Paulo Tigre. Gestão da Inovação Ed.Elsevier, 2006 Capítulo 6: Fontes de Inovação na Empresa Parte b – Tecnologia Industrial Básica Gestão da Inovação Paulo.

Download Paulo Tigre. Gestão da Inovação Ed.Elsevier, 2006 Capítulo 6: Fontes de Inovação na Empresa Parte b – Tecnologia Industrial Básica Gestão da Inovação Paulo.

Post on 17-Apr-2015

107 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Captulo 6: Fontes de Inovao na Empresa Parte b Tecnologia Industrial Bsica Gesto da Inovao Paulo Tigre
  • Slide 2
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Tecnologia Industrial Bsica (TIB) Metrologia Normalizao Regulamentao tcnica Avaliao da conformidade Informao tecnolgica Tecnologias de gesto Gesto da qualidade Propriedade intelectual Servios de infra-estrutura tecnolgica
  • Slide 3
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Metrologia Definida como a cincia da medio tendo por objetivo assegurar a confiabilidade e a credibilidade das medies efetuadas na produo. Elimina o grau de incerteza por meio da (i) repetitividade - concordncia entre os resultados de medies sucessivas efetuadas sob as mesmas condies e (ii) reprodutividade - concordncia entre os resultados de efetuadas sob condies variadas. No Brasil o INMETRO o rgo central de metrologia industrial, responsvel pelo credenciamento de outras instituies nacionais para prestar servios metrolgicos.
  • Slide 4
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Metrologia Definida como a cincia da medio, tem por objetivo assegurar a confiabilidade e a credibilidade das medies efetuadas na produo. Elimina o grau de incerteza por meio da repetitividade - concordncia entre os resultados de medies sucessivas efetuadas sob as mesmas condies e da reprodutividade - concordncia entre os resultados obtidos sob condies variadas.
  • Slide 5
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Normalizao As normas so voluntrias, podendo surgir do uso comum e disseminado pela populao ou por meio de um processo formal coordenado pela indstria, onde busca-se atingir um consenso, tanto a nvel nacional quanto internacional. Os regulamentos so padres estabelecidos por autoridades regulatrias. A exigncia legal de uma determinada norma ocorre geralmente por medida de segurana do produto ou processo ou para garantir a interconexo de sistemas.
  • Slide 6
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Certificao Comprovao por entidade independente da adequao do produto e do processo aos parmetros fsicos e qumicos estabelecidos visando assegurar segurana e padronizao Feita por entidades credenciadas independentes, com base em ensaios, inspees, coletas de amostras e auditorias para comprovar o cumprimento de normas e regulamentos estabelecidos.
  • Slide 7
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Certificao de Qualidade Demandas por qualidade so diferenciadas segundo os diferentes mercados nacionais e regionais visados. Se refere a padres de segurana, confiabilidade, durabilidade, conformao e desempenho de seus produtos. As certificaes de qualidade no se restringem a produtos, mas vm sendo crescentemente adotada tambm em servios.
  • Slide 8
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Estrutura das Normas ISO srie 9000
  • Slide 9
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Propriedade Intelectual A PI essencialmente um direito, outorgado pelo Estado por meio de leis especficas, por um prazo determinado. Permite ao seu detentor excluir terceiros de sua comercializao. A PI abrange a propriedade industrial, copyrights e domnios conexos. A propriedade industrial o regime de proteo conferido s invenes, modelos de utilidade, desenhos industriais, marcas e denominaes de origem. O termo propriedade intelectual reflete a ideia de que o produto em questo resultado da mente ou intelecto e os direitos de PI pode ser protegida pela lei da mesma forma que outros tipos de propriedade.
  • Slide 10
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Propriedade Intelectual : Viso Econmica Direitos exclusivos tais como copyrights e patentes assegura a seu detentor o direito exclusivo de vender ou licenciar o produto. Por ser o nico vendedor no mercado deste item em particular, ele detm um monoplio, ainda que temporrio. Entretanto, existem produtos protegidos por PI que so substitutos prximos. Neste caso, existiriam outras formas de mercado tais como oligoplio e competio monopolista. Os Estados Unidos e a Gr-Bretanha so os dois nicos pases que apresentam supervit consistente no balano de pagamentos de propriedade intelectual e por este motivo, so os mais agressivos promotores do sistema de propriedade intelectual no mundo.
  • Slide 11
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Propriedade Intelectual e Bens Pblicos Em termos econmicos, a PI apresenta diferenas substanciais em relao a propriedade tangvel. O consumo de bens tangveis rival, isto , uma vez consumido por algum no poder ser consumido por mais ningum. J a propriedade intelectual um bem no-rival. Por exemplo, um numero indefinido de cpias de um software pode ser feita sem que isso interfira no uso do programa por outros usurios. Quando combinado com a no-exclusividade do uso, a propriedade intelectual se torna um bem pblico. A racionalidade da PI conceder exclusividade como incentivo para a inovao. Porm, como mostra os exemplos do software livre e da Wikipedia, trabalhos autorais podem ser desenvolvidos sem o incentivo dos direitos exclusivos.
  • Slide 12
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Acordos Internacionais A propriedade intelectual regida por vrios acordos internacionais iniciados a partir da Conveno da Unio de Paris e da Conveno de Berna, ambas de 1883. A WIPO o rgo das Naes Unidas responsvel pelo tema mas que vem perdendo espao para a OMC. O Brasil foi um dos primeiros signatrios do acordo de Paris.
  • Slide 13
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 TRIPS Trade Related Aspects of Intellectual Rights Including Trade in Counterfeit Goods - OMC Artigos mandatrios: devem ser obrigatoriamente respeitados pelas legislaes nacionais: Independncia dos privilgios nacionais: no h patente internacional; Trato igual para residentes e no residentes; Prioridade unionista: confere a um requerente de privilegio em um pas membro da Unio (pas de origem) a prioridade para obter a concesso daquele privilgio sobre qualquer outro depositante que haja efetuado, em outro pas, um pedido de patente sobre a mesma matria em data posterior ao deposito no pas de origem. O direito de prioridade de um ano para patentes de inveno e modelos de utilidade e 6 meses para outros privilgios. Artigos recomendveis: busca consenso e homogeneidade.
  • Slide 14
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Formas de proteo a Propriedade Intelectual
  • Slide 15
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Patente de inveno Concedida no caso do objeto possuir os requisitos de (i) novidade, (ii) atividade inventiva e (iii) aplicao industrial, levando em considerao no apenas a idia tal como foi expressa, mas sua aplicao prtica.
  • Slide 16
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Patente ou Segredo Industrial? Patente geralmente priorizada, pois no h polticas ou legislaes para proteger o segredo industrial. TRIPS admite dar confidencialidade as informaes fornecidas pelas prprias empresas a organismos governamentais. Monoplio de fato: o segredo pode ser prefervel a patente quando se est muito a frente em relao aos conhecimentos tecnolgicos disponveis. A divulgao da patente pode facilitar ao concorrente usar a inveno sem o conhecimento do titular. Divulgao preventiva: algumas empresa produzem anualmente milhares de invenes e o custo de depositar em todos os pases alto. Pode selecionar as mais importante e divulgar as demais (sob a forma de patentes no depositadas) para que caiam em domnio pblico, evitando que o conhecimento seja patenteado por outro inventor.
  • Slide 17
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 O que no patentevel Descoberta: Algo que sempre existiu mas que ningum havia anteriormente desvendado o fenmeno. Ex: Lei de gravitao universal de Isaac Newton. No so protegidas pela PI. Mtodos cirrgicos, operatrios e teraputicos: usam pesquisa, mas no so destinados essencialmente a fabricao econmica de mercadorias. Mtodos, planos e sistemas no industriais: mtodos contbeis, controle de estoques, clculos, jogos, mtodos de propaganda, etc.
  • Slide 18
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Patentes farmacuticas Patentes de medicamentos foram reconhecidas no Brasil a partir de 1996 quando o pas aderiu ao TRIPS/OMC e implantou uma nova legislao sobre propriedade intelectual. As patentes so vlidas por 20 anos, um monoplio temporrio que permite a pratica de altos preos. Quando a patente expira medicamentos genricos so produzidos a preos substancialmente menores. As inovaes acabam por elevar os gastos pblicos e privados em medicamentos.
  • Slide 19
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Modelo de Utilidade Trata-se de um dispositivo ou forma nova conferida a um objeto conhecido visando aumentar ou facilitar sua capacidade de utilizao. patentevel como modelo de utilidade o objeto de uso prtico, ou parte deste, suscetvel de aplicao industrial, que apresente nova forma ou disposio, envolvendo ato inventivo, que resulte em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricao. Ex: tecla de acender isqueiros
  • Slide 20
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Requisitos para a concesso de modelos de utilidade Novidade: O requisito de novidade absoluta deve ser respeitado. A revelao do contedo antes da submisso do pedido de patentes a torna nula. Atividade Inventiva: O pedido de proteo ao modelo de utilidade dever incluir o passo ou etapa da inveno na qual um tcnico no assunto, conhecedor do estado-da-arte, poder comprovar a novidade da inveno. Aplicao Industrial: O modelo de utilidade dever ter aplicao industrial. Tal aplicao pode ser em qualquer rea, incluindo servios e agricultura. Prioridade: possvel solicitar a prioridade por 12 meses para patentear em outro pas.
  • Slide 21
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Direito autoral (Copyrights) Regime de proteo conferido especificamente a criaes literrias, artsticas e cientficas, inclusive software. O registro de direito de autor de uma obra original confere o direito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra, ou seja, de impedir que terceiros copiem o que foi criado. O direito autoral no cobre a idia em si, e sim as expresses concretas das idias. Incide sobre meios de expresso tangveis (livros, esculturas, gravuras, disquetes) e intangveis (coreografia, pub. Internet). No depende de nenhuma formalidade para se obter proteo jurdica pois obtida automaticamente.
  • Slide 22
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Prazos de validade dos copyrights vem crescendo.... A legislao americana estipulava o prazo de proteo dos copyrights como vida do Autor + 50 anos. Mickey mouse entraria em dominio pblico em 2003, Caso a lei fosse mantida, Mickey mouse entraria em dominio pblico em 2003, Pluto em 2005, Pateta em 2007 e Pato Donald em 2009. O lobby atuou e os direitos de copyrights foram ampliados em 1998 para a vida do Autor + 70 anos. Para Empresas passou a ser 95 anos aps a publicao
  • Slide 23
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Prazos originais de vencimento dos copyrights no cinema Viacom O grande Gatsby 2000 Adeus s armas 2004 Time Warner Rhapsody in Blue 1998 Porgy and Bess 2010 E o vento levou 2014 Perna Longa 2015
  • Slide 24
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Marcas registradas Sinal utilizado para identificar certos bens e servios como produzidos ou procedentes de uma pessoa ou empresa especfica. Ajuda a distinguir estes produtos e servios de outros similares, permitindo sua identificao pelo consumidor.
  • Slide 25
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Marcas famosas A Coca-Cola considerada a marca mais valiosa, estimada em US$ 80 bilhes. Praticamente inexistem marcas brasileiras internacionalmente reconhecidas
  • Slide 26
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 O papel da marca na indstria farmacutica Medicamentos genricos custam em mdia 50% menos que os de marca. O marketing junto a classe mdica representa a maior parte dos custos dos laboratrios.
  • Slide 27
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Desenho industrial Relacionado ao aspecto ornamental ou esttico de um objeto. O desenho pode se constituir de estruturas tridimensionais, como a forma de um componente ou estruturas bidimensionais, como modelos, linha e cores.
  • Slide 28
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Reaes ao avano da propriedade intelectual no design Na Bienal de So Paulo de 2006, um grupo de designers transformou um auditrio de cadeiras genricas em mveis com design protegido por direitos de autor com os seguintes cartazes de protesto: Nunca houve momento na histria em que parte to grande de nossa cultura fosse propriedade de algum; nunca houve tempo em que a concentrao de poder para controlar os usos da cultura fosse to inquestionavelmente aceita como agora. Fonte: Sergio Leo, Valor Econmico 16/10/06 pg. A2
  • Slide 29
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Indicao geogrfica Sinal usado em produtos designando que so originrios de uma certa rea geogrfica e que possuem adjetivos ou reputao diretamente relacionados ao lugar de origem.
  • Slide 30
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Concesso de patentes no Brasil
  • Slide 31
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Patentes registradas no INPI de 1990 a 2001
  • Slide 32
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Alternativas a propriedade intelectual Software livre/ Cdigo aberto Copyleft Segredo Industrial Lead time (chegar primeiro com inovaes no mercado) Complexidade tecnolgica do projeto
  • Slide 33
  • Paulo Tigre. Gesto da Inovao Ed.Elsevier, 2006 Efetividade das diferentes formas de proteo em inovaes em produtos e processos

Recommended

View more >