dia, Joo me mandou uma mensagem pedindo meu roteiro e alguns dias depois, quase no acreditei: recebi um e-mail dele com meu roteiro modificado e uma proposta: que o filmssemos juntos. Deliberamos em grupo e aceitamos, com a condio de que dssemos os devidos crditos Phillip Toledano, cuja histria inspirou meu roteiro. Passamos semanas nos correspondendo e arrumando o roteiro at estar ao agrado de ambos, e passamos s prximas fases: formar a equipe. No houve dvida de que gostaramos que o G continuasse no papel, mas decidimos que precisvamos de algum mais velho para o papel do filho.

    Cludio MoraesClaudio Moraes diretor cinematogrfico, roteirista e reprter fotogrfico. Possui larga experincia em vdeos comerciais, vdeoclips, institucionais, documentrios, curtas e longas metragens. Ex-diretor da Associao Brasiliense de Cinema e Vdeo ABCV, Diretor e roteirista do curta-metragem O Golpe no Mestre, exibido no Festival de Braslia do Cinema Brasileiro de 2010. No momento Cludio est finalizando o documentrio Cine Drive-in cinema Sob o Cu onde atua como diretor e roteirista. No filme Carta da Esperana Cludio foi o Diretor de Produo Excutiva.

  • 15

    Marcelo VieiraMsico verstil e vido por explorar novas linguagens, Marcelo Martinez Vieira um violoncelista de slida formao e um compositor apaixonado pelo violoncelo e pela criao e improvisao musical, transitando entre variados estilos e diferentes atividades artsticas. Criado em Piracicaba, iniciou cedo, aos cinco anos, sua formao musical na Escola de Msica de Piracicaba Maestro Ernst Mahle. Um dos poucos violoncelistas com extensa experiencia e formao em Musica Popular, tambm um dos nicos a possuir mestrado em violoncello e jazz pela Louisiana State University. Atualmente Marcelo membro da Mississippi Symphony Orchestra, atuando no sul dos Estados Unidos como musico orquestral e de

    musica popular e jazz, e professor no projeto social da Mississippi Symphony junto s escolas pblicas de Jackson, Mississippi.Tem grande experincia em improvisao e produo na musica popular, tendo j tocado com Orquestra Popular de Cmara, Luiza Possi, Sandy&Jr Falamansa, com quem tocou no Montreuxx Jazz Festival em 2003, entre outros. compositor premiado de trilhas sonoras para Teatro e Dana, e explora a improvisao ao vivo para atividades de performance, tendo nessa rea j trabalhado com Adilson Nascimento e com a Myiako Kato Dance Space(Tokyo-Japo), dentre muitos outros. Nos ultimos quatro anos Marcelo se dedica a ensinar processos criativos e de improvisao para instrumentistas de corda,

    tendo sido artista e professor convidado de varios festivais entre eles o New Directions Cello, Rio International Cello Encounter entre outros. Em 2014, Marcelo ingressou no programa de Executive Master of Business Administration da Millsaps College em Jackson, Mississippi, onde se graduar em 2015.

  • 16

    Fernando CavalcanteProfissional com vasta experincia e participao em dezenas de documentrios, sriados de tv e vdeos institucionais, em 2008 foi vencedor do prmio de melhor som direto no longa metragem Nnde Guarani de Andr Cunha, no 41 Festival de Braslia do cinema brasileiro. Foi responsvel pelo som direto nos curtas Memria de Elefante, de Denise Moraes (2009), Sapaim, de Soraya Segall (2006), Mame t na geladeira, de Douro Moura (2005), Caretada, de Tnia Anaya (2004), Rosebud, de Liloye Boublie (2004), O ltimo Dia, de Nara Riella (2003),

    Dez Reais, de Rodrigo Sartis (2003), Momento Trgico, de Cibele Amaral (2003), Teodoro Freire, de William e Nga Ribeiro (2003), Um Pingado e Um Po com Manteiga, de Denise Moraes (2003), A Sentena do Pau Brasil, de Francis Valle (2003) e Castro Alves, de Silvio Tendler (1997) e nos longas metragens Signo de Ouro, de Pedro Ansio (2011), Salve Geral, de Srgio Rezende (2009), Nnde Guarani, de Andr Cunha (2008), O Rei de uma Nota S, de Carlos Del Pino (2006), Folia, de Angela Zoe (2004), Cem Dias, de Nelson Pereira dos Santos

    (2003), Milagre em Juazeiro, de Wolney Oliveira (1995), Nem Tudo Verdade, Paramount Picture Films (1989). Com Joo Incio o Fernando fez a captao dos filmes As luzes de Benjela e Carta da Esperana.

  • 17

    Fernando GarciaFernando formado em publicidade, roteirista e atuou como claquetsta nos filmes As luzes de Benjela e Carta da Esperana.

    Matheus FelipeCompositor, graduado em comunicao e mestre em teologia, Matheus Felipe arranjador desde que que iniciou seus passos na msica durante sua adolescncia. Em sua trajetria responsvel pela trilha sonora dos filmes TRUKS e As luzes de Benjela. No filme Carta da esperana Matheus divide as composies com o violoncelista Marcelo Vieira.

    Vanessa SantosVanessa Santos estudante de Comunicao Social na Universidade de Braslia, trabalhou como Diretora de produo no curta Lugar Vazio de Patrcia Nascimento e no Carta da Esperana de Joo Incio.Aps a longa procura por um ator mais velho, veio o alvio de finalmente t-lo encontrado. Conheci o G no dia da filmagem do nosso curta Lugar Vazio. A primeira impresso que tive foi de que se tratava de um senhor muito fofo e gentil, mas logo comeamos a passar as cenas e vi o excelente profissional que ele ! No tive dvidas de que era perfeito para o personagem. No decorrer das filmagens fui conhecendo seu lado engraado e carinhoso, sempre com uma histria para contar entre cenas. Foi incrvel a oportunidade que tivemos de trabalhar com esse grande ator.

  • 18

    Isabella VelosoIsabella Veloso trabalhou na Direo de Arte do curta Lugar Vazio de Patrcia Nascimento e em Carta da Esperana de Joo Incio. Atualmente cursa Audiovisual na Universidade de Braslia.

    As filmagens do curta Carta da Esperana foram muito interessantes e divertidas, pude aprender com profissionais a arte de se fazer um filme e todas as dificuldades que envolvem uma produo. O clima descontrado era empolgante e o profissionalismo de todos era um incentivo a mais para trabalharmos melhor, alm da histria por ns contada ser uma grande inspirao. Guardarei na memria e no corao estes bons momentos que tive com toda a equipe e todo o aprendizado tcnico obtido por essa incrvel experincia.

    Ana PieroniAna Pieroni cineasta e trabalha desde 2010 como profissional de maquiagem, participando neste perodo de oito longa-metragens, incluindo os filmes Faroeste Caboclo, Somos to jovens e a srie Mandrake (HBO), alm de curta-metragens e publicitrios. Ministrou o workshop de Maquiagem de Efeitos Especiais no SUA Semana Universitria do Audiovisual, na UnB, e tambem na OZI Escola de Audiovisual. Possui conhecimento e prtica em maquiagem social, maquiagem artstica e de efeitos especiais. Com Joo Incio o Ana Pieroni fez a maquiagem dos filmes As luzes de Benjela e Carta da Esperana.

    Thiago MendesFormado em Cinema e Mdias Digitais, Thiago Mendes j atua h mais de 11 anos como cinegrafista e diretor de fotografia em produo de vdeos institucionais, clipes e programas para TV. Em sua carreira j possui a direo de fotografia nos filmes As luzes de Benjela e Carta da Esperana.

  • 19

    Helosa AbreuHeloisa Abreu estudante de audiovisual da Universidade de Braslia e sua primeira participao no meio cinematogrfico foi como Diretora de Fotografia no curta metragem Lugar Vazio, de Patrcia Nascimento, e 1 Assistente de Direo de Fotografia no curta Carta da Esperana de Joo Incio.

    Como estudante de audiovisual e apaixonada por cinema, trabalhar em um curtametragem como Carta da Esperana - ainda que seja um filme independente - foi uma experincia fantstica e enriquecedora. Trabalhar com essas pessoas que j esto h muito mais tempo

    no meio cinematogrfico foi uma incrvel oportunidade de aprendizado. Apesar de termos que correr contra o tempo e contra algumas adversidades, como qualquer produo, a equipe se saiu bem e esteve bastante entretida para a realizao do curtametragem. Carta da Esperana foi motivo de muitas conexes importantes para ns, que estamos chegando agora no meio cinematogrfico, e ficar para sempre na lembrana como um pontap inicial na minha carreira dentro da rea.

    Heloisa Abreu, primeira assistente de direo de fotografia de Carta da Esperana

    Henrique GabrielHenrique Augusto Gabriel estudante de fotografia e tem formao em Comunicao Social e Direito. Como fotgrafo participou dos filmes As Luzes de Benjela e Carta da Esperana.

  • 20

    Toninho ZemunnerCompositor, arranjador, msico e sound designer, Toninho responsvel pela mixagem e masterizao de dezenas de discos musicais. Alm do Carta da Esperana Toninho Zemuner responsvel pela mixagem dos filmes TRUKS e As Luzes de Benjela.

    Lemuel MassuiaPublicitrio, designer e ilustrador, Lemuel Massuia atua h mais de 17 anos produzindo artes para os segmentos editorial, publicitrio e de entetenimento nacionais.Em parceria com a produtora Imaginao j criou para os filmes Truks, As Luzes de Benjela e agora Carta da Esperana. Como profissional de criao sempre um imenso prazer mergulhar em projetos que me permitem gerar imagens impactantes e cheias de emoo, que comunicam o valor do projeto. Carta da Esperana um projeto assim e eu me sinto privilegiado de poder participar de mais esta produo da Imaginao.

  • 21

    FiCha tCniCa Carta da EsperanaAno de produo: agosto/2014Tempo de durao: 1959

    Direo: Joo IncioAtores: G martu / Maurcio WitczakRoteiro: Thas Rosa / Joo Incio1 Assist. Direo: Thas RosaDir. Produo Executiva: Cludio MoraesTrilha sonora: Marcelo Vieira / Matheus FelipeProduo executiva: Imaginao Artes AudiovisuaisDir. Produo: Vanessa SantosSom direto: Fernando CavalcanteClaquetsta: Fernando GarciaDir. Arte: Isabella VelosoMaquiagem: Ana PieroniEdio, sound design e cfx: Joo IncioDir. Fotografia e color grading: Thiago Mendes1 Assist. Dir. Fotografia: Helosa AbreuStill: Henrique GabrielMix 5.1: Toninho ZemunerSuperv. Efeitos Visuais: Lemuel Massuia

    Fotos de Henrique Gabriel

  • 22

    agradeCimentoSDe maneira especial agradeo muito Thas Rosa por haver confiado seu roteiro para que a partir deste eu desenvolvesse minha prpria verso.

    Meus sinceros agradecimentos aos amigos que contriburam com sugestes, apoio, fotos e relgios (muitos relgios): Elair Witczak, Dulcinia Lyra dos Santos Abreu, Waleska Magalhes Pedrosa, Marcelo Rodriguez, Hemerson Colt, Marco e Andra Neves, Trcio Garoffalo e Wol Nunnes.

    Ao meu Senhor Jesus Cristo, Senhor do tempo, a quem dedico todas as minhas formas de expresso.

    Braslia - DF - Brazil

    Contato

    www.imaginacao.art.br/[email protected]