planimetria aula 2

Click here to load reader

Post on 07-Nov-2015

59 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Topografia

TRANSCRIPT

  • 15/02/2014

    1

    TOPOGRAFIA

    PLANIMETRIA

    Prof. Msc: Rmulo Spsito das Virgens

    INTRODUO

    Um alinhamento topogrfico um

    segmento de reta materializado por dois pontos

    nos seus extremos. Tem extenso, sentido e

    orientao.

    Orientao: 45

    Sentido: de A para B.

    Extenso: x metros.

    INTRODUO

    Ponto Topogrfico

    Para representar o contorno e os detalhes de um terreno na planta so escolhidos pontos no campo;

    Feito com piquete e estaca testemunha com um auxilio de uma baliza;

    As posies so definidas pelas coordenadas: ngulos e distncias.

    PONTO TOPOGRFICO: INSTRUMENTOS

  • 15/02/2014

    2

    LEVANTAMENTO TOPOGRFICO

    Conjunto de operaes, no campo e no

    escritrio, por meio de mtodos e instrumentos

    prprios destinados obteno dos elementos

    necessrios representao geomtrica de certa

    extenso de terreno, denominada superfcie

    topogrfica.

    LEVANTAMENTO TOPOGRFICO

    Classificao:

    Expedito: uso de instrumento de escassa preciso e

    portteis. Sua execuo fcil e rpida;

    Comum: uso de instrumentos mais apropriados, com

    mtodos de preciso mais rigorosos;

    De preciso: uso de instrumentos de alta preciso,

    propiciando maior aperfeioamento nas medies das

    distncias e do ngulos.

    LEVANTAMENTO TOPOGRFICO

    Tradicionalmente o levantamento topogrfico pode ser divido em duas partes:

    O levantamento planimtrico, onde se procura determinar a posio planimtrica dos pontos (coordenadas X e Y);

    Levantamento altimtrico, onde o objetivo determinar a cota ou altitude de um ponto (coordenada Z);

    A realizao simultnea dos dois levantamentos d origem ao chamado levantamento planialtimtrico.

    Figura 01. Levantamento Planialtimtrico (Veiga et al, 2007)

  • 15/02/2014

    3

    TOPOGRFIA

    Em diversos trabalhos a Topografia est

    presente na etapa de planejamento e projeto,

    fornecendo informaes sobre o terreno; na

    execuo e acompanhamento da obra,

    realizando locaes e fazendo verificaes

    mtricas; e finalmente no monitoramento da

    obra aps a sua execuo, para determinar, por

    exemplo, deslocamentos de estruturas.

    MEDIO DOS ALINHAMENTOS

    feita pelos processos Diretos e Indiretos

    PLANIMETRIA

    MEDIO DE DISTNCIAS

    MEDIDA DIRETA DE DISTNCIAS

    A medida de distncias de forma

    direta ocorre quando a mesma

    determinada a partir da comparao com

    uma grandeza padro, previamente

    estabelecida, atravs de trenas ou

    diastmetros.

  • 15/02/2014

    4

    MEDIDA DIRETA DE DISTNCIAS

    Classificao

    Baixa Preciso:

    Resultados mais ou menos satisfatrios;

    Usado em levantamentos rpidos;

    Os diastmetros empregados so o passo do homem ou animal que se monta, rodas da viatura(odmetro e velocmetro), som e relgio.

    MEDIDA DIRETA DE DISTNCIAS

    Classificao

    Mdia Preciso:

    Indicada para levantamentos comuns;

    Os diastmetros empregados so: cadeia ou

    corrente do agrimensor, fita de ao, e trenas de

    ao e de lona.

    MODELOS DE DIASTIMETROS BALIZA, PIQUETE, NVEL DE CANTONEIRA.

  • 15/02/2014

    5

    MEDIDA DIRETA DE DISTNCIAS

    Classificao

    Alta Preciso:

    Levantamentos geodsicos;

    Instrumentos de alta preciso, tais como: fio

    invar (principal caracterstica apresentar

    coeficiente de dilao quase nulo) e GPS.

    TRENAS

    Instrumento para medio direta de distncias entre dois

    pontos topogrficos sobre alinhamentos.

    Dificuldades de uso:

    Vento, provoca catenria horizontal;

    Em terrenos acidentados (necessidade de esticar a

    trena sobre o alinhamento a medir);

    Distncias longas, trenadas at 20,00 metros, para

    minimizar as catenrias horizontais e verticais

    TRENAS

    De ao;

    De fibra de vidro;

    De lona;

    PROCEDIMENTO DE USO DA TRENA

    Sempre medir do centro de uma baliza at o centro de outra baliza.

    No fazer trenadas maiores de 20,0 m.

    Comear pelo ponto mais alto (zero da trena) no terreno.

    No apoiar a trena em nada

    Esticar bem a trena antes da leitura.

    Conferir a leitura.

  • 15/02/2014

    6

    PIQUETES

    Os piquetes so necessrios para marcar

    convenientemente os extremos do

    alinhamento a ser medido.

    CARACTERSTICAS DOS PIQUETES

    Fabricados de madeira rolia ou de seo quadrada com a superfcie no topo plana;

    Assinalados (marcados) na sua parte superior com tachinhas de cobre, pregos ou outras formas de marcaes que sejam permanentes;

    Comprimento varivel de 15 a 30cm (depende do tipo de terreno em que ser realizada a medio);

    Dimetro variando de 3 a 5cm;

    cravado no solo, porm, parte dele (cerca de 3 a 5cm) deve permanecer visvel, sendo que sua principal funo a materializao de um ponto topogrfico no terreno.

    BALIZAS

    So utilizadas para manter o

    alinhamento, na medio entre pontos, quando

    h necessidade de se executar vrios lances.

    NIVEL DE CANTONEIRA

    Equipamento em forma de cantoneira e

    dotado de bolha circular que permite ao

    auxiliar segurar a baliza na posio vertical

    sobre o piquete ou sobre o alinhamento a

    medir.

  • 15/02/2014

    7

    NIVEL DE CANTONEIRA CUIDADOS

    Segundo RODRIGUES (1979), os cuidados que se deve tomar quando da realizao de medidas de distncias com diastmetros so: que os operadores se mantenham no

    alinhamento a medir;

    que se assegurem da horizontalidade do diastmetro, e;

    que mantenham tenso uniforme nas extremidades.

    PRINCIPAIS ERROS

    Catenria;

    Falta de horizontalidade da trena;

    Falta de verticalidade da baliza;

    Desvio lateral da trena;

    Dilatao das trenas.

    CATENRIA:

    Em virtude do peso do material da trena, a mesma tende a formar uma curva com concavidade voltada para cima. Mede-se nesse caso, um arco em vez de uma corda, o que seria o correto.

  • 15/02/2014

    8

    FALTA DE HORIZONTALIDADE DA TRENA

    Em terrenos com declive, a tendncia do operador segurar a trena mais prxima do piquete. Esta uma das maiores fontes de erro. Nesse caso as distncias ficam superestimadas.

    FALTA DE VERTICALIDADE DA BALIZA

    O operador pode inclinar a baliza no ato da

    medio ocasionando erro na medio. A

    distncia pode ser sub ou superestimada.

    DESVIO LATERAL DA TRENA

    Ocasionado pela falta de

    alinhamento da baliza.

    DILATAO DAS TRENAS

    Comum em trenas de ao. A temperatura

    durante a medio pode ser diferente daquela de

    aferio da trena.

  • 15/02/2014

    9

    PRECISO DAS TRENAS MTODOS DE MEDIDA COM TRENA

    LANCE NICO

    VRIOS LANCES - PONTOS VISVEIS

    MEDIO EM TERRENO SUAVE

    Distncia Horizontal = DH =(3.d) + x

  • 15/02/2014

    10

    MEDIO EM TERRENO INGREME MEDIO DE NGULOS

    Os trabalhos de campo de um levantamento topogrfico se baseiam, principalmente, na medio de ngulos e distncias.

    Dependendo do equipamento e tcnica empregados na obteno dessas grandezas, ter-se- um levantamento de maior ou menor preciso.

    Os ngulos medidos podem ser horizontais e de inclinao.

    MEDIO DE NGULOS

    ngulos Horizontais:

    So ngulos diedros medidos no plano

    horizontal, limitados por dois planos verticais,

    cuja aresta a vertical do ponto. O ngulo

    representa uma poro do plano horizontal

    limitada por duas semi-retas (lados) que tem a

    mesma origem (vrtice).

    NGULOS HORIZONTAIS

  • 15/02/2014

    11

    LEVANTAMENTO TRENA

    Um dos maiores problemas que ocorrem nos

    levantamentos a trena a medida de ngulos

    horizontais entre os alinhamentos de forma a

    possibilitar a sua representao grfica.

    Para isto pode-se utilizar a lei dos cossenos

    para determinar o ngulo horizontal entre dois

    alinhamentos utilizando-se apenas a trena.

    LEVANTAMENTO TRENA LEI DOS COSSENOS