plantas invasoras da cultura do feuoeiro · pdf filevolvulaceae, rubiaceae, euphorbiaceae,...

Click here to load reader

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Acta bot. bras. 3(2): 1989 supl.

    PLANTAS INVASORAS DA CULTURA DO FEUOEIRO (PHASEOLUS VULGARIS L.) NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

    225

    Julio Pedro Laca-Buendia (1) Mitzi Brando (2)

    Manuel Losada Gavilanes (3)

    RESUMO - Nas reas de cultura do feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.), no Estado de Minas Gerais, foram coletadas e identificadas 222 espcies de plantas invasoras (= plantas daninhas), pertencentes a 35 famlias botnias, representando 118 gene-ros, sendo que as famlias Compositae, Legurninosae, Grarnineae, Malvaceae, Con-volvulaceae, Rubiaceae, Euphorbiaceae, Amaranthaceae, Cyperaceae e Solanaceae, so as mais importantes em relao cultura. As plantas coletadas, devidamente eti-quetadas e identificadas, foram anexadas no PAMG (Herbrio da Empresa de Pes-quisa Agropecuria de Minas Gerais, Belo Horizonte - (MG.).

    Palavras-chaves: Phaseolus vulgaris, Plantas Daninhas, Daninhas do Feijoeiro.

    ABSTRACT - A survey in the cultivation area of bean in the state of Minas Gerais, Brazil, resulted in the determination of 222 weeds species, of 118 genera belonging to 35 farnilies presenting a greater number of species areas: Compositae, Legurninosae, Grarnineae, Malvaceae, Convolvulaceae, Rubiaceae, Euphorbiaceae, Amaranthaceae. Cyperaceae and Solanaceae, with 33. 30, 25. 21, 12. 10. 10. 10.9. 8 species respectively .

    Key-words: Phaseolus vulgaris, weeds, bean weeds.

    Introduo

    As plantas invasoras de reas cultivadas (plantas daninhas), quando cres-cem em solos agrcolas, com as plantas consideradas teis, competem na ex-trao dos elementos vitais: gua, nutrientes, luz e dixido de carbono (C02); em consequncia, reduzem a produo agrcola (Zeep, 1971).

    (I) Pesquisador da EPAMIG, Caixa Postal 515 , 30.000 - Belo Horizonte, MG. (2) Pesquisador da EPAMIG, Caixa Postal 515 . 30 .000 Belo Horizonte, MG . Bolsista do CNPq . (3) Professor de Botnica da ESAL, Caixa Postal 37. 37.200 - Lavras, MG . Bolsista do CNPq.

  • 226 LACA-BUENDIA etal

    Em culturas bsicas tem-se como meta fmal um alto rendimento econmi-co, que venha minimizar no s6 os custos de sua implantao, dos cuidados culturais inerentes a mesma, como tambm as oscilaes do preo do produto no mercado. As perdas devido competio entre espcies invasoras e culturas agrcolas, em todo o mundo, se situam em torno de 30 a 50% (Mani et ai., 1968; Pereira & Jones, 1954); no Brasil esses nveis so levemente superiores. Alm da reduo quantitativa da produo, todos os tipos de produtos agrcolas podem ser qualitativamente depreciados.

    O cadastramento, a identificao, os estudos de fenologia, germinao, desenvolvimento, competio, etc., de plantas invasoras, ocorrentes em cultu-ras, no Estado de Minas Gerais, objetivam subsidiar o seu controle e/ou erradi-cao, alm de oferecer dados reais que permitam o reconhecimento dessas plantas, em nvel de campo (Maia, 1978; Brando et al., 1982 e 1984).

    Alguns trabalhos sobre o tema, j foram desenvolvidos, no tendo, entre-tanto esgostado o assunto, assim como, efetivado o cadastramento total das espcies ocorrentes no Estado (Laca-Buendia et ai., 1982 e 1984). Toma-se imprescindvel o levantamento sistemtico dessas plantas por cultura, visto que a maioria dos trabalhos feitos com herbicidas s cita aquelas mais frequentes e grande parte dos autores s as identifica pelo seu nome genrico, ou popular, como por exemplo: Silva & Silva (1984).

    So objetivos principais deste trabalho: a. Proporcionar referncias para a identificao das plantas invasoras, que

    competem com a cultura do Feijoeiro (Phaseolus vugaris L.), no Estado de Mi-nas Gerais;

    b. Dar subsdios aos tcnicos em herbicidas a fim de que possam reconhe-cer as plantas invasoras ocorrentes em culturas do Feijoeiro, dentro do Estado de Minas Gerais;

    c. Continuar, em face da elativa escassez de dados sobre plantas invasora em terras mineiras, o levantamento das espcies, do ponto de vita botnico, ini-ciado com o levantamento das espcies ocorrentes na cultura algodoeira (La-ca-Buendia et ai., 1975).

    Material e Mtodos

    Foram realizadas coletas de plantas invasoras da cultura do Feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) em quase todas as microrregies do Estado de Minas Gerais, visto ser essa uma cultura considerada de subsistncia, tradicionalmente explorada por pequenos agricultores, que continuam sendo os principais produ-tores dessa leguminosa, plantando em pequenas reas, em diferentes climas e solos.

    Devido introduo da irrigao, e a implantao de vrios "Pivs Cen-trai", ao longo do vale do Rio So Franciscu e em alguns Municpios do Trin-gulo Mineiro, a sua rea de cultivo foi ampliada, razo pela qual intensificamos as coletas nessas regies.

    Em cada microrregio foram percorridos vrios municpios e visitadas as

  • Plantas invasoras da cultura do feijoeiro ... 227

    fazendas mais representativas em termos de seu cultivo. As plantas coletadas foram identificadas segundo a metodologia clssica,

    rotuladas, registradas e anexadas ao PAMG (Herbrio da EPAMIG). O grau de ocorrncia (abundncia) de cada espcie foi estimado segundo

    as escalas semi-quantitativa de Hanson e qualitativa de Tansley & Chipp., cita-das por Blanco (1977), com algumas modificaes, a saber: Espordica - 1 a 2 plantas/m2 ; Pouco Frequente - 3 a 6 plantas/m2 ; Frequente - 7 a 10 plantas/m2 ; Abundante - 11 a 50 plantas/m2 ; Muito Abundante - + de 50 plantas/m2

    Resultados e Discusses

    Foram identificadas, at o presente momento, no Estado de Minas Gerais, 222 espcies, de plantas invasoras da cultura do feijoeiro, pertencentes a 118 gneros, englobados em 35 fannlias. As espcies foram listadas por ordem al-fabtica das fannlias e gneros, seguidas de nmero de registro no PAMG, de seu(s) nome(s) popular(es), bem como do grau de abundncia. As plantas em questo esto relacionadas na Tabela I. Na Tabela 11 as fannlias esto ordena-das por ordem alfabtica, seguidas do nmero de gneros e de espcies encon-tradas.

    Constatou-se a presena de 32 fannlias de dicotiledneas e 3 de monocoti-ledneas. As fannlias mais representativas foram: Compositae com 33 espcies englobadas em 25 gneros, Leguminosae com 30 espcies em 10 gneros, Gra-mineae com 25 espcies em 18 gneros, Malvaceae com 21 espcies em 6 gne-ros, Convolvulaceae com 12 espcies em 2 gneros, Amaranthaceae, Euphorbia-ceae e Rubiaceae, com 10 espcies em 4 gneros, cada uma.

    As espcies mais importantes, em relao cultura, em enfoque, devido ao alto grau de abundncia (muito abundante), foram: Acanthospernuun australe (CARRAPICHO-DE-CARNEIRO), Ageratum conyzoides (ERV A-DE-SO-JOO), Alternanthera ficoidea (SEMPRE VIVA), Amaranthus viridis (CA-RURU-MANCHADO), Bidens pilosa (PICO), Borreria alata (POAlA-RO-XA), Brachiaria plantaginea (CAPIM-MARMELADA), Cassia tora (FEDE-GOSO), Cen.chrus echinatus (CAPIM-CARRAPICHO), Cynodon dactylon (GRAMA-SEDA), Cyperus rotundus (TIRIRICA-VERMELHA), Digitaria san-guinalis (MILH), Eleusine indica (CAPIM-P-DE-GALINHA), Emilia son-chifolia (PINCEL), Euphorbia heterophylla (LEITEIRA), Galinsoga parviflora (FAZENDEIRO), Ipomoea acuminata (CORDA-DE-VIOLA), Leonorus sibiri-cus (MACA), Oxalis oxyptera (TREVO), Phyllanthus corcovandensis (ER-V A-POMBINHA), Portulaca oleracea (BELDROEGA), Raphanus raphanis-trum (NABIA), Sida rhombifolia (GUANXUMA), Sonchus oleraceus (SER-RALHA-BRA V A).

    Comparando-se a relao das plantas aqui apresentadas (Tabela I) com a listagem de plantas para a cultura do Feijoeiro em Minas Gerais, elaborada por Brando et alo (1982), verifica-se que apenas 33% das plantas j foram citadas. Isto mostra a necessidade de se efetuarem, e/ou ampliarem, levantamentos re-gionais das invasoras, por culturas, para que se possa estabelecer programas

  • 228 LACA-BUENDlA et ai

    mais confiveis no controle das mesmas. O uso do binmio completo, isto , a identificao taxonmica correta de

    uma espcie, vem esclarecer uma srie de problemas impostos, mas no devi-damente explicados pelos autores, ou seja, aqueles do comportamento e desen-volvimento da espcie visada em seus trabalhos. Espcies distintas, pertencen-tes ao mesmo gnero, podem ter hbitos completamente diversos e, portanto, formas variadas de ao sobre as plantas com as quais competem. Por exemplo, uma planta de hbito escandente compete em termos de luz, muito mais que uma de hbito ereto. Os tipos de raiz, a forma de sua distribuio, a rapidez de seu desenvolvimento e o ciclo evolutivo de certas espcies podem exigir uma soma maior de nutrientes e, portanto, serem competidoras em outro nvel com as plantas cultivadas.

    Sendo a citao feita corretamente, tem-se outra viso dos reais efeitos da competio, da forma de competio, do conhecimento do comportamento da planta invasora em enfoque, facilitando, por outro lado, uma seleo prvia da-quelas mais competidoras, tendo como resultado, pesquisas adequadas que vi-sem o controle e/ou erradicao dt:ssas espcies.

    Referncias Bibliogrficas

    BLANCO, H.C. 1977. Plantas daninhas e mato competio. Boletim Informativo, Herbici-das em Florestas, Piracicaba, 1(77): 1-88.

    BRANDO, M.; LACA-BUENDlA, J.P. & GAVILANES, M.L. 1982. Principais plan-tas daninhas no Estado de Minas Gerais. Informe Agropecurio, Belo Horizonte, 8(87): 18-26.

    BRANDO, M.; LACA-BUENDlA, J.P. & GA VILANES, M.L. 1984. Plantas daninhas ocorrentes em reas de culturas de soja (Glycine max (L.) Merril) no Estado de Minas Gerais. IN: CONGRESSO NACIONAL DE BOTNICA, 24, Porto Alegre, 1983. Anais ... Porto Alegre, p. 235-249.

    LACA-BUENDlA, J.P. ; FERREIRA, M.B. & GAVILANES, M.L. 1975. Contribuio para o conhecimento das ervas daninhas nas principais regies algodoeiras em reas de cerrado. Ce"ado, Braslia, 6(28): 28-32.

    MAIA, A.C. 1978. Controle de plantas daninhas. Informe Agropecuria. Belo Horizonte, 4(43): 28-29.

    MANI, V.S. et al. 1968. Losses in crop yield