pinturas recentes/recent paintings - nararoesler.art · analogias (museu da arte brasileira da...

Click here to load reader

Post on 21-Nov-2018

216 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Fabio Miguez began his artistic career in the 1980s when, alongside Carlito Carvalhosa, Nuno Ramos, Paulo Monteiro, and Rodrigo Andrade, he founded the artists space Casa 7. During the 1990s, he started to produce, parallel to his paintings, the series of photographs entitled Derivas, later published in 2013 with the name Paisagem Zero.

    In recent years, Miguez has been developing three dimensional works, such as the installation Onde (2006) Pingpong (2008), and Valises (2007), which expands his line of research and his medium of choice: painting. His degree in architecture brings to his work a constructivist influence that dialogues with concerns regarding scale, material, and figuration. The artist often deals with modular forms in relation to combinatory logic, employing repetition and operations of inversions and mirroring. In his works, spatial logic, before restricted to the surface of painting, expands in the mind of the viewer, in the irresistible thought of possible unfoldings.

    Born in So Paulo in 1962, Fbio Miguez participated of biennials such as: Bienal Internacional de So Paulo (So Paulo, Brazil, 1985 and 1989), the 2nd Bienal de Havana (Havana, Cuba, 1986); the 3rd Bienal Internacional de Pintura de Cuenca (Cuenca, Equador, 1991), and the 5th Bienal do Mercosul (Porto Alegre, Brazil, 2005), in addition to retrospectives such as Bienal Brasil Sculo XX (1994) and 30 x Bienal (2013), both promoted by the Fundao Bienal de So Paulo. Selected solo shows include: Paisagem zero (Centro Universitrio Maria Antonia, So Paulo, Brazil, 2012); Temas e variaes (Instituto Tomie Ohtake, So Paulo, Brazil, 2008); at the Pinacoteca do Estado (So Paulo, Brazil, 2003) which resulted in a publication on the artist; and, at Centro Cultural So Paulo (So Paulo, Brazil, 2002). Recent group shows include: Prtica porttil (Galeria Nara Roesler, So Paulo, Brazil, 2014), Tomie Ohtake/Correspondncias (Instituto Tomie Ohtake, So Paulo, Brazil, 2013), Analogias (Museu da Arte Brasileira da Fundao Armando lvares Penteado, So Paulo, Brazil, 2013); and As tramas do tempo na arte contempornea: esttica ou potica (Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeiro Preto, Brazil, 2013).

    Fabio Miguez inicia sua carreira na dcada de 1980 quando, ao lado de Carlito Carvalhosa, Nuno Ramos, Paulo Monteiro e Rodrigo Andrade, forma o ateli Casa 7. Durante os anos 1990 comea a produzir, simultaneamente a seu trabalho pictrico, as sries de fotos Derivas, que so publicadas em 2013 com o nome Paisagem Zero. Nos ltimos anos, Miguez vem desenvolvendo trabalhos de formulao tridimensional, como a instalao Onde, de 2006, o objeto Pingpong, de 2008, e a srie Valises produzida desde 2007, que expandem seu campo de pesquisa a pintura. Sua formao em arquitetura traz uma influncia construtiva, que aliase a investigaes sobre a escala, a matria e a figurao. Miguez lida com formas modulares, submetendoas a um raciocnio combinatrio, repetindoas, e variando sua posio ao passo em que lhes opera inverses e espelhamentos. Nos seus trabalhos, a lgica espacial, que antes disso resolviase no plano e na profundidade da pintura, se expande na mente daquele que contempla essas pinturas, no irresistvel pensamento sobre os desdobramentos possveis. Nascido em So Paulo em 1962, Fbio Miguez participou de bienais como a Bienal Internacional de So Paulo (So Paulo, Brasil, 1985 e 1989), a 2 Bienal de Havana (Havana, Cuba, 1986), a 3 Bienal Internacional de Pintura de Cuenca (Cuenca, Equador, 1991) e a 5 Bienal do Mercosul (Porto Alegre, Brasil, 2005), alm de mostras retrospectivas como Bienal Brasil Sculo XX (1994) e 30 x Bienal (2013), ambas promovidas pela Fundao Bienal de So Paulo. Teve exposies individuais, como: Paisagem zero (Centro Universitrio Maria Antonia, So Paulo, Brasil, 2012); Temas e variaes (Instituto Tomie Ohtake, So Paulo, Brasil, 2008); na Pinacoteca do Estado de So Paulo (So Paulo, Brazil, 2003), acompanhada da publicao de um livro sobre sua obra; e no Centro Cultural So Paulo (So Paulo, Brasil, 2002). Mostras coletivas recentes incluem Prtica porttil (Galeria Nara Roesler, So Paulo, Brasil, 2014), Tomie Ohtake/Correspondncias (Instituto Tomie Ohtake, So Paulo, Brasil, 2013), Analogias (Museu da Arte Brasileira da Fundao Armando lvares Penteado, So Paulo, Brasil, 2013) e As tramas do tempo na arte contempornea: esttica ou potica (Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeiro Preto, Brasil, 2013).

  • pinturas recentes/recent paintings

  • Cu tecido vento 2014leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    230 x 170 cm

  • Longe 2014leo e cera sobre linho/oil and wax on linen

    190 x 140 cm

  • Horizonte partida 2015 leo e cera sobre linho/oil and wax on linen 190 x 180 cm

  • Sal 2014 leo e cera sobre linho/oil and wax on linen 190 x 240 cm

  • Notre-dame II 2015leo e cera sobre linho/oil and wax on linen

    100 x 80 cm

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    33 x 40 cm cada/each

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    33 x 40 cm cada/each

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    33 x 40 cm cada/each

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    33 x 40 cm cada/each

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    40 x 33 cm cada/each

  • da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    40 x 33 cm cada/each

  • BingFbio Miguez, 2012

    Tudo sabido tudo branco corpo nu brancoum metro pernas coladas como cosidas. Luz calor solo branco um metro sobre dois tecto branco um metro quadrado nunca visto. Corpo nu branco fixo s olhos. Traos confuses cinzentoplido quase branco sobre branco. Mos pendidas abertas palmas faces ps brancos calcanhares juntos ngulo recto. Luz calor faces brancas radiantes. Corpo nu branco fixo hop fixo algures. Traos confusos sinais sem sentido cinzentoplido quase branco. Corpo nu branco fixo invisvel branco sobre branco. Ss os olhos azulplido quase branco. Cabea bola bem alta olhos azul plido quase branco fixo face silncio no interior. Breves mumrios quase nunca todos sabidos. Traos confusos sinais sem sentido cinzento plido quase branco sobre branco. Pernas coladas como cozidas calcanhares juntos ngulo recto. Traos ss inacabados dados negros cinzentoplido quase branco sobre branco. Luz calor paredes brancas radiantes um metro sobre dois. Corpo nu branco fixo um metro hop fixo algures. Traos confusos sinais sem sentido cinzentoplido quase branco. Ps brancos invisveis calcanhares juntos ngulo reto. Olhos ss inacabados dados azuis azul plido quase branco. Apenas um murmrio quase nunca um segundo talvez no s. Dado apenas rsio corpo nu branco fixoum metro branco spbre branco invisvel. Luz calor murmrios apenas quase nunca sempre os mesmos todos sabidos. Mos brancas invisveis pendidas abertas palmas face. Corpo nu branco fixo um metro hop fixo algures. S os olhos azulplido quase branco fixo face. Apenas um murmrio quase nunca um segundo talvez uma sada. Cabea bola bem alta olhos azulplido quase brango bing murmurrio bing silncio. Boca como cosida fio branco invisvel. Bing talvez uma natureza um Segundo quase nunca de memoria quase nunca. Pardes brancas cada um o seu trao confusos sinais sem sentido cinzentoplido quase branco. Luz calor tudo sabido branco invisiveis encontros das faces. Bing murmrio apenas quase nunca um segundo talvez um sentido de memoria quase nunca. Ps brancos invisveis calcanhares juntos ngulo recto hop algures em som. Mos pendentes abertas palmas face pernas coladas como cozidas. Cabea bola bem alta olhos azulplido quase branco fixo face silncio no interior. Hop algures em que de todo o tempo se no sabido que no. Ss os olhos ss inacabados dados azuis buracos azulplido quase branco s cor fixa face. Tudo sabido tudo branco faces brancas radiantes bing murmurrio apenas quase nunca um Segundo tempo sideral isto de memria quase nunca. Corpo nu branco fixo um metro hop fixo algures branco sobre branco invisvel curacao sopro sem som. Ss os olhos dados azuis azul plido quase branco fixo face s cor ss inacabados. Invisveis encontros das faces uma s radiante branca ao infinito se no sabido que no. Nariz orelhas buracos brancos boca fio branco como cosida invisvel. Bing murmrios apenas quase

    nunca um segundo sempre os mesmos todo sabidos. Dado rsio apenas corpo branco n fixo invisvel tudo sabido fora no interior. Bing talvez uma natureza um segundo com imagem mesmo tempo um pouco menos azul e branco ao vento. Tecto branco resplandecente um metro quadrado nunca visto bing talvez por l uma sada um segundo bing silncio. Traos ss inacabados dados negros confusos cinzentos sinais sem sentido cinzento trao plido quase branco sempre os mesmos. Bing talvez no s um Segundo com imagem sempre a mesma mesmo tempo um pouco menos isto de memoria quase nunca bing silncio. Cados rsios apenas unhas brancas acabadas. Longos cabelos cados brancos invisveis acbados. Invisveis cicatrizes mesmo branco que as carnes feridas rsias apenas outrora. Bing imagens apenas quase nunca um Segundo tempo sideral azul e branco ao vento. Cabea bola bem alta nariz orelhas buracos boca fio branco como cosida invisvel acabada. Ss os olhos dados azuis fixo face azulplido quase branco s cor ss inacabados. Luz calor faces brancas radiantes uma s radiante branca ao infinito se no sabido que no. Bing uma natureza apena quase nunca um Segundo com imagem mesmo tempo um pouco menos sempre a mesma azul e branco no vento. Traos confusos cinzento plido olhos buracos azulplido quase branco fixo face bing talvez um sentido apenas quase nunca bing silncio. Branco nu um metro fixo hop fixo algures sem som pernas coladas como cosidas calcanhares juntos ngulo recto mos pendentes abertas palmas face. Cabea bola bem alta olhos buracos azulplido quase branco fixo face silncio no interior hop algures onde de todo o tempo se no sabido que no. Bing talvez no s um Segundo com imagem mesmo tempo um pouco menos olho preto e branco meio fechado longas pestanas suplicando isso de memoria quase nunca. Ao longe tempo relmpago todo branco acabado todo outrora hop relmpago paredes brancas radiantes sem traos olhos por ltima hop brancos acabados. Hop fixo ultimo algures pernas coladas como cosidas calcanhares juntos ngulo recto mos pendidas abertas palmas face cabea bola bem alta lhos brancos invisveis fixo face acabados. Dado rsio apenas um metro invisvel nu branco tudo sabido fora no interior acabado. Tecto branco nunca visto bing outrora apenas quase nunca um Segundo solo branco nunca visto talvez por l. Bing outrora apenas talvezum sentido uma natureza um Segundo quase nunca azul e branco ao vento isto de memoria nunca mais. Faces brancas sem traos uma sradiante branca ao infinito se no sabido que no. Luz calor tudo sabido tudo branco corao sopro sem som. Cabea bola bem alto olhos brancos fixo face velhos bing murmrio ultimo talvez no s um Segundo olho bao negro e branco meio fechados longas pestanas suplicando bing silncio hop acabado.

  • Bing 2 da srie/from the series Shortcuts 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas 200 x 240 cm

  • Mil metros longe 2013leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    190 x 140 cm

  • Paisagem zero 2011leo sobre linho/oil on linen

    230 x 170 cm

  • Paisagem zero 2011leo sobre linho/oil on linen230 x 170 cm

  • Dia po 2012leo sobre linho/oil on linen

    230 x 170 cm

  • Dia po 2012leo sobre linho/oil on linen

    230 x 170 cm

  • paisagem zero

    H quase 20 anos, Fbio Miguez, alm de pintar, fotografa. No h paralelismo imediato entre a sua pintura e a fotografia. Os procedimentos so independentes, e por isso mesmo se completam. A pintura afunda suas razes no neoexpressionismo, portanto num procedimento formal que no pode ser predeterminado, mas se define progressivamente no decorrer da execuo. Nos dpticos expostos aqui, essa liberdade testada, mas no renegada, pelo embate com cdigos facilmente reconhecveis: diagramao grfica, convenes do desenho de arquitetura, sinalizao urbana, escrita. Isso no significa, porm, aderir a um sistema geral de comunicao, em que todo trao signo de alguma coisa, e sim, ao contrrio, fazer com que cada signo se torne trao, ou seja, participa de uma configurao da qual no faria sentido separlo, e que modifica ao mesmo tempo em que modificado por ela. Em outras palavras: um material pop se dobra a um pensamento formal que da linhagem do expressionismo abstrato. Todas as fotos, por sua vez, so tomadas com luz natural, com a mesma cmara analgica e a mesma lente. A manipulao mnima, caso raro na fotografia contempornea. Objetos e espaos surgem como uma presena surda, mais massas do que volumes, na austeridade de um branco e preto propositalmente pouco luminoso. Imprimemse no papel fotogrfico com a rugosidade levemente irregular de uma matriz de gravura. Nunca se reduzem inteiramente imagem, tm peso, mesmo quando se trata de vapores, pontos de luz, reflexos na superfcie da lente. Nesse sentido, as fotografias parecem herdar algo da fase matrica do artista, especialmente os quadros negros de final da dcada de 1980. De fato, no balano de duas tenses (signos que tendem ao trao; imagem que tende matria), e no em analogias de detalhe, que fotos e pinturas convergem.

    Lorenzo Mamm

  • Paisagem zero 2012vista da exposio/exhibition view

    Centro Universitrio Maria Antonia (CEUMA), So Paulo

  • Paisagem zero 2012vista da exposio/exhibition view

    Centro Universitrio Maria Antonia (CEUMA), So Paulo

  • nota do autorFbio Miguez, 2011

    A srie de pinturas de formato mdio, verticais, e as maiores, horizontais, se intitula Placas. Suas aparncias e diagramao justificam o nome. As pinturas maiores se intitulam Trs colunas e Quatro colunas, j que assim se organizam. Quase todas as palavras aqui utilizadas foram desentranhadas de poemas de Joo Cabral de Melo Neto. Do Joo Cabral do Engenheiro e Psicologia da Composio. A Paisagem Zero o ttulo do poema que me despertou para este universo e fala de pintura homnima (ou pinturas, no sei ao certo) de Vicente do Rego Monteiro. Rego Monteiro no faz parte das minhas afinidades, mas os trabalhos em questo tem l seu interesse.

  • Placa 2011leo sobre linho/oil on linen

    190 x 140 cm

  • Placa 2011leo sobre linho/oil on linen190 x 140 cm

  • sem ttulo/untitled 2010leo sobre linho/oil on linen

    30 x 40 cm cada/each

  • sem ttulo/untitled 2010leo sobre linho/oil on linen30 x 40 cm cada/each

  • sem ttulo/untitled 2010desenhos/drawings

  • sem ttulo/untitled 2008 leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    200 x 220 cm cada/each

  • sem ttulo/untitled 2008 leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    200 x 220 cm cada/each

  • sem ttulo/untitled 2008 leo e cera sobre tela/oil and wax on canvas

    200 x 300 cm

  • Fbio Miguez Agnaldo Faris

    There is an apparent contradiction in the fact that Fbio Miguez has given body to his pictorial work through doubts and inconclusiveness. And yet this in effect is what happens; a path defined as early as in his pictures and drawings from the late 80s, when he conversed tensely and energetically with the work of Jorge Guinle. Even though they were based on ostensive materiality, even then, his works did not give themselves away immediately, but rather suggested the unfolding of processes that were only partially visible. In the 90s, he moved farther on that direction, the masses becoming frayed, the colors unraveling into other subterranean colors, or flowing slowly around the quadrilateral of the canvas, as though they were dispersing as a result of the brushstrokes or of prior impulses, these mysteries that matter carries within. Either way, this movement carried our eyes along, causing them to abandon themselves to curious contemplation, interested in understanding what happened upon the surface of power fields composed of inconclusive chromatic planes, smudged or suffocated by other planes superimposed onto them.

    In this especially devised exhibit for the Instituto Tomie Ohtake, Fbio Miguez confronts us with new, complex problems. As though not content with his inquiries on the space of painting, the artist has moved it closer to the boundary of architecture. An examination of this transition presents us with new situations: first, the gamelike nature that has come to inhabit his pictures, through the change in position and the chromatic treatment awarded to forms and their respective colors that either belong or are closely related to the realm of architectural, and object thinking. There is something figurative in these paintings and drawings, plant residues, crosssectioned walls and elevations, among other cyphers from projective language. The artist deals with modular forms, submitting them to a combinatory line of thought, repeating them and varying their position while operating inversions and mirroring their forms. Thus, while at one point a geometrical figure reminds us of a portico, a doorsill, when turned upside down it suggests a vase. The spatial logic, which used to resolve itself in the plane and the depth of the painting, now expands within the minds of those contemplating the paintings; in the irresistible thought regarding their possible development; in the potential rules to this game; in the eventual steps the featured elements can take if they open themselves up to space or withdraw and shut themselves out.

    Fbio Miguez Agnaldo Farias, 2008

    H uma aparente contradio no fato de Fbio Miguez vir dando corpo sua obra pictrica atravs de dvidas e inconcluses. Mas efetivamente isso que acontece; um caminho j definido em suas telas e desenhos realizados a partir dos ltimos anos da dcada de 80, quando travou um dilogo tenso e carregado de energia com a obra de Jorge Guinle. Ainda que na altura fossem fundados na materialidade ostensiva, j al seus trabalhos no se davam de imediato, antes sugerindo o desenrolar de processos s parcialmente visveis. Com a entrada nos anos 90, aprofundandose nessa direo, as massas foram se esgarando, as cores debuxandose em outras cores subterrneas, ou fluindo lentamente pelo quadriltero da tela, como se dispersassem animadas pelas pinceladas, ou em razo de impulsos interiores, esses mistrios que as matrias trazem dentro de si. Em todos os casos essa movimentao carregava consigo nossos olhos, fazendo com que eles se abandonassem a uma contemplao curiosa, interessada em compreender o que acontecia tona de campos de foras compostos por planos cromticos inconclusos, borrados ou sufocados por outros planos que lhes eram sobrepostos.

    Nesta exposio especialmente preparada para o Instituto Tomie Ohtake, Fbio Miguez crianos novos e complexos problemas. Como se no bastasse ao artista sua indagao sobre o espao da pintura, ele aproximoua do limite da arquitetura. O exame dessa passagem apresentanos situaes novas: em primeiro lugar a natureza de jogo que passou a habitar suas telas, atravs da mudana de posio e tratamento cromtico de formas e respectivas cores, seno pertencentes, prximas ao universo do pensamento arquitetnico e objetual. H um qu de figurativo nessas pinturas e desenhos, resduos de plantas, paredes em corte e elevaes, entre outras cifras da linguagem projetiva. O artista lida com formas modulares submetendoas a um raciocnio combinatrio, repetindoas, variando sua posio ao passo em que lhes opera inverses e espelhamentos. Desse modo, se num ponto da pintura uma figura geomtrica lembranos um prtico, um umbral, virada, ela passanos a sugerir um vaso. A lgica espacial, que antes disso resolviase no plano e na profundidade da pintura, agora se expande na mente daquele que contempla essas pinturas, no irresistvel pensamento sobre os desdobramentos possveis; as regras possveis desse jogo; os eventuais passos que os elementos que as protagonizam podem dar no caso de se abrirem ao espao ou de se retrarem, fechandose em copas.

  • Mas o ponto extremo dessa investigao feita sobre limites to deliberadamente tnues, sobre enunciados dbios e presenas ambguas, se expressa nas caixas, esses objetos cromosretrteis (como designar uma caixa pictrica confeccionada em planos de vidro e madeira emendados e basculantes, que invade o espao circundante ao mesmo tempo em que nos atrai para o seu interior?), entre eles essa grande construo que Fbio Miguez intitulou de Pingpong. Esses objetos so um convite ao olho para que perscrutem seu interior percebendo as sutis modificaes operadas pelo rebatimento da luz, colhendo o resultado das refraes provocadas pelas placas de vidro basculantes, as imprevistas justaposies e associaes entre formas. Diante dessas caixas o espao da sala, j tensionado pela presena das pinturas e desenhos fixados nas paredes, abre uma fresta tornando a pintura o lugar de uma experincia singular, no qual o olho, desacelerado, mergulha cuidadosamente.

    But the culmination of this investigation on such deliberately tenuous boundaries, dubious enunciations and ambiguous presences, is expressed by the boxes, these chromeretractile objects (what can one call a pictorial box made from glass panes and wood, tied together and hinged, which invades the surrounding space, while attracting us into it?), including a large construct which Fbio Miguez has called Pingpong. These objects are an invitation for the eye to travel to their insides, noticing the subtle modifications caused by the reflection of light, harvesting the result of refraction caused by the hinging glass panes, the unpredictable juxtapositions and associations between forms. When faced with these boxes, the space of the room, already tensed up by the presence of the paintings and drawings hanging from the walls, opens up into a crevice, making painting into a place of unique experience into which the sloweddown eye carefully dives. Agnaldo Farias

  • instalaes/installations

  • 2 x 2Jos Augusto Ribeiro

    No existe ponto de vista ideal nem melhor para conhecer 2 x 2. O trabalho se apresenta e transforma medida que voc o contorna e cruza. Qualquer posio tanto revela como esconde, todo movimento implica perdas e ganhos. A pintura uma nas oito faces de dois pares de lminas paralelas de vidro, que dividem a sala de exposio em trs reas e so muitas. Distribudos por essas superfcies translcidas, os recortes geomtricos de cor ativam pulsaes variveis, promovem encontros fortuitos, instveis e sem hierarquia, atravs ou por reflexos de um vidro no prximo, a sugerir profundidade numa planeza de vitrines seqenciais. Talvez seja mesmo em operaes de multiplicao, e no de soma, que o visitante se envolva durante a deambulao pelo espao: na tentativa de organizar, em simultneo, vises parciais e sensaes provisrias que, aparentemente repetidas, compem, a cada vez, uma nova apreenso das partes e do todo.

    Dentro da produo de Fbio Miguez, a obra marca um lance resoluto nas aproximaes que o artista desenvolve entre o espao da pintura e o espao da arquitetura. Desde 2000, suas telas e desenhos compreendem figuras aparentadas com representaes grficas de elementos arquitetnicos, com os desenhos projetuais de planta, corte e elevao. Somamse a isso as suas aes de lanar a pintura mais e mais para as trs dimenses, um pouco como se, quela consolidao de um vocabulrio de formas objetivas, correspondesse um potencial imprevisvel de combinatrias, em tenso permanente com o entorno, ali onde j no possvel controlar todas as conseqncias de uma proposio. Clculo e indeterminao, desgnio e desvio so articulaes caras ao tnus dubitativo deste trabalho, incitante de uma percepo descontnua, atenta lgica pela qual dois e dois podem, sim, ser cinco.

  • 2 x 2 2009tcnica mista/mixed media

    dimenses variveis/variable dimensionsvista da instalao/installation view Centro Universitrio Maria Antonia. So Paulo

  • 2 x 2 2009tcnica mista/mixed media

    dimenses variveis/variable dimensionsvista da instalao/installation view

    Centro Universitrio Maria Antonia. So Paulo

  • 2 x 2 2009tcnica mista/mixed mediadimenses variveis/variable dimensionsvista da instalao/installation view Centro Universitrio Maria Antonia. So Paulodetalhe/detail

  • L 2009 leo e cera sobre vidro, madeira e parede, grafite/

    oil and wax on glass, wood and wall dimenses variveis/variable dimensions

  • esculturas/sculptures

  • Pingpong 2008/2013 leo e cera sobre madeira e vidro, elementos em ao inox/oil and wax on wood and glass, stainless steel 90 x 140 x 310 cm (fechada/closed), 130 x 140 x 800 cm (dimenso mxima/maximum dimension)

  • Pingpong 2008/2013 leo e cera sobre madeira e vidro, elementos em ao inox/

    oil and wax on wood and glass, stainless steel 90 x 140 x 310 cm (fechada/closed),

    130 x 140 x 800 cm (dimenso mxima/maximum dimension)

  • valise 2007leo e cera sobre madeira e vidro,

    elementos em ao inox/oil and wax on wood and glass, stainless steel

    15 x 58 x 38 cm

  • Compensados 2004madeira, tarugo, tinta/wood, corrugated tube, and paint

    dimenses variveis/variable dimensions

  • Fbio Miguez representado pela Galeria Nara Roesler

    Fbio Miguez is represented by Galeria Nara Roesler

    www.nararoesler.com.br