pesquisa do antigo testamento: gÊnesis – malaquias

Download PESQUISA DO ANTIGO TESTAMENTO: GÊNESIS – MALAQUIAS

Post on 07-Jan-2017

226 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1

    PESQUISA DO ANTIGO TESTAMENTO

    GNESIS MALAQUIAS

    DR. BOB UTLEY

    Bible Lessons International

    NDICE

    I. UM GUIA PARA BOA LEITURA DA BBLIA 3

    II. DISCURSO DE ABERTURA

    A. TERMOS USADOS 10 B. POR QUE ESTUDAR O ANTIGO TESTAMENTO 10 C. COMO ESTUDAR O ANTIGO TESTAMENTO 11 D. MAPA BSICO 12 E. LINHA DE TEMPO BSICA 12

    III. A TOR

    A. GNESIS 19 B. XODO 32 C. LEVTICO 43 D. NMEROS 57 E. DEUTERONMIO 62

    IV. OS PROFETAS ANTIGOS

    A. JOSU 71 B. JUZES 79 C. RUTE (ESCRITOS) 86 D. SAMUEL 91 E. REIS 101

    V. GRFICO REIS DO REINO DIVIDIDO

    VI. OS ESCRITOS

    A. CRNICAS 122 B. ESDRAS 128 C. NEEMIAS 135 D. ESTER 142

    VII. LITERATURA DE SABEDORIA 149

    A. POESIA HEBRAICA 153 B. OS LIVROS

    J 156 SALMOS 164

  • 2

    PROVRBIOS 173 ECLESIASTES 179 CANTARES 186

    VIII. PROFETAS MAIORES

    A. INTRODUO PROFECIA DO ANTIGO TESTAMENTO 193 B. OS LIVROS

    ISAAS 198 JEREMIAS 219 LAMENTAES 227 EZEQUIEL 233 DANIEL 240

    IX. PROFETAS MENORES

    OSIAS 246 JOEL 252 AMS 259 OBADIAS 268 JONAS 275 MIQUIAS 281 NAUM 287 HABACUQUE 293 SOFONIAS 298 AGEU 303 ZACARIAS 309 MALAQUIAS 316

  • 3

    UM GUIA PARA BOA LEITURA DA BBLIA

    UMA BUSCA PESSOAL PELA VERDADE VERIFICVEL Podemos conhecer a verdade? Onde ela encontrada? Podemos verific-la logicamente? H uma

    autoridade final? H absolutos que podem guiar nossas vidas, nosso mundo? H significado para a vida? Por que estamos aqui? Aonde estamos indo? Estas perguntas perguntas que todas as pessoas racionais contemplam tm atormentado o intelecto humano desde o princpio do tempo (Ec 1.13-18; 3.9-11).

    Eu posso lembrar minha busca pessoal por um centro de integrao para minha vida. Eu me tornei um crente em Cristo numa idade jovem, baseado principalmente no testemunho de outros significativos em minha famlia. Enquanto eu crescia idade adulta, perguntas sobre mim mesmo e meu mundo tambm cresciam. Simples clichs culturais e religiosos no trouxeram significado para as experincias sobre as quais eu lia ou me deparava. Foi um tempo de confuso, procura, desejo e freqentemente um sentimento de desesperana na face do mundo insensvel, difcil em que eu vivia.

    Muitos afirmavam ter respostas para estas perguntas fundamentais, mas depois de pesquisa e reflexo eu descobri que suas repostas estavam baseadas em: (1) filosofias pessoais, (2) mitos antigos, (3) experincias pessoais, ou (4) projees psicolgicas. Eu precisava de algum grau de verificao, alguma evidncia, alguma racionalidade em que basear minha viso de mundo, meu centro de integrao, minha razo para viver.

    Estas eu encontrei em meu estudo da Bblia. Eu comecei a buscar pela evidncia de sua confiabilidade, que eu encontrei em: (1) a confiabilidade histrica da Bblia a partir da arqueologia, (2) a preciso das profecias do Velho Testamento, (3) a unidade da mensagem da Bblia durante os mil e seiscentos anos de sua produo, e (4) os testemunhos pessoais de pessoas cujas vidas tinham sido permanentemente mudadas pelo contato com a Bblia. O cristianismo, enquanto um sistema unificado de f e crena, tem a habilidade para lidar com questes complexas da vida humana. Isto no s forneceu uma estrutura racional, mas o aspecto experimental da f bblica trouxe-me alegria e estabilidade emocional.

    Eu pensei que tinha encontrado o centro de integrao para minha vida a Bblia. Foi uma experincia emocionante, uma libertao emocional. Eu posso ainda lembrar o choque e a dor quando comecei a compreender quantas interpretaes diferentes deste livro eram defendidas, s vezes mesmo dentro das mesmas igrejas e escolas de pensamento. Afirmar a inspirao e confiabilidade da Bblia no era o fim, mas apenas o comeo. Como eu verifico ou rejeito as interpretaes variadas e conflitantes das muitas passagens difceis na Escritura por aqueles que estavam afirmando sua autoridade e confiabilidade?

    Esta tarefa tornou-se a meta de minha vida e peregrinao da f. Eu sabia que minha f em Cristo tinha me trazido grande paz e alegria. Minha mente ansiava por absolutos no meio da relatividade de minha cultura e o dogmatismo de sistemas religiosos conflitantes e arrogncia denominacional. Em minha busca por abordagens vlidas para a interpretao de literatura antiga, eu fui surpreendido ao descobrir meus prprios preconceitos histrico, cultural, denominacional e experimental. Eu tinha freqentemente lido a Bblia simplesmente para reforar minhas prprias opinies. Eu a usava como um banco de dados para atacar outros enquanto afirmando minhas prprias inseguranas e impropriedades. Quo dolorosa esta compreenso foi para mim!

    Embora eu nunca possa ser totalmente objetivo, eu posso me tornar um leitor melhor da Bblia. Eu posso limitar meus preconceitos identificando-os e reconhecendo a presena deles. Eu no estou ainda livre deles, mas eu tenho confrontado minha prpria debilidade. O intrprete freqentemente o pior inimigo da boa leitura da Bblia!

    Portanto, deixe-me listar algumas pressuposies que eu trago para meu estudo da Bblia para que voc, o leitor, possa examin-las junto comigo:

    (1) Eu acredito que a Bblia a nica auto-revelao inspirada do nico Deus verdadeiro. Portanto, ela deve ser interpretada luz da inteno do autor divino original atravs de um escritor humano num cenrio histrico especfico.

    (2) Eu acredito que a Bblia foi escrita para o homem comum para todos os homens! Deus acomodou-Se para falar-nos claramente dentro de um contexto histrico e cultural. Deus no esconde a

  • 4

    O Esprito Santo

    verdade Ele quer que ns compreendamos! Portanto, ela deve ser interpretada luz da sua poca, no da nossa. A Bblia no pode significar para ns o que ela nunca significou para aqueles que primeiro leram ou ouviram-na. compreensvel pela mente humana comum e usa formas e tcnicas de comunicao humana normal.

    (3) Eu acredito que a Bblia tem uma mensagem e propsito unificado. Ela no se contradiz, embora ela realmente contenha passagens difceis e paradoxais. Assim, o melhor intrprete da Bblia a Bblia mesma.

    (4) Eu acredito que cada passagem (excluindo profecias) tem um e somente um significado baseado na inteno do autor original, inspirado. Embora nunca possamos estar absolutamente certos que conhecemos a inteno do autor original, muitos indicadores apontam em sua direo:

    (a) o gnero (tipo literrio) escolhido para expressar a mensagem (b) o cenrio histrico e/ou a ocasio especfica que trouxe tona a escrita (c) o contexto literrio do livro todo assim como cada unidade literria (d) o plano textual (esboo) das unidades literrias tal como elas se relacionam com a mensagem

    toda (e) as caractersticas gramaticais especficas empregadas para comunicar a mensagem (f) as palavras escolhidas para apresentar a mensagem

    O estudo de cada uma destas reas torna-se o objeto de nosso estudo de uma passagem. Antes de eu explicar minha metodologia para a boa leitura da Bblia, deixe-me delinear alguns dos mtodos inapropriados sendo usados hoje que tm causado tanta diversidade de interpretao e que conseqentemente deveriam ser evitados:

    (1) Ignorar o contexto literrio dos livros da Bblia e usar cada sentena, orao, ou mesmo palavras individuais como declaraes da verdade sem relao com a inteno do autor ou o contexto maior. Isto freqentemente chamado texto-prova.

    (2) Ignorar o cenrio histrico dos livros da Bblia substituindo por um suposto cenrio histrico que tem pouco ou nenhum apoio do texto mesmo.

    (3) Ignorar o cenrio histrico dos livros da Bblia e l-la como um jornal matutino da cidade natal escrito primariamente para cristos modernos distintos.

    (4) Ignorar o cenrio histrico dos livros da Bblia alegorizando o texto numa mensagem filosfica/teolgica totalmente sem relao como os primeiros ouvintes e a inteno do autor original.

    (5) Ignorar a mensagem original substituindo pelo prprio sistema de teologia de algum, doutrina predileta, ou questo contempornea sem relao com o propsito e mensagem declarada do autor original. Este fenmeno freqentemente segue a leitura inicial da Bblia como um meio de estabelecer a autoridade de um orador. Isto freqentemente referido como resposta do leitor (interpretao o-que-o-texto-significa-para-mim).

    Pelo menos componentes relacionados podem ser encontrados em toda comunicao humana escrita:

    No passado, tcnicas diferentes de leitura tm focado em um dos trs componentes. Mas para verdadeiramente afirmar a inspirao nica da Bblia, um diagrama modificado mais apropriado:

    Os

    Destinatrios

    Originais

    O

    Texto

    Escrito

    A Inteno do Autor Original

    Variantes doManuscrito

    Crentes Posteriores

    O

    Texto

    Escrito

    A

    Inteno do Autor Original

    Os

    Destinatrios

    Originais

  • 5

    Na verdade todos os trs componentes devem ser includos no processo interpretativo. Para o propsito

    de verificao, minha interpretao foca nos dois primeiros componentes: o autor original e o texto. Estou provavelmente reagindo aos abusos que tenho observado: (1) alegorizar ou espiritualizar textos e (2) a interpretao resposta do leitor (o-que-siginifca-para-mim). Abuso pode ocorrer em cada estgio. Devemos sempre examinar nossos motivos, preconceitos, tcnicas e aplica